A Última Ceia: Um conto de Terror Natalício by Ana C. Nunes - Read Online
A Última Ceia
0% of A Última Ceia completed

About

Summary

O Natal é uma época para a família, em que os membros que não se vêem há muito tempo, se reúnem à mesa, partilham histórias, sonhos, alegrias e uma refeição tradicional. Mas neste Natal a ceia é tudo menos convencional. Uma delícia que poucos têm oportunidade de provar.

Um jovem aborrecido e descontente, em busca de aventuras nocturnas numa casa perdida à beira-rio, irá encontrar muito mais que prendas debaixo da árvore de Natal.

Uma refeição pode esconder muitos segredos ...

Published: Ana C. Nunes on
ISBN: 9781301975525
Availability for A Última Ceia: Um conto de Terror Natalício
With a 30 day free trial you can read online for free

    Reviews

    Book Preview

    A Última Ceia - Ana C. Nunes

    You've reached the end of this preview. Sign up to read more!
    Page 1 of 1

    Sangue"

    Capítulo 1

    Nunca fui muito com a cara do meu tio.

    Ele parece mais velho do que é na realidade, tem uma barba suja e mal aparada que lhe chega ao meio do peito, e uns modos bem nojentos à mesa.

    Não é que alguma vez me tenha feito mal, mas sinceramente preferia mil vezes ter de passar a noite de Natal na casa da tia Petúnia, mais os seus trinta gatos, do que na casa do tio José. Já para não falar que ele mora no fim do mundo, num sítio que mais parece um pantanal. Fico com as sapatilhas cobertas de lama nos dez metros que percorro entre o carro e o alpendre da pequena quintinha que ele habita sozinho desde que a tia Júlia morreu há sete meses. Acho que essa é a razão porque a mãe insistiu que passássemos cá a ceia. Ele recusa-se a deixar a propriedade por umas horas que sejam, e a minha mãe tem um coração de manteiga que só não se derrete quando lhe imploro por mais um jogo.

    E eu aposto que este fim do mundo nem recebe televisão por cabo. E antena de satélite … nem vê-la.

    Enquanto a mãe ajuda o tio a tratar do jantar e o pai acaba de enfeitar o pinheiro e coloca os presentes no chão, eu sou obrigado a deitar os olhos ao pequeno. O meu irmão atira pela terceira vez o prato ao chão, rindo-se como um macaquinho.

    Para lá quieto.

    Baixo-me e acabo por levar um pontapé na bochecha enquanto ele se continuava a rir. Dou-lhe uma chapada brincalhona no pé mas ele apenas começa a espernear com mais força enquanto tenta deitar o resto dos utensílios de plástico abaixo da mesa.

    Mãe, o Gui quer ir para o chão.

    Gui, fofinho, está mas é quietinho que a mãe já vai para aí.- A mãe sabe que ele odeia estar na cadeirinha, mas como ela está enfiada na cozinha e quem tem de o aturar sou eu, isso parece ser de pouca importância.

    Pego-lhe por baixo dos braços e ergo-os da cadeira. Pouso-o no chão e sorrio quando ele perde o equilíbrio e bate com o rabinho no chão. Mesmo quando está constantemente a pontapear-me a cara com aqueles pezinhos, ele é muito fofo.

    Afasto-me uns passos e com as palmas das mãos para cima chamo por ele, incentivando-o a andar. – Anda. Gui, vem ter ao mano.

    Ele curva-se para apoiar as mãos no chão e treme ao erguer o corpinho no ar, rabo primeiro. Equilibra-se nos dois pés, sem nunca parar