Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Tempo para todas as coisas

Tempo para todas as coisas

Ler a amostra

Tempo para todas as coisas

notas:
5/5 (4 notas)
Duração:
201 páginas
3 horas
Editora:
Lançados:
18 de mai. de 2017
ISBN:
9788526314849
Formato:
Livro

Descrição

De forma objetiva, usando de toda a sua desenvoltura bíblica e filosófica, Reynaldo Odilo Martins apresenta um estudo completo sobre um dos eventos naturais que mais inquietam o ser humano: O tempo.
Com uma linguagem objetiva e com amplo material bibliográfico, o texto de Odilo abrange aspectos da vida cristã, apologética e escatologia que ajudarão o leitor a tirar o melhor proveito do fenômeno tempo. Este livro é um ótimo aliado para os que querem entender e se afastar dos males deste século e desejam viver no centro da vontade de Deus, entendendo que o tempo Dele é O Perfeito.
Editora:
Lançados:
18 de mai. de 2017
ISBN:
9788526314849
Formato:
Livro

Sobre o autor


Relacionado a Tempo para todas as coisas

Livros relacionados

Artigos relacionados

Amostra do livro

Tempo para todas as coisas - Reynaldo Odilo

RN

CAPÍTULO 1

TEMPO PARA

TODAS AS COISAS

O tempo é a imagem móvel da eternidade imóvel.

— Platão

Um dos acontecimentos da natureza que mais inquietam o homem, sem dúvida, diz respeito ao fenômeno do tempo, pois ele traz consigo incógnitas insuperáveis ao ser humano, na medida em que Deus colocou no coração do homem não a temporalidade, mas a eternidade. Ou seja, a matéria submete-se à linha cronológica, temporal, mas a parte imaterial do ser humano anela um tempo sem fim — a eternidade. Nesse sentido, surge um conflito existencial, ontológico, bem identificado por Platão, o qual dizia que o homem, ao longo dos séculos, jamais se contentou — e jamais se contentará — em dar a si mesmo o estatuto da transitoriedade e da corruptibilidade.¹ Assim, o anelo humano é ter uma existência isenta de limitação temporal (a eternidade está dentro de si), mas acha-se submetido ao pesado jugo da finitude. Há milênios, muitos estudiosos se debruçam sobre o enigmático tema do tempo. Agostinho de Hipona, por exemplo, dizia que o tempo é um saber que se tem antes de se pensar nisso, e que logo se desconhece ao pensar-se o que é. Diante de tanta apreensão conceitual, com humildade, o filósofo Martin Heidegger, ao falar sobre o conceito do tempo em uma palestra proferida em 1924, afirmou que o teólogo é o verdadeiro especialista do tempo,² pois ele trata das coisas atinentes a Deus, o Senhor do tempo e da eternidade.

Assim, seguindo o conselho Heidegger, considerado um dos maiores pensadores do século XX, importante examinar o tempo sob a ótica da teologia. A primeira constatação é que o tempo disponível para cada pessoa deve ser entendido como uma dádiva de Deus, pois todas as coisas pertencem ao Senhor (Sl 24.1; Rm 11.36), inclusive o tempo. Ora, uma vez que o homem não pode produzir, ou reter, um único momento do seu tempo, isso, obviamente, não pode lhe pertencer. Dessa forma, existe equívoco em dizer estou usando meu tempo para trabalhar, ou meu tempo é muito precioso, pois essas frases possuem um problema de raiz, haja vista não se pode atribuir a si o que é de Outrem. Aliás, deve soar cômico, tanto diante dos anjos quanto dos demônios, quando os humanos sempre fazem reivindicações quanto às suas posses temporais, pois sabem que os seres humanos, na essência, não possuem absolutamente nada.

A. W. Tozer afirmou:

Os pronomes meu e minha parecem perfeitamente inocentes quando impressos no papel, mas o seu emprego constante e universal é muito significativo. Expressam a natureza real do velho homem adâmico melhor do que mil volumes de teologia. São sintomas verbais de nossa alma enferma.³

Muitas pessoas demonstram essa natureza do velho homem adâmico no dia a dia, pelo modo como vivem, pois fazem o que querem, do jeito que querem, na hora que querem, sem se preocuparem com a opinião de Deus a respeito. A Bíblia, porém, recomenda que o tempo seja bem administrado, porquanto os dias são maus (Ef 5.16).

O tempo existe para, dentro dele, cumprirmos os propósitos do Senhor na Terra (Ec 3.1). Não pense que, ao servir o Senhor ou ajudar o próximo, presta-se um favor a Deus, pois isso é obrigação de todos. Erra-se quando não se veem as coisas da forma correta, acreditando que, por exemplo, duas horas no culto de domingo já está de bom tamanho; marca-se, então, um feito no tópico Deus na lista de afazeres da semana. Ledo engano.

É preciso, portanto, enxergar a vida sob a inexorável expectativa da transitoriedade da existência. Quando se aprende a morrer, aprende-se a viver,⁴ afirmou o professor americano Morrie Schwartz que, depois de longos anos lecionando brilhantemente em uma universidade americana, recebeu um diagnóstico médico que informava que ele morreria em pouco tempo, por conta de uma doença degenerativa incurável. Em seus últimos agonizantes dias, ele reconheceu que era difícil pensar nas coisas mais importantes da vida quando a morte parece longe. Esse sentimento, disse ele, leva-nos a vivermos tão envolvidos em objetivos egoístas, os mais diversos, que não temos tempo de dar uma parada, e olhar para trás... para perguntar a nós mesmos, se esse é o sentido da vida.

Schwartz teve esse esclarecimento nos momentos finais de sua existência. Graças a Deus que ele reavaliou seus conceitos. E mudou. A maioria dos homens, porém, pensa que ainda tem muito tempo para fazer essa reflexão e modificar a maneira de avaliar as coisas. Será?

I. O Tempo e suas Implicações

No princípio, antes de Deus criar o céu e a terra (Gn 1.1), já existia a vida, o Verbo (Jo 1.1). A matéria surgiu em um tempo posterior, mas a Vida pulsa desde a eternidade. Tal pensamento é corroborado por C. S. Lewis:

Está claro que jamais houve tempo em que nada existisse; de outra forma nada existiria agora. Mas existir significa ser um Algo positivo, possuir (metaforicamente) certa forma ou estrutura, ser isto e não aquilo. A Coisa que sempre existiu, isto é, Deus, teve então sempre seu próprio caráter positivo.

O Eterno, ao estabelecer o mundo, simplesmente criou a oportunidade para que todas as coisas viessem a exigir e fossem realizadas conforme o seu propósito, outorgando, porém, aos homens, por amor, o livre-arbítrio no tempo. Ou seja, Deus deu ao homem a capacidade de decidir o tempo e o modo de fazer as coisas, pois Ele não queria que a raça humana fosse composta de seres autômatos, mas de pessoas inteligentes que o amassem e seguissem pelo caminho da vida. Assim, o Senhor é aquele que faz com que todas as coisas aconteçam no ‘seu tempo’ e dá um propósito a tudo.

Na eternidade, onde Deus habita (Is 57.15), porém, não há um tempo para todas as coisas. Tempo para todas as coisas acontece somente debaixo do sol. Deus, o Pai da eternidade (Is 9.6), tem o tempo em suas mãos. Sob suas ordens, o tempo pode retroagir — como no caso de Ezequias e o relógio de Acaz; parar — como no episódio de Josué, quando o sol e a lua pararam; ser abreviado — como é a situação dos dias finais (Mt 24.22). Não há limites para Ele.

A origem do tempo (chronos)

A Bíblia não esclarece detalhes de como aconteceu procedimentalmente a Criação, mas há, pelo menos, um aspecto importante revelado: não houve matéria anterior a este mundo visível (Hb 11.3). Assim, tem-se que Deus não produziu o universo a partir de um modelo atômico pretérito, mas fez tudo pelo poder de sua palavra. O Senhor, por sua multiforme sabedoria, estabeleceu uma ordem de coisas tangíveis, incomparavelmente maravilhosa e harmônica, por meio, inicialmente, de sua determinação: haja luz (Gn 1.3).

A partir do século XX, com o surgimento da teoria do Big Bang, a maioria dos cientistas passou a defender que o universo teve um marco inicial há mais de 13 bilhões de anos, quando um átomo primordial teria explodido, dando origem a tudo, porém inexistem dados aferíveis cientificamente que comprovem a hipótese do Big Bang. Com isso, os homens ímpios procuram justificar um universo sem Deus, para tirar toda a angústia de questionamentos irrespondíveis. Aliás, ao longo dos milênios os homens têm procurado desesperadamente encontrar respostas às três perguntas mais intrigantes da existência: Qual a origem de tudo — de onde vim? O destino de todos — para onde vamos? Sobre a natureza humana — quem sou eu?

Durante milênios se acreditou numa teoria chamada geração espontânea (abiogênese), segundo a qual a vida surgiu espontaneamente, a partir de qualquer ser inanimado, da mesma forma que o mofo aparece. Inacreditável!

Sobre o passado remoto, a palavra profética pouco pontifica; apenas diz que pela fé entendemos que o mundo foi formado pela ordem de Deus; e que aquilo que se vê não foi feito daquilo que se vê! (Hb 11.3 NBV). Entretanto, quanto ao futuro, existe uma expectativa que se pode afirmar com convicção; é a de que, quando chegar o fim do mundo, haverá um grande estrondo de proporções cósmicas, quando os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra e as obras que nela há se queimarão (2 Pe 3.10).

A importância do tempo

O Senhor formou o tempo para, dentre outras coisas, estabelecer ciclos para todas as suas obras formadas (Gn 1.14), bem como para que o homem, a obra-prima da criação, pudesse, no tempo, buscar a Deus (At 17.26,27).

No tempo determinado, Deus entrou no tempo para poder tocar nos homens, por meio da encarnação de Jesus — era essa a única possibilidade de Deus existir no sentido histórico, por um tempo, para que os seres humanos pudessem entrar na eternidade, onde não existe tempo (chronos).

O plano da redenção do homem, portanto, incluía, desde a eternidade, essa invasão no tempo, para que por Ele os homens olhassem nos olhos de Deus, e pudessem aprender a se amar mutuamente, como Ele amou os homens. Deus precisava ser não apenas o conselheiro, mas, sobretudo, o Deus conosco (Is 7.14), socorro bem presente (Sl 46.1). A salvação, por isso, foi outorgada no tempo, pois fora do tempo o homem estaria também fora de combate e, portanto, condenado.

II. Deus e o Tempo

A atemporalidade de Deus

A Bíblia afirma que Deus é atemporal, pois habita na eternidade (Is 57.15), e que Ele é Deus de eternidade a eternidade (Sl 90.2), ou seja: Ele não teve início, nem terá fim. O pastor Claudionor de Andrade assim diz:

Sendo o tempo a duração relativa das coisas, geramos a noção de presente, passado e futuro: um período continuo no qual se sucedem os eventos. Deus, porém, é o que é. Ele não está sujeito a qualquer sucessão de dias ou séculos. Presente, passado e futuro são-lhe a mesma coisa. Logo, somente o Eterno poderia criar o tempo.

[...] O Criador não se acha limitado quer pelo tempo, quer pelo espaço; a criação, sim. Até mesmo os anjos acham-se codificados temporal e espacialmente, pois não podem estar em dois lugares ao mesmo tempo.

No mesmo sentido, o pastor Silas Daniel arremata:

Deus não tem que se apressar no decurso do tempo deste Universo, assim como um autor não está sujeito ao tempo imaginário do romance que escreve. Deus tem uma atenção infinita para dispensar a cada um de nós. Não tem que lidar conosco em conjunto. Você está tão a sós com Deus como se fosse o único ser que Ele criou. [...] Deus, creio, não vive absolutamente numa sucessão temporal. [...] Porque Ele é a sua própria vida.

Desta forma, não estando sujeito aos paradigmas temporais, surge um problema: como compreender Deus? Os saduceus, que eram teólogos eruditos, questionaram a Jesus sobre coisas da eternidade com falsas premissas temporais. Por tal razão, Jesus os repreendeu por não conhecerem as Escrituras e disse que para o Eterno os patriarcas ainda estavam vivos (Mt 22.31,32), pois o Senhor é Deus de vivos e não de mortos. Um simples argumento de quem conhece a eternidade desmontou um elaborado raciocínio humano, como sói acontecer.

Doutra banda, a atemporalidade do Senhor também impossibilita que a existência de Deus seja provada, ou negada, pois sua existência não pode ser submetida a uma investigação científica. Entretanto, como o que é finito pode compreender o Infinito? Impossível. O Altíssimo entrou no âmbito do espaço, da matéria e do tempo (chronos), por um pouco de tempo, para que os seres humanos vissem, contemplassem e tocassem da Palavra da Vida (1 Jo 1.1,2), e assim fossem conduzidos à salvação. Entretanto, Jesus voltou para o céu e, mais uma vez, os homens ficaram sem ver a face de Deus. Deixou, porém, o seu Espírito para conduzir a Igreja a toda a verdade.

Relacionando-se, no tempo, com Alguém atemporal

A partir de Jesus, os homens puderam ver, enfim, a face de Deus (Jo 1.14). Entretanto, o relacionamento com o Salvador trouxe muitos embates. Os discípulos se desgastaram emocionalmente, dentre outras coisas, por estarem se relacionando com Alguém para quem o passar do tempo não tinha a mínima importância. Estava acostumado com a eternidade. Ao abordar o tema, Champlin arremata:

[...] os teólogos gostam de dizer que Deus vive fora do tempo, noção essa que sempre fez parte de sua transcendência. Porém, um Deus imanente precisa envolver-se no tempo e nas mudanças. [...] se a temporalidade de Deus combina mais com explicações finitas de seu ser, mesmo assim é possível imaginarmos um Deus transcendental que vive fora do tempo [...] mas cujas manifestações ocorrem dentro do tempo [...].

Assim, sendo Deus transcendental, a questão do tempo não se apresenta relevante para Ele; porém como o Senhor, imanente, relaciona-se com o homem no tempo, surge um conflito: O que é de suma relevância para os homens — o tempo — para Deus consubstancia-se em algo completamente não influente. Tanto é dessa forma que a Bíblia vaticina que um dia para o Senhor pode equivaler a mil anos para os homens (2 Pe 3.8) ou como dizia o salmista que mil anos são, para Ele, como o dia de ontem ou a vigília da noite (Sl 90.4). Na verdade, a Bíblia não estava informando sobre um paralelo entre o tempo para Deus e para os homens (um dia no céu corresponderia a mil anos na Terra), mas demonstrando que são duas dimensões distintas e independentes e, por isso, os ciclos vitais funcionam de modo diferente.

O tempo, assim, está em Deus (da mesma forma que um dia cabe em mil anos), mas Deus não está adstrito, preso, ao tempo cronológico (como mil anos não estão contidos em um dia). Tommy Barnett diz:

Deus sabe de todas as coisas antecipadamente. Por isso, o fator determinante dentro da realização de sua vontade em nossas vidas vai além de nossa compreensão. Na avaliação das coisas, dizem alguns, é como se estivessémos assistindo a um desfile através do buraco de um muro. Vemos os pelotões e os carros passarem um a um. Deus, porém, encontra-se numa parte mais alta e pode ver o desfile por inteiro do começo ao fim, de uma só vez. Para o Deus eterno, o desfile completo da história é agora.

É difícil para mim, que vivo totalmente neste mundo de tempo e sequência e de eventos, entender o tempo de Deus. Contudo, sei

Você chegou ao final dessa amostra. Cadastre-se para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de Tempo para todas as coisas

4.8
4 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor