Aproveite esse título agora mesmo, além de milhares de outros, com um período de teste gratuito

Apenas $9.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

O Rubi Oculto: Família Marsden

O Rubi Oculto: Família Marsden

Ler a amostra

O Rubi Oculto: Família Marsden

Duração:
216 páginas
3 horas
Lançados:
Nov 4, 2018
ISBN:
9781386727163
Formato:
Livro

Descrição

Noah St John, o Duque de Huntly, perdeu os pais ainda criança e cresceu tendo os advogados como guardiões. Quando conheceu Rubina Leone, foi amor à primeira vista. Pela primeira vez na vida acreditou que poderia ser feliz. Até que o destino mostrasse as garras e jogasse seu coração às feras – em um arroubo de raiva, Rubina o deixou. O navio em que ela viajava foi a pique. Depois de anos de luto, decidiu voltar a se casar. Mas dessa vez não comprometeria o seu coração. Não tinha um.

Rubina Leone St John, a Duquesa de Huntly sempre pretendeu voltar para Noah. Mas antes que tivesse a chance de embarcar no navio um ex-noivo degenerado a raptou. Quando finalmente conseguiu escapar, tinha apenas um pensamento. Voltar para a Inglaterra para o único homem que já amou.

Rubina volta correndo para casa para impedir o casamento do marido, mas será que ela conseguirá recuperar o coração de Noah ou é tarde demais para reavivar o amor que havia entre eles?

Lançados:
Nov 4, 2018
ISBN:
9781386727163
Formato:
Livro

Sobre o autor

USA TODAY Bestselling author, DAWN BROWER writes both historical and contemporary romance.There are always stories inside her head; she just never thought she could make them come to life. That creativity has finally found an outlet.Growing up she was the only girl out of six children. She is a single mother of two teenage boys; there is never a dull moment in her life. Reading books is her favorite hobby and she loves all genres.For more information about upcoming releases or to contact Dawn Brower go to her website: authordawnbrower.com


Relacionado a O Rubi Oculto

Livros relacionados

Amostra do livro

O Rubi Oculto - Dawn Brower

Prólogo

Capítulo Um

Capítulo Dois

Capítulo Três

Capítulo Quatro

Capítulo Cinco

Capítulo Seis

Capítulo Sete

Capítulo Oito

Capítulo Nove

Capítulo Dez

Capítulo Onze

Capítulo Doze

Capítulo Treze

Capítulo Catorze

Capítulo Quinze

Capítulo Dezesseis

Capítulo Dezessete

Epílogo

Uma Pérola Descartada

O Rubi Oculto

Família Marsden Livro 4

Dawn Brower

Agradecimentos

Um grandessíssimo obrigada a todos que me ajudaram a fazer este livro brilhar; Victoria por me ajudar com os ajustes finais, Liz por ler meu péssimo rascunho, e Christina por fazer a limpeza final. Sem vocês este livro estaria repleto de erros. Obrigada por tudo o que fizeram para torna-lo ainda melhor.

Dedicatória

Este livro é para todos os leitores que imploraram pela história do Noah. Espero que ele atenda às suas expectativas.

Prólogo

—Eu não quero mais viver... sem o meu amor, eu não tenho nada.

Rubina Leone St. John, a duquesa de Huntly quis dizer essas palavras. Sem Noah... Sua cabeça caiu sobre as mãos. As lágrimas escorriam por seu rosto. Como poderia seguir em frente sem o único homem a quem tinha amado? Se Paolo Fonte, Duca d'Sordillo, tinha dito a verdade, seu marido estava morto.

—Não seja dramática, Rubina. — Ele colocou a mão sobre o coração. —Por minha honra, eu sempre cuidarei de você.

Ela ergueu a cabeça e olhou para ele através dos olhos entreabertos. Que idiota. Ele realmente acreditava que ela estava disposta a ficar com ele? Seu coração sempre seria de Noah. Nenhum outro homem preencheria o vazio que a perda dele causou. Lentamente ela se levantou e olhou para ele. Com toda força que ainda tinha, cuspiu no rosto dele.

—Você nunca substituirá Noah. — Ela voltou para o assento. Rubina tinha melhores coisas a fazer que lidar com Paolo. Ele dizia amá-la, mas a manteve presa por meses em um quarto minúsculo. Apenas vindo vê-la para que pudesse olhar para ela enquanto declarava o seu amor. Não se aprisiona alguém que você supostamente ama.

Paolo pegou um lenço e limpou o rosto. —Você se arrependerá disso.

—Não, eu só queria ter feito isso antes.

Ele foi feito uma fúria até ela e ergueu o queixo de Rubina, forçando-a a olhar para ele.

La mia beleza... — Ele afagou o cabelo dela. —Esse belo cabelo dourado – parece seda ao toque.

Arrepios percorreram o seu corpo e seu estômago embrulhou com nojo por ele tocá-la. Rubina não era a beleza dele... Ela nunca seria dele, de forma alguma.

—Eu não sou sua. Nem nunca serei. Quando aceitará isso? — Ela olhou para ele em desafio.

—Nunca? — Ele ergueu uma sobrancelha. —Isso é muito tempo, amor. Você aprenderá a me amar.

Rubina segurou as lágrimas. Se Noah estivesse mesmo morto – não importava. Paolo poderia fazer o seu pior. Não importa o quanto ela tentasse, seus sentimentos continuariam sendo os mesmos. Seu coração permaneceria intocável por aquele falso encanto...

Ti odio. — Ela deixou sair cada grama do ódio que sentia. Rubina não queria que houvesse qualquer dúvida do quanto ela odiava Paolo.

—Não, não odeia. — A risada sinistra preencheu o quarto. —Coração, você não sabe o que é ódio – mas saberá.

—Como Noah morreu?

Rubina precisava de detalhes para entender como ele tinha ido embora. Seu marido era um homem forte e viril, tão cheio de vida. Ela não podia acreditar que ele estava – ela engoliu em seco – morto.

—Se você precisa saber, alguém o ajudou a encontrar a morte prematura.

—Não... — Rubina arfou. —Por favor – diga que você não o matou.

—Não direi tal coisa. Não vou começar a mentir para você, coração. — Ele enfiou as mãos nos bolsos e balançou sobre os calcanhares. —É melhor você se acostumar com a nossa longa vida juntos.

Rubina queria morrer. Isso continuaria sendo verdade já que Noah estava morto. Ela tinha que cuidar de uma coisa antes de se juntar a ele novamente. A vida de Paolo Fonte precisava chegar ao fim. Ele pagaria por todos os seus pecados – por ferir Noah. Ela viveria tempo o bastante para ver isso acontecendo. Assim que o mandasse para o inferno, ela se permitiria dar seu último suspiro. Ela poderia estar com o marido mais uma vez. Eles poderiam passar a eternidade nos braços um do outro.

Sei un bastardo malvagio, — ela exclamou. Duca d’Sordillo era um bastardo cruel. —Um dia a sua crueldade deixará esse mundo. E esse será o dia mais feliz da minha vida.

—Diga o que quiser, suas palavras não significam nada para mim, mas você irá. — Ele sorriu. —Até lá, por favor, aproveite as acomodações.

Ele se virou para sair. A porta fechou com um barulho alto. Paolo passou a chave, trancando-a mais uma vez naquele casebre minúsculo. Tanto amor que ele demonstrava. Rubina olhou para a porta com desgosto. Não importava. Ela tinha um motivo para continuar vivendo. Assim que encontrasse uma forma de terminar com a vida de Paolo, sua missão estaria completa. Ele tinha que pagar pela atrocidade que causara.

***

Rubina estava fraca. Ela mal tinha força para erguer a cabeça. Paolo limitou a sua comida a pão e água – o mínimo para sobreviver. Ele estava tentando ou mandá-la para o túmulo – ou fazê-la ceder às suas demandas. O maligno degenerado queria que ela se fosse para a cama com ele de boa vontade. Isso nunca aconteceria. Trair Noah dessa forma... Não, preferia morrer. Se não conseguisse um pouco de força logo, conseguiria o que tanto desejava.

Duchessa...

Seu corpo balançava para lá e para cá, sacudido por uma força desconhecida, mas ela não queria abrir os olhos.

—Por favor, acorde, Duchessa.

As pálpebras de Rubina se abriram e ela olhou dentro dos olhos castanho escuros de um homem que nunca tinha visto na vida.

—Quem é você? — Ela olhou para ele, confusa. Talvez fosse um novo guarda que Paolo tinha enviado para vigiá-la.

—Estou aqui para salvá-la.

Rubina tremia e lágrimas escorriam por seu rosto. Não queria acreditar que era verdade. Não sabia quanto tempo tinha ficado presa na casa de Paolo. Tudo o que queria era ir para casa – ver o pai e o irmão novamente. Eles eram tudo o que ela tinha no mundo. Se ao menos Noah...

Rubina chorou.

Duchessa, precisamos nos apressar.

Tentou engolir o nó em sua garganta, mas estava seca demais. Deixou o olhar encontrar o dele mais uma vez e falou o que mais temia em voz alta. —Você é real?

Ele assentiu. —Eu lhe asseguro que sim. Você pode andar?

—Estou tão fraca...

—Iremos devagar. Irei carregá-la se for necessário.

Ele ajudou Rubina a ficar de pé e a levou até a porta. Estava prestes a deixar sua prisão. Quanto tempo tinha ficado trancada ali? Isolada do mundo?

—Por que você está me ajudando?

—Eu trabalho para o seu irmão, o Comte Leone. — Eles seguiram pelo corredor. Ele parou no alto da escadaria de pedra. —Meu nome é Arturo.

—Damian mandou você?

Sua família ainda acreditava que ela estava viva? Por que demoram tanto tempo para encontrá-la? Paolo insistiu que todo mundo acreditava que ela estava morta – tão morta quanto o marido. Não havia mais o Duque e a Duquesa de Huntly – não havia mais uma bela história de amor.

—Temo que não. — Ele a pegou no colo. —Todo mundo acredita que você está morta. Estou aqui por outra razão. É um milagre eu ter sabido da sua existência.

Grazie. — Rubina abraçou-o. Todo o seu corpo tremia com o peso das suas emoções. —Tinha medo de morrer trancada naquele quarto.

—Não precisa agradecer. Eu teria feito isso por qualquer um. — Sua boca formou uma linha firme. —O que o Duca d’Sordillo fez contigo foi errado.

Rubina não queria pensar em Paolo. Ela só queria se afastar dele tanto quanto fosse possível. Talvez voltasse para a Inglaterra... Ela amava a sua casa. A Itália ainda tinha um lugar especial em seu coração, mas também o preenchia com horror. Se nunca tivesse brigado com Noah, Paolo não teria sido capaz de mantê-la cativa. Sua única intenção era voltar para Nápoles e visitar o pai. Assim que ela pisou no navio com destino à Itália, os homens de Paolo a localizaram. Eles a levaram para o navio dele e a trancaram. De alguma forma, ele tinha feito o navio que ela estava mergulhar nas profundezas do oceano – selando a crença na morte dela.

—Se você não está aqui para me resgatar, então o que você está fazendo no lar de Duca di’Sordeillo?

—Creem que ele tem laços com o Mafioso.

Arturo a abaixou e verificou a sala. Ele puxou a sua mão e a guiou para fora. Pararam na frente de uma carruagem, e ele a ajudou a entrar. Uma vez que Rubina estava sentada a salvo, ele bateu as rédeas para fazer os cavalos andarem.

—De alguma forma não me surpreende. Ele é um homem cruel – e evidentemente um mentor do submundo do crime.

Arturo assentiu. —Isso é o que acreditamos. Não temos ideia da extensão de suas atividades criminais. Comte Leone me enviou para investigar. Se ele soubesse que você estava aqui, ele mesmo teria vindo e teria estraçalhado o Duca d’Sordillo.

Rubina não duvidou por um minuto. Damian era impiedoso quando queria ser. Ele tinha um alto poder no governo. Ele odiava o Mafioso e procurava extirpá-los da Itália. Isso estava se tornando uma tarefa desencorajadora. Os próprios Mafioso estavam envoltos em segredo.

—Para onde estamos indo?

—Você sabe onde está, Duchessa?

—Por favor, me chame de Rubina, — ela propôs. —Eu lhe devo a minha vida. E para responder à sua pergunta – eu não faço ideia de onde estou ou por quanto tempo estive aqui.

Arturo franziu o cenho. —Isso não é bom, Sua Graça. — Ele balançou a cabeça. —Você está na Sicília, próximo a Palermo. Já faz três anos desde que o Comte e o seu pai acreditaram que você se afagou a bordo daquele navio.

Rubina ofegou. —Não, tanto tempo...

—Sua família – eles ficarão aliviados por descobrir que você está viva. Felizmente, seu irmão está me esperando em um porto perto daqui. Nós podemos escapar com ele e viajar para Nápoles.

Damian está por perto? O destino tinha finalmente dado um passo em frente para ajudá-la? Se apenas tivessem feito isso antes – ela teria sido capaz de salvar Noah. Agulhadas de dor fincaram em seu coração com a visão de seu amado flutuando ante ela. Sentia tanto a falta dele.

Arturo apressou os cavalos. O vento soprava o cabelo de Rubina. Em breve estaria com o irmão novamente, e poderia tramar a morte de Duca d’Sordillo. Ele pagaria por seus pecados. Mas primeiro precisava recuperar as forças. Não seria capaz de derrotá-lo estando tão fraca.

—Nós estaremos no navio do seu irmão em breve, Sua Graça.

—Obrigada. Estou tão cansada... Talvez eu devesse dormir um pouco. — Sua cabeça caiu para frente, seus olhos se fecharam. Eles se abriram enquanto ela olhava para ele. —Eu acho que te disse para me chamar de Rubina.

—Sim, Sua Graça, mas eu não posso. Por favor, fique acordada. Nós chegaremos um breve.

Rubina lutou contra a necessidade de dormir. Assim que chegassem ao navio e se reunissem com o irmão, ela cederia. Arturo assegurou que ele estava perto. Respirou fundo, exalou, se ela continuasse se lembrando, tudo isso ainda seria verdade. Se isso fosse um sonho, Rubina nunca queria acordar. Apenas uma coisa faria tudo perfeito: Noah – vivo e saudável.

A carruagem parou perto de um pequeno píer. O céu noturno era negro como piche com pequenas estrelas brancas pontilhando a tela negra.

Duchessa, chegamos. — Ele a acotovelou. —Venha, eu te ajudarei a embarcar no navio.

—Eu não acho que possa me mover, Arturo. — Seus olhos rolaram para trás, e suas pálpebras fecharam. —Não me resta muita força.

—Eu vou te carregar. — Arturo a levantou em seus braços musculosos.

O calor a envolveu e se propagou por todo o seu corpo. Tinha ficado fria por tanto tempo. Ele a aninhou, deixando sua cabeça descansar em seus ombros largos. Era tão bom ser cuidada.

—Eu não sei se algum dia poderia te agradecer o bastante, — ela murmurou.

—Pare de me agradecer, Sua Graça.

Rubina nunca iria. Ele a salvou de um inferno em vida.

—O que você tem aí, Arturo?

Damian! Sua voz era música para os ouvidos de Rubina. Arturo não tinha mentido. Ele a trouxe para o irmão. Rubina quis chorar novamente, mas ela se segurou.

—Eu encontrei a sua irmã, Comte.

—O quê? — Descrença gotejava da voz do irmão. —Você está mentindo, minha irmã se afagou a bordo de um navio anos atrás.

—Não, Comte. — Arturo sacudiu a cabeça, empurrando a cabeça de Rubina para frente. —Ela vive. Duca d’Sordillo a manteve trancada em um quarto por anos.

Rubina levantou a cabeça e encontrou um olhar que combinava com o seu. Na luz da lua, a íris cor de prata brilhava ante ela. Damian ofegou. —Dio mio, é verdade...

—Olá, irmão.

Damian correu e puxou Rubina dos braços de Arturo. Ele a abraçou tão apertado que era difícil respirar. —Eu não acredito que você está aqui. Se eu soubesse...

—Eu sei, por favor, eu não posso respirar.

Damian a soltou, nunca tirando os olhos dela. Ela entendia o motivo porque tudo parecia um sonho para ela também.

—Que lástima, oh Deus – Noah. Como iremos dizer a ele? — Damian esfregou o rosto. —Ele está prestes a levar o choque da sua vida. Nós devemos chegar a ele depressa.

—O quê? — Rubina ofegou. —Noah vive? Paolo me disse que o tinha assassinado.

—Eu lhe garanto, seu marido está vivo e bem. — Damian assentiu. Ele andou para lá e para cá na frente dela. Sua agitação estava deixando-a nervosa. —Há algo que você precisa saber... ele está prestes a se casar novamente.

—Não...

Noah era dela. Nenhuma outra mulher poderia reclamá-lo. Ela tinha que chegar à Londres e reclamar o marido. Como ele se atrevia a seguir em frente quando ela tinha sofrido tanto? Ela acreditava que ele estava morto, e ainda assim não cedeu às exigências de Paolo. Quando chegasse lá, Noah iria se arrepender do dia que sequer pensou em substituí-la.

Capítulo Um

Noah St. James, o Duque de Huntly, respirou fundo e deixou de lado os documentos que estava analisando. Esfregou o rosto tentando afastar a exaustão. Já estava sendo um dia difícil, e o sol mal tinha nascido. Ele teve problemas para dormir durante a noite e saiu da cama enquanto ainda estava escuro. Já que o sono tinha ido embora, podia muito bem trabalhar.

—Você está horrível.

Noah ergueu o olhar e viu seu melhor amigo, Liam Marsden, entrar em seu escritório.

—Eu me sinto horrível.

Liam inclinou a cabeça para o lado. —Você não está pensando em mudar de ideia,

Você chegou ao final dessa amostra. Cadastre-se para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de O Rubi Oculto

0
0 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor