Aproveite esse título agora mesmo, além de milhares de outros, com um período de teste gratuito

Apenas $9.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Start

Start

Ler a amostra

Start

notas:
5/5 (1 nota)
Duração:
337 páginas
4 horas
Editora:
Lançados:
Nov 11, 2013
ISBN:
9788542800746
Formato:
Livro

Descrição

Best-seller do The New York Times e do Wall Street Journal

O mundo mudou e, embora nenhuma das etapas para o sucesso possa ser pulada, elas podem ser encurtadas e aceleradas. É fácil viver no caminho da média, porque tudo o que você precisa fazer é ficar parado. O caminho sobre o qual esse livro fala, o da excelência, é mais desafiador. O medo poderá incomodá-lo, mas ele só faz isso quando você trabalha em algo realmente interessante.

START dá instruções práticas e eficazes para alcançar definitivamente sua satisfação pessoal e profissional. Não importa se você tem vinte ou sessenta anos, esse livro vai mudar a maneira como você vive seu trabalho e sua vida! Essencial para empreendedores e todas as pessoas que desejam se dedicar às suas verdadeiras paixões.
Editora:
Lançados:
Nov 11, 2013
ISBN:
9788542800746
Formato:
Livro

Sobre o autor


Relacionado a Start

Livros relacionados

Amostra do livro

Start - Jon Acuff

Colofão

1

VOCÊ ESTÁ AQUI

Se algum dia você voar pela Korean Air, fique de olhos fechados até chegar à classe econômica. Pode ser que você precise ir encostando aqui e ali, mas, acredite, essa inconveniência momentânea vale a pena. É melhor não ver como são os assentos da primeira classe.

O problema é que você entra pela frente do avião. Se seus olhos estiverem abertos, você imediatamente dá de cara com o país das maravilhas da aeronáutica. A primeira classe não é cheia de poltronas; é cheia de pequenos casulos de luxo. Eles têm suas próprias tocas para dormir e descansar, isolados, durante o voo de dezesseis horas. E, se você vir essas cúpulas do prazer a caminho de sua poltrona, vai ficar arrasado.

Para que você entenda exatamente o que acontece enquanto passa pelas diferentes classes de assentos, a Korean Air atribui códigos de cores às poltronas. As cúpulas do prazer da primeira classe são estofadas em um tecido lilás que parece querer aconchegá-lo e sussurrar: Você não queria que esse voo durasse mais?. A próxima classe de assentos é azul-clara, como a cor de um avental que você compraria nessas lojas de cozinha depois de ter sido atraído para dentro pelo cheiro de muffins. A classe executiva é em azul-escuro, séria, mas ainda confortável. Finalmente, no fim do caminho das cores – e no fundo do avião – você chega à classe econômica, ao seu assento, que é marrom, a cor da decepção.

Outra coisa que seria bom que você soubesse, caso esteja voando para a Ásia, é que o Vietnã não é perto da Coreia do Sul. Eu achava que eram uns cem quilômetros de distância e que, talvez, olhando pela janela do aeroporto em Seul, eu conseguiria ver o Vietnã do outro lado. Eu estava errado.

Depois de dezesseis horas viajando de Atlanta para a Coreia do Sul, tivemos que voar mais seis horas de Seul para Hanói. Então embarcamos em um trem noturno para o interior do país. Não sei se havia poltronas de primeira classe azulzinhas disponíveis naquele trem, mas sei que não era nelas que estávamos sentados. O banheiro coletivo era só um buraco de metal no chão que dava direto nos trilhos. Achei até divertido. Minha mulher achou outra coisa.

Após uma noite inteira sacolejando através de montanhas iluminadas pelo luar, chegamos a Sapa. De lá, dirigimos outras sete horas em estradas de terra à beira de abismos. Imagine a estrada mais perigosa que você já esteve, tire as muretas e acrescente búfalos.

Finalmente, após horas de uma paisagem de tirar o fôlego, pontuada por momentos de puro pânico, deparamo-nos com algo que eu jamais esperaria ver: motoqueiros franceses.

Minha confusão inicial foi por eles não estarem em bicicletas de dez marchas dos anos 1960, com baguetes nas cestinhas, e por nenhum deles estar de boina. (Tudo que eu sei sobre a França aprendi em quebra-cabeças).

Emperiquitados com equipamentos de segurança que pareciam apocalípticos e com uma camada de poeira equivalente a uma semana, eles estavam obviamente longe de casa. Perdidos no mais profundo nada que eu já tinha visto, os motoqueiros gesticulavam para alguns aldeões vietnamitas amontoados em torno de um mapa aberto no guidão de uma de suas motocicletas.

Paramos no acostamento para ajudá-los a achar seu próximo destino. Steve, um americano que tinha vivido dezoito anos na Ásia, olhou pela janela do ônibus para o mapa dos motoqueiros.

Nossa, ele disse para Hua, nosso motorista vietnamita, este mapa é incrível. Olha como é detalhado! A gente devia ter um desses.

Então ele fez uma pausa um pouco antes de baixar seu vidro e disse: Mas, no fim, nem o melhor mapa do mundo ajuda se você não sabe onde está.

* * *

Steve tinha razão. Sem um ponto de origem, até o melhor mapa é inútil. Se você abrir o GPS em seu celular agora e tentar achar uma rota, a primeira coisa que ele vai perguntar é onde você está. O Google Maps não pode te dizer como atravessar o estado, nem mesmo como atravessar a rua, sem um ponto de origem. Mas a maioria de nós, quando chega a hora de entender para onde estamos direcionando nossas vidas, nunca para e faz a pergunta mais simples: Onde estou?.

Nós simplesmente seguimos em frente, dia após dia, baia após baia, cada vez mais rápido, porém chegando a lugar nenhum. Eventualmente, no fim de nossas vidas, começamos a fazer alguns questionamentos. Finalmente paramos tempo suficiente para reexaminar nossas decisões e quem sabe até fazer perguntas difíceis a jovens autores de monocelhas em aviões.

Foi o que uma vovó de setenta e poucos anos fez comigo em um voo de Dallas a Baltimore. Ela estava voltando de uma viagem de jogatina em Reno com sua irmã. Eram duas senhoras ativas, que riam e brincavam uma com a outra no fundo do avião. Durante o voo, dei a ela uma cópia do meu livro Quitter. Juro que não faço isso sempre. Não uso calças cargo com os bolsos cheios de livros e digo, "Gente, o que é isso? Como isso veio parar no meu bolso? Que loucura! É meu livro best-seller da lista do Wall Street Journal! Vou autografar para você, mas, por favor, nada de fotografia com flash. Resseca meus poros".

De qualquer forma, nós estávamos conversando sobre vida e sonhos, e, dar a ela uma cópia de Quitter, que fala das duas coisas, parecia algo natural.

Depois de ter lido por uma hora, ela se inclinou na minha direção para se fazer ouvir apesar do barulho do motor e me fez uma pergunta para a qual eu não estava preparado.

O que você faz quando acabam todas as suas desculpas para não ir atrás de seus sonhos? O que você faz?

Havia tristeza em suas palavras. Uma sensação de medo e resignação que parecia sugar toda a alegria da animada viagem de fim de semana com a irmã. E, mais triste ainda: eu não tinha como responder a ela. Não sabia a resposta, mas sabia que havia uma.

Tinha que haver, porque eu não queria que você ou eu chegássemos aos oitenta ou noventa anos e percebêssemos que comprometemos os melhores anos de nossas vidas fazendo algo que não era para nós. Não queria olhar para trás e me perguntar para onde minha vida foi.

Isso aconteceu comigo uma vez quando eu tinha trinta anos. Através de uma série de decisões ruins, eu finalmente acordei um dia em uma baia e me dei conta de que tinha estado no piloto automático nos últimos dez anos da minha vida. E sabia que isso aconteceria de novo se eu não tivesse cuidado.

Percebendo onde havia me metido, comecei a escrever sobre a pergunta daquela senhora. Escrevi cinquenta mil palavras tentando encontrar a resposta, contudo, como a maioria das coisas na minha vida, ela apareceu quando eu olhava para o outro lado.

Uma tarde, em um encontro com um amigo, comecei a dissecar a vida de Dave Ramsey em uma lousa. Ele já era um autor e homem de negócios incrivelmente bem-sucedido, coisa que eu também quero ser. Estava curioso sobre como ele tinha conquistado tanta coisa. Quando comecei a mapear a trajetória da vida dele, fiz uma descoberta bem simples sobre o que é preciso para ser incrível. Não é complicado nem raro; na verdade, desde o início dos tempos, todas as vidas incríveis atravessaram os mesmos cinco estágios:

1. Aprendizado

2. Foco

3. Domínio

4. Colheita

5. Orientação

Como um simples mapa da vida, esses são os cinco estágios na estrada que leva à grandeza. E, até recentemente, eles batiam certinho com sua idade.

COM VINTE ANOS, VOCÊ VIVIA NO APRENDIZADO.

Você foi ou não para a faculdade e arrumou um emprego. Tentou várias coisas e se arriscou. Você ainda não sabia bem quem era, então tentou vários empreendimentos e fez o que pôde para aprender mais sobre si mesmo, sobre o mundo à sua volta e sobre onde você se encaixava melhor.

AOS TRINTA ANOS, PASSOU PARA O FOCO.

Você começou a se concentrar naquele punhado de coisas que funcionaram bem quando estava na casa dos vinte. Você não parou de aprender, mas começou a focar nas coisas que pensava serem mais importantes. Priorizou suas paixões. Eliminou velhos hábitos não deram certo aos vinte e se concentrou em fazer mais coisas que ama e menos coisas que odeia. Foi um período de separar o joio do trigo. Você focou em sua carreira, em relacionamentos e em todas as partes de sua vida.

NA CASA DOS QUARENTA, SUBIU PARA O DOMÍNIO.

Você melhorou suas competências e as ajustou às coisas mais importantes na fase dos trinta anos. Então chegou a hora de dominá-las. Você ia ser um pai ou mãe incrível, um amigo incrível, um empregado incrível etc. Você não limitou mais sua vida; só tinha uma maior certeza sobre o que fazia bem e como fazê-lo regularmente. Não era mais o jovem em ascensão no trabalho; era aquele com quinze ou vinte anos de experiência. Testado e aprovado. Começou a liderar projetos e iniciativas maiores. Ainda não era um expert, mas era o próximo da fila.

AOS CINQUENTA, APROVEITOU SUA COLHEITA.

As sementes que você plantou aos vinte, trinta e quarenta anos começaram enfim a dar frutos. Você ganhou mais dinheiro em sua carreira durante essa década e colheu o que plantou. Não houve mistério algum. Se você passou as casas dos trinta e quarenta anos trabalhando duro para ser considerado um especialista em sua área, você obviamente teria mais oportunidades de emprego do que se tivesse pulado de vaga em vaga 47 vezes e culpado seus chefes por não reconhecerem o seu talento. Se você deliberadamente se dedicou aos relacionamentos aos vinte, trinta e quarenta, adivinhe? Você colheu relações abundantes aos cinquenta anos. Quando seu filho universitário bateu o carro, você recebeu uma efusão de apoio e amor. Muitas pessoas foram ao hospital, e alguém provavelmente até levou uma comidinha caseira.

COM SESSENTA, ENTROU EM UMA ÁREA DE ORIENTAÇÃO.

Você se aposentou com um relógio de ouro e uma chácara na Flórida. Tornou-se avô ou avó. Você era o mais velho, o guardião da sabedoria. Teve que retribuir generosamente às pessoas que estavam trilhando pelo caminho por onde você andou por mais de quarenta anos.

Se você queria atingir a grandeza, foi essa a rota que seguiu. Dezenas de milhares de pessoas já provaram que o caminho é esse.

Mas se é tão fácil seguir esse caminho, se os passos são tão claramente marcados, por que tantas pessoas não o seguem? Bem, a má notícia é que esta não é a única rota no mapa. E, como uma trilha no meio das montanhas, o caminho para a grandeza é muito mais estreito do que a outra estrada, mais comum.

Bilhões de pessoas já viajaram e continuam a viajar por esse outro caminho, que fica mais largo a cada dia. O terreno é propício – até mesmo gramado – e depois de uma breve subida, ele continua, seguro e constante, ladeira abaixo, quando a maior parte das pessoas se permite acionar o piloto automático.

Parece bom. Não é preciso muito esforço. O problema é que, nesta estrada larga, você não termina incrível. Só termina velho.

Esta estrada é chamada de média.

A parte complicada é que as duas rotas começam no mesmo lugar. E as duas terminam em Colheita e Orientação. A diferença-chave é que, se você trilhou a rota da grandeza, a Colheita é abundante e você guia outras pessoas por seus próprios caminhos de abundância. Se, por outro lado, você ligou o piloto automático na estrada mediana, sem nunca ousar acreditar que pudesse aprender, focar e dominar seu quinhão de grandeza, terá uma colheita que nem você nem ninguém deseja. E então irá orientar, mas, em vez de iluminar o caminho da grandeza para os outros, se tornará um farol indicando as pedras nas quais despedaçou sua vida.

Mesmo que não se esforce como meus antigos vizinhos faziam, sempre haverá alguém que vai falar de você em voz baixa, como se você tivesse uma casa mal-assombrada ou uma fornalha imensamente grande no porão, que nem no filme Meus vizinhos são um terror. Você quer saber como os meus vizinhos fizeram?

Eles ficaram tão amargos que decidiram passar o tempo assegurando-se de que qualquer bola ou frisbee que surgisse em seu gramado fosse rapidamente confiscado e catalogado. Depois de alguns anos sugando todos os brinquedos da vizinhança, levaram meu amigo Marc ao tribunal e apresentaram todas as evidências. Imagino a cara dos jurados quando se depararam com bolas etiquetadas com datas.

É isso que você quer que sua vida se torne? CPI da Bola? Nem eu. Então por que a maioria das pessoas decide fazer o caminho da média?

A verdade é que eles não decidem. A única coisa que você precisa fazer no caminho da média é não morrer.

Você se forma no ensino médio ou na faculdade e entra em ponto morto. Claro, pode ser que você não esteja indo tão rápido, mas está fazendo muitos quilômetros por litro de gasolina e alcançando algum progresso, se é que isso pode ser chamado assim. Você certamente está ficando mais velho e isso quer dizer alguma coisa, não quer? Com a idade vem a sabedoria? Não necessariamente. Especialmente no piloto automático. No fim, você vai seguir a inércia até sua cova.

O caminho da média é o mais fácil dos dois caminhos, e é perigosamente confortável. Passei muito anos nele sem perceber.

O caminho da grandeza?

Também é perigoso, mas do tipo bom. O tipo de perigo que grandes conquistas precisam atravessar. Nele há montanhas altas, pedras e um eventual dragão. Você vai sangrar, sua disciplina será testada e seus sonhos desafiados mil vezes. Mas, ahhhh, é incrível. E esse é o pulo do gato: quando eu digo que é incrível, não quero dizer que pode ser incrível. Ele é incrível!

Eu nunca escreveria um livro dizendo: Em quarenta anos, você conseguirá frutos impressionantes em sua vida se aguentar o tranco por quatro décadas. Não quero uma vida assim. Por que deveria convencer você de que precisa de uma?

A GRANDEZA ESTÁ MAIS DISPONÍVEL DO QUE NUNCA

A chance e a velocidade com que você pode alcançar a grandeza nunca foram maiores. Três forças da natureza colidiram para criar uma tempestade que acontece uma vez por século e é ainda maior do que aquela na qual Patrick Swayze surfou no fim do filme Caçadores de emoção. (Procure no Google.)

1. A APOSENTADORIA ESTÁ MORTA.

A mãe do meu amigo Luke foi professora na mesma escola por 28 anos. Ela ia acabar se aposentando, porque era isso que se fazia: você trabalhava em um lugar, confiava na Previdência Social e então se aposentava confortavelmente em uma casa, cujo valor havia sido financiado ao longo de algumas décadas. Aí ela foi demitida. De repente, como milhões de pessoas na casa dos quarenta e cinquenta, ela se viu forçada a encarar a difícil tarefa de começar uma nova carreira, ou o que as pessoas têm chamado de bis profissional. Com mais de cinquenta anos, ela tinha que ter vinte de novo. Mas, ela não está sozinha. Em 2011, 20% dos novos empreendedores tinham idade entre 55 e 64 anos.¹

O mercado pode se recuperar, mas os ideais, não. Governo, empresa, casa. Você não pode contar com eles para aquecê-lo quando chega aos sessenta e está pronto para hibernar. Além disso, especialistas acreditam que a idade para se aposentar deve ser esticada até setenta ou oitenta anos. São décadas além da linha de chegada cruzada pelo avô da minha esposa. Para a geração que está na casa dos cinquenta, isso significa começar de novo. Para a que tem trinta ou quarenta anos, significa almejar uma linha de chegada completamente diferente. A aposentadoria está morta.

2. QUEM MANDA É A ESPERANÇA.

Você sabe quantas pessoas da minha turma, que se formou em 1998, lançaram projetos para construir poços na África? Sabe quantas perguntaram qual porcentagem de sua compra estava indo para o Haiti? Sabe quantas usavam sapatos TOMS? A resposta em todos os casos é zero. Mudar o mundo era algo com que as pessoas se importavam às vezes, não na hora, e livros brilhantes refletem isso. Em Halftime, Bob Buford disse há 50 anos que, depois das pessoas passarem a primeira metade de suas vidas focadas no sucesso, era hora de passarem a segunda metade focadas em mudar o mundo. Se você disser hoje a alguém de 22 anos que antes de mudar o mundo é preciso trabalhar por vinte anos, ele vai rir de você. A Geração Y e a Geração X, inspiradas pela mudança cultural, querem significado agora. Quem manda é a esperança.

3. QUALQUER UM PODE JOGAR.

Em 2000, paguei a um designer dois mil dólares para construir um website. Ele cobrava por página e tinha aprendido a desenvolvê-las lendo um livro. Um livro! Não é fascinante? Nós achávamos que a alvorada da internet tinha acabado com todos os guardiões da informação. Não acabou. Só introduziu novos. Como desenvolvedores, designers e especialistas em mídias sociais. No entanto, estes dias estão contados. Mães ganham milhões com blogs. Adolescentes criam negócios no Facebook. Pessoas constroem impérios no Pinterest. Especialistas ainda existem, mas a tecnologia está enfim disponível para todos. Qualquer um pode jogar.

Não sou um futurólogo. Sou um presentólogo, que nem é uma palavra de verdade, porém soa mais convincente do que imediatista. Essas três forças que descrevi não estão no horizonte. Elas são o horizonte; para você, para mim e para qualquer um que esteja disposto a fugir da média.

Como resultado, você pode ser mais incrível, com mais frequência e muito mais velocidade hoje.

A revolução da internet não acabou. Ela mal começou. E uma das maiores coisas que fez foi encurtar radicalmente o caminho para você alcançar seus sonhos.

Enquanto os cinco estágios da grandeza se mantiveram por décadas, alcançar seus sonhos costumava ser uma conquista para depois da meia-idade. Você tinha que ganhar experiência, além de dinheiro, reputação ou graduações de instituições onde se joga squash. O caminho para a grandeza levava décadas e havia pouco a se fazer para encurtá-

-lo. Todo mundo precisava dedicar seu tempo.

A internet, especialmente as mídias sociais, mudou isso. Você só precisa encontrar seu ponto de partida e se manter no caminho certo.

Em 2008, comecei um blog na minha cozinha. Não tinha um layout especial. Não tinha nenhuma foto. Não tinha nenhuma habilidade tecnológica que me tornasse um candidato ideal para as mídias sociais. Usei o template grátis do Blogspot, e nem tive uma ideia original. Havia outro blog chamado Stuff White People Like [Coisas que os Brancos Gostam]. Era uma sátira. Achei que seria engraçado fazer uma versão cristã do site. Então fiz, achando que me entediaria em uma ou duas semanas e partiria para outra. Afinal, as outras cinquenta URLs horríveis que eu tinha registrado não deram em muita coisa. Word-Ninja.com não foi a lugar nenhum.

Contei a cem amigos sobre o site e comecei a escrever parágrafos bobos. Em seu oitavo dia de existência, quatro mil pessoas do mundo todo apareceram para ler. Os cem amigos tinham passado o link para cem amigos que passaram o link para cem amigos que acabaram falando para o pessoal de Cingapura ler.

Você consegue ao menos imaginar como eu teria compartilhado minhas ideias com quatro mil pessoas em oito dias, de graça, há trinta anos? O que eu faria? Marketing porta a porta? Bateria na porta das pessoas dizendo: "Oi, tenho umas ideias sobre quão estranho é que algumas pessoas abracem de frente enquanto outras abraçam de lado. É meio ‘eu gosto de você o suficiente para oferecer um braço, mas não vamos enlouquecer de vez e

Você chegou ao final dessa amostra. Cadastre-se para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de Start

5.0
1 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor