Aproveite milhões de e-books, audiolivros, revistas e muito mais, com uma avaliação gratuita

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Emanuel em nosso lugar: Cristo na adoração de Israel
Emanuel em nosso lugar: Cristo na adoração de Israel
Emanuel em nosso lugar: Cristo na adoração de Israel
E-book252 páginas3 horas

Emanuel em nosso lugar: Cristo na adoração de Israel

Nota: 5 de 5 estrelas

5/5

()

Ler a amostra

Sobre este e-book

O significado da morte de Jesus é pintado nas cores do tabernáculo, do sacerdócio, das festas e dos sacrifícios do Antigo Testamento. Este livro o ajudará a aprender mais sobre a natureza de Deus e a respeito do nosso relacionamento com ele. Você verá que Deus é o nosso Rei no céu, que estabelece seu reinado no meio do seu povo. Como Rei, ele consagra espaços, pessoas, certos atos e tempos que são especialmente dedicados ao seu serviço. Agora voltamos nossa atenção a esses conceitos importantes, embora difíceis, do Antigo Testamento que são, com frequência, negligenciados. Consideraremos em primeiro lugar o espaço sagrado, depois as ações sagradas, então as pessoas sagradas e, finalmente, o tempo sagrado.
IdiomaPortuguês
Data de lançamento24 de ago. de 2018
ISBN9788576227052
Emanuel em nosso lugar: Cristo na adoração de Israel
Ler a amostra

Relacionado a Emanuel em nosso lugar

Ebooks relacionados

Avaliações de Emanuel em nosso lugar

Nota: 5 de 5 estrelas
5/5

1 avaliação1 avaliação

O que você achou?

Toque para dar uma nota

A avaliação deve ter pelo menos 10 palavras

  • Nota: 5 de 5 estrelas
    5/5
    Dentre alguns livros que abordam esta Muito esclarecedora esta leitura !

Pré-visualização do livro

Emanuel em nosso lugar - Tremper Longman III

1998).

PARTE UM

Espaço sagrado

Deus, o Rei, criou o espaço sagrado para sua presença na terra. A seção que se segue explora essa ideia de espaço sagrado no Antigo Testamento. Esse conceito pode parecer, a nós que vivemos depois da morte e da ressurreição de Jesus, uma ideia estranha. Afinal, hoje podemos nos encontrar com Deus em qualquer lugar e a qualquer momento. No entanto, esse generoso acesso a Deus não ocorria no tempo entre a expulsão do Éden e a realização dos grandes atos de redenção de Cristo. O que significa, então, que um local particular tenha sido separado como sagrado? Como esse conceito se desenvolveu ao longo do Antigo Testamento? Essas são as questões que ocuparão nossa atenção nas páginas que se seguem.

1

PARAÍSO GANHO E PERDIDO: ESPAÇO SAGRADO DESDE O INÍCIO

Gênesis 2 ¹ narra a história da criação pela segunda vez. Ela não contradiz a primeira, mas, em vez disso, faz um novo relato da criação com outro foco. Gênesis 1 descreve a criação do cosmos; Gênesis 2 se concentra na criação da humanidade, o ápice do bom trabalho de Deus.

O modo como Adão, o homem, foi criado ilustra seu lugar especial no universo de Deus. Ele foi criado a partir do pó da terra. Em outras palavras, ele se conectou com a criação. Como os animais e a própria terra, era uma criatura. Mas há mais. O homem veio à vida quando Deus soprou em suas narinas. Ele teve um relacionamento especial com o criador! O próprio processo de criação enfatiza a glória da humanidade como o próprio clímax do trabalho da criação de Deus. O método de Deus para criar Eva demonstra que seu lugar especial na criação era equivalente ao de Adão. Ela foi formada não da cabeça ou do pé dele, mas do seu lado – sua própria criação demonstrando sua posição equivalente à do homem. Ela deveria ser sua auxiliadora. Na Bíblia Hebraica, esse não é um termo de subserviência, mas que indica que ela era sua aliada. Afinal de contas, o próprio Deus é chamado de auxiliador da humanidade (Sl 30.10; 54.4; Hb 13.6).

Esse ponto é duplamente esclarecido quando contrastamos a criação do primeiro homem de acordo com Gênesis 2 com a criação dos primeiros seres humanos segundo a tradição mesopotâmica. É verdade que em ambos a receita começa com o pó ou argila, a própria terra, mas é com o segundo ingrediente que a diferença é claramente vista. E aqui há uma variação na tradição mesopotâmica. No Enuma Elish,² o pó da humanidade é misturado com o sangue de um deus-demônio morto por causa da sua traição contra a segunda geração de deuses. Os seres humanos são demônios desde a sua criação. De acordo com o Atrahasis,³ o segundo ingrediente é o cuspe dos deuses, totalmente diferente do glorioso sopro do Criador. O processo de criação segundo a tradição mesopotâmica se encaixa bem na baixa visão geral da humanidade professada por aquela cultura. Afinal de contas, de acordo novamente com o Atrahasis, os seres humanos foram criados com o propósito expresso de aliviar os deuses menores do árduo trabalho de escavação das valas de irrigação. Por outro lado, o relato do Gênesis se ajusta bem à elevada visão da Escritura no que diz respeito à humanidade. Os seres humanos, homens e mulheres, foram criados à imagem de Deus (Gn 1.26-27).

O que significa ser criado à imagem de Deus? Os teólogos já se perguntaram muito ou, então, lutaram violentamente, a respeito dessa questão. Em geral, a resposta resume-se ao que o teólogo acredita que nos separa, como seres humanos, do restante da criação. Esse tipo de abordagem tem resultado, com frequência, num foco na racionalidade humana: é a nossa razão que reflete Deus. No entanto, essa abordagem é perigosa em muitos níveis. Talvez mais preocupante seja a tendência de promover os interesses da razão sobre outros aspectos importantes da personalidade, tais como as emoções e a imaginação. Com esse tipo de visão, também colocamos confiança demais na razão humana.

Uma abordagem melhor seria perguntar como as imagens funcionavam no antigo Oriente Próximo. Numa palavra, as imagens representavam seus objetos. O melhor exemplo vem do domínio da realeza. Na Antiguidade, reis criavam imagens de si mesmos e as estabeleciam por todo o reino para lembrar às pessoas de sua autoridade e presença. Deus criou os seres humanos de tal modo que eles também representam a presença de Deus na terra. Os seres humanos refletem a glória de Deus de tal maneira que nenhuma outra parte da criação de Deus o faz.

Para resumir, os seres humanos são o ápice da criação de Deus de acordo com Gênesis 1–2. Eles foram o clímax do processo de criação; foram criados à imagem de Deus.

A criação do espaço sagrado

Essas criaturas especiais, Adão e Eva, foram colocadas num local muito especial, o jardim do Éden.⁴ O jardim era um lugar perfeito para a humanidade viver: ele supria todas as necessidades. Tinha uma abundância de vegetais, incluindo árvores frutíferas. Era bem regado, com quatro rios correndo por ele. O jardim era verdadeiramente um paraíso, embora a palavra hebraica relacionada a paraíso (pardes, que significa parque, floresta ou pomar) nunca seja usada na Bíblia em conexão com o Éden. Éden em si, significa, mais provavelmente, abundância, novamente mostrando sua característica luxuriante.⁵ De fato, o Éden era o jardim de Deus, de acordo com Ezequiel 31.8. Ezequiel também descreve o Éden como um monte (28.14). Se devemos atribuir ao relato do Gênesis essa descrição de Ezequiel é uma questão debatida. Isso pode ser uma imagem teológica/literária posterior, em vez de uma descrição física. No entanto, a conexão entre jardim e monte irá se mostrar importante para o desenvolvimento do tema bíblico do espaço sagrado.

A natureza utópica do Éden, no entanto, não era primariamente a função dos seus benefícios físicos. O relacionamento perfeito preenchia essa função. Em primeiro lugar, o relacionamento entre Deus e suas criaturas humanas era harmonioso, pessoal e íntimo. Deus andava pelo jardim (Gn 3.8); a impressão que o texto transmite é que Deus podia fazer sua presença conhecida por todo o jardim.

Como resultado do forte relacionamento entre Deus e suas criaturas humanas, Adão e Eva se relacionavam bem juntos. Isso é simbolizado pelo fato de eles estarem nus e não se envergonharem na presença um do outro. Eles podiam ser completamente vulneráveis um com o outro no jardim – psicológica e espiritualmente, eu sugeriria, bem como fisicamente.

O jardim era o lugar em que o que nós agora conhecemos como as instituições do trabalho e do casamento encontraram suas origens. O jardim não cuidava de si mesmo, mas Adão e Eva foram encarregados de cuidar dele. Somos levados a entender que o trabalho deles não era árduo, mas, em vez disso, uma alegria. A natureza respondia bem aos esforços de Adão e Eva de cuidarem do jardim. Além do mais, a intimidade entre Adão e Eva foi formalizada num ritual de deixar-unir, que hoje reconheceríamos como o casamento (Gn 2.23-25).

Tudo estava bem no jardim. No seu centro havia duas árvores. A primeira era a árvore da vida. Não nos é dito muito sobre essa árvore, e se quisermos dizer algo sobre ela teremos que especular. Mas podemos argumentar que Adão e Eva comiam dessa árvore enquanto permaneceram no jardim e que foi o fruto dessa árvore que impediu que eles morressem.

O foco real de atenção está na segunda árvore, a árvore do conhecimento do bem e do mal. Deus deu a Adão e a Eva os deliciosos frutos de muitas árvores, mas os proibiu, sob pena de morte, de comer do fruto dessa árvore – sem dar explicações. O que era essa árvore? Essa questão tem sido discutida por intérpretes ao longo dos anos, mas um tipo de consenso pode ser visto entre as três principais interpretações evangélicas recentes do Gênesis.⁶ Em poucas palavras, essa árvore representa a autonomia moral. Comer dela significaria procurar sabedoria à parte do relacionamento com Deus, que é ele próprio sabedoria. Assim, o nome da árvore descreve a natureza dos atos rebeldes de Adão e Eva e seu esforço em adquirir autonomia moral.

Antes de narrar os acontecimentos de Gênesis 3, no entanto, quero concluir essa seção ressaltando o significado teológico do Éden. No jardim de Deus, Adão e Eva se sentiam à vontade na presença do seu Criador. Não havia lugares especiais sagrados – não havia necessidade para isso. Todo lugar era sagrado e Adão e Eva eram eles mesmos santos. Todo o jardim era um santuário de Deus. Porém, isso logo vai mudar.

O impacto da Queda: a perda do espaço sagrado

A serpente faz sua aparição repentina no início de Gênesis 3, depois de uma breve descrição da sua astúcia. A narrativa hebraica é normalmente breve nas descrições dos seus personagens, apresentando apenas as características dos personagens que serão importantes para a história. No entanto, não podemos evitar perguntar: De onde a serpente veio? Quem é ela? Por que é inimiga de Deus ou, pelo menos, trabalha contra seus propósitos?

O livro de Gênesis nos dá poucas respostas a essas perguntas, mas se expandirmos nosso campo de ação, como é apropriado considerando a unidade orgânica da Bíblia (afinal de contas, Deus é o verdadeiro autor dela toda), então podemos, pelo menos, reconhecer que a serpente era o próprio Satanás (Rm 16.20; Ap 12.9). Satanás dá início à sua obra ao se aproximar da mulher Eva com uma pergunta importante: É assim que Deus disse: Não comereis de toda árvore do jardim? (Gn 3.1).

Aqui percebemos um exemplo imediato da sua astúcia. Ela sabia muito bem que não era isso o que Deus havia dito, e a mulher foi rápida em defender o mandamento de Deus: ... Do fruto das árvores do jardim podemos comer, mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Dele não comereis, nem tocareis nele, para que não morrais (Gn 3.2-3).

Observe, no entanto que, no seu zelo em defender o caráter de Deus, ela aumenta a verdade. Deus não os havia proibido de tocar na árvore: apenas de comer do seu fruto. Em essência, ela nos fornece o primeiro exemplo de cercar a lei – ou seja, fazer leis humanas que nos guardem de quebrar a lei divina. Se Deus não quer que fiquemos bêbados (comparar com Pv 23.29-35), então nem sequer tomo uma taça de vinho no jantar. Isso apesar do fato de que a Bíblia celebra o vinho como um presente de Deus para seu povo (Sl 104.15). A mulher, a ponto de se rebelar, revela ser a primeira legalista.

A serpente vê a abertura e então ataca a credibilidade de Deus. É certo que não morrereis. Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se vos abrirão os olhos e, como Deus, sereis conhecedores do bem e do mal (Gn 3.4-5).

Esse argumento convence Eva, e ela come do fruto. Enquanto alguns pensam que isso torna Eva especialmente culpável, deve ser ressaltada a facilidade com que Adão segue sua liderança. A astuciosa serpente precisou apenas quebrar a resistência de Eva para comer do fruto. Adão nem sequer questionou a oferta de Eva, mas rapidamente deu uma grande mordida no fruto.

Os efeitos são drásticos e imediatos. O pecado deles rompe o relacionamento com Deus. Eles comem do fruto, se olham e, pela primeira vez, percebem que estão nus e se cobrem com folhas de figo. Em outras palavras, pela primeira vez Adão e Eva se sentem vulneráveis ante ao olhar de outra pessoa. Eles sentem – na verdade, eles sabem – que são inadequados, fisicamente, moralmente e espiritualmente. Não querendo suportar a vergonha e a culpa, eles têm apenas um recurso – procurar cobertura. Eles querem se esconder dos olhares de outras pessoas. Nesse momento, a alienação se estabelece nos relacionamentos humanos. Esse relato explica porque podemos sentir solidão mesmo no mais íntimo dos relacionamentos humanos.

Por pior que a alienação entre Adão e Eva tenha sido, ainda pior foi o efeito no relacionamento divino-humano. Nesse caso, é necessário mais do que uma cobertura. A presença de Deus traz simples fuga. Quando Deus finalmente confronta Adão, ele admite: Ouvi a tua voz no jardim, e, porque estava nu, tive medo, e me escondi (Gn 3.10). Nesse ponto, tem início a séria transferência de culpa. Deus acusa Adão ao perguntar-lhe: Comeste da árvore de que te ordenei que não comesses? (v. 11). Adão admite ter comido o fruto, mas culpa Eva. Eva também admite ter comido o fruto, mas aponta para Satanás.

Desse modo, todos os três são culpáveis e, então, todos recebem suas punições, a começar pela serpente, depois a mulher, e finalmente o homem. A ordem é a mesma pela qual as personagens foram introduzidas na narrativa no início do capítulo.

Para a serpente, o primeiro aspecto de sua maldição é que ela será reduzida a comer pó. Qual é o relacionamento entre uma serpente e Satanás? Isso significa que a serpente primordial tinha pernas? Se sim, qual era o seu aspecto? Essas são perguntas que a Bíblia não responde e que devemos hesitar em responder. Certamente, como os futuros israelitas (e nós mesmos hoje) ao observarmos uma serpente rastejando no chão, eles (e nós) somos lembrados do papel de Satanás na Queda. A parte mais significativa da maldição da serpente, no entanto, é a resultante inimizade entre os seus descendentes e os descendentes da mulher. Essa extrema rivalidade começa imediatamente, conforme lemos nos capítulos que se seguem ao relato da Queda.

Em Gênesis 4, observamos como Caim (um dos descendentes da serpente), mata impiedosamente Abel (um dos descendentes da mulher). No final de Gênesis 4 (v. 17-26), vemos uma genealogia dos descendentes de Caim seguida por uma genealogia mais longa de Adão até Sete (os descendentes da mulher). Como Santo Agostinho colocaria isso, do tempo da Queda em diante, a humanidade é dividida em duas partes, uma Cidade do Homem (seguidores de Satanás) e a Cidade de Deus.

Na maldição da serpente, não apenas o conflito é previsto, mas também a conclusão do conflito: Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar (Gn 3.15). Aqui os descendentes da mulher são cristalizados num descendente que irá destruir a serpente, mas a algum preço. Embora a dúvida contemporânea tenha obscurecido a cena, a interpretação tradicional que afirma o cumprimento dessa promessa no Messias, Jesus Cristo, está certamente correta. Observamos que até mesmo no meio da maldição pelo pecado, Deus fornece um meio para salvação. Essa passagem tem sido apropriadamente chamada de protoevangelho (o evangelho antes do evangelho). Seguiremos, de certa maneira, essa história ao longo deste livro à medida que virmos como Deus fornece um lugar de adoração para os residentes da Cidade de Deus, uma provisão que, em última instância, nos levará a Jesus, o esmagador da serpente.

No entanto, o juízo não termina com a serpente. Eva é a próxima e sua maldição se concentra no fato de que Eva é a mãe do relacionamento. O útero dela dá e nutre a vida. Depois da Queda, contudo, o papel de dar a vida será cumprido apenas com dor e sofrimento. Além do mais, o relacionamento que ela tem com seu marido irá sofrer. Ela desejará seu marido, mas, de acordo com Gênesis 3.16, ele será o seu senhor.

Há algum debate a respeito de o que o desejo dela implica. É um desejo legítimo estar num relacionamento que será malsucedido, ou o seu desejo é o de controlar seu esposo e ser dominante no relacionamento? A rara palavra hebraica desejo (teshuqah) é usada novamente em Gênesis 4.7, onde é o pecado que procura controlar Caim, sendo que esse uso dá forte apoio para a segunda opção interpretativa. Em qualquer dos casos, a questão é que haverá agora uma luta pelo poder num relacionamento que foi divinamente intencionado para ser uma parceria entre iguais.

Por fim, Adão recebe seu juízo. Esse juízo se centraliza no trabalho de Adão. Em Gênesis 1.28-31, ele foi encarregado da tarefa de manter o jardim. Agora, esse trabalho será carregado de tentativas fracassadas. Ele obterá sucesso, assim como a mulher obterá sucesso em ter filhos, mas não sem suor, sangue e tristeza. Até mesmo o seu sucesso será efêmero.

Mesmo reconhecendo a maldição sobre cada um dos autores do crime, não devemos perder de vista o fato de que no cerne, o próprio ato em si criou uma situação de grande tragédia. O íntimo relacionamento de Adão e Eva com Deus agora está rompido. Eles foram expulsos do jardim, e não mais podem ter fácil acesso à presença divina. Afinal de contas, Deus é santo e não tolera a presença do pecado. No entanto, é um sinal da contínua graça de Deus que ele não tenha rompido completamente seu relacionamento com suas rebeldes criaturas humanas.

A graça de Deus: a promessa do espaço sagrado

De fato, nesse momento Deus poderia ter simplesmente erradicado os seres humanos da existência. Afinal de contas, ele já havia anunciado anteriormente a respeito da árvore do conhecimento do bem e do mal que [...] no dia em que dela comeres, certamente morrerás (Gn 2.17). Eles haviam comido o fruto dela e Deus poderia ter imediatamente exercido sua prerrogativa de executar suas criaturas. No entanto, no primeiro dos muitos exemplos da graciosa paciência de Deus, ele não as matou. Certamente a morte entrou para a experiência humana pela primeira vez. Eles foram expulsos do jardim e do acesso à árvore da vida. Agora estavam destinados a morrer um dia, mas não antes de terem filhos e de a raça humana ser multiplicada.

De fato, um estudo mais atento das principais narrativas de Gênesis 3–11 mostra um padrão recorrente que lembra o que vimos no relato da Queda. Os seres humanos pecam e Deus faz um discurso de

Está gostando da amostra?
Página 1 de 1