A Visão Danificada Pelo AVC: Hemianopsias e Suas Formas de Tratamento by R.L. Gomide - Read Online
A Visão Danificada Pelo AVC
0% of A Visão Danificada Pelo AVC completed

About

Summary

Em muitos casos de hemianopsia, é possível tratar e amenizar os efeitos, através de terapias e a utilização de sistemas expansores do campo visual. Entender quais os tipos e variações das hemianopsias existentes é fundamental para se encontrar a melhor forma de tratamento, capaz de proporcionar uma retomada da vida cotidiana. Problemas relacionados à leitura podem ser contornados em muitos casos com o emprego de técnicas e recursos oculares que são incluídos na prescrição de óculos especiais capazes de compensar o campo de visão comprometido. Este livro é uma tradução para o português das principais informações contidas no site www.hemianopsia.net com o objetivo de auxiliar às pessoas a encontrarem a melhor forma de tratamento para correção de suas falhas visuais.

Published: R.L. Gomide on
ISBN: 9781310381881
List price: $1.99
Availability for A Visão Danificada Pelo AVC: Hemianopsias e Suas Formas d...
With a 30 day free trial you can read online for free
  1. This book can be read on up to 6 mobile devices.

Reviews

Book Preview

A Visão Danificada Pelo AVC - R.L. Gomide

You've reached the end of this preview. Sign up to read more!
Page 1 of 1

Introdução

___________________

Em 2014, minha esposa sofreu um Acidente Vascular Cerebral (AVC) quando caminhava de volta para casa com a nossa filhinha de três anos de idade. Seu senso de proteção materno garantiu que ela conseguisse chegar em casa com a nossa filha sã e salva. Logo depois, já não aguentando mais a dor e a tontura, ela foi para o quarto se recolher, achando que se tratava de uma dor de cabeça muito forte.

Quando cheguei em casa, já à noite, a encontrei deitada, sofrendo muito, por causa da dor intensa. Poucos minutos depois, estava com ela no hospital local onde, após duas horas, ela fora internada devido a um AVC. Foram cinco dias de muito sofrimento, muita angústia, onde minha vida virou de cabeça para baixo. O caso dela foi tão grave, que nos poucos momentos em que ela estava desperta, não conseguia reconhecer nada nem ninguém. A sensação da pessoa amada olhar diretamente para você e não te enxergar é algo que não desejo para ninguém. Muito mais doloroso que o sentimento de impotência em si, é a sensação de que não há nada que se possa fazer, além de esperar.

O AVC, ao contrário do que a maioria pensa, não é algo que acontece e pronto, acabou. Não. Um AVC é um processo. Ele leva vários dias para ocorrer completamente e é justamente por causa disso, por desconhecimento total a respeito, que muitas pessoas chegam no hospital e no dia seguinte voltam para suas casas, sem terem noção do grande perigo pelo qual estão expostas. Permanecer no hospital durante o tempo necessário é crucial para conseguir o máximo de recuperação possível. Quanto mais rápido puder levar a pessoa ao hospital, mais rápido será o começo do tratamento, o que aumenta, exponencialmente, as chances de recuperação.

O AVC vai além do acontecimento do fato em si, ele impacta a vida das pessoas de forma profunda, mudando completamente sua rotina e forçando uma adaptação constante, de forma coercitiva. Simplesmente não existe escolha, além de tentar encontrar uma alternativa para os problemas. A boa notícia é que, como em tudo na vida, as coisas se acomodam e a vida segue. O mais importante, nestes casos, é manter a cabeça fria, permanecendo calmo e racional, para conseguir lidar com a pressão da situação. Como diz o ditado, "o que não tem remédio, remediado está".

Por ser muito nova, o caso de minha esposa foi parar na comunidade científica médica do Estado de Minas Gerais, no Brasil. Todos os seus exames e prontuários foram enviados para a capital do Estado para análise, devido a pouca idade e anormalidade de como ocorrera o incidente. Em todos os exames, nada de anormal fora encontrado e os reais motivos que fizeram minha esposa sofrer um AVC continuam um mistério.

Há uma desconfiança de que o anticoncepcional que ela estava usando tenha sido o grande vilão. Mas é praticamente impossível determinar, com plena certeza, se ele teve algum papel decisivo na causa do AVC. O que leva minha esposa a acreditar que sim é justamente o grande número de casos de AVC ocorrendo com mulheres abaixo dos 35 anos de idade nos últimos cinco anos. A grande maioria dos casos relata uma mudança no anticoncepcional que usavam e poucos meses depois, acontecia um AVC. Só em nossa cidade foram vários casos idênticos, no Estado, muitos mais ainda.

Tais fatos nos levam a crer que exista, de fato, algo de nefasto, escondido na composição dos anticoncepcionais, que não é plenamente difundido. Embora nas bulas dos anticoncepcionais esteja escrito, em letras bem miúdas, quase ilegíveis, que eles podem provocar um AVC, tal coisa não é informada pelos ginecologistas da maneira que eu diria ser a mais apropriada. A grande maioria das mulheres usam anticoncepcionais sem nunca terem lido a bula e jamais terem sido avisadas pelos seus ginecologistas a cerca deste perigo.

Em virtude de tudo o que passamos, acreditamos que é de suma importância alertar a todos para este fato que passa completamente desapercebido. Danos no cérebro, em virtude