Aproveite esse título agora mesmo, além de milhares de outros, com um período de teste gratuito

Apenas $9.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Unidos pela Lua

Unidos pela Lua

Ler a amostra

Unidos pela Lua

notas:
5/5 (1 nota)
Duração:
151 páginas
2 horas
Lançados:
Nov 4, 2018
ISBN:
9781386770824
Formato:
Livro

Descrição

Silas Anson, o Conde de Lichfield está atado aos erros do passado – é uma coisa boa que ele vá se casar com Lady Mallory Hughes, já que ela prevê o futuro.

UM HOMEM TENTANDO ESCAPAR DO PASSADO…

Quando Silas Anson herda o condado de Lichfield, de um pai que nunca conheceu, ele tem somente um objetivo: proteger seus irmãos. Para isso, precisará de duas coisas: reabastecer os empobrecidos cofres da propriedade, e conseguir o apoio de sua poderosa família – mesmo que eles tenham traído sua mãe anos atrás. Um casamento arranjado com a filha do Marquês de Blandford lhe ajudará a cumprir ambos os objetivos, e ainda dará a ele a chance de ter uma vida normal e feliz.

PRECISA DE UMA MULHER QUE POSSA PREVER O FUTURO.

Mas Lady Mallory Hughes não é a debutante normal que ele esperava. Junto com um enorme dote, ela herdou da família o dom de prever o futuro. A família a manteve escondida da sociedade por anos, por temerem que ela fosse envergonhá-los. Se alguma vez tiver a chance de uma existência independente – e de encontrar o amor – teria que conseguir passar por essa semana sem deixar Silas saber sobre as suas visões. Mas quando Mallory toca Silas, ela vê a morte dele.

Com a vida de Silas em risco, como Mallory poderá salvá-lo sem revelar o seu dom? E mais, sem arriscar a chance de um futuro juntos?

Lançados:
Nov 4, 2018
ISBN:
9781386770824
Formato:
Livro

Sobre o autor

USA Today Bestselling Author Christina McKnight writes emotionally intricate Regency Romance with strong women and maverick heroes. Christina enjoys a quiet life in Northern California with her family, her wine, and lots of coffee. Oh, and her books...don't forget her books! Most days she can be found writing, reading, or traveling the great state of California. Sign up for Christina's newsletter and receive a free book: eepurl.com/VP1rP Follow her on Twitter: @CMcKnightWriter Keep up to date on her releases: christinamcknight.com Like Christina's FB Author page: ChristinaMcKnightWriter Join her private FB group for all her latest project updates and teasers! facebook.com/groups/634786203293673/


Relacionado a Unidos pela Lua

Livros relacionados

Amostra do livro

Unidos pela Lua - Christina McKnight

Sumário

Avaliações sobre os livros de Christina McKnight

Livros de Christina McKnight:

DEDICATÓRIA

AGRADECIMENTOS

PRÓLOGO

CAPÍTULO 1

CAPÍTULO 2

CAPÍTULO 3

CAPÍTULO 4

CAPÍTULO 5

CAPÍTULO 6

CAPÍTULO 7

CAPÍTULO 8

CAPÍTULO 9

CAPÍTULO 10

CAPÍTULO 11

CAPÍTULO 12

CAPÍTULO 13

CAPÍTULO 14

CAPÍTULO 15

Unidos pela Lua

Christina McKnight

Avaliações sobre os livros de Christina McKnight

A LADRA ROUBA O SEU CONDE

—Quando comecei a ler este livro, não consegui mais largá-lo... Ele me deu outra ressaca literária. Queria saber como as coisas se desenrolariam assim que a verdade de Judith viesse à tona e como Simon lidaria com tudo... e eu amei.— -Sissy’s Book Review

—A história de Jude e Cart é uma delícia! É tão bom ver um mocinho tímido, esquisito e que não seja super rico. Eu amei... Esse foi com certeza um dos melhores livros que eu li nestas férias.— -Reviews from a Thrifty Mom

NUNCA MAIS ESQUECIDA

—Esta autora me fez voltar a amar romances históricos.— -TwinsieTalk Book Reviews

NUNCA MAIS ESCONDIDA

—O enredo é muito bom, a escrita é ótima. Tão leve e envolvente. Fui capaz de lê-lo de uma vez só, a história fluía muito bem. Amo encontrar novos autores e com esta história maravilhosamente escrita pela senhorita McKnight encontrei uma nova autora de romances históricos.—-Bound by Books

Ainda Mais Natal

Ainda mais Natal é uma história festiva cheia de esperança, renovação, amor e recomeços. Se você é um fã da série Uma Dama Abandonada, ele é um bônus. Mesmo se você não quiser ler toda a série, ele é bom o bastante sozinho para ser uma bela adição à sua lista de leituras natalinas.— -Literal Addiction

Livros de Christina McKnight:

The Undaunted Debutantes Series

The Disappearance of Lady Edith

The Misfortune of Lady Lucianna

The Misadventures of Lady Ophelia

Lady Archer’s Creed:

Theodora (Livro Um)

Georgina (Livro Dois)

Adeline (Livro Três)

Josephine (Livro Quatro)

Craven House Series:

A Ladra Rouba o seu Conde

A Amante Encanta seu Marquês

A Madame Captura seu Duque – Em breve

A Jogadora Aposta Seu Barão – Em breve

Uma Dama Abandonada:

Nunca mais Rejeitada (Livro Um)

Nunca mais Esquecida (Livro Dois)

Eternamente Desprezada (Livro Três)

Muito mais Natal (Livro Quatro) – Em breve

Não mais Escondida (Livro Cinco) – Em breve

Muito mais Amada (Bônus Exclusivo) – Em breve

Livros Únicos

Um Beijo no Natal: Um Conto da Regência

The Siege of Lady Aloria, A de Wolfe Pack Novella

For The Love Of A Widow: Regency Romance Novella

For the Love of a Widow

Earl of St. Seville

The Lady Loves a Scandal

Bound by the Christmastide Moon

Bedded Under the Christmastide Moon

DEDICATÓRIA

––––––––

Para Marc ~

A sorte nos juntou... mas o AMOR é o que nos une.

AGRADECIMENTOS

Um grandessíssimo obrigado às minhas companheiras autoras: Erica Monroe, Ava Stone, Amanda Mariel, Dawn Brower e Deb Marlowe. Juntas criamos uma antologia incrível – e eu não podia ter sonhado com um melhor grupo de mulheres para chamar de amigas.

Há tantas pessoas que apoiam a minha paixão por escrever. Aqui estão alguns que eu sou abençoada por chamar de amigos: Marc McGuire, Lauren Stewart, Erica Monroe, Amanda Mariel, Debbie Haston, Angie Stanton, Theresa Baer, Ava Stone, Roxanne Stellmacher, Laura Cummings, Dawn Borbon, Suzi Parker, Jennifer Vella, Brandi Johnson e Latisha Kahn. Obrigada por me aceitarem, mesmo eu sendo, bem, eu.

Um agradecimento especial à minha editora, Chelle Olson da Literally Addicted to Detail, , sua habilidade e profissionalismo ultrapassaram qualquer espectativa. Chelle Olson pode ser contatada pelo e-mail: literallyaddictedtodetail@yahoo.com.

Minha revisora, Anja da Hour Glass Editing, obrigada por embarcar em outra jornada comigo.

Capa e invólucro do original e design do website por Sweet ‘N Spicy Designs.

Finalmente, obrigada a você por apoiar autores independentes.

PRÓLOGO

––––––––

Ditchley Hall, Southampton, Inglaterra

Junho de 1811

SILAS ANSON, O Conde de Lichfield, olhou pela vasta e desordenada expansão do que ele recentemente começou a ver como a sua mesa, não a superfície desconhecida e entulhada que uma vez pertenceu ao seu pai.

Um pai de quem mal se lembrava e do qual não podia conjurar a imagem.

Do outro lado, o receptor da carranca de Silas era ninguém menos que o Sr. Horace Peabody, o Esquire[i].

O advogado também tinha vindo com o título e a propriedade Lichfield.

Embora Silas debatesse silenciosamente o que tinha menos valor para ele: sua herança inexistente ou o conselheiro de confiança do pai.

—Você está me dizendo— Silas fechou a boca, ponderando e descartando sua próxima frase como extremamente grosseira e injusta, não importa o quanto ela fosse pertinente. —Você está me dizendo que eu fui chamado de volta à Inglaterra, que serei arrancado do meu lar na França, para herdar um título e uma propriedade tão afundada em dívidas que a ruína só será protelada por um mês?

O Sr. Peabody, quem surpreendentemente não parecia nada com uma ervilha, olhou calado para Silas por trás dos seus óculos, com as mãos cruzadas sobre o seu colo. O homem percebia o quanto ele parecia clichê? Óculos, dedos manchados de tinta, os nervos em frangalhos, e as pilhas de documentos. Deus sabe que o homem chegou com toda uma floresta. Era de se fazer pensar quantas minas tinham sido exploradas para coletar o grafite necessário para preencher todo aquele disparate apresentado a Silas.

E o advogado parecera ansioso desde a sua chegada.

—Este plano que você teve a bondade de me detalhar é a única opção viável que você foi capaz de descobrir para resgatar o nome Lichfield? — Silas precisava ouvir Peabody verbalizar o curso que tinha recomendado uma última vez, mas o advogado apenas concordou, fazendo com que os óculos escapassem da ponte do seu nariz. Silas imaginou se não deveria consultar outro advogado para resolver este assunto – e todos os que estavam por vir. —Minha propriedade está falida, o título não tem nenhum valor, e meu único recurso – se eu me recusar a ficar à mercê da família da minha mãe – está esboçado em uma única folha de papel?

Para continuar pontuando o absurdo da situação, Silas voltou a pegar o dito documento com o parágrafo escrito às pressas e o segurou no alto para que Peabody pudesse inspecioná-lo.

—É essa, sim, a minha recomendação, meu lorde, — Peabody resmungou, enquanto inclinava a cabeça.

Se o seu pai já não tivesse morto e enterrado, Silas teria acabado com o falecido conde com as próprias mãos.

Maldição, mas Silas – assim como sua mãe e seus irmãos – estivera contente e de certa forma entretido em Paris todos esses anos. Isso foi antes de ele ter sido convocado, sem cerimônia nenhuma de volta à terra natal do pai para usurpar um título que nunca pensou possuir.

Silas se recostou no assento e esfregou o rosto, tentando pensar melhor na situação – e ainda assim, ela continuava lhe escapando.

Sua mãe, Mary Louisa Anson, Lady Lichfield, tinha fugido da Inglaterra há mais de quinze anos, com os três filhos a reboque, com a intenção de nunca mais ver o marido. Edmond Anson não tinha ido procurar a família, sequer tinha enviado um mensageiro para verificar o paradeiro ou a segurança deles, nem as autoridades tinham sido chamadas para que sua prole fosse devolvida ao lugar a que pertenciam, ou seja, à Inglaterra.

Enquanto os anos se passavam e ninguém vinha atrás deles, Silas e os irmãos se ajustaram à vida na França enquanto a mãe perseguia sua paixão pela arte. Tinha assumido que o pai tinha construído uma nova vida e continuado como se os filhos gêmeos e a filha mais nova não existissem.

O advogado animou-se, uma nova fagulha de esperança iluminou seu olhar embaçado.

—Você pode contatar a sra. Hambly. Ouvi dizer que ela é uma mulher justa que ama seus parentes. Não dispense-a – e nem às suas outras tias – assim tão rápido. Talvez a Condessa de Somerton esteja disposta a intervir e ajudar—

Silas bufou. Sim, tinha sido presenteado com histórias sobre a formidável Regina, a irmã de sua mãe, por anos, e nenhuma delas falava de sua natureza justa ou amor família, e sim da sua necessidade de estar sempre no controle. —Se minha tia se importasse o mínimo que fosse com seus parentes, ela teria vindo atrás da minha mãe e teria oferecido ajuda. Ainda assim, meus irmãos e eu vivemos de pouco mais do que pão velho e caldo por anos, morando em cima de um açougue em uma das áreas mais perigosas de Paris. — Silas não entraria em detalhes sobre as terríveis condições de sua infância – não com este homem, ao menos. —Não, esta não é uma opção, ao menos não nestas conjunturas.

—Meu plano só vai resolver uma fração dos seus problemas, meu lorde. — Peabody suspirou, olhando em direção à porta fechada do seu escritório, os olhos arregalados imploravam por uma interrupção para que pudesse escapar. —E a solução é apenas temporária, isso na melhor das hipóteses.

—Como meu pai permitiu que a propriedade caísse em tamanha desordem? — Silas pensou, sem esperar nenhuma resposta, pois qualquer que ela fosse, não iria agradá-lo.

—Porque ele estava com o coração parti— As palavras do advogado foram cortadas enquanto ele engolia em seco. O relógio alto bateu quatro vezes, ecoando pelos corredores cavernosos de Ditchley Hall. —Se você não precisar de nada mais, irei me retirar e preparar minha partida para Londres.

Peabody ficou de pé, o corpo magro e franzino falava de um homem que ficava preso atrás de uma mesa em uma sala bolorenta por mais da metade do dia, a pele clara precisava desesperadamente de luz solar.

Silas queria que o homem se fosse, saísse do seu escritório e de Ditchley. Que ele estivesse longe antes que a notícia sobre os apuros de suas condições chegasse aos irmãos. Ainda assim, isso não melhoraria a situação da família, nem manteria os credores longe.

—Sente-se. — A ordem ecoou pelas paredes e sacudiu os vidros das janelas, enviando um arrepio por sua espinha. Este era um ponto positivo de Ditchley Hall: a voz dele soava ameaçadora em todos os cômodos. —Desejo falar mais sobre os meus caminhos pelos próximo meses se eu considerar o seu plano.

Voltando a se sentar, o advogado folheou as pastas procurando algo, alguma coisa que provavelmente manteria a ira de Silas controlada

Você chegou ao final dessa amostra. Cadastre-se para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de Unidos pela Lua

5.0
1 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor