Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Prof, Conta Uma História! Manual Para o Professor Que Tem Desejo de Contar Histórias

Prof, Conta Uma História! Manual Para o Professor Que Tem Desejo de Contar Histórias

Ler a amostra

Prof, Conta Uma História! Manual Para o Professor Que Tem Desejo de Contar Histórias

Duração:
149 páginas
2 horas
Lançados:
26 de jun. de 2019
ISBN:
9788547328900
Formato:
Livro

Descrição

Prof, conta uma história! Manual para o professor que tem desejo de contar histórias destina-se a docentes da educação infantil ao ensino médio que pretendem iniciar uma aventura no mundo da contação de histórias. A obra propõe uma reflexão sobre essa atividade pedagógica milenar que saiu de seu lugar de origem, o lar, e precisa ocupar outros espaços, entre eles a sala de aula. Com experiência de quem narra histórias em turmas da educação infantil ao ensino médio e ensina professores a contá-las, a autora conta histórias, ensina técnicas de memorização, de utilização do corpo, da voz, do olhar e, principalmente, de utilização e produção de formas animadas (aventais, fantoches, tapetes de histórias e outros) para esse momento, com uma proposta de utilização das narrativas orais em sala de aula que estão longe do espetáculo e perto de uma conversa em família. Também dá dicas de estratégias metodológicas e atividades que podem ser realizadas depois da contação, da escolha de repertório e da origem do universo maravilhoso dos contos populares. Por ter uma linguagem descomplicada, destinada a alunos do magistério, no nível médio, esta leitura é uma excelente fonte de pesquisa para quem pretende ser um professor diferente e atraente: um professor que conta histórias.
Lançados:
26 de jun. de 2019
ISBN:
9788547328900
Formato:
Livro

Sobre o autor


Relacionado a Prof, Conta Uma História! Manual Para o Professor Que Tem Desejo de Contar Histórias

Livros relacionados

Amostra do livro

Prof, Conta Uma História! Manual Para o Professor Que Tem Desejo de Contar Histórias - Adriane de Fatima Zeni

REFERÊNCIAS

PARTE I

QUEM CONTA UM CONTO, GANHA UM PONTO

PRIMEIRAS LETRAS

As histórias fazem parte na natureza do ser humano. Desde os primórdios da humanidade, elas o acompanham e acompanham a sua evolução. Ainda quando nossos antepassados não tinham palavras, contavam histórias com gestos e sons, narravam algo que havia acontecido numa caçada, um perigo pelo qual passaram, uma luta com um inimigo, a beleza de um pôr do sol. Elas faziam, e fazem, parte dos rituais e dos livros sagrados. Justificavam e justificam a vida e a morte, dando-lhes sentido. Foram, e são, usadas para ensinar coisas do amor, da guerra, da sobrevivência, do convívio social, de Deus. Se transformaram em mitos, lendas, fábulas, contos de fada, em arte. São a matéria-prima da História. São a identidade de um povo e de cada um de nós. Sempre foram fonte de prazer e entretenimento.

Consumimos ou produzimos histórias o tempo todo, do acordar ao acordar. Sonhamos histórias. Ouvimos histórias no culto, na missa, na rádio, na conversa com amigos. Vemos e ouvimos histórias no primeiro telejornal matutino, nos programas de televisão, nos filmes, nas novelas. Vemos e lemos histórias no Facebook, nos livros, nos jornais, nas revistas. Contamos a história do nosso dia, de nossos amores, de nossas tristezas e, se não temos nada para contar, nos realizamos ao contar a história do vizinho.

E mais do que uma necessidade do convívio social, as histórias dão suporte ao desenvolvimento das funções cerebrais superiores, como a linguagem, o pensamento, a memória e a abstração. Sobre isso, Albert Einstein já dizia, com toda a propriedade, que Se você quer que seus filhos sejam inteligentes, leia contos de fadas para eles. Se você quer que eles sejam muito inteligentes, leia mais contos de fadas.

ALÉM DO ENTRETENIMENTO

Certa vez, um engenheiro de mais idade me indagou por que os jovens que saem da faculdade têm dificuldade de pensar abstratamente. Ele era antigo na profissão e sempre contratava engenheiros recém-formados para auxiliá-lo em seu escritório. Sua indignação era que, se ele apenas falasse como desejava determinado projeto, seu ajudante não entendia. Tinha que desenhar para ser compreendido. E ora, assim, ele mesmo faria o projeto.

Essa mesma reclamação é comum entre os professores do ensino médio. O que acontece com o jovem da geração androide, que tem dificuldade de abstrair, pensar sem o objeto concreto?

Pensemos nas histórias que esses jovens consumiram quando crianças: o livro ilustrado, o desenho animado, o filme, os maravilhosos jogos de computador. Em todas elas, as imagens já vêm prontas e, ao nosso aluno, basta emprestá-las e usá-las. Talvez por isso a dificuldade de abstração: a criação das imagens mentais desenvolve a imaginação, a imagem em ação, pré-requisito da abstração.

Podemos, então, afirmar que uma criança que ouve histórias não vai ser mais inteligente só na área de linguagem, mas em todas as áreas do conhecimento, inclusive em matemática e em raciocínio lógico. Sua capacidade de memória será mais desenvolvida, assim como a de concentração.

As histórias ouvidas também atuam no desenvolvimento da fala e sobre a compreensão das informações ouvidas. Nos últimos anos, temos recebido um número imenso de crianças com diagnóstico de dificuldade de processamento auditivo e, com certeza, não há exercício melhor para trabalhar com essa dificuldade do que o desejo de ouvir uma bela história (às vezes, o não se concentrar em uma história narrada pode ser indicativo de algum problema relacionado à audição). Pelo encantamento de sua voz, o professor pode levar a criança a concentrar-se apenas nesse som, deixando outros estímulos a um segundo plano, e, aos poucos, a desenvolver sua capacidade de compreender o que ouve. Com essa atividade, o professor pode, também, ganhar um ponto no que diz respeito ao trabalho com a criança com déficit de atenção e hiperatividade. As histórias orais seduzem, cativam, prendem, são lúdicas e, assim, uma maneira de fazer o aluno sentar-se e centrar-se no professor e na atividade realizada.

Passemos, agora, do poder das histórias ouvidas ao de todas as histórias. Elas ampliam a sabedoria de vida e o conhecimento de mundo, ensinam a se relacionar com o outro, a se colocar no lugar do outro, preparam para as emoções da vida. Ajudam a compreender o diferente e a si mesmo.

Como as histórias fazem uma reflexão sobre o comportamento humano, fazem pensar sobre o próprio comportamento, ensinam a controlar medos e desejos. Tentando imitar um grande mestre, não explico essa afirmação, conto uma história.

Essa história foi contada há muito tempo, numa época em que se receitavam contos para reestabelecer a saúde física

Você chegou ao final dessa amostra. para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de Prof, Conta Uma História! Manual Para o Professor Que Tem Desejo de Contar Histórias

0
0 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor