Aproveite milhões de e-books, audiolivros, revistas e muito mais, com uma avaliação gratuita

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Semiopublicidade: Inovação no Ensino - Epistemologia e Currículo da Publicidade
Semiopublicidade: Inovação no Ensino - Epistemologia e Currículo da Publicidade
Semiopublicidade: Inovação no Ensino - Epistemologia e Currículo da Publicidade
E-book403 páginas5 horas

Semiopublicidade: Inovação no Ensino - Epistemologia e Currículo da Publicidade

Nota: 0 de 5 estrelas

()

Ler a amostra

Sobre este e-book

Este livro apresenta uma proposta de revisão e reestruturação dos currículos dos cursos superiores em publicidade e propaganda. A partir de uma pesquisa teórica alicerçada nas interfaces da comunicação publicitária com o consumo e a semiótica, propõe uma revisão epistemológica da publicidade, como base para uma possível redefinição dos currículos. É a partir do entendimento dos complexos desafios que se impõem à propaganda contemporânea que se pensa aqui o aperfeiçoamento do seu ensino em nível superior. É com base na definição da semiopublicidade – uma publicidade demarcada na linguagem, nos sentidos e no consumo – que se chega às propostas concretas deste livro. Após a análise do currículo de dez instituições de ensino superior no Brasil – estaduais, federais, particulares e confessionais –, apresenta-se um modelo de construção curricular, não apenas sugerindo novas formas de se constituir a organização das disciplinas, mas principalmente defendendo uma nova concepção de currículo, integrada aos contornos do contemporâneo, alinhada com a abordagem transdisciplinar e sustentada nas novas possibilidades epistemológicas da publicidade. O conteúdo do livro é, ao mesmo tempo, teórico e aplicado, aproximando os conhecimentos dos campos científicos que sustentam a publicidade contemporânea das práticas que envolvem a gestão do ensino superior. Assim, não apenas propõe a reflexão a respeito dos desafios enfrentados pela publicidade na contemporaneidade, como também demonstra como esses desafios devem se refletir em uma revisão completa da estrutura curricular dos cursos superiores. Contempla também uma análise das Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de publicidade, propondo uma nova maneira de se conceber a estrutura curricular dos cursos, em sintonia com as discussões atuais do campo.
IdiomaPortuguês
Data de lançamento12 de ago. de 2019
ISBN9788547319144
Semiopublicidade: Inovação no Ensino - Epistemologia e Currículo da Publicidade
Ler a amostra

Relacionado a Semiopublicidade

Ebooks relacionados

Artigos relacionados

Avaliações de Semiopublicidade

Nota: 0 de 5 estrelas
0 notas

0 avaliação0 avaliação

O que você achou?

Toque para dar uma nota

A avaliação deve ter pelo menos 10 palavras

    Pré-visualização do livro

    Semiopublicidade - Bruno Pompeu

    currículos.

    SUMÁRIO

    Introdução

    Estrutura, conteúdos e objetivos 

    1

    Entendendo a pesquisa: dos paradigmas às técnicas

    2

    Contexto contemporâneo: questões de fundo

    2.1 Os impactos na publicidade 

    3

    A transversalidade do consumo

    3.1 O consumo e o fazer publicitário 

    4

    Enfim, a publicidade

    4.1 Desafios contemporâneos à publicidade 

    4.2 Uma questão de mídia 

    4.3 O pensamento comunicacional sobre a publicidade 

    4.4 A distância entre o pensar, o fazer e o ensinar 

    5

    O ensino da publicidade

    5.1 Um pouco de história 

    5.2 A regulamentação do ensino da publicidade 

    5.3 O ensino da publicidade hoje 

    6

    Currículo

    6.1 Possíveis referências 

    6.2 Antes das análises 

    6.3 Durante as análises 

    6.4 As inferências 

    6.5 Depois das análises 

    7

    Propostas para o ensino da publicidade

    7.1 Os talentos 

    7.2 A alfabetização semiótica 

    7.3 Modelo de arranjo disciplinar 

    7.3.1 Nível epistemológico 

    7.3.2 Nível teórico 

    7.3.3 Nível prático 

    7.4 O perfil do aprovado 

    8

    Conclusões

    9

    Um encontro de pensamentos

    Referências

    Introdução

    Bruno, preciso que você me substitua em uma aula na semana que vem. Foi com essas palavras que as portas da docência se abriram para este pesquisador. Era ainda o tempo do mestrado e, mais para não contrariar a orientadora do que por vontade real de lecionar, o pedido foi aceito. Curso de Publicidade, Universidade de São Paulo, disciplina de administração publicitária. Apenas quatro anos separavam os bancos daquela sala de aula e a nova posição a ser assumida por mim naquele dia, diante daqueles alunos. Nervosismo, angústia, ansiedade, insegurança. Depois de estudar o conteúdo da aula, segui para o desafio. Boa noite, eu vim substituir a professora regular de vocês, que está em um compromisso aqui na universidade mesmo. Hoje nós vamos falar de eficiência, eficácia e valor. Era para ser uma aula de duas horas, a apresentação com o conteúdo tinha sido fornecida pela própria professora e nada poderia dar errado. Só que, antes dos quinze minutos de aula, o professor já tinha chegado ao último slide. Falou tão rápido, fez tudo tão errado, que por pouco não arruinou aquela preciosa oportunidade de dar seu primeiro passo no caminho do ensinar.

    Mas foi aí que se fizeram sentir o valor da polidez dos alunos e a grandeza da bondade da orientadora. Alunos educados, generosos, fingiram não perceber o desastre didático que tinham diante de si e colaboraram para que a aula chegasse ao fim sem maiores sofrimentos. Toparam recomeçar a aula do zero em outro ritmo e a perda até que não foi assim tão grande. E a professora, bem, essa, depois de ouvir o relato, dona da mais assombrosa sensibilidade, com seu otimismo indestrutível, na sua incrível habilidade de encontrar pontos positivos onde aparentemente só há problemas, limitou-se a dizer: então foi ótimo! Parabéns, você agora é professor!

    Qual nada. Professor mesmo só mais adiante, quando, já mestre, o pesquisador foi bater à porta das escolas de publicidade de São Paulo por uma vaga. Qualquer vaga, aula de qualquer coisa, o mestrado acabou, tem que trabalhar.

    Planejamento de campanha, faculdade particular, de massa, na periferia, quinto semestre, noturno, sala 804-B. 72 alunos. No dia seguinte, outra turma, outra sala, outra disciplina, mais algumas dezenas de alunos. Em um ano nessa instituição, centenas de alunos passaram pelas aulas deste pesquisador. Muitos alunos. Aprendizados em quantidade e intensidade gigantescas. E um projeto de pesquisa.

    Para se chegar até aqui, foram quatro anos de trabalho, de leituras, de descobertas, de idas a campo, de viagens a congressos, de artigos produzidos, de eventos frequentados, de conversas com professores e colegas, de aprendizado, de alegrias, de frustrações, de tudo aquilo que deve fazer parte de um percurso investigativo denso. Um início de muitas dúvidas e incertezas, uma longa caminhada de trabalho pesado, um final de alívio, de satisfação e, impossível evitar, de novas dúvidas e mais incertezas. De qualquer forma, agora, com o livro finalizado, cumpre assumir um olhar retroativo, voltar ao tempo das primeiras incertezas e dos ânimos iniciais e, como que recontando de outra forma o passado, estabelecer seus pontos de partida, seus preceitos iniciais, para que a leitura destas páginas seja clara e compreensível.

    O problema original, que deu origem à empreitada investigativa e que tanto tinha perturbado o pesquisador em seus primeiros anos de docência – por mais complexo e ardente que fosse –, teve de ser adaptado aos propósitos e aos limites de um livro. Não há como transformar um contexto educacional inteiro em uma única pesquisa. Tivemos que buscar um recorte, a construção de algo palpável, que pudesse ser efetivamente estudado. De modo que, sendo bastante objetivo, pode-se dizer hoje que a pergunta central a que esta obra tenta responder é: o que fazer para que o ensino da publicidade seja mais adequado ao tempo em que se vive hoje?

    Qualquer um sabe que os tempos atuais têm provocado transformações significativas em várias áreas da vida cotidiana. Os novos tempos fazem com que as instituições se vejam questionadas e, por vontade própria ou pressão externa, acabem tendo de se reinventar. Esse novo contexto impõe às instituições de ensino diversos problemas que acabam desafiando seu modo convencional de pensar, sua identidade tradicional e, principalmente, sua função na sociedade contemporânea.¹

    Este livro se alinha aos esforços contemporâneos da universidade em se adequar a esse novo contexto. Procurando dar respostas especificamente no campo da comunicação publicitária, sua contribuição está na esfera do currículo dos cursos superiores de publicidade.

    E por que fixar esta pesquisa precisamente nos currículos dos cursos de publicidade? É que parece residir na estrutura curricular dos cursos, muito mais do que na didática, por exemplo, a materialização do tratamento teórico que se dá atualmente à Publicidade. Ou seja: é nas matrizes curriculares que se encontra a interface ideal entre a teoria e a prática, entre a coordenação dos cursos e os seus professores, entre esses mesmos professores e os seus alunos, entre o que se planeja e idealiza para um curso de publicidade e o que se pratica na sala de aula. Em suma: o currículo é, sem dúvida, um dos elementos mais relevantes quando se pensa em ensino. De modo que estudar esses currículos – e apresentar propostas concretas para a sua renovação – parece ser uma forma mais efetiva de contribuição.

    Diante de um cenário geral crítico, pautado por transformações radicais e desafios complexos, pensar o currículo e criar novas perspectivas curriculares se torna imperativo.² Ou seja: se o ensino da publicidade se vê, hoje em dia, imerso em um emaranhado de questionamentos, problemas, crises e desafios, buscar outro ponto de vista para a discussão dos seus currículos parece ser um caminho viável e frutífero.

    Estrutura, conteúdos e objetivos

    O primeiro capítulo do livro apresenta uma discussão sobre a pesquisa em comunicação e a importância do alinhamento epistemológico entre a dimensão teórica da pesquisa e seu desenvolvimento metodológico. Trata-se de um capítulo que não apenas ajuda a entender de que forma se chegou aos resultados da pesquisa, mas que também contribui no entendimento dos próprios resultados apresentados. Não se pode enfrentar uma questão complexa – como a que este livro encara, aproximando comunicação, publicidade, consumo, educação e currículo – sem um tratamento teórico igualmente transversal e transdisciplinar; menos ainda sem um mínimo de coerência entre o paradigma teórico adotado e os procedimentos metodológicos utilizados. O primeiro capítulo, portanto, aborda justamente essas questões, evidenciando as escolhas do autor e contribuindo nas discussões sobre o próprio fazer investigativo no campo científico da comunicação e, por que não, da publicidade.

    Já o capítulo seguinte tem como elemento central a contextualização das questões discutidas ao longo da obra. Valendo-se de referências teóricas pertinentes às questões estudadas – comunicação, publicidade, consumo, ensino, currículo –, o segundo capítulo serve para demonstrar em que contexto específico está sendo situado o ensino da publicidade estudado e a partir de qual conformação contextual se está traçando o modelo propositivo apresentado. É nesse capítulo que contribuições da filosofia e da sociologia são utilizadas como forma de apresentação desse contexto, sempre privilegiando os aspectos relacionados ao tema da pesquisa.

    Na sequência, um capítulo inteiro dedicado ao fenômeno do consumo, tema absolutamente relevante e transversal aos assuntos deste livro. Se o consumo é um assunto que pode ser abordado por diferentes perspectivas – nos mais variados campos científicos – é fundamental deixar claro quais dessas dimensões estão sendo aqui consideradas. De modo que, no terceiro capítulo, o consumo vai ser apresentado na sua localização intersticial entre a filosofia, a sociologia e a antropologia, como que pavimentando a partir dessa pluridisciplinaridade teórica a ponte que serve para unir o contexto atual (capítulo anterior) com a comunicação publicitária (próximo capítulo).

    O quarto capítulo, na sequência, é dedicado inteiramente à publicidade propriamente dita. Nele, são discutidos alguns dos pontos centrais dessa publicidade na contemporaneidade, privilegiando as questões relacionadas à linguagem e aos formatos publicitários. É como uma busca por uma epistemologia própria da publicidade, tentando encontrar um território conceitual que possa lhe servir de base. O contexto contemporâneo tem provocado alterações significativas no fazer e no pensar da publicidade, de modo que esse novo cenário exige dos que decidem pesquisar o seu ensino uma postura igualmente disruptiva do ponto de vista epistemológico.³ Por isso é que ainda no quarto capítulo se apresenta uma ampla revisão bibliográfica sobre o assunto, reunindo autores de diferentes áreas científicas que tenham se preocupado em definir o que é a prática publicitária hoje em dia. É a promoção de uma reunião de pensamentos, às vezes díspares, em muitos pontos coincidentes, mas sempre no sentido de dar à publicidade um corpo contemporâneo, a partir dos seus conflitos, dos seus dilemas, de tudo aquilo que torna a publicidade tão viva, desafiadora e interessante.

    O capítulo 5 aborda as questões ligadas ao ensino da publicidade. Parte-se de uma perspectiva histórica, recontando como os cursos de propaganda foram institucionalizados no Brasil e como as políticas curriculares se desenvolveram. É nesse capítulo que se discutem as atuais Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de publicidade, procurando construir um retrato de como está esse ensino hoje. Tudo isso para, logo na sequência, no sexto capítulo, chegar-se efetivamente à questão dos currículos. Depois de já se ter percorrido um caminho que vai da teoria mais abrangente à prática mais específica, é chegada a hora de aplicar esse conhecimento ao objeto concreto da pesquisa, analisando detalhadamente as matrizes curriculares das instituições de ensino do Brasil.

    Como que atando as pontas teóricas e empíricas esmiuçadas nos capítulos anteriores, o sétimo capítulo reúne as propostas concretas e efetivas da pesquisa. É nessa parte do livro que se apresentam, não exatamente, os resultados da investigação – estes estão espalhados por todo o conteúdo do livro –, mas os caminhos práticos aventados como possíveis para a reestruturação curricular do ensino superior em publicidade no Brasil.

    Depois das conclusões, que sintetizam os conteúdos e os aprendizados, apontando futuras possibilidades investigativas, surge um último e rápido bloco de texto. Não é apêndice, posfácio ou anexo. É narrativa livre e espontânea, a que se deu vazão durante o processo de desenvolvimento da pesquisa e de escrita do livro. Não se propõe a ser conteúdo acadêmico, por mais que tenha brotado do intenso mergulho deste autor nas teorias que sustentaram este livro. Não representa repúdio aos parâmetros tão rígidos quanto tradicionais do texto científico, ainda que se revele um tanto inesperado na sua estrutura e rebelde na sua abordagem. Não tem por intuito agredir ou diminuir qualquer um dos que no texto venham a ser mencionados, sendo, pelo contrário, forma de sincera homenagem aos que povoaram a mente e os sonhos deste autor nos últimos anos de sua pesquisa.

    Boa leitura!

    1

    Entendendo a pesquisa: dos paradigmas às técnicas

    Se, como afirmam os dicionários e os próprios livros de metodologia, a palavra método pode significar um caminho através de algo, o que esta pesquisa tem a dizer sobre os seus métodos pode, talvez, ser comparado a uma insólita aventura. E nem era essa a intenção primeira, tudo foi acontecendo por acaso, fugindo totalmente ao controle do autor. É bem verdade que toda pesquisa acaba sendo uma aventura, que exige dos seus condutores exploração, criatividade e rigor.⁴ Só que deixar de contar aqui essa aventura certamente comprometeria a plena compreensão da obra. Todos sabemos que não é sempre que se deve apresentar um capítulo sobre a metodologia de uma pesquisa – é assim que ensinam os professores. O melhor é que as reflexões a respeito dos métodos e das técnicas empregados estejam espalhados ao longo do texto, em um exercício de crítica constante. Só que, no caso desta pesquisa em específico, alguns passos desse percurso metodológico não aparecem com clareza ao longo dos capítulos. Muita coisa foi feita e desfeita, pensada e depois mudada, planejada e mais tarde revista. De modo que o que neste capítulo está sendo abordado é uma discussão sobre a busca do rigor quanto aos procedimentos metódicos e técnicos, tendo em mente a fidelidade aos seus paradigmas e teorias.

    Por mais que todo pesquisador, de alguma maneira, conserve dentro de si um ímpeto investigativo – certo instinto pela descoberta –, a pesquisa acadêmica demanda outros esforços, exige outros parâmetros, cobra dos seus agentes outras capacidades. Fundar a produção de conhecimento científico na intuição é inadequado e pouco confiável⁵. Mesmo porque existem elementos, mecanismos e procedimentos (típicos da metodologia científica) que servem justamente para legitimar a produção do conhecimento. Sem a clareza, por exemplo, do paradigma ao qual se filia uma pesquisa, os riscos da incoerência são enormes.

    Sendo o paradigma uma espécie de visão de mundo adotada por determinada comunidade científica, ele define quais são os tipos de problemas a serem investigados, quais são as informações que devem ser consideradas no processo da pesquisa e, principalmente, que tipos de resultados devem ser produzidos. O paradigma resolve de certa maneira questões relativas ao ajustamento entre sujeito e objeto (valores, objetividade, ideologia) e ao próprio processo de produção de conhecimento.

    E é na definição do paradigma que esta pesquisa encontra seu primeiro ponto de particularidade: não se adotou nenhum dos três paradigmas clássicos das Ciências Sociais. Com a plena consciência de que um novo contexto geral, desafiador e complexo, exige novas posturas teórico-epistemológicas, torna-se indispensável pensar na possibilidade da adoção de outro paradigma – que faça sentido diante dos problemas e que abra novas possibilidades de investigação. De modo que, neste livro, a epistemologia peirceana⁷ se irmana a uma postura de valorização das reflexões do investigador, típicas do paradigma chamado interpretativista.

    Sim, a realidade é composta por signos e o próprio conhecimento só se dá pela mediação sígnica. E justamente por isso é que a sensibilidade do investigador, sua capacidade de abrir a percepção aos signos e daí extrair interpretações sobre seu objeto de estudo devem ser aqui valorizadas. Porque a pesquisa é, ao mesmo tempo e paradoxalmente, coletiva e individual. Se, por um lado, a ciência é um corpo vivo⁸, do qual os pesquisadores podem ser considerados apenas células, elos de uma corrente de vida e de energia, por outro, cada um deles é também em si uma unidade. A percepção é individual e somente individual, de modo que a ciência baseada na mediação sígnica só pode ser também pessoal.

    Com a questão do paradigma já minimamente equacionada, ficou até mais fácil olhar novamente para o objeto da pesquisa, que é justamente o ensino da Publicidade no Brasil. É evidente que não se pode tratar assim, com tal simplicidade, algo tão complexo e cheio de facetas e interfaces. Por isso a necessidade de se construir solidamente o objeto teórico. Entram em cena, então, as referências teóricas, que não precisam ser aqui agora enumeradas integralmente, mas que podem ser razoavelmente explicadas.

    O ensino da Publicidade pode ser encarado por várias perspectivas. Escolher qual ou quais delas serão usadas exige coerência com a postura epistemológica adotada e adequação com os objetivos da pesquisa. A seleção de teorias e autores para que se construísse o objeto teórico se deu na busca por pesquisadores brasileiros que já tivessem, de alguma maneira, estudado o ensino da Publicidade – e da Comunicação como um todo –, com reflexões sobre as matrizes curriculares, sobre os procedimentos didáticos, sobre ideologias e teorias subjacentes, sobre a história dos cursos etc. Mas havia também que se contextualizar esse ensino dentro de uma visão específica de contemporaneidade. Foi quando se buscou respaldo em certos flancos da Filosofia e da Sociologia mais recentes, para que ficasse claro de que contemporaneidade se está falando – quais aspectos mais interessam, quais assuntos mais importam. Só que não se pode falar de teoria sem se levar em conta as teorias do consumo, que também estão sendo largamente aqui utilizadas. Porque, se a pesquisa, como vai ficar claro mais adiante, acabou migrando também para uma discussão epistemológica, definir teoricamente alguns dos conceitos básicos dessa epistemologia transdisciplinar era igualmente necessário. Daí que se tenha buscado tantos teóricos do consumo – antropólogos, sociólogos, filósofos, semioticistas.

    Falar em inter, multi ou transdisciplinaridade é fácil. Difícil é praticá-la. Estudar materiais de áreas distantes é sempre um exercício de concentração e desprendimento. Um novo campo teórico traz sempre consigo novas formas de ver o mundo, de encarar os problemas, de analisar as coisas. Estudar as teorias do currículo foi para mim algo, ao mesmo tempo, extremamente desafiador e imensamente surpreendente. Desafiador porque a linguagem que se usa no campo da Educação é outra, porque as posturas quase sempre politizadas adotadas por seus autores já soam estranhas para quem está acostumado a uma Comunicação carente de ideologias e bandeiras, porque tudo é novo, tudo é diferente. E surpreendente porque ficou claro que as preocupações com o currículo, mesmo na Educação, por mais legítimas e relevantes que sejam, são relativamente novas, com um corpo teórico vasto e denso, mas comparativamente pequeno se comparado a outros assuntos da área. É claro que existe muita reflexão e muito conhecimento já estabelecidos sobre o currículo. O que de fato causou surpresa talvez tenha sido o fato de essas discussões estarem em pleno curso, em plena efervescência, sem consensos aparentes.

    Essa imersão teórica pelo campo da Educação foi absolutamente necessária, para se compreender melhor – para se construir teoricamente, ou seja, rompendo com o senso comum – esse que é o assunto central. Quando chegado o momento de se analisar as matrizes curriculares dos cursos superiores de Publicidade, percebeu-se que analisar a totalidade dos currículos do país impediria, ou ao menos dificultaria (pelo volume excessivamente grande de materiais), as reflexões mais profundas. Claro, porque seriam necessárias técnicas quantitativas e estatísticas e, se fosse assim, cada vez mais se estaria distanciando da postura adotada como paradigma, de se refletir e interpretar. Se é o objeto quem vai demandar os métodos de investigação que se lhe aplicam⁹, a totalidade dos currículos exigiria técnicas mais chegadas à estatística, plenamente aberta às reflexões, mas inegavelmente mais próxima da descrição. Tendo por objeto algo mais reduzido, selecionado com critérios bem elaborados, a exigência se faz por métodos menos duros, que possam então privilegiar as interpretações. Em outras palavras: não se pode pretender adotar uma postura efetivamente reflexiva diante de um objeto de pesquisa, tratando-o como um imenso composto de signos, como um grande signo, sem que haja um talho bem dado, sem que se saiba limitar seu tamanho ao contorno menor, mais preciso e produtivo. Uma pesquisa que se alinhe à epistemologia peirceana e ao paradigma interpretativista deve ir além da descrição e isso envolve decisões que se deve tomar desde a definição de seu objeto.¹⁰

    Critérios que serão explicados mais detalhadamente adiante, em momento mais oportuno, ajudaram a selecionar dez instituições de ensino, dos tipos mais variados, cujos currículos seriam submetidos à análise. Mas que análise? Que tipo de análise? Que método de análise? O material a ser analisado seriam os currículos das instituições de ensino selecionadas – não apenas as matrizes curriculares (nome das disciplinas), mas também os conteúdos das disciplinas (expresso nas suas respectivas ementas).

    E, se estava na agenda do pesquisador analisar uma quantidade relativamente grande de documentos – as matrizes curriculares, podendo esse material ser ainda mais expandido com a inclusão das ementas das disciplinas na análise –, o caminho escolhido foi o da análise de conteúdo. Lawrence Bardin, em seu livro clássico, Análise de conteúdo¹¹, revela a riqueza desse método, aponta os caminhos metodológicos e deixa arestas livres para o bom alinhamento epistemológico entre método e teoria.

    Assim, o ensino da publicidade (objeto teórico) é investigado a partir das matrizes curriculares (objeto empírico), materializadas nos títulos das disciplinas e nas suas respectivas ementas. Se um corpus de texto é a representação e a expressão de uma comunidade que escreve¹², a opção por se estudar as matrizes curriculares se fez na intenção de se pesquisar o ensino da publicidade, suas bases teóricas, sua epistemologia, de forma mais ampla.

    Se do paradigma de uma pesquisa decorrem diretamente suas posturas teóricas e suas opções metódicas e técnicas, nada mais recomendável do que se pensar em uma aproximação entre o método e as técnicas da análise de conteúdo e os postulados da semiótica de Peirce. E não se está aqui falando de nada realmente novo. Por mais que as misturas de métodos possam eventualmente causar certa apreensão – nos que a praticam, nos que orientam esses trabalhos e nos que se convidam para os avaliar –, a análise de conteúdo é naturalmente aberta a essas interfaces.¹³

    Um dos valores da semiótica de Peirce – fruto talvez do esforço obsessivo do autor por tentar dar conta em teoria de tudo o que fosse pensamento – é trazer em seu seio epistemológico, simultaneamente, um corpo teórico dos mais robustos e, também, um método surpreendentemente amplo e generalista (mas não onipotente, é claro), com ambos se entrelaçando constantemente. De modo que assumir uma postura semiótica diante da pesquisa científica (e da vida, por que não?) é também seguir as teorias de Peirce e obedecer ao seu método de pensamento reflexivo. A arquitetura filosófica peirceana, de que a semiótica é apenas uma parte, constitui uma vastíssima fundação para qualquer tipo de investigação ou pesquisa de qualquer espécie.¹⁴

    Portanto, há de fato um posicionamento semiótico diante do material analisado, considerado aqui como um composto de signos. Mais do que isso: em um paradigma peirceano-interpretativo, simplesmente não se tem como empreender uma análise por qualquer método – ou técnica, talvez mais adequado – que não acabe, de uma forma ou de outra, seguindo o pensamento de Peirce, desenvolvido, explicado e traduzido por Lucia Santaella.

    Procurando sempre a já mencionada coerência epistemológica, esta pesquisa tem como esforço constante seguir a lógica de pensamento de Peirce, sem procurar simplesmente encaixar à força disciplinas, ementas, textos ou palavras nas categorias muitas vezes utilizadas em análises tão superficiais quanto vazias. Ícone, índice e símbolo são definições sedutoras, que se aplicam a quase tudo, só que muito mais pela criatividade estapafúrdia dos analistas de ocasião do que pela generalidade que suportam. Mas, mesmo assim, mesmo recorrendo à análise de conteúdo, os princípios semióticos acabam sendo seguidos. E uma importante ressalva precisa ser feita.

    Faz parte dos procedimentos clássicos da análise de conteúdo a fase das inferências e há que se diferenciar o uso que se dá a essa palavra neste livro e o sentido particular que Peirce lhe atribuiu. Na sua busca incessante por engendrar de modo coerente todo o pensamento humano, Peirce deixou um vasto legado a respeito justamente das inferências. Lucia Santaella, em seu livro O método anticartesiano de C. S. Peirce¹⁵, é quem esclarece a evolução desse conceito ao longo da trajetória de Peirce e explica com riqueza de detalhes seu desdobramento nos três processos do raciocínio investigativo – a abdução, a dedução e a indução.

    Para Peirce, a inferência é um conceito bastante amplo, que abrange todo tipo de processo mental¹⁶. Com o passar do tempo, com a evolução do seu pensamento, e com o aumento da clareza quanto aos conceitos com que trabalhava, Peirce definiu com nitidez as linhas divisórias que havia entre os três tipos de inferência propostos: a abdução, de onde partem as hipóteses, primeiro passo de um pensamento investigativo; a dedução, processo intermediário em que se põem concretamente à prova as hipóteses aventadas; e a indução, etapa final, compreendendo a generalização realmente comprobatória do fato investigado.¹⁷

    Tudo isso para deixar claro que, quando se for apresentar os resultados das análises de conteúdo aplicadas aos currículos e as ementas das disciplinas estudadas, a palavra inferência estará sendo usada em sentido restrito, seguindo os princípios da própria análise de conteúdo. Pensando de maneira transdisciplinar, a palavra inferência está sendo usada neste livro quase sempre em um sentido dedutivo, porque relacionada ao procedimento experimental que busca concretizar na realidade o que as hipóteses (inferência abdutiva) provisoriamente afirmavam. Em outras palavras, de maneira mais direta: as inferências extraídas das análises dos currículos e das ementas, se pensadas pela perspectiva do método peirceano, são inferências dedutivas.

    O fato de nem sempre se estar trabalhando, nesta investigação, com os termos típicos da teoria e do método de Peirce não quer dizer que não se tenha procurado uma fidelidade constante aos seus princípios. A própria ideia de se relacionar a análise de conteúdo ao método científico elaborado por Peirce veio da percepção de que grande parte dos resultados das análises obedecia também ao processo analítico da semiótica peirceana. Se for levado em conta que, quando foram concebidos como estágios da investigação, a relação [entre os argumentos lógicos] passou a ser: abdução (primeiridade), dedução (secundidade) e indução (terceiridade)¹⁸, a relação deste investigador com as matrizes curriculares (objeto metonímico de todo o ensino da Publicidade) seguiu inevitavelmente esse caminho.

    Se o exercício da transdisciplinaridade está sempre parametrizada pelo paradigma adotado pelo pesquisador¹⁹, o mesmo deve valer para o cabedal de métodos de que ele se serve. De maneira que, sendo fiel a um paradigma híbrido, como já visto acima, esta pesquisa nem teria como fugir à opção da composição metódica. Martin Bauer diz que a análise de conteúdo é usada para construir índices. Um índice é um sinal que é causalmente relacionado a outro fenômeno.²⁰ Essa afirmação do autor talvez nem tivesse por propósito suscitar o possível enlace entre a análise de conteúdo e o método peirceano. Só que, se considerarmos que o índice é o tipo de signo correspondente à secundidade²¹ e que, no método de Peirce, conforme visto acima, é justamente a dedução o processo investigativo que corresponde a essa instância, a adequação entre esses dois métodos não poderia ser mais direta. Cumpre dizer que, se neste livro está se fazendo uso da análise de conteúdo como processo dedutivo, é porque é da natureza desse método relacionar indicialmente teoria e realidade, hipótese e objeto.

    2

    Contexto contemporâneo: questões de fundo

    Malditos bem-aventurados aqueles que se dedicam a estudar o presente. Pode haver algo mais ingrato para um pesquisador do que um objeto de estudo cambiante, do que uma cobaia que mude a cada instante, do que algo que se recuse a permanecer parado ou quieto entre uma sentada e outra do investigador ao microscópio? Pois estudar o contemporâneo deve provocar mesmo esse tipo de sensação – de impotência, de frustração, de incapacidade. Porque estudar o presente é estar condenado a lidar com o imaterial, é estar fadado a refletir sobre o impalpável, é estar atrelado ao invisível. Pior: um invisível que grita, um invisível que cheira forte, um invisível de cores vibrantes, um invisível que pesa, que se faz sentir em tudo, mas que, mesmo assim, é invisível. Mas estudar o contemporâneo, por outro lado, deve também gerar um profundo estímulo de curiosidade, uma incontrolável vontade de continuar, um desejo intenso (posto que sabidamente impossível) de vencer.

    São cientistas sociais (sociólogos, antropólogos, politicólogos...), filósofos, historiadores e, até mesmo, comunicólogos alguns dos que mais têm se dedicado aos estudos do presente. E, como é de se imaginar, nada faz supor que possa haver entre eles uma unanimidade, sequer um consenso. De modo que, de autor para autor, de escola para escola, de paradigma para paradigma, as visões sobre o mesmo assunto (o contemporâneo) podem variar diametralmente, levando mesmo o leitor comum a se questionar se essas pessoas todas vivem no mesmo planeta. Donde juntar alhos com bugalhos não é tarefa das mais fáceis, sendo muito menos arriscado teoricamente valer-se de um ou de alguns poucos como postulado, deixando a infinita miríade de pensamentos que existem dispersos pelos livros e pelas fieiras acadêmicas menos como reais sustentáculo e mais como possíveis pontos de confronto, comparação ou balizamento.

    Primeiro, temos Jean François Lyotard, o filósofo francês a quem se costuma creditar o termo pós-modernidade. Teria sido ele o primeiro a propor uma ruptura com os tempos ditos modernos e os tempos em que se vive agora, que seriam, então, chamados de pós-modernos. Em seu livro mais famoso, lançado em 1979, A condição pós-moderna²², o autor evidencia a relevância que a tecnociência assume na vida cotidiana e, a partir disso, traça sua perspectiva sobre os tempos (então) atuais. Deixa de ser mais importante a busca pela verdade e ganha destaque a procura pelo melhor resultado. E assumem evidência, por isso mesmo, as áreas do conhecimento ligadas à linguagem, casos da comunicação e da informática, só para que se citem duas.

    Para Lyotard, de fato, a interferência dos

    Está gostando da amostra?
    Página 1 de 1