Curta este título agora mesmo, além de milhões de outros, com um período de avaliação gratuita

Grátis por 30 dias, depois $9.99/mês. Cancele quando quiser.

Trabalhando no Clube dos Bilionários - Livro Dois: Trabalhando no Clube dos Bilionários

Trabalhando no Clube dos Bilionários - Livro Dois: Trabalhando no Clube dos Bilionários

Ler amostra

Trabalhando no Clube dos Bilionários - Livro Dois: Trabalhando no Clube dos Bilionários

Comprimento:
164 páginas
2 horas
Editora:
Lançado em:
Sep 6, 2018
ISBN:
9781547546909
Formato:
Livro

Descrição

De Sky Corgan vem a sequência do Trabalhando no Clube dos Bilionários, uma série de duas partes.

O mundo de Raven Tarley desmoronou quando ela entrou na casa de praia de Croix e o encontrou abraçando outra mulher. Segredos são revelados que vão mudar seu relacionamento para sempre.

Como se isso não fosse suficiente, o passado dela volta a levantar a feia cabeça. Derrick não é a única pessoa que a seguiu da Califórnia.

Tudo está mudando tão rapidamente que Raven mal consegue acompanhar. Parece que toda a sua vida está desmoronando diante de seus olhos. Ela será capaz de colocar tudo junto no final? E Croix ficará ao lado dela quando as coisas atingirem o mais baixo dos mínimos?

Editora:
Lançado em:
Sep 6, 2018
ISBN:
9781547546909
Formato:
Livro

Sobre o autor

Sky Corgan is a USA Today bestselling author. She lives in Texas where the sun is hot and the men are hotter. When she's not typing away at her next steamy romance novel, she enjoys hanging out with friends and planning vacations. You can get a FREE Sky Corgan book and stay up to date on her latest releases by signing up for her newsletter here: http://www.subscribepage.com/SkyCorgan


Relacionado a Trabalhando no Clube dos Bilionários - Livro Dois

Leia mais de Sky Corgan

Livros relacionados

Categorias relacionadas

Amostra do Livro

Trabalhando no Clube dos Bilionários - Livro Dois - Sky Corgan

CAPÍTULO UM

Sinto-me como um estranho de pé atrás de uma janela de emoção, olhando através de um véu que me manteve cego por tanto tempo. Tudo em mim quer virar e correr, mas me recuso a ir até Croix me ver. Ele precisa saber que eu descobri o seu pequeno segredo. Como eu não poderia saber disso?

Os poucos segundos que leva para Croix e a mulher notarem me parecem horas. É longo o suficiente para que a imagem deles entrelaçada fique permanentemente gravada em minha mente. Seus corpos estão tão apertados que não há espaço entre eles.

A mulher que ocupa os braços de Croix é absolutamente linda. Seu longo cabelo escuro é radiante e sedoso. Sua pele é tão bronzeada que ela parece ser estrangeira, mas tenho certeza que ela é apenas beijada pelo sol. Um maxi vestido lavanda é franzido em seu corpo esbelto, fazendo-a parecer uma deusa grega.

Eles se desprendem do abraço e Croix finalmente me vê. O flash de pânico em sua expressão é toda a confirmação de que preciso, o que suspeito ser verdade.

Raven, o que você está fazendo aqui? Há uma frieza em sua voz que parece estranhamente fora de lugar. Se alguém deveria estar com raiva, sou eu.

Minha boca fica seca enquanto procuro por palavras. De repente, esqueci porque vim. Tudo em que posso pensar são nos dois juntos.

Agora a mulher está olhando para mim também. Espero que ela esteja tão confusa quanto eu, mas em vez disso, há apenas desdém por trás dos olhos castanhos. É como se ambos estivessem silenciosamente me castigando por interrompê-los.

Meu coração bate no meu peito e meu olhar cai para a menina. Ela parou bem perto de Croix. O jeito que ela está olhando para ele está dizendo que ela pode sentir a tensão na sala. Ela sabe que algo está errado.

Querendo salvá-la de testemunhar uma discussão, decido ser a pessoa maior. Não há realmente nada para discutir aqui de qualquer maneira. Eu já vi tudo o que preciso ver. O show acabou. Croix e eu acabamos.

Há tanta amargura na minha língua, mas eu a engulo quando me viro para dar passos largos em direção à porta da frente. Parte de mim espera que eu esteja errada - que Croix vai me perseguir e dizer que tudo isso foi um grande mal-entendido. Ele não o faz, ainda provando que o que eu vi é exatamente o que está acontecendo. Todo esse tempo, fiquei ao seu lado. Ele pode não ser casado com ela - ele pode não ser voluntário no Clube dos Bilionários - mas há algo acontecendo entre eles.

Eu me sinto como um fantasma fugindo da casa de praia. Ninguém vai atrás de mim. Fecho a porta da frente e desço os degraus, indo até o meu carro sem a menor dúvida de que ninguém prestou muita atenção em mim lá, afinal. Eu até me sento no carro por vários segundos, olhando para a casa segurando a esperança de que Croix venha me procurar. Essa esperança se esvai rapidamente, e quando percebo que não adianta mais agarrar-me a ela, engato meu carro e me afasto.

Lágrimas queimam minhas bochechas. Se eu não estivesse usando nada além de uma capa de chuva e alguma lingerie, eu iria direto para o bar mais próximo. Parte de mim considera fazer isso de qualquer maneira. Não é como se alguém soubesse que há pouco por baixo do casaco.

Sei que não estou em posição de estar em público, no entanto. Minhas emoções estão por todo o lugar. De jeito nenhum eu seria capaz de manter minhas lágrimas à distância, e beber só pioraria as coisas. Em pouco tempo, eu seria uma bagunça soluçante. É melhor que isso acontecesse a portas fechadas.

Quando entro na rampa da garagem, pareço algo de um filme de terror. Um pouco da minha maquiagem dos olhos correu pelo meu rosto com minhas lágrimas. Minhas bochechas estão manchadas, e meu nariz está vermelho de todo o fungar que fiz. Até meu cabelo de alguma forma conseguiu ficar desgrenhado. É como se eu literalmente começasse a desmoronar pelas costuras.

No segundo em que desligo o motor, meu telefone vibra. Viro para encontrar uma mensagem de texto do Croix.

Croix: Não é o que você pensa.

Ele convenientemente deixou de lado um pedido de desculpas e detalhes. Não é muito convincente.

Olho para a mensagem de texto por vários minutos, esperando que ele a acompanhe com outra coisa. Quando ele não o faz, respondo de volta.

Raven: Essa era sua filha?

Não é a questão que eu deveria estar perguntando. Não é o que mais importa. Eu não posso me forçar a fazer a pergunta óbvia, no entanto.

Croix: Sim.

Sua curta resposta me deixa ainda mais no limite. Se não é o que eu penso, então por que ele está tão relutante em explicar? Ele deveria estar esmiuçando cada detalhe e implorando pelo meu perdão.

Raven: Então é o que eu penso.

Saio do meu carro e bato a porta com raiva antes de pisar forte até minha casa. É irritante que eu não consiga me controlar. Minhas mãos tremem quando localizo a chave correta e coloco na fechadura para abrir a porta. Como se estivesse zombando de mim, a chave pula da fechadura, deslizando por meus dedos e caindo no chão com um som estridente.

Meu telefone zumbe de novo, e eu fervo quando o tiro da bolsa. É como se todas as emoções negativas fluindo através de mim fossem um vulcão prestes a entrar em erupção.

Croix: Eu explico mais tarde hoje à noite.

Agarro meu telefone com tanta força que temo que possa quebrar na minha mão. Meu dedo cutuca a tela com tanta força que minhas articulações doem.

Raven: Você não vai me ver hoje à noite. Você não vai me ver nunca mais.

Então desligo meu telefone para que eu não tenha que lidar com essa besteira de novo até que eu esteja bem e pronta.

***

O que aconteceu? Cindy está de pé e me puxando para seus braços no segundo que ela vê que estou chorando.

Ela me faz lembrar da minha mãe, e isso só me faz soluçar mais. É raro sentir um abraço tão carinhoso e afetuoso. Já se foram os dias em que eu podia atravessar a cidade toda vez que precisava de um abraço e amor incondicional. Isso é o mais próximo disso que posso conseguir agora.

Cindy me abraça até que meu tremor pare e a fala retorne a mim. Ela me leva pela mão ao sofá e sentamo-nos lado a lado. Abro minha boca e deixo sair tudo o que vi e tudo que estou sentindo por dentro. Meus olhos ficam colados na mesa de café, mas minha mente está fixa na imagem de Croix e da mulher juntos. Ela o ama; eu posso dizer.

Quando termino de contar minha história, Cindy fica quieta por vários momentos enquanto pensa em como responder. Todo o tempo, ela esfrega meu braço, tentando me acalmar. Isso ajuda mais do que ela jamais saberá.

Minha dor está em uma rotação estranha. Tudo começou com Croix - pensando que eu tenho mentido e trapaceado todo esse tempo - então voltou para como eu me senti traída por Derrick. A perda dos meus pais seguiu isso. É o trem de angústia fazendo suas voltas.

Você não quer ouvi-lo? Cindy pergunta timidamente.

Imediatamente, meu humor cai ainda mais. Parece que ela tinha planos para esta noite - que ela estava animada por me tirar de casa. Também me lembra que ela não é minha mãe. Me traz de volta à realidade que sou tudo que tenho neste mundo - a única que realmente se importa com meus problemas. Isso é desconcertante e aterrorizante agora. Eu preciso de apoio, e a única outra pessoa que conheço que pode me dar provavelmente está se preparando para sair com o meu namorado traidor.

Eu quero ligar para Raj, mas não parece certo atrapalhar completamente os planos de aniversário de Croix, apesar do que ele fez comigo. Talvez eu seja muito mole. Na verdade, eu sei que sou. Se eu não fosse, eu não teria ficado com Derrick por tanto tempo.

Não há nada para ouvir. Levantei para ir ao meu quarto.

Se Cindy me quer fora da sombra, o mínimo que posso fazer é gastar o resto da noite escondida. Estar sozinha não vai me fazer nenhum favor, no entanto. Talvez eu deva sair. Eu apenas não sei mais. Estou amaldiçoada se eu fizer, amaldiçoada se não fizer. Este é um daqueles momentos em que não ter amigos realmente é uma merda.

Deixe-me saber se você precisar de alguma coisa, Cindy me diz fracamente antes que eu chegue ao meu quarto.

Tá. Obrigada, murmuro tão baixo que ela provavelmente não conseguiu nem ouvir.

Assim que chego ao meu quarto, coloco um par de jeans e uma camiseta, tentando pensar em algo para fazer que vai me manter distraída. A única atividade solo que posso fazer é ir ao cinema. Não é muito emocionante, mas é melhor do que ficar em casa chafurdando na minha miséria.

Fico on-line para verificar as listagens de filmes, decidindo por uma comédia de faculdade que parece estúpida o suficiente para ser divertida. Então pego minha bolsa e vou para a porta.

Você decidiu ir ver Croix afinal? Cindy pergunta.

Não. Só vou ao cinema. Nem sequer me viro para olhar para ela. Estou com tanta pressa quando abro a porta que quase corro direto para a pessoa em pé do outro lado. Meus olhos pousam primeiro na frente de uma camiseta vermelha, e meu coração pula com o pensamento de que é Croix vindo me reconquistar. Quando meu olhar alcança o rosto do homem, no entanto, a bile dispara até o fundo da minha garganta quando percebo que é a última pessoa no mundo que eu quero ver - minha segunda razão para me mudar para o outro lado do país.

O que você quer? Meus olhos se estreitam em fendas enquanto olho para meu irmão em uma mistura de ódio e descrença.

Oh que bom, eu tenho o endereço certo. Seu sorriso é forçado. Tem que ser depois do veneno que acabei de cuspir nele.

Suma. Eu empurro para passar por ele, não estou interessada em qualquer coisa que ele tenha a dizer. Nossos pais estão mortos. Ele não pode estar aqui para dar mais uma má notícia.

Raven, espere! Ele me persegue.

Quando ele me agarra pelo pulso, eu tenho que resistir ao impulso de dar um tapa nele enquanto me afasto. Energia atravessa meu braço, fazendo meus dedos formigarem. Se ele soubesse o quanto eu quero bater em alguém agora, ele não teria ousado me tocar.

Eu não quero ver você. Minhas pálpebras pressionam firmemente juntas, tentando suprimir a raiva rapidamente borbulhando para o superfície. Estou prestes a explodir, e se eu ver explodir, não terei mais controle sobre minhas ações. A última coisa que Cindy precisa é que meu irmão e eu façamos uma briga na varanda da frente.

Eu entendo, ele responde solenemente. Eu fiz merda. Sei disso, mas vim aqui para fazer as pazes.

Você trouxe algum dinheiro? As palavras amargas voam da minha boca antes que eu possa pará-las.

Não. Se ele está ofendido com a pergunta, eu não posso contar. Isso é o

Você chegou ao final desta amostra. Inscreva-se para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas pensam sobre Trabalhando no Clube dos Bilionários - Livro Dois

0
0 avaliações / 0 Análises
O que você acha?
Classificação: 0 de 5 estrelas

Avaliações de leitores