Aproveite milhões de e-books, audiolivros, revistas e muito mais, com uma avaliação gratuita

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Totem e tabu
Totem e tabu
Totem e tabu
E-book281 páginas5 horas

Totem e tabu

Nota: 0 de 5 estrelas

()

Sobre este e-book

Em "Totem e tabu", Sigmund Freud conduziu sua atenção para a antropologia e para a etnopsicologia, questionando quanto às origens e ao modo de transmissão de uma cultura. Freud via, nos homens primitivos, mecanismos semelhantes aos operantes no homem moderno e detectou dois fenômenos recorrentes nas tribos primitivas: a representação do pai primordial na forma do totem e o tabu do incesto. Por meio de uma "dedução histórica", Freud propõe a hipótese do "pai tirano", cujo assassinato pelos filhos estaria na base do sentimento de culpa, da exogamia e da religião.
IdiomaPortuguês
Data de lançamento16 de jul. de 2013
ISBN9788525430281
Totem e tabu
Ler a amostra

Leia mais títulos de Sigmund Freud

Relacionado a Totem e tabu

Ebooks relacionados

Avaliações de Totem e tabu

Nota: 0 de 5 estrelas
0 notas

0 avaliação0 avaliação

O que você achou?

Toque para dar uma nota

A avaliação deve ter pelo menos 10 palavras

    Pré-visualização do livro

    Totem e tabu - Sigmund Freud

    I

    O horror ao incesto

    Conhecemos os estágios evolutivos percorridos pelo homem pré-histórico por meio dos monumentos e utensílios inanimados que nos deixou, por meio das notícias de sua arte, sua religião e sua concepção da vida que recebemos diretamente ou pela via da tradição em lendas, mitos e contos de fadas, e por meio dos restos de suas maneiras de pensar existentes em nossos próprios usos e costumes. Mas, além disso, ele em certo sentido ainda é nosso contemporâneo; existem seres humanos que acreditamos estarem ainda muito próximos dos primitivos, muito mais do que nós, e nos quais, por isso, vemos os descendentes e representantes diretos dos homens de épocas anteriores. Esse é o nosso juízo sobre os povos denominados selvagens e semisselvagens, cuja vida psíquica adquire um interesse especial para nós se for lícito reconhecer nela um estágio prévio bem conservado de nossa própria evolução.

    Se essa hipótese for correta, uma comparação entre a psicologia dos povos naturais, tal como ensinada pela etnologia, e a psicologia do neurótico, tal como se tornou conhecida por meio da psicanálise, deverá indicar inúmeras correspondências e nos permitirá, tanto num campo quanto noutro, ver sob uma nova luz fatos já conhecidos.

    Por razões extrínsecas e intrínsecas escolho para essa comparação aquelas tribos que foram descritas pelos etnógrafos como os selvagens mais atrasados e mais miseráveis, os aborígines do continente mais jovem, a Austrália, que também em sua fauna conservou para nós tantas coisas arcaicas, extintas em outros

    Está gostando da amostra?
    Página 1 de 1