Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Saúde Bucal na UTI: Necessidade de Capacitação Profissional e Implementação

Saúde Bucal na UTI: Necessidade de Capacitação Profissional e Implementação

Ler a amostra

Saúde Bucal na UTI: Necessidade de Capacitação Profissional e Implementação

notas:
4/5 (2 notas)
Duração:
168 páginas
2 horas
Lançados:
1 de set. de 2017
ISBN:
9788546208555
Formato:
Livro

Descrição

Saúde Bucal na UTI: Necessidade de capacitação profissional e implementação é um trabalho de caráter interdisciplinar e direcionado a todos os profissionais da saúde, estudantes e gestores do contexto hospitalar, a destacar a Unidade de Terapia Intensiva. Apresenta uma ampla análise teórica da importância da promoção de saúde bucal como parte integrante e fundamental do paciente crítico, investigação do conhecimento sobre medidas preventivas realizadas, técnicas de manejo e adaptação, principais problemas bucais presentes e relação com a saúde sistêmica, condutas especializadas e necessárias, implementação de um modelo de organização e inserção das ações de promoção de saúde bucal nos hospitais, além de uma ficha de avaliação elaborada, sob uma visão odontológica capacitada. Esta obra é norteadora de significativas mudanças na assistência integral em saúde, melhoria da qualidade da atenção ao paciente internado nas UTIs dos hospitais brasileiros, bem como orientações e capacitação a todos os profissionais da saúde envolvidos. Pode ser considerado um importante instrumento de tira dúvidas, consultas e estudo clínico, técnico, científico e educacional sobre o tema.
Lançados:
1 de set. de 2017
ISBN:
9788546208555
Formato:
Livro


Relacionado a Saúde Bucal na UTI

Livros relacionados

Amostra do livro

Saúde Bucal na UTI - Alexandre Franco Miranda

final

Apresentação

A saúde bucal é parte fundamental da condição integral dos indivíduos. Problemas associados à cavidade bucal podem desencadear processos infecciosos, inflamatórios e dor que interferem diretamente na saúde sistêmica.

A avaliação completa do ser humano é o que os profissionais da saúde buscam na excelência dos seus atendimentos e diferenciação de serviço, principalmente no ambiente hospitalar, a destacar a Unidade de Terapia Intensiva, foco desta obra.

Conscientização, formação profissional e conhecimento sobre o contexto da importância da saúde bucal nas UTIs ainda passa por um processo de desmistificação e entendimento do papel do cirurgião-dentista integrado ao planejamento interdisciplinar do paciente crítico.

Diante dessa problemática específica, tanto nos setores público como privado e das condições clínicas vivenciadas por mim desde 2008 em ambos setores, é que culminou minha tese de doutorado em Ciências da Saúde (UnB), originando o presente livro.

Na participação efetiva da contextualização da promoção de saúde bucal na UTI nesses anos, pude observar e vivenciar a falta de conhecimento dos próprios profissionais da saúde que atuavam com pacientes críticos da necessidade de cuidados bucais sob uma ótica odontológica. Condições precárias de saúde bucal de pacientes internados, traqueostomizados ou sob ventilação mecânica ainda são existentes; cirurgiões dentistas de formação tecnicista e despreparados a uma linguagem profissional diferenciada e integral-sistêmica necessária em ser realizada no hospital.

Com o objetivo de descrever de maneira direta o contexto da saúde bucal na UTI, realizei essa obra, na qual abordamos tópicos relacionados à Odontologia hospitalar, específicos à UTI, e possíveis condutas clínicas que, devido ao respeito ético e legal da profissão, só podem ser realizadas por cirurgiões dentistas, porém associadas a planejamentos e execuções interdisciplinares.

Nessa minha vitória aqui expressa, fiz um grande levantamento bibliográfico e de leis atuais em que relacionam o contexto da promoção de saúde bucal na UTI por meio da literatura técnico científica em nível nacional e internacional de maneira a engrandecer e valorizar a obra.

Com um olhar científico e de credibilidade, foi feita uma pesquisa em que avaliei o conhecimento dos profissionais da saúde que atuam em UTIs sobre o contexto da saúde bucal, além de avaliar a condição de saúde bucal de pacientes internados. Pude observar as principais dificuldades e o contexto de preparo profissional sobre a específica temática. Observei, também, que os problemas de saúde bucal existentes em pacientes críticos são fruto da falta de padronização clínica, inserção do cirurgião-dentista efetiva, clinicamente e de maneira educacional, ao contexto hospitalar e UTI.

A necessidade de mudanças de paradigmas, além do entendimento dos grandes benefícios, é necessária diante dessa temática para que gestores hospitalares, políticos e governamentais possam valorizar e implementar esse diferencial e obrigatória assistência, normas da Anvisa RD-7, em pacientes internados nas Unidades de Terapia Intensivas.

Espera-se que o nosso estudo, feito com muita dedicação, possa servir como norteador de futuras ações e modificações nos sistemas hospitalares em todas as esferas de caráter público e privado. Ressalto a criação de modelos de avaliações pessoais (dos profissionais) e clínicas para o melhoramento dos serviços em saúde de pacientes críticos e fragilizados.

Esta obra objetiva atingir profissionais da saúde que atuam em hospitais, a destacar UTIs, e interessados; estudantes de graduação nas áreas da saúde e interessados; hospitais públicos, privados e militares; Gestores de hospitais privados, do serviço público e políticos; Universidades, cursos de especializações e pós-graduações em que o contexto da saúde bucal na UTI possa ser inserido, entendido de maneira clara e objetiva.

Com uma visão macro, assim espero, tenham uma leitura de entendimento e reflexão de que essa causa e necessidades de saúde bucal são importantes e podem contribuir para uma melhoria sistêmica do paciente fragilizado na UTI e promoção da qualidade de vida.

A partir de uma formação humanizada, ética, social, interdisciplinar, profissional, diferenciada e de qualidade que tive, agradeço a honra de compartilhar com todos vocês um pouco dessa vitoriosa trajetória! Que possamos ser disseminadores desta obra. Boa leitura!

Prof. Dr. Alexandre Franco Miranda

Prefácio

Esta obra é uma referência sobre a importância da saúde bucal e dos cuidados relacionados ao paciente internado em Unidades de Terapias Intensivas (UTIs), com uma abordagem interdisciplinar e multiprofissional relevante para todos os profissionais da área de saúde.

O conhecimento sobre os cuidados odontológicos no âmbito hospitalar e em especial nas UTIs e as repercussões positivas para o estado de saúde e a recuperação do paciente são abordados de forma clara, evidenciando o impacto do contexto da necessidade da promoção de saúde bucal.

O autor, professor doutor Alexandre Franco Miranda, é cirurgião-dentista atuante e reconhecido academicamente e profissionalmente pela experiência no âmbito hospitalar e compartilha neste livro aspectos importantes da atuação odontológica que posiciona os profissionais da área de saúde desde a contextualização histórica, legal, pressupostos biológicos da importância da saúde bucal e as repercussões sistêmicas, bem como apresenta um protocolo de cuidados odontológicos comprovadamente eficiente nas UTIs.

Outra característica interessante foi a análise realizada com profissionais da área de saúde que atuam no âmbito hospitalar e como o conhecimento sobre os cuidados bucais nas UTIs são praticados, porque a Odontologia e as práticas de promoção de saúde bucal se fazem necessárias nesse ambiente hospitalar.

Ressalta-se ainda que as pneumonias nosocomiais, pneumonias associadas à ventilação mecânica e outras infecções sistêmicas, a destacar a endocardite bacteriana, tão comuns e preocupantes para pacientes internados em UTIs, são reduzidas significativamente pelo protocolo odontológico empregado nesta obra, o que pode representar, além de promoção de saúde, aspectos relacionados à redução de custos operacionais reais com as internações e melhorias globais à assistência hospitalar em todos os setores públicos e privados.

O livro é leitura obrigatória e é recomendado para profissionais da área de saúde que atuam ou pretendem atuar no âmbito hospitalar e nas UTIs.

Prof. Dr. Eric Jacomino Franco

Doutor em Ciências Genômicas e Biotecnologia pela

Universidade Católica de Brasília – UCB

Mestre em Periodontia pela

Faculdade de Odontologia de Bauru – USP

Coordenador do Curso de Odontologia da

Universidade Católica de Brasília – DF

Melhor Dentista do Mundo 2015 e

Embaixador da OSCIP Turma do Bem

Odontologia hospitalar e UTI

No Brasil, a literatura sobre a prática odontológica em UTIs é recente, e a presença do cirurgião-dentista como parte integrante das equipes interdisciplinares vem sendo discutida nos últimos anos no âmbito clínico, técnico, científico e político nacional, por meio de Projetos de Lei, aprovados na Câmara dos Deputados e Senado Federal, Brasil. As vantagens estariam relacionadas a uma maior expectativa em relação à sobrevida dos pacientes, com a possível redução das infecções hospitalares, tempo de internação e gastos nos hospitais (racionalização da antibioticoterapia, exames, manutenção diária da UTI) e diferenciação na assistência ao paciente internado de maneira integral¹, ².

A Unidade de Terapia Intensiva (UTI) é um núcleo hospitalar caracterizado pela monitorização contínua de pacientes potencialmente graves ou com descompensação de um ou mais sistemas orgânicos, sendo fornecidos o suporte observacional, tratamentos constantes e intensivos realizados por equipes capacitadas auxiliando a recuperação desses indivíduos³, ⁴, ⁵.

É essencial que pacientes nesses ambientes tenham cuidados direcionados à promoção de saúde bucal durante a internação objetivando prevenir enfermidades bucais, complicações de doenças do sistema estomatognático já existentes e o surgimento de doenças sistêmicas possivelmente relacionadas, como a pneumonia nosocomial (adquirida em ambiente hospitalar), geralmente associada à aspiração do conteúdo orofaríngeo contaminado, sendo responsável por elevadas taxas de mortalidade e endocardite bacteriana⁶, ⁷, ⁸, ⁹, ¹⁰.

Os pacientes podem estar conscientes, porém dependentes de outras pessoas para a realização das atividades de higienização pessoal, a destacar a higiene bucal. Entretanto, podem estar sob sedação profunda, inconscientes e incapacitados de promoverem a manutenção da limpeza bucal, fato que pode contribuir para a aspiração do conteúdo bacteriano presente na saburra lingual e biofilme dentário. Geralmente, esse conteúdo se concentra em regiões de difícil acesso para uma correta higienização bucal, normalmente realizada pela equipe de enfermagem (técnicos de enfermagem) e familiares¹¹, ¹².

O estado passivo do paciente e o pouco conhecimento específico por parte da equipe intensivista a respeito do contexto da importância da promoção de saúde bucal, a partir de uma visão odontológica, contribui para a existência de uma higienização bucal deficiente, consequentemente favorecendo o aumento da quantidade e complexidade do biofilme (tempo de internação) e saburra lingual, possíveis reservatórios microbianos relacionados à pneumonia nosocomial¹³, ¹⁴, ¹⁵, ¹⁶.

De acordo com alguns estudos¹⁷, ¹⁸, ¹⁹, ²⁰ as bactérias e fungos relacionados à pneumonia nosocomial de pacientes internados nas UTIs, Streptococcus pneumoniae, Pseudomonas aeruginosa, Staphylococcus aureus, Klebsiella pneumoniae, Candida albicans, Streptococcus α-hemolítico e Staphylococcus sp, estavam presentes em 70% no biofilme dentário e 63,33% nas amostras de saburra lingual.

Apesar da existência de recursos físicos facilitadores, escovação mecânica (manual, elétrica, a vácuo), expansores bucais e abridores de boca (confeccionados com espátulas de madeira), limpadores linguais e recursos farmacológicos (saliva artificial, antissépticos – clorexidina 0,12%, que podem ser adotados nas UTIs), são pouco utilizados pelas equipes de enfermagem, que relatam a indisponibilidade e a falta de conhecimento da equipe sobre o uso correto desses procedimentos específicos. A assistência técnica e educacional em saúde bucal poderia contribuir para o melhoramento do serviço na UTI como um todo²¹, ²², ²³.

A promoção de saúde bucal no paciente crítico requer cuidados especiais de planejamento, manejo, adaptação profissional e ações em saúde que objetivem a prevenção, condutas de mínima intervenção, bem-estar e qualidade de vida. As intervenções podem ser simples, como o

Você chegou ao final dessa amostra. para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de Saúde Bucal na UTI

4.0
2 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor