Aproveite milhões de e-books, audiolivros, revistas e muito mais, com uma avaliação gratuita

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

A Psicologia Por Trás de Um Crime: Efeito de Consequências e Regras na Obediência às Leis
A Psicologia Por Trás de Um Crime: Efeito de Consequências e Regras na Obediência às Leis
A Psicologia Por Trás de Um Crime: Efeito de Consequências e Regras na Obediência às Leis
E-book144 páginas4 horas

A Psicologia Por Trás de Um Crime: Efeito de Consequências e Regras na Obediência às Leis

Nota: 0 de 5 estrelas

()

Ler a amostra

Sobre este e-book

Por que as pessoas praticam crimes? Por que alguns indivíduos comportam-se de acordo com a lei e outros optam por transgredi-la? O que, então, controla o comportamento dos criminosos? O livro A psicologia por trás de um crime: efeito de consequências e regras na obediência às leis propõe-se a buscar respostas para essas indagações, relacionando princípios básicos da Psicologia Comportamental com o Direito, mais precisamente o Direito Penal.

O diálogo entre as áreas do saber propicia um panorama mais aprofundado sobre a vontade do agente na prática de um crime. Por isso, a leitura torna-se uma excelente fonte de conhecimento e percepção da conduta humana, tanto para os analistas do comportamento quanto para os operadores do direito.
IdiomaPortuguês
Data de lançamento16 de mai. de 2019
ISBN9788547326098
A Psicologia Por Trás de Um Crime: Efeito de Consequências e Regras na Obediência às Leis
Ler a amostra

Relacionado a A Psicologia Por Trás de Um Crime

Ebooks relacionados

Categorias relacionadas

Avaliações de A Psicologia Por Trás de Um Crime

Nota: 0 de 5 estrelas
0 notas

0 avaliação0 avaliação

O que você achou?

Toque para dar uma nota

A avaliação deve ter pelo menos 10 palavras

    Pré-visualização do livro

    A Psicologia Por Trás de Um Crime - Marina Rúbia M. Lôbo de Carvalho

    COMITÊ CIENTÍFICO DA COLEÇÃO CIÊNCIAS SOCIAIS

    Ao meu marido, amigo e parceiro,

    com quem divido muito mais do que cômodos de uma casa.

    AGRADECIMENTOS

    Agradeço aos meus pais e a minha família, em toda a sua extensão, pelo amor e incentivo constantes pra que eu seja sempre melhor e alcance sempre mais. Tenham certeza de que sou grata por todo o apoio e saibam que tudo o que eu faço é para que se orgulhem de mim. Amo vocês.

    Aos meninos e meninas do Laec, por cuidar dos meus experimentos, principalmente ao Ítalo Mendes, que coordenou tudo com cuidado e atenção. Sou muito grata por ter estado ao meu lado durante todo o doutorado.

    Ao meu querido orientador do doutorado, Lorismario E. Simonassi, pelo incentivo e atenção que somente encontramos em pessoas simplesmente extraordinárias.

    APRESENTAÇÃO

    Este livro busca analisar e oferecer explanação acerca de um dos elementos fundantes da criminalidade: a conduta do agente – por que as pessoas praticam crimes, mesmo cientes das leis e da punição existente? Apressadamente, seria conveniente afirmar que o agente pratica um crime pelo simples fato de que escolheu infringir a lei. No entanto o elemento volitivo seria suficiente para elucidar a questão? A Ciência Criminal é muito complexa para se contentar com resposta tão simplória. Na mesma linha, muito embora seja um campo mais propenso à análise subjetiva, a Psicologia também não admite uma explicação pouco profunda.

    Como professora de Direito Penal, senti a necessidade de esmiuçar ainda mais a motivação do infrator, dessa vez sob a ótica da Análise do Comportamento. Isso porque a Psicologia tem importante papel dentro da seara criminal, pois é fundamental conhecer os motivos que levaram à prática de uma infração penal. Não se busca aqui justificar a prática de um crime, mas sim entender o que pode levar alguém a cometê-lo, especialmente quando se abandona a roupagem predominantemente formalista do Direito Penal. É preciso levar em conta, sem dúvida alguma, o comportamento do agente e todos os fatores e variáveis que incidiram sobre sua conduta, sejam eles sociais, familiares, psicológicos, morais, econômicos, éticos, emocionais etc. Nenhuma política criminal pode ser efetiva se não souber analisar a conduta criminosa com um todo, como algo mutável, variável e tão individual.

    A norma do Direito e Análise de Comportamento da Psicologia: acredita-se que a conjugação e harmonização de duas vertentes tão relevantes do saber humano podem conduzir a formas mais eficientes de prevenção e punição do comportamento criminoso.

    Essa análise, embora fundada em dados técnicos e normas, foi pensada e escrita para ser de fácil compreensão, propiciando aos profissionais das duas áreas do saber uma leitura agradável e assimilável. Tenham uma boa leitura.

    A autora

    PREFÁCIO

    O Direito Penal no Brasil constitui-se importante ramo das Ciências Criminais que, somado a outras áreas do conhecimento, tais como Medicina Legal, Psiquiátrica, Psicologia, Antropologia, Sociologia e Criminologia etc., firma no conjunto da genealogia jurídico-estrutural mais um dos ramos do Direito Público Substantivo. Seu principal objeto é a paz social caracterizado pela incondicional proteção dos bens da vida, é Direito formal, histórico-cultural, dogmático, valorativo e, acima de tudo, sancionador.

    O móvel valorativo-sancionador do Direito Penal brasileiro decorre, em regra, da conduta humana típica, antijurídica e passível de culpabilidade, de modo que, o juízo de censura estatal produzirá seus efeitos, pelo menos teoricamente, sobre aquele ser humano penalmente considerado capaz (maior de 18 anos e hígido mentalmente).

    Souza¹ entende que Psicologia é a ciência que estuda o comportamento humano e seus processos mentais. Melhor dizendo, a Psicologia estuda o que motiva o comportamento humano – o que o sustenta, o que o finaliza e seus processos mentais, que passam pela sensação, emoção, percepção, aprendizagem, inteligência [...].

    Esta obra com título A psicologia por trás de um crime: efeito de consequências e regras na obediência às leis é fruto da tese de doutoramento de Marina Rúbia M. Lôbo de Carvalho, junto ao Programa Strito Sensu de Doutorado em Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de Goiás – PUC GO. Marina é professora e dedicada pesquisadora, de cujas bancas de doutorado (qualificação e defesa) tive a honra de participar.

    Adegmar José Ferreira

    Juiz de Direito titular da 10.ª Vara Criminal de Goiânia

    Pós-doutor pela Universidad Nacional de Córdoba - Argentina

    Sumário

    Introdução

    1 ORIGEM DA SOCIEDADE E DAS LEIS 

    1.1 DIREITO CONSUETUDINÁRIO 

    1.2 NORMA JURÍDICA E LEI 

    2 DIREITO PENAL 

    2.1 CONCEITO E FUNÇÃO DE DIREITO PENAL 

    2.1.1 Teorias Abolicionistas 

    2.1.2 Teorias Justificacionistas Absolutas e Relativas 

    3 NORMA COMO EVENTO DE PREVENÇÃO DE COMPORTAMENTOS 

    4 COMPORTAMENTO GOVERNADO POR REGRAS/CONTINGÊNCIAS 

    5 OS EFEITOS DA PUNIÇÃO SOBRE O COMPORTAMENTO HUMANO 

    6 JUSTIFICATIVA E OBJETIVO GERAL 

    Experimento I

    Método 

    Participantes 

    Material e Ambiente Experimental 

    Procedimento 

    Resultados

    Discussão 

    Experimento II

    Método 

    Participantes 

    Material e Ambiente Experimental 

    Procedimento 

    Resultados 

    Discussão 

    Experimento III

    Método 

    Participantes 

    Material e Ambiente Experimental

    Procedimento

    Resultados

    Discussão 

    Experimento IV

    Método 

    Participantes 

    Material e Ambiente Experimental 

    Procedimento 

    Resultados 

    Discussão 

    Experimento V

    Método 

    Participantes 

    Material e Ambiente Experimental 

    Procedimento 

    Resultados 

    Discussão 

    Discussão geral

    Referências

    ANEXO

    Introdução

    1 ORIGEM DA SOCIEDADE E DAS LEIS

    A sociedade é fruto de uma longa construção social e seu início remonta ao surgimento do próprio homem. Os primeiros homens eram nômades e se deslocavam em busca de alimento e abrigo. Há 10.000 anos, a maioria dos seres humanos vivia como caçadores-coletores. O acesso à grande quantidade de alimentos levou à formação de assentamentos humanos permanentes, à domesticação dos animais e à utilização de instrumentos metálicos, incentivando, assim, o comércio e a cooperação, o que mais tarde resultaria em sociedades complexas (Mazoyer & Roudart, 2010).

    Com o passar do tempo, um volume maior de indivíduos aderia a esses assentamentos ou clãs/tribos e, com isso, foi necessário organizar a vida em comum, o que significou estabelecer regras de conduta para garantir o mínimo de ordem, paz e a segurança de todos, como, por exemplo,

    Está gostando da amostra?
    Página 1 de 1