Aproveite milhões de e-books, audiolivros, revistas e muito mais, com uma avaliação gratuita

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Xeretando a linguagem em Espanhol
Xeretando a linguagem em Espanhol
Xeretando a linguagem em Espanhol
E-book164 páginas2 horas

Xeretando a linguagem em Espanhol

Nota: 0 de 5 estrelas

()

Ler a amostra

Sobre este e-book

Para aqueles que não se intimidam em confessar que gostam de "xeretar" e se divertir, até mesmo com palavras, e consequentemente, com línguas. Dividido em seis capítulos sendo que cada um deles corresponde a um fenômeno linguístico. Assim temos: expressões idiomáticas; provérbios ou ditos populares; falsos cognatos; como o português e o espanhol se utilizam de nomes de cores em suas expressões linguísticas; a linguagem peculiar dos jovens; a linguagem vulgar ou obscena.
IdiomaPortuguês
Data de lançamento5 de dez. de 2012
ISBN9788578441197
Xeretando a linguagem em Espanhol
Ler a amostra

Relacionado a Xeretando a linguagem em Espanhol

Ebooks relacionados

Categorias relacionadas

Avaliações de Xeretando a linguagem em Espanhol

Nota: 0 de 5 estrelas
0 notas

0 avaliação0 avaliação

O que você achou?

Toque para dar uma nota

A avaliação deve ter pelo menos 10 palavras

    Pré-visualização do livro

    Xeretando a linguagem em Espanhol - Angelica Karim Garcia Simão

    consultados

    Introdução

    A coleção Xeretando a linguagem em italiano, inglês, francês, espanhol e latim é dirigida para aqueles que gostam de ler argumentos importantes e interessantes com leveza, sutileza e sem compromisso; que não se intimidam em confessar que gostam de xeretar e se divertir, até mesmo com palavras, e, consequentemente, com línguas.

    Quem não tem curiosidade em saber como se diz isso ou aquilo em uma língua estrangeira? E ainda: quem não gostaria de saber como são usadas e o que significam certas palavras ou certas expressões estrangeiras que raramente são encontradas em dicionários de língua, bilíngues ou monolíngues?

    Foi pensando nessas pessoas que veio à tona a ideia desta coleção, que procurou tratar de temas atraentes e convidativos para chamar a atenção do leitor para certas peculiaridades dessas línguas estrangeiras e do português do Brasil. Desse modo, os livros estão divididos em 06 capítulos que correspondem cada um deles a um fenômeno linguístico trabalhado, com cerca de 50 a 80 entradas, além de uma breve introdução concernente ao assunto tratado, ao início de cada um deles.

    No primeiro Capítulo, você irá se deparar com várias expressões idiomáticas frequentemente utilizadas no português e nas outras línguas, com explicações sobre o seu significado e o seu uso. Ouvimos e nos utilizamos tanto dessas expressões que muitas vezes não nos damos conta da sua importância nas línguas estrangeiras (e às vezes nem as entendemos em português!). De fato, pode ser bastante complicado estar na França e achar que Aboyer à la lune é quando os cães uivam para a lua ou então que Avaler sa fourchette significa engolir seu garfo... Do mesmo modo poderá ocorrer na Itália, quando você convidar seu amico para ir pra balada e ele lhe disser Sono alla frutta e você entender que ele está na fruta ou coisa parecida! Será uma super mancada! Imagine então se ele disser Gatta ci cova no meio de uma narração misteriosa e você achar que ele quis dizer que a gata está na cova. Vai ser engraçado o desfecho! Com as outras línguas envolvidas na coleção ocorre a mesma coisa!

    O segundo Capítulo traz vários provérbios ou ditos populares ou sentenças, como são chamados, empregados no nosso dia a dia e também nas línguas estrangeiras. Saber entender (e reconhecer!) uma expressão proverbial em um idioma estrangeiro pode ajudá-lo a se relacionar com os estrangeiros, a interagir com os costumes daquele país e conhecer um pouquinho dessa cultura milenar. Assim, entender que L’air ne fait pas la chanson significa O hábito não faz o monge pode ser crucial em uma conversa sobre aparências, bem como compreender o significado de Chi non risica, non rosica ou de Donde hay capitán no manda marinero e de Do as I say, not as I do se você estiver pensando em se aventurar pelo mundo em busca de seus desejos!

    Já no terceiro Capítulo, você vai encontrar dicas de como não confundir alhos com bugalhos, porém, no que diz respeito às palavras! São os famosos falsos cognatos ou falsos amigos, ou seja, aquelas palavrinhas que se parecem com outras, mas que na verdade não têm nada em comum umas com as outras. E fazem muitas pessoas caírem em verdadeiras armadilhas devido à confusão que causam. É o caso de Actually e Costume, em inglês; de Burro e Furare, em italiano; de Bâton e Bobonne, em francês, por exemplo.

    No quarto Capítulo você vai colorir sua linguagem ainda mais e tomar conhecimento de como o português e as outras línguas estrangeiras se utilizam de nomes de cores, tais como preto, branco, vermelho, verde, amarelo, azul, marrom, rosa, cinza, entre outros, em suas expressões linguísticas. Além disso, para cada uma dessa cores, são fornecidos significados e seus empregos mais frequentes para cada par de língua da coleção. Muitas das expressões são bem comuns em português e a intenção foi demonstrar que elas podem ser igualmente utilizadas em cada uma das línguas estrangeiras tratadas. Outras, ao contrário, demonstram que cada língua pode colorir as suas expressões usando nomes de cores diferentes, demonstrando que cada país pode enxergar de maneira diferente determinado acontecimento histórico, social ou cultural.

    Com o quinto Capítulo, você vai poder mergulhar em tribos diferentes e conhecer uma linguagem peculiar que pertence às pessoas mais jovens, que possuem seus grupos de amigos e histórias em comum, e, por isso mesmo, criam meios de se entenderem e compreenderem entre si. Assim, produzem um tipo de linguagem riquíssimo no quesito criatividade e obscurantismo, a partir do momento que certas palavras podem ser indecifráveis e jocosas para pessoas que não fazem parte daquele grupo que as emprega. Além disso, você vai saber como se diz jeans, eletricista, pizza, pipoca e muito mais em... latim! É isso mesmo! O latim ainda é uma língua falada!

    Por outro lado, ao ler o Capítulo 6, quando algum nativo quiser fazer piadinhas com você, ensinando-lhe palavrinhas que na verdade são palavrões na língua estrangeira, só para que ele tire uma da sua cara, tenha a certeza que você não cairá nesse trote ou brincadeira! É isso mesmo. Ali você encontrará muitas das expressões empregadas pelos nativos que inexistem nos livros em que se estudam línguas estrangeiras; logo, não temos como aprendê-las em nossas aulas. Se o seu professor não for um cara descolado e sem papas na língua, você vai demorar para aprender o que significa Minchia em italiano, To bang em inglês, Suceur de quenelle em francês, Las domingas em espanhol, Sopio, em latim. Sem pudores, esse capítulo traz um elenco de palavras empregadas para se referirem às nádegas, à vagina, ao pênis, aos testículos, ao ânus entre outros. Além disso, procura tratar certas expressões obscenas que são bastante empregadas na linguagem comum daquele país em questão, nos mais variados contextos.

    Então, mãos à obra! Vá xeretar as páginas deste livro e aprenda se divertindo!

    Claudia Zavaglia

    Coordenadora editorial

    Claudia Zavaglia é Livre-Docente em Lexicografia e Lexicologia e doutora em Linguística e Língua Portuguesa pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – UNESP. Atual­mente é professor adjunto da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Campus de São José do Rio Preto - SP - IBILCE. É autora dos livros Canzoni Italiane degli anni ’90 (2001); Parece mas não é: as armadilhas da tradução do italiano para o português (2008); Dicionário Temático Ilustrado Português – Italiano (Nível Avançado) (2008); ­Passarinho, Passarinha, Passarão: dicionário de eufemismos das zonas erógenas português-italiano (2009) e Um significado só é pouco: dicionário de formas homônimas do português contemporâneo do Brasil (2010).

    Angélica Karim Garcia Simão é doutora em Língua Espanhola pela Universidade de São Paulo (USP) e mestre em Estudos Linguísticos pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). É especialista em língua espanhola pela Agência Espanhola de Cooperação Internacional-Madri (Bolsa do Ministério de Assuntos Exteriores – Espanha) e, atualmente, professora assistente da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP/São José do Rio Preto) no curso de Tradução. Atua nas áreas de Linguística e Tradução de Língua Espanhola.

    Capítulo 1

    VOCÊ ESTÁ FALANDO GREGO?

    Expressões idiomáticas

    As expressões idiomáticas estão tão presentes na língua, que uma pessoa quando as emprega, não se dá conta de que acabou de usá-las em sua fala. De fato, elas são utilizadas a todo instante: no linguajar diário, no noticiário da televisão, em anúncios e propagandas jornalísticas, como também no rádio e na tv, na literatura, em letras de música, em filmes, em discursos políticos, em campanhas eleitorais.

    Geralmente os falantes usam as expressões idiomáticas para darem um sabor a mais ou especial àquilo que desejam expressar, tais como: sutilezas, ênfases, intensidades, humor e ironia que a linguagem convencional não é capaz de suprir. Dessa maneira, as expressões idiomáticas enriquecem uma frase por serem capazes de carregar os sentimentos que o falante quer denotar, não se restringindo a uma determinada camada social, tampouco a um aspecto específico de nossas vidas.

    Elas estão presentes tanto na comunicação informal, seja ela falada ou escrita, como também em discursos formais. O emprego correto ou incorreto de uma expressão idiomática pode indicar o grau de domínio da língua que o falante possui.

    Em se tratando de línguas estrangeiras, é muito importante a compreensão exata da expressão idiomática para que o seu uso seja empregado de forma adequada, ou seja, um aprendiz ou curioso em línguas estrangeiras deve preocupar-se com o significado conotativo da expressão e não com o seu sentido literal, ou seja, palavra por palavra.

    Vejamos, a seguir, alguns exemplos de expressões idiomáticas em espanhol, curiosos do ponto de vista cultural e/ou outros prismas, com a sua correspondente em português, ora coincidente, ora apresentando outro recorte linguístico para expressar determinada visão de mundo.

    Expressões com nomes de alimentos

    Ser más soso que la calabaza

    Ser sem sal, nem açúcar

    Expressão utilizada, principalmente, para caracterizar pessoas que são sem graça, ou seja, que não têm conteúdo, que não têm opinião para nada, que são vazias. Literalmente, a expressão espanhola significa, em português, ser mais sem graça que a abóbora. Veja que em espanhol, a expressão se utiliza das palavras soso (insosso, insípido, sem graça) e calabaza (abóbora). Note que os termos usados na expressão equivalente em português são: sal e açúcar que são, justamente, os condimentos mais utilizados na culinária brasileira, para salgar e adoçar, respectivamente. No Brasil, usa-se também na forma Ser sem sal

    Está gostando da amostra?
    Página 1 de 1