Curta este título agora mesmo, além de milhões de outros, com um período de avaliação gratuita

Grátis por 30 dias, depois $9.99/mês. Cancele quando quiser.

Escrito na Pele: Coleção Completa

Escrito na Pele: Coleção Completa

Ler amostra

Escrito na Pele: Coleção Completa

Comprimento:
203 página
3 horas
Editora:
Lançado em:
May 23, 2017
ISBN:
9781547501588
Formato:
Livro

Descrição

Todos as três partes de Escrito na Pele finalmente compiladas em uma só edição.

Dominick Parker é rico, atraente, bem-sucedido e problemático.

Kim Naramore é jovem, ingênua, inexperiente e perdidamente apaixonada por Dominick.

Eles cresceram juntos, e ela sempre imaginou que ele seria seu marido, mas o destino os separou e o tempo os transformou em estranhos. Quando reunidos, Kim não está certa do que se passa na cabeça de Dominick. Tudo o que ela sabe é que ele tem um desejo insaciável, e ela virou o alvo de toda sua luxúria.

Editora:
Lançado em:
May 23, 2017
ISBN:
9781547501588
Formato:
Livro

Sobre o autor

Sky Corgan is a USA Today bestselling author. She lives in Texas where the sun is hot and the men are hotter. When she's not typing away at her next steamy romance novel, she enjoys hanging out with friends and planning vacations. You can get a FREE Sky Corgan book and stay up to date on her latest releases by signing up for her newsletter here: http://www.subscribepage.com/SkyCorgan


Relacionado a Escrito na Pele

Livros relacionados

Categorias relacionadas

Amostra do Livro

Escrito na Pele - Sky Corgan

idioma

Príncipe Encantado

A maioria das garotinhas sonha em ser uma princesa e casar com seus pais. Nenhum homem é tão maravilhoso e bonito quanto o seu pai quando você tem cinco anos. Você não entende o conceito de amor romântico e o que significa estar em um relacionamento.  A admiração que você tem é inocente e doce.

Mas eu não era como a maioria das garotinhas. Mesmo meu pai sendo um homem incrível, meu primeiro príncipe encantado foi Dominick Parker.  Ele não só parecia com um príncipe da Disney como ele também se portava como um. 

Ele era o melhor amigo da minha irmã, e mesmo eles sendo doze anos mais velhos, eu nunca me senti excluída.  Ao invés de saírem sozinhos o tempo todo, ele me levavam junto quando iam ao cinema ou ao parque de diversão.  Nós até construímos minha casa da árvore juntos.

Quando eu tinha sete anos, meus pais morreram em um trágico acidente de carro. Na época, minha irmã Tammy vivia em um dormitório da Universidade.  Ela voltou a morar em casa para cuidar de mim. Ela ia deixar a faculdade se não fosse pelo Dominick.  Ele decidiu sacrificar seu próprio tempo livre para ter certeza de que minha irmã e eu fossemos bem cuidadas. Ele ia para a faculdade durante o dia e trabalhava a noite.  O único momento em que eu o via era quando ele estava entregando seu salário para minha irmã. 

Graças ao Dominick, minha irmã e eu fomos capazes de agir o mais perto possível de uma família normal. Nós duas estudávamos durante o dia, mas na hora que o ônibus me deixava, ela sempre estava esperando por mim em casa.  Ela não era uma substituta para minha mãe, mas ela fez o melhor que pôde. 

Os anos passaram, a Tammy terminou a faculdade e arranjou um emprego de gerente em um banco. Ela se certificou de que seu horário de trabalho não impedisse ela de estar em casa quando eu chegasse da escola. Com o Dominick não precisando mais nos apoiar financeiramente, ele largou o trabalho e começou a aparecer mais.

Era estranho ver ele e a Tammy juntos novamente.  Não era bem como eu me lembrava quando criança. Mas também, aos doze anos, eu estava começando a entender melhor como o mundo funcionava.  Amor não era mais um conceito estranho para mim. Eu podia ver como Dominick olhava para minha irmã,  mas quando ela olhava para ele o sentimento não era o mesmo.

Eu pensei em perguntar a ela o porquê deles não serem um casal, mas a verdade era que eu não queria que fossem.  Uma coisa que não mudou ao longo dos anos foi minha atração por Dominick, embora tenha amadurecido como o resto de mim. Eu tinha esse sonho que um dia iria me casar com ele. Ele era absolutamente perfeito, fisicamente e emocionalmente. Tudo o que um homem deve ser.

Assim como minha irmã, eu gostava das coisas do jeito que elas eram. Dominick aparecia, nos tratando com todo o amor e respeito que ele tinha.  Minha irmã não estava saindo com ele, então eu ainda podia sonhar que um dia ele seria meu. Ele esteve conosco todos esses anos, então eu nunca parei pra pensar se ele sempre seria essa figura permanente na minha vida.

Então Tammy começou a sair com outra pessoa, um médico recém saído da escola de medicina chamado Marcus Johnson. Ele era inteligente, carinhoso e bonito. Não bonito como Dominick. Este homem estava bem vestido e na moda. Dominick sempre foi um cara mais jeans rasgado e uma camiseta. 

Eu podia ver como o machucava ver os dois juntos, mas ele continuou sendo o melhor amigo da minha irmã. Com esse novo homem na vida da Tammy, ela parecia precisar menos do Dominick. Ele não desapareceu completamente como quando a Tammy ia pra faculdade, mas nós não o víamos frequentemente, e isso me deixava triste. 

Uma parte estúpida desejava que ele viesse só para me ver, mas eu sabia que essa era uma expectativa irreal.  Eu ainda era uma criança. O Dominick não me via de um jeito romântico.  Ele nunca viu, e eu tinha certeza de que nunca veria. 

O cara que a Tammy namorava era legal, mas, secretamente, eu comecei a culpa-lo por ele tomar o lugar do Dominick. Mesmo eu não querendo que eles ficassem juntos, eu nunca tinha parado pra pensar no que aconteceria se alguém aparecesse na vida da Tammy. Dominick sempre esteve por perto desde que eu possa me lembrar.  Eu não conseguia nem imaginar ele não estando aqui.

Existem dois dias desoladores na minha história que eu nunca irei esquecer; o dia em que meus pais morreram, e o dia que a Tammy anunciou seu noivado com Marcus Johnson. Eu lembro da sua alegria quando ela me contou no momento em que eu entrei em casa.  Ela estava quase pulando, suas bochechas coradas de emoção, seus olhos verdes brilhando de um jeito que eu nunca tinha visto antes.

- Kim. Adivinha? Adivinha? Adivinha? Ela me disse, segurando um gritinho. Considerando que um 'Adivinha' não tinha sido suficiente, eu só podia supor que era uma coisa boa.

- O quê? - Eu perguntei, sorrindo de volta e confusa.

- Notou algo diferente?

Eu a olhei de cima a baixo.  Seu cabelo preto liso e perfeito não parecia mais curto. A roupa dela definitivamente não era nova. Eu olhei para as unhas para ver se elas tinham sido feitas. Foi quando eu notei o anel. Meu queixo caiu.

- Ai meu Deus, Tammy. Isso é o que eu acho que é?

- Sim!!! -  Ela gritou, me abraçando e me girando. Eu tinha apenas 13 anos na época, então eu ainda era leve o suficiente para ela me pegar no colo. - Marcus finalmente propôs!

- Eu estou tão feliz por você, -  eu respondi genuinamente, embora no fundo da minha mente, eu estivesse imaginando como as coisas seriam agora. Desde que nossos pais morreram, tinha sido só eu e a Tammy. Seria estranho ter um homem na casa.

- Não é incrível? -  Ela me colocou no chão e arrumou sua roupa. - O Dominick está vindo. Eu ainda não contei pra ele. Aja como se você não soubesse de nada. Eu quero que seja uma surpresa.

- Tudo bem.

Eu não tinha pensado sobre como Dominick receberia a notícia. Ele obviamente não estava feliz com o namoro do Marcus e da Tammy, mas ele tinha aceitado. Achei que ele aceitaria isso também. Que escolha ele tinha?

Eu esperei do lado de fora por ele, pensando sobre o que este novo compromisso significava pra minha vida. Eu gostava do Marcus, mas quão confortável eu estaria com ele morando com a gente. Será que muitas coisas mudariam? Tammy e eu geralmente assistíamos filmes juntas nas noites de segunda-feira e ficávamos de pijama o domingo inteiro. Essas tradições seriam limitadas até o dia em que o Marcus se mudasse? Com certeza haveria um período de adaptação.

Dominick estacionou na frente da casa em seu velho Datsun. O carro estava acabado. Era tão ruim quanto parecia, com tinta laranja lascada em tantos lugares que o carro parecia manchado. Ele o chamava de Frankenstein. Toda vez que ele morria, ele dizia que faria o que fosse preciso para trazê-lo de volta à vida. O carro tinha estado na oficina mais vezes do que o número de anos que estava vivo. Minha irmã sempre brincava que não havia nenhum assoalho, e que ele dirigia o carro com os pés como Fred Flintstone.

Dominick caminhou até a entrada com um sorriso no rosto. Ele subiu a entrada dois degraus por vez e então se inclinou para desarrumar meu cabelo.

- Ei garota - ele disse em sua voz rouca e reconfortante.

- Oi - eu respondi timidamente e então o segui para dentro.

Ao contrário de quando eu cheguei, Tammy estava fazendo uma cara séria quando ela olhou para Dominick. Eles se cumprimentaram com um abraço e ela perguntou se ele queria algo pra beber, e fomos sentar na sala.

A conversa começou casualmente. Dominick perguntou como estávamos e o que vinhamos fazendo. Tammy ficava estendendo a mão e colocando-a no joelho, em uma exposição óbvia do anel, mas o Dominick não reparou.

Finalmente, quando ela ficou louca de esperar que ele reparasse, ela disse - Você percebeu algo diferente em mim?

- Está mais bonita do que a última vez que vi você - ele respondeu sem hesitação. Mesmo sendo um sentimento doce, isso fez meu coração afundar no meu estômago. Ele ainda a amava. Ele sempre iria amá-la, não importa o quê.

- Não, mas obrigado pelo elogio. - Tammy sorriu, embora eu pudesse perceber que ela se sentia um pouco desconfortável com esse comentário.

- Então estou sem palpites. -  Ele se encostou no sofá.

O sorriso exultante de Tammy voltou enquanto ela divulgava as boas novas. - Marcus propôs. Ela mostrou o anel.

Eu observei o rosto de Dominick como um falcão, meus olhos buscando qualquer mudança de expressão.

Ele se inclinou e inspecionou o anel. - Um diamante adequado para uma princesa.

Se tinha qualquer emoção negativa dentro do seu coração, ele escondeu bem. Ele recebeu a notícia como se eles estivessem falando sobre o tempo. Quando ele começou a perguntar sobre os detalhes do casamento, eu relaxei. Tudo ia ficar bem.

Com uma coisa a menos para se preocupar, eu decidi ir lá fora tomar um ar. Já que a Tammy e eu morávamos juntas, ela poderia me encher de detalhes mais tarde. Eu tinha certeza que o casamento seria tudo o que eu ouviria daqui pra frente. Não era necessário me submeter a isso agora. Além disso, Dominick e Tammy raramente ficavam sozinhos, eu achei que seria melhor deixar os dois a sós.

Quando eu fui pra varanda da frente, minha mente voltou para pensamentos de como o casamento iria afetar minha vida. De certa forma, era como viver com uma mãe solteira que fosse casar novamente. Tammy não iria simplesmente me abandonar. Ela vinha interpretando o papel de mãe desde que nossos pais morreram. Marcus apareceria e tentaria ser o meu pai ou teríamos outro tipo de relação?

A porta abriu e Dominick saiu. Pensei em lhe dizer algo, mas não disse. Não sei porque. Nada parecia estar errado. Eu até tinha ouvido ele e minha irmã rindo enquanto ela o levava até a porta. As paredes de casa não eram finas, porém o som ainda se propagava, especialmente aonde eu estava sentada, na janela da sala de jantar.

Dominick simplesmente ficou ali por um momento, olhando para o nosso quintal. Então eu vi a luz brilhando em seus olhos. Quando a primeira lágrima desceu por sua bochecha, meu coração se despedaçou completamente. Os pedaços quebrados se agarraram às paredes do meu estômago, com medo que ele me visse.

Ele tinha fingido o jeito calmo e tranquilo em frente à minha irmã enquanto ela contava a novidade. Ele estava sentado lá morrendo por dentro, mas ele tinha feito isso com um sorriso no rosto, nunca nos permitindo ver seus verdadeiros sentimentos. Se ele soubesse que eu estava vendo ele chorar, só iria piorar a situação, então fiz o meu melhor para ficar tão calada quanto um rato, para me camuflar no balanço de madeira em que eu estava sentada.

Por algum milagre, ele não me viu lá. Ele inalou profundamente e saiu da nossa varanda. Longos passos, como se quisesse correr. Quando ele entrou no carro, foi quando ele realmente desmoronou. Ele envolveu seus braços ao redor do volante e chorou. Quando eu vi suas costas sacudindo, eu não consegui conter minha tristeza. Eu chorei com ele, tentando ser silenciosa para não atrair minha irmã lá fora. Eu não estava chorando por mim ou por causa de preocupações sobre o futuro. Estava chorando por ele.

Pela primeira vez, desejei que as coisas tivessem sido diferentes. A vida não era justa. Ele tinha sido perfeito. Ele merecia conseguir o que queria. O herói não sempre acabava com a garota, o príncipe não sempre ganhava a princesa? Dominick tinha feito tudo certo. Ele tinha estado lá para minha irmã desde que eles eram crianças. Ele não merecia ser substituído por um cara que só estava lá há um ano.

Dominick levantou a cabeça, limpou os olhos e ligou o motor. Parte de mim mal podia esperar para que ele se afastasse e eu pudesse desmoronar completamente. Outra parte de mim queria que ele ficasse lá para sempre, temendo nunca o ver novamente. Mas nada dura para sempre.

Dominick começou a conduzir o carro, e enquanto ele se afastava, ele virou para olhar a casa. Nossos olhos se encontraram, e eu morri por dentro um pouco mais.

Quando Tammy me encontrou chorando incontrolavelmente, eu disse a ela que eu só tinha medo do que ia acontecer com a gente. Mas isso não era verdade. Lá no fundo, uma parte de mim sabia que Dominick já tinha aguentado o suficiente. Era só uma questão de tempo até ele ir embora das nossas vidas completamente.

Eu estava certa. Ele nunca apareceu em casa novamente. Na verdade, a última vez em que o vi foi no casamento. Por um tempo, eu pensei que ele não iria. Mas alguns minutos depois da cerimônia começar, ele entrou de fininho nos fundos. Depois que acabou, ele cumprimentou os noivos e avisou a Tammy e a mim que ele estava mudando de estado. Meu coração quebrou uma segunda vez com as notícias, mas eu sabia que era o melhor. Ele não poderia mais ficar conosco, não quando isso lhe causava tanta dor.

Eu sempre guardei um rancor da Tammy, mesmo nunca revelando isso à ela. O que eu poderia dizer? Case com o homem que você não ama. Dominick é melhor; ele sempre esteve aqui por nós. É sua culpa que ele está indo embora.

Tammy tinha explicado antes que ela via o Dominick como um irmão, e eu até entendo. Eles tinham praticamente crescido juntos. Todos nós tínhamos. Mas se ela pensou nele como um irmão,  por que eu não? Dominick sempre tinha sido muito mais para mim. Eu sabia que nunca haveria nada entre nós, mas como uma criança estúpida, eu tinha me agarrado a uma esperança imatura que talvez um dia ele poderia me pertencer. Se ela não queria ele, então ele não deveria ser meu?

No entanto, não era para ser. Dominick foi embora e nunca olhou para trás. Nós ainda tínhamos notícias dele nos feriados. Na verdade, a Tammy tinha. Ele normalmente ligava quando eu estava na escola, então nunca cheguei a falar com ele, mas ela me contava as coisas que ele dizia quando eu chegava em casa.

Aparentemente, ele estava indo bem. Ele tinha escrito livros desde que me lembro, embora tivesse falado que se tornar um escritor era só um sonho. Depois que ele se mudou, ele começou a levar isso mais a sério. O primeiro livro que ele lançou ao público se tornou um sucesso instantâneo. Agora ele era um grande escritor, tendo espaço no New York Times e na lista de best-sellers do EUA Today.

Eu estava feliz por ele. Dominick merecia todas as coisas boas da vida. Talvez ele se mudar tenha sido

Você chegou ao final desta amostra. Inscreva-se para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas pensam sobre Escrito na Pele

0
0 avaliações / 0 Análises
O que você acha?
Classificação: 0 de 5 estrelas

Avaliações de leitores