Curta este título agora mesmo, além de milhões de outros, com um período de avaliação gratuita

Apenas $9.99/mês após o período de testes. Cancele quando quiser.

A Felicidade Conjugal

A Felicidade Conjugal

Ler amostra

A Felicidade Conjugal

avaliações:
5/5 (4 avaliações)
Comprimento:
123 páginas
2 horas
Lançado em:
Oct 6, 2015
ISBN:
9788893159456
Formato:
Livro

Descrição

Publicada em 1859, quando o escritor tinha pouco mais de trinta anos, 'A Felicidade Conjugal' é talvez a primeira obra-prima de Lev Tolstoi e prenuncia um tema que terá muita importância na vida do autor russo: o tema do desejo, neste caso apreendido do ponto de vista feminino.
Lançado em:
Oct 6, 2015
ISBN:
9788893159456
Formato:
Livro

Sobre o autor


Relacionado a A Felicidade Conjugal

Livros relacionados

Categorias relacionadas

Amostra do Livro

A Felicidade Conjugal - Lev Tolstoi

centaur.editions@gmail.com

1

Estávamos de luto por nossa mãe; falecera no outono precedente e passámos todo o inverno no campo, sós, Macha, Sónia e eu.

Macha era uma antiga amiga da casa; havia sido nossa precetora, tinha-nos educado a todas e as minhas recordações, como a minha afeição por ela, iam tão longe quanto eu me lembrava de mim própria.

Sónia era minha irmã mais nova.

O inverno decorreu para nós sombrio e triste, na nossa velha casa de Pokrovski. O tempo foi frio, ventoso, a tal ponto que a neve se amontoara ainda para cima das janelas; estas estavam quase continuadamente cobertas de gelo e embaciadas, e não pudemos quase nunca durante toda a estação sair nem passear para parte alguma.

Era raro que nos viessem ver, e mesmo aqueles que nos visitavam não traziam nem alegria nem distrações a nossa casa. Tinham todos uma fisionomia pesarosa, falavam baixo, como se tivessem medo de acordar alguém, não se riam, suspiravam e muitas vezes choravam ao contemplar-me, e sobretudo ao ver a minha pobre Sónia com o seu vestidinho preto. De qualquer modo, em casa, tudo respirava-se o ambiente da morte; a aflição, o horror do féretro pairavam no ar. O quarto da mamã continuava fechado e eu experimentava ao mesmo tempo um cruel mal-estar e uma invencível atração em lançar furtivamente uma vista de olhos sobre aquele frio e deserto aposento quando por ele passava para me ir deitar.

Tinha nesta época dezassete anos, e no próprio ano da sua morte a mamã fizera tenção de ir viver na cidade para aí me desenvolver. A perda de minha mãe tinha sido para mim uma grande dor; mas devo confessar que a par deste desgosto, jovem e bela como todos me achavam, sentia um certo pesar em me ver condenada a vegetar um segundo inverno no campo, numa árida solidão. Mesmo antes do termo deste inverno, o sentimento de tédio, de isolamento, e para simplesmente o dizer, de enfado, avolumaram-se no meu íntimo a tal ponto que não saía mais do meu quarto, não abrindo o piano e não pegando sequer num livro. Quando Macha me convidava a ocupar-me disto ou daquilo, respondia-lhe: não quero, não posso; e no fundo da minha alma, perguntava-me uma voz: para que serve isso? Porque não faria eu qualquer coisa, visto que o melhor da minha vida se consumia em pura perda? Porquê? E a este porquê não havia em mim outra resposta senão lágrimas.

Diziam-me que eu emagrecia e que me tinha tornado mais feia durante todo este tempo, mas não me preocupava de maneira alguma com isso. Para quê e por quem me poderia interessar? Parecia que a minha vida devia deslizar inteira neste deserto, no seio desta angústia sem apelação de onde, entregue aos meus únicos e próprios recursos, não me sentia nem com a força nem mesmo com o desejo de me arrancar.

Macha, no fim do inverno, começou a inquietar-se a meu respeito e tomou a resolução, antes que acontecesse qualquer coisa, de me levar ao estrangeiro. Mas para isso era preciso dinheiro e nós mal sabíamos o que nos ficaria da herança de nossa mãe; todos os dias esperávamos o nosso tutor, que devia vir examinar o estado dos negócios.

Até que finalmente ele chegou durante o mês de março.

— Graças a Deus — disse-me Macha um dia que eu vagueava como uma sombra por todos os cantos, ociosa, sem um pensamento no espírito, sem um desejo no coração. — Afinal Sérgio Mikailovitch mandou dizer que vinha jantar connosco. É preciso animares-te, minha querida Katia — acrescentou. — Que pensará ele de ti? Ama-as tanto a ambas!

Sérgio Mikailovitch era nosso vizinho próximo e tinha sido o amigo de nosso defunto pai, apesar de ser muito mais novo do que ele. Além da mudança favorável que a sua chegada vinha imprimir aos nossos planos de vida, dando-nos a possibilidade de deixar o campo, eu estava muito habituada desde a infância a amá-lo e a respeitá-lo para que Macha, aconselhando-me que me animasse, não tivesse adivinhado que se devia operar ainda uma outra mudança e que, de todos os meus conhecimentos, era aquele o único diante do qual me teria sido doloroso aparecer com desfavorável aspeto. Não só tinha uma antiga afeição por Sérgio Mikailovitch, como todos em casa, desde Macha e Sónia, que era sua afilhada, até ao último cocheiro; mas esta afeição tirava um caráter muito particular de uma palavra que a mamã pronunciara diante de mim. Dissera um dia que era um tal marido que me desejava. Naquele momento, semelhante ideia tinha-me parecido muito extraordinária e mesmo bastante desagradável; o herói com que eu fantasiava era completamente diferente. O meu ideal devia ser franzino, magro, pálido e melancólico. Sérgio Mikailovitch, pelo contrário, já não era novo; era alto, vigoroso e, tanto quanto podia imaginar, de génio muito amável. Todavia aquelas palavras da mamã haviam penetrado bastante na minha imaginação; havia seis anos, tinha os meus onze, que ele me tratava por tu, que brincava comigo, que me chamava a violetazinha, e desde então nunca perguntei a mim mesma, sem um certo receio, o que faria eu se, de repente, ele tivesse a fantasia de me querer desposar.

Sérgio Mikailovitch chegou um pouco antes do jantar que Macha fizera aumentar com um prato de espinafres e um doce. Olhei pela janela no momento em que ele se aproximava de casa num pequeno trenó e, desde que virou a esquina, apressei-me em ir para o salão, não querendo deixar suspeitar de modo algum que o esperava. Mas sentindo movimento na antecâmara, e bem depressa a sua brilhante voz e os passos de Macha, esgotou-se-me a paciência e fui ao seu encontro. Conservava entre as suas a mão de Macha e falava num tom elevado e sorrindo. Desde que me viu, calou-se e contemplou-me por alguns instantes sem me saudar; fiquei muito embaraçada e senti-me corar.

— Ah, é possível que seja a menina Katia? — disse num tom simples e decidido desprendendo a mão e aproximando-se de mim. — É possível mudar-se tanto? Como tem crescido! Ontem uma violeta, hoje uma rosa desabrochada!

Pegou-me na mão e apertou-a tanto, com tanta franqueza, que quase me magoou. Tinha pensado que ma beijaria e inclinei-me; mas ele, tomando-me pela segunda vez a mão, fitou-me com o seu olhar firme e jovial.

Havia seis anos que o não via. Tinha mudado muito, envelhecido, estava queimado e deixara crescer os bigodes, o que não lhe ficava muito bem; mas tinha sempre aquelas mesmas maneiras simples, aquela mesma fisionomia franca, honesta, de traços pronunciados, aqueles olhos cintilantes de espírito e aquele sorriso cheio de graça que se diria ser de criança.

Ao cabo de cinco minutos, havia abandonado a atitude de uma simples visita e tomado a confiança de um íntimo em frente de todos nós, e mesmo diante de todos os que, pela sua solicitude servil a seu respeito, altamente testemunhavam a alegria que a sua chegada lhes fazia experimentar.

Não se apresentou como um vizinho que vem a uma casa depois da morte de uma mãe, julgando necessário mostrar um rosto compassivo; esteve, pelo contrário, alegre, conversando, e não disse uma única palavra da mamã, tanto que começava a achar esta indiferença estranha e mesmo bastante inconveniente da parte de um homem que tão de perto convivia connosco. Mas bem depressa compreendi que não era indiferença o que havia no seu íntimo, mas que existia no seu pensamento uma intenção pela qual eu lhe devia estar reconhecida.

À noite, Macha serviu-nos o chá no salão, no lugar habitual em que o tomávamos no tempo da mamã. Sónia e eu sentámo-nos junto dele; o velho Gregório trouxe a Sérgio um antigo cachimbo do papá que havia encontrado e ele, como noutros tempos, começou a andar pela sala de um lado para outro.

— Que terríveis mudanças nesta casa — disse subitamente, parando de passear.

— Sim — respondeu Macha com um suspiro; e tornando a tapar o samovar, encarou Sérgio Mikailovitch já quase a desfazer-se em lágrimas.

— Lembra-se com certeza de seu pai? — perguntou-me ele.

— Alguma coisa.

— Como seria bom para si tê-lo ainda hoje — disse Sérgio lentamente e dirigindo, pensativo, um vago olhar por cima da minha cabeça.

E mais lentamente ainda acrescentou:

— Fui muito amigo de seu pai...

Pareceu-me notar no mesmo instante que os seus olhos brilhavam com um vivo fulgor.

— E Deus arrebatou-nos também nossa mãe! — exclamou Macha.

Depois, colocando muito depressa o guardanapo sobre a chaleira, puxou pelo lenço e pôs-se a chorar.

— Sim, que terríveis mudanças que há nesta casa.

E a estas palavras Sérgio voltou-se.

Um instante depois:

— Katia Alexandrovna — disse elevando a voz — toque alguma coisa.

Causou-me prazer este pedido feito em termos tão simples e tão amigavelmente imperiosos; levantei-me e acerquei-me dele.

— Olhe, toque isto — disse abrindo um livro de Beethoven no adágio da sonata Quase uma fantasia. — Vamos a ver como toca isso — continuou.

E foi beber a sua chávena de chá para um dos cantos da sala.

Não sei porquê, mas senti que me teria sido impossível recusar ou hesitar sob pretexto de que tocava mal; sentei-me, pelo contrário, com submissão diante do piano e comecei a tocar como pude, ainda que tivesse algum medo da sua apreciação, sabendo quanto ele era conhecedor e o gosto que tinha pela música. No tom deste adágio reinava um sentimento que me transportava, por uma espécie de reminiscência, para as nossas conversas antes do chá, e sob esta impressão toquei-o sofrivelmente, pareceu-me. Mas Sérgio não

Você chegou ao final desta amostra. Inscreva-se para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas pensam sobre A Felicidade Conjugal

4.8
4 avaliações / 0 Análises
O que você acha?
Classificação: 0 de 5 estrelas

Avaliações de leitores