Aproveite milhões de e-books, audiolivros, revistas e muito mais, com uma avaliação gratuita

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Histórias românticas na Corte do Brasil Imperial: O romance urbano de José de Alencar (Rio de Janeiro – 1840-1870)
Histórias românticas na Corte do Brasil Imperial: O romance urbano de José de Alencar (Rio de Janeiro – 1840-1870)
Histórias românticas na Corte do Brasil Imperial: O romance urbano de José de Alencar (Rio de Janeiro – 1840-1870)
E-book796 páginas14 horas

Histórias românticas na Corte do Brasil Imperial: O romance urbano de José de Alencar (Rio de Janeiro – 1840-1870)

Nota: 0 de 5 estrelas

()

Ler a amostra

Sobre este e-book

O objetivo é refletir sobre a historicidade da visão de mundo e do imaginário românticos no romance urbano de Alencar e sobre o processo de constituição de suas representações, atentando para as concepções de amor, sociedade, natureza, religiosidade, masculinidade e feminilidade. Haja vista a presença persistente e obsessiva do amor nas sociedades atuais, sua frequência e seus deslocamentos nos bens simbólicos difundidos nos meios de comunicação, bem como considerando que a História parte das questões do presente rumo ao passado, o estudo volta-se aos primórdios da produção cultural literária brasileira, sob a égide romântica e da imprensa periódica, para perceber como aí se constituía essa temática. Porém, percebendo que compreender a noção de amor romântico demanda pensá-la num contexto mais amplo, ampliou-se o olhar para lidar com a visão de mundo e imaginário românticos. Pensando a visão de mundo como um conjunto de aspirações, sentimentos e ideias que reúne pessoas num mesmo grupo e as opõe a outros, e o imaginário como as variadas representações e imagens elaboradas sobre as práticas culturais, as quais expressam um modo peculiar de olhar a existência, investigam-se tais representações nos romances Cinco Minutos, A Viuvinha, A Pata da Gazela, Sonhos d'Ouro, Encarnação, Lucíola, Diva e Senhora, além de textos autobiográficos, políticos e ensaios críticos. Numa abordagem interpretativa do romantismo como fato histórico, social, cultural e estético, reconstroem-se as condições históricas nas quais se inseriam Alencar e seus escritos; a figura de Alencar como produtor das representações investigadas; as condições de criação e difusão destas mescladas à feição da cidade, dos meios culturais e dos circuitos de produção, difusão e recepção do imaginário romântico; as questões estéticas, preocupações e objetivos de sua escritura; seu percurso e sua atuação literária e intersecções com a política; as imagens que compunham sua forma de ver o mundo e seu imaginário, pois parte-se da hipótese de que estas são uma oposição a algumas dimensões do mundo capitalista e informavam a respeito do processo sociocultural de formação da subjetividade dos indivíduos numa sociedade em transformação. Nessas imagens, trata-se das ideias de amor e morte como formas de transcendência das tensões do indivíduo com a sociedade nefasta; da relação entre a sociedade e as práticas amorosas consideradas como doenças mentais e anomalias, como a idolatria, a obsessão e o fetiche; da relação entre sociedade/cidade e natureza na formação do indivíduo, sendo as primeiras vistas de forma negativa; da aproximação entre natureza e nação para construir uma imagem do lugar e do país; da mercantilização do corpo feminino com a prostituição; e da venda do homem corrompido moralmente no mercado matrimonial.
IdiomaPortuguês
Data de lançamento28 de nov. de 2018
ISBN9788593955334
Histórias românticas na Corte do Brasil Imperial: O romance urbano de José de Alencar (Rio de Janeiro – 1840-1870)
Ler a amostra

Relacionado a Histórias românticas na Corte do Brasil Imperial

Ebooks relacionados

Artigos relacionados

Categorias relacionadas

Avaliações de Histórias românticas na Corte do Brasil Imperial

Nota: 0 de 5 estrelas
0 notas

0 avaliação0 avaliação

O que você achou?

Toque para dar uma nota

A avaliação deve ter pelo menos 10 palavras

    Pré-visualização do livro

    Histórias românticas na Corte do Brasil Imperial - Valdeci Rezende Borges

    Valdeci Rezende Borges

    Histórias românticas na Corte do Brasil Imperial:

    o romance urbano de José de Alencar (Rio de Janeiro – 1840-1870)

    e-Manuscrito

    2019

    PREFÁCIO

    Tentei lhe dizer muitas coisas, mas acabei descobrindo que amar é muito mais sentir do que dizer. E milhões de frases bonitas, jamais alcançariam o que eu sinto por você.

    José de Alencar

    Com o desejo muito próprio dos historiadores de interrogar o passado, Valdeci Rezende Borges compôs seu livro Histórias românticas na Corte do Brasil Imperial: o romance urbano de José de Alencar (Rio de Janeiro - 1840-1870), no qual recobra a historicidade das sensibilidades, rastreia a concepção do amor romântico e o observa como fato histórico, social, cultural e estético. Visitando o passado através da produção alencariana, o autor analisa de forma crítica e inovadora as concepções de amor no movimento romântico brasileiro, num período de transformações e difusão de novos hábitos e subjetividades, na Corte de meados do século XIX.

    Procurando preencher vazios nem sempre acidentais na historiografia, o livro desvenda práticas, representações, apropriações e recompõe ambiguidades na formação de subjetividades. Tendo como objetivo central a análise dos romances urbanos de José de Alencar, prioriza temáticas reiteradas pelo romantismo, como as relações entre natureza-sociedade-nação e cidade-campo, masculinidade-feminilidade, sensibilidades-amor.   

    Fundamentada na brilhante tese de doutorado defendida na PUC/SP, a obra revela um pesquisador incansável e meticuloso na trilha de indícios, sinais e vestígios do passado. Embora tenha como eixo temático os romances urbanos (Cinco Minutos, A Viuvinha, A Pata da Gazela, Sonhos d’Ouro e Encarnação, e retratos femininos como Lucíola, Diva e Senhora), a investigação não se limita a estes, incorporando vários outros textos de Alencar (autobiográficos, políticos, ensaios críticos, crônicas jornalísticas, prefácios, advertências e posfácios, notas introdutórias, cartas, polêmicas, ensaios literários). Dessa forma, restaura um mosaico documental com o qual dialoga e produz uma interpretação plena de significado que desvela, inovadoramente, a construção da produção de Alencar e sua visão romântica.

    O livro reconstrói a formação, trajetória pública e obra de José de Alencar, destaca suas atuações como jornalista, político e literato, bem como incorpora reconstituição do palco urbano do Rio de Janeiro, sobressaindo-se as práticas de leitura, os textos circulantes e os meios de impressão (folhetim e livro). Como historiador meticuloso, Valdeci recobra o pensamento, ideias, princípios e questões norteadores da literatura alencariana, intercruzando ensaios críticos e textos teóricos, proposições estéticas e fatores conjunturais. Vendo as sensibilidades como engendradas pela cultura, prioriza a análise das representações do amor e da morte, incluindo as práticas amorosas e suas apropriações (amor obsessivo, fetichista, platônico e espiritualizado). Ao mesmo tempo que destaca o intencional sentido pedagogizante dos romances de Alencar, ressalta suas críticas às artificialidades moralizadoras dos costumes, às artimanhas e interesses nos acordos matrimoniais, à prostituição e à corrupção moral.

    Ao recuperar as sensibilidades e práticas românticas, a obra contribui para dar historicidade aos sentimentos, recompõe práticas, remonta cenários, figurinos, linguagens e gestos, possibilitando a descoberta do oculto e do inesperado, não no sentido de apontar o excepcional, mas trazendo à tona o que até então estava submerso no passado. Valdeci enfrentou desafios e trouxe contribuições para descortinar segredos encobertos por evidências inexploradas. Exímio conhecedor do ofício de historiador, traz subsídios significativos para desnaturalizar sensibilidades amorosas, evidenciando-as como construções históricas, observando criticamente como a ficção romântica difundiu comportamentos e regras de civilidade.

    Entre outras virtudes, a obra proporciona uma leitura envolvente, fundamentada na extensa investigação e na erudição do escritor. Recomendaria ao leitor deixar-se levar nesta viagem pelo tempo tendo o autor como um guia no desafio de descobrir os segredos do passado, as experiências românticas na Corte Imperial de meados do século XIX.

    Boa leitura!

    Maria Izilda S. Matos 

    fevereiro/2019

    A minha Mãe, Jovêta Rezende Borges, e meu pai, Antônio Lourenço Borges (in memoriam), que me estimularam e tudo fizeram para que eu estudasse e não tivesse que, duramente, tirar da terra o sustento da vida, mas que jamais pensaram que me tornaria doutor.

    A meus irmãos, Almir Rezende Borges (in memoriam), no reino da grande mãe d’água, e Valdir Rezende Borges.

    A minha tia, e segunda mãe, Anna Rezende de Brito (in memoriam), e minha avó, senhora de muitas histórias e, de certa forma, dona do meu gosto pela História, Maria Augusta Rezende (in memoriam).

    AGRADECIMENTOS

    Em breves palavras quero expressar minha gratidão por todas as pessoas que tive a oportunidade de ter ao meu lado na trajetória que possibilitou a publicação deste livro, fruto da pesquisa elaborada durante o Doutorado em História desenvolvido na PUC-SP.

    À minha orientadora Maria Izilda Santos de Matos, pela sua solicitude, atenção, delicadeza, disponibilidade e disposição para orientar; pela amizade, incentivo, carinho, comentários e sugestões.

    Às professoras Maria Odila Leite da Silva Dias, Yara Maria Aun Khoury e Estefânia Knotz Canguçu Fraga, do Programa de Estudos Pós-graduados em História da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, pelas contribuições advindas das disciplinas por elas ministradas. Aos professores Júlio Pimentel Pinto e Yvone Dias Avelino pelas indicações apontadas no exame de qualificação.

    Aos colegas de turma do doutorado, pelas sugestões e atenção, como Ana Kalassa, Alexandre Godoy, Angela Teles, Henrique Pereira, Jorgetânia Ferreira, Salomão Silva, Silvana Hillig e, em especial, Júlio César de Oliveira e Luiz Carlos do Carmo (também companheiros de viagem e de força), Marco Antônio Cornacioni Sávio, Mirtes Moraes e Afonsina Maria Moreira. À Gislene Alves, do mestrado em História da PUC/SP, pelas indicações de referências.

    Aos amigos Abílio Tavares e Ricardo Wagner Tavares (e todo o pessoal com suas forças poderosas), Luiz Humberto Garcia e Helena de Freitas, esta última, inclusive, pela fraterna e calorosa hospitalidade; a Luiz Humberto Martins Arantes e Regma Maria dos Santos, pelo acompanhamento de perto de todas as etapas deste trabalho e incentivo em todos os momentos, principalmente naqueles de descrença e cansaço. À Regma, especialmente, companheira de longa jornada, pelas infinitas ajudas, tanto em leituras, comentários... quanto pelo constante amparo nas mais diversas ocasiões. À turma das Letras e das Línguas, Kênia Maria Pereira, Antônio Fernandes Jr. e Ana Paula de Freitas.

    A todos os professores do Curso de História da Regional Catalão da Universidade Federal de Goiás, hoje em transição para instituição autônoma como Universidade Federal de Catalão, particularmente a Ismar da Silva Costa, Cláudio Lopes Maia, Márcia Pereira dos Santos, José Eustáquio Ribeiro, Getúlio Nascentes da Cunha, Eliane Martins de Freitas e Júlio César Bentivoglio.

    A professora Zelinda Fanucchi Mendonça (UFG), pela ajuda a resolver tantos obstáculos institucionais, e aos colegas de ofício Alcides Ramos Freire e Rosângela Patriota (UFU), pela abertura de uma passagem e pelo caminho que esta possibilitou percorrer.

    À Ione Mercedes Vieira, pela revisão deste texto e tantos outros.

    À CAPES, pelos dois anos e meio de bolsa.

    A todos sou imensamente grato.

    SUMÁRIO

    APRESENTAÇÃO

    INTRODUÇÃO

    CAPÍTULO I - ALENCAR E SUA TRAJETÓRIA INTELECTUAL E POLÍTICA, TEXTOS E CONTEXTOS

    1.1 Alencar: da instrução elementar, da educação literária e dos fatos jornaleiros da juventude

    1.2 Alencar e o campo da imprensa periódica: estreando como ensaísta, folhetinista e crítico literário

    1.3 Ingressando na política, estreando no romance, no teatro e na defesa de sua obra

    1.4 Entrando na precoce velhice literária

    CAPÍTULO II - OS COMBATES ALENCARIANOS POR UMA LITERATURA BRASILEIRA E PELA DESCOLONIZAÇÃO CULTURAL

    2.1 Primeiras ideias literárias, propostas e polêmicas

    2.2 Novos debates políticos e literários: desencadeando a segunda polêmica literária

    2.3 Negando-se a pedir bênção aos paladinos da língua pátria

    2.4 As últimas batalhas: na Câmara, na imprensa, na literatura e contra a tuberculose

    CAPITULO III - A MORTE E O AMOR LIBERTANDO DO MUNDO MAU

    3.1 Cinco Minutos: negando convenções e vencendo a morte com o amor e a natureza

    3.1.1 Sociedade e morte

    3.1.2 Amor e vida

    3.2 A Viuvinha: condenando os males sociais com a morte e a ressurreição com o amor

    3.2.1 Tempo de maus costumes e morte como expiação

    3.2.2 O amor e a volta do pródigo

    CAPÍTULO IV - SOCIEDADE E DISTÚRBIOS DA MENTE: OBSESSÃO, IDOLATRIA E FETICHE

    4.1 Encarnação e a obsessão idealista do amor que subsiste à morte

    4.1.1 Do encantamento à interioridade, ao casamento por amor e à obsessão

    4.2 A Pata da Gazela: idolatria, fetiche e espiritualização da beleza

    4.2.1 O caráter fetichista dos objetos e seus segredos ou os pés pondo-se sobre a cabeça

    4.2.2 O caráter terno do amor romântico ou aos pés o chão e ao amor a elevação

    CAPÍTULO V - NATUREZA E SOCIEDADE: MAGNÍFICAS PAISAGENS DE ÁUREA EXPANSÃO E A FLORESTA NEGRA DO CENTAURO CIDADE

    5.1 Diva: contrapondo e conciliando natureza e sociedade

    5.1.1 Sociedade e natureza na formação do indivíduo

    5.1.2 Namoro e amor na solidão da natureza: opondo-se à especulação social

    5.2 Sonhos d’Ouro: natureza e nação, sociedade, riqueza e amor

    5.2.1 Sob o sol de verão da Tijuca: natureza fluminense, cor local e invenção da nação

    5.2.2 A sociedade onde o ouro, rei do mundo, reina e governa sem lei

    CAPÍTULO VI - NO MERCADO COMUM DA VIDA HUMANA

    6.1 Lucíola: duas imagens de mulheres numa só – a pública e a privada

    6.1.1 Revelando a imagem da cortesã e desvelando o mercado do prazer

    6.1.2 A expiação da mulher pública e a emergência do seu outro

    6.2 Senhora: o domínio feminino e a inversão na empresa nupcial

    6.2.1 A senhora no comando da negociata de um marido

    6.2.2 A (des)qualificação do homem vendido e das convenções sociais

    6.2.3 Transformações socioculturais, natureza sagrada e a ressurreição do degenerado

    CONSIDERAÇÕES FINAIS

    REFERÊNCIAS

    APRESENTAÇÃO

    O amor, objeto inicial desta pesquisa, perpassa o imaginário de nossas sociedade atuais e, por sua frequência e deslocamentos que vem sofrendo, tornou-se objeto de vários estudos, sobretudo a partir da década de 80 do século passado. Com aparência de aspecto natural, atemporal, virou um tema persistente e até obsessivo nos bens simbólicos difundidos pelos meios de comunicação, estando presente mesmo em contextos nos quais até parece inadequado ou inoportuno. Grande parte da produção cultural veiculada nos meios de comunicação de massa tem esse sentimento presente e representado de forma anacrônica. Ao ligar a TV, ir ao cinema, ouvir música, ler um romance e até participar de um encontro acadêmico sobre história cultural, pode-se deparar com mais uma cena de um filme que ainda não teve fim, que vem, desde muito, sendo rodado sobre o sentimento amoroso, de um amor tão total como o amor romântico. Sintetizando espiritualidade e carne, esse imaginário empreende a universalização de uma concepção de amor afastando múltiplas formas amorosas. Mesmo que já transformado e possuindo as marcas dos novos tempos, muitos aspectos de uma forma romântica de olhar o amor e o mundo fazem-se presentes em músicas, filmes e telenovelas..., que têm como momento de referência a segunda metade do século XX e início do XXI.

    Logo, considerando pertinente a perspectiva de que a produção do conhecimento histórico parte das questões propostas pelo presente, é que me dispus a voltar ao passado, nos primórdios da produção cultural literária brasileira, sobre a égide romântica, atrelada a uma imprensa periódica recente, para perceber como aí essa temática constituía-se.

    Desse passado e produção literária inserida na imprensa periódica oitocentista, já havia investigado, em minha pesquisa de mestrado, na obra de Machado de Assis, as atitudes e a moral familiar no imaginário da sociedade carioca. Dentre as muitas facetas abordadas, a não presença, ou rara, do sentimento amoroso, como a paixão, e da liberdade de escolha do cônjuge por momento da realização dos casamentos predominava, ainda que sendo contraposta com atitudes que visavam valorizar tais questões e demandas.

    Porém, foram decisivas para esse novo retorno aos oitocentos, principalmente, as presentificações românticas na indústria cultural hodierna, ainda que marcadas com os sinais de nosso tempo e que, assim definidas, podem parecer anacrônicas, sobretudo se se considerarem os manuais de literatura, quase sempre evolucionistas, que apontam que o romantismo, já na década de 1880, era ultrapassado, um cadáver, e pouco respeitado, pois visto apenas como estilo de época. Mas se pelo fio do folhetim, geralmente, se faz a ligação da presença nas novelas de TV da perspectiva romântica de mundo e de amor, que do espaço do jornal desembocou no eletrônico, foi esse imaginário amoroso aí presente que despertou meu interesse para investigar a concepção de amor no universo do movimento romântico brasileiro.

    Não dispunha me a buscar as origens da noção de amor romântico, suas heranças e apropriações consideradas, em geral, como que possuindo raízes profundas e longínquas, mas perceber como esse sentimento fora concebido pelos românticos, tendo por hipótese que esse depois, reapropriado de tal universo mental, tornava-se fundamento daquela que hoje se encontra pulverizada e banalizada pela mídia. Mas, para levar a cabo essa empreitada, deparei com a necessidade de escolher um dentre tantos autores nacionais românticos. Pensei em ilustres e desconhecidos e, pelo que já conhecia desse campo, não tive dúvidas de ater-me a Alencar, um autor consagrado e canonizado, considerado o centro da abordagem romântica brasileira, mas que sofreu e sofre constantes restrições à sua produção. Realizei esta escolha por mais que seja tendência na história cultural voltar a atenção do centro para a periferia, para as massas anônimas, as expressões informais, populares e desconhecidas, em desprezo àquelas ditas de elite, dos grandes e poderosos ou ainda letrada. Mas, se Alencar está no centro desse movimento de nossa cultura escrita, caem sobre ele avaliações ambíguas; não é unanimidade.

    No entanto, se nesta escolha nadei, um pouco, contra a corrente, numa outra seguinte não foi diferente, por certo lado. Dentre os romances de Alencar, escolhi um conjunto de textos pautando-me numa postura de descentramento ao trabalhar com aqueles que se referem ao mundo urbano da cidade do Rio de Janeiro, embora sejam considerados como centrais na discussão do romantismo alencariano aqueles indianistas e históricos, em especial, os primeiros. Ao não me embrenhar no veio aberto pelas reflexões em torno do nacionalismo dos trabalhos indianistas e seguir rumo ao romantismo centrado na cidade, afastei-me também das leituras dominantes, mais conhecidas e veiculadas sobre tais obras. Se grande parte de uma tradição crítica, já consolidada, enfatiza a falta de consciência e postura crítica desses escritos e o seu distanciamento em relação à realidade social, ao lidar com estes, antes mesmo de me aprofundar nas leituras sobre o escritor e sua obra, pude observar o contrário. Sendo tomado por uma sensação de estranhamento, passei a me preocupar em mostrar outra leitura de tais fontes, destacando e enfatizando o olhar crítico à sociedade fluminense e sua constituição, a oposição e resistência a algumas transformações modernizantes que aí operavam.

    Porém, já desenvolvendo a pesquisa, percebi que mais que compreender a noção de amor romântico em si e por si, tornava-se necessário pensá-la num contexto mais amplo e situá-la na confluência de um conjunto de outros temas. Daí, foi que, da proposta inicial de investigar o amor romântico nos romances urbanos de Alencar, geralmente desprezados, pois destes apenas os perfis femininos recebem alguma atenção dos estudiosos, acabei por deslocar e ampliar meu olhar para lidar com a visão de mundo e imaginário românticos, dos quais a concepção de amor como paixão emerge como elemento constituinte junto a outros temas, como as noções de sociedade, de natureza, de religiosidade, de masculinidade e de feminilidade, que aparecem conjugadas umas às outras.

    Pensando pela visão de mundo um conjunto de aspirações, de sentimentos e de ideias que reúne pessoas num mesmo grupo e os opõe a outro, e pelo imaginário como as variadas representações e imagens elaboradas sobre as práticas culturais, como hábitos, comportamentos, pensamentos... as quais expressam esse modo peculiar de olhar a existência, realizo, então, uma investigação histórica partindo das representações do romance de Alencar referente à sociedade da Corte de meados do séculos XIX. De tal forma, adotei como baliza cronológica as décadas de 1840 a 1870, pois, por volta da primeira, Alencar chegou à cidade, seus romances citadinos centram as tramas nas de 1850 a 1870, e nesta última, no ano de 1877, ele faleceu. Os textos escolhidos comocorpus documental são: Cinco Minutos, A Viuvinha, A Pata da Gazela, Sonhos D´Ouro e Encarnação, juntamente com aqueles denominados de retratos femininos ou perfis de mulher, como Lucíola, Diva e Senhora. Destes, o primeiro veio a público em 1856, o último, em vida, em 1875, e, postumamente, Encarnação em 1893.

    Fazem parte ainda do corpo documental alguns pequenos escritos de Alencar, nos quais figuram os textos autobiográficos, alguns políticos e ensaios críticos. Deste grupo, recorro, por também tratar das experiências culturais urbanas dos fluminenses oitocentistas, às suas crônicas hebdomadárias publicadas no Correio Mercantil, entre 1854 e 1855, e no Diário do Rio de Janeiro, em 1855, que foram reunidas sobre o título Ao Correr da Pena. Elas são importantes por oferecer farta e rica matéria referente à vida cotidiana na cidade, uma vez que esse tipo de escrito, um misto de jornalismo e ficção, é marcado pela circunstancialidade do dia a dia da urbe, configurando uma testemunha de como o tempo e suas questões tornaram-se texto escrito.

    Compõem ainda esse conjunto dos pequenos escritos, às vezes, chamados de perigrafia textual, Como e Porque sou Romancista e Como e Porque sou Dramaturgo, prefácios, advertências e posfácios, notas introdutórias, cartas e textos das polêmicas que travou, em que propunha questões ou respondia àquelas que lhe eram apresentadas por seus críticos e opositores. Aqui, figuram os ensaios literários: O Estilo na Literatura Brasileira, Cartas sobre A Confederação dos Tamoios, Os sonhos d’Ouro, O Nosso Cancioneiro, Questão Filológica, O Jesuíta (O Teatro Brasileiro), Beotices e Dicionário contemporâneo; os pós-escritos: Carta ao Dr. Jaguaribe, pós-escritos a Diva e à segunda edição de Iracema, Carta a D. Paula de Almeida; os prefácios: de Sonhos d’Ouro ou Bênção Paterna, de O Caratuja ou Cavaco, de Ubiraja, de Ex-Homem. Ainda nesse universo encontram-se as cartas da polêmica com Joaquim Nabuco, as Cartas de Erasmo, alguns Discursos Parlamentares... e os planos de livros A Língua Portuguesa no Brasil e Literatura Brasileira. Por meio destes escritos, busco acessar a concepção de literatura de Alencar, sua teoria poética, os parâmetros estéticos, formais e estilísticos inerentes a sua ficção, que explicitam sua consciência crítico-literária e seu projeto de construção da identidade nacional, assim como algumas de suas ideias e posições políticas.

    Portanto, meu objetivo com este estudo é refletir sobre a historicidade tanto da visão de mundo e imaginário românticos no romance urbano de Alencar quanto do processo de constituição de suas representações. Busco perceber como se desenha e se constrói, de modo específico, ao atribuir-se traços e qualidades, seu olhar romântico de mundo em torno dos temas que já mencionei. Ao fazê-lo, afasto uma compreensão naturalizante ou essencializante desses objetos, pois considero que as práticas culturais, como o romantismo como modo de ver o mundo e seu imaginário, ideias, aspirações, comportamentos e sentimentos, são construções históricas e dinâmicas, com sentidos e significados edificados publicamente pelos sujeitos sociais, em tempos e lugares diversos.

    Nesse sentido, a partir de uma abordagem interpretativa e num viés histórico, trato o romantismo como fato histórico, social, cultural e estético. Desenvolvo uma reflexão que intenciona ultrapassar a dimensão puramente literária, caminhando numa perspectiva de abarcar a estética, as representações das práticas sociais e as condições históricas do momento de sua elaboração no qual interage com a constituição da sociedade. Portanto, levantei algumas questões a serem tratadas, como: a configuração das condições históricas nas quais se inseriam Alencar e sua produção; a feição da cidade, dos meios culturais e dos circuitos de produção, difusão e recepção do imaginário romântico; quem era Alencar como produtor das representações eleitas para serem investigadas; em que condições as elaborou, de que forma, com que estilo, com que preocupações e objetivos, qual seu percurso e atuação; que imagens compunham sua forma de ver o mundo e seu imaginário; quais suas características, significados, pois informavam o processo sociocultural de formação da subjetividade dos indivíduos numa sociedade em transformação.

    Portanto, sendo múltiplos os problemas e as relações que se estabelecem entre autor, texto, contexto e público, na busca de dar respostas a tais formulações, ou ao menos pensar sobre elas, as quais perpassam este trabalho, edifiquei esta reflexão, recorrendo a pontos de vista e opiniões variadas em interpretações anteriormente realizadas. Ás vezes, apropriando-me delas, outras apontando perspectivas diferentes, que considero mais interessantes e frutíferas; ora questionando leituras e propondo outras, ao examinar questões e temas que cercam e permeiam meu objeto. Assim, afasto-me de uma perspectiva de história como conhecimento de uma verdade absoluta e acabada por entendê-la como um campo variado de possibilidades, de forças em embate e sempre aberto.

    Na estruturação deste estudo, optei por realizar a exposição em seis capítulos. No primeiro, denominado Alencar e sua trajetória intelectual e política, textos e contextos, a intenção foi conhecer melhor quem produziu os textos elegidos como fonte da investigação, edificando uma reflexão sobre as preocupações de Alencar como escritor, apontando algumas de suas intervenções no campo político e o inserindo na sociedade na qual engajava em certas lutas com sua escritura. Buscando reconstruir a trajetória pública do autor e sua obra, historicizando-os, aludo a sua ação como jornalista e político, atendo com maior atenção àquela de literato; primeiro, tratando de sua estreia como escritor e político até o momento da saída do ministério, em seguida, abordando o período que ele chamou de velhice literária até sua morte. Nesse percurso remeto brevemente a imagem da cidade na qual se inseriam Alencar, seus personagens, seus leitores e algumas instituições, que ofereciam as bases para a realização das práticas da leitura, como escolas, teatros, livreiros, livrarias, associações literárias, bibliotecas, gabinetes de leitura. Procuro ater-me aos meios de impressão e às formas de textos impressos a que Alencar e outros autores recorreram para chegar a seu leitor e conquistá-lo, como o folhetim, presente na imprensa periódica, e o livro, editado por conta própria ou por um editor.

    No segundo capítulo, Os combates alencarianos por uma literatura brasileira e pela descolonização cultural, dando prosseguimento à reflexão ao redor de Alencar como autor, abordo, em particular, o pensamento do escritor, as ideias, os princípios e as questões que nortearam sua concepção de literatura, em especial de romance, no intuito de clarear as intencionalidades desse fazer, o contexto em que se inseriam e se deram suas propostas e defesas. O objetivo é fazer avançar a historicização e contextualização do pensamento do escritor presente em seus ensaios críticos e textos teóricos, visando articular suas proposições estéticas à fatores externos, como aqueles do campo políticos mencionados no capítulo anterior.

    Já em seguida minha a atenção volta-se aos textos dos romances urbanos alencarianos e seu imaginário romântico, com a preocupação de perscrutar algumas questões mais específicas, atreladas ao olhar e ao imaginário românticos que permeiam tais escritos, tendo em vista o conjunto de subtemas escolhidos, como sociedade, natureza, religião, masculinidade, feminilidade e amor. Assim, no terceiro capítulo, A morte e o amor libertando do mundo mau, atenho-me a Cinco Minutos e A Viuvinha, investigo como as ideias de amor e morte aparecem como formas de transcendência às tensões e embates dos indivíduos com a sociedade, vista sob uma carga negativa. No quarto, Sociedade e distúrbios da mente: obsessão, idolatria e fetiche, recorrendo à Encarnação e A Pata da Gazela, o interesse é tratar da relação entre sociedade e práticas amorosas, consideradas como doenças mentais e anomalias, vendo-as como engendradas pela cultura, tal como os comportamentos idólatras, tanto o obsessivo e idealizado de um amor que subsiste à morte, quanto aquele fetichista de aferro a um objeto, à matéria e ao fragmento, contraposto ao espiritualizado.

    No quinto capítulo, Natureza e sociedade: magníficas paisagens de áurea expansão e a floresta negra do centauro cidade, partindo de Diva e Sonhos d’Ouro, trato, primeiramente, da relação apresentada entre sociedade e natureza na formação do indivíduo, apontando a postura de contraposição cidade e campo e a perspectiva de conciliação dessas esferas, ainda que o polo sociedade/cidade seja visto como maléfico. Em seguida, o foco centra-se na aproximação entre natureza e nação, sendo os aspectos naturais voltados para construir uma imagem do lugar e do país, ao passo que a sociedade era figurada como dominada pelos interesses econômicos.

    No último capítulo, No mercado comum da vida humana, por meio de Lucíola e Senhora, trato de duas formas de comércio do indivíduo comuns na sociedade fluminense, marcada por transformações culturais: primeiro, abordando a mercantilização do corpo feminino com a prostituição, fruto das condições sociais adversas, e segundo, a venda do homem moralmente corrompido no mercado matrimonial.

    INTRODUÇÃO

    Ao pensar sobre as instâncias mediadoras entre as questões postas pelo historiador e as fontes, as quais influem sobre os modos pelos quais os dados históricos são recolhidos, eliminados, interpretados e, finalmente, narrados, as observações metodológicas sobre o método regressivo podem ser bastante valiosas. As ideias das lacunas presentes na produção do conhecimento e da escrita da História para trás, defendidas por Bloch, apontam para uma via de pesquisa pela qual se busca conseguir a última imagem de uma película, devendo, a seguir, empreender um esforço para desenrolar a bobina ao contrário e, nesse movimento, encontrando aí lacunas, respeitar sua mobilidade no processo de decifrar tais espaços em branco.¹

    Portanto, tais ideias, das lacunas, do respeito ao movimento das representações encontradas e da procura de decifrá-las, não são novas, ao contrário, bastante conhecidas, mas, ainda assim, valiosas e podem servir de guia no percurso de uma investigação. No entanto, não é fácil encontrar a última cena que expresse o olhar romântico na atualidade e daí rebobinar a fita, pois a cada dia surgem novas imagens, tanto nas sequências que tratam do campo da produção artística quanto naquelas do campo acadêmico. Porém, ao congelar uma imagem em qualquer ponto ou cena produzida nos dias atuais, marcada por esse tema e perspectiva, mesmo que outras posteriores se apresentem, e entrar-se a voltar a película, as descontinuidades são perceptíveis. Tratando de algumas sequências de um filme sobre o romantismo, especificamente a produção intelectual brasileira sobre o tema e acerca de Alencar, os tais espaços em branco aparecem e ao redor deles é que se intenciona construir a via desta pesquisa.

    Mas, além de escrever a história para trás, partindo do presente, e lidar com as lacunas a serem decifradas, a noção de estranhamento como um procedimento cognitivo, marcado pela tentativa de apresentar as coisas como se vistas pela primeira vez, indica outro passo a seguir no trabalho com a documentação. Apropriando de modo particular desses instrumentais, ensinamentos e considerações, busca-se utilizar a noção de estranhamento de modo relativizado, sem levá-la aos últimos limites, pois não raro recorre-se às teorizações e algumas reflexões mais amplas. Procura-se, assim, por meio desse expediente revelar feições estranhas e opacas deste objeto familiar que é o romantismo brasileiro e a obra alencariana, retificando ideias, representações e sentidos considerados impróprios, por distarem daquilo que a documentação apresenta e oferece, rejeitando interpretações caducas, imprecisas, preenchendo lacunas e aprendendo com o que dizem as fontes.²

    Deste modo, procura-se, ao tratar o imaginário romântico e o romantismo como uma visão de mundo, partindo dos romances urbanos de Alencar e de sua perigrafia textual, percorrer um caminho que é o avesso daquele que seguem os estudos sobre o romantismo no Brasil e em Alencar, retomando, preenchendo lacunas e retificando algumas de suas representações.

    O Romantismo, não raro, tem sido tratado, sobretudo nos estudos de crítica e história literária brasileiros, predominantemente como um movimento artístico, estético e literário. Em trabalhos realizados com perspectivas teórico-metodológicas diversas, oriundos de interesses variados, a maioria de nossos autores dão ênfase às questões estéticas, estilísticas, temáticas e cronológicas, considerando, às vezes, em exposições panorâmicas, abstratamente, a sucessão de estilos em evolução, estabelecendo círculos, definindo grupos e gerações. Alguns apontam sua vinculação a um conjunto de atividades em face da vida, de novas sensibilidades e suas relações com o contexto cultural, socioeconômico e político, em certos casos, aproximando-o a um ou outro fato histórico, a exemplo daqueles que enfatizam que o movimento possui suas origens na decepção com as promessas não realizadas das revoluções que marcaram o advento do período contemporâneo, a Revolução Industrial e a Francesa; ou, no caso brasileiro, com a Independência do país.³ Já outros trabalhos resultam de perspectivas mais amplas, globalizantes, abrangentes e penetrantes, inseridos na confluência de áreas de interesse variadas, como História, Sociologia, Política, Filosofia, Antropologia..., abordando diferentes manifestações e facetas, criadores, ideias, projetos, visões de mundo...⁴

    Dentre essa última categoria de textos, merecem destaque as reflexões que propõem redefinir o romantismo, considerando, a perspectiva de pensar e compreender esse movimento cultural como uma visão de mundo histórica, instalada na segunda metade do século XVIII e que ainda não desapareceu por expressar respostas às transformações sociais lentas, profundas e amplas, ligadas ao próprio advento e desenvolvimento do capitalismo.

    O imaginário e a sensibilidade românticos, como tomada de consciência da quebra de continuidade na história europeia entre os fins do século XVIII e meados do XIX, com os processos de ruptura das revoluções Francesa e Industrial, embora tenha tido uma inflexão com as revoluções de 1848, não se esgotou aí, lançando-se posteriormente nos caminhos da invenção política e social. Para além da persistência fugaz ou do completo esgotamento, o ímpeto romântico de invenção utópica, pela capacidade única de romper com os hábitos de nomear o mundo, driblar as certezas e demolir categorias, ainda encontra, e encontrará, o seu lugar na redescoberta de novas possibilidades e novos mundos.

    Nesse sentido, abrem-se novas perspectivas de entendimento para pensar o romantismo, ao considerá-lo como um olhar consciente, que abarca um conjunto vasto, variável e diverso de elementos articulados, conteúdos e formas de expressão. Expressões que possuem uma lógica na sua totalidade, uma coerência, que se organiza em torno de um eixo, de um arcabouço que tem como uma de suas fontes mais fortes de inspiração a reação de hostilidade às experiências de um momento histórico, de recusa a muitas dimensões que permeiam as condições de vida e a cultura na sociedade capitalista, sendo marcado por expectativas, receios, temor, esperança e frustrações. Assim, não se pode limitar apenas a tratá-lo como uma escola, uma tendência ou um movimento estético, artístico e literário datado com início e fim dados.

    Refletir sobre o imaginário romântico, ressaltando sua complexidade, ambiguidades e múltiplas faces, permite uma compreensão mais fecunda do mesmo, inclusive não o reduzindo apenas às formas utópicas de pensamento e de criação. Esse movimento cultural apresenta atitudes variadas, advindas tanto de um olhar ora de medo, ora de esperança, frente às mudanças, possuindo posições ora conservadoras, ao oferecer resistência às transformações, expressar nostalgia das sociedades pré-capitalistas e ansiar por retomar o fio de uma continuidade orgânica do passado; ora também revolucionárias, pela negação radical do presente instável, nutrindo-se, ao mesmo tempo, da realidade e da possibilidade de um mundo novo. Na busca de encontrar uma explicação global para um mundo considerado problemático e degradado, combinando unidade e diversidade, continuidade e transformação, esse imaginário nasceu como tomada de consciência do processo histórico. Confiando na força das ideias, a reflexão romântica funcionou "como uma espécie de exercício para conceber o transcendente, um esforço mental para imaginar outras possibilidades, outras saídas – ainda que envoltas numa atmosfera de sonho e alucinação".

    O modo romântico de ver o mundo é marcado por uma multiplicidade de aspectos constituintes, às vezes, contraditórios, mas tem como eixo comum e unificador, que determina os outros elementos e temáticas, a oposição ao capitalismo, constituindo-se numa expressão estética anticapitalista. Embora multifacetada, advinda de bases sociais variadas e posicionamentos individuais diversos, possuindo posturas políticas distintas, apresenta uma série de temas que expressam atitude crítica às experiências do mundo moderno. É uma reação de hostilidade e revolta ao real histórico presente, marcado pela experiência de perda do que existia devido ao avanço capitalista, visto e sentido com desencanto, desilusão e melancolia por produzir miséria, isolamento dos homens, coisificação das pessoas, egoísmo, alienação e perda dos valores humanistas e qualitativos, como a moral, a espiritude, os sentimentos elevados, em detrimento do privilégio da razão e dos valores quantitativos, utilitaristas e de troca.

    Para além disso, os românticos possuem, em geral, nostalgia pelo que foi perdido e que existia num passado pré-capitalista ou em que o capitalismo era menos desenvolvido. Buscam, por isso, reencantar o mundo pela imaginação e pela ficção, que idealizam o passado e/ou sonhando e construindo utopias de um futuro diferente. Essa procura pode ser também empreendida tanto por meio da recriação do paraíso perdido no presente, via fantasia e poetização, como ainda fugindo para fora da realidade imediata e opressora, deslocando-se no espaço para lugares distantes e longínquos não afetados e corrompidos pelo capitalismo na busca de um novo homem, com formação subjetiva diversa da observada na sociedade imediata.¹⁰

    Desta maneira, os românticos exaltam as manifestações culturais populares e um tipo de viver próximo da natureza, não contagiado pelos hábitos urbanos e burgueses, condenando a cultura capitalista por ser considerada como tirânica e repressiva. Para muitos desses, o tipo de vida peculiar buscado é o do povo, dos camponeses e indígenas – bons selvagens. A visão do povo como comunitário e orgânico funciona no imaginário romântico como a possibilidade de encontrar a origem na busca daquilo que foi perdido e tem como finalidade o resgate da tradição, do passado contra o avanço da modernidade, que se pauta na visão de mundo iluminista, pela qual a razão deve governar a vida dos homens e controlar suas emoções. ¹¹

    Esses sujeitos pretendem edificar um mundo às avessas, mudar a sociedade, considerada caótica, decadente, corrompida e desfigurada, e esperam que a afirmação da alma e do espírito popular, do sentimento, imaginação, simplicidade e pureza populares, quebrem o racionalismo e o utilitarismo das Luzes. Contra o progresso capitalista desagregador, valorizam o passado, a língua original de um povo, seus costumes, suas formas de expressão e manifestação, como festas, rituais, cantigas, religiosidade, seus sentimentos e emoções, como pureza, sensibilidade, institividade, ingenuidade, simplicidade, solidariedade, comunitarismo... Traços vistos como uma totalidade orgânica indispensável para a afirmação da identidade de uma nação, sobretudo, frente às ações expansionistas, que contaminam e desvirtuam as culturas nacionais, concebidas e representadas como devendo ser autênticas e originais.¹²

    Portanto, como um conjunto de atividades em face da vida, um estado de alma ou temperamento, uma posição do espírito e da sensibilidade, que exigiu uma nova concepção estética e formas de representá-los, o romantismo opõe-se às atitudes e às formas convencionais clássicas, universalistas, em que primam a razão, o decoro, a contenção, procurando nortear-se pela inspiração e o local. Como reação ao racionalismo, caracteriza-se por um conjunto de novas ideias, temas e tipos de sensibilidade, como o sentimento nacional, o culto à natureza, o gosto do pitoresco, o desenvolvimento do eu ou do indivíduo, o apego ao sobrenatural... O romântico é subjetivo, ensimesmado, idealista, exaltado, exagerado, entusiasta, temperamental, colorido, emocional, melancólico, apaixonado, sonhador, relativista, cambiante e variável. Seus impulsos básicos são a fé e o indivíduo, que se volta a si, ao interior em oposição ao exterior hostil. Suas normas de criação são a espontaneidade e o autêntico, libertando-o da busca mimética do espelho do real, com a livre invenção e imaginação. Assim, procura o diferente e idealiza a realidade, ao invés de reproduzi-la.¹³

    Desta forma, tratando o romantismo como uma visão social de mundo da qual emerge um imaginário de recusa a muitos aspectos da sociedade capitalista, destacando as expressões que fundamentam essa leitura, busca-se, neste trabalho, reexaminar algumas afirmações bastante difusas, mas que possuem caráter equívoco ou parcial. A literatura romântica, sendo lugar da imaginação, da criatividade, da idealização e do sonho, assim como da representação da contradição social, da tensão e do confronto, propõe um projeto de sociedade por meio de suas representações, que podem ser entendidas como matrizes de práticas construtoras do mundo recriado. Ela expressa um projeto de formas de viver e sentir, de maneiras de se relacionar com o mundo e com os outros indivíduos.

    Acredita-se equívocas as críticas à dimensão alienada do Romantismo, sua suposta inadequação à realidade histórica brasileira, devido à ausência de uma burguesia ou pouca industrialização do país e à inverossimilhança de seus personagens e ideias. Estas resultam, primeiramente, de leituras estreitas e tradicionais desse movimento, marcadas pela transposição dos modelos estrangeiros de interpretação sem se ater às especificidades da sociedade brasileira, além de, por outro lado, da perspectiva cientificizante que acreditava poder desfazer-se de tudo que não fosse objetivo e racional. Leituras que restringiam tais expressões a uma resposta aos efeitos imediatos das revoluções burguesas e do capitalismo industrial constituído e não do capitalismo em sua totalidade, sobretudo, em suas novas formas em expansão, cujos modos de vida delas oriundos tornavam-se presentes nas mais diversas sociedades do globo terrestre, ainda que não industrializadas.

    Além disso, o distanciamento entre o que se observava na sociedade como prática comum e a composição da trama central do romance e seus personagens pouco usuais, resultava de uma inversão. As práticas e convenções culturais cotidianas apareciam como pano de fundo, geralmente, negativo e determinante daquilo posto em foco e incomum, considerado o ideal. Portanto, é justamente nesses elementos, supostamente adversos à dita realidade, pois exceções, logo, considerados inverossímeis e alienados, que repousa a postura e a proposta romântica como crítica social e matriz de modos de interação alternativos entre os indivíduos, diversos dos existentes e visíveis meio às elites. Nesse sentido, apontam-se, de modo específico, em Alencar, os aspectos de sua reflexão que indicam seu posicionamento crítico e consciente dos problemas que permeavam a sociedade fluminense, que, logo, são restrições e oposições às leituras de que o romantismo brasileiro, inclusive o alencariano, apresenta-se despojado de crítica da vida e de capacidade de problematização da existência e da sociedade.¹⁴

    Outro aspecto que se julga parcial, reducionista e simplista, é atrelar o romantismo apenas à mera expansão dos sentimentos e da subjetividade dos indivíduos em si sem considerar as relações estabelecidas entre essas criações literárias e o pensamento coletivo. O criador individual faz sempre parte de um grupo, muitas vezes, por sua origem ou posição social, não podendo obra alguma ser a expressão de uma experiência puramente individual, possuindo caráter social. Este caráter social da obra é impresso pela transposição para o plano da criação literária de uma coerência apurada e de uma homologia de estruturas da vida social, dentre elas, as mentais, que só poderiam ser elaboradas por um grupo, correspondendo ao que se denomina de uma visão de mundo, as quais podem ser expressas mesmo em conteúdos imaginados diferentes do real da consciência coletiva.¹⁵

    Assim, as criações dos românticos ultrapassam o aspecto de produções individuais, pois atentos às condições históricas, sociais e culturais e à seu agir no processo de constituição dos indivíduos e de produção da sua subjetividade como sujeitos sociais diferenciados inscritos na ordem da cultura ocidental moderna. É daí que se esmeram na criação de enredos, personagens e situações que transgridam as normas e modelos da sociedade vigente e nas suas formas de expressão oriundas de um modo próprio de olhar o mundo; que se inserem no seio de um conjunto de aspirações, de ideias, de sentimentos, que reúne indivíduos num mesmo grupo que se opõe a outros. Por meio de seus escritos, devorados pelos leitores, e acreditando na sua força subversiva, falam criticamente da sociedade à qual pertencem, das coerções materiais e morais, assim como de todo tipo de entraves erigidos contra as aspirações de realização livre dos indivíduos.

    Em contraponto, edificavam tramas permeadas de paixões avassaladoras, casamentos por amor, felicidade, vida de prazeres, harmonia e outros ideais de feminilidade e masculinidade distintos dos observados na experiência social comum, outro mundo, enfim, em que tais anseios pudessem ser satisfeitos. Desta forma, por mais que as expansões sentimentais alcançassem relevo nas manifestações românticas elas não existiam de modo independente e descolado de um contexto sociocultural mais geral. Se discursos e doutrinas faziam apologia da razão e recomendavam refrear os instintos e as paixões, pois constituíam ameaças e perigos constantes à família e à vida doméstica, os românticos as incentivavam e as utilizavam como formas de subversão, que abalavam a ordem e o estabelecido na busca de criar outra sociedade.¹⁶

    Nesse contexto, acredita-se ser necessário refletir sobre a subjetividade humana como uma dimensão mais complexa, que ultrapassa a esfera de uma formação autônoma, pois carrega a noção de sujeição ao ser fabricada e modelada no registro social. No processo de construção da subjetividade, convive-se com imposições coercitivas atadas às homogeneizações de determinados modelos culturais hegemônicos. Objetivando moldar e regular a subjetividade dos indivíduos, estratégias são orientadas para o controle dos desejos e das vontades. Por meio da linguagem, da família, da escola, dos jornais, livros..., atinge-se o processo de subjetivação, modelando corpos, comportamentos, sensibilidades, percepções, memórias, relações sociais e de gênero, por mais que esses elementos sejam reapropriados pelos sujeitos de forma singular de acordo com todo um conjunto de circunstâncias histórico-sócio-culturais (origem, classe social, etnia, cultura) e biográficas (trajetória de vida e de trabalho) que enseja o sentido do eu.¹⁷

    Sendo assim, recusando as leituras naturalizantes de aspectos históricos e culturais como as próprias concepções de sociedade, os sentimentos, a masculinidade e a feminilidade, ao lidar com o caráter de construção temporal e de aprendizado cultural, atrelado à internalização e generalização de regras e padrões sociais convencionados, os quais orientam as relações interpessoais, este trabalho coloca-se na posição de apreender aquilo que historicamente se elegeu nas representações românticas de Alencar como sendo sociedade, natureza, amor, masculino e feminino, atentando às ideias, às imagens e metáforas por ele construídas, as quais atribuíram sentidos e significados a essas dimensões da experiência humana. Perseguindo os procedimentos interdisciplinares, numa perspectiva de tempo de curta duração, centrando-se na sociedade fluminense em particular, a investigação tem um caráter específico e singular, voltado para perceber as peculiaridades da representação desse escritor ao atribuir sentidos ao mundo e a alguns de seus aspectos e dimensões constituintes.

    Nesse percurso, acredita-se que, para além da noção de indivíduo como uma unidade de referência abstrata, generalização universalizante, deve-se ater às especificidades desses sujeitos históricos, caracterizados, qualificados e produzidos culturalmente como sendo masculinos e femininos. A partir da presença e imposição das normas, regras e valores que veiculam padrões de sensibilidade, fabricam-se homens e mulheres com hábitos, comportamentos e costumes próprios e desejáveis. Ao considerar que as subjetividades dos indivíduos, assim como que ser masculino e ser feminino, resultam de um aprendizado histórico, cultural e social, julga-se indispensável perscrutar as concepções plurais de masculinidade e feminilidade que atravessam e emergem do texto alencariano com seus sentimentos, aspirações, princípios, anseios, medos, desejos...¹⁸

    As recentes transformações dos costumes, dentre eles, os diversos deslocamentos nos códigos da paixão no ocidente, os quais, em cada sociedade, época, lugar e cultura, possuem suas especificidades, dissiparam atitudes afetadas de pudor herdadas do século XIX, ocorrendo de um modo tão violento, que deixou todos atônitos, por verem desmoronar-se frente aos olhos estruturas erguidas há séculos para ordenar as relações entre os sexos. Muitas proibições caíram, e a revolução nessa esfera anulou disposições consagradas desde as origens da espécie humana, modificando de cima a baixo, a divisão dos papéis e dos poderes entre os homens e as mulheres. Foram as perturbações e a comoção produzidas por esse deslocamento do sistema que rege os comportamentos amorosos, que vieram recentemente lembrar que estes comportamentos não são imutáveis, mas mudam com o tempo, e pode ser útil observar como eram no passado, quanto mais não fosse para melhor compreender como eles se transformam nos nossos dias. Desta forma, não é por acaso que o amor tornou-se objeto de interesse de vários especialistas e trabalhos na área das Ciências Humanas, como historiadores, historiadores literários, antropólogos, sociólogos, psicólogos e comunicadores sociais, dentre outros saberes.¹⁹

    Portanto, nesse contexto complexo do tempo atual, em que cotidianamente muito se fala sobre o amor, masculinidade e feminilidade, acredita-se que é importante pensar sobre a historicidade de tais questões e práticas. O amor permeia os mais variados bens simbólicos dos meios de comunicação oferecidos de modo ininterrupto ao público, os quais agem ativamente na formação da subjetividade e da memória social, difundindo um código que informa modos de agir e encoraja a formação de sentimentos correspondentes. Ora apresenta-se o amor de modo bastante romântico e atemporal, elogiando-o; ora apontam-se suas especificidades hodiernas e uma crise nos códigos amorosos, desqualificando-o e mostrando-o anacrônico frente a supremacia do sexo e do ficar. Atrelados a isso, os discursos emitidos ora falam das novas condutas das mulheres ora da emergência de um novo homem, fruto das transformações socioculturais. Logo, os sentidos atribuídos aos sentimentos e posturas no imaginário coletivo são elementos de um código simbólico, que funciona como matriz culturalmente disponível aos homens e mulheres, o qual informa, orienta e cria os sujeitos e sua subjetividade, ao evocar dadas atitudes e comportamentos considerados próprios de cada sexo nas relações sociais de gênero, edificadas e entendidas como diferenças simbólicas e não biológicas. ²⁰

    Portanto, como o conhecimento histórico é filho do tempo do qual faz parte o historiador e como, sobretudo, na última metade do século XX, ocorreram mutações significativas nos códigos simbólicos e nos paradigmas historiográficos, é que se volta a atenção para a esfera da visão de mundo e imaginário românticos e suas formas de representação, na perspectiva de uma história renovada pelos vários deslocamentos que desembocaram na chamada história cultural. De uma história que experimentou uma ampliação ininterrupta de seu campo de estudo a partir dos combates levados a cabo por pesquisadores ligados à Nova História, implementada pelos Annales, que promoveram as abordagens interdisciplinares, os contatos e diálogos com outras disciplinas, principalmente, com as Ciências Sociais. De uma disciplina que incorporou à esfera de suas preocupações novos objetos inseridos na vida cotidiana da sociedade e do tempo atual, até então, geralmente, ignorados, como os comportamentos, as atitudes, a sexualidade, as formas de sentir ... e que dá atenção especial às massas anônimas e aos produtores culturais não canônicos, embora não recuse as expressões culturais formais e da elite.

    Em tal contexto, trata-se da visão de mundo e do imaginário romântico, seus princípios, suas práticas e representações, como objetos inclusos em sistemas variados de orientações expressivas e afetivas dos agentes sociais. Ao observá-los no passado e em dadas circunstâncias, buscando compreendê-los, podem-se perceber suas características histórico-sócio-culturais, de aspectos que se transformam e se constituem ao longo de tempos e de lugares diversos, com configuração múltipla, contrapondo às leituras estritamente literárias, evolucionistas, universalizantes e naturalizantes. Assim, vê-se que, tanto na vida social quanto na elaboração das suas representações, que orientam a ação dos indivíduos em sociedade, escolhas, valorização e recusas são realizadas num processo contínuo de edificação do código simbólico que oferece modos de viver, esquemas específicos para lidar e interpretar o mundo circundante. Esse código matriz, veiculado e difundido nos textos impressos, na comunicação de salão e outros espaços do circuito sociocultural, intervêm no desenvolvimento constante da subjetividade dos indivíduos e nos seus processos de interiorização, ao produzir múltiplas articulações, ao propor e modelar comportamentos e direcionar energias, por menos absoluta que seja sua absorção.

    Sendo assim, é que se parte do presente rumo ao momento em que os meios de comunicação e uma de produção permeada pela perspectiva de mundo romântica se organizavam no Brasil do século XIX, fazendo parte da estruturação de uma incipiente produção cultural, que abria espaço para falar de amor e de questões que o cercavam, pois o conhecimento histórico insere-se num duplo movimento de compreender o presente pelo passado e o passado pelo presente, por meio do método regressivo, no qual desbobina-se a película no sentido inverso das filmagens.²¹ Com isso não estamos considerando que a produção literária brasileira teve começo no romantismo, apenas que esse movimento foi marcante para edificar e difundir um imaginário romântico o qual intentamos acessar e melhor compreender.

    Nos primórdios das filmagens, da construção de imagens narrativas literárias permeadas por representações românticas no Brasil, encontram-se Alencar e seus textos produzidos no Rio de Janeiro de meados do século XIX, voltados para essa mesma realidade espacial e temporal. Eles foram selecionados devido ao papel preponderante que essa cidade exerceu sobre o resto do país como centro político-administrativo do Império, a Corte e, depois, capital da República, além de núcleo irradiador de uma cultura moderna para todo o território nacional, concatenada às grandes metrópoles mundiais. É aí, e nesse momento, que se encontra a edificação inicial dos meios de comunicação modernos na cultura brasileira, com a imprensa, como também a presença de uma plêiade de intelectuais nela estabelecidos, alguns canonizados outros não, produzindo suas obras em diálogo intertextual com os principais expoentes da literatura internacional. Criadores, os quais, por meio da produção de discursos, elaboraram representações acerca dessa sociedade e temáticas elegidas com grande afinco e coerência interna, dando seus valiosos testemunhos para tratar dos mais diversos objetos que a compõem.

    Recorre-se à literatura como documento por considerar-se esse tipo de escrita, na qual se privilegiam os romances como fontes e testemunhas exímias para o estudo da cultura, do imaginário social, de suas práticas e representações, visto que são produtos culturais de uma sociedade e possuem raízes históricas fincadas em seu contexto, ainda que para negá-lo. Como bens simbólicos, encerram referências nas condições socioculturais em que ocorrem e a que remetem, assim como são pontos referenciais para a incessante redefinição destas. Tais textos da cultura expressam tanto certa lógica específica da realidade profundamente radicada, ao refletir sobre aquilo que é experimentado na vida cotidiana, considerando seus níveis comuns, diferenças, conflitos e tensões, como também propõem e transmitem novos valores e noções que visam a sua recriação. Esse código simbólico, examinado pelo leitor, informa-o sobre modos de vida e possui o poder de agir ativamente na sociedade construindo-a. Uma vez que os textos se entrecruzam com os mundos dos leitores, sendo apropriado pelos agentes sociais, estabelecem-se novas experiências culturais.

    As representações, prenhes de princípios, os quais são difundidos na sociedade, produzem sobre os indivíduos um efeito prático, que tanto pode se dar no sentido de modificar suas condutas e concepções de mundo, como ainda de reforçar os seus valores sociais e práticas, embora, em ambas as direções, eles sejam lidos e apropriados de forma própria, particular e nunca tomados de maneira absoluta como foram enunciados. Assim, ao mesmo tempo em que são reflexão sobre a sociedade e sua cultura, contribuem também para moldá-las, para sua invenção contínua num processo constante de circulação e de influências recíprocas, advindas das diversas dimensões e categorias sociais que a compõem, nas quais tanto há um substrato informativo comum quanto díspar. Nessa perspectiva dialética, que engloba a produção literária e a sociedade num vasto sistema simbólico de influências culturais recíprocas, as representações são matrizes de práticas construtoras do próprio mundo social, posto que comandam atos, e não há prática ou estrutura que não seja produzida por elas; a partir destas, os indivíduos e os grupos dão sentido ao mundo que é o deles.²²

    No universo da produção literária romântica brasileira, os romances urbanos e parte da perigrafia de José de Alencar foram eleitos como fonte documental para este estudo por ser um escritor marcado, em sua fortuna crítica, por avaliações ambíguas, além de, em sua vida, ter envolvido em muitas polêmicas acerca de sua obra. No contexto da produção intelectual brasileira do século XIX, ao mesmo tempo em que se transformava figura consagrada, enfrentou vários opositores e essas pelejas apontam inclusive sua meditação e posição crítica. Alencar preocupou-se tanto em construir uma literatura brasileira, quanto em tratar das transformações socioculturais por que passava o país e, sobretudo, a cidade do Rio de Janeiro, tornando-se, com o tempo, um poeta armado que usou a letra como modo de conhecer e guerrear.²³

    A figura de Alencar é cercada de avaliações paradoxais. Ao redor de sua produção formou-se vasta camada discursiva, que tanto possibilitou sua institucionalização quanto sua permanência no cânone literário brasileiro, ainda que mostrando reticente no que refere a sua qualificação propriamente literária ou ficcional. Essa tradição incorporou e reelaborou restrições formuladas no decorrer das várias publicações dos romances do autor, sempre cercadas por polêmicas, umas mais estridentes, outras mais recatadas, deixando visível tais apreciações analíticas e julgamentos críticos e criando uma ambiguidade ao elevá-lo ao grau de maior prosador do romantismo brasileiro.²⁴

    Dentre os vários estudos sobre o autor, seja num viés biográfico, seja articulando autor e obra, seja especificamente tratando das obras, alguns já se tornaram clássicos e tiveram inclusive várias edições.²⁵ No entanto, a partir da última década do século XX, um número considerável de trabalhos surgiram, tendo-os como objeto e versando sobre temas variados, como gênero e perfis sociais; nacionalidade e língua brasileira; trajetória do autor, literatura e política; vida selvagem, romance histórico e romance brasileiro; ficção da corte e crônica.²⁶

    Muitos autores, principalmente os mais voltados para os estudos literários, logo aqueles que edificam e cuidam de manter o cânone da literatura brasileira, apontam que Alencar foi o centro da abordagem romântica da realidade brasileira, sendo considerado até hoje o mais lido romancista do país e o patriarca da literatura nacional linguisticamente constituída. Ele assegurou à nossa novelística o seu primeiro grande voo literário; consumou o aparecimento definitivo de uma língua literária inequivocamente brasileira, sendo "o fundador da tradição viva da nossa literatura, ainda que colocado na fronteira do aliterário ou do subliterário e renunciasse à ‘crítica da vida’, àquela capacidade de problematização da existência e da sociedade". Após a fase de predominância do Romantismo e a luta dos escritores românticos para completar a Independência da recém criada nação no plano cultural, com autonomia delimitada, essa literatura caminha por si, com a natureza tropical incorporada, ao valorizar costumes e linguagem locais e possuir público leitor garantido.²⁷

    Entretanto, ao tomar a literatura de Alencar como fonte documental, a realização de uma breve revisão da tradição historiográfica e crítica, ainda que não extensa, pode contribuir para esclarecer algumas questões que se apresentam obscuras ou ausentes e, assim, auxiliar no balizamento da pesquisa. Daí emergem algumas facetas das relações de forças que permeiam o campo literário, assim como intencionalidades que circunscrevem sua inserção e manutenção como um monumento da cultura nacional. Embora aqui se trate, de modo mais detido, de apenas uma obra, pois foi por meio dela que se produz