Aproveite milhões de e-books, audiolivros, revistas e muito mais, com uma avaliação gratuita

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

POCKET ZEN 100 histórias budistas para meditar
POCKET ZEN 100 histórias budistas para meditar
POCKET ZEN 100 histórias budistas para meditar
E-book217 páginas1 hora

POCKET ZEN 100 histórias budistas para meditar

Nota: 4.5 de 5 estrelas

4.5/5

()

Sobre este e-book

De origem sânscrita, a palavra meditação pode ser também interpretada como ir além do pensamento.
O Zen não é religião, não é filosofia e, muito menos, um dogma. É um estado de espírito, uma maneira de viver. O Zen é o aqui e agora, o simples e o espontâneo. É estar presente de corpo e alma em tudo que se faz. É encontrar o sagrado nas mais simples ações do cotidiano. É comer quando se está com fome, beber quando se tem sede e dormir quando se está com sono.
O Zen é a própria vida.
Ele não ensina, apenas aponta o caminho. Zazen é o ato de meditar, a forma prática de seguir o caminho e alcançar a iluminação. Estar iluminado é estar consciente o tempo inteiro e transportar para a vidaa percepção que se tem durante o estado de meditação.
As fábulas, histórias e anedotas reunidas pelo autor neste livro são a melhor maneira de se perceber a essência do Zen - um meio para exercer a disciplina, a atenção, a concentração, a tranquilidade e a elevação espiritual.

IdiomaPortuguês
Data de lançamento14 de set. de 2013
ISBN9781301755912
POCKET ZEN 100 histórias budistas para meditar
Ler a amostra
Autor

Bruno Pacheco

Bruno Pacheco é jornalista, escritor e dramaturgo. Escreveu para jornais e revistas e atuou como produtor, editor e roteirista de televisão. Mora no Rio de Janeiro, Brasil, e pesquisa sobre Budismo e filosofias orientais há duas décadas. Bruno Pacheco es periodista, escritor y dramaturgo. Escribió en periódicos y revistas y se desempeñó como productor, director y guionista de televisión. Vive en Río de Janeiro, Brasil, e investiga el budismo desde hace dos décadas. Bruno Pacheco is a journalist , writer and playwright . He wrote for newspapers and magazines and he served as producer, editor and writer of television. Lives in Rio de Janeiro , Brazil , and research on Buddhism and Eastern philosophies for two decades.

Leia mais títulos de Bruno Pacheco

Relacionado a POCKET ZEN 100 histórias budistas para meditar

Ebooks relacionados

Avaliações de POCKET ZEN 100 histórias budistas para meditar

Nota: 4.5 de 5 estrelas
4.5/5

4 avaliações1 avaliação

O que você achou?

Toque para dar uma nota

A avaliação deve ter pelo menos 10 palavras

  • Nota: 5 de 5 estrelas
    5/5
    Um livro leve, delicioso e que nos leva a meditar a cada página lida. Adorei!

Pré-visualização do livro

POCKET ZEN 100 histórias budistas para meditar - Bruno Pacheco

O mestre japonês Nan-in aceitou conceder uma audiência a um professor de filosofia. Ao servir o chá, Nan-in encheu a xícara do visitante, mas continuou despejando sem parar. O professor ficou observando o transbordamento até não poder mais se conter.

Pare! A xícara está mais do que cheia, não cabe mais nada aí, disse o professor.

Assim como esta xícara, você também está cheio de conceitos e idéias. Como posso mostrar-lhe o zen, sem que antes você esvazie a sua xícara?, disse o mestre.

2.

O rei Milinda chamou o famoso mestre Nagasena para uma reunião. Ele queria questionar o mestre.

Posso te fazer uma pergunta?, disse o rei.

Por favor, faça sua pergunta, disse Nagasena.

Eu já perguntei.

E eu já respondi.

Mas o que você respondeu?, indagou surpreso o rei.

O que você perguntou?, questionou Nagasena.

Ora, eu não perguntei nada, disse o rei.

E eu não respondi nada, concluiu o mestre

3.

Diálogo entre um discípulo e o mestre Yue-Shan:

Mestre, em que pensa a pessoa enquanto está meditando?

A pessoa pensa em não pensar, respondeu o mestre.

Como se pensa em não pensar?, questionou o monge.

Sem pensar.

4.

Um dia um homem procurou o mestre Ikkyu pedindo para que ele lhe contasse alguma máxima budista. O homem queria tê-la na ponta da língua para poder demonstrar sabedoria. Ikkyu apanhou seu pincel e escreveu a palavra ATENÇÃO.

Isto é tudo?, perguntou o homem.

Ikkyu escreveu a mesma palavra novamente: ATENÇÃO, ATENÇÃO.

Bom, não vejo realmente nenhuma profundidade no que está escrito, disse o homem.

Então, Ikkyu escreveu a mesma palavra pela terceira

Está gostando da amostra?
Página 1 de 1