Aproveite esse título agora mesmo, além de milhares de outros, com um período de teste gratuito

Gratuito por 30 dias, após esse período: $9.99 por mês. Cancele quando quiser.

A Morte Vai Ao Teatro E Outras Peças Inéditas

A Morte Vai Ao Teatro E Outras Peças Inéditas

Ler a amostra

A Morte Vai Ao Teatro E Outras Peças Inéditas

Duração:
1,169 páginas
4 horas
Lançados:
Jan 13, 2017
ISBN:
9781370742547
Formato:
Livro

Descrição

Este livro reúne nove peças inéditas do dramaturgo Emilio Boechat (conhecido pelas comédias CAMILA BAKER - A SAGA CONTINUA, TUDO DE MIM, LULUZINHAS e EU ERA TUDO PRA ELA & ELA ME DEIXOU) escritas entre 1993 e 2013. Os textos tratam de temas diversos como relacionamento, política, crise existencial, morte, envelhecimento, separação, vaidade entre outros sempre usando de muito bom humor. As peças também tem estilos diversos indo do realismo ao non sense.

Lançados:
Jan 13, 2017
ISBN:
9781370742547
Formato:
Livro

Sobre o autor

EMILIO BOECHAT é dramaturgo indicado ao Troféu Mambembe de Melhor Autor em 1999 pela peça Eu Era Tudo Pra Ela & Ela Me Deixou - peça da qual originou o personagem vencedor do Prêmio Multishow do Bom Humor, em 1998, interpretado pelo ator Marcelo Médici. É autor de comédias como Camila Baker, Lives In Concert (indicada aos prêmios APETESP e SHELL); Luluzinhas e Tudo de Mim. Camila Baker ganhou várias remontagens pelo Brasil e em Portugal. Em 2005, teve elenco estrelado, com Daniel Boaventura, Leonardo Brício, Marcos Mion, Otávio Muller e Danton Mello. Eu Era Tudo Pra Ela & Ela Me Deixou foi remontada em 2011 por Marcelo Médici. Em televisão, Emilio Boechat já passou pela Rede Globo (Angel Mix e Zorra Total, 1999), Bandeirantes/ RGB (Floribella, 2005 e Floribella 2, 2006), GNT (Mulheres Possíveis 2007/ 2008/ 2009), Multishow (Na Fama Na Lama, 2011). Desenvolveu para a FremantleMedia Marcas Da Vida (2010/2011), docudrama exibido na Rede Record (2011). Desde 2006 é contratado dessa emissora, onde já escreveu e colaborou para as novelas Luz do Sol, Amor e Intrigas, Os Mutantes, Promessas de Amor, Bela A Feia, Rebelde 1a e 2a temporadas (que assumiu como autor principal nos quatro últimos meses no ar), Pecado Mortal, de Carlos Lombardi, o especial de fim de ano Balada, Baladão (2010), e a minissérie bíblica Rei Davi (2011/ 2012). Faz parte da equipe de Os Dez Mandamentos e participa da criação da 2a Temporada. Em cinema, escreveu com Marilia Toledo o longa-metragem Lascados, O Filme, estrelado por Paloma Bernardi e Chay Suede, e o roteiro da comédia romântica O Galã, (título provisório) para a Ramalho Filmes. Foi um dos roteiristas do filme Os Dez Mandamentos, lançado em janeiro de 2016, e sua série de humor A Secretária Do Presidente, produzida pela Mixer, tem estreia também em 2016, no Canal Multishow.EMILIO BOECHAT is a best playwright nominee for Troféu Mambembe in 1999 with his play Eu Era Tudo Pra Ela & Ela Me Deixou from which originated the 1998’s Prêmio Multishow do Bom Humor character winner performed by the actor Marcelo Médici. He is the author of comedies as Camila Baker, Lives In Concert (a best play nominee for the awards APETESP and SHELL), Luluzinhas, and Tudo de Mim. Camila Baker was lengthily performed throughout Brazil and Portugal, in 2005, the play was back on stage starring well-known actors: Daniel Boaventura, Leonardo Brício, Marcos Mion, Otávio Muller, and Danton Mello. Eu Era Tudo Pra Ela & Ela Me Deixou got a new production in 2011 performed by Marcelo Médici. As a TV writer, Emilio has scripted for many TV Stations and Channels, including Rede Globo (Angel Mix and Zorra Total, 1999), Bandeirantes/ RGB (Floribella, 2005 and Floribella 2, 2006), GNT (Mulheres Possíveis 2007/ 2008/ 2009), Multishow (Na Fama Na Lama, 2011). For FremantleMedia created the docudrama Marcas Da Vida (2010/2011) aired by Rede Record (2011), where since 2006 has written and collaborated for soap operas such as Luz do Sol, Amor e Intrigas, Os Mutantes, Promessas de Amor, Bela A Feia, Rebelde seasons 1 and 2 (becoming the main author of its four last months on the air); Pecado Mortal, directed by Carlos Lombardi; the year-end special Balada, Baladão (2010), and a biblical miniseries Rei Davi (2011/ 2012). At present, Emilio is a member of Os Dez Mandamentos team writing its second season. For the big screen, he wrote with Marilia Toledo, Lascados, O Filme, performed by Paloma Bernardi and Chay Suede and the romantic comedy for Ramalho Filmes “O Galã” (working title). Besides being one of the screenwriters of Os Dez Mandamentos, released in January 2016, his comedy series A Secretária Do Presidente, produced by Mixer, is also due to be released by the cable channel Multishow this year.


Relacionado a A Morte Vai Ao Teatro E Outras Peças Inéditas

Livros relacionados

Amostra do livro

A Morte Vai Ao Teatro E Outras Peças Inéditas - Emilio Boechat

SE ALGUÉM LHE OFERECER FLORES (1992)

Se Alguém Lhe Oferecer Flores - Personagens

Se Alguém Lhe Oferecer Flores - Cenário

Se Alguém Lhe Oferecer Flores - Sinopse

Se Alguém Lhe Oferecer Flores - Cena 1

Se Alguém Lhe Oferecer Flores - Cena 2

Se Alguém Lhe Oferecer Flores - Cena 3

Se Alguém Lhe Oferecer Flores - Cena 4

Se Alguém Lhe Oferecer Flores - Cena 5

Se Alguém Lhe Oferecer Flores - Cena 6

Se Alguém Lhe Oferecer Flores - Cena 7

Se Alguém Lhe Oferecer Flores - Cena 8

É IMPOSSÍVEL SER FELIZ SOZINHO - primeira versão (1993)

É Impossível Ser Feliz Sozinho 1993 - Personagens

É Impossível Ser Feliz Sozinho 1993 - Cenário

É Impossível Ser Feliz Sozinho 1993 - Sinopse

Cena 1 - Prólogo

Cena 2 - Créditos

Cena 3 - Despedida de Laura

Cena 4 - Cotidiano 1

Cena 5 - Amor

Cena 6 - Cotidiano 2

Cena 7 - Amor

Cena 8 - Cotidiano 3

Cena 9 - Recitação

Cena 10 - Cotidiano 4

Cena 11 - Cantando

Cena 12 - Depoimento de Sid

Cena 13 - Despedida de Sid

Cena 14 - Depoimento de Laura

Cena 15 - Perguntas

Cena 16 - O Encontro

A VIDA NÃO ESPERA (1996)

A Vida Não Espera - Personagens

A Vida Não Espera - Cenário

A Vida Não Espera - Sinopse

A Vida Não Espera - Cena 1

A Vida Não Espera - Cena 2

A Vida Não Espera - Cena 3

A Vida Não Espera - Cena 4

A Vida Não Espera - Cena 5

A Vida Não Espera - Cena 6

A Vida Não Espera - Cena 7

A Vida Não Espera - Cena 8

A Vida Não Espera - Cena 9

A Vida Não Espera - Cena 10

A Vida Não Espera - Cena 11

A Vida Não Espera - Cena 12

A Vida Não Espera - Cena 13

A Vida Não Espera - Cena 14

HOMENS QUE USAM TERNO (1997)

Homens Que Usam Terno - Personagens

Homens Que Usam Terno - Cenário

Homens Que Usam Terno - Sinopse

Cena 1

Cena 2

Cena 3

Cena 4

Cena 5

Cena 6

Cena 7

Cena 8

Cena 9

Cena 10

Cena 11

Cena 12

Cena 13

Cena 14

Cena 15

Cena 16

Cena 17

Cena 18

Cena 19

Cena 20

Cena 21

Cena 22

Cena 23

Cena 24

Cena 25

Cena 26

Cena 27

Cena 28

Cena 29

Cena 30

Cena 31

A MORTE VAI AO TEATRO (2004)

A Morte Vai Ao Teatro - Personagens

A Morte Vai Ao Teatro - Cenário

A Morte Vai Ao Teatro - Sinopse

A Morte Vai Ao Teatro - Cena 1

A Morte Vai Ao Teatro - Cena 2

A Morte Vai Ao Teatro - Cena 3

UM ENCONTRO CASUAL (2005)

Um Encontro Casual - Personagens

Um Encontro Casual - Cenário

Um Encontro Casual - Sinopse

Um Encontro Casual - Cena 1

Um Encontro Casual - Cena 2

Um Encontro Casual - Final 1

Um Encontro Casual - Final 2

Um Encontro Casual - Final 3

É IMPOSSÍVEL SER FELIZ SOZINHO - segunda versão (2006)

É Impossível Ser Feliz Sozinho 2006 - Personagens

É Impossível Ser Feliz Sozinho 2006 - Cenário

É Impossível Ser Feliz Sozinho 2006 - Sinopse

É Impossível Ser Feliz Sozinho 2006 - Cena 1

É Impossível Ser Feliz Sozinho 2006 - Cena 2

É Impossível Ser Feliz Sozinho 2006 - Cena 3

É Impossível Ser Feliz Sozinho 2006 - Cena 4

É Impossível Ser Feliz Sozinho 2006 - Cena 5

É Impossível Ser Feliz Sozinho 2006 - Cena 6

É Impossível Ser Feliz Sozinho 2006 - Cena 7

É Impossível Ser Feliz Sozinho 2006 - Cena 8

É Impossível Ser Feliz Sozinho 2006 - Cena 9

É Impossível Ser Feliz Sozinho 2006 - Cena 10

É Impossível Ser Feliz Sozinho 2006 - Cena 11

É Impossível Ser Feliz Sozinho 2006 - Cena 12

É Impossível Ser Feliz Sozinho 2006 - Cena 13

É Impossível Ser Feliz Sozinho 2006 - Cena 14

É Impossível Ser Feliz Sozinho 2006 - Cena 15

ESPERANDO NÉLSON MOTTA (2006)

Esperando Nélson Motta - Personagens

Esperando Nélson Motta - Cenário

Esperando Nélson Motta - Sinopse

Esperando Nélson Motta - A Peça

BEM ACOMPANHADO (2009)

Bem Acompanhado - Personagens

Bem Acompanhado - Cenário

Bem Acompanhado - Sinopse

Bem Acompanhado - A Peça

A INFÂNCIA DE CAMILA BAKER (2013)

A Infância de Camila Baker - Personagens

A Infância de Camila Baker - Cenário

A Infância de Camila Baker - Sinopse

A Infância de Camila Baker - Cena 1

A Infância de Camila Baker - Cena 2

A Infância de Camila Baker - Cena 3

A Infância de Camila Baker - Cena 4

A Infância de Camila Baker - Cena 5

A Infância de Camila Baker - Cena 6

A Infância de Camila Baker - Cena 7

A Infância de Camila Baker - Cena 8

A Infância de Camila Baker - Cena 9

A Infância de Camila Baker - Cena 10

A Infância de Camila Baker - Cena 11

A Infância de Camila Baker - Cena 12

A Infância de Camila Baker - Cena 13

A Infância de Camila Baker - Cena 14

A Infância de Camila Baker - Cena 15

A Infância de Camila Baker - Cena 16

A Infância de Camila Baker - Cena 17

A Infância de Camila Baker - Cena 18

A Infância de Camila Baker - Cena 19

A Infância de Camila Baker - Cena 20

A Infância de Camila Baker - Cena 21

A Infância de Camila Baker - Cena 22

A Infância de Camila Baker - Cena 23

SOBRE O AUTOR

INTRODUÇÃO

O presente livro reúne dez peças nunca montadas profissionalmente, apesar de algumas delas já terem sido encenadas mais de uma vez em cursos de teatro pelo Brasil: HOMENS QUE USAM TERNO e A MORTE VAI AO TEATRO, particularmente. É IMPOSSÍVEL SER FELIZ SOZINHO, que tem aqui duas versões bem diferentes do texto, teve uma leitura há muitos anos dirigida por Regina Galdino. Sua segunda versão teve uma curta montagem estrelada por Arô Ribeiro fora de São Paulo, capital. SE ALGUÉM LHE OFERECER FLORES foi montada em Portugal por um grupo amador.

Os textos estão em ordem cronológica de modo que, acredito, se lidos em sequência será possível perceber uma evolução em sua carpintaria (torço para que percebam!). Evidentemente, como uma antologia de peças teatrais, não é necessário ler-se na ordem em que aparecem. Igualmente interessante seria lê-los de trás para frente.

Curioso é, ao ler textos escritos em períodos tão distintos, perceber que várias questões dos personagens continuam, por vezes, muito atuais, assim como as mazelas de nosso país. Em todo o caso, tirando a peça política HOMENS QUE USAM TERNO, todas as demais contam mais os dramas pessoais das personagens e, portanto, penso que resistem mais ao tempo (apesar de HOMENS QUE USAM TERNO parecer mais atual do que quando foi escrito, quase vinte anos atrás).

Costumo dizer que não considero um texto teatral finalizado até que seja encenado. Portanto, o que une todas essas comédias tão distintas entre si é o fato de nenhuma delas estar pronta. Elas são o que são, como texto, até que sejam um dia encenadas e, desta forma, as imperfeições e falhas sejam corrigidas para uma melhor experiência sobre o palco.

Com este livro publico assim a totalidade da minha obra teatral - até o momento já que pretendo continuar escrevendo para teatro enquanto tiver forças e sanidade para esta tarefa. Minhas primeiras peças publicadas fizeram parte da Coleção Aplauso da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo: O TEATRO DE EMILIO BOECHAT. Publiquei também de forma independente: IT’S ILLEGAL, BUT IT’S OKAY (minha primeira e única peça escrita em inglês), LOUCAS DE PEDRA (uma antologia de textos curtos de humor), CANSEI DE SER BELO & O BURACO, TRÊS MULHERES BAIXAS & A ÚLTIMA VISITA, TRÊS COMÉDIAS A QUATRO MÃOS (reunindo textos em parcerias com Petrônio Gontijo, Carlos Elino Boechat e Marilia Toledo), DETETIVE PARKER (que reúne três peças que escrevi com a participação desse detetive, que estreou na primeira montagem de Camila Baker). Ainda pretendo lançar um livro com todas as versões da peça CAMILA BAKER, desde sua primeira montagem em 1991 até a última em 2007, em Salvador.

Boa leitura!

De Volta ao Índice

SE ALGUÉM LHE OFERECER FLORES

PERSONAGENS

JÚLIA, desenhista de moda. Melhor amiga de Sandra. Moram juntas no mesmo apartamento.

SANDRA, advogada e amiga de Júlia.

JOFRE, novo morador do prédio onde vivem Júlia e Sandra.

Índice da Peça

De Volta ao Índice

CENÁRIO

APARTAMENTO DE JÚLIA E SANDRA.

Índice da Peça

De Volta ao Índice

SINOPSE

JÚLIA - desenhista de moda - e SANDRA - advogada - dividem o mesmo apartamento. Ambas sofreram desilusões amorosas e não namoram há algum tempo. Porém tudo vai mudar quando JOFRE - um executivo bem mauricinho - que acabou de mudar-se para o mesmo prédio que elas, toca a campainha do apartamento das duas por que o carro de SANDRA, mal estacionado, o está impedindo de sair com seu veículo. Nesse instante, JOFRE se interessa por JÚLIA, mas quem fica a fim dele é justamente a amiga SANDRA. JOFRE manda flores para JÚLIA sem endereça-las porque ainda não sabe seu nome. SANDRA, no entanto, tem certeza que as flores são para ela e, a partir daí, começa uma série de equívocos e confusões, que desembocam numa revelação inesperada, com um final igualmente surpreendente.

Índice da Peça

De Volta ao Índice

CENA 1

Apartamento de SANDRA e JÚLIA. JÚLIA desenha em sua prancheta. SANDRA entra, chegando do trabalho.

SANDRA

(Estafada)

Meu Deus, que dia! Tô exausta! Hoje foi um dia duro. Aquele fórum tava um inferno! Um calor insuportável! Advogados de terno e gravata, suando em bicas. Criminosos, bandidos, estupradores mal encarados, exalando um cheiro forte... E eu lá, tendo que me manter firme, impassível, em minha posição de advogada de defesa, lidando com presos de feições embrutecidas, que há anos não tocam uma mulher, passeando seus olhos pelo meu corpo, sem dar a mínima para o que eu estou falando sobre seus direitos, liberdade condicional, ou por que agarrou aquela moça indefesa e a levou para o meio do mato, arrancando as suas roupas e fazendo sexo com ela de uma maneira furiosa e violenta, apesar das suas súplicas para que parasse, enquanto ele prosseguia e ela gritava: Não! Não! Não!

SANDRA para exausta. passa um lenço na testa suada. Toma fôlego.

SANDRA

Você tem ideia de quantos casos assim chegam às minhas mãos, todos os dias. Você não ia acreditar. É de deixar os nervos de qualquer mulher à flor da pele! Mesmo os de uma mulher como eu: fria, sensata, racional...

SANDRA para um pouco e olha para JÚLIA que o tempo todo trabalha em sua prancheta sem desviar muito sua atenção para SANDRA.

SANDRA

Júlia, você ouviu alguma do que eu disse?

JÚLIA

(Sem prestar atenção)

Claro.

Pequena pausa. SANDRA olha para JÚLIA por alguns instantes. Pensa.

SANDRA

Ainda bem. Foi um dia estafante! Acho que preciso de férias. Relaxar um pouco. Viajar, quem sabe, para um lugar exótico, uma praia deserta numa pequena ilha do pacífico, onde eu possa entrar em contato íntimo com a natureza, me alimentar de frutas, me banhar no mar imenso e azul, quem sabe correr nua pela praia, participar de alguma cerimônia primitiva, dançando em volta do fogo com aqueles nativos seminus...

SANDRA se abana.

SANDRA

Que calor! Não sei como você consegue trabalhar com essas janelas fechadas.

JÚLIA

Estão abertas.

SANDRA

Não chove mais nessa terra? Precisa cair um pé de água! Não sei o que está acontecendo comigo... Tenho estado tão irritada. Não consigo mais dormir à noite, eu que sempre tive um sono de pedra. Só mesmo os calmantes tem adiantado.

JÚLIA

Não devia ficar tomando calmantes pra dormir.

SANDRA

Só consigo dormir desse jeito! E mesmo assim não é um sono tranqüilo. Sempre acordo no meio da noite completamente suada e ofegante, como se tivesse corrido uns dez quilômetros.

SANDRA para novamente. Bebe um copo de água. Volta-se para JÚLIA que continua absorta no seu trabalho.

SANDRA

O que você tá fazendo?

JÚLIA

Moda praia masculina...

SANDRA se aproxima para olhar, com especial atenção.

SANDRA

É...

JÚLIA

O que você acha?

SANDRA

Bonitos... Mas como tá quente! Você não tá sentindo?

JÚLIA

Não. Mas eu fiquei sentada aqui o dia inteiro. Não corri de um lado para o outro como você.

SANDRA

Corri mesmo... E como eu corri hoje! Tô muito cansada. Preciso sentar e relaxar.

SANDRA senta-se. Respira fundo por alguns poucos segundos. Mexe com a cabeça para relaxar, mas quando menos se espera, volta a falar com a mesma rapidez e agitação de antes.

SANDRA

Júlia, eu não agüento mais! Isso já passou dos limites! Nenhum ser humano é capaz de suportar!

JÚLIA

Sério que tá tão quente?

SANDRA

(Tristonha)

Eu tô tão sozinha, amiga.

JÚLIA

Ah, isso?

SANDRA

Tão carente!

JÚLIA

Eu tô aqui.

SANDRA

Há quatro longos e torturantes meses que não pinta um homem na minha vida. Me desculpe se isso parece muito vulgar pra uma mulher como eu, mas é a pura verdade. Há quatro meses que a única companhia que eu tenho quando vou pra cama é o meu travesseiro! Ele é macio, gostosinho, mas falta alguma coisa.

JÚLIA

É seu travesseiro que faz aquele barulhinho?

(Imita o som de um vibrador)

Vrrrrrrrrrrrrrrrr...

SANDRA

(Explodindo)

Eu não agüento mais! São cento e vinte dias de abstinência total! E, me desculpe, amiga, mas eu nunca tive vocação pra freira! Isso pode parecer sujo, de mau gosto, indigno, mas... Às vezes, quando eu tô falando com um daqueles criminosos brutamontes, a minha vontade é que ele pule sobre mim, arranque minhas roupas e me possua de uma forma selvagem e animal!

JÚLIA

(Horrorizada)

Credo! Não fala isso nem brincando.

SANDRA

Eu sei.

(Envergonhada)

Falando assim, pareceu mais sujo do que eu havia imaginado... Mas é só nisso que eu tenho pensado nas últimas semanas: sexo!

JÚLIA

Se o problema é esse, tá fácil de resolver.

SANDRA

Você me conhece. Não tenho coragem de sair com um cara por apenas uma noite de prazer.

JÚLIA

(Sem prestar muita atenção)

Não?

SANDRA

Já pensei nisso, claro...

JÚLIA

A gente tá no século vinte e um.

SANDRA

Tem até o Saldanha, que vive me convidando pra sair.

JÚLIA

O Saldanha!

SANDRA

Mas ele tem um mau hálito terrível e aquele perfume que ele usa...

(Enojada)

Me dá ânsia!

JÚLIA

O que não falta é homem por aí querendo sexo sem compromisso.

SANDRA

Não é só sexo, Júlia.

JÚLIA

Não? Você disse/

SANDRA

(Corta)

Claro que sexo tem um peso, é importante, fundamental... Mas não é só sexo! Faz tanto tempo que eu não conheço um homem interessante, bonito, charmoso, inteligente, educado, fino, gostoso...

(Revoltada)

Mas também pudera, com um trabalho ruim como o meu.

JÚLIA

Deve haver milhares de homens interessados em você! Você é que não deve estar procurando direito.

SANDRA

Eu tenho procurado, sim. Estou de olhos bem abertos, mas não tenho encontrado nada, ninguém. Toda a noite, quando eu vou me deitar me vem aquela esperançazinha, mas aí, eu corro pro armário, abro a porta, e não tem ninguém lá dentro. O que eu faço?

JÚLIA

Talvez você deva sair mais, badalar um pouco.

SANDRA

Sozinha? Se pelo menos você se animasse de ir junto. Mas passa o dia inteiro trancada nesse apartamento. Nunca vi alguém trabalhar tanto. Você não se diverte!

JÚLIA

Não sou de sair. E gosto do meu trabalho.

SANDRA

Acontece que a vida não é só trabalho, Júlia! Eu tô falando sério! Desde que você e o Rodolfo terminaram, nunca mais te vi sair com ninguém!

JÚLIA

Você sabe que eu não gosto/

SANDRA

(Interrompe)

Desculpe, amiga. Eu sei o quanto é doloroso pra você. Mas não pode ficar aí, curtindo essa fossa eterna! Nenhum homem merece isso. Tudo bem, o Rodolfo era mesmo um homem e tanto... Fino, elegante, culto e, além disso, tinha um corpo fantástico, mas a vida continua.

JÚLIA

Tô bem assim.

SANDRA

Impossível! Nenhum ser humano está bem sozinho. Não fomos feitos para viver em isolamento. Precisamos nos relacionar com outros seres humanos, principalmente, se eles forem altos, loiros e de olhos azuis. Mas nada contra os morenos.

JÚLIA

Não transfere o seu problema pra mim! É você quem tá se queixando de estar sozinha, não eu.

SANDRA

Não tá se queixando agora. Mas quando perceber o tempo que perdeu sentada na frente dessa prancheta, seus anos de frescor e juventude, desenhando roupas de banho, enquanto poderia estar numa praia, tomando banho sem roupa com um desses modelos que você conhece e que, eu sei muito bem, dão em cima de você, ah, minha amiga, você vai dizer: Por que eu não dei ouvidos aos conselhos da minha amiga Sandra?. Me desculpe, mas ouça o que eu digo: nada no mundo substitui uma boa trepada.

JÚLIA

Que horror, Sandra! Eu nunca te vi falando desse jeito!

SANDRA

Pois é... Estou precisando descarregar um pouco de energia.

JÚLIA

Faz uma ginástica.

SANDRA

Eu quero descarregar, não desperdiçar energia.

JÚLIA

Exagerada.

SANDRA

Não consigo te entender. Se eu fosse você já tava subindo pelas paredes! A menos que eu não saiba de alguma coisa.

(Desconfiada)

O que é que você tá me escondendo? Não vá me dizer que as suas idas pra terapia, na verdade/

JÚLIA

(Ficando constrangida)

Eu estou fazendo terapia, Sandra! Não tenho nada pra esconder.

SANDRA

Quem faz terapia geralmente tem.

JÚLIA

Quem faz terapia está em busca de respostas.

SANDRA

Já sei... Ele é do tipo mais velho, paternal e está louco pra te pegar no colo e/

JÚLIA

É uma terapeuta, uma mulher!

SANDRA

Não precisa estragar minhas fantasias!

JÚLIA

E terapia é coisa séria!

SANDRA

Desculpa. Talvez eu devesse fazer terapia também. Quem sabe eu não conseguiria essa sua calma, essa paz interior...

JÚLIA

Também não sou nenhum monge budista. Tenho os meus problemas como você!

SANDRA

Eu sei que tem. E um deles é deixar em segundo plano a sua vida sentimental. Ouça o que estou dizendo, Júlia. Aposto como a sua terapeuta diz a mesma coisa.

JÚLIA

O que a minha terapeuta diz é problema meu.

SANDRA

Não se fala mais nisso. Não vai ficar chateada comigo, vai?

JÚLIA

Tá desculpada.

SANDRA

Que bom.

Instante de silêncio.

SANDRA ameaça sair da sala, mas volta de súbito.

SANDRA

Mas não deixa de pensar no que eu disse. Não há coisa melhor no mundo do que um homem carinhoso pra te esquentar durante a noite.

JÚLIA

Eu tenho um ótimo cobertor elétrico.

SANDRA

Mas eu aposto que ele não respira na sua nuca, nem te deixa arrepiada.

JÚLIA

Pelo menos sei que posso contar com ele quando precisar.

SANDRA

É pouco, minha amiga. Mas não quero discutir isso. Vou tomar um banho.

JÚLIA

Vai.

(Brinca)

Você tá precisando de um bom banho de água fria.

SANDRA deixa o palco. JULIA segue desenhando mais um pouco. E sai um tempo depois.

FIM DA CENA.

Índice da Peça

De Volta ao Índice

CENA 2

Passagem de tempo. Palco vazio. Tocam a campainha do apartamento de JÚLIA e SANDRA. Alguns instantes. Ninguém atende. Tocam novamente. Nada. Então a campainha soa insistentemente. Mais algum tempo e vemos JÚLIA, que entra em cena de pijamas. Cabelos despenteados e cara inchada, de quem acabou de acordar e não gostou nem um pouco. Ela atende à porta. Diante dela surge JOFRE, um homem bonito e elegantemente vestido.

JÚLIA

(De mau humor)

O que é?

JÚLIA resmunga de um jeito que quase não se consegue entender o que ela fala. JOFRE tenta ser educado, apesar de uma certa irritação.

JOFRE

Desculpe se eu te tirei da cama tão cedo, mas é que...

JÚLIA

Que horas são?

JOFRE

Cinco da manhã.

SANDRA

Desculpa, acho que não ouvi direito.

JOFRE

São cinco horas da manhã.

JÚLIA abaixa a cabeça. Instantes. Volta a falar, de súbito, muito irritada.

JÚLIA

Cinco da manhã? Eu não acredito!

JOFRE

(Sem entender)

Desculpe. Perdeu algum compromisso? Tinha que estar em algum lugar a essa hora?

JÚLIA

Sim! Na minha cama, dormindo. E não aqui, de pé, falando com alguém que eu nem conheço!

JÚLIA bate a porta. Começa a se dirigir de volta para o quarto mas a campainha toca novamente. Ela volta e atende a porta.

JÚLIA

Mas não é possível! Você de novo!?

É JOFRE novamente diante dela.

JOFRE

Eu sei que a hora pode não ser muito propícia, mas eu realmente preciso dessa informação...

JÚLIA

Fala.

Nesse instante entra em cena SANDRA, que parece ter acabado de acordar. Ela está enrolada num lençol e uma das suas pernas escapa e fica à mostra, de maneira provocante o suficiente para embaraçar JOFRE.

SANDRA

O que tá acontecendo? Que confusão é essa?

Vendo que JOFRE não consegue deixar de olhar para sua perna descoberta, SANDRA tem um impulso para se enrolar melhor no lençol. Mas logo em seguida, pensa melhor e o afasta ainda mais, deixando a perna mais à vista.

JÚLIA

É esse sujeito aqui que esqueceu o dedo na nossa campainha.

JOFRE

Eu posso explicar...

JÚLIA

Explica de uma vez!

SANDRA começa a simpatizar com JOFRE.

SANDRA

Você não mora aqui no prédio, mora? Não me lembro de você...

JOFRE

É justamente por isso que eu estou aqui/ Quer dizer/ Não exatamente/

JÚLIA

Vai ou não vai explicar por quê acordou a gente a essa hora?

SANDRA

Jesus! Não seja má educada! Convida ele pra entrar.

JÚLIA

Você bebeu? Eu nem conheço o cara! E se for um assalto?

SANDRA

Se fosse, ele já tinha entrado.

JOFRE

Por favor, eu não quero incomodar...

JÚLIA

(Irritada)

Toca a campainha às cinco da manhã e não quer incomodar?

SANDRA se dirige a JOFRE. Faz menção para que entre.

SANDRA

Por favor, sente-se!

JOFRE entra timidamente e senta no sofá. SANDRA senta-se bem ao seu lado.

SANDRA

(Para JOFRE)

Não repara na minha amiga. Mas a noite passada ela ficou trabalhando até altas horas. Ela é estilista de moda...

JÚLIA

Não fala da minha vida pra um estranho!

SANDRA

Eu sou advogada. E você, faz o quê? Que cabeça a minha! A gente nem se apresentou!

JOFRE

Eu/

JÚLIA

(Corta, irritadíssima)

Eu sei que o papo tá agradável, mas por que você tá aqui?

JOFRE

Eu me mudei pra cá ontem.

SANDRA

(Empolgada)

Por isso eu nunca te vi!

JOFRE

Sou o novo vizinho de vocês aqui, do oitenta e dois...

JÚLIA

E resolveu, por pura hospitalidade, nos comunicar isso às cinco da manhã?! Que gentil!

JOFRE

Não foi por isso que eu vim até aqui.

JÚLIA

E por que foi?

SANDRA

(Querendo participar)

É. Por quê?

JOFRE

O carro de uma de vocês está bloqueando a saída do meu. A placa é EBH 6473.

SANDRA

(Se antecipando)

É o carro da Júlia!

JÚLIA

(Espantada)

Meu carro?

SANDRA

(Para JOFRE)

Essas vagas são tão pequenas.

SANDRA faz sinal para que JÚLIA confirme sua história.

JÚLIA

(Sem entender)

Mas/

SANDRA

(Para JOFRE)

Olha, me desculpe. Não vai acontecer mais!

JÚLIA

Eu/

JOFRE

Eu já estou um pouco atrasado, de maneira que, se fosse possível que uma das duas tirasse o carro/

SANDRA

Claro! Agora.

(Para JÚLIA)

Vai dormir, amiga. Eu mesma cuido disso!

(Para JOFRE)

Só um minutinho pra eu vestir alguma coisa!

SANDRA sai da sala rapidamente. Tanto JÚLIA como JOFRE parecem um pouco atordoados. JÚLIA olha pra coxia por onde saiu SANDRA, olha para JOFRE. Pensa.

JÚLIA

Olha, o carro/

SANDRA irrompe na sala já vestida.

SANDRA

Estou pronta. Vamos?

JOFRE levanta-se, meio sem grace.

JOFRE

(Para JÚLIA)

Até logo!

SANDRA

Daqui a pouco eu tô de volta.

Saem os dois e SANDRA fecha a porta atrás de si. Abre-a em seguida voltando-se para JÚLIA.

SANDRA

Se eu não voltar em quatro horas, não se preocupe. Eu estarei bem!

SANDRA fecha a porta. JÚLIA, ainda um pouco atordoada, vai até o sofá. Senta-se. Pensa e resmunga um pouco sobre o que aconteceu, e adormece.

FIM DA CENA.

Índice da Peça

De Volta ao Índice

CENA 3

Aqui temos uma elipse de tempo. Logo em seguida, a porta se abre com SANDRA surgindo na sala de volta da garagem.

SANDRA

(Fazendo alarde)

Júlia, acorda!

JÚLIA

(Acordando assustada)

O que foi?

SANDRA

(Embevecida)

Que homem!

JÚLIA

Do que você tá falando?

JÚLIA alonga o pescoço.

JÚLIA

Meu pescoço tá doendo. Acho que cochilei no sofá...

SANDRA

E eu acho que encontrei meu príncipe encantado! Estou até sentindo uma coisa aqui no peito de tanta excitação!

JÚLIA

É o cigarro, você devia parar.

SANDRA

Acho que eu tô amando! Ele não é demais? Diz pra mim: ele não é uma graça?

JÚLIA

É impressão minha ou você tá falando daquele cara que esteve aqui tocando a campainha às cinco da manhã? Aliás, que história foi aquela de dizer que o carro era meu? Você sabe muito bem a quem ele pertence!

SANDRA

Foi só uma mentirinha! Eu não podia causar uma má impressão assim logo de cara, confessando que o carro era meu.

JÚLIA

Ainda teve a coragem de me chamar a atenção!

SANDRA

Por favor, Júlia! Lição de moral agora? Num momento sublime como esse, quando sua melhor amiga encontra o homem da sua vida?

JÚLIA

Você deve estar brincando!!

SANDRA

Eu estou completamente apaixonada por ele!

JÚLIA

Por aquele coxinha com cara de panaca?

SANDRA

Yuppie.

JÚLIA

(Inconformada)

Aquele papo todo ontem e se apaixona pelo primeiro sujeito que toca a campainha?

SANDRA

(Sonhando acordada)

O destino tem dessas coisas. Essas surpresas agradáveis...

JÚLIA

(Taxativa)

Às cinco da manhã nenhuma surpresa pode ser agradável.

SANDRA

Você não gostou dele?

JÚLIA

O que você acha?

SANDRA

Sabe qual é o seu problema, Júlia? Você está revoltada com os homens! Desde que você e o Rodolfo romperam, acha que nenhum homem presta. E não é porque você teve uma desilusão amorosa que tem o direito de querer destruir os meus sonhos!

JÚLIA

Você mal conhece o cara!

SANDRA

Nunca ouviu falar de amor à primeira vista?

JÚLIA

Você merece coisa melhor, Sandra!

SANDRA

O que eu posso querer mais? Ele é bonito, inteligente, culto, elegante, executivo de uma grande multinacional, com um conversível vermelho!

JÚLIA

Quer dizer que ele é do tipo que gosta de chamar a atenção? São os piores...

SANDRA

Você não consegue ver nenhuma qualidade nele?

JÚLIA

(Pensa antes de responder)

Sem dúvida ele acorda cedo.

SANDRA

Eu não quero ouvir mais nada, Júlia! Não vou deixar que você arruíne um dia que começou tão bem. Vou me aprontar que já está quase na hora de ir pro fórum.

SANDRA sai, revoltada.

JÚLIA

(Um tanto arrependida)

Por favor, Sandra! Não vai ficar zangada comigo, pensando que eu quero estragar um futuro romance seu com esse cara! Eu gosto de te ver assim, alegre, pra cima. E nem acho que esse Jofre seja tão mau assim... Ele até que é bonitinho...

SANDRA volta correndo para a sala, e senta-se aos pés de JÚLIA, segurando, feliz, as suas mãos.

SANDRA

Ele é, não é?

JULIA assente com a cabeça, sem muita convicção.

JÚLIA

É...

SANDRA

Ele é lindo!

JÚLIA

(Sem convicção)

Sim...

SANDRA

E ele não é elegante?

JÚLIA

Um pouco convencional, eu diria... Mas não deixa de ter uma certa classe.

SANDRA

Isso ele tem! Muita classe! É um homem fino, educado.

JÚLIA

Ele tem bons modos... Limpou os pés no capacho antes de entrar em casa e não tira meleca do nariz em público. É educado, sim.

SANDRA

Um homem com todos esses atributos! E, ainda por cima, bem posicionado profissionalmente, com dinheiro e um sorriso lindo daqueles!

JÚLIA

É... Ele parece que escova os dentes com uma certa regularidade e deve ir ao dentista também. Nenhuma cárie, pelo menos nos dentes da frente...

SANDRA

Então, Júlia? Por que essa implicância?

JÚLIA

Não tem implicância nenhuma.

(Sincera)

Eu só não vou com a cara dele.

(Desculpando-se)

Nada pessoal.

SANDRA se levanta, irritada novamente.

SANDRA

Sabe de uma coisa? Vou trabalhar que é o melhor que eu faço!

SANDRA sai, novamente.

JÚLIA

Por favor, Sandra, escuta! Eu até que me esforço pra gostar dele. Veja só, eu estou me esforçando agora.

JÚLIA fecha os olhos, franze a testa como se fizesse algum esforço mental. Fica algum tempo assim.

JÚLIA

Estou me esforçando...

Instantes.

JÚLIA

(Desiste)

Mas eu não consigo! Tente ver isso mais como intuição feminina!

(Aflita)

Algo me diz que não vai dar certo! Eu percebi isso assim que acordei com a campainha. Eu pensei: só um idiota, um calhorda, um imbecil pode estar tocando essa campainha. E quando eu abri a porta, lá estava ele.

SANDRA passa como um relâmpago pela sala, já pronta para o trabalho.

SANDRA

Tchau!

SANDRA sai e bate a porta.

JÚLIA

Espera... Não é cedo ainda?

Pausa.

JÚLIA

Não sei por que, mas eu acho que devia ter ficado de boca fechada...

SANDRA abre a porta de repente.

SANDRA

Devia mesmo!

SANDRA sai de vez.

FIM DA CENA.

Índice da Peça

De Volta ao Índice

CENA 4

JÚLIA está trabalhando em sua prancheta. SANDRA chega do trabalho, entra em casa sem dar um palavra. JÚLIA observa. SANDRA vai até seu quarto. Volta pra sala. Começa a ler alguma coisa, quem sabe algum processo. Senta-se. Silêncio. JÚLIA se aproxima, tentando fazer as pazes com a amiga.

JÚLIA

Sandra... Sobre hoje de manhã... Acho que estava muito irritada por ter sido tirada da cama tão cedo. Você sabe que eu não sou ninguém antes do meio-dia. Bom... Eu queria pedir desculpas!

SANDRA não diz nada.

JÚLIA

Você me desculpa?

Depois de uma pequena pausa.

SANDRA

Não vai dizer mais nada sobre o Jô?

JÚLIA

(Enojada)

Ele se chama Jô?

SANDRA olha para JÚLIA com cara feia.

SANDRA

Jofre, Jô para os íntimos. Vai continuar criticando o Jô?

JÚLIA?

Não, não vou.

SANDRA

Promete?

JÚLIA

Tenha dó, Sandra!

SANDRA

Promete?

Pausa.

JÚLIA

Tá certo, eu prometo. Você me perdoa?

SANDRA

(Reflete)

Hum...

SANDRA olha bem para JÚLIA.

SANDRA

Vá lá, dessa vez passa.

JÚLIA abraça SANDRA.

JÚLIA

Obrigada, amiga! Me conta agora, como foi o seu dia hoje.

Tocam a campainha.

JÚLIA

Pode deixar. Eu atendo.

JÚLIA levanta-se. Abre a porta e fica alguns instantes fora de cena. Volta, em seguida, com um buquê de rosas em uma das mãos.

SANDRA

(Admirada)

Meu Deus! Rosas!

JÚLIA

(Não menos admirada)

Pois é...

SANDRA

(Eufórica)

Ainda existem cavalheiros no mundo!

(Curiosíssima)

Quem mandou?

JÚLIA

Não sei.

SANDRA

São pra você?

JÚLIA

Não faço ideia...

SANDRA

Então, devem ser pra mim...

JÚLIA

Acho melhor colocar num vaso.

SANDRA

(Aflita)

Pelo amor de Deus, Júlia! Não está nem um pouco curiosa? Veja se tem um cartão!

JÚLIA

Eu tô procurando!

Empolgada demais, SANDRA tira as flores das mãos de JÚLIA e encontra o cartão.

SANDRA

Olha aqui, o cartão!

JÚLIA

Se tivesse me dado tempo suficiente eu mesma teria achado!

SANDRA

Não tem nada escrito aqui no envelope... Nem destinatário... Nem remetente...

JÚLIA

Abre logo, Sandra! Agora, quem está curiosa sou eu!

SANDRA

Calma! Calma!

SANDRA faz suspense ao tirar o cartão do envelope bem devagar.

SANDRA

Já estou abrindo!

JÚLIA

E o que está escrito?

SANDRA

Adorei ter te conhecido. Há muito tempo esperava encontrar uma mulher como você. Espero que nos vejamos em breve! Está assinado...

JÚLIA

Diga logo de uma vez!

SANDRA

Jofre!

SANDRA pula de alegria.

JÚLIA

(Decepcionada)

Jofre?

SANDRA

Eu não disse que ele era um verdadeiro cavalheiro? Mas... É estranho... Aqui não diz pra quem são as flores...

JÚLIA

O cara é tão palerma que esqueceu de por o seu nome!

SANDRA

Júlia, você prometeu que não ia mais criticar o Jofre!

JÚLIA

Retiro tudo o que eu disse.

Instantes. SANDRA e JÚLIA não dão uma palavra. Depois de pensar um pouco.

SANDRA

Será que ele esqueceu o meu nome? Será que ele não se lembra?... Eu lhe disse tantas vezes...

JÚLIA

É, Sandra... Não culpe o coitado. Ele tem jeito de ser um homem muito ocupado, com milhares de compromissos pra se lembrar, milhares de nomes na agenda: Sheila, Carla, Cláudia, Ludmila...

SANDRA

Júlia, você prometeu!

JÚLIA

Foi você mesma que quis saber por que ele não escreveu o seu nome no cartão!

SANDRA

Tava pensando alto! Não era pra você ter respondido.

JÚLIA

Me desculpe, mas você pensou alto demais.

SANDRA

Ele não pôs o meu nome no cartão porque não havia necessidade! Se ele mandou que entregassem as flores nesse apartamento, pra quem mais elas poderiam ser? Ou para você, ou para mim. Tendo em vista o modo estúpido como você o tratou, as probabilidades dele ter mandado as rosas pra você são iguais a zero. E, nesse caso, elas só podem se endereçar a mim.

JÚLIA meio que concorda pra acabar logo com a discussão, com um aceno de cabeça. Alguns instantes. Silêncio. Depois disso, SANDRA olha para as flores.

SANDRA

Que homem, que delicado! Eu não disse que ele era um verdadeiro gentleman? Teve uma educação refinada. A gente percebe isso de cara! Ele não é igual aos outros. Ele é especial! ... Mandar flores... Que homem ainda faz isso, hoje em dia? Tão gentil!... Me diga agora, o que se pode falar de ruim sobre um homem como esse?

JÚLIA

É...

SANDRA não deixa que JÚLIA responda.

SANDRA

Não diga nada! Não precisa responder. Esse gesto já é a resposta, essas flores já bastam como resposta! ... Um homem raro! Se já não bastasse sua beleza, seu físico, sua conta bancária, seu conversível vermelho... Tão atencioso! Tão amável! Tão...Tão...

(Pausa. Revoltada)

Mas por que, diabos, ele não pôs o meu nome no cartão?!

(Decidida)

Vou procurar um vaso pra essas flores!

SANDRA sai da sala.

FIM DA CENA.

Índice da Peça

De Volta ao Índice

CENA 5

Passagem de tempo. JÚLIA está só em casa. Como sempre, trabalha em sua prancheta. A campainha toca. JÚLIA levanta-se e atende a porta. É JOFRE.

JÚLIA

(Surpresa)

Você?

JOFRE

Está surpresa?

JÚLIA

Não. Surpresa tem haver com algum acontecimento agradável... Eu estou perplexa, assombrada, transtornada.

JOFRE

Você está lembrada de mim, não?

JÚLIA

E como poderia esquecer? Até hoje tenho pesadelos com você tocando a minha campainha às cinco da manhã!

JOFRE

Por favor, eu gostaria de pedir desculpas! Espero ter escolhido uma boa hora dessa vez.

JÚLIA

Acredite, nunca vai haver uma boa hora.

JOFRE

(Pensa)

Como assim?

JÚLIA

Escuta, não importa se essa é uma boa hora pra mim, ou não. O que interessa é que, com certeza, não é uma boa hora pra você.

JOFRE

Ainda não consigo entender.

JÚLIA

Se esperava encontrar

Você chegou ao final dessa amostra. Cadastre-se para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de A Morte Vai Ao Teatro E Outras Peças Inéditas

0
0 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor