Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Práticas Pedagógicas em Contextos de Inclusão: Situações de Sala de Aula – Vol. 2

Práticas Pedagógicas em Contextos de Inclusão: Situações de Sala de Aula – Vol. 2

Ler a amostra

Práticas Pedagógicas em Contextos de Inclusão: Situações de Sala de Aula – Vol. 2

Duração:
174 páginas
2 horas
Lançados:
3 de ago. de 2018
ISBN:
9788546207626
Formato:
Livro

Descrição

A produção teórica tem se tornado ampla no que se refere às discussões sobre o processo de inclusão de crianças com alguma deficiência. Por outro lado, o fazer pedagógico ainda se mostra incipiente no desenvolvimento de práticas inclusivas com tais crianças.
Concordando com o que diz David Rodrigues, também entendemos que o discurso sobre inclusão tem sido rapidamente absorvido pelos professores, mas as suas práticas ainda têm se modificado de forma muito lenta. Considerando essa lacuna, o projeto "Inclusão: práticas pedagógicas, aquisição do sistema de escrita e outras aprendizagens" busca acompanhar, analisar, intervir e orientar práticas pedagógicas de professores da Educação infantil e/ou do ensino fundamental I que atuam com crianças com deficiência. O acompanhamento, aliado às intervenções pedagógicas e aos cursos de formação continuada, é a principal ação do projeto e busca a formação do professor da educação básica e do aluno de licenciaturas, no que tange à compreensão sobre a inclusão, processos de aprendizagem e a elaboração de práticas pedagógicas que favoreçam a aprendizagem da criança com deficiência.
Lançados:
3 de ago. de 2018
ISBN:
9788546207626
Formato:
Livro


Relacionado a Práticas Pedagógicas em Contextos de Inclusão

Livros relacionados

Artigos relacionados

Amostra do livro

Práticas Pedagógicas em Contextos de Inclusão - Marco Antonio Melo Franco

final

Apresentação

É com entusiasmo que publicamos o volume II do Livro Práticas pedagógicas em contextos de inclusão: situações de salas de aula. O texto de apresentação deste volume conserva, em muito, o que foi dito no volume I. Fizemos a opção de manter grande parte do texto original como forma de reforçar a identidade do livro, que busca refletir um projeto de extensão e pesquisa, seus objetivos e seus possíveis diálogos. O livro Práticas pedagógicas em contextos de inclusão: situações de salas de aula, é uma expressão das experiências realizadas ao longo do projeto extensionista Inclusão: práticas pedagógicas, aquisição do sistema de escrita e outras aprendizagens, coordenado pelo Professor Marco Antônio Melo Franco do Departamento de Educação da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), com a colaboração da Professora Leonor Bezerra Guerra, do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Minas Gerais. O projeto surge em 2013 a partir de experiências desenvolvidas no âmbito da pesquisa. Nos anos de 2012 e 2013, realizamos uma pesquisa que objetivou compreender o universo das práticas pedagógicas desenvolvidas por professores no processo de ensino e de aprendizagem da criança com paralisia cerebral. A pesquisa se orientou por uma abordagem intervencionista com base na metodologia da pesquisa-ação e contou com uma bolsista de iniciação científica, do curso de Pedagogia. Ela acompanhou, por um período de dois anos, salas de aulas com duas crianças com paralisia cerebral, observando, analisando e intervindo nas práticas desenvolvidas pelas professoras com o intuito de reelaborá-las, conjuntamente com os atores do processo.

Os resultados apresentados no estudo foram bastante satisfatórios. Identificamos que as professoras desenvolveram habilidades de análise da própria prática, conhecimentos sobre a patologia e, fundamentalmente, novas práticas capazes de agregar perspectivas inclusivas em sala de aula. Por outro lado, identificamos também que a aluna de iniciação científica se apropriou de saberes da prática pedagógica que fizeram bastante diferença na sua formação como professora. Assim, surge o embrião que originou o projeto de extensão que procura manter características bastante semelhantes ao projeto de pesquisa. Buscando articular ensino, pesquisa e extensão, a ação extensionista Inclusão: práticas pedagógicas, aquisição do sistema de escrita e outras aprendizagens adotou uma abordagem com características muito próximas da pesquisa-ação.

Entendemos que no campo da inclusão, embora a literatura e o debate sejam amplos, o fazer pedagógico ainda é incipiente. Observamos que os professores têm se apropriado do discurso sobre a inclusão da criança com necessidades específicas, mas não têm conseguido incorporar os saberes desse campo nas suas práticas cotidianas. Considerando essa perspectiva, buscamos, por meio da ação extensionista, construir com o professor, em contexto real, práticas mais inclusivas no processo de escolarização das crianças com alguma deficiência.

Concebido a partir das constatações da pesquisa, o projeto de extensão começa então, a partir de março de 2013. Nesse ano ele teve sua aprovação no Comitê de Extensão/Proex da Universidade Federal de Ouro Preto. Possuía quatro bolsistas e nenhum recurso financeiro para sua execução. Além disso, contava com uma parceria ainda tímida com as secretarias de educação dos municípios de Ouro Preto e Mariana, no estado de Minas Gerais. Ao longo dos três anos de sua existência o contexto do projeto se modificou bastante. O projeto Inclusão: práticas pedagógicas, aquisição do sistema de escrita e outras aprendizagens encontra-se em sua quarta edição e conta, desde 2014, com recursos do PROEXT-MEC/SESu¹. O apoio financeiro do Programa de Extensão Universitária – PROEXT, tem sido de grande relevância para a execução do projeto. Além disso, as parcerias com as Secretarias de Educação de Mariana e Ouro Preto têm se fortalecido e ampliado o projeto que conta hoje com 8 bolsistas de graduação.

O projeto tem uma proposta de dupla formação. A primeira delas está focada na formação do professor em serviço. Ao adentrarmos a sala de aula, observarmos e analisarmos as práticas desenvolvidas pelos professores, procuramos construir, com cada um deles, reflexões acerca das ações pedagógicas que possam atender às diversidades do ambiente, bem como as necessidades e demandas da criança com necessidades específicas. A criança é observada em relação aos diferentes aspectos característicos do processo de escolarização e, a partir do que é observado, propõe-se novas abordagens de ensino e de trabalho pedagógico com os alunos. O segundo foco da proposta está na formação do aluno de graduação. Ao acompanhar as práticas do professor, procurar identificar os saberes que permeiam essas práticas e analisá-las, esse aluno passa a vivenciar, conhecer e se apropriar dos diferentes aspectos inerentes ao contexto escolar, da sala de aula e da dinâmica pedagógica desse ambiente. Com isso, entendemos que o estudante de graduação vivencia um processo de formação de extrema relevância para sua futura carreira de magistério. Temos visto que esse aluno modifica suas concepções e postura ao experimentar contextos empíricos e reflexões teóricas que, geralmente, estão distantes do universo das salas de aula das instituições universitárias. Esses contextos só se revelam ao recém-formado quando ele se insere no cotidiano de trabalho e se encontra ainda despreparado para enfrentá-lo.

Além da atuação dos estudantes de graduação nas salas de aula junto aos professores, são realizados encontros de formação com os professores, tanto aqueles envolvidos diretamente no projeto quanto outros educadores que se interessem pela discussão do tema. Atualmente, o projeto tem ainda, em sua configuração, encontros com grupos de professores no interior das escolas atendidas pelo projeto, como proposta de formação voltada para o contexto mais específico da escola. Participam desses encontros, professores, coordenadores pedagógicos, professores de Atendimento Educacional Especial (AEE), membros das secretarias de educação e alunos de graduação (bolsistas do projeto) em reuniões ampliadas. Além disso, adotamos em 2016 o formato de reuniões direcionadas. Elas acontecem com os professores que participam do projeto e que são acompanhados pelos graduandos. Os encontros são individuais e têm por objetivo a discussão de cada caso considerando as experiências de cada professor, do estudante de graduação, do mediador (quando houver) e de coordenadores pedagógicos que acompanham os casos.

Como um dos resultados do projeto de extensão, este livro não reflete apenas indissociabilidade entre ensino-pesquisa-extensão. Ele reflete as diretrizes que orientam as ações extensionistas nas universidades em conformidade com a Política Nacional de Extensão Universitária. Particularmente, ele reflete o impacto das ações extensionistas na formação dos estudantes de graduação e na transformação social.

Para o segundo volume, organizamos uma coletânea de seis textos. Esses textos foram produzidos por alunos de graduação participantes do projeto e por professores convidados que possuem uma trajetória relevante no campo da inclusão. Neles, buscamos priorizar as experiências dos autores convidados e os relatos e reflexões teórico-metodológicas sobre as ações pedagógicas resultantes das experiências dos graduandos, nas escolas, no trabalho com o público-alvo da educação especial. Como dissemos inicialmente, o debate sobre o fazer pedagógico do professor que tem alunos com deficiência ainda é bastante incipiente. Diante dessa constatação, priorizamos, nesta obra, uma abordagem que proporcione ao professor da educação básica o contato com possíveis fazeres pedagógicos no cotidiano da sala de aula. A pretensão deste livro é não somente debater o tema da inclusão no campo teórico, mas ir além desse debate e trazer, para o professor, situações do dia a dia da escola e as possíveis abordagens que podem ser construídas no trabalho com crianças com alguma necessidade educacional específica.

O livro encontra-se dividido em duas partes. Na primeira apresentamos dois textos, sendo que um deles tratará de especificidades da educação infantil e o outro abordará o processo de alfabetização de pessoas com deficiência intelectual. Na segunda parte apresentamos as experiências e reflexões acerca dos casos acompanhados em salas de aula pelo projeto.

No texto que abre a obra, Fernanda Cristina de Souza e Rosângela Gavioli Prieto trazem reflexões acerca das políticas públicas no campo da educação especial na perspectiva inclusiva, particularmente, as suas relações e implicações com e para a educação infantil. Refletem sobre o direito à educação infantil para crianças com e sem deficiência e apontam as lacunas existentes na construção de uma pedagogia para essa primeira etapa da educação.

No texto seguinte, Sônia Maria Rodrigues faz uma abordagem sobre a deficiência intelectual, sua história e características. Em seu texto, a autora reflete sobre os aspectos peculiares do processo de alfabetização de uma criança de 10 anos de idade, com quadro de deficiência intelectual, inserida nos anos iniciais do ensino regular.

A partir desses dois textos introdutórios, passamos aos relatos e reflexões sobre os aspectos pedagógicos da inclusão com o foco na sala de aula, nas práticas de professores e na aprendizagem dos alunos com deficiência. Aisha Gimenez apresenta o trabalho desenvolvido ao longo de um ano com uma criança com mielomeningocele no ensino regular. A autora traz reflexões sobre as práticas pedagógicas elaboradas e reelaboradas pela professora a partir das muitas interlocuções.

Em seguida é apresentado um caso de um adolescente com síndrome de Charge matriculado no ensino fundamental II. Embora essa etapa da escolarização não seja o foco do projeto, entendemos ser importante aqui apresentá-la pois se trata de uma experiência exitosa. Ingrid Barreto faz a reflexão acerca de sua experiência na interlocução com pedagogos e professores de diferentes áreas de conhecimento e o movimento gerado no interior da escola a partir dessa interlocução.

No quinto capítulo, Maria das Graças Lelis e Marco Antonio Melo Franco discutem as ações pedagógicas desenvolvidas com uma criança com paralisia cerebral na sala de aula e na sala multifuncional. O texto faz um paralelo entre o trabalho desenvolvido nesses dois espaços considerando suas particularidades e as dimensões do individual e do coletivo nelas presentes.

Por fim, no último capítulo, Luana de Cássia Ferreira apresenta a experiência e questões que emergem dessa experiência no trabalho com a criança com surdez. A autora reflete sobre as questões envolvidas no trabalho pedagógico com crianças com surdez que não dominam Libras. Discute sobre o trabalho desenvolvido, as elaborações e reelaborações pedagógicas que foram realizadas pela equipe que acompanhava a criança na sala de aula dos anos iniciais do ensino fundamental I.

Esperamos que a leitura desses textos possa contribuir para melhores perspectivas

Você chegou ao final dessa amostra. para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de Práticas Pedagógicas em Contextos de Inclusão

0
0 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor