Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Memória cármica emocional: o dna espiritual oculto

Memória cármica emocional: o dna espiritual oculto

Ler a amostra

Memória cármica emocional: o dna espiritual oculto

notas:
5/5 (1 nota)
Duração:
209 páginas
4 horas
Lançados:
1 de jan. de 2016
ISBN:
9788547303617
Formato:
Livro

Descrição

Você acredita no acaso e no livre arbítrio?

Esta obra tem como objetivo demonstrar que somos seres condicionados e programados com memórias, lembranças e percepções que ultrapassam o nosso entendimento de espaço e tempo. Por mais que a ciência nos diga que o real é o que podemos tocar, provar e vivenciar, e que tudo tem que ser racional e objetivo, descreveremos aqui uma realidade paralela, pouco explorada, com informações inéditas e ao mesmo tempo surpreendentes, polêmicas e impactantes no mundo atual. Talvez você nunca tenha tido acesso a essas informações tão relevantes e que nos levam a refletir sobre tudo que aprendemos e repetimos ao longo da história. Qual o fundamento e a lógica do Carma? O que viemos fazer aqui? Por que acontecem certas coisas inexplicáveis? Por que nos sentimos presos a uma realidade concreta que nos foi apresentada como a verdadeira? Será que existe algo além das aparências? Depois que você entrar em contato com tudo que é revelado aqui, poderá mudar seus conceitos e sua percepção, não só de si mesmo, mas do mundo.
Lançados:
1 de jan. de 2016
ISBN:
9788547303617
Formato:
Livro


Relacionado a Memória cármica emocional

Livros relacionados

Artigos relacionados

Amostra do livro

Memória cármica emocional - SIMONE MAZZALI TUCUNDUVA COELHO

Editora Appris Ltda.

1ª Edição – Copyright© 2017 dos autores

Direitos de Edição Reservados à Editora Appris Ltda.

Nenhuma parte desta obra poderá ser utilizada indevidamente, sem estar de acordo com a Lei nº 9.610/98.

Se incorreções forem encontradas, serão de exclusiva responsabilidade de seus organizadores.

Foi feito o Depósito Legal na Fundação Biblioteca Nacional, de acordo com as Leis nºs 10.994, de 14/12/2004 e 12.192, de 14/01/2010.

A primeira mensagem psicografada que recebi fala do

fundamento da caridade, que está pautado no amor incondicional:

Piedade daqueles que não compreendem o fundamento da caridade e da importância da compreensão dos que estão a sua volta. O equilíbrio é importante para manter a vibração constante e propícia para retirar das pessoas o melhor da sua essência e do seu amor incondicional, o julgamento torna difícil o acesso ao mundo espiritual. O princípio do desenvolvimento é buscar compreender o pedido de socorro daqueles que não conseguem gritar, pedir, mesmo que eles não digam uma só palavra. A imparcialidade é o objetivo do ambiente para aprendizado máximo.

(julho de 2009)

Agradecimentos

Agradeço aos que abriram os caminhos para que eu pudesse cumprir a minha missão – as minhas entidades –, aos mestres da luz e ao cosmo.

Agradeço aos meus pais de matéria por todo amor e dedicação. Agradeço ao meu marido, amor e companheiro, que junto de mim caminha para a evolução, e pelo nosso amor, que vem de longa data e histórias, um amor que aumenta e se reforça a cada dia; e agradeço pelo filho maravilhoso e sábio que nos foi enviado e pelo último presente antes do lançamento desta obra, a chegada da nossa pequena filha, enviada pelo plano espiritual, conforme o Carma.

Agradeço também às entidades do meu marido, que junto às minhas realizam esse trabalho tão necessário à humanidade.

Ao longo deste livro passarei todas as informações recebidas acerca do universo e dos processos e mecanismos da vida, conforme foi passado pelas psicografias, mestres e entidades, casos clínicos e correlacionando com a ciência. Segundo os mestres, as pessoas poderão se surpreender e compreender muitas situações a partir dessa nova abordagem.

apresentação

Ao leitor,

Este livro surgiu da necessidade de compartilhar as mensagens recebidas por psicografias, desde julho de 2009, e de minha experiência como psicóloga clínica, terapeuta de vidas passadas e acupunturista, além de minhas pesquisas científicas atreladas ao aspecto mediúnico. Assim, temos uma junção entre ciência e espiritualidade.

As mensagens que foram transcritas aqui são psicografadas, inspiradas mediunicamente, e os casos clínicos são verídicos. Foram passadas por captação, inspiração ou uma energia, um mestre de luz, entidades que me acompanham e que falam da energia, do nosso campo eletromagnético, aura, memórias emocionais, reencarnação, resgate, origem da criação de tudo o que cerca as leis que regem o universo.

A primeira mensagem recebida foi uma mensagem direcionada, causada por uma situação que naquele momento não compreendi; achei que estava passando mal, senti minhas mãos e pés frios e úmidos, uma dor no estômago, e de repente peguei a caneta e comecei a escrever o que vinha à mente. Quando comecei a receber as mensagens me assustei um pouco; nunca havia acontecido algo parecido, nem de vidência, até porque sempre fui um pouco cética, apenas com a intuição aguçada. Mesmo sendo uma médium em desenvolvimento, diferentemente de algumas pessoas que já possuem as habilidades de clarividência, audiência, aquilo era algo novo, e portanto estranho para mim, e as mensagens falavam sobre diversos assuntos que se encadeavam lógica e extraordinariamente: cabala, átomos, inexistência e conceito de tempo, vácuo, malha eletromagnética, física quântica e nuclear, civilização Atlântida, Egito, pirâmides, constelação de Órion, partículas...

Deixei-as fluir, e cada dia uma nova mensagem, quatro, cinco, seis, até doze páginas por dia psicografadas ou inspiradas, sem parar. Eu me sentava, pegava folhas sulfites e deixava a mente livre, as palavras vinham a minha mente e eu apenas escrevia, e assim milhares de informações que chegavam. Assim foi surgindo e se formando uma rede complexa de informações jamais conhecidas, lidas ou imaginadas por mim. No início, fiquei preocupada em validar aquelas informações que eu considerava estranhas e extraordinárias, afinal tinha uma formação científica, acadêmica com duas graduações em universidade e a racionalidade aprendida; acreditava apenas no que via e podia provar, assim como os materialistas. Mas depois das mensagens recebidas e alguns conceitos passados, eu comecei a pesquisar sobre o que surgiu para ver se fazia sentido, se alguém falava daquilo ou daqueles conceitos, e para minha surpresa tudo o que saia eu encontrava correlação tanto no nível científico (física quântica, gravidade, relatividade etc.) quanto no nível espiritual e religioso. Comecei a perceber que o buraco era muito mais profundo do que parecia, e a responsabilidade de receber ou acessar tais informações também.

Perguntei-me várias vezes por que eu recebi ou acessei essas informações, qual seria o propósito dessas mensagens. Sempre tive a preocupação e o ideal de ajudar as pessoas, não sabia muito bem por que, e por isso me dediquei ao estudo da psicologia, depois da acupuntura, mas a dúvida permanecia e, pior, as minhas perguntas só aumentavam. Meu marido, sempre companheiro ao meu lado me dando apoio e fascinado com o conteúdo das mensagens, ajudava-me a organizar as ideias; passávamos dias e noites discutindo e decifrando o conteúdo das mensagens, que ainda apresentavam um vocabulário complexo e sofisticado, fundamentos passados e informações, aplicando aqueles conceitos a nossa vida diária e procurando entender o sentido de tudo aquilo. Nossa vida e percepção sobre o mundo mudava completamente, tudo passava a ter uma lógica intrigante. Agora havia uma missão, algo nunca mencionado, desde o início das minhas atividades mediúnicas.

Em um determinado momento, antes de iniciar o meu desenvolvimento mediúnico, foi revelado a mim, por uma entidade/espírito da umbanda, que eu passava como assistente, que eu não tinha caboclo, nem preto velho, e que eu não era médium de incorporação, porque eu tinha um mestre cigano, e que mestre era muito diferente das entidades que se manifestavam na umbanda. Inclusive essa entidade cabocla me descreveu esse mestre e me orientou a buscar informação com uma cigana que frequentava a casa, para que esse mestre pudesse se aproximar. No momento em que ouvi isso, fiquei triste, porque eu já tinha a sensação de ser diferente. Quando ela falou que eu era mesmo, me senti de certa forma mais excluída, mas não me atentei ao quanto aquela informação seria importante e valiosa – como de fato veio a se comprovar.

Lembrei-me então de outra mensagem que recebi depois, da mesma entidade cabocla da umbanda. Ela me disse: O seu caminho espiritual será muito mais formoso do que você possa imaginar, e então que eu deveria estudar a Cabala e que eu entenderia no futuro o que é o tempo. Quando ouvi aquilo achei estranho, porque eu imaginava ser uma médium comum como todos que conhecia, que incorporavam suas entidades, conversavam com os assistentes, diziam sábias palavras, ensinavam algo importante, por meio da incorporação davam um passe, e as pessoas saiam mais felizes e em paz; assim eu pensava na satisfação de ter sido o canal para isso – o máximo que pensava alcançar era esse nível.

Depois, ao me ouvir dizer que não conseguia um bom emprego na área de RH, a mesma entidade falou: "você não quer cuidar das pessoas? É isso que vai fazer! Mas o caminho não será fácil!" E sempre vinha uma mensagem misteriosa, e eu não compreendia a extensão do que era revelado.

Hoje compreendo o fundamento de ter passado por uma casa espiritual que permitiu, mesmo de forma restrita e tímida, que eu conhecesse e me aproximasse das minhas entidades/protetores e aprendesse com elas a cada dia, independentemente das pessoas que lá estavam, dos egos e da vaidade humana. E mesmo sentindo que eu era diferente e me sentia diferente das pessoas que eu via ali, havia um caminho a ser percorrido antes, para que os mestres pudessem se aproximar, de acordo com o que era previsto ou escrito. Quando fiz meu Bori no candomblé, a mãe de santo se referia a minha aura como contendo algo especial, e isso me intrigava. Hoje também recebi a informação de que essa cabocla da umbanda, que iniciou meu desenvolvimento, foi uma negra escrava que salvou minha vida em outra vida passada, me livrando da morte e da prisão (cárcere privado) que o senhor de escravos (atual pai de santo) me manteve em cativeiro, por orgulho, pois ele queria ser um líder. Curiosamente, ele mandou matá-la por desobediência em ter me libertado, e hoje ela é uma das entidades mais marcantes que trabalha na Casa espiritual, desse Senhor de escravos.

Assim, entendemos que a malha cármica é um ciclo de resgates. Ela me libertou novamente, mostrando-me o que eu precisava seguir.

Eu sempre tive a percepção de que tudo no universo convergia em uma só coisa e lógica, como uma máquina quântica, mas não sabia exatamente por que e como. Sempre achei que a psicologia tem uma lacuna aberta que não permite o seu avanço, sentia que faltavam peças no grande quebra-cabeças que envolve o mundo dito científico, como quando me deparei com situações no Hospital Psiquiátrico da Santa Casa de São Paulo. Para mim, os internos, considerados doentes, diziam coisas tão coerentes e que o homem começa a descobrir e comprovar, mas mesmo assim eram denominados ‘loucos’, ‘delirantes’, ‘doentes’, tratados com altas doses de medicamentos. Lembro-me de um rapaz, diagnosticado com esquizofrenia grave, que ao falar sobre cura (segundo os médicos era o tema do seu delírio, ligado a medicina) mudava o tom de voz e dizia: a cura para todas as doenças estão nas plantas, o homem vai descobrir isso! Essa fala para mim era muito mais científica do que confusa ou sem sentido. A pergunta que eu fazia era: Por que essas pessoas estão assim? E os cientistas, na tentativa de justificar, à luz da razão, os supostos delírios, limitavam-se a uma descrição patológica e sintomatológica, e davam-se por satisfeitos, buscando causas recentes e consideradas racionais. No caso desse rapaz, a justificativa diagnóstica racional era que o pai dele queria que o filho fosse médico. Mas o que me chamava atenção é que nunca se preocupavam em ouvir as histórias que as pessoas contam, pois não fazia parte do tratamento psiquiátrico, já que são categorizadas como delirantes.

Lembro-me também, na Santa Casa, de uma mulher, considerada bipolar e esquizofrênica, que desenhava umas janelas antigas como se fossem de castelos medievais, desenhos expressivos. A interpretação dos médicos era que aquela manifestação era apenas um símbolo fálico que demonstrava a excessiva sexualidade dela, pois a janela tinha um formato que lembrava um pênis: ou seja, o diagnóstico foi reduzido a uma teoria psicanalítica freudiana. Mas quem garante que poderia ser isso mesmo?

A ciência se limita a encontrar respostas objetivas e muitas vezes se nega a pensar sobre outras explicações porque poderiam ser extraordinárias demais para serem consideradas verdadeiras. Mas hoje percebo ainda mais que a ciência se perdeu, por achar que o mundo é objetividade e racionalidade pura. A física quântica está aí para provar que não existe matéria, mas sim energia, e entender a sua dinâmica é fundamental para compreendermos o universo em que vivemos. Ciência e espiritualidade são uma coisa só, uma é extensão da outra, e não o oposto, conforme é preconizado. O tempo não existe, é uma criação do homem, como os grandes mestres revelam.

––

No início, achava que este livro deveria conter as psicografias transcritas, mas a linguagem complexa da escrita demandaria leituras repetidas para a compreensão dos conceitos, por isso depois de digitá-las percebi que não havia necessidade de transcrevê-las, até porque o objetivo aqui é passar os fundamentos, delineados nesta Apresentação, recebidos para o máximo de pessoas possível, em uma linguagem acessível e objetiva, com exemplos práticos da nossa realidade aplicada aos conceitos.

Convido você, leitor, a ler estas páginas com a mente livre, independentemente de sua crença religiosa, raça ou dos preconceitos aprendidos, assim como oriento meus clientes no momento em que iniciam o tratamento com regressão de memória, pois se tivermos a mente aberta para receber, podemos avaliar as informações, refletir e retirar do conteúdo disponível o que fizer sentido. Se algo do que ler ficar martelando na sua cabeça, ou se despertar um sentimento de angústia, dúvida ou desconforto, ou até uma intuição, já valeu para o seu desenvolvimento espiritual e emocional.

Descrevo aqui todo o conhecimento recebido por inspiração ou psicografia, por entidades incorporadas, por pesquisas científicas e casos clínicos, certa de estar cumprindo o que foi orientado, dentro dos princípios que norteiam minha vida e da minha missão de disseminar o conhecimento. Não se preocupe em acreditar no que ler, apenas sinta se para você algo faz sentido ou te deixa intrigado. Os livros têm como objetivo informar, e não convencer, até porque uma das premissas do plano espiritual é que as pessoas devem ter acesso à informação, compreendê-la e tirar suas próprias conclusões, sempre de forma raciocinada, e não imposta.

Espero que você entre nesses conceitos de mente e peito aberto, pois eles poderão lhe trazer maior discernimento e mudança de percepção. Afinal, o conhecimento é o que leva o homem ao desenvolvimento, ele abre portas, janelas e principalmente a alma.

Boa viagem!

PREFÁCIO

O

Você chegou ao final dessa amostra. para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de Memória cármica emocional

5.0
1 notas / 1 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor

  • (5/5)
    Amei a simplicidade com que temas tão complexos são abordados.Parabéns