PlayStation Magazine PT

FAR CRY 6

A ATUAÇÃO É ÓTIMA, MAS CASTILLO NÃO É O MELHOR VILÃO DE FAR CRY

Oque você pensa quando vê o anúncio de um novo Far Cry? Provavelmente, algo como “Ah, mais um...”. Desde que a Ubisoft encaixou FC3 lá em 2012 na então crescente fórmula da empresa, a série tem lançamentos frequentes sem mudar muito. As diferenças, além dos cenários distintos, são ajustes no que ficou velho ou já cansou – saem as infames “torres da Ubi”, entram novidades pontuais como wingsuits ou NPCs companheiros. Far Cry 6 não muda isso, e a questão é: mantêr a fórmula de sempre é mesmo um problema?

Uma característica da série é que ela é muito neutra. No fundo, é um jogo de preencher listas, marcando e apagando pontos no mapa. Falta de personalidade não é algo positivo, porém Far Cry é sempre gostoso de jogar e exige pouquíssimo compromisso do jogador. Ou seja, se você já gostou de Far Cry 3 lá atrás, não há motivos para não gostar de qualquer outro capítulo que saiu nesses últimos nove anos. Quem gosta vai continuar jogando; quem não é chegado, vai passar longe sem pensar duas vezes.

HOMEM MAU

Você está lendo uma amostra, registre-se para ler mais.

Interesses relacionados

Mais de PlayStation Magazine PT

PlayStation Magazine PTLeitura de 6 mins
Stranger Of Paradise: Final Fantasy Origin
A pesar de ter sido anunciado como parte das comemorações dos 35 anos da franquia Final Fantasy e de ter um conceito planejado pelos consagrados Tetsuya Nomura e Kazushige Nojima, Stranger of Paradise não parecia ter moral para tal responsabilidade.
PlayStation Magazine PTLeitura de 1 mins
Cantinho Do Assinante
Caro assinante, este é o espaço para você mostrar para todo mundo o seu cantinho da jogatina, aquele lugar especial da sua casa em que você vive grandes aventuras com o seu PlayStation. Para participar, mande para “playstation@europanet.com.br” um em
PlayStation Magazine PTLeitura de 3 mins
The Artful Escape
Como uma experiência musical, The Artful Escape não chegou a me impactar como os shows gravados na minha memória (como os quase oito minutos de ‘High Hopes’ na apresentação de uma banda cover de Pink Floyd), mas impressiona por tentar, muitas vezes,