Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

A concepção do professor acerca da leitura e da formação continuada na alfabetização

A concepção do professor acerca da leitura e da formação continuada na alfabetização

Ler a amostra

A concepção do professor acerca da leitura e da formação continuada na alfabetização

Duração:
241 páginas
2 horas
Lançados:
20 de set. de 2017
ISBN:
9788547305222
Formato:
Livro

Descrição

O livro A concepção do professor acerca da leitura e da formação continuada na alfabetização foi desenvolvido a partir de fundamentação teórica com dados significativos que contribuem para reflexões sobre a complexidade do processo ensino-aprendizagem da leitura e da escrita, os investimentos de políticas públicas e a formação continuada dos professores. Nesta obra há enfoques e contribuições significativas que possibilitarão a articulação do conhecimento profissional das experiências vivenciadas pelas autoras.
Lançados:
20 de set. de 2017
ISBN:
9788547305222
Formato:
Livro


Relacionado a A concepção do professor acerca da leitura e da formação continuada na alfabetização

Livros relacionados

Amostra do livro

A concepção do professor acerca da leitura e da formação continuada na alfabetização - Cristiene Aparecida de Carvalho Corrêa

COMITÊ CIENTÍFICO DA COLEÇÃO EDUCAÇÃO, TECNOLOGIAS E TRANSDISCIPLINARIDADE

Ao meu esposo, Marco, e meu filho, João Lucas,

que em todo momento estiveram ao meu lado

doando seu tempo e dedicação total para que eu tivesse

as condições necessárias para desenvolver meu trabalho.

À minha família, que sempre me apoiou com

seu carinho e admiração.

(Cristiene)

Ao meu pai, Manoel José Cândido (in memoriam),

por me fazer sonhar, crescer, ser feliz, acreditar,

querer mudar, seguir em frente e compartilhar.

(Kátia)

AGRADECIMENTOS

Primeiramente a Deus, a quem devo tudo em que me tornei

no decorrer da vida, por seus planos maravilhosos.

À minha família, especialmente a meu esposo e filho,

que comigo galgaram este caminho.

Aos meus pais e familiares pelo apoio e incentivo.

Aos grandes profissionais da educação que

sempre me incentivaram.

À Prof. Dra. Cleomar Azevedo que compartilhou

conhecimentos para a finalização deste estudo.

Cristiene

Agradeço aos meus pais pela vida que me ofertaram,

pelo estímulo por caminhar por ela sonhando,

crescendo,mudando e compartilhando.

À minha querida mãe, Ana, por estar ao meu lado

em todos os momentos.

À minha filha, Tainá, pela cumplicidade e amor

incondicional. À minha família

pela parceria e companheirismo sempre.

Aos professores, aos colegas profissionais da

educação e aos amigos por terem partilhado

comigo etapas importantes de meu trabalho e

de minhas conquistas.

Kátia

O homem pode refletir sobre si mesmo e colocar-se num determinado momento, numa certa realidade: é um ser na busca constante de ser mais e, como pode fazer essa auto-reflexão, pode descobrir-se como um ser inacabado, que está em constante busca. Eis aqui a razão da educação.

(Paulo Freire, 1981)

Como professor, é necessário que sejamos também um pouco de artistas [...]. Se queremos que nossa prática de ensino seja uma arte, devemos lembrar que não é o número de boas ideias que transforma nosso trabalho, em arte, mas a seleção, o equilíbrio e a configuração dessas ideias.

(Lucy Calkins, 1989)

Sumário

parte i

INTRODUÇÃO

capítulo 1

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR

1.1 Programas de formação continuada de professores dos anos/séries iniciais do ensino fundamental

1.1.1 PROFA – Programa de Formação de Professores Alfabetizadores

1.1.2 Implantação do PROFA no Estado de São Paulo

1.1.3 Implantação do Programa Ler e Escrever na rede pública do Estado de São Paulo

1.1.4 PNAIC – Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa

1.1.5 EMAI – Educação de Matemática nos Anos Iniciais

1.1.6 Teia do Saber

capítulo 2

DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM

2.1 Aprendizagem de leitura e escrita

2.1.1 Alfabetização

2.1.2 Letramento

capítulo 3

METODoLOGIA

3.1 Público-alvo

3.2 Instrumentos

3.2.1 Análise dos dados

3.3 Roteiro para Entrevista I

3.4 Questões da entrevista

3.5 Desenvolvimento da pesquisa

3.6 Participantes da pesquisa

3.6.1 Perfil dos professores que participaram da pesquisa

3.6.2 Gênero dos participantes

3.6.3 Cursos de formação oferecidos à rede pública

3.7 Análise das entrevistas

CONSIDERAÇÕES FINAIS

REFERÊNCIAS

parte ii

INTRODUÇÃO

capítulo 1

PENSAMENTO, LINGUAGEM E MEDIAÇÃO

1.1 Pensamento, linguagem e mediação segundo Piaget

1.2 Pensamento, linguagem e mediação segundo Vygotsky

capítulo 2

LEITURA E LEITOR

capítulo 3

FORMAÇÃO DOS PROFESSORES: UM BREVE HISTÓRICO

capítulo 4

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS DA PESQUISA

4.1 Procedimentos da pesquisa

4.2 Desenvolvimento da pesquisa

CONSIDERAÇÕES FINAIS

REFERÊNCIAS

parte i

INTRODUÇÃO

Há um grande desafio no mundo contemporâneo que é desenvolver a qualificação e o potencial das pessoas para se obter maior comprometimento com os resultados desejados, criando condições favoráveis à inovação e ao aprimoramento, tanto pessoal como institucional. A educação e, em especial, a escola não podem fugir a essa regra.

Estamos vivendo em uma sociedade que está em constante mudança, em todas as áreas e campos de atuação, principalmente na área da educação, onde são vários os protagonistas. Neste projeto, em especial, será o professor.

A escola é uma instituição social com objetivo explícito: o desenvolvimento das potencialidades físicas, cognitivas e afetivas dos alunos, por meio da aprendizagem dos conteúdos (conhecimentos, habilidades, procedimentos atitudes e valores), o que, aliás, deve acontecer de maneira contextualizada desenvolvendo nos discentes a capacidade de tornarem-se cidadãos críticos e participativos na sociedade em que vivem.

A função da escola vem se ampliando à medida que o direito à educação se alarga e que todo processo de alfabetização se torna amplo em consequência de um conjunto de fatores de ordem social, emocional, física e intelectual. Sabemos que cada escola é única, tendo questões específicas que devem ser abordadas no processo contínuo da formação com o coletivo da escola. Nesse sentido, a sala de aula é um lugar privilegiado no qual, junto aos alunos, o professor constrói e reconstrói saberes que reunidos vão se incorporando à sua prática.

Um conjunto de significativas alterações legais na LDB- Lei de Diretrizes e Bases n.º9394/96 em relação às orientações curriculares nacionais para o Ensino Fundamental foi adotado para subsidiar sua implantação, entre elas a Lei 11.274, de 06 de fevereiro de 2006, que alterou as Diretrizes e Bases da Educação Nacional ao dispor sobre a duração de nove anos para o Ensino Fundamental com o ingresso da criança na escola a partir dos seis anos de idade.

Segundo o Ministério da Educação (MEC), com a aprovação da Lei 11.274, ocorreu a inclusão de um número maior de crianças no sistema educacional brasileiro, especialmente aquelas pertencentes aos setores populares, uma vez que as crianças de seis anos de idade das classes média e alta já se encontram, majoritariamente, incorporadas ao sistema de ensino na pré-escola ou na primeira série do Ensino Fundamental.

Outro fator importante para a inclusão das crianças de seis anos de idade na instituição escolar deve-se ao fato de os resultados de estudos demonstrarem que, quando as crianças ingressam na instituição escolar antes dos sete anos de idade, apresentam, em sua maioria, resultados superiores em relação àquelas que ingressam somente aos sete anos. Exemplo desses estudos foi o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb),2003, ao demonstrar que crianças com histórico e experiências na pré-escola obtiveram melhores médias de proficiência em leitura.

De acordo como MEC, a implantação de uma política de ampliação do Ensino Fundamental de oito para nove anos de duração exige um tratamento político, administrativo e pedagógico, uma vez que objetivo de um maior número de anos no ensino obrigatório é assegurar a todas as crianças um tempo mais longo de convívio escolar, com mais oportunidades de aprendizagem, ressaltando que a aprendizagem não depende apenas do aumento de tempo de permanência na escola, mas também do emprego mais eficaz desse tempo.

O Parecer n.º 4, da Câmara de Educação Básica (CEB) e do Conselho Nacional de Educação (CNE), de2008, institui: a) que os três anos iniciais devem ser voltados à alfabetização e ao letramento; b) que Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) requer subsídios para atender às especificidades curriculares tanto das crianças de seis anos de idade, neste novo Ensino Fundamental, como para o ciclo de alfabetização, c) Cadernos de Formação do Pacto Nacional de Alfabetização na Idade Certa (2012), que subsidiam a formação do professor alfabetizador, levando em consideração concepções, conceitos, procedimentos, avaliações da aprendizagem, na direção de alfabetizar e letrar as crianças do ciclo de alfabetização. A razão para essa ampliação do período de alfabetização para três anos, sem retenção, justifica-se pela possibilidade de o ensino propiciar a produção/apropriação da leitura e da escrita com base nos princípios da continuidade e do aprofundamento nas aprendizagens básicas das áreas de conhecimento.

Nesse contexto, diante da especificidade do trabalho de alfabetização, a escola precisa se organizar para selecionar os profissionais que estarão envolvidos com o trabalho de alfabetização.

O profissional que atua no ciclo inicial de alfabetização precisa estar atento à consolidação do ensino e da aprendizagem da língua escrita, como também da efetivação de uma prática diversificada, flexível e sensível às características culturais, sociais e de aprendizagem.

A concepção norteadora de alfabetização e letramento, de ensinar a ler e escrever no contexto das práticas sociais da leitura e da escrita, só se transformará num instrumento cultural se o educador ultrapassar o nível do senso comum para realizar uma prática não fragmentada e, formalmente, entendê-la em suas múltiplas determinações. Assim, há a necessidade deque o professor tenha uma formação que se converta em um instrumento de qualificação contínua, ampliando sua capacidade de reflexão sobre o processo de ensino-aprendizagem.

Nas últimas décadas, a alfabetização tem sido objeto de estudo e pesquisas pelos professores, psicólogos, linguistas, pedagogos, que a consideram como um sistema complexo que vai além de um processo mecânico. Diante disso, buscam soluções que facilitem a aquisição da leitura e escrita, compreendendo os fundamentos da alfabetização na prática de sala de aula.

O professor alfabetizador, nos dias atuais, depara-se com dois dilemas: a formação inicial obtida nas universidades que interfere na identidade do profissional que atua na sala de aula e o aperfeiçoamento contínuo da profissão.

Desse modo, Azevedo (2012, p. 118) ressalta que:

[...] a pedagogia foi transformada em um campo prático. O professor assim formado passava a dominar métodos e técnicas adequadas à prática docente, mas não se aprofundava em estudos da pedagogia como área de saber, isto é, não buscava a teoria elaborada por meio da pesquisa como se fosse possível separar o indissociável, teoria e prática.

Para Candau (2008, p. 19), o papel do educador é fundamental, pois ele é um artífice, queira ou não, da construção dos currículos que se materializam nas escolas e nas salas de aula. A proposta curricular para o ciclo de alfabetização levanta questões importantes sobre a formação do alfabetizador.

Azevedo (2012) afirma que vale a pena ressaltar que a formação do profissional da educação não termina e nem se

Você chegou ao final dessa amostra. Cadastre-se para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de A concepção do professor acerca da leitura e da formação continuada na alfabetização

0
0 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor