Aproveite esse título agora mesmo, além de milhares de outros, com um período de teste gratuito

Apenas $9.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Encontre-me, Amor: O Escândalo Encontra o Amor, #2

Encontre-me, Amor: O Escândalo Encontra o Amor, #2

Ler a amostra

Encontre-me, Amor: O Escândalo Encontra o Amor, #2

Duração:
140 páginas
2 horas
Lançados:
Feb 21, 2019
ISBN:
9781386496793
Formato:
Livro

Descrição

Encontrar o verdadeiro amor às vezes é tão simples quanto notar o que já estava lá

Quando era menina Diana decidiu que gostava mais de esgrima do que de ser uma dama respeitável, mas às vezes se adequar às regras da sociedade era um mal necessário. O Salão da Fortuna deu a ela a oportunidade de pôr em prática seu amor pela esgrima, enquanto que os bailes da ton forneciam os lugares perfeitos para encontros clandestinos.

Libertinagem, apostas e brandy caro eram os vícios favoritos de Luther Wright, o Conde de Northesk. Cada um deles tinham um papel importante em enterrar os demônios que o perseguiam. Uma noite tudo mudou e ele foi forçado a questionar cada decisão que já tinha feito.

Depois de um encontro fortuito em uma das partidas de esgrima de Diana, Luther decide cortejá-la. A teimosia dela e a necessidade dele de protegê-la entram em choque – somente o tempo dirá se eles são capazes de encontrar uma forma de superar as suas diferenças, e junto com isso, um amor para toda a vida.

Lançados:
Feb 21, 2019
ISBN:
9781386496793
Formato:
Livro

Sobre o autor

USA TODAY Bestselling author, DAWN BROWER writes both historical and contemporary romance.There are always stories inside her head; she just never thought she could make them come to life. That creativity has finally found an outlet.Growing up she was the only girl out of six children. She is a single mother of two teenage boys; there is never a dull moment in her life. Reading books is her favorite hobby and she loves all genres.For more information about upcoming releases or to contact Dawn Brower go to her website: authordawnbrower.com


Relacionado a Encontre-me, Amor

Livros relacionados

Amostra do livro

Encontre-me, Amor - Brower Dawn

Encontre-me Amor

Encontre-me Amor

O Escândalo Encontra o Amor, Livro Dois

Dawn Brower

Monarchal Glenn Press

Encontre me Amor

Escrito por Dawn Brower

Copyright © 2019 Dawn Brower

Todos os direitos reservados

Distribuído por Babelcube, Inc.

www.babelcube.com

Design da capa © 2019 Victoria Miller

Babelcube Books e Babelcube são marcas comerciais da Babelcube Inc.

Created with Vellum Created with Vellum

Contents

DEDICATÓRIA

Nota da Autora

Agradecimentos

Prólogo

CAPÍTULO UM

CAPÍTULO DOIS

CAPÍTULO TRÊS

CAPÍTULO QUATRO

CAPÍTULO CINCO

CAPÍTULO SEIS

CAPÍTULO SETE

CAPÍTULO OITO

CAPÍTULO NOVE

CAPÍTULO DEZ

CAPÍTULO ONZE

TRECHO DE O BEIJO DA CIGANA

Prólogo

TRECHO Ame apenas a mim

Capítulo Um

SOBRE O AUTOR

LIVROS DE DAWN BROWER

Afterword

Procurando outras ótimas leituras?

DEDICATÓRIA

Este livro é para todos os que acreditam no amor e que um dia esperam encontrá-lo. Às vezes você só precisa ter fé, e às vezes ele esteve lá o tempo todo. Continue acreditando e um dia o amor poderá te encontrar.

Nota da Autora

Este é o segundo livro de uma série que estou escrevendo com a Amanda Mariel. É realmente uma surpresa não termos trabalhado em conjunto antes, pois já fizemos muitas coisas juntas. Espero que todos vocês aproveitem cada livro e continuem lendo enquanto a série se desenrola. No final do livro você encontrará a história de Lulia que será lançada em um futuro próximo: O Beijo da Cigana.

Agradecimentos

Como sempre, agradeço à minha artista de capa, Victoria Miller. Você foi maravilhosa como sempre. Obrigada também à Elizabeth Evans – você faz com que a escrita seja prazerosa. Obrigada por me ajudar e por ler todos os meus rascunhos.

Um agradecimento especial à Amanda Mariel por trabalhar comigo. É muito bom trabalhar com alguém que sempre será parte de sua vida. Tem sido divertido e estou ansiosa para completar esta nova etapa com você.

Prólogo

Norfolk, Inglaterra 1806

O sol de início de verão brilhava no céu da tarde. Nuvens brancas e fofas flutuavam no horizonte azulado. Tudo indicava que aquele seria um dia maravilhoso e Lady Diana Thomas esperava que o tempo se firmasse para garantir isso. Seu pai era o Conde de Bristol e ele estava oferecendo uma feira junto com o Conde de Northesk na cidade que havia entre as propriedades deles. Por um breve momento houve o temor que a feira não acontecesse conforme o planejado. O Conde de Northesk morreu de repente e seu filho estava de luto; mas, ele insistiu que os aldeões não fossem desapontados. Lorde Bristol tinha concordado em assumir os preparativos para liberar o novo conde da tarefa. O que na verdade significava que Diana teria muito mais coisas com as quais lidar. Mas ela não se importava. A feira continuava sendo algo que ela amava e que sempre lhe seria querido.

O evento anual poderia ser traçado há várias gerações e todo mundo nas redondezas ansiava por ela. A feira foi mudando ao longo dos anos e se ajustado à época. Coisas novas foram adicionadas e melhoramentos foram feitos. Este ano haveria uma cena diferente de uma outra peça de Shakespeare. Diana mal podia esperar para ver como tudo se desenrolaria. Os ciganos contratados para lidar com alguns jogos e outras atividades também voltavam a cada ano. Ela veio a conhecer muitos deles pelo nome e os considerava um pouco como amigos.

Diana perambulou entre todas as barracas, certificando-se de que tudo estava pronto. Os aldeões já estavam começando a chegar e em breve a nobreza também faria a sua aparição. Este era um dos únicos dias que todas as classes se misturavam e não pensavam muito sobre isso. Todos eram parte da comunidade e este era para ser um dia de diversão.

—Lady Diana, — um homem chamou.

Ela se virou em direção ao som e franziu o cenho. Luther Wright, o novo Conde de Northesk estava de pé atrás dela. O que ele estava fazendo na feira? Seu pai deixou muito claro que ele não esperava que o cavalheiro comparecesse. Os condes davam a festa, mas eles mesmos não participavam de tais atividades. Eles faziam uma aparição e ficavam por mais ou menos uma hora, depois voltavam para as suas respectivas propriedades. Entretanto, neste caso, ninguém pensava que o Conde de Northesk fosse comparecer.

—Meu lorde, — ela disse e fez uma rápida mesura. —Posso ajudá-lo?

Ele franziu o cenho e acenou para a feira. —Eu não me lembrava de isso ser tão – vasto.

Eles tinham adicionado algumas tendas e construíram um palco temporário para algumas apresentações. Ela não entendeu por que ele parecia tão confuso. Talvez houvesse algumas atividades a mais. Nada que devesse causar perplexidade... —A feira está do mesmo jeito que eu lembro. — Diana decidiu agir como se ela não entendesse o que ele quis dizer. —Eu não me lembro de você ter comparecido nos últimos anos. Você não estava viajando?

A última coisa que soube era que ele tinha deixado Oxford e ficou na Itália por um ano. Ele só voltou recentemente. Diana não se lembrava que ele fosse tão – bonito. Os cachos negros se curvavam em volta de suas orelhas e pescoço e brilhavam sob os raios de sol. Os olhos verdes eram da cor da jade e pareciam quase tão duros quanto a pedra.

Ele suspirou e então passou as mãos pelo rosto. —Você não está incorreta. Eu realmente decidi viajar. Algo de que me arrependo já que perdi o tempo que poderia ter passado com o meu pai. Se eu soubesse…

Droga. Ele tinha que fazê-la sentir-se mal. —Desculpe-me. Foi rude eu lembrá-lo de sua perda.

—Não, — ele disse sacudindo a cabeça. —A culpa é minha. Eu não deveria ter vindo.

Lorde Northesk se virou e seguiu na direção aposta da feira. Diana suspirou e considerou o que fazer. O novo conde tinha sido seu vizinho por tanto tempo quanto podia se lembrar. Seus pais não faziam nenhuma segredo de que esperavam que ela chamasse a atenção dele em algum momento. Eles esperavam que ela se casasse com ele e morasse ali perto. Seria um golpe de sorte se isso ocorresse. Mas Diana tinha outras ideias para o seu futuro. Não tinha muita certeza de que queria se casar, e ela não mostrava muitos sinais de que tinha se tornado uma grande beleza. O cabelo louro era enfadonho e os olhos azuis tão claros que não inspiravam ninguém a escrever poesias. Este era o seu décimo-sexto verão e em breve teria a sua estreia em Londres. Tinha poucas esperanças de que algum cavalheiro fosse pedir a sua mão. Ela tinha um dote decente e contatos, mas pouco mais que isso. Este cavalheiro sequer seria capaz de cortejá-la até que o período de luto terminasse – não que isso importasse muito. Lorde Northesk não era para ela e nunca seria. Ela provavelmente acabaria ficando para titia e finalmente seria uma solteirona. Um destino que ela já tinha aceitado e que decidiu não lutar contra. Tinha outras qualidades a oferecer à sociedade e viveria a vida com isso. Talvez um dia virasse a acompanhante de alguma dama ou tivesse fundos suficientes para viajar pelo mundo assim como Lorde Northesk tinha feito.

Ela suspirou e correu para alcançar o conde. —Não vá, — ela gritou.

Ele parou e olhou par ela. —Por que não?

Ele realmente precisava de um motivo? Ela expirou. Quando se tornou responsabilidade sua fazer com que as coisas fossem melhores para ele? Provavelmente quando o pai relegou a ela a tarefa de planejar a feira... —Você está sofrendo e talvez este seja o último lugar onde queira estar, mas eu acho que ele pode ser o que você precisa. Este é para ser um dia feliz e se você se permitir a desfrutá-lo, pode encontrar alguma alegria mesmo que seja apenas por um instante.

—Felicidade não é algo que eu mereça.

—Todo mundo deveria ter um pouco em suas vidas, meu lorde – até mesmo você. Fique. — Ela sorriu para ele. —Seu pai era uma grande parte da feira. Se não for por você, então fique por ele.

Talvez ele fosse ouvi-la e tentar encontrar algo de bom na feira. De qualquer forma, ela tinha feito sua parte ao convencê-lo sobre a boa decisão que seria ficar. No final a decisão seria dele. Ela não se atreveria a tentar entender os meandros da mente masculina.

—Devo voltar mais tarde, — ele respondeu. —Por agora, se me der licença, eu preciso partir.

Tão frio, mas não podia culpá-lo por isso. Se estivesse no lugar dele, talvez tivesse reagido da mesma forma. Diana não podia imaginar como seria perder um de seus pais. Felizmente, ambos estavam muito vivos. —Espero que sim, — ela disse. —Contanto que o tempo continue agradável, o resto das festividades transcorrerão bem. Bom dia, meu lorde.

Ele assentiu e caminhou até chegar ao cavalo. Montou e incitou o animal a um trote leve. Não demorou muito e ele se transformou em uma pequena imagem à distância e então ele desapareceu completamente. Diana se afastou da estrada que levava ao Castelo Northesk e voltou para a feira. As barracas estavam cercadas pelos aldeões e as risadas preenchiam o ar. Um garotinho estava jogando uma bola em direção a uma fileira de baldes e grunhia quando errava. Ela vagou pelo local onde o palco tinha sido montado. Um grupo de aldeões estava reunido ali esperando pela primeira peça. Eles não esperaram muito já que dois

Você chegou ao final dessa amostra. Cadastre-se para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de Encontre-me, Amor

0
0 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor