Curta este título agora mesmo, além de milhões de outros, com um período de avaliação gratuita

Grátis por 30 dias, depois $9.99/mês. Cancele quando quiser.

Terapia integrativa: Ioga, naturopatia, psicologia e ayurveda

Terapia integrativa: Ioga, naturopatia, psicologia e ayurveda

Ler amostra

Terapia integrativa: Ioga, naturopatia, psicologia e ayurveda

avaliações:
5/5 (2 avaliações)
Comprimento:
238 página
3 horas
Lançado em:
Nov 13, 2012
ISBN:
9788571831186
Formato:
Livro

Descrição

Numa época em que a saúde se tornou uma das maiores preocupações do ser humano, são poucos os que conseguem levar uma vida plena. De um lado, o ritmo de vida frenético facilita o aparecimento de distúrbios como a depressão e insônia. De outro, a alimentação desregrada envia para dentro do organismo conservantes, hormônios e pesticidas. Então nos tratamos com remédios, o que acaba intoxicando o corpo e tornando-o cada vez mais frágil. Como sair desse círculo vicioso? Ilan Segre mostra neste livro que a saúde está ao alcance de todos. Usando um discurso crítico e partindo de sua longa experiência com ioga, ayurveda e naturopatia, o autor alinha essas três ciências à sua formação de psicólogo e propõe um novo caminho para aqueles que almejam o bem-estar físico e mental. Além disso, analisa casos de pacientes que atendeu na Índia utilizando sua abordagem integrada e mostra que a terapia integrativa é capaz de curar moléstias e aliviar sintomas de doenças graves como esclerose múltipla.
Lançado em:
Nov 13, 2012
ISBN:
9788571831186
Formato:
Livro

Sobre o autor


Relacionado a Terapia integrativa

Livros relacionados

Amostra do Livro

Terapia integrativa - Ilan Segre

I

1 O aparecimento

dos sintomas

talvez eu tenha nascido com uma constituição mais fraca do que o normal. Dos problemas de asma quando pequeno, passando por dores de ouvido e pelas recorrentes infecções de garganta – a ponto de os médicos aconselharem meus pais a remover minhas amígdalas (tonsilectomia) lá pelos meus 17 anos. Por sorte, minha mãe teve dúvidas sobre a operação e eu passei incólume. Eles tratariam o foco de aparecimento do problema, mas não sua causa.

Passada a infância, entre algumas idas e vindas ao hospital, o ponto alto veio depois da adolescência, com as recorrentes e frequentes crises de dor de cabeça, que mais tarde descobri terem um nome: enxaqueca. Só sei que minhas crises foram ficando cada vez mais fortes e repetidas até eu me cansar de conviver com dor de cabeça uma vez por semana e com a falta de resultados com os tratamentos tradicionais. As dores começaram mesmo por volta dos 16 e se agravaram durante a faculdade, dos meus 18 aos 22 anos. Pelo menos, é dessa época que guardo as primeiras lembranças de dores mais fortes. Antes, eu apenas sofria depois de uma noite de farra. Tínhamos festas de todas as faculdades dentro da USP, então claramente eu já experimentara os efeitos que a bebida, adicionada a longas horas pulando, é capaz de provocar no corpo. Naquela época, não existia o ecstasy, bolinhas coloridas e nenhuma das drogas sintéticas tão comuns hoje em dia, então nossa farra era regada mesmo a álcool, eventualmente um baseado.

Nas festas, não precisava ter comida, mas não podia faltar música nem cerveja. Batidas, caipirinhas e outras combinações eram bem-vindas. Naturalmente, várias vezes passávamos da conta e o resultado no dia seguinte era uma clássica dor de cabeça, enjoo, cansaço, secura na boca, dores no corpo e vontade de não fazer nada – a famosa ressaca. Queremos morrer e nascer de novo e juramos que nunca mais beberemos assim... Até a próxima festa.

Depois das baladas mais animadas eu costumava ter um dia seguinte bem difícil, mas nessa fase da vida tudo é literalmente uma festa e faz parte da rotina dos estudantes curtir a vida. Ninguém se preocupa com o amanhã e os anos passam voando entre festas, analgésicos, provas, relatórios, muito café, antiácidos e afins. Porém, mesmo bem depois das primeiras festas da faculdade, eu continuava a ter fortes dores de cabeça, dessa vez sem ter cometido grandes excessos. As dores apareciam ao amanhecer, lá pelas 4h da manhã, e se estendiam por horas a fio. Eram necessários muitos remédios e horas de paciência para obter alívio.

Depois de um tempo, finalmente a dor ia embora e era como se nunca tivesse existido. E, como para todas as coisas, a memória é curta e logo esquecemos a necessidade de investigar as causas. Mesmo nos dias de hoje, ninguém dá muita bola para dores de cabeça; afinal, todo mundo tem. Apesar de essa moléstia ser socialmente aceita, comecei a desconfiar que algo andava estranho, mas também pouco conseguia fazer para mudar o intervalo entre as crises e entender como evitar uma nova ocorrência.

Foi bem depois dos tempos da faculdade, lá pelos meus 28 anos, que tive um episódio mais sério. Uma crise clássica, dessas que não passam com nenhum tipo de analgésico. Eu havia acordado às 5h30 com a cabeça pulsando. Ir ao banheiro já era difícil, imagine ir caçar o vidrinho de pílulas na cozinha. Arrastei-me até a pia e engoli a primeira. Nada. Trinta minutos depois, voltei para tentar a solução em gotas. Uma hora mais tarde, tomei a terceira leva. Antes das 8h acabei vomitando os remédios e a dor. Fui parar no hospital, sendo medicado com soro na veia. A dor passou e o ânimo também. Eu parecia um zumbi ao sair de lá. Para variar, ninguém sabia os motivos, mas me aconselharam a procurar um neurologista.

Como na minha família médico é o que não falta, logo acharam um bom para mim, e lá fui eu tentar descobrir que peça estava solta ou faltando na minha cabeça. Mais de dez anos haviam se passado desde as primeiras dores semanais, e eu também achava que estava na hora de dar um fim a esse problema. No consultório, as clássicas perguntas: como aparece a dor, com que frequência, a intensidade, de que lado da cabeça, o que tinha comido antes da crise, se eu via um halo ou não. Mas nada conclusivo. Para completar o diagnóstico, o neurologista me pediu uma tomografia do crânio com aplicação de contraste. Eu, que não fazia ideia de como era aquele exame, aceitei sem pensar duas vezes.

O procedimento é ligeiramente invasivo, uma vez que o contraste é injetado na veia para ver o funcionamento dos vasos dentro da cabeça. Dá-lhe radiação para fotografar tudo direitinho. Muito bem, voltei ao médico com os resultados, mas nada de errado foi encontrado por lá. A pergunta permanecia: qual seria a causa da dor? A resposta era que as causas eram inespecíficas. Na verdade, nem o médico sabia o que eu tinha.

Comentei na consulta que minha mãe sofrera de enxaqueca por longos anos, e pensei comigo mesmo que talvez pudesse ter herdado dela. Ah, então aí está a chave do problema. Para a minha consulta, caso encerrado. Pelo menos ele já tinha um diagnóstico para me apresentar: cefaleia tensional que, quando agravada, virava enxaqueca. Causa inespecífica, provavelmente hereditária!

Definição de enxaqueca, segundo o dicionário Houaiss:

Cefaleia de causa desconhecida na qual ocorre constrição seguida de dilatação das artérias da cabeça, caracterizada por dor no meio do crânio, intensa e pulsátil, associada a problemas digestivos (náuseas e vômitos); agrava-se com a luz, barulho e atividade física e apresenta evolução crônica e paroxística.

Nem precisava ter feito todos os exames para saber... Gosto do que a própria definição diz: causa? Desconhecida. Cura, então? Nem pensar...

Além disso, na literatura médica, encontramos os seguintes sintomas: Visão de um halo ou não, pode ocorrer perda de sensibilidade ocular e nos membros e a crise termina em intensa dor pulsante que remete a quarto escuro e repouso total. Eu não via halo nem cores estranhas, mas às vezes tinha um enjoo e um mal-estar do cão. O diagnóstico foi bonito, mas o prognóstico era duvidoso.

Sugestão do médico: eu poderia começar imediatamente a fazer uso diário de analgésicos fortes e testar o resultado por seis meses e depois monitorar as crises. Ou poderia fazer o uso dos mesmos remédios fortes apenas quando tivesse uma crise. Resolvi não me afundar em medicamentos e continuar buscando outra explicação que fizesse mais sentido.

Mais três anos se passaram entre uma crise e outra, e, quando completei 31 anos, comecei a praticar ioga meio por acaso. Eu fazia dança de salão e sentia intensa dor muscular nas pernas, pois treinávamos com frequência. Uma amiga me sugeriu fazer ioga para ter mais flexibilidade e aliviar as dores. Mas eu achava a ioga sem a menor graça, ficar sentado entoando o mantra om não era para mim. Mas ela tanto insistiu que resolvi experimentar.

Então minha dificuldade foi achar um bom professor de quem eu gostasse. Migrei por um tempo de escola em escola pela zona oeste de São Paulo – onde moro – e finalmente comecei. Eu pensava: Nossa, como sou duro, não consigo fazer nada! Não é fácil começar depois dos 30. Eu olhava os outros na sala e queria sumir. Tinha vergonha. Infelizmente, somos ensinados a achar que só devemos fazer aquelas coisas nas quais nos destacamos. Ioga, com certeza, não era uma delas para mim. Eu realizava as práticas no fundo da sala, longe dos olhos do professor e principalmente dos outros alunos. Mas, embora aos poucos eu tenha ganhado flexibilidade, paciência e coragem para enfrentar o trânsito, o trabalho e a rotina, os efeitos da ioga nas crises de enxaqueca foram apenas moderados. Porém, fui aprendendo a me desligar dos olhares alheios e a praticar honestamente, focando, na medida do possível, apenas em mim mesmo.

Também passei a fazer sessões de psicoterapia e massagens semanais para tentar acalmar os ânimos, mas nada parecia modificar a intensidade e a frequência das crises. Será que eu teria de me condenar a sentir dor a vida toda? Como eu já tinha lido que grandes gênios do passado – Albert Einstein, Napoleão Bonaparte, Miguel de Cervantes, Charles Darwin, Frédéric Chopin, Virginia Woolf e Sigmund Freud – haviam sofrido do mesmo mal, buscava algum consolo nisso. Mas o fato é que a cada nove dias uma nova crise me atingia. Quem já sofreu de enxaqueca sabe quanto a dor pode ser limitante. E ninguém que não tenha experimentado isso consegue nos entender. Acham que é frescura.

Na época, eu trabalhava na área de marketing de empresas grandes, e com o aumento das responsabilidades cresciam também o estresse e o volume de trabalhos extras. Tudo isso aumentava a probabilidade de mais dores de cabeça. Meus amigos respondiam em coro às minhas dúvidas: Ah, para, é normal, toma um remédio e pronto. O sonho de Bill Gates e dos laboratórios farmacêuticos foi realizado: em qualquer empresa do mundo, todos têm um PC em cima da mesa, um antiácido e um analgésico na gaveta.

No fundo, eu sabia que algo estava errado e temia um problema maior cumulativo, uma vez que àquela altura eu sofria dessas crises havia mais de 15 anos. Eu me perguntava se tanta dor podia significar uma disfunção congênita ou até mesmo um tumor. Sombras de quem sofreu um câncer na família... O grande dilema era que os exames não mostravam nada de errado. Estranha essa lógica da medicina. Tudo perfeito, mas dores intensas. Eu não me conformava.

Em 2006, resolvi embarcar no curso de formação para professores de ioga que acontecia nos finais de semana. Empenhei-me em aplicar meu lado racional e fiz um registro detalhado contando o número de crises, atribuindo níveis de dor e duração. Em resumo, escrevi um diário do sofrimento. Queria de qualquer forma encontrar um culpado. Cheguei a anotar até o que comia em busca de uma eventual conexão entre os fatos. Na época, eu ainda não era vegetariano e comia de tudo um

Você chegou ao final desta amostra. Inscreva-se para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas pensam sobre Terapia integrativa

5.0
2 avaliações / 0 Análises
O que você acha?
Classificação: 0 de 5 estrelas

Avaliações de leitores