Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Gerenciamento de Parada de Manutenção

Gerenciamento de Parada de Manutenção

Ler a amostra

Gerenciamento de Parada de Manutenção

notas:
3/5 (3 notas)
Duração:
535 páginas
5 horas
Editora:
Lançados:
11 de set. de 2015
ISBN:
9788574527512
Formato:
Livro

Descrição

Esta obra tornou-se realidade devido à determinação do autor na busca incansável de melhoria contínua dos processos de planejamento de uma grande parada de manutenção de uma unidade industrial. Conhecimento técnico, habilidade na gestão de pessoas, experiência, percepção dos comportamentos humanos e muita determinação, interligados e interagindo entre si e complementando-se, resultaram em uma abordagem nova e diferente no planejamento, na execução e no controle de uma parada.
"A leitura deste livro nos permite perceber a conjunção entre o conhecimento teórico de John Moschin, fortemente embasado em conceitos do PMI, IPA e Solomon, com sua vivência prática na gestão de paradas de manutenção. Leitura fácil e agradável, com excelente conteúdo, além de extremamente bem atualizado."
Engº. Rodolfo Stonner, PMP, RMP, CRE, Gerente de Construção e Montagem da Petrobras
"O equilíbrio entre o detalhamento consistente do planejamento, baseado no estudo das incertezas dos prazos estimados, e a disciplina apropriada na gestão do conhecimento/aprendizado durante a condução do projeto abordados neste livro constituem mecanismos essenciais para assegurar o atendimento dos requisitos da série de normas ABNT NBR ISO 55000:2014 - Sistema de Gestão de Ativos."
Engº. Daniel Lyra Rodrigues, Gerente Pragma Academy
Editora:
Lançados:
11 de set. de 2015
ISBN:
9788574527512
Formato:
Livro

Sobre o autor


Relacionado a Gerenciamento de Parada de Manutenção

Livros relacionados

Amostra do livro

Gerenciamento de Parada de Manutenção - John Moschin

Copyright© 2015 por Brasport Livros e Multimídia Ltda.

Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste livro poderá ser reproduzida, sob qualquer meio, especialmente em fotocópia (xerox), sem a permissão, por escrito, da Editora.

Para uma melhor visualização deste e-book sugerimos que mantenha seu software constantemente atualizado.

Editor: Sergio Martins de Oliveira

Diretora Editorial: Rosa Maria Oliveira de Queiroz

Gerente de Produção Editorial: Marina dos Anjos Martins de Oliveira

Revisão: Maria Helena A. M. Oliveira

Editoração Eletrônica: SBNigri Artes e Textos Ltda.

Produçao de e-Pub: SBNigri Artes e Textos Ltda.

Capa: Use Design

Produçao de e-pub: SBNigri Artes e Textos Ltda.

Técnica e muita atenção foram empregadas na produção deste livro. Porém, erros de digitação e/ou impressão podem ocorrer. Qualquer dúvida, inclusive de conceito, solicitamos enviar mensagem para brasport@brasport.com.br, para que nossa equipe, juntamente com o autor, possa esclarecer. A Brasport e o(s) autor(es) não assumem qualquer responsabilidade por eventuais danos ou perdas a pessoas ou bens, originados do uso deste livro.

ISBN Digital: 978-85-7452-751-2

BRASPORT Livros e Multimídia Ltda.

Rua Pardal Mallet, 23 – Tijuca

20270-280 Rio de Janeiro-RJ

Tels. Fax: (21) 2568.1415/2568.1507

e-mails:

marketing@brasport.com.br

vendas@brasport.com.br

editorial@brasport.com.br

site: www.brasport.com.br

Filial

Av. Paulista, 807 – conj. 915

01311-100 – São Paulo-SP

e-mail: filialsp@brasport.com.br

Dedicatória

Ao meu pai (em memória), que, com muita simplicidade, paciência e dedicação, soube mostrar os caminhos corretos a serem perseguidos.

À minha mãe (em memória), eterna guerreira e exemplo de vida, pelo carinho que sempre demonstrou.

A todos que um dia nos deram uma oportunidade de aprendizado.

Agradecimentos

A todos os professores e amigos que, durante toda a nossa vida profissional, tiveram a paciência de nos transmitir algum conhecimento.

Ao Eng. Rodolfo Stonner, pela paciência e dedicação na revisão e nos comentários emitidos, que foram de grande valia.

À Petrobras, pelos ensinamentos transmitidos, por permitir que esta metodologia tivesse seu desenvolvimento teórico e pela sua aplicação em um evento.

A todos que, de forma direta ou indireta, colaboraram com suas iniciativas, opiniões e dedicação, para que fosse possível levar esta teoria à prática.

Muito obrigado a todos.

Apresentação

Nos cenários empresariais do século XXI, caracterizados por incertezas, complexidade e imprevisibilidade, torna-se cada vez mais relevante a adoção, na área de projetos/paradas, de metodologias que levem em consideração o tratamento holístico dessas incertezas e que contribuam para a busca da produtividade e da excelência. O modelo muito usado nos dias atuais continua a ser o determinístico, limitado e que não representa com fidelidade a realidade. Neste modelo, muito pouco das incertezas do dia a dia é levado em consideração e contribui de maneira decisiva para o travamento do pensamento, criando barreiras para a busca de pensamentos fora da caixa.

Esta obra, baseada em longos anos de experiência do autor em planejamento de paradas/empreendimentos, discute uma proposta de mudança na cultura de planejamento de uma parada/projeto, tomando como base o modelo determinístico e reducionista de pensamento hoje muito utilizado no delineamento de cronogramas e nas atividades do dia a dia, para um modelo probabilístico e holístico, mas com ênfase no ser humano, na dificuldade de aprendizado no uso dessas ferramentas e não na metodologia ou ferramenta em si.

A finalidade é discutir como foi conseguido um enorme sucesso com a aplicação de um planejamento denominado de Parada Total de Manutenção, onde é aplicada a teoria holística e de sistema complexo que pode levar a resultados excepcionais nas paradas.

Resultados do projeto:

Redução no prazo total de 42 para 34 dias. Ganho de oito dias.

Aumento do fator operacional da unidade.

Ganhos financeiros, com o início da produção antecipada em oito dias.

Redução do número de acidentes.

Melhoria na integração e clima organizacional na equipe.

Aumento da previsibilidade futura.

Diminuição do estresse da equipe.

A parada é considerada um sistema complexo em que existem uma grande quantidade de informações, pessoas e recursos diversos envolvidos, muitos aplicativos ou programas dedicados. Não foi dedicado um capítulo especial à integração e à organização porque elas estão de certa maneira explicitadas ao longo de toda a obra.

No Capítulo 3, dedicado ao Gerenciamento do Conhecimento/Aprendizado é feita uma abordagem inovadora em relação à quebra de paradigmas, aprendizado, retenção do conhecimento e sobre atitudes e comportamentos das pessoas envolvidas e principalmente das lideranças. Nesse capítulo também é apresentada uma proposta de metodologia para melhorar o envolvimento das pessoas no projeto e que foi aplicada com muito sucesso.

A obra foi dividida em 21 capítulos para facilitar o entendimento.Tentou-se abranger praticamente todas as áreas do conhecimento relacionadas ao planejamento e execução de paradas de manutenção de unidades industriais, sem perder as interdependências entre elas. Foram incorporadas muitas ilustrações, que simplificam e facilitam a leitura e o entendimento.

Em cada capítulo é apresentada a base teórica sobre determinada área do conhecimento, como esta foi aplicada, as melhorias propostas, as dificuldades encontradas e alguns resultados alcançados.

São apresentadas e discutidas muitas metodologias da área de planejamento, e são mostrados os pontos fortes e os aspectos de cada metodologia que precisam de maior cuidado na sua aplicação. Como resultado, poderá facilmente ser observado que tem metodologia que contribui com maior facilidade para que se atinja o sucesso e outras que exigem uma dedicação maior ou mesmo dificultam a busca por excelência.

No Capítulo 20, Monitoramento e Controle, é discutido o modelo atual de elaboração e controle dos indicadores de desempenho, suas deficiências e restrições em relação a um modelo tipo classe mundial, em que o ponto forte é a busca de referenciais comparativos, a nível interno, regional, nacional e internacional. A busca por excelência passa por esse caminho.

Em praticamente todas as vezes que foi grafada a palavra parada, indistintamente pode ser substituída por projetos, ou seja, as metodologias descritas nesta obra não se limitam apenas às paradas de manutenção de unidades, pois com pequenas adaptações podem ser utilizadas em quaisquer tipos de projetos.

Toda esta metodologia desenvolvida e aplicada está alicerçada nos fundamentos da excelência, como pensamentos sistêmicos, aprendizado organizacional, cultura da inovação, liderança, mudanças comportamentais e atitudes das pessoas, entre outros.

Os vetores que nortearam este trabalho de enorme sucesso foram a constante busca por excelência em todos os processos, a utilização de indicadores de desempenho com referenciais comparativos de classe mundial e a organização das informações da parada.

O objetivo desta obra é mostrar que, muito embora as metodologias utilizadas sejam de conhecimento de todos, pode-se fazer uma nova releitura delas e aplicá-las com novas abordagens.

E todos esses aspectos técnicos, comportamentais, de atitudes proativas, de envolvimento, que podem ser encontrados aos longos de todos os capítulos, foi denominado de Parada Total porque o sucesso não depende apenas de um fator isolado, mas da conjunção de vários.

Boa leitura a todos.

O autor

Sobre o Autor

Eng. Mosquim, João Carlos (John Moschin)

O autor nasceu na cidade de Jaú, interior de São Paulo, em uma pequena propriedade de terra, e migrou ainda pequeno para a cidade de Campinas, junto com seus pais.

Formou-se técnico em Eletricidade e é Engenheiro Civil e Engenheiro de Equipamentos, com especialização em Controle da Qualidade, MBA em Gerenciamento de Projetos e pós-graduação em Gestão de Pessoas e certificação PMP do Project Management Institute.

Desenvolveu atividades nas áreas de empreendimento, manutenção, automação de sistemas de produção e sistemas elétricos, planejamento de manutenção de rotina, planejamento de grandes paradas para manutenção, gestão de empresas e de pessoas. Avaliador/auditor em processos integrados de gestão, Normas NR-10, ISO 9001, 8800, 14001, 18001. Membro da Banca Examinadora do Prêmio Nacional da Qualidade, Membro da Comissão de Eletricidade da ABRAMAN, na implantação da Certificação de Eletricistas, avaliações em processos de intervenções nas unidades de processos, principalmente na área de segurança, saúde e meio ambiente, gerenciamento de equipes, execução de manutenção preditiva, preventiva e corretiva, e certificação e qualificação de equipamentos. Atua no treinamento e desenvolvimento de equipes, na formação de grupos de alto desempenho, em comissionamentos e em startup de unidades.

Foi feirante, eletricista, técnico de manutenção, engenheiro júnior, pleno e sênior. Hoje atua como sócio-diretor da MKM Consultatis, empresa de consultoria e treinamento nas áreas de Gerenciamento de Projetos, Gerenciamento de Riscos, Gerenciamento de Paradas e Indicadores de Desempenho, e como professor de MBA na Pragma Academy Brasil.

Autor dos livros:

S. Exa,. O Prazo – livro técnico, de 2012, onde é apresentado e discutido um case de enorme sucesso em uma parada para manutenção.

Estórias e Brincadeiras do Tio Carlinhos Vol. 1 – Uma viagem de arrepiar – livro infantil, de 2013, onde é narrada uma aventura do tio Carlinhos recheada de brincadeiras. Dedicado a crianças de até oito anos.

Autor de trabalhos técnicos apresentados em congressos mundiais:

ABRAMAN 2009 – Sensibilidade dos métodos CPM, PERT e simulações de Monte Carlo aplicados em uma parada.

ABRAMAN 2010 – Atitudes gerenciais para a segurança.

ABRAMAN 2013 – Tratamento holístico das incertezas.

ABRAMAN 2014 – Tratamento holístico de escopo de parada – Tratamento holístico das incertezas – Muito além da Análise de Riscos (Webinar PMI-USA e PMI-SP).

ABRAMAN – Seminários em Curitiba e Porto Alegre – Sensibilidade dos métodos CPM, PERT e simulações de Monte Carlo aplicados em uma parada.

Sumário

1. Contextualização

Parada programada de planta para manutenção

Tipos de paradas

Características de uma parada

Portfólio de paradas

Condições de atendimento ao mercado

Condições climáticas

Norma Regulamentadora NR-13 – caldeiras, vasos de pressão e tubulações

Projetos de melhorias nas unidades

2. Premissas da Parada

Custos, prazos, SMS, qualidade

Confiabilidade

Contratação

Regime de trabalho

Paralisação/Partida da unidade

Critérios para o planejamento das atividades

Critérios e datas limites para inspeção de equipamentos

Metodologias/Ferramentas de planejamento

Critérios para o tratamento do escopo

Custos

Organogramas

3. Gerenciamento do Conhecimento/Aprendizado

O ser humano e o profissional

Processo contínuo de aprendizagem

Doutrina, filosofias e correntes de pensamento

O pensamento cartesiano

Sistema simples e sistema complexo

Incertezas e tratamento determinístico

Modelos mentais

Teoria do controle

Conhecimento/Aprendizado

4. Introdução às Metodologias de Gerenciamento

Gerenciamento de projetos/paradas conforme o PMBOK® Guide

Metodologia FEL/FEP – Front-End Loading/Planning

Práticas de melhoria de valor (Value Improving Practices – VIPs)

Gestão do planejamento de paradas do abastecimento – Petrobras

Metodologias versus ferramentas de planejamento

5. Partes Interessadas

Visão da operação

Visão da manutenção

Visão da inspeção

Visão da engenharia/empreendimento

Visão da otimização

Visão da área de SMS

Visão do suprimento

Visão das áreas de apoio/serviços

Visão da comunidade

Visão da logística

Visão do acionista

6. Gerenciamento de Escopo

Introdução

Definição de escopo

Correntes do pensamento sobre serviços de parada

Discussão da corrente 1

Discussão da corrente 2

Partes interessadas na geração do escopo da parada

Critérios mandatórios para definição do escopo de rotina ou parada

Congelamento e descongelamento

Data limite para o congelamento do escopo

Descongelamento do escopo

Tratamento holístico do escopo

Montagem da lista de serviços

Tratamento das incertezas em relação ao escopo

Escopo de serviços de pré-parada

Escopo relacionado às recomendações da inspeção e NR-13

Recomendação de inspeção preliminar, com base na metodologia RBI

Recomendação de inspeção definitiva

Recomendação de fabricante

Pente fino ou lista de pendência do final da parada/partida da unidade

Critérios de priorização dos serviços da lista de pente fino

Lista de pendência para conclusão dos serviços

Lista de pendência da partida da unidade

7. Gerenciamento de Custos

Centro de custo

Tipos de custos

Técnicas para estimativa de custos

Tipos de orçamento

Custo na rotina versus custo na parada

Monitoramento e controle dos custos

Estrutura geral de custo de uma parada

Análise de reservas

Orçamento fixo

Orçamento variável

8. Gerenciamento de Tempo

Metodologias existentes para delineamento de cronograma

Gráfico de Gantt

Método do caminho crítico

PERT – Program Evaluation and Review Technique

Simulações de Monte Carlo

Método da corrente crítica

Planejamento em ondas sucessivas

Ferramentas de planejamento

9. Gerenciamento de Riscos

Definição e características do risco em projetos

Onde encontrar riscos

Importância do gerenciamento de riscos nas paradas

Tratamento às ameaças ou riscos

Componentes do gerenciamento de riscos

Metodologias para análise das incertezas

Análise Preliminar de Risco nível 1 (APR 1) – Preliminary Hazard Analysis (PHA)

Análise Preliminar de Risco nível 2 (APR 2)

Análise de riscos por planilha dedicada

Definição da matriz de probabilidade versus impacto

Definição da tabela do impacto do risco

Fase de qualificação dos riscos

Fase de quantificação dos riscos

Plano de resposta aos riscos

Gatilho para a resposta ao risco

Monitoramento do plano de ação

Revisão do plano de resposta aos riscos

Análise das incertezas pelas metodologias PERT e pelas simulações de Monte Carlo

Metodologia PERT

Simulações de Monte Carlo

10. Gerenciamento de Recursos Humanos

Influência da estrutura organizacional

Tipos de estruturas organizacionais

Escritório de gerenciamento de paradas

Estrutura organizacional para as paradas

Organização da parada

Comitê de planejamento em campanha

Comitê de planejamento da parada

Organogramas

Definição de papéis e de responsabilidades

Histograma de recursos

Capacitação e treinamento

11. Gerenciamento de SMS

Pirâmide de Bird ou de acidentes

Aspectos a serem considerados no planejamento e na execução da parada

Treinamentos nos riscos de eletricidade e conexões de máquina de solda

Treinamentos diversos de preparação para a parada

Divulgação de acidentes típicos em paradas

Monitoramento/Treinamento/Auditoria no campo, para a força de trabalho, no dia a dia

Ações de bloqueio

Tolerância zero

O papel do profissional de segurança

Responsabilidade dos técnicos de segurança de empresas contratadas

Fundamentos da gestão de SMS

Políticas de segurança, meio ambiente e saúde

Ações que contribuem para a busca da excelência

Análise de acidentes e incidentes

Comportamento humano

Auditorias comportamentais

Planejamento da parada

Tratamento das incertezas

Identificação dos agentes de mudança

Plano de gerenciamento de SMS – Saúde, Meio Ambiente e Segurança

Plano de gerenciamento de riscos de SMS

Meio ambiente

Saúde

A segurança em relação à parada total da unidade versus parada parcial

12. Gerenciamento de Infraestrutura e Logística

Comunidade vizinha

13. Gerenciamento de Aquisições

Aquisições – Contratação

Tipos de contratos de serviços e os principais riscos envolvidos

Premissas do plano de contratação e da contratação de terceiros

Aquisição de materiais e equipamentos

Equipamentos

Aquisição de materiais

14. Gerenciamento da Qualidade

Contextualização

14 Princípios de Deming adaptados à parada

A ponta do iceberg

Gerenciamento da qualidade

Plano da qualidade

Objetivo

Práticas de Melhoria de Valor (Value Improving Practices – VIPs)34

Inspeção de equipamentos – ensaios não destrutivos

Padrões mínimos de qualidade

O controle total da qualidade no evento parada

15. Gerenciamento da Comunicação

Meios de comunicação

Plano de comunicação

Organização da informação/dados do evento parada

Matriz de comunicação da parada

Meios de comunicação

Portal da parada

16. Atitudes Gerenciais

Competência

Atitude pessoal

Atitude gerencial

17. Boas Práticas em Parada

Tratamento holístico e sistêmico do escopo

Elaboração de recomendações baseadas nos riscos (RBI – Risk Based Inspection)

Metodologia de planejamento

Tolerância zero

Tratamento de atitudes e comportamento

Reuniões antecipativas ou proativas

Portal da parada na intranet

Quadro de aviso

Auditorias comportamentais

Inspeções rotineiras

Sistema de linha rígida e tanques para drenagem

Andaimes

Andaimes e pranchões de alumínio

Plataformas elevatórias

Alpinismo industrial

Descongelamento controlado e programado do escopo

Práticas de melhoria do valor (VIPs – Value Improving Practice)

Tratamento holístico e sistêmico das incertezas

Diálogo diário de SMS

Bloqueio de energias perigosas

Controle de acesso à área da parada, na paralisação e na partida da planta

Lista de pente fino

Torres autônomas de iluminação

Padronização de painéis de distribuição e de tomadas

Limpeza química

18. Alimentação Elétrica e NR-10 – Segurança em Instalações e Serviços de Eletricidade

Aspectos gerais da NR-10

Teoria da eletricidade

Choque elétrico

Primeiros socorros

Legislação/Normas

Atmosferas explosivas

Grau de proteção de equipamentos

Padronização de tomadas e plugues

Conexões de cabos de saída de máquinas de solda

Processo de soldagem elétrica com eletrodo revestido

Definição de responsabilidades de fornecimentos

19. Programação dos Serviços

Planejamento dos serviços

Programação dos serviços

Apropriação de serviços

Reunião antecipativa

Nova rodada PERT e Monte Carlo

Reunião de passagem de serviço

20. Monitoramento e Controle

Periodicidade do monitoramento e controle

Reuniões ordinárias de acompanhamento

Indicadores de desempenho nas paradas (KPI – Key Performance Indicator)

Critérios de pontuação da Fundação Nacional da Qualidade

Outros possíveis e importantes indicadores

Meta factível

Metodologia de avaliação de desempenho da empresa Solomon Associates

Outros indicadores importantes para acompanhamento de desempenho de paradas

Indicadores de desempenho de saúde, meio ambiente, segurança

Análise do valor agregado (EVA – Earned Value Analysis)

Regras de apropriação

Divulgação dos indicadores de desempenho

Produtividade

Vantagens competitivas

Sucesso ou fracasso em um projeto

21. Relatório da Parada

Referências Bibliográficas

Introdução

Os problemas significativos que enfrentamos não podem ser resolvidos no mesmo nível de pensamento em que estávamos quando os criamos.

Albert Einstein

A sociedade nos dias atuais vive um interessante paradoxo. Nunca antes as pessoas tiveram acesso a tantas informações, e isso faz com que tenham uma sensação de insegurança e de exposição maior aos riscos. E como instinto de defesa, aumenta-se a vigilância. O desenvolvimento tecnológico trouxe grandes ganhos à sociedade e ao moderno estilo de vida, muito embora, em muitos casos, as ameaças tenham aumentado.

Na área de projetos/paradas acontece a mesma coisa. Existe uma enorme quantidade de metodologias, de ferramentas, e muitas informações estão disponíveis. Muitas vezes nem o óbvio se consegue enxergar. E o que dizer das ameaças não explícitas? E com tudo isso à disposição, ao alcance das mãos, a frase um bom planejamento começa com um lápis no 2 continua mais válida do que nunca. Ou em outras palavras – é muito comum a informatização do caos.

O foco em gerenciamento de projetos/parada tem sido dado às ferramentas e às metodologias em detrimento do ser humano. Esquece-se que, por trás do técnico, de cada profissional, existe em primeiro plano a pessoa, o ser humano. Qualquer programa de treinamento, capacitação, envolvimento, gerenciamento ou liderança precisa que essa premissa seja levada em consideração. Caso contrário, o insucesso é o mais provável.

Nas páginas desta obra, muitas vezes serão enfatizados e discutidos alguns aspectos do comportamento humano na utilização de metodologias e ferramentas tradicionais no gerenciamento dos serviços de uma parada de uma grande unidade industrial, suas deficiências e incertezas que introduzem no planejamento e suas limitações versus um modelo holístico de análise das incertezas relacionadas a esse gerenciamento.

O problema a ser discutido está relacionado aos diferentes níveis de enfoques aplicados pelas diferentes partes interessadas e pelas incertezas geradas. As metodologias tradicionais já não atendem mais; é necessário buscar novos caminhos, novas metodologias ou mesmo novas abordagens. A discussão dessas metodologias aplicadas com enorme sucesso em mais de uma parada é o foco deste trabalho.

A área de gerenciamento de projetos é dinâmica por natureza e a todo o momento está envolvida com mudanças ou necessidade de novos conhecimentos. Técnicas de planejamento engessadas podem não levar a resultados aceitáveis. O mundo hoje se tem tornado por demais dinâmico. Mudanças ocorrem com mais frequência e exigem adaptações mais rápidas pelos seres humanos, nas áreas de absorção e retenção de novos conhecimentos. Muito embora cientes dessas necessidades, a grande maioria das pessoas tem enorme dificuldade de sair da sua região de conforto e, devido a essa característica, geram grandes barreiras internas ao novo, ao diferente.

É preciso trabalhar nessa frente para que se mudem comportamentos e atitudes, paradigmas que há muito tempo estão devidamente enraizados e florescendo ou, na maioria das vezes, viçosos e dando espinhos terríveis. Paradigma pode ser comparado a um pé de roseira que, depois que cria raízes, fica difícil de remover.

Com essa interiorização são esperadas mudanças nessas atitudes e nos comportamentos das pessoas e um aumento na percepção da realidade. Praticamente todos os dias, todos são envolvidos em algum tipo de mudança, e a cada momento todos são convidados a aprender coisas novas, novas metodologias, técnicas, etc. E como isso é feito? Pela utilização de metodologias de ensino, que nem sempre conduzem aos resultados desejados.

Esta obra apresenta algumas metodologias que foram aplicadas e

Você chegou ao final dessa amostra. Cadastre-se para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de Gerenciamento de Parada de Manutenção

3.0
3 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor