Aproveite milhões de e-books, audiolivros, revistas e muito mais, com uma avaliação gratuita

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

A Igreja Queima-Dinheiro
A Igreja Queima-Dinheiro
A Igreja Queima-Dinheiro
E-book124 páginas1 hora

A Igreja Queima-Dinheiro

Nota: 0 de 5 estrelas

()

Ler a amostra

Sobre este e-book

Paulo Alexandre, o Profeta Cego, introduz em Portugal uma nova igreja, a Igreja Queima-Dinheiro (ou a Exura Pecunia). Ele evangeliza e espalha a sua mensagem. Em pouco tempo muitos se convertem, aderindo ao novo culto. Nele a acção do rito mais significativa é a de queimar, literalmente incinerar o dinheiro (na forma de notas). Rapidamente a Exura Pecunia se espalha primeiro pela Europa e depois pelo Mundo inteiro, disseminando-se com ela as Fogueiras Sagradas. Mas por quanto tempo pode a Igreja sobreviver à pressão das autoridades dominantes? E quanto tempo poderá esta Revolução Espiritual (e monetária...) durar?

IdiomaPortuguês
Data de lançamento5 de abr. de 2013
ISBN9781301046188
A Igreja Queima-Dinheiro
Ler a amostra
Autor

Ágata Ramos Simões

Colaborou na tradução japonesa das obras “Todos os Nomes” e “A Caverna” de José Saramago.Representada com três poemas na colectânea de poesia contemporânea portuguesa, “Ventana A La Nueva Poesía Portuguesa”, editada no México pela Ediciones Desierto.Escreveu “Lisboa singular”, livro infanto-juvenil, publicado em português por uma editora francesa (Éditions 00h00).Teve uma participação no Salão do Livro em Paris, entre os dias 16 e 21 de Março de 2001, convidada pela editora Éditions 00h00.Ganhou o 1o prémio no concurso literário “António Mendes Moreira” da Câmara Municipal de Paredes com o manuscrito “À Procura de um Livro” e ganhou igualmente o 1o prémio ex-aequo no concurso literário Orlando Gonçalves da Câmara Municipal da Amadora com o mesmo manuscrito.No princípio de 2006 foi publicada a obra "Sr. Bentley, o Enraba-Passarinhos" pela editora Saída de Emergência.Participou no DN Jovem durante alguns anos.

Leia mais títulos de ágata Ramos Simões

Relacionado a A Igreja Queima-Dinheiro

Ebooks relacionados

Categorias relacionadas

Avaliações de A Igreja Queima-Dinheiro

Nota: 0 de 5 estrelas
0 notas

0 avaliação0 avaliação

O que você achou?

Toque para dar uma nota

A avaliação deve ter pelo menos 10 palavras

    Pré-visualização do livro

    A Igreja Queima-Dinheiro - Ágata Ramos Simões

    A IGREJA QUEIMA-DINHEIRO

    Publicado por Ágata Ramos Simões at Smashwords

    Copyright 2013 Ágata Ramos Simões

    This ebook is licensed for your personal enjoyment only. This ebook may not be re-sold or given away to other people. If you would like to share this book with another person, please purchase an additional copy for each recipient. If you’re reading this book and did not purchase it, or it was not purchased for your use only, then please return to the site and purchase your own copy. Thank you for respecting the hard work of this author.

    INDEX

    CAPÍTULO UM

    CAPÍTULO DOIS

    CAPÍTULO TRÊS

    CAPÍTULO QUATRO

    CAPÍTULO CINCO

    CAPÍTULO SEIS

    CAPÍTULO SETE

    CAPÍTULO OITO

    CAPÍTULO NOVE

    CAPÍTULO DEZ

    CAPÍTULO ONZE

    CAPÍTULO DOZE

    CAPÍTULO TREZE

    CAPÍTULO QUATORZE

    CAPÍTULO QUINZE

    CAPÍTULO DEZASSEIS

    CAPÍTULO DEZASETE

    CAPÍTULO DEZOITO

    1.

    O miúdo olhava para o homem velhote, um pouco distante, no largo do jardim e interessava-se pela figurinha. Que raio seria aquilo? Era uma imagem assaz estranha. Era um velho muito velho (todos os velhos, ou malta da terceira idade como diziam os adultos hipócritas, lhe pareciam muito muito velhos. Caquéticos, decrépitos e podres. Prontos para a reciclagem. Mas o menino Bruno já não se atrevia a dizer alto estas coisas tão mal-educadas porque cada vez que abria a boca pregavam-lhe dois tabefes que era para ver se aprendia a ter maneiras, olha o fedelho!), era velho-velho, dizia-se. Mas havia algo de estranho neste velho. O menino Bruno, com oito anos há pouco feitos, interessou-se pela bizarra figura. Era um fresco dia de primavera, os passarinhos cantavam e as andorinhas andavam a cortejar-se e a arranjar o ninho, que era sempre o mesmo dos anos anteriores (o menino Bruno por vezes apanhava umas quantas para as matar e pôr, com penas e tudo, na sopa da tia ou da avó idosa e decrépita, porque era divertido), mas aquele velho, apesar de estar um pouco frescote, lá isso era verdade, aquele velho-velho tinha posta uma estranha indumentária. O idoso senhor, o cavalheiro que já por cá andava há largas gerações (será que viu alguma Guerra, perguntou-se o menino Bruno? E o pensamento entusiasmou-o, como poucos pensamentos o entusiasmavam, até mais do que a ideia de queimar caracóis vivos e depois nem os comer. Deve ter visto alguma Guerra! É velho! Deve ter!). Mas era esquisitóide, o velhadas, perdão, o cavalheiro de outras e recuadas, recuadíssimas eras, tão antigas que devia já vir do tempo dos dinossauros. Porque o menino Bruno nunca prestava atenção nas aulas, não sabia que homens e dinossauros jamais haviam convivido, mas sem professora com tabefe pronto para lhe corrigir os conhecimentos, ele convenceu-se que o velhote devia ter pirado do miolo porque era mais velho que as traças e quem sabe algum dinossauro lhe tinha comido parte do cérebro e praí metade do cabelo (que o velhadas só tinha restos de pelitos). O velhote, narrava-se, vestia gabardina para se resguardar do vento gélido (que não havia) e da chuva (que tampouco havia), galochas até ao joelho, de cor azul metálico e uma camisa de dormir de senhora, às florzinhas minúsculas amarelas e roxas. Muito bonito seria se estivesse posta numa gaja boa, porque dava para ver as formas através do tecido. Assim, naquele caco vivo colocada, naqueles ossos decrépitos posta, só se via umas coisas minúsculas que passavam por pernas, uma coisa encovada no meio que devia ser a barriga e uns penduricalhos sem força, raquíticos e minúsculos, que se deixa à imaginação do leitor adivinhar o que eram.

    O menino Bruno torceu o narizinho sardento. Jamais vira tal vestimenta a nenhum adulto. Ele decidiu aproximar-se com cautela (algo que ia contra a própria natureza). Aquele adulto deteriorado e esquisito interessava-lhe. Nunca os adultos lhe interessaram. Largou a relíquia do tio no solo (um velho pião com que tentara que o sobrinho brincasse, para ver se largava o raio da consola) e aproximou-se pé ante pé. O idoso, apesar de idoso, andava de um lado para o outro do jardim, muito rapidamente, ia sempre na mesma direcção, de repente parava, voltava-se e fazia o mesmo. Andava por uma extensão de uns cinco metros. Sempre os mesmos cinco metros. Tinha uma bengala da qual não fazia uso como suporte dos velhos ossos e esqueleto antiquíssimo, antes a volteava por cima da cabeça calva, por entre uma série de palavras que o menino Bruno de longe não conseguia perceber. Seriam palavrões? Seriam imprecações de fazer corar a velha freira que vinha visitar a tia todos os meses? Ó, aprender novas palavras más! Para levar mais porrada! Isto animou-o e, enchendo-se de coragem, correu os últimos metros para o pé da estranha personagem e quando finalmente já o conseguia escutar, sentou-se perto, de pernas cruzadas, disposto a ouvir o discurso maluco do gajo.

    Quem sabe aprendesse alguma coisa.

    Mas o que o menino Bruno não sabia era que não seria apenas ele o aprendiz, mas todo o país, todo o Portugal de lés a lés, iria aprender algo Novo. E depois iria espalhá-lo pelo mundo. Como um vírus, para muitos, como cura para outros.

    - A igreja Queima-Dinheiro! - vociferava o velhadas. - A igreja Queima-Dinheiro! A única igreja que merece o nosso respeito! A igreja Queima-Dinheiro! - continuava, a gritar, de modo rouco. Já lá devia estar há muito e ninguém prestava atenção. Agora o menino Bruno reparava, por cima das sardas, que muitos passavam perto do velho esquisito e ou fingiam não ouvir o que ele dizia ou não ouviam mesmo, de tão absorvidos nas suas pequenas e patéticas vidas, feitas de pequenas e perenes aflições. Diminutas agonias que se acumulavam e não desapareciam nunca. - Não falo aos católicos nem protestantes; não me dirijo a hindus nem a muçulmanos. Não falo nem a mórmons nem a testemunhas de jeová. Nem a ateus ou agnósticos. A nenhum de vós eu falo. Gente pequena sem ambição! A Igreja do Queima-Dinheiro é a única resposta possível e exequível! A única! Vós que caminhais como se o mundo acabasse no próximo quarto de hora! Não acaba! Já acabou! Acabou ontem! Acabou há mil anos, há cinco mil anos, há vinte mil anos atrás! Há meio milhão de anos! - prosseguia, de voz rouca que nem chegava a ser alta porque já perdera a potência. Não dava medo a ninguém, assim, ao ouvir-se próximo. O menino Bruno estava a gostar da conversa. Era a primeira vez desde sempre que se sentava quieto a escutar os ensinamentos de um adulto. Geralmente achava-os parvos. Mas não este. Este tinha Ideias!

    O velhote parou por instantes e olhou por cima do toutiço do rapazito, mas não nos seus olhos. Pela primeira vez Bruno notou nos dele uma certa espessura. Como se um véu branco os cobrisse. Sentiu um momentâneo e fugidio arrepio de medo, mas passou e continuou sentado, contido, de pernas cruzadas, nada interessado no que se passava ao redor - apenas naquele velho muito velho, tão velho que devia conhecer extraterrestres!

    - A vida acabou há tanto, tanto tempo! A vida acabou nesse singular instante - dizia o velhote das galochas e bengala - nesse instante singular em que passaram a existir carteiras onde pôr dinheiro. Acabou quando não havia dinheiro, mas ouro e pedras preciosas para trocar por poder, para trocar por tudo o que não tem valor para a alma humana, para o espírito imortal dos homens! A vida acabou aí!

    O menino Bruno ergueu o sobrolho. Gostaria de perceber realmente o que o homem dizia, mas sentia não ter as capacidades ainda desenvolvidas para compreender o discurso. Mas, pela primeira vez, sentia esse estranho espigão que era uma indomável vontade de Compreender.

    - O dinheiro! A vida acabou quando nasceu o conceito do dinheiro. Aí acabou a vida e nasceu a escravidão! A escravidão às coisas, à carne, ao material, às pedras! Ter uma carteira cheia de dinheiro é o equivalente a ter a alma cheia de pedras! Imaginem a vossa casa cheia de pedras! Conseguem lá viver? Pois claro que não! - dizia, embalando a bengala por cima da cabeça calva e dirigindo o olhar opaco e branco para a casca das árvores, os bancos de jardim desocupados e alguma ou outra flor. Uma altura falou para um pardal, que parecia escutá-lo. O pássaro até mudou de ramo de árvore só para (pareceu a Bruno) estar mais perto das palavras do ancião.

    - Perde-se a vida a pensar no dinheiro! Imaginem-se a entrar, à noite, depois de um longo dia de trabalho, dentro da vossa casa e imaginem que abrem a porta e a casa está atafulhada de pedras! Podem viver nela? Poderão, alguma vez, viver nessa casa? Não, porque não é a vossa casa. Não vos pertence. Ela pertence às pedras! A mais nada senão às pedras! Nem é uma casa de gente, onde os homens podem descansar o corpo físico e dar alento à alma, não! É uma casa de seixos! Eis o que tendes, senhores! Eis o que vos preenche os dias! Pedras

    Está gostando da amostra?
    Página 1 de 1