Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Amor entre Samurais

Amor entre Samurais

Ler a amostra

Amor entre Samurais

notas:
5/5 (4 notas)
Duração:
102 páginas
1 hora
Editora:
Lançados:
27 de jul. de 2015
ISBN:
9789899776494
Formato:
Livro

Descrição

"Amor entre Samurais" é uma seleção de contos homoeróticos de um dos mais populares autores do Japão no século XVII, Ihara Saikaku. Estes contos foram os primeiros textos de Saikaku a chegar ao Ocidente, na década de 1920, e, quase cem anos depois, são também os primeiros textos do autor a ser publicados em português. Edward Carpenter refere: “Como é possível justificar a negligência absoluta a que tem sido submetida esta literatura? A obra de Saikaku não pertence apenas à história da literatura, mas é também uma mina de informações sobre a história da cultura japonesa, que apenas pode ser ignorada por uma vontade de supressão deliberada da verdade [sobre a homossexualidade no Japão antigo].”

Editora:
Lançados:
27 de jul. de 2015
ISBN:
9789899776494
Formato:
Livro

Sobre o autor

Ihara Saikaku (1642-1693) foi um poeta e romancista japonês, um dos autores mais importantes da literatura japonesa do século XVII, extremamente popular entre os leitores pelas suas descrições irónicas e atrevidas da vida amorosa e financeira dos seus personagens, elevando o romance picaresco japonês, segundo A. M. Janeira, “à sua mais alta expressão.”


Relacionado a Amor entre Samurais

Livros relacionados

Categorias relacionadas

Amostra do livro

Amor entre Samurais - Ihara Saikaku

INTRODUÇÃO

Nanshoku

A palavra japonesa nanshoku era utilizado no Japão antigo para designar o sexo entre homens. As referências escritas ao amor entre homens no Japão surgem pela primeira vez em diversos diários pessoais do período Heian, do século VIII ao XII, e também em obras literárias, nomeadamente no clássico O Conto de Genji, do início do século XI, onde os personagens masculinos se sentem frequentemente atraídos pela beleza dos rapazes.

Durante o período Tokugawa, alguns deuses Shinto, especialmente Hachiman, Myoshin, Shinmei e Tenjin, passaram a ser considerados divindades guardiãs do nanshoku. As relações nanshoku nos mosteiros budistas eram de carácter pederástico: os parceiros mais velhos (nenja, admiradores ou amantes), seriam monges ou sacerdotes, ao passo que os mais novos seriam acólitos (chigo), rapazes pré-pubescentes ou adolescentes. Para garantir a seriedade da relação, os nenja poderiam ser obrigados a escrever um voto formal de fidelidade. Nos círculos militares, era habitual que os rapazes em idade wakashū (entre os 10 e os 20 anos) aprendessem com homens adultos as artes marciais, a etiqueta da guerra e o código de honra dos samurais. Os samurais poderiam, se os seus aprendizes permitissem, tomá-los como seus amantes.

Estas relações amorosas, em mosteiros, palácios e quartéis, evoluíram para um quadro de aceitação da homossexualidade com base num sistema de regras de idade que ficou conhecido por shudō, o caminho dos rapazes. Os nenja eram vistos como ativos e penetradores, ao passo que os wakashū seriam sexualmente recetivos e submissos, por amor e lealdade, mais do que por desejo sexual. Eram relações consideradas honrosas e benéficas para ambas as partes, que juravam ser fiéis e ajudar-se mutuamente em questões de honra e outras disputas. Embora se esperasse que o sexo entre o casal cessasse com a passagem do rapaz à idade adulta, as relações de amizade prolongavam-se frequentemente até à morte.

Com a pacificação da sociedade japonesa, as classes médias adotaram as práticas sexuais dos samurais e, no caso do shudō, deram-lhe uma interpretação mais mercantil. Surgiram os jovens prostitutos masculinos (kagema), frequentemente associados ao teatro kabuki, que serviam uma clientela masculina e feminina, sendo alguns deles tão famosos e aclamados como as modernas estrelas de cinema.

Pelas ilustrações e textos literários que nos chegaram, julga-se que o nanshoku não impediria relações heterossexuais, pelo que tantos os adultos como os jovens rapazes seriam, na terminologia moderna, bissexuais. Os homens puramente homossexuais seriam inimigos das mulheres (onna-girai), embora esta designação fosse conotada com um distanciamento em relação às mulheres em todos os contextos socias, mais do que com a simples preferência por parceiros masculinos.

O mundo flutuante

Com o início do período Tokugawa, a partir de 1603, o Japão experimentou a paz e um desenvolvimento económico e social acelerado. Surgiu então uma população urbana, de mercadores, artesãos e funcionários, com capacidade financeira e vontade para apreciar a arte e a cultura. Era um mundo onde a moda, a elegância e a estética eram altamente valorizados, onde se procurava o divertimento e o prazer, no teatro, na literatura e na pintura, mas também no sexo… um novo mundo que ficou conhecido como ukyio, o mundo flutuante.

Foi neste ambiente que, segundo A. M. Janeira, os textos de Saikaku, Kiseki e Ikku, todos autores de origens modestas, introduziram um novo género literário que se debruçava sobre as alterações sociais em curso. A sua literatura era desprezada pelos escritores oficiais da época, que se mantinham agarrados às estéreis tradições clássicas. Mas este novo género impôs-se e as suas criações estão entre o que de melhor foi produzido pelo génio japonês nos séculos seguintes.

Nessa época, florescia na Europa o romance picaresco, com os seus heróis aventureiros e populares, normalmente de classes baixas, que, pela sua esperteza e agilidade mental, ultrapassavam os inúmeros desafios e contratempos que lhe eram colocados no seio de uma sociedade decadente e corrupta. É ao picaresco que A. M. Janeira compara este novo género literário do mundo flutuante japonês, afirmando que ainda é mais revolucionário: Pela primeira vez na literatura japonesa, as classes baixas forneciam os personagens e a atmosfera social dos romances. (…) Será provavelmente o único caso na história em que encontramos um romance intelectual, criado pelo povo, e não inspirado no folclore, como acontece normalmente.

Ihara Saikaku

Ihara Saikaku (1642-1693) foi um poeta e romancista japonês, um dos autores mais importantes da literatura japonesa do século XVII, extremamente popular entre os leitores pelas suas descrições irónicas e atrevidas da vida amorosa e financeira dos seus personagens, elevando o romance picaresco japonês, segundo Janeira, à sua mais alta expressão.

Ihara Saikaku nasceu em Osaka, no seio de uma família de comerciantes e estudou poesia com alguns dos grandes mestres da cidade. Com a morte da sua mulher, em 1675, compôs um extenso poema e decidiu partir em viagem pelo Japão, deixando para trás os três filhos. Ao regressar a Osaka, dois anos depois, descobriu que o seu poema tinha tido um enorme sucesso, e decidiu iniciar uma carreira profissional como poeta. Em 1682, publicou o seu primeiro romance, A Vida de um Homem Amoroso, e foi-se tornando cada vez mais famoso. Quando morreu, aos 51 anos, era considerado um dos autores mais populares de todo o Japão. 

Saikaku ganhou notoriedade pela enorme facilidade com que compunha haikai, os poemas que viriam a resultar nos atuais haiku, tendo conseguido compor 23 500 versos num único dia, em 1684, o que lhe valeu a alcunha de o poeta dos 20 000. Mas a obra de Saikaku é importante, sobretudo, pelos seus contos e romances, que retratam a sociedade japonesa numa época em que a classe dos mercadores tinha ganho tal proeminência que os seus gostos e desejos prevaleciam nas artes e nos submundos do prazer licencioso (o mundo flutuante). Saikaku escreveu também sobre samurais, artesão, monges e sacerdotes e sobre muitos outros temas, mas, independentemente do assunto que escolhia, o seu humor satírico e a sua capacidade de identificar os detalhes que melhor evocam no leitor a personalidade dos seus heróis está omnipresente.

A. M. Janeira considera que "No Japão, Saikaku tem sido comparado com o autor de O Conto de Gengi; embora a comparação seja provavelmente exagerada para os leitores ocidentais, Saikaku será certamente um dos autores japoneses mais interessantes, possuidor de um realismo poderoso, pleno de irreverência e liberdade intelectual."

Nanshoku Ōkagami

Nanshoku Ōkagami (O

Você chegou ao final dessa amostra. para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de Amor entre Samurais

4.8
4 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor