Comece a ler

Autoajuda, educação e práticas de si: Genealogia de uma antropotécnica

Notas:
430 páginas6 horas

Resumo

Neste livro, Dora Marín-Díaz ancora a autoajuda na milenar tradição das práticas dirigidas para o governo de si e dos outros. Valendo-se das teorizações de Michael Foucault e Peter Sloterdijk, entre outros, a autora não se preocupa em fazer uma crítica ao caráter comercial da literatura de autoajuda, mas mostra o seu papel nos circuitos dos dispositivos que sustentam e alimentam a racionalidade neoliberal, como é o caso do empreendedorismo, da competição, da performatividade, do consumo e da aprendizagem. Com isso, temos diante de nós uma relevante contribuição para o entendimento da literatura de autoajuda como um elemento decisivo nos dispositivos em que, e através dos quais, cada um busca ser bem-sucedido e feliz.

Leia no app do Scribd

Baixe o app gratuito do Scribd para ler a qualquer hora, em qualquer lugar.