Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Educação Física e a organização curricular: educação infantil, ensino fundamental e ensino médio

Educação Física e a organização curricular: educação infantil, ensino fundamental e ensino médio

Ler a amostra

Educação Física e a organização curricular: educação infantil, ensino fundamental e ensino médio

notas:
3/5 (2 notas)
Duração:
511 páginas
3 horas
Editora:
Lançados:
28 de ago. de 2018
ISBN:
9788572168106
Formato:
Livro

Descrição

Esta obra é resultado de estudos sobre a temática do ensino da Educação Física na escola, em suas dimensões históricas, filosóficas, políticas, institucionais e pedagógicas, abordadas em suas possibilidades educacionais. Trata-se de um trabalho consistente e que, com certeza, provocará ampla discussão sobre esse assunto e poderá contribuir para fechar uma das lacunas presentes no ensino da Educação Física na educação básica: a organização curricular.
Editora:
Lançados:
28 de ago. de 2018
ISBN:
9788572168106
Formato:
Livro


Relacionado a Educação Física e a organização curricular

Livros relacionados

Amostra do livro

Educação Física e a organização curricular - Ângela Pereira Teixeira Victoria Palma

Referências

PREFÁCIO À PRIMEIRA EDIÇÃO

Escrever um livro é uma manifestação de esperança, além de ser um genuíno ato político. Trata-se de um gesto que nasce nos corações e mentes de quem procura olhar para o futuro, para novas perspectivas, olhar para além do horizonte de nossos dias estreitos e corriqueiros e, com olhos molhados de utopia. Escrever um livro é uma notória atitude de aposta no mundo. É uma ação que nasce tanto da esperança, que nos motiva a pensar e a desejar novas formas de fazer as coisas, quanto de nossa constante inquietude para com as coisas do jeito que estão dispostas. Não se foge ao paradoxal núcleo de esperar e apostar, ao mesmo tempo em que se questiona e se busca superar o que temos. Inquietude com o mundo que vemos e com aquilo que já existe e esperança de encontrar novas formas de encetar o novo, o inusitado, a transformação.

Esse trabalho de investigação e pesquisa coletiva foi organizado e coordenado pelos professores

Ângela Pereira Teixeira Victoria Palma, amauri Aparecido Bassoli oliveira e José Augusto Victoria Palma,

da Universidade Estadual de Londrina e Universidade Estadual de Maringá, vinculados ao Laboratório de Pesquisas em Educação Física e ao Grupo de estudos de Educação Física Escolar. Trata-se de uma obra que reúne estudos e reflexões sobre a temática da Educação Física escolar, em

seus aspectos históricos, filosóficos, políticos e institucionais, igualmente abordados em suas possibilidades pedagógicas e didáticas. Depois de uma consolidada atuação como professores, desde o âmbito da formação universitária em Educação Física, passando por dinâmicos processos de promover congressos regionais e eventos consolidados de debates e sistematizações críticas ao redor desse tema – a Educação Física escolar – esse conjunto de docentes passa agora a socializar seus processos de escolhas, descobertas, inferências e disposições críticas e pedagógicas.

O que sempre me causa admiração é a terna qualidade de Ângela, Amauri e Palma em reunir seus alunos, abrir espaços para além da formação acadêmica, constituir universos de convivência, debate permanente e formação continuada exemplar. Desenvolvem com maestria em seus inúmeros alunos e alunas, o gosto pelo viver, pelo aprender, pela descoberta do mundo e da cultura, com opção política destacada pela escola, pelo espaço público e compromisso da universidade pública para com a sociedade que lhe confere legitimação e sustentação.

Os textos aqui registrados têm variações singulares, mas gravitam ao redor de um objetivo comum: consolidar a Educação Física escolar como uma das novidades institucionais e possibilidades pedagógicas emancipatórias da educação e da escola básica no Brasil. Trata-se de pensar em uma prática de Educação Física, pautada na dinâmica da Educação e da Escola, vista como espaço de humanização. Apresentam um inventário crítico da produção acadêmica sobre o tema, ao mesmo tempo em que aponta as possibilidades didáticas e as contradições das diversas pedagogias da Educação Física. Temos aqui um rigoroso e fecundo livro, a condensar, de maneira sólida, as novas e exigentes referências do atual momento e concepção de educação.

A produção da ciência é um caminho de desafios, contradições, embates, descobertas, escolhas e invenções. Um caminho predominantemente desafiador em seu curso e direção, somente trilhado por aqueles que se deixam imantar pela busca da verdade, em sua provisoriedade histórica e densidade política. Não é uma heurística somente acessível a iluminados, é um esforço criterioso pautado na

disciplina intelectual, no senso do possível, na relevância política e na determinação de esclarecimento. Escrever é um palpitante esforço que nasce da criatividade e da perseverança em conhecer, mais e mais, a prática educacional. A área da Educação Física, em suas conformações matriciais, encontra-se aqui ampliada pela emergência de uma sólida e fecunda ação investigativa.

Dessa forma, ao apresentar os estudos desse conjunto de autores sobre as diversas temáticas que partem da Educação Física, diante dos exigentes desafios educacionais postos pelo nosso tempo e sociedade, temos a certeza de sua potencialidade reflexiva, de sua rigorosa estrutura expositiva, de sua criteriosa urdidura interpretativa, de sua esclarecida identidade política e notável alcance didático, para si e para outras iniciativas e pesquisas de igual motivação. A publicação desse estudo é uma vitória da pertinácia e da dedicação exemplar de um grupo de professores, que se constituiu num conjunto harmonioso de pesquisadores a produzir textos e propostas criativas, necessárias e possíveis.

Trata-se ainda da materialização de um esforço em produzir pesquisa e ciência a partir das necessidades e das exigências da realidade social. Configura, assim, um compromisso e testemunho político. É também a proposição de alguém que tem esperança de que possamos, pelo esclarecimento, compreender o que fizeram de nós e, pela determinação que nasce da consciência, encetar novas lutas e trincheiras para mudar a realidade, atravessá-la por questionamentos e práticas emancipatórias, de modo a desenhar os horizontes de novas e possíveis esperanças. Os estudos aqui apresentados produzem em nós uma reverente admiração. Escrever é entregar-se tão definitivamente ao desafio das interpretações públicas, que o único resgate possível é a grande admiração que nutrimos pelos que se deixam tomar por esse generoso impulso.

Assim, recomendamos a leitura atenta do presente trabalho de pesquisa desses autores. Num tempo de mudanças vertiginosas, permanece como uma das mais destacadas questões postas para o desenvolvimento econômico e social do Brasil, o debate sobre a universalização de uma Educação de qualidade para todos os brasileiros,

em todos seus níveis e modalidades. A caminhada do terceiro milênio exige respostas ousadas e criativas, responsáveis e determinadas, para a produção de políticas educacionais democratizantes, competentes e viáveis. Sabemos da proeminência das demandas por educação básica e dos esforços e iniciativas que marcaram o cenário conjuntural das últimas décadas, quer no sentido de ampliar recursos para financiamento de políticas públicas e sociais de inclusão, quer na dinamização e otimização dos mecanismos e procedimentos internos ao fazer pedagógico e à natureza dos serviços educativos e suas respectivas entidades e instituições.

speramos que esta obra venha estimular outros docentes e pesquisadores, acadêmicos e especialistas, a escrever, a sistematizar e a socializar suas produções educacionais. A experiência da reflexão sistematizada, da curiosidade científica criteriosa, aliada à sensibilidade social e à prática da convivência fraterna são os anelos e caminhos de uma verdadeira e justa vida profissional e educacional. O presente livro somente socializa a maturidade reflexiva de uma trajetória exemplar, e descortina horizontes de esperança e dedicação à educação infantil e ao ensino fundamental no campo da Educação Física, a todos os que se sentem irmanados por suas singulares utopias.

César Nunes, inverno de 2007

PREFÁCIO À SEGUNDA EDIÇÃO

Em setembro de 2008, Orlando Fogaça deu-me de presente um livro de Educação Física em que ele era um dos autores. O livro chamava-se Educação Física e a organização curricular. Li e gostei muito. Ele preenchia muitas de minhas dúvidas, e, seguramente, muitas das dúvidas dos milhares de professores de Educação Física espalhados por todo o Brasil, ávidos por algum material para orientá-los e que apresentasse boas práticas e possibilidades de reflexão.

Este é um livro bom porque apresenta teorias e práticas, aliás, boas teorias e boas práticas. Isso é uma novidade nos últimos anos, isto é, livros escritos por autores que, munidos de teorias consistentes, não recusam oferecer exemplos de suas belas práticas. É uma felicidade ter um livro escrito por pessoas que viveram esses dois lados, que tiveram o privilégio de estar na universidade mas não perderam o contato com as escolas, com as aulas, com as crianças e jovens. É o caso da Ângela, do Amauri, do José Augusto, da Adriana, da Gisele, da Héres, da Leise, da Luana e do Orlando, autores desta segunda edição do Educação Física e a organização curricular, que volta revisto.

Claro que sempre haverá quem faça reparos às propostas, reduzindo-as a receitas prontas, gente que espera que os professores da rede criem apenas a partir das teorias, das

boas intenções, das afirmações de boa vontade. Esquecem, no entanto, que as práticas têm sido, historicamente, suscitadoras de inúmeras criações, tanto práticas quanto teóricas. A prática é uma fonte privilegiada de criações. Não há uma primazia da teoria sobre a prática ou vice-versa; são indissociáveis. Podemos começar por uma ou por outra. É preciso, no entanto, que as práticas sugeridas sejam potencializadoras de reflexões. De preferência, que sejam acompanhadas de pistas, de sugestões, de mecanismos desencadeadores de tomadas de consciência. Portanto, sugerir atividades práticas para as aulas de Educação Física, desde que acompanhadas das devidas considerações teóricas, não isenta os professores da rede de sua responsabilidade em criar. Tenho viajado por todo o Brasil ouvindo professores, há anos, pedindo exemplos práticos para suas aulas. Os autores deste livro tiveram o cuidado de atender a esses reclamos, e tiveram o respeito de não oferecer receitas prontas aos professores.

Quando comecei a dar aulas de EF, uma coisa que me fazia falta era uma referência prática de qualidade, confiável, alguma coisa que, sendo prática, tivesse sustentação teórica clara e consistente. Era muito difícil encontrar esse material porque quase tudo se referia a descrições de práticas que não sugeriam a um noviço como eu criar a partir delas. Deparei-me, finalmente, com o livro do Prof. Jean Le Boulch. Comprei seu livro Educação pelo movimento. Eu lia aquelas páginas, ia para a aula e aplicava; dava certo. Anos mais tarde, tive a felicidade de ser seu aluno. Nem todos a tiveram e a Educação Física daquele tempo reduzia- se, em boa parte, a uma orgia de práticas inconsequentes. Hoje ainda tem disso, mas melhoramos muito, graças ao que aconteceu a partir da década de 1980. O movimento que ocorreu na Educação Física nesta década repercutiu muito fortemente, foi uma espécie de refundação da Educação Física brasileira. Não tenho dúvidas de que o livro que estou prefaciando é resultado dessa repercussão.

Estou lendo o livro e, ao mesmo tempo, prefaciando. Distraí-me e quase me esqueci que se trata de um prefácio, e que não posso me alongar muito. É que estou escrevendo sobre o que aprendo nas linhas que leio.

Constitui, de certa forma, uma avaliação do que me ensinaram. Uma avaliação que permite verificar o que o livro repercutiu de imediato em mim. O que repercutirá daqui por diante, nem eu saberei. Porém, tal repercussão que aqui apresento refere-se também a tudo que há em mim daqui para trás, em retrospectiva.

Isso me lembra o seguinte: é mais ou menos simples propor aos nossos alunos tarefas de repercussão imediata. Na Educação Física, dou como exemplo ações motoras que, feitas aqui, de imediato repercutem em força muscular, em cestas de basquetebol mais precisas, em corridas de cem metros mais rápidas, em habilidades de pular corda refinadas, e assim por diante. Difícil é propor ações que, não só repercutam de imediato, como também repercutam por toda a vida. Porque a educação é para isso, ou seja, para ter um foco imediato e outro luzindo pelos anos afora, acompanhando o aluno, iluminando seu caminho, de forma que este último foco jamais possa ser avaliado. Temos aí que as avaliações de que dispomos apreciam os conhecimentos periféricos, mas nunca o que, de fato, deveria avaliar. Os que lerem este livro não saberão tudo que aprenderam, mesmo porque em educação não existe isso de dizer que, envolvidos em uma situação forte, aprendemos isto ou aquilo. Só podemos dizer que estamos aprendendo. O gerúndio é o tempo verbal que define os efeitos da educação. Professor é o profissional que ensina e nunca saberá tudo o que ensinou. Nossos alunos seguem pela vida aprendendo o que ensinamos e não temos como acompanhá-los. Eles passam e levam com eles uma parte do que somos, deixando em nós uma parte do que são, e que nos alimenta para sermos mais e ensinarmos melhor.

João Batista Freire

APRESENTAÇÃO

A organização e o desenvolvimento curricular da matéria Educação Física na escola, apresentou nos últimos quarenta anos, um contexto histórico, predominantemente, fundamentado no paradigma industrial, de tal forma, que o currículo vem sendo considerado, por todos os envolvidos no processo educacional, uma mera tarefa instrumental, organizando uma rotina mecânica, atendendo orientações de um modelo paradigmático racional e tecnológico. (PALMA, 2001). Essa situação retrata um fazer pedagógico preocupado em aplicar atividades recreativas e/ou ligadas ao desenvolvimento de habilidades motoras de cunho esportivo.

Nesse sentido, a Educação Física na escola tem-se deparado com a necessidade de uma readequação de seu papel, devido às mudanças profundas e extensas na forma do homem produzir e organizar a sua prática social. O que se percebe é que essa concepção não é mais suficiente para atingir as expectativas da sociedade, em possibilitar atitudes autônomas dos alunos, bem como, favorecer a criticidade.

Com a nossa ressignificação da concepção de componente curricular presente na LDBEN 9.9394/96, a Educação Física passa a ser entendida como uma área para o ensino de conhecimentos, matéria escolar com fins de ensino-aprendizagem. Nessa perspectiva, torna-se necessário propor uma organização curricular que contribua para o estabelecimento de sistematização e um conteúdo próprio nos diversos níveis de escolaridade.

Na busca de superar o conflito existente, esse Grupo¹ de professores da área de ensino da Educação Física, autores deste livro, preocupado com os conhecimentos pertinentes ao componente curricular, começou a estudar e pesquisar sobre o currículo da Educação Física frente à atual LDBEN. Após alguns anos de estudos, deparamo-nos com a necessidade de elaborar, de forma sistemática, uma proposta de currículo com os elementos essenciais, e dentre eles, os conteúdos a serem ensinados na matéria Educação Física na Educação Básica, nos níveis da Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio. Afirmamos que a transposição desta proposta para as modalidades de Educação – Ensino Profissionalizante e Educação de Jovens e Adultos – é plenamente possível. Esse propósito foi devido às evidências sobre a concepção de Educação Física que nossas pesquisas identificaram e pela dificuldade de um grande número de professores da área, em estabelecer quais conhecimentos deveriam ser ensinados na escola.

Os objetivos que traçamos para nossa caminhada de quatro anos foram:

organizar/construir uma proposta curricular para a Educação Física, entendida como matéria escolar com conhecimentos específicos, para a Educação Básica - educação infantil, ensino fundamental e ensino médio;

definir os objetivos gerais para o ensino da Educação Física na Educação Básica - educação infantil, ensino fundamental e ensino médio;

identificar o eixo temático central irradiador dos saberes específicos para a área;

estabelecer critérios de seleção dos conteúdos;

construir a periodização dos saberes da área, para fins de ensino, de acordo com o nível de escolaridade.

Esperamos com esta proposta fornecer subsídios para uma atuação docente que contemple os objetivos e metas da Educação Física na educação escolarizada.

Objetivamos, também, contribuir para estabelecer conteúdos compatíveis com os níveis escolares propostos, apontando critérios que padronizem sua seleção e dos objetivos a serem alcançados pelos alunos e professores, contribuindo para fechar uma das grandes lacunas que cercam o ensino da Educação Física na Educação Infantil, no Ensino Fundamental, e no Ensino Médio.

O trabalho registrado aqui foi de cunho qualitativo, utilizando pesquisa bibliográfica e nossas experiências profissionais docentes.

Queremos enfatizar que este trabalho é uma das possibilidades se constituindo como um dos caminhos a serem percorridos pelos professores de Educação Física. Não desejamos que seja considerado como verdade pronta e acabada.


¹ GEPEF – Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Física vinculado ao Laboratório de Pesquisas em Educação Física -LaPEF- da Universidade Estadual de Londrina, Paraná.

INTRODUÇÃO

A educação de modo geral e, em nosso caso, a educação escolarizada, são construções sociais. Por ser integrante de um contexto complexo e multidimensional, a escola também se apresenta como global e complexa no aspecto da organização curricular.

Considerando que as dimensões globalidade e multidimensionalidade são inseparáveis, é necessário pensar, portanto, a educação escolarizada com a lente da complexidade. Pensar complexamente é perceber que qualquer saber é dinâmico e está situado num contexto, integrado em um conjunto de saberes, e é uma aptidão fundamental da mente humana. E, como uma aptidão, ela é construída, o que nos possibilita dizer que pensar complexamente é um saber construído, decorrente de acontecimentos, atitudes, ações, interações, retroações, em busca do conhecimento multidimensional e interdependente, inerente ao ser humano. É operar, organizar e mobilizar conhecimentos de conjunto em cada caso particular. (MORIN, 2000).

Nesse sentido, o homem criou a escola com o intuito de preservação da cultura e dos conhecimentos gerais produzidos historicamente, para que fosse transmitido, de uma geração à outra, um repertório cultural que possibilitasse a continuidade de uma determinada cultura. É evidente que, desde a institucionalização da escola até nossos dias, outros objetivos, intenções e interesses sociais vieram juntar-se a esse primeiro.

Pelo fato de a escola ser um constructo social, a educação que nela acontece tem uma função sociocultural, e o currículo, parte fundante desse processo, é organizado para que a escola cumpra essa função, garantindo aos estudantes o acesso aos saberes socialmente disponíveis.

Como projeto eminentemente educativo, o currículo é importante, mas pensamos que também é primordial saber como ele se torna real, como é transformado em operação, ou seja, ação com significado e intencionalidade.

O currículo na escola é organizado para efeitos de ensino e de aprendizagem: ensino, por atribuição específica da docência e, aprendizagem, por ser um direito do aluno.

Estamos considerando ensinar, na educação escolarizada, como a organização e a articulação de situações entendidas

Você chegou ao final dessa amostra. para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de Educação Física e a organização curricular

3.0
2 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor