Aproveite milhões de e-books, audiolivros, revistas e muito mais, com uma avaliação gratuita

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Guerreiros não nascem prontos: A sabedoria dos grandes guerreiros pode ajudar você a conquistar seus sonhos!
Guerreiros não nascem prontos: A sabedoria dos grandes guerreiros pode ajudar você a conquistar seus sonhos!
Guerreiros não nascem prontos: A sabedoria dos grandes guerreiros pode ajudar você a conquistar seus sonhos!
E-book264 páginas4 horas

Guerreiros não nascem prontos: A sabedoria dos grandes guerreiros pode ajudar você a conquistar seus sonhos!

Nota: 3.5 de 5 estrelas

3.5/5

()

Ler a amostra

Sobre este e-book

INCLUI NOVO CAPÍTULO: O PODER DO INCÔMODO /POSFÁCIO - BRILHANTE

DESCUBRA COMO A SABEDORIA DOS GRANDES GUERREIROS PODE AJUDÁ-LO A CONQUISTAR SEUS SONHOS E EDUCAR SUAS CRIANÇAS

Este livro fala de lutas. Lutas que nos servem de exemplo, que nos ensinam estratégias. Lutas que mostram que não é fácil correr atrás daquilo que queremos. Mas nunca devemos nos ajoelhar perante o destino porque essa é, nas palavras de José Luiz Tejon, "a essência da alma forjada na têmpera forte dos grandes guerreiros".

Em Guerreiros não nascem prontos, Tejon leva ao leitor palavras inspiradoras, mostrando que o caminho para a realização não chega sem obstáculos. Tejon despertará o guerreiro em você, ajudando-o a fazer escolhas inteligentes, alinhadas com os valores da sua vida. Entre outros pontos da ética do guerreiro, aprenda aqui:

- Construa sua identidade
- Saiba o que você representa
- Não deixe que os outros o definam
- Aceite seus próprios desafios
- Não tenha medo de ser o primeiro

O livro vai que vai revolucionar sua carreira e sua vida.
IdiomaPortuguês
Data de lançamento5 de jun. de 2016
ISBN9788545200550
Guerreiros não nascem prontos: A sabedoria dos grandes guerreiros pode ajudar você a conquistar seus sonhos!
Ler a amostra

Leia mais títulos de José Luiz Tejon

Relacionado a Guerreiros não nascem prontos

Ebooks relacionados

Avaliações de Guerreiros não nascem prontos

Nota: 3.5 de 5 estrelas
3.5/5

2 avaliações0 avaliação

O que você achou?

Toque para dar uma nota

A avaliação deve ter pelo menos 10 palavras

    Pré-visualização do livro

    Guerreiros não nascem prontos - José Luiz Tejon

    O QUE ME INTERESSA É A SUA VITÓRIA

    O que as vitórias têm de mau é que não são definitivas. O que as derrotas têm de bom é que também não são definitivas.

    – JOSÉ SARAMAGO

    [...] Enquanto os próximos mil anos vierem e milhares deles depois, muitos nascerão e morrerão. E a história continuará a se desdobrar tão estranha, complexa e convincente quanto a que minha humilde pena foi capaz de colocar diante de vocês aqui. Nenhum homem pode dizer com certeza o que o futuro reserva. Mas, talvez, sabendo o que já ocorreu, possamos todos fazer a nossa parte para evitar os erros dos antepassados, imitar seus êxitos e criar um mundo mais harmonizado para nossos filhos e para os filhos deles, nas gerações que estão por vir.

    – GEORGE R.R. MARTIN, O MUNDO DE GELO E FOGO

    Oque me interessa agora é a sua vitória, guerreira ou guerreiro da sua própria vida, só para começar. Ed Ribeiro, hoje um artista plástico consagrado internacionalmente, um legítimo guerreiro que não nasceu pronto e veio a ser um sucesso incrível, enviou para mim a tela O guerreiro Ogum e a guerreira Iansã, como inspiração de luta para este livro. Ed virou uma sensação por pintar como ninguém, derramando tintas. Artista plástico das tintas livres, como o batizei. Sim, as tintas e as telas dele fluem livres. Da mesma forma, a sua vida, com as tintas e as telas escorrendo livres. A fé está no admirar o arranjo a cada esparramo. Ed, porém, não sabia que seria um dia artista plástico, mas se fez numa mutação espetacular. Sozinho? Não. Prestando atenção em pessoas, observações e conselhos, os quais poderia não ter ouvido. Ele ouviu, seguiu a partir disso. E de lanchonetes chamadas point do acarajé, em Salvador, Bahia, criou uma incrível e vitoriosa carreira, mundo afora. Não mais fazendo acarajés, mas pintando o que a imaginação humana pode se inspirar, a partir das suas telas.

    Agora é hora das verdades nuas e cruas. Sem elas, não progrediremos.

    Num encontro do grupo Caliper na Filadélfia, Estados Unidos, estive com Daniel Goleman. Um sujeito genial, criador do conceito de inteligência emocional e cujo mais recente livro, Foco, é extraordinário. Com ele, constatamos um estudo, para o qual devemos orientar nossas atenções, e pensarmos em cada um de nós, nossas vidas e nossos resultados. Veja só, Goleman mostrou que apenas 11% das pessoas são engajadas. Isso quer dizer que elas atuam e vivem com o foco concentrado, aproveitam as oportunidades e buscam a perfeição em tudo o que fazem. São seguidas por outras 19%, chamadas de aderentes. Esses seres humanos tendem a admirar os 11% mais competitivos, competentes e engajados em tudo o que fazem, e, se atentos a essas forças de realização, podem se somar a essa minoria e fazer acontecer. O drama está nos 50% considerados turistas, que passam o tempo nas empresas, no trabalho e no planeta, e, nos 20% restantes, chamados de terroristas, detonando empresas, instituições, famílias e a Terra.

    Esses indicadores, esses percentuais, não são absolutos. Dependendo da maior capacidade de liderança, da sua qualidade, humanismo e comprometimento ético voltado ao progresso evolutivo humano, com valores e virtudes, conseguimos melhorar positivamente o aproveitamento das vidas humanas ao seu redor. Recomendo prestar atenção em regiões brasileiras onde temos organizações cooperativas, por exemplo, reunindo milhares de seres humanos, e ali, nesses locais, a qualidade de vida é muito melhor, o estudo melhor, a educação, a tecnologia, a renda tudo floresce de maneira muito mais positiva e veloz do que em locais com as mesmas potencialidades, mas que não possuem um modelo de organização e liderança cooperativa bem administrada. Cito exemplos como Chapecó e região, em Santa Catarina, sob a liderança da cooperativa Aurora, com mais de 100 mil famílias envolvidas; Campo Mourão, no Paraná, onde existe a Coamo, com quase 30 mil famílias cooperadas; Rio Verde, Goiás, com a Comigo; no Espírito Santo, a Coopeavi; no Rio Grande do Sul, a Cooperativa Santa Clara, Cotrijal, e na Grande São Paulo, a gigantesca Coop. Existem dezenas de outros exemplos reais e vivos comprovando esse fundamento. Contudo, quando olhamos para esses índices de Goleman e os aplicamos de maneira geral, na média das organizações, dos bairros, das comunidades, das cidades, infelizmente constatamos a triste exatidão dos percentuais, e, ao contrário dos lugares bem liderados, podemos ainda ver um terrível pioramento, com um maior número de seres humanos na categoria de turistas e terroristas.

    Dessa forma, querido leitor e querida leitora, aqui nasce o primeiro ponto para o qual desejo sua reflexão, sua parada, seu pensamento. Pare de ler apenas por alguns minutos. Pense com o máximo de isenção de qualquer preconceito. Avalie olhando ao seu redor. Quantas pessoas você conhece, com quantas convive e como as distribuiria nesses percentuais de atitudes perante a própria vida?

    Depois de pensar nas pessoas da sua história, com quem você conviveu e convive, continue mergulhando de forma mais profunda e analise: os que você considera bem-sucedidos, com sucesso, como são, com quem costumam se relacionar, como usam o tempo? E compare esse grupo com os demais, que você avalia como malsucedidos, infelizes, amorfos, desligados, sem foco, a turma do tanto-faz, e aqueles resmungões, reclamões, acusadores, predadores, que sempre têm pedras nas mãos ou que sofrem da síndrome da sensação de azar e de perseguições contumazes.

    Feito esse olhar sobre os outros, chega a hora de pensar em você e com você mesmo.

    Sim, nascemos para ser guerreiros, e guerreiros somos. A diferença é que alguns têm a consciência dessa saga, desse prazer de viver e de transformação da vida. E outros não têm essa consciência. Portanto, tudo parece indesejado, negativo, difícil, e por esse vício de percepção tendem ao abandono. Ou, pior, ao autoabandono. Desistem do planeta, do país, do trabalho, do estudo, dos amigos e, ainda, de si mesmos. No entanto, tudo seria fácil se não fossem as dificuldades, repetindo o Barão de Itararé. Se tivéssemos consciência de tudo isso, todos poderíamos assumir a verdade de que guerreiros não nascem prontos, mas é possível aprender, crescer, superar e transformar todas as circunstâncias ao nosso redor.

    Dessa forma, o que me interessa aqui e agora não são nem os 11% dos engajados, espetaculares e guerreiros prontos e conscientes, nem, muito menos, os 20% dos terroristas, ausentes de fé e desprovidos da crença básica de um mundo melhor e da possibilidade humanista em nosso planeta.

    Abro mão dos últimos não por expurgo ou desumanidade, mas porque, neste momento, neste livro, não temos tempo, nem tem este texto possibilidades de êxito com esse segmento notoriamente predador, corrupto e corruptor, em que a busca da felicidade é orientada pelo caminho da facilidade, facilidade essa sem freios, em nenhuma conformidade com a ética e em ignorância total da sustentabilidade. Esses seres humanos terão cada vez menos tempo para usufruir de suas falsas ilusões. Por outro lado, quanto maior for a consciência dos demais 80% não apenas do direito e do valor de suas artes guerreiras, mas da criação de sistemas e sociedades de valor, menor será a proliferação dos egocêntricos nefastos. Interessa-me aqui a grande maioria. Em torno de 80% de todos os seres humanos vivos, grupo no qual tento me incluir, depois de muito aprendizado e sem nunca parar de aprender.

    Quero saber agora de você. Ou melhor, você precisa saber de você. No entanto, não é justo entrar na sua vida sem permitir que você entre na minha. Falar dos outros é fácil. Difícil é colocar a si próprio na vitrine, na exposição das realidades.

    Sei que já fui turista para muitas coisas na vida. Guerreiros valorosos me arrancaram dessa zona de conforto. Agradeço a eles. Sei também que já fui terrorista para algumas coisas na vida. Fui salvo milagrosamente por guerreiros virtuosos que me ensinaram a canalizar a fúria e a ira da ignorância para a fúria e a ira da busca da consciência. Tive e tenho sorte. Ninguém consegue nada sozinho. Guerreiros valiosos me ensinaram a canalizar o foco e a luz das paixões. Eles me fizeram ver que a mais primordial de todas as escolhas está na resposta à palavra quem. Com quem vou, quem eu escolho para seguir. Não importa o lugar, a circunstância. E esse quem transcende morte ou vida. Vale dizer que o quem é minha eleição íntima do mestre, do meu herói guerreiro. E da minha legião. Precisamos saber viver com tudo e com todos. Contudo, a casa para onde retornamos, essa deve ser o altar sagrado das regenerações, dos expurgos conosco mesmo, das mutações e das autocríticas estoicas. Ouvir Tente outra vez, com Raul Seixas, vai ajudar. E estar com os amigos. Nunca seremos guerreiros sem o valor e a força da amizade sincera. Guerreiros não abandonam outros guerreiros.

    Minha existência foi uma faculdade excelente para aprender. Quem olha a história de fora diria: Impossível. Foi um caso incrível de superação. Além das forças naturais e do destino, que me fizeram nascer de mãe solteira, ser adotado aos 2 anos, sofrer uma forte queimadura facial aos 4, passar cerca de doze anos semi-internado em hospitais públicos fazendo centenas de microcirurgias plásticas reparadoras, iniciar meus estudos numa escolinha para crianças excepcionais da Santa Casa de Santos, crescer e viver com o rosto queimado, numa família pobre, com poucas condições de dar saltos de sucesso na vida. Aonde cheguei é considerado pela sociedade um sucesso. Obtive riqueza na forma de uma ótima condição de vida. Terminei conseguindo estudar nas melhores instituições do Brasil e em algumas do mundo. Neste momento, escrevo parte deste livro na cidade de Nantes, na França. Terra de Júlio Verne e da faculdade Audencia, onde também dou aulas num MBA internacional. Para quem não imaginava nem passar no vestibular, me surpreendo ao olhar tudo isso do lado de fora de mim mesmo. Ter o título de mestre, e já terminando um doutorado, ser reconhecido como executivo, diretor de grandes corporações de sucesso, conferencista internacional, premiado, enfim, tudo o que você pode olhar se tiver curiosidade no meu site: www.tejon.com.br. Isso impressiona muitas pessoas. Portanto, mais do que ler ou falar sobre os outros, o que também tem muito valor, a vida me permitiu viver. Mais ainda, a vida me obrigou a aprender a ser um guerreiro. Passados todos esses anos, agora sei, e sei pela sabedoria do viver, que somos todos convocados para ser guerreiros, mas que não nascemos prontos. E que a grande maioria desiste. E por que desiste? Pelos mesmos motivos pelos quais desistimos da matemática, da história, da biologia. É culpa de escolas e educadores desprovidos de capacidade criativa, pedagógica e

    Está gostando da amostra?
    Página 1 de 1