Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

100 Curiosidades da Física

100 Curiosidades da Física


100 Curiosidades da Física

notas:
4/5 (5 notas)
Duração:
259 páginas
2 horas
Editora:
Lançados:
8 de abr. de 2017
ISBN:
9788582454459
Formato:
Livro

Descrição

A Física não é uma ciência exata, como muitos pensam. Ela estuda a natureza e seus comportamentos. Suas raízes podem ser encontradas no período inicial da filosofia grega, cerca de 2 500 anos atrás. Os sábios e estudiosos a denominavam Physis, que significa a natureza essencial de todas as coisas. O termo Física deriva dessa palavra grega. O livro aborda explicações da Física do dia a dia, em linguagem simples, sem formalismo matemático. Fenômenos que ocorrem no dia  a  dia das pessoas são explicados usando princípios físicos conhecidos, em linguagem simples e acessível ao leitor leigo ou ao estudante iniciante no estudo da Física.

 
Editora:
Lançados:
8 de abr. de 2017
ISBN:
9788582454459
Formato:
Livro

Sobre o autor


Amostra do livro

100 Curiosidades da Física - João Taranto

Arco-íris?

Um líquido consegue subir pelo canudinho porque diminuímos a pressão na nossa boca e a pressão atmosférica, temporariamente maior que a pressão no interior do canudinho, empurra a bebida através dele. Quando tomamos uma bebida alcoólica com canudinho, a pressão no interior da boca fica menor que a pressão no copo. O álcool nesse caso vaporiza mais rápido, fazendo com que uma parte dele seja absorvida pelo interior da boca. Vejamos por que: qualquer substância pode ser sólida, líquida ou gasosa. Os fatores que determinam em que estado de agregação em que ela se encontra são a temperatura e a pressão. Variando-se estes valores, pode haver uma transição de fase de agregação da substância. A ilustração a seguir explica esse fato: um abaixamento de pressão, como ocorre no interior da boca, pode levar o líquido ao estado de vapor. Acompanhe a seta na ilustração.

Note que no gráfico denominado Diagrama de Fases de Agregação, um par de valores de pressão e temperatura, nos fornece o estado em que uma substância se encontra. Absorvido no interior das bochechas, o álcool cai na corrente sanguínea diretamente, e mesmo num percentual muito pequeno é absorvida pelo organismo mais rapidamente que a outra parte ingerida através do copo, que ainda vai passar pelo estômago. O resultado é que a pessoa fica alegre mais rapidamente.

Às vezes, quando um jogador chuta a bola ela faz uma curva no ar, em vez de seguir reto. Esse é o chamado Efeito Magnus e acontece quando a bola é lançada pelo ar, girando rapidamente. Ele foi observado pela primeira vez em 1852 pelo físico alemão Gustav Magnus. O efeito depende da velocidade de rotação da bola e também da quantidade de ar que a bola arrasta quando gira. Quanto mais rugosa for a bola, mais ar ela arrasta e maior é o efeito. É por isso que a bola de tênis é peluda. Enquanto a bola se move, ela arrasta um pouco de ar que está passando por ela, durante os giros. Uma das propriedades dos fluidos é que, quando a velocidade aumenta, a pressão diminui (Princípio de Bernoulli).

No lado onde a bola e o vento se movem no mesmo sentido, a velocidade é maior e a pressão é menor (na figura corresponde à parte inferior da bola). Onde o vento se move em sentido contrário à rotação da bola, a velocidade é menor e, consequentemente, a pressão é maior (na figura corresponde à parte superior da bola). A diferença de pressão faz surgir uma força que desvia a trajetória original da bola e ela faz uma curva no ar.

Essa é uma situação que acontece no dia a dia, e que devemos decidir em questão de segundos ou décimos de segundo. Como não existe regulamentação no Código Brasileiro de Trânsito quanto o que deve ser feito em caso da luz amarela, o Contran criou a Resolução 160, inciso II, em abril de 2004, regulamenta este tipo de sinalização. Segundo o texto, a decisão de passar ou não o sinal amarelo tem que ser do motorista, que precisa analisar tudo com rapidez, bom senso e segurança. Conforme dicas do DETRAN MG, o ideal é que os motoristas parem no sinal amarelo, sempre que for possível fazê-lo, desde que esteja em segurança e desde que não venha nenhum carro atrás em velocidade alta. Mas é preciso lembrar que não existe desobediência ao sinal amarelo. O que o Contran diz sobre ele é apenas uma recomendação. Exatamente por não existir irregularidade, ninguém pode sofrer punição por atravessar uma via no sinal amarelo. É claro que na hora não temos tempo para cálculos, mas a partir de dados reais teremos uma ideia de como devemos nos comportar nessa situação. Estamos dirigindo tranquilamente e o sinal de trânsito à nossa frente passa do verde ao amarelo. O que é melhor? Acelerar e tentar passar antes dele ficar vermelho ou frear e parar sem avançar o sinal? Faremos os cálculos considerando o veículo novo Azera, motor V6, 3.0, 270 CV, da Hyundai, com combustível gasolina e fazendo uma hipótese que ele só pode se locomover em movimento uniforme ou uniformemente variado e sem computar valores de retomada de velocidade e outros dados importantes. De acordo com dados exibidos em testes da revista Quatro Rodas, em fevereiro de 2012 para esse veículo, temos:

• Variação de velocidade de 0 a 100 Km/h: tempo:9,9 s.

• Frenagem de 60 Km/h a 0: distância percorrida: 14,6 m.

Com base nesses dados, pode-se calcular e concluir que a aceleração deste veículo é igual a 2,79 m/s². Consideremos a seguinte situação: estamos dirigindo a 60 Km/h numa rua reta e plana, e o sinal de trânsito à nossa frente, passa de verde para amarelo. Consideremos ainda, que ele permaneça no amarelo por 3,0 segundos. O tempo de reflexo varia de pessoa para pessoa, mas vamos considerar um tempo médio igual a 0,8 segundos. Isto quer dizer que durante 0,8 s, sem que tenhamos nenhuma reação, pode-se calcular que o carro percorre 13,32 m sem nenhuma reação de nossa parte.

Temos então duas opções:

1. Se decidirmos frear, percorreremos 14,6 m (tabela 4 Rodas) + 13,32 m (considerando o tempo de reação) até parar. Isto significa que precisaremos de uma distância total igual a 27,92 m para conseguirmos parar sem ultrapassarmos o sinal.

2. Se decidirmos acelerar iremos fazê-lo por 2,2 segundos (3s que é o tempo de sinal amarelo - 0,8s, que é o tempo de reação). Nesse tempo o automóvel percorrerá a distância igual a 43,3 m. Isto quer dizer que; contando a distância que percorremos sem nenhuma reação (13,32m), podemos percorrer o total de 56,62m (13,32m + 43,3 m), ainda com o sinal amarelo.

Conclusão: para não avançarmos o sinal vermelho, nosso comportamento deve ser:

1. Se estivermos a menos de 27,92 m do sinal antes dele ficar amarelo, é melhor acelerar.

2. Se estivermos a mais de 56,62m do sinal, antes dele ficar amarelo, devemos frear.

3. Se estivermos entre 27,92 m e 56,62m podemos frear ou acelerar, pois de qualquer forma não ultrapassaremos o sinal vermelho.

No interior de nossos olhos há, entre outras, uma substância denominada transretinal, incolor e sensível à luz. Devido à energia da luz emitida no flash, a absorção de um fóton promove elétrons na ligação para um orbital de maior energia. Esta excitação quebra o componente da ligação dupla que é temporariamente convertida em uma ligação simples. Muda-se a geometria dessa substância para sisretinal, que reflete a luz vermelha. Durante essa fração de segundos, presenciamos a forma sisretinal, avermelhada e instável, que retorna logo em seguida à sua forma original, transretinal. Por isso, nossos olhos parecem avermelhados numa foto com flash.

O conceito de energia é de fundamental importância na Física e no corpo humano pois, todas as nossas atividades envolvem trocas de energia. O corpo utiliza a energia extraída da alimentação para manter em funcionamento seus vários órgãos, manter a temperatura constante e realizar trabalho externo. A conservação de energia no corpo humano obedece à 1ª Lei da Termodinâmica: ela mostra que a variação da energia interna, ou armazenada pelo corpo é igual à diferença entre o calor trocado com o ambiente e o trabalho realizado. Estimativas de perdas de calorias:

a) Somente fazendo caminhada.

Considerando um consumo médio de 3,80 Kcal/min. para uma caminhada, o consumo de oxigênio de 0,76 litros/min., o trabalho é de 265 W, considerando que 1 g de gordura libera 9,3 Kcal. Efetuando-se os cálculos, para perder 10 Kg em um mês desprendendo 3,8 Kcal/min., teríamos que caminhar 13 h e 30 minutos por dia!

b) Somente por dieta.

Com um plano de redução de 1 000 Kcal /dia, falta essa suprida pela queima de gordura, ainda assim precisaríamos de aproximadamente três meses para a perda de 10 Kg.

c) Somente por irradiação.

Calculando-se a diferença entre a potência irradiada pelo corpo e a absorvida daria uma perda irrelevante de 1 Kcal/min.

d)Somente pelo suor da pele.

Calculando-se a perda somente com o suor, chegaríamos a 0,5 Kcal/min., também um valor irrelevante.

e) Somente bebendo água gelada.

Considere a temperatura da água gelada em torno de 4º C e a do corpo humano cerca de 36º C. Então, quando você ingere o líquido gelado o corpo trabalha para aquecê-lo. Esse processo, chamado termogênese, gera aumento de consumo de energia, ajudando assim a promover a queima calórica. A queima calórica é pequena. Um copo de água gelada faz o organismo gastar cerca de 10 calorias para fazer o líquido ficar com a mesma temperatura corporal. Calcula-se que 8 copos de água por dia a 4º C, conseguem eliminar cerca de 100 calorias. Em um mês, neste processo perderíamos aproximadamente 3 000 cal.

O desgaste dos pneus é muito grande durante uma prova. Eles são mais largos apenas para se ter mais borracha para gastar, sem comprometer a segurança do carro e sem que se tenha que parar nos boxes a toda hora, para trocar pneus. É comum pensar que se trocando pneus mais estreitos por pneus mais largos, o atrito com o solo aumenta, mas o atrito não depende da

Você chegou ao final dessa amostra. para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de 100 Curiosidades da Física

3.8
5 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor