Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Terapia de família com adolescentes

Terapia de família com adolescentes

Ler a amostra

Terapia de família com adolescentes

notas:
4/5 (1 nota)
Duração:
492 páginas
7 horas
Lançados:
1 de jul. de 2019
ISBN:
9788571832251
Formato:
Livro

Descrição

A clínica com adolescentes vem recebendo cada vez mais atenção de pesquisadores e profissionais da psicologia. Porém, ainda são raras as publicações que tratam da terapia de família com jovens, modalidade cuja procura cresce tanto em consultórios particulares quanto em instituições.
Visando suprir essa lacuna, Gisela Castanho e Maria Luiza Dias reuniram profissionais experientes para discutir o papel do terapeuta diante das famílias com adolescentes. Oriundos de diversas abordagens, os autores desta obra compartilham seu conhecimento de forma generosa, compondo um painel rico e instigante sobre temas como conjugalidade, parentalidade, abuso físico e moral, autoridade, adoção e tecnologia. Obra fundamental para terapeutas de qualquer filiação e também para estudantes de Psicologia.
Textos de Carlos Amadeu Botelho Byington, Claudia Bruscagin, Dalmiro M. Bustos, Gisela Castanho, Helena Maffei Cruz, Lisette Weissmann, Maria Amalia Faller Vitale, Maria Luiza Dias, Maria Regina Castanho França, Maria Rita D'Angelo Seixas, Marianne Ramos Feijó, Nairo de Souza Vargas, Rosa Maria Stefanini Macedo, Rosana Galina, Ruth Blay Levisky, Sandra Fedullo Colombo, Sonia Thorstensen, Suzanna Amarante Levy e Vanda Lucia Di Yorio Benedito.
Lançados:
1 de jul. de 2019
ISBN:
9788571832251
Formato:
Livro

Sobre o autor


Relacionado a Terapia de família com adolescentes

Livros relacionados

Amostra do livro

Terapia de família com adolescentes - Gisela Castanho

Ficha catalográfica

CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO NA PUBLICAÇÃO

SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ

T293

Terapia de família com adolescentes [recurso eletrônico] / organizadoras Gisela Castanho, Maria Luiza Dias. - São Paulo : Ágora, 2019.

recurso digital

Formato: epub

Requisitos do sistema: adobe digital editions

Modo de acesso: world wide web

Inclui bibliografia

ISBN 978-85-7183-225-1 (recurso eletrônico)

1. Psicoterapia familiar. 2. Psicologia do adolescente. 3. Livros eletrônicos. I. Castanho, Gisela. II. Dias, Maria Luiza.

19-56631 CDD: 155.4

CDU: 159.922.8

Vanessa Mafra Xavier Salgado - Bibliotecária - CRB-7/6644

Compre em lugar de fotocopiar.

Cada real que você dá por um livro recompensa seus autores

e os convida a produzir mais sobre o tema;

incentiva seus editores a encomendar, traduzir e publicar

outras obras sobre o assunto;

e paga aos livreiros por estocar e levar até você livros

para a sua informação e o seu entretenimento.

Cada real que você dá pela fotocópia não autorizada de um livro

financia o crime

e ajuda a matar a produção intelectual de seu país.

Folha de rosto

Terapia de família com adolescentes

Gisela Castanho

Maria Luiza Dias

(orgs.)

Créditos

TERAPIA DE FAMÍLIA COM ADOLESCENTES

Copyright © 2014, 2019 by autores

Direitos desta edição reservados por Summus Editorial

Editora executiva: Soraia Bini Cury

Assistente editorial: Michelle Campos

Capa: Buono Disegno

Projeto gráfico: Acqua Estúdio Gráfico

Produção de ePub: Santana

Editora Ágora

Departamento editorial

Rua Itapicuru, 613 – 7⁰ andar

05006-000 – São Paulo – SP

Fone: (11) 3872-3322

Fax: (11) 3872-7476

http://www.editoraagora.com.br

e-mail: agora@editoraagora.com.br

Atendimento ao consumidor

Summus Editorial

Fone: (11) 3865-9890

Vendas por atacado

Fone: (11) 3873-8638

Fax: (11) 3872-7476

e-mail: vendas@summus.com.br

Sumário

Capa

Ficha catalográfica

Folha de rosto

Créditos

Apresentação

Parte I – Reflexões terapêuticas

1 Terapia de família com filhos adolescentes e pais na meia-idade

Gisela Castanho

2 Psicoterapia de famílias com adolescentes: visão da psicologia analítica

Nairo de Souza Vargas

3 Famílias com filhos adolescentes: inquietações terapêuticas

Maria Amalia Faller Vitale

4 Autonomia versus pertencimento: uma interrogação

Sandra Fedullo Colombo

5 Psicodrama, família, adolescência e autoridade

Dalmiro Manuel Bustos

6 As sete fases da vida e a crise da adolescência: estudo da psicologia simbólica junguiana

Carlos Amadeu Botelho Byington

7 Terapia de famílias com filhos adolescentes: abordagem sistêmica

Rosa Maria Stefanini de Macedo, Claudia Bruscagin e Marianne Ramos Feijó

Parte II – Relações familiares, conjugalidade e parentalidade

8 Em primeira pessoa do singular: ouvir adolescentes

Helena Maffei Cruz

9 Violência entre irmãos na adolescência: abuso físico, moral e sexual

Gisela Castanho

10 Perdas e ganhos

Suzanna Amarante Levy

11 Incestualidade materna e conflito adolescente

Sonia Thorstensen

12 Transmissão, herança e sucessão: identidade do adolescente e escolha profissional

Maria Luiza Dias

13 Famílias monoparentais: ponto de vista psicanalítico

Lisette Weissmann

14 Adolescência: recontrato da adoção

Rosana Galina

15 Desenvolvimento e conflito na família com filhos adolescentes: abordagem simbólico-arquetípica

Vanda Lucia Di Yorio Benedito

16 Filhos adolescentes e conflitos conjugais

Maria Regina Castanho França

Parte III – Adolescência e contemporaneidade

17 Tempo, memória, adolescente e família

Ruth Blay Levisky

18 Adolescer em um mundo instantâneo: reflexão sobre os vínculos familiares na era tecnológica

Maria Luiza Dias

19 O contexto da adolescência no mundo atual

Maria Rita D’Angelo Seixas

Os autores

Agradecimentos

Apresentação

Este livro nasceu de um antigo desejo de escrever sobre famílias com filhos na adolescência – momento único e inesquecível no ciclo de vida familiar. O projeto está ancorado, principalmente, em nossa vivência como adolescentes, cujos horizontes se expandiam à medida que amadureciam as nossas habilidades sociais. Mais tarde, já como terapeutas de adolescentes, percebemos que estudar a família nos daria uma visão mais ampla de como lidar com os conflitos que o jovem trazia à sessão. Como supervisoras de jovens terapeutas, muitas vezes vimos o profissional ter receio da entrevista com pais de pacientes, por falta de preparo para lidar com forças que ele desconhecia e que escapavam de seu controle.

Ao sentirmos a importância da participação do sistema familiar na vida do adolescente que aceitava ajuda terapêutica e percebermos que, muitas vezes, era o vínculo com os pais que garantia a continuidade da terapia do filho, buscamos a teoria necessária para lidar com situações difíceis que surgiam em nossa prática – na clínica particular ou na instituição.

Somos otimistas em relação à experiência da passagem da família por essa etapa, pois a vemos como uma oportunidade de renovação das relações entre seus membros. Acreditamos que o processo de individuação adolescente tende a reformular até os sistemas familiares mais rígidos e que as intervenções feitas em uma terapia de família nessa etapa da vida podem proporcionar padrões de conduta mais construtivos.

A adolescência no mundo atual passa como um raio, mas um livro é eterno. Assim, pensando em dialogar com os terapeutas de família desta geração e das futuras, preparamos esta obra. Esperamos que ela promova uma reflexão sobre muitos temas contemporâneos, pelos quais são impactados o adolescente e sua família em um mundo aceleradamente construído.

Compartilhamos de Frota (2007) a ideia de que a adolescência deve ser pensada além da idade cronológica, da puberdade e das transformações físicas que ela acarreta, dos ritos de passagem ou de elementos determinados aprioristicamente ou de modo natural; ou seja, deve ser pensada como uma categoria que se constrói, se exercita e se reconstrói dentro de uma história e tempo específicos (ibidem). Nessa perspectiva, são possíveis múltiplas compreensões da adolescência. Também concordamos com a autora quando ela aponta que os saberes são construídos de modo tímido, sabendo-se incompletos, precários e parciais (ibidem), e estamos longe de propor que este livro esgote as questões relacionadas com família e adolescência, tal como as construímos na pós-modernidade, em seus múltiplos significados. Além disso, desejamos que, de fato, ele extrapole a noção de senso comum, indicada por Frota, de que a família vê a adolescência como aborrescência, rebeldia e atrevimento (ibidem), pelo fato de o adolescente constituir-se um indivíduo chato, difícil de lidar e que está sempre criando confusão e vivendo crises (ibidem). Desse modo, buscamos levar o leitor para além da visão recorrente de que a adolescência é uma fase difícil para o adolescente e para quem convive com ele; ou da visão de que a adolescência é um não lugar, marcado por desenvolvimento descontínuo. Como apontam Silva e Soares (2001), em um dado momento da vida o jovem passa por uma fase em que praticamente ‘não é’. Assim, ele não é tão novo para ter atitudes de criança, nem tão velho para ter atitudes de adulto. Acreditamos que o adolescente tem um lugar, mesmo que este esteja em turbulência.

Esta obra é um convite à reflexão sobre o papel do terapeuta diante das famílias com adolescentes, estimulada por diferentes profissionais que abordam temas da atualidade. Está dividida em três partes: a primeira traz capítulos que tratam de família e adolescência do ponto de vista teórico de uma abordagem específica. A segunda focaliza as relações familiares em sua interface com a conjugalidade e a parentalidade, abordando temas específicos como o envolvimento da família com experiências de abuso físico, moral e sexual, a incestualidade e a adoção, além de assuntos como a escuta, perdas, ganhos e transmissão psíquica. A terceira apresenta temas relativos à família e à adolescência na contemporaneidade.

Em alguns textos há uma visão da terapia de família com adolescentes em abordagens teóricas amplas; em outros, aspectos específicos são contemplados. Os colaboradores são pensadores sagazes da área de terapia de família e aqui contribuem com teorias valiosas e relatos tocantes sobre o manejo técnico, ilustrando como fazer terapia de família com filhos adolescentes nos mais diversos sistemas terapêuticos. Desse modo, ofertamos ao leitor a oportunidade de mergulhar nos variados olhares e construir significações próprias em torno da reflexão sobre a família com adolescentes em um mundo que se mexe o tempo todo. Que a leitura deste livro represente um fecundo e criativo percurso!

Gisela Castanho e Maria Luiza Dias

Referências

FROTA, A. M. M. C. Diferentes concepções da infância e adolescência: a importância da historicidade para sua construção. Estudos e Pesquisas em Psicologia, v. 7, n. 1, 2007. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812007000100013&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 22 out. 2018.

SILVA, A. L. P.; SOARES, D. H. P. A orientação profissional como rito preliminar de passagem: sua importância clínica. Psicologia em Estudo, v. 6, n. 2, Maringá, 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pe/v6n2/v6n2a16>. Acesso em: 22 out. 2018.

Parte I –

Reflexões terapêuticas

1 Terapia de família com filhos adolescentes e pais na meia-idade

Gisela Castanho

Introdução

Adolescência e meia-idade são termos associados a crises na família. No entanto, pouco se escreve sobre esse sistema familiar, que inclui dois tipos diferentes de transformação: enquanto as da adolescência são rápidas e intensas, as da meia-idade estão associadas a questionamentos existenciais, ao excesso de trabalho e à preparação para a terceira idade. A ideia de escrever este capítulo veio da carência de produção científica brasileira sobre esse tema.

Por ser um fenômeno do desenvolvimento psicológico, social e cultural, a adolescência só é encontrada na espécie humana. Inicia-se com a puberdade, processo biológico que marca o final da infância. As diversas mudanças corporais que ocorrem a partir da puberdade abalam o jovem e sua família, que passa a conviver com um indivíduo que enfrenta adaptações na coordenação motora e aumento na força física, assim como adquire novas habilidades mentais. Emocionalmente, o adolescente amadurece – e, com isso, a família toda se transforma.

A maior parte das famílias com filhos adolescentes tem pais na meia-idade – aqui definida como a faixa entre 40 e 65 anos. A terapia do sistema familiar inclui o confronto entre as turbulentas transformações adolescentes e a aparente estabilidade da faixa etária parental. O adolescente cheio de esperanças tem a vida pela frente e luta para conquistar novos espaços de autonomia e responsabilidades, enquanto os pais deparam com urgências ligadas à realização profissional, com as exigências do tempo e com as dificuldades de negar o enfrentamento da velhice que se aproxima – junto com a inevitabilidade da morte. Com frequência, vemos pais e filhos convivendo com avós idosos que sofrem de doenças crônicas, o que sobrecarrega emocionalmente o sistema familiar.

Neste capítulo, pretendo revisar alguns conceitos ligados à adolescência, mostrar essa fase como um momento de júbilo pessoal e familiar pelas transformações e novas conquistas do jovem e discutir a família que inclui pais na meia-idade com filhos na ebulição da juventude. Trago também algumas contribuições ao manejo da terapia de família realizada nesse momento do ciclo de vida familiar, desenvolvidas ao longo de minha prática clínica.

Adolescência

Início da adolescência

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera adolescente o indivíduo entre 10 e 20 anos de idade; porém, mesmo os que adotam tal definição reconhecem que esses limites são imprecisos (Saito, 2001).

A adolescência começa com a puberdade. Em torno dos 12 anos para os meninos e dos 10 aos 11 para as meninas, o sistema nervoso central (SNC) inicia o estímulo da atividade hormonal que desencadeia a puberdade. Disso resultam o aumento na produção dos hormônios sexuais, o desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários¹ e o amadurecimento de óvulos e espermatozoides (Castanho, 1988).

A chegada da puberdade está programada geneticamente, ou seja, é característica da espécie Homo sapiens, e não sofre influência da vontade da pessoa ou do meio sociocultural em que ela está inserida. Castanho (1988, p. 15) define a puberdade como

um processo essencialmente hormonal, de maturação e crescimento, quando ocorrem as mudanças biológicas mais acentuadas do ciclo de vida humana. Já a adolescência é o processo psicológico e social que se inicia a partir da puberdade. [...] Sendo um processo biológico, a puberdade é universal e todo ser humano a atravessa de modo semelhante. Já a adolescência, por ser um fenômeno psicológico, depende de critérios sociais e culturais para ser definida. Sua duração varia de cultura para cultura. Cada povo tem sua maneira de ser adolescente.

No Ocidente, um traço típico da adolescência de classe média é seu "status de hiato" (Grupo para o Adiantamento da Psiquiatria, 1974): os jovens já não são considerados crianças e, apesar disso, não se espera deles que assumam posição no mundo adulto. Assim, eles têm alguns privilégios de adultos (dirigir aos 18 anos, por exemplo), mas ninguém espera que tenham plenas responsabilidades nessa fase (como sustentar uma família). O status de hiato envolve aspectos frustrantes para os jovens mais amadurecidos, mas apresenta tentadoras satisfações para os mais acomodados, que prolongam sua adolescência. Alguns pais na meia-idade se exasperam com filhos acomodados, enquanto outros se satisfazem por perceber que ainda serão necessários por muito tempo, confundindo dependência com afeto.

Erik Erikson (apud Calligaris, 2000) foi o primeiro psicólogo a usar o termo moratória para falar do status de hiato da adolescência, quando escreveu Identidade, juventude e crise, em 1968. Segundo Calligaris, Erikson destacou que a problemática adolescente se tornava muito difícil de administrar, já que uma crise semelhante ameaçava afligir os adultos modernos quando a juventude se tornou mais valorizada socialmente. De acordo com Erikson, percebe-se, desde a segunda metade do século 20 – mais precisamente após a Segunda Guerra Mundial –, uma nostalgia dos adultos com relação à adolescência. De fato, a literatura e o cinema nos contam que tipo de adolescente os adultos gostariam de voltar a ser, de ter sido ou de continuar sendo.

Atualmente, nota-se que a adolescência é socialmente glorificada. Crianças e adultos querem ser jovens. A juventude foi alçada a um valor máximo, prestigiado e buscado por todos. A velhice e a sabedoria dela decorrente não são mais valorizadas na cultura ocidental, sendo substituídas pela beleza e pelo frescor da mocidade. Nesse contexto, pais sentem pesar por estarem na meia-idade e perderem a aparência jovial em uma sociedade que cultua a juventude.

A idade mais valorizada socialmente é o final da adolescência, quando se tem o máximo de liberdade com o mínimo de responsabilidades. A idealização envolve os 18 anos, quando se diz que as pessoas têm a vida pela frente e todas as potencialidades a ser desenvolvidas, podendo fazer o que quiserem. No entanto, não é fácil ter essa idade, pois tudo está por ser conquistado; a tarefa é grandiosa e há muita angústia e ansiedade com relação ao porvir.

Aqui questiono: diante de tanta valorização da juventude, por que os jovens hão de querer amadurecer e se tornar adultos se muitos adultos fazem o possível para parecer jovens, vestindo-se e comportando-se como adolescentes? Isso é típico em alguns adultos após separações conjugais, quando os recém-descasados, com alguma frequência, passam por uma fase de buscar a todo custo retomar a vida a partir de uma fase anterior ao início do casamento, como se fosse possível voltar no tempo para reescrever a própria história.

Segundo Calligaris (2000), a infância dura 12 anos; nesse período, a criança aprende todos os usos e costumes da sociedade em que vive: da linguagem ao entendimento de valores mais complexos. Ela aprende que, como adulto, é importante se sobressair e adquirir destaque na comunidade, e que quem consegue isso é aparentemente muito mais feliz que os outros. Entretanto, quando a criança cresce e adquire toda a sabedoria a respeito de como a sociedade funciona, por mais que ache que esteja pronta para exercer algumas funções de destaque, precisará esperar ao menos dez anos de adolescência para se sobressair, durante os quais ficará em uma moratória, para realmente passar a competir e ter ganhos reais.

Fim da adolescência

Enquanto o início da adolescência apresenta um marco biológico, que é a puberdade, seu final obedece apenas a critérios culturais. Um jovem pode estar fisiologicamente maduro para a reprodução (função de adulto) aos 14 anos, mas emocionalmente despreparado para desempenhar os papéis parentais que a sociedade lhe atribuirá caso venha a gerar um filho.

As sociedades estabelecem critérios próprios para definir o que é o estado adulto, o qual é determinado principalmente em termos de tradição social, mais do que de maturidade biológica.

Existem dois tipos de critério empregados no reconhecimento do estado adulto: o de status – por exemplo, a idade a partir da qual se tem o direito de votar ou de abrir uma empresa – e o de função – por exemplo, ganhar a própria vida ou cuidar da própria saúde.

Os critérios de status são arbitrários e revelam divergências. Por exemplo, no Brasil, aos ١٨ anos de idade, a pessoa pode tirar carteira de habilitação, abrir uma empresa ou ir à guerra em defesa da pátria, mas não pode alugar um carro – é preciso ter mais de 21 anos para isso. Em alguns países, a idade para adquirir a carteira de habilitação é de 16 anos. Critérios de status dependem, sobretudo, do alcance de metas tradicionalmente definidas – por exemplo, atingir certa idade.

Já os critérios de função relacionam-se com os papéis de responsabilidade social que a pessoa assume e que envolvem, sobretudo:

•Indivíduo – poder manter-se, sustentar-se e cuidar-se adequadamente.

•Cônjuge – encontrar um parceiro, casar-se, manter uma relação afetiva estável.

•Prole – ter filhos, arcar com o cuidado físico e emocional deles.

•Sociedade – ter um papel profissional exercido na sociedade, ser produtivo.

O indivíduo não precisa assumir todos esses papéis para ser considerado adulto no exercício de suas funções. Em nossa cultura, por exemplo, um sacerdote ou uma mãe solteira são considerados adultos, embora não cumpram todas as quatro responsabilidades citadas anteriormente (Grupo para o Adiantamento da Psiquiatria, 1974).

Na civilização ocidental, a definição social de adulto no exercício de suas funções é alcançada quando o sujeito assume, pela primeira vez, a plena responsabilidade por si mesmo – quando o jovem é capaz de garantir todos os seus ganhos afetivos, sociais e financeiros. Isso, em geral, segue-se à obtenção de um equilíbrio mental e emocional relativamente estável, característico do término psicológico da adolescência (Castanho, 1988).

É importante ressaltar que, para o campo da psicologia e das terapias, os critérios de função para caracterizar o final da adolescência são mais úteis e relevantes, na medida em que se trabalha com papéis sociais e não com meras convenções. Por exemplo, podemos avaliar como o jovem adulto está lidando com seu filho: de maneira cuidadosa e responsável ou infantil e negligente? Como os parceiros estão lidando com o casamento: serão capazes de cuidar também do vínculo amoroso, além de cuidar de si próprios? O final da adolescência, portanto, é caracterizado pela maneira responsável e autônoma como o indivíduo conduz sua vida, suas trocas afetivas e sua profissão.

Zylberstajn (2011) pesquisa do ponto de vista neurológico e afirma:

Do ponto de vista biológico, acreditava-se que o cérebro estava maduro aos 16 anos, mas um estudo longitudinal no Instituto Nacional de Saúde Mental (NIMH), dos EUA, que acompanhou o desenvolvimento cerebral de aproximadamente 5 mil crianças, concluiu que o cérebro humano só está maduro e pode ser considerado um cérebro adulto aos 25 anos. As mudanças mais significativas ocorrem no córtex pré-frontal e no cerebelo, regiões envolvidas na regulação das emoções e no funcionamento cognitivo. [...] Mas talvez a mudança mais significativa, pelo menos do ponto de vista da psicoterapia com estas pessoas, é que esta é a idade em que a poda sináptica ocorre com maior intensidade. Poda sináptica é um fenômeno neurológico que se inicia na adolescência e tem seu ápice aos 20 e poucos anos. Consiste em esculpir o cérebro, podando caminhos neuronais menos usados, geralmente criados na infância, deixando aquelas vias mais usadas, que são as associações mais complexas.

Uma pergunta que ouço sempre: antigamente a adolescência era diferente da de hoje? O processo pubertário, por ser hormonal, é semelhante, mas como a adolescência é um processo essencialmente psicossocial e cultural, sim, é diferente hoje. É mais longa e tem exigências diferentes das de 50 anos atrás, porque claramente a sociedade se tornou muito diferente e mais complexa nos últimos 50 anos. Por exemplo, hoje há muitos adolescentes com estresse por excesso de exigências ligadas a estudo, apresentando sintomas físicos, irritabilidade e desânimo.

Luto ou júbilo?

Quando se pesquisa a psicologia de adolescentes, encontram-se inúmeras citações dos livros de Arminda Aberastury, cujos conceitos dominaram o estudo sobre o tema. As ideias sobre o luto na adolescência contidas na obra Adolescência normal (1981), escrita em coautoria com Maurício Knobel, foram gestadas na década de 1960, apresentadas no Simpósio da Associação Psicanalítica Argentina em Buenos Aires, em 1964, e publicadas em 1966. Elas refletem a visão particular desse grupo de estudiosos, que entendia a adolescência como uma época de lutos pela infância perdida. Aberastury descreve o luto que a criança vive ao adentrar a adolescência em relação à perda do corpo infantil, à perda dos pais da infância, à perda da sexualidade e da identidade infantil. Das inúmeras contribuições que Aberastury trouxe para o estudo da adolescência, a abordagem dos lutos foi a mais consagrada entre os estudiosos.

No entanto, na visão de Rodolfo Urribarri (2003), psicanalista uruguaio que aborda o tema, o luto não ocorre, pois a transição da infância para a adolescência pela qual o jovem passa é desejada. Para o autor, não há ênfase no luto porque essa é uma conquista almejada e não haveria então sentimento de perda pelo corpo ou pela identidade que se transforma, mas sim um júbilo pelas transformações ansiadas. Tal visão otimista e entusiasmada da adolescência me parece mais verdadeira do que a ênfase nas perdas e no luto.

Em seu texto, Urribarri questiona o que se lamenta perder do passado e como se produz a passagem do infantil ao juvenil, e faz uma interessante abordagem, que tentarei resumir. O autor menciona que Anna Freud (1976) estudou a semelhança emocional e comportamental da adolescência com as pessoas em luto ou que sofreram uma decepção amorosa: a libido dos indivíduos está totalmente comprometida com um objeto de amor do presente ou do passado; a dor mental é o resultado da difícil tarefa de tirar a energia desse vínculo e renunciar a uma posição que já não oferece retorno do amor ou nenhuma gratificação. Ele acrescenta:

Também o adolescente está empenhado em uma luta emocional de extrema urgência e imediatez. Sua libido está a ponto de desligar-se dos pais para se ligar a novos objetos. São inevitáveis o luto pelos objetos do passado e os amores afortunados e desafortunados.

Cita, entre outros autores, Peter Blos (1971, p. 104): Pode-se descrever essa fase em termos de dois amplos estados afetivos: luto e enamoramento. A separação dos pais edípicos, dos quais vinha toda a gratificação, é um processo doloroso, que só pode ser alcançado gradualmente.

Anna Freud (apud Aberastury, 1983) diz que é muito difícil assinalar o limite entre o normal e o patológico na adolescência e considera, na realidade, normal toda comoção desse período da vida, apontando que também seria anormal a existência de um equilíbrio estável durante o processo adolescente.

Além disso, os vínculos afetivos que o adolescente tem com os pais devem ter se modificado. Essa é a causa de suas reações de pesar, que não têm paralelo na infância: O que faz dessa tarefa emocional ainda mais difícil é o fato que implica, ainda, um definitivo e final abandono da dependência prática e emocional de seus pais (Urribarri, 2003, p. 49).

A discussão se enriquece com Blos (apud Urribarri, 2003), que reitera a relação entre o afeto e o desligamento dos pais, enfatizando que o trabalho de luto se desenvolve em paralelo com o júbilo de sentir-se independente do progenitor interiorizado. Assinala ainda os estados transitórios de exaltação, egolatria e ensimesmamento, produtos da transitória inundação libidinal do self para sua reconexão com novos objetos.

Urribarri escreve que pode haver certa tristeza pelo afastamento da infância, mas há principalmente júbilo pela paulatina concretização de sua esperança de ser adulto, em que a ênfase está mais no que se conquista e se desenvolve do que no que se perde. Quanto ao luto pelo corpo infantil, o autor pergunta por que para o adolescente seu corpo em transformação é significado necessariamente como perda: Por acaso não observamos que, em geral, o crescimento e a maturação puberal são ansiosamente desejados e jubilosamente recebidos?

Observo também na prática clínica que, em relação à perda da identidade infantil,

o que caracteriza o sentimento de identidade do sujeito é continuar sendo o mesmo ainda que na mudança. Como é que se perde uma identidade e se caminha até a aquisição de outra? Se assim for, todos os adolescentes atravessariam um longo período psicótico já que perderam sua noção de identidade, e é claro que não é o que habitualmente observamos. (Urribarri, 2003, p. 52)

Podemos dizer que o infantil se modifica, fica mais complexo e, com o desenvolvimento de novos papéis, se organiza de forma nova; em outras palavras, produz-se uma transmutação, que de alguma maneira inclui o anterior. A mudança para o novo se baseia no passado infantil e o inclui e modifica; portanto, o passado não se perde e, consequentemente, não é motivo de luto.

Com o objetivo de conquistar uma identidade própria, o jovem vai contestar o mundo adulto e suas regras, baseado em um sentimento de autossuficiência e grandiosidade. Se, por um lado, essa contestação provoca uma situação de conflito, por outro resulta em uma renovação cultural indispensável à família e à sociedade (Levy, 2001).

Ainda de acordo com Urribarri (2003), quem se centra no luto, metaforicamente, viaja em um barco (o desenvolvimento), mas olhando do convés de popa, vendo só a terra que se deixa, afastando-se dolorosamente do conhecido, sabendo que não retornará, enquanto não percebe que, se for para a proa, verá como singram as águas avançando para novos horizontes e que poderá alcançar objetivos mais interessantes. O desenvolvimento abrange as duas coisas de uma vez, tanto a relativa dor pelo que se deixa como a alegria do que se espera, do que se conquista. O autor diz também:

Outro processo de luto, próprio da adolescência, seja a renúncia à imagem ideal forjada na infância sobre como seria quando jovem ou adulto. Isso é particularmente importante no que se refere ao corpo, já que o mesmo muda basicamente de acordo com determinantes genéticos e não de acordo com o próprio desejo (ou o dos pais). Essa discordância entre o desejado e o que aparece cria, às vezes, um intenso conflito, e sua resolução implica um penoso luto pela perda de um ideal de perfeição física, que a realidade contraria e que nunca se alcançará. (Urribarri, 2003, p. 59)

Como exemplo, vemos a frustração de jovens que jogavam basquete na infância, mas não cresceram o bastante para ser jogadores na adolescência e na idade adulta.

Urribarri (idem) ainda afirma:

Pode-se observar esse luto a respeito de alguma capacidade ou habilidade imaginada que iria ser alcançada pelo desenvolvimento, quando a realidade mostra o adolescente inoperante nessa área ou carente desses dons que seriam utilizados. Só mediante uma lenta resignação imposta pela realidade que possibilita a renúncia com tristeza por aquilo que nunca será, como desenlace do luto, é que ele poderá descobrir, catexizar e, consequentemente, promover e enaltecer aquelas capacidades e/ou habilidades que efetivamente tem. Homologamente no caso do físico, poderá investir em seu corpo real e realçar seus aspectos mais destacados ou que se acerquem do seu ideal.

Percebemos que ninguém tem todas as qualidades que deseja, mas todos têm alguns pontos fortes. Estes precisam ser ressaltados para o adolescente e a família para que eles os incorporem e valorizem. Isso ajudará o jovem a superar a tristeza por não ter alcançado o corpo ideal ou as habilidades que desejava ter.

Aqui cabe falar do luto dos pais. Esses podem sentir que perdem a criança dócil que tudo acatava e passam a ter um filho que questiona as regras e propõe novas ideias para o que estava estabelecido. Os pais fazem, sim, o luto pelo filho idealizado na infância, mas também se surpreendem prazerosamente pelas qualidades que ele apresenta no decorrer do desenvolvimento.

Observo que uma grande dose de tranquilidade também faz parte da adolescência de muitos indivíduos. Grande parte dos adolescentes é tranquila, silenciosa e de poucas crises, mesmo com o desafio das conquistas e com o confronto necessário com os pais. No que diz respeito aos pais, é preciso, acima de tudo, que o jovem transmita a mensagem de que consegue lidar com esse turbilhão – paixão, estudos, amigos – para que eles confiem nele e o deixem gerenciar a própria vida.

Jeammet e Corcos (2005) afirmam que a maioria dos adolescentes atravessa esse período da vida sem crise manifesta e que essa etapa é uma exigência de trabalho psíquico inerente ao desenvolvimento, em que o jovem deixa suas certezas de criança e ainda não encontrou a segurança do adulto.

Muito se fala sobre os aborrescentes que chateiam os pais com questionamentos impertinentes, mau humor e crises de angústia, trancados no quarto, com os excessos do videogame e, pior ainda, o perigo das drogas, do álcool e dos acidentes de carro. Testar limites faz parte do processo de se conhecer, e alguns jovens realmente se aproximam perigosamente das armadilhas que a sociedade oferece. Não quero negar o turbilhão emocional que também observamos nessa fase, mas apenas ressaltar que nem sempre adolescência é problema.

Em síntese, a família se preocupa, mas também está em júbilo pelo filho adolescente que cresce, conquista novos espaços, aprende muitas coisas e traz para casa as inovações do mundo tecnológico e social. A família é inundada por novas maneiras de se expressar, de se vestir, novas músicas e novos comportamentos – é a renovação que a alcança, quer ela queira ou não.

Meia-idade

Berman e Napier (2000) definem meia-idade, em termos cronológicos, como a faixa entre 40 e 65 anos, que compreende um amplo período da experiência humana e se caracteriza por intensas mudanças. Contextualmente, é descrita como a fase da vida em que há filhos crescidos e pais idosos (Papalia e Olds, 2000). A meia-idade é conhecida e vista como um período estressante e repleto de crises de angústia.

Se, na juventude, tudo está para ser conquistado, na meia-idade as maiores conquistas já aconteceram e o adulto sabe que esse é seu período de maior produtividade. A crise vem quando se constata que não se chegou aonde se queria ou que se fez esforço na direção errada; ou quando se percebe que o casamento de 20 anos de duração não mais satisfaz; ou que se construiu uma carreira que não traz a realização ou o ganho financeiro, como se imaginava que aconteceria.

A meia-idade é, sem dúvida, um momento de desafios. Durante esses anos, começam a se evidenciar os problemas do envelhecimento do corpo e as pessoas têm crescente dificuldade de negar a inevitabilidade da morte. Em geral, elas enfrentam o afastamento dos seus filhos adolescentes e também deparam com as necessidades dos próprios pais, que estão envelhecendo, vendo reduzir suas capacidades e tornando-se mais dependentes. Avôs e avós antes autônomos e colaboradores podem começar a perder a capacidade de gerenciar o próprio dinheiro de maneira responsável ou de cuidar da própria casa, passando a exasperar os filhos adultos, que contavam até então com os progenitores idosos como fonte de apoio, bom senso e sabedoria.

Erikson (1998) ressalta a capacidade criativa dessa etapa, afirmando que o conflito básico é generatividade versus estagnação. Os adultos estão focados na geração de novos seres, novos produtos e ideias, incluindo a autogeração relativa ao próprio desenvolvimento. O grande medo é a estagnação, mesmo para aqueles que são extremamente produtivos. O desenvolvimento atingido agora se volta para cultivar a força na geração seguinte, pois esta é a reserva de vida humana. Ele acrescenta que um adulto precisa estar pronto para se tornar um modelo de muita sabedoria aos olhos da geração seguinte e para agir como um juiz do mal e um transmissor de valores ideais.

Crises de meia-idade podem advir dos mais diversos motivos, até pelo enfado do excesso de estabilidade, sentido como estagnação. Casamentos de longa duração apresentam crises, e relações que estavam sendo sentidas como razoáveis de repente tornam-se intoleráveis. Ambições e anseios reprimidos pelo interesse da unidade familiar podem vir violentamente à tona e tornar-se demandas urgentes. Com frequência, pais solteiros se sentem emocionalmente exaustos e financeiramente estressados nessa fase. Para os adultos que estão atravessando a meia-idade, a perspectiva é de que, se forem conquistar algumas coisas na vida em algum momento, esse momento é o presente, antes que as dificuldades da idade os atinjam (Berman e Napier, 2000). Papalia e Olds (2000) afirmam que a inteligência muda, os processos de pensamento amadurecem e essa é a fase mais criativa da vida, de liderança e de muita produtividade.

Uma mudança fundamental da meia-idade é o declínio da capacidade reprodutiva. Ela afeta muito mais as mulheres, embora também tenha impacto no homem. As mulheres têm queda repentina dos hormônios estrógeno e progesterona, com sintomas às vezes muito desconfortáveis, e há grande impacto psicológico. Os homens sofrem queda pequena e gradual de testosterona e têm sintomas mais indeterminados e discretos. Para eles, a capacidade reprodutiva continua, não havendo experiência comparável à menopausa (Papalia e Olds, 2000).

Por outro lado, apesar de os problemas da meia-idade serem complexos, a pesquisa da MacArthur Foundation Research Network on Successfull Mid-life, conduzida por dez anos com quase 8 mil norte-americanos na meia-idade, mostra uma perspectiva diferente e otimista sobre essa faixa etária. O estudo aponta que o período que vai dos 40 aos 60 anos é considerado bom para as pessoas que o vivem. Os indivíduos se sentem satisfeitos com a vida e, apesar das preocupações com o futuro, relatam ter grandes ganhos pessoais. Vários estudos sobre a meia-idade nos Estados Unidos propõem uma visão positiva desse período (Berman e Napier, 2000). Podemos pensar que, no Brasil, as classes média e alta vivem um bem-estar semelhante à população norte-americana, mas a classe baixa sente que nunca poderá alcançar a segurança descrita, pois vive em condições de muita luta pela sobrevivência.

Os principais problemas do indivíduo na meia-idade, além dos já citados, se referem à procura de um sentido maior na vida e a assuntos ligados ao trabalho, incluindo burnout, busca de estabilidade, entrada em uma segunda carreira, ameaça de perda de emprego, envelhecimento e aposentadoria.

Família

Adolescência e família

Conforme os filhos crescem, os adultos também enfrentam acomodação de conduta, lutos e reavaliações, pois o jovem adquire características estranhas ao repertório familiar. Ele pode escolher uma carreira considerada inadequada, por exemplo, ou ter amigos que os pais não veem com bons olhos. Em uma família mais rígida, essa conduta pode desencadear um comportamento de excesso de autoridade parental. Os pais se confrontam com a perda do filho idealizado para acomodar a realidade, que se impõe para eles com suas limitações, suas reais conquistas e méritos. Quando os pais aceitam as escolhas dos filhos – embora elas não sejam as escolhas dos seus sonhos –, estes se reaproximam e estreitam seus laços de afeto com a família mais rapidamente.

O adolescente realiza sua individuação dentro de um contínuo, intenso e

Você chegou ao final dessa amostra. para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de Terapia de família com adolescentes

4.0
1 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor