Aproveite milhões de e-books, audiolivros, revistas e muito mais, com uma avaliação gratuita

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Balada do Cárcere de Reading
Balada do Cárcere de Reading
Balada do Cárcere de Reading
E-book26 páginas20 minutos

Balada do Cárcere de Reading

Nota: 3 de 5 estrelas

3/5

()

Ler a amostra

Sobre este e-book

A «Balada do Cárcere de Reading» é uma longa carta escrita por Oscar Wilde durante os dois anos em que esteve preso sob a acusação de homossexualidade. Nesta obra, Wilde divaga sobre a importância do belo e sobre o ser e a maneira de ser, acabando por concluir que o mundo é um palco e que os papéis foram mal distribuídos.
IdiomaPortuguês
Data de lançamento6 de out. de 2015
ISBN9788893159623
Balada do Cárcere de Reading
Ler a amostra
Autor

Oscar Wilde

Born in Ireland in 1856, Oscar Wilde was a noted essayist, playwright, fairy tale writer and poet, as well as an early leader of the Aesthetic Movement. His plays include: An Ideal Husband, Salome, A Woman of No Importance, and Lady Windermere's Fan. Among his best known stories are The Picture of Dorian Gray and The Canterville Ghost.

Relacionado a Balada do Cárcere de Reading

Ebooks relacionados

Categorias relacionadas

Avaliações de Balada do Cárcere de Reading

Nota: 3 de 5 estrelas
3/5

1 avaliação0 avaliação

O que você achou?

Toque para dar uma nota

A avaliação deve ter pelo menos 10 palavras

    Pré-visualização do livro

    Balada do Cárcere de Reading - Oscar Wilde

    centaur.editions@gmail.com

    Dedicatória

    IN MEMORIAM

    C. T. W.

    ALGUM TEMPO SOLDADO DO ROYAL HORSE GUARDE

    Faleceu no Cárcere de Reading, Berkshire, em 7 de julho de 1896

    1

    Não usava a jaqueta vermelha, pois vermelhos são o sangue e o vinho,

    e de sangue e vinho estavam tintas suas mãos,

    quando o encontraram com a morta, a pobrezita que ele amava e assassinou no leito.

    Com um coçado fato cinzento e um boné de cricket na cabeça, passeava com outros presos;

    leve e ledo era o seu passo, mas nunca vi um homem tão apreensivamente para o dia olhar.

    Nunca vi um homem tão apreensivamente fitar esse toldozinho azul a que os presos chamam céu

    e cada nuvem que, com argênteas velas, ao sabor do vento, ia vogando.

    Com outras almas amarguradas eu passeava noutro pátio e de mim para mim ia perguntando se grande ou pequena seria a culpa daquele homem,

    quando, por trás de mim, cochichou uma voz: Aquele vai dançar na corda.

    Cristo querido! Até as paredes da cadeia pareceram, de súbito, vacilar, e, por cima da minha cabeça, o céu tornou-se um capacete de aço escaldante;

    e embora em minha alma a dor tivesse, minha dor não sentia.

    Somente sabia

    Está gostando da amostra?
    Página 1 de 1