Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Sobrevivendo a Esquizofrenia

Sobrevivendo a Esquizofrenia

Ler a amostra

Sobrevivendo a Esquizofrenia

notas:
4/5 (1 nota)
Duração:
116 páginas
1 hora
Editora:
Lançados:
16 de jan. de 2019
ISBN:
9781547535774
Formato:
Livro

Descrição

Richard Carlson Jr. foi diagnosticado com esquizofrenia paranoica quando tinha vinte e um anos de idade. Sua doença manifestou-se pela primeira vez quando ele era um adolescente precoce. A psiquiatria moderna fracassou muito em Richard por mais de uma década. Então, após um incidente envolvendo a polícia, ele realmente entendeu que seu diagnóstico era real e finalmente iniciou o longo processo de recuperação. Mais de dez anos depois, sua vida melhorou muito. No curso de seu tratamento, Richard também se recuperou de depressão, transtorno obsessivo-compulsivo e letargia.
Não deixe acontecer o que aconteceu com Richard a você, a um ente querido ou a um paciente que esteja lidando com uma doença mental grave. Seja sempre sincero um com o outro e com o seu psiquiatra.

Editora:
Lançados:
16 de jan. de 2019
ISBN:
9781547535774
Formato:
Livro

Sobre o autor


Relacionado a Sobrevivendo a Esquizofrenia

Livros relacionados

Amostra do livro

Sobrevivendo a Esquizofrenia - Richard Carlson Jr.

Crédito da fotografia: Direito autoral Richard Carlson Sr.

Crédito da foto de contracapa: Direito autoral PictureMe Portrait Studios.

––––––––

O autor gostaria de agradecer ao editor por sua ajuda.

Aviso legal: As informações contidas neste livro não devem ser consideradas orientação médicas. O autor não é um profissional médico. Os consumidores de saúde mental devem sempre consultar profissionais médicos para aconselhamento.

Sobrevivendo a esquizofrenia é um trabalho de não-ficção, no entanto certos fatos e outros detalhes foram alterados.

Capítulo 1

Seja honesto

Por favor, ouça, porque isso é importante.

A coisa mais importante que aprendi ao lidar com minha doença mental grave é que você precisa ser sincero consigo mesmo e com os outros. A honestidade não é apenas a base de uma vida bem sucedida e gratificante—você não pode receber o tratamento que você precisa ou experimentar a verdadeira recuperação sem ela.

Não perca anos da sua vida contando mentiras.

Pois, eu não fui honesto com meus psiquiatras e meus familiares, não recebi tratamento adequado por mais de dez anos. São dez anos da minha vida que não posso recuperar.

Não hesite em começar a ser sincero imediatamente. Sua vida pode depender disso.

Capítulo 2

Nascido em Nova York

––––––––

A cegonha me colocou nos braços da mamãe no início dos anos 1970. Meus pais eram de classe média e católicos, e morávamos numa rua agradável perto de um bairro judeu. Você sabia que as pessoas que têm esquizofrenia têm maior probabilidade de ter nascido e viver em um ambiente urbano? Passei grande parte da minha infância em Nova York, por isso muitas vezes me pergunto quanta diferença isso fez.

Mamãe era uma mulher trabalhadora que ficava em casa para cuidar de mim, assim como meus irmãos mais novos, Mike e Steve. Meu pai era um ótimo pai, que me deu um bom exemplo para seguir. Uma vez, ele me levou para o seu trabalho na instalação de tratamento de águas residuais. Ele e mamãe cuidavam juntos de nós. A vida parecia perfeita.

Minhas lembranças mais antigas são dos meus avós, que moravam no primeiro andar de nossa casa. Meus pais, irmãos e eu morávamos no andar de cima. Eu descia as escadas de pijama para ver meus avós todas as manhãs. Vovô emigrou da Polônia quando tinha dezessete anos. Vovó nasceu na América, mas cresceu na Polônia. Eu a amava tanto. Uma das minhas lembranças mais vivas é dela fazendo pierogis para o jantar. Minha herança polonesa é importante para mim por causa dos meus avós.

Meu avô foi um excelente modelo— Eu não podia esperar para crescer e ser como ele. Eu percebia, que meu pai era um ótimo pai, mas eu me lembro melhor do vovô. Ele era um homem legal e fazíamos longas caminhadas juntos na cidade.

Certa vez, quando eu tinha quatro anos, fiz marcas de pneus com meu carro de brinquedo, Batmóvel, no cimento fresco que nosso vizinho, Teddy, colocara no quintal da frente, e vovô alisou o cimento para mim depois.

Vovô era calvo, usava óculos grossos e cheirava aos charutos que fumava.

Não faça isso!, O vovô exclamou ao me ver da janela: Não! No entanto, continuei conduzindo meu novo Batmóvel através do cimento fresco. As rodas do Batmóvel e minhas pequenas mãos estavam manchadas no cimento seco. Quando o vovô se apressou, a luz do sol apareceu através das nuvens.

Vruum, vruuuum, vruuuuuum! Eu resmunguei enquanto dirigia o Batmóvel ainda mais rápido. Batman e Robin tinham que pegar o malvado Coringa!

Vovô agarrou meu pulso e puxou meu carrinho de brinquedo para fora da lama. Eu gritei em desafio: Vovô, não!, arqueando as costas e me agarrando ao carro, tentando não mover um músculo. Ele desceu os degraus íngremes até o porão para uma lavagem cuidadosa das mãos.

Mas o coringa! Batman e Robin precisam da minha ajuda!

Não brinque no cimento, Richard, ele repreendeu. Quando ele estava com raiva, seu sotaque eslavo era ainda mais pronunciado.

Móvel, eu disse, querendo brincar mais, mesmo quando ele arregaçou minhas mangas. Em vez de devolver meu brinquedo, ele o esfregou e depois lavou minhas mãos.

Eu ainda precisava ajudar o Batman, então perguntei se poderia brincar no quintal. Quando ele me soltou, eu corri para a terra onde uma fileira de roseiras crescia. Meu peito começou a formigar enquanto eu corria para o resgate, através do solo úmido.

Vruuum, vruum, vruuuuuum! O Batmóvel disparou para o banco de Gotham.

Eu parei o coringa! Eu sou o herói!

Eu fui muito amado por meus pais e avós.

Capítulo 3

Minha infância em Nova York

Antes de ter idade suficiente para começar o jardim de infância, meus pais tinham uma casa construída em Stormville, que era uma pequena cidade no norte do Estado de Nova York. Meus pais não queriam que eu crescesse na cidade, porque eles acreditavam que a cidade era muito difícil para as crianças. Eles também queriam ter certeza de que eu teria uma boa educação. Era 1975 e nossa casa tinha um revestimento amarelo com acabamento branco.

Papai colocou um pequeno lago no nosso quintal, repleto de lírios, peixes e lagostins. Um dia, ele trouxe para casa um enorme sapo do seu trabalho e o colocou na lagoa.

Para mim, Stormville era o melhor lugar do mundo para um menino crescer. Eu me divertia muito pegando sapos, girinos, sapos, tartarugas, cobras, tritões, salamandras e uma miríade de outras criaturas não apenas do lago em nosso quintal, mas de riachos e lagoas em todo o bairro. Eu brincava que eu estava na vanguarda do exército, e administrava um canteiro de obras com caminhões de brinquedo, e me diverti de muitas outras maneiras em nossa casa em Stormville. Framboesas silvestres e amoras silvestres cresceram no nosso quintal da frente, e tinham um gosto tão doce.

Certa vez, meu pai contratou um homem com um trator para remover uma árvore em nosso quintal, e o homem se ofereceu para me deixar dirigir seu trator. Eu era muito tímido, então recusei. Eu queria não ser. Crescendo, perdi muitas experiências interessantes por ser tímido.

Como você gostaria de dirigir meu trator em seu quintal?, Perguntou o homem, descendo do trator. Ele usava uma camiseta branca com buracos, um macacão verde de operário velho e botas bege desgastadas.

Papai olhou para mim enquanto eu disparava para trás dele, em silêncio. Eu não esperava que fosse oferecido para fazer algo hoje que fosse muito divertido! Me Imagine—de cinco anos de idade!—dirigindo um trator, como um operário de verdade. O formigamento no meu peito estremeceu com nervosismo inquieto. Choveu mais cedo naquela tarde, e a umidade do verão fez com que minha camisa suada se agarrasse ao meu peito.

Mamãe colocou as mãos nos quadris. Saia e diga ao homem: 'Sim', Richard!, ela insistiu.

Eu olhei para os meus sapatos e papai se ajoelhou, olhando para mim. Não seja tímido. Você pode dirigir e ver como é , disse ele.

Eu desejava muito poder dirigir o trator, mas meus lábios estavam trancados juntos.

Diga ao homem: 'Sim', mamãe disse de novo, e eu virei meu corpo para longe do homem legal.

Eu sou tímido, respondi, olhando para o rosto da minha mãe por um segundo. Se ao menos ela me salvasse dessa situação!

Vai ser divertido, ela encorajou. Apenas tente.

Eu vou estar sentado do seu lado, o homem prometeu, então nada vai acontecer.

Eu balancei a cabeça, olhando para os meus sapatos, mesmo que eu realmente quisesse dirigir o trator. Um minuto

Você chegou ao final dessa amostra. para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de Sobrevivendo a Esquizofrenia

4.0
1 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor