Encontre seu próximo livro favorito

Torne'se membro hoje e leia gratuitamente por 30 dias.
O Valentão

O Valentão

Ler amostra

O Valentão

avaliações:
4.5/5 (12 avaliações)
Comprimento:
211 página
3 horas
Editora:
Lançado em:
Jul 20, 2019
ISBN:
9781071500422
Formato:
Livro

Descrição

Apenas a visão de Dustin Nikoli aumentou o medo em meu coração. As lembranças das coisas que ele me fez passar no ensino médio me fizeram querer correr na outra direção. Eu era a sujeira no fundo de seus sapatos, seu único objetivo era me atormentar.

Ninguém mais viu. Para os seus pares, ele era homem de verdade. Para todas as meninas não afetadas por sua crueldade, um objeto de luxúria. Ele era o mais quente que você poderia conhecer. Cara bonita. Corpo incrível. Feio por dentro.

Eu me mudei para outra cidade para a faculdade para evitá-lo. Eu nunca esperei que ele já estivesse lá. Talvez eu devesse ter feito minha pesquisa melhor.

A noite que eu encontrei com ele não poderia ter sido pior. Foi a gota d'agua. Eu não iria mais suportar sua merda. Usei minha embriaguez para me dar coragem e disse tudo o que pensava sobre ele. E então acabei em sua cama ...

Editora:
Lançado em:
Jul 20, 2019
ISBN:
9781071500422
Formato:
Livro

Sobre o autor

Sky Corgan is a USA Today bestselling author. She lives in Texas where the sun is hot and the men are hotter. When she's not typing away at her next steamy romance novel, she enjoys hanging out with friends and planning vacations. You can get a FREE Sky Corgan book and stay up to date on her latest releases by signing up for her newsletter here: http://www.subscribepage.com/SkyCorgan


Relacionado a O Valentão

Leia mais de Sky Corgan

Livros relacionados

Categorias relacionadas

Amostra do Livro

O Valentão - Sky Corgan

DEZOITO

CAPÍTULO UM

––––––––

Ah, amor não correspondido.

Amor não correspondido é besteira.

Talvez o meu amor por Bobby Calhoun não fosse não correspondido, mas era certo que demoraria muito para que algo acontecesse. Anos. Quatro deles, para ser exata.

Em defesa da nossa falta de um relacionamento, ele esteve com outra pessoa durante a grande maioria desses quatro anos. Apenas um mês depois de termos nos conhecido, ele se encontrou com Christine Lane, uma garota que conheceu na internet e que morava a um estado de distância, em Louisiana. Eu deveria ter trabalhado nele com mais afinco durante aquele mês, mas quando você conhece alguém pela primeira vez, há um monte de confusão, conhecendo um ao outro e agindo como uma tímida idiota – especialmente quando tal pessoa era tão sexy quanto Bobby.

Eu desmaiei enquanto pensava nele. Cabelos longos e pretos, sempre chapados na perfeição reta. Não havia muitos caras que conseguiam ter cabelos compridos, mas Bobby sim. Eu me lembrei da primeira vez que ele me deixou tocar neles. Ele veio assistir filmes e estava deitado no sofá de meus pais. Eu estava sentada ao lado dele, prestando mais atenção a ele do que no filme que estava passando. Nós estávamos assistindo Grease, que nenhum de nós já tinha visto antes. Supostamente um clássico. Eu não posso te dizer metade do que aconteceu no filme porque eu estava tão ocupada me distraindo com o delicioso garoto ao meu lado.

Esta foi a segunda vez que ele veio sozinho. Na primeira vez, eu convidei alguns de nossos colegas para a minha casa para estudar. Nenhum deles apareceu, a não ser ele. Eu estava tão secretamente feliz naquele dia. O dia em que percebi que ele era mais do que apenas boa aparência.

Nós éramos compatíveis. Qualquer um podia ver. Nós gostávamos dos mesmos filmes e músicas. Nós dois não gostávamos de esportes. Eu possuía a mesma luminária de coruja que ele havia comprado para o seu melhor amigo no Natal do ano anterior. Eu estava convencida de que éramos um par perfeito. Tudo o que ele tinha que fazer era fazer um movimento.

Ou eu fazer.

Tocar seu cabelo não era bom o suficiente. Eu estava tão nervosa quando perguntei se poderia fazê-lo. Eu o havia tocado antes. Secretamente intencionalmente. Escovando um fiapo da frente de sua camisa. Permanecendo em seu abraço as poucas vezes em que ele me abraçou para dizer adeus. Ah, sim, minhas mãos estavam ficando tão familiares com o corpo dele quanto pudessem.

E então meus dedos estavam no cabelo dele. Eu tentei não parecer uma completa lunática perseguidora enquanto olhava para ele, maravilhada com o quão sedosos eram os fios. Seu cabelo era tão macio. Muito bons. Tão perfeitos. Eu poderia ter acariciado ele a noite toda. Mas isso teria sido estranho, e eu já estava preocupada que ele pensasse que eu era esquisita.

Durante todo aquele mês antes dele se encontrar com Christine, achei que havia algo entre nós. Ele me deu olhares nas aulas e quando me viu nos corredores da escola. Olhares de interesse. Olhares além da amizade.

Ele veio para minha casa. Sozinho. Isso tinha que significar alguma coisa. Quero dizer, que cara iria até a casa de uma garota para assistir a um filme antigo dos anos 70 a menos que ele estivesse interessado ​​nela. Certo?

E então havia nossos amigos, que pensavam que seríamos perfeitos juntos. Eles tentaram colocar o bug em seu ouvido. Eu até deixei escapar para o melhor amigo dele que eu gostava dele e queria sair com ele. Nada nunca veio disso, no entanto.

Eu não posso evitar, mas acho que eu deveria ter tentado mais intensamente de alguma forma. Mas eu não fiz. E um mês depois de conhecer Bobby e perder tempo sonhando com o que seria ser sua namorada, ele ficou com outra pessoa.

Não apenas outra pessoa, mas alguém que ele nunca havia conhecido pessoalmente antes. Alguém que vivia um estado inteiro de distância. Alguém que ele nem encontrou até dois anos de relacionamento. Eu queria arrancar meu cabelo com o pensamento de que ele preferiria namorar uma garota com quem ele não poderia estar fisicamente ao contrário de alguém que estava bem na frente dele – uma garota que o adorava.

É assim que as cartas caem. Ele namorou Christine, permanecendo fiel a ela, vivendo em um mundo de fantasia onde eles um dia ficariam juntos. Embora fosse secretamente irritante, me deu um vislumbre de que tipo de namorado ele seria. O perfeito. Ele falava sobre Christine o tempo todo, como se ela acabasse de ir para uma escola diferente, em vez de viver centenas de quilômetros de distância. Eles enviavam mensagens de texto uns aos outros ao longo do dia. Ele precisava falar com ela pelo telefone ou pelo Skype pelo menos uma vez por noite. Ele até sacrificou muitos finais de semana divertidos para ficar em casa e fazer companhia a ela. Às vezes, era absolutamente patético.

Durante um ano inteiro, esperei à margem. Certamente, os relacionamentos online não duram muito tempo. Eu tinha estado em alguns poucos, o mais longo tendo uma duração de três meses. Quero dizer, de que outro modo você namora quando está presa na casa dos seus pais, é muito jovem para dirigir, e não está sendo abordada por caras na vida real.

A relação entre Bobby e Christine iria desmoronar assim que ele ficasse solitário o suficiente. Tinha que ser. Ele era um adolescente com hormônios furiosos. O desejo de estar com uma garota intimamente acabaria por usurpar seu romance intangível.

Não foi assim, no entanto.

Fiz uma careta para o meu hambúrguer enquanto estávamos sentados com nossos amigos no almoço um dia, ouvindo-o falar sobre jogar League of Legends com Christine. Nós tínhamos acabado de começar o nosso segundo ano do ensino médio. Eles estavam oficialmente juntos há um ano e alguns meses. Ele estava conversando com nossos amigos, não comigo. Ou talvez apenas para quem quisesse ouvir. Eu estava ouvindo, embora você nunca soubesse o quanto meu olhar estava vazio. Eu estava ouvindo o amor em sua voz. A emoção que estava lá – tão forte quanto quando os dois se reuniram pela primeira vez. Ele não estava ficando cansado dela. Se qualquer coisa, cada dia ele parecia mais apaixonado.

Foi então que decidi arquivar meus sentimentos por Bobby. Eu não poderia passar pelo ensino médio perdedora sem encontros. Eu não podia continuar ansiando por alguém que já estava felizmente ligado.

Sim, eu arquivei meus sentimentos. Mas só porque você arquiva algo não significa que vai embora. Eu o amava. Parte de mim sabia que eu sempre faria isso. Mas eu tive que seguir em frente com a minha vida.

Então eu namorei. Saí com garotos que não me importavam. Saí com caras que eu pensei que me importava, mas não me importavam. Não importa com quem eu estava, sempre tinha um olho em Bobby e em seu relacionamento. Se ele estava com ciúmes sempre que eu chegava com alguém, não demostrava. Isso me machucava mais do que eu gostava, mas eu tentei não deixá-lo ver.

Nós éramos amigos. E embora não fôssemos tão próximos como no primeiro mês que nos conhecemos, ainda saíamos regularmente. Com nossos amigos, claro. Não havia apenas eu e ele depois de Christine.

Como o destino faria, eventualmente houve problemas no paraíso com o relacionamento deles. Não poderia ter acontecido em um momento pior – uma época em que eu estava em um relacionamento com um dos meninos mais doces que já conheci. Darryl Hoover não era o cara mais bonito da nossa escola, mas o que lhe faltava na aparência, compensava de coração. Ele me escrevia poemas de amor, me trazia flores e era o perfeito cavalheiro.

Arquivar em: caras que eu pensei que me importava.

Era o final do primeiro ano e passamos três meses no nosso relacionamento quando a bomba caiu que Bobby e Christine se separaram. Meu estômago torceu com desespero nauseante. Este foi, de longe, o melhor relacionamento que eu já estive. Pela primeira vez, eu estava genuinamente feliz com um cara, mas tudo isso deu errado quando recebi a notícia sobre Bobby. Eu corri para o lado dele em busca de apoio, fazendo o papel da amiga leal. O tipo de apoio que eu queria dar a ele era mais do que platônico, no entanto.

Bobby não era estável, mas ele também não era um desastre. Se qualquer coisa, ele estava apenas frustrado. Eu tinha pensado que ele iria querer chorar no meu ombro, me usar para preencher o vazio que o tempo com Christine tinha deixado. Eu acho que me forcei a ele. Não sexualmente, mas minha presença. Eu queria estar perto dele... e ele queria outra coisa. Coisas que lhe foram negadas por três anos. Necessidades carnais que garotos adolescentes precisam.

Quanto mais eu pressionava para estar com ele, mais ele me afastava. Ele passou a grande parte do mês com novos amigos que conheceu em outra escola. Eu fiquei distante com meu próprio namorado, sempre na busca de Bobby.

Se havia uma coisa que Darryl era além de doce, era perceptivo. Ele viu o que estava acontecendo. Notou a distância. Ouvia a dor na minha voz toda vez que falava de Bobby. Ouvia o desejo.

Apesar do fato de Bobby não parecer me querer por perto, inventei uma história em minha mente que ele não poderia estar perto de mim ainda, porque ele me amava e tinha medo de seguir em frente tão rapidamente. Eu queria ir até ele e dizer a ele que ele não precisava me afastar. Que eu o amava e sempre amei e estaria lá para ele de qualquer maneira que ele precisasse. Com o passar do tempo e ele se afastando mais, a necessidade de estar com ele cresceu. Darryl estava disposto a resistir à tempestade, mas a nave do nosso relacionamento já estava afundando e eu estava pronta para pular no bote salva-vidas de Bobby.

Conjurei a coragem de contar meus sentimentos a Bobby. Ele precisava saber que eu estava apaixonada por ele. Anos observando-o com outra pessoa não haviam mudado isso. Se qualquer coisa, eu o amava mais porque eu sabia que ele era dedicado.

Joguei cautela e lógica ao vento e terminei com Darryl. O cara ficou dilacerado. Foi o pior rompimento que já tive. Ele chorou. Tentou racionalizar comigo. Praticamente me fez refém explicando porque éramos perfeitos juntos. Eu o deixei mesmo assim.

Naquela mesma noite, apareci na porta de Bobby, pronta para lhe contar tudo. Ele não estava em casa, no entanto. Sua mãe disse que ele tinha saído a noite. Fiquei desapontada, mas sempre haveria amanhã.

Passei a noite com uma dor no peito. Uma dor porque eu tinha acabado de largar o melhor cara que já namorei – alguém que nunca mereceu ser machucado por mim. Uma dor porque meus pensamentos e sentimentos sobre Bobby estavam me comendo por dentro. Eu era como um balão de água cheio demais. Minhas emoções estavam me dominando. Uma pequena cutucada e eu poderia explodir, completamente desmoronar – ser destruída.

Essa cutucada veio no dia seguinte, mas não como eu pensei que seria. Bobby estava na sala se gabando para nossos amigos sobre como ele tinha fodido uma das garotas de seu novo grupo. A maneira descarada como ele falou disso na minha frente me disse que ele não considerava meus sentimentos. Parte de mim queria pensar que ele estava apenas fodendo sua dor. Mas ele poderia ter me usado para isso. Eu teria dormido com ele. De boa vontade. Alegremente.

Uma semana depois, ele voltou com Christine.

Eu poderia ter me arrastado de volta para Darryl, mas não fiz. Quem eu estava enganando? Ele merecia coisa melhor que eu. Eu tinha largado dele por um cara que nem sequer me deu um segundo pensamento.

A depressão pesou muito em mim. Inferno, eu diria que odiei Bobby por um tempo. Eu pensei que ele tivesse me guiado. Mas isso era besteira. Na verdade, eu o persegui como um filhote de cachorro apaixonado. Ele tinha sido tão amigável quanto sempre foi. Talvez um pouco distante, mas não cruel. Mas o mais importante, ele foi platônico.

Não houve olhares trocados entre nós como no primeiro mês que nos conhecemos. Nenhum nível de interesse fora da amizade. Eu era como a tinta nas paredes. Normal. Chata. Sempre lá. Nada de novo.

Ele me quebrou.

Por um tempo, pensei que fosse uma pausa permanente. Eu pensei que saber que ele tinha estado com outra pessoa – alguém que não era eu – foi o suficiente para me fazer jurar que me importava com ele. Meus sentimentos diminuíram para um fogo baixo. Parecia haver uma fissura em nossa amizade, principalmente do meu lado, e isso também ajudou.

Eventualmente, as coisas voltaram ao normal. A dor de não ser sua primeira escolha por um rebote foi embora quando eu o observei de longe como eu costumava fazer. Havia a maneira encantadora que ele sorria. A cadência em sua voz quando ele disse certas frases. A maneira que ele abria os braços toda vez que ele vinha para um abraço. Sim, definitivamente ainda havia coisas sobre ele que eu gostava. Coisas sobre ele que eu desejava. E foda-se minha vida, esses sentimentos voltaram. Talvez eles não fossem tão loucamente obsessivos como antes, mas definitivamente ainda estavam lá.

Eu me convenci de que poderia fazer as pazes com o relacionamento dele com Christine. Que poderíamos ser apenas amigos. Amigos. Amigos. Amigos. Sim amigos. Isso soava bem. Eu poderia lidar com isso.

Mas no final do último ano, Bobby e Christine se separaram novamente. E desta vez parecia ser permanente. E a chama do desejo subiu ao teto e queimou meu bom senso.

Eu não ia cometer o mesmo erro duas vezes. Não senhor. Eu não tentei desesperadamente chegar perto de Bobby. Eu não o sufoquei com mensagens de texto e telefonemas, checando-o diariamente para ter certeza de que ele estava bem. Eu o deixei fazer as coisas dele. Eu estava apenas lá. Lá, se ele precisasse de mim. E como no último rompimento, ele não precisava de mim. Na verdade não.

Nós ficamos amigos. Amigos era bom. Amigos era melhor que não amigos. Nós conversamos e saímos de vez em quando... e quando eu descobri para onde ele estava indo para a faculdade, eu meio que implorei aos meus pais que me deixassem ir para a mesma escola. Eu meio que consegui que eles concordassem. E eu meio que decidi seguir Bobby para uma cidade diferente, porque, inferno, eu estava convencida de que ainda havia algo entre nós – que ainda poderia haver algo entre nós.

Sem nossos amigos ao redor, precisaríamos um do outro. Ele precisaria de mim. E isso significava que nos aproximaríamos. E se nos aproximássemos, ele poderia ver o que ele estava perdendo em todos esses anos.

Nossa nova vida juntos estava prestes a começar.

CAPÍTULO DOIS

Nossa primeira festa na

Você chegou ao final desta amostra. Inscreva-se para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas pensam sobre O Valentão

4.4
12 avaliações / 2 Análises
O que você acha?
Classificação: 0 de 5 estrelas

Avaliações de leitores

  • (5/5)
    Diversão,lágrimas,amor ......essa estória mexe com a gente!! Torci do começo só fim pela Brenna..???????????
  • (5/5)
    Leve mas não desinteressante, do tipo q lemos em uma sentada e dar um calorzinho gostoso no peito.