Aproveite milhões de e-books, audiolivros, revistas e muito mais, com uma avaliação gratuita

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Financiamento das Escolas de Educação Básica na Gestão Democrática e Participativa
Financiamento das Escolas de Educação Básica na Gestão Democrática e Participativa
Financiamento das Escolas de Educação Básica na Gestão Democrática e Participativa
E-book270 páginas2 horas

Financiamento das Escolas de Educação Básica na Gestão Democrática e Participativa

Nota: 0 de 5 estrelas

()

Ler a amostra

Sobre este e-book

Durante o processo de organização da proposta do mestrado profissional em Educação, da Uninove, em 2011, a equipe organizadora do futuro programa promoveu uma série de encontros com docentes e gestores(as) das redes municipal e estadual da Educação Básica de São Paulo para, com eles(as), decidir o escopo da Área de Concentração dessa nova modalidade de pesquisa na instituição.
O propósito de tais reuniões consistiu em mapear, a partir das experiências desses profissionais, em diálogo com os pesquisadores acadêmicos, os principais problemas presentes no cotidiano da vida escolar. Levando-se em conta a miríade de questões emergentes naqueles debates, considerou-se que grande parte das temáticas apresentadas estavam concentradas no âmbito da administração escolar. Por essa razão, decidiu-se que a "gestão da escola" seria um elemento central para esse projeto.
Assim, já na sistematização da proposta do novo programa intitulado "Mestrado em Gestão e Práticas Educacionais" (Progepe), propôs-se, dentre os três eixos estruturantes do curso, a constituição da "Linha de Pesquisa e de Intervenção Gestão Educacional" (Lipiges).
De 2012, ano em que o Progepe iniciou suas atividades regulares, para cá, dezenas de trabalhos, dentre os quais, livros, dissertações, artigos, guias de intervenção pedagógica foram produzidos por discentes e docentes dessa linha. Essas pesquisas, bem como as propostas de ações pedagógicas que dela decorrem, têm confirmado, reiteradamente, a primazia da administração nos impactos sobre a qualidade da educação escolar.
De fato, a tese de que a gestão é decisiva no processo educativo pode ser constatada empiricamente no próprio cotidiano educacional das redes públicas. Ali percebermos, dentre outros aspectos, que escolas com estruturas e recursos pedagógicas, financeiros e materiais semelhantes acabam, por vezes, tendo desempenhos muito distintos na qualidade educacional que desenvolvem. Em outras palavras, mesmo considerando, no contexto das redes públicas, os diferentes fatores intervenientes que operam contra o sucesso educacional, uma boa equipe gestora é determinante para a eficiência e eficácia do trabalho pedagógico escolar.
Os estudos ora publicados no presente livro, Financiamento das escolas de Educação Básica na Gestão Democrática e Participativa, resultam dos trabalhos desenvolvidos no âmbito da disciplina "Fundamentos da Gestão Educacional". De uma forma geral, ainda que se trate de pesquisa qualitativa no âmbito de estudos de casos, eles estruturam, por distintos temas e perspectivas, um certo panorama comum da realidade gestora da Educação, particularmente na cidade de São Paulo e sua região metropolitana.
IdiomaPortuguês
Data de lançamento15 de ago. de 2019
ISBN9788594851055
Financiamento das Escolas de Educação Básica na Gestão Democrática e Participativa
Ler a amostra

Leia mais títulos de Rosemary Roggero

Relacionado a Financiamento das Escolas de Educação Básica na Gestão Democrática e Participativa

Ebooks relacionados

Artigos relacionados

Avaliações de Financiamento das Escolas de Educação Básica na Gestão Democrática e Participativa

Nota: 0 de 5 estrelas
0 notas

0 avaliação0 avaliação

O que você achou?

Toque para dar uma nota

A avaliação deve ter pelo menos 10 palavras

    Pré-visualização do livro

    Financiamento das Escolas de Educação Básica na Gestão Democrática e Participativa - Rosemary Roggero

    Sumário

    CAPA

    PREFÁCIO

    APRESENTAÇÃO

    Cap. 1 | A DESCENTRALIZAÇÃO DE RECURSOS NO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

    Adriana Zanini da Silva

    Rosemary Roggero

    Cap. 2 | DO PLANO DE GESTÃO AO DISPÊNDIO: UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS FINANCEIROS DE QUATRO ESCOLAS PÚBLICAS

    Camila Ericka Andrade de Melo

    Isis Grace da Silva

    Mary Anne de Oliveira Sena

    Regina Célia Fernandes da Costa Perpetuo

    Cap. 3 | GESTÃO DEMOCRÁTICA NAS INSTITUIÇÕES ESCOLARES: PARTICIPAR PARA QUÊ?

    Carlos de Lima Dantas

    Meire Cardoso

    Simone Pessanha

    Teresa Ribeiro

    Cap. 4 | COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO: ELEMENTOS FULCRAIS NA GESTÃO DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA

    Dartagnhan Salustiano Rodrigues

    Elizângela Gomes Nascimento

    Janaina Campos Peres Venditti

    Cap. 5 | GESTÃO ESCOLAR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE DUAS ESCOLAS ESTADUAIS E UMA ESCOLA MUNICIPAL SOB AS PERSPECTIVAS PEDAGÓGICA E FINANCEIRA

    Bruna Silveira de Abreu

    Elen Luna Moutinho

    Júlio César Marangoni

    Cap. 6 | GESTÃO DEMOCRÁTICA E A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS PÚBLICOS POR GESTORES ESCOLARES

    Emanuel Lucas Batista de Melo

    Irineu Rodrigues de Sousa Neto

    Norelei Rodrigues Frutuoso

    Plínio Corrêa Júnior

    Cap. 7 | GESTÃO SOCIAL PARTICIPATIVA: UM ESTUDO EM TRÊS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

    Liliane de Almeida Barbosa

    Liliane de Jesus Gonçalves

    Wellington Camargo Fernandes

    CONSIDERAÇÕES FINAIS

    ORGANIZADORAS

    AUTORES(AS)

    Organizadoras:
    Rosemary Roggero
    Adriana Zanini da Silva

    Financiamento das Escolas de Educação Básica na Gestão Democrática e Participativa

    São Paulo | Brasil | Julho 2019 – Ebook

    1ª Edição

    Big Time Editora Ltda.

    Rua Planta da Sorte, 68 – Itaquera

    São Paulo – SP – CEP 08235-010

    Fones: (11) 2286-0088 | (11) 2053-2578

    Email: editorial@bigtimeeditora.com.br

    Site: bigtimeeditora.com.br

    Blog: bigtimeeditora.blogspot.com

    Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, especialmente por sistemas gráficos, microfílmicos, fotográficos, reprográficos, fonográficos, videográficos. Vedada a memorização e/ou a recuperação total ou parcial, bem como a inclusão de qualquer parte desta obra em qualquer sistema de processamento de dados. Essas proibições aplicam-se também às características gráficas da obra e à sua editoração. A violação dos direitos autorais é punível como crime (art. 184 e parágrafos do Código Penal), com pena de prisão e multa, busca e apreensão e indenizações diversas (arts. 101 a 110 da Lei 9.610, de 19.02.1998, Lei dos Direitos Autorais).

    Conselho Editorial:

    Coordenadora:

    Ana Maria Haddad Baptista (coordenadora)

    Mestrado e doutorado em Comunicação e Semiótica. Pós-doutoramento em História da Ciência pela Universidade de Lisboa e PUC/SP onde se aposentou. Possui dezenas de livros, incluindo organizações, publicados no Brasil e no estrangeiro. Atualmente é professora e pesquisadora da Universidade Nove de Julho dos programas stricto sensu em Educação e do curso de Letras. Colunista mensal, desde 1998, da revista (impressa) Filosofia (Editora Escala).

    Integrantes do Conselho

    Abreu Praxe

    Poeta angolano, licenciado pelo Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCED), Luanda, onde trabalha como professor de literatura. Doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP. Membro da União dos Escritores Angolanos. Possui diversas obras publicadas (poesia) em diversos países.

    Montserrat Villar González

    Poetisa e crítica literária. Licenciada em Filologia espanhola e Filologia Portuguesa. Máster em ensino de espanhol como língua estrangeira. Doutoranda da Universidade de Salamanca. Tem vários livros publicados de materiais didáticos tanto de português como de espanhol. Possui vários livros de poesia publicados no Brasil, Portugal e na Espanha.

    Catarina Justus Fischer

    Professora de técnica vocal. Pós-doutoramento em Educação pela Universidade Nove de Julho, doutora em História da Ciência pela PUC/SP, mestra em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Bacharel em Canto Erudito pela Faculdade de Música Santa Marcelina. Possui dezenas de publicações, assim como inúmeras produções artísticas.

    Lucia Santaella

    Graduada em Letras Português e Inglês. Professora titular no programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica da PUCSP, com doutoramento em Teoria Literária na PUCSP em 1973 e Livre-Docência em Ciências da Comunicação na ECA/USP em 1993. Atuou como professora em diversas universidades estrangeiras. Coordenadora da Pós-graduação em Tecnologias da Inteligência e Design Digital, Diretora do CIMID, Centro de Investigação em Mídias Digitais e Coordenadora do Centro de Estudos Peirceanos, na PUCSP. Possui mais de 50 livros publicados.

    Márcia Fusaro

    Doutora em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e Mestra em História da Ciência (PUC-SP). Professora e pesquisadora do Programa Stricto Sensu em Gestão e Práticas Educacionais (PROGEPE) e da licenciatura em Letras da Universidade Nove de Julho. Líder do grupo de pesquisa Artes Tecnológicas Aplicadas à Educação (UNINOVE/CNPq). Membro dos grupos de pesquisa Transobjeto e Palavra e Imagem em Pensamento (PUC-SP/CNPq) e do Centro Interdisciplinar de Ciência, Tecnologia e Sociedade (CICTSUL) da Universidade de Lisboa. Autora e organizadora de diversas obras.

    Carminda Mendes André

    Pesquisadora de arte contemporânea em espaços públicos e possíveis interfaces com o ensino das artes em espaços formais e não formais. Bacharel em Teatro pela Universidade de São Paulo (1989), Mestre em Filosofia pela Universidade de São Paulo (1997), Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (2007); Pós-Doutora pelo Departamento de História da Universidade Estadual de Campinas (2010). Pesquisadora e Docente colaboradora do Programa de Pós Graduação em Arte do Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista - UNESP. Coordenadora do Grupo de Pesquisa Performatividades e Pedagogias Cnpq.

    Márcia Pessoa Dal Bello

    Doutora em Educação pelo PPGEDU/FACED/UFRGS. Mestre em Educação pelo PPGEDU/UNISINOS. Especialista em Psicopedagogia/ULBRA. Graduada em Pedagogia, com Habilitação em Supervisão Escolar, pela Universidade Mackenzie/SP. Coordenadora de Ensino na Fundação Municipal de Artes de Montenegro/FUNDARTE. Pesquisadora e membro do Grupo de Pesquisa Estudos em Educação Teatro e Performance-GETEPE/PPGEDU/FACED/POS.

    Vanessa Beatriz Bortulucce

    Historiadora da imagem, da arte e da cultura. Graduada em História pela Universidade Estadual de Campinas (1997), Mestra em História da Arte e da Cultura pela Universidade Estadual de Campinas (2000) e Doutora em História Social pela Universidade Estadual de Campinas (2005). Possui Pós-doutorado pelo Departamento de Letras Modernas da FFLCH-USP. Atualmente é docente nas seguintes instituições: Centro Universitário Assunção (UNIFAI), Universidade São Judas Tadeu e Museu de Arte Sacra de São Paulo. Tem experiência na área de História da Arte, atuando principalmente nas áreas da cultura do século XX: Arte Moderna, Arte Contemporânea, Futurismo Italiano, Umberto Boccioni, arte e política.

    Edson Soares Martins

    Possui graduação, mestrado e doutorado em Letras pela Universidade Federal da Paraíba (PPGL). Concluiu estágio pós-doutoral junto ao PROLING-UFPB. Atualmente é Professor Associado (Referência O) de Literatura Brasileira, na Universidade Regional do Cariri (URCA) e professor permanente no Programa de Pós-Graduação em Letras, na mesma IES. Tem experiência na área de Literatura, com ênfase em Literatura Brasileira, atuando principalmente nos seguintes temas: literatura brasileira, poesia, narrativa moderna e contemporânea, romances de Clarice Lispector e Osman Lins e psicanálise. Editor-geral de Macabéa - Revista Eletrônica do Netlli.

    Ubiratan D’Ambrosio

    Matemático e professor emérito da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), reconhecido mundialmente pela comunidade acadêmica por seus estudos na área de Etnomatemática, campo científico que discute sobre o ensino tradicional da matemática e como o conhecimento pode ser aplicado em diferentes contextos culturais. Ele foi laureado em 2001 pela Comissão Internacional de História da Matemática com o Prêmio Kenneth O. May por contribuições à História da Matemática e também ganhou em 2005 a medalha Felix Klein, pela Comissão Internacional de Instrução Matemática, por conta de suas contribuições no campo da educação matemática.

    Flavia Iuspa

    Diretora e professora de programas internacionais e iniciativas do Departamento de Pós-Graduação em Ensino e Aprendizagem da Florida International University (FIU). Doutora em Educação, com foco em currículo e instrução. Possui MBA em Negócios Internacionais e especialização em Educação Internacional e Intercultural pela Florida International University (FIU). Suas áreas de pesquisa incluem: internacionalização de instituições de ensino superior, desenvolvimento de perspectivas globais em professores e alunos (Global Citizenship Education) e política de currículo.

    Ficha Catalográfica

    ROGGERO, Rosemary; SILVA, Adriana Zanini da. Financiamento das Escolas de Educação Básica na Gestão Democrática e Participativa. 188 pp. – São Paulo: BT Acadêmica, 2019.

    ISBN 978-85-9485-105-5 | 1. Educação 2. Gestão escolar 3. Gestão na educação básica 4. Gestão participativa I. Título

    Produção Editorial

    Editor: Antonio Marcos Cavalheiro

    Capa: Big Time Editora

    Diagramação: Marcello Mendonça Cavalheiro

    Revisão: Autores

    prefácio

    Durante o processo de organização da proposta do mestrado profissional em Educação, da Uninove, em 2011, a equipe organizadora do futuro programa promoveu uma série de encontros com docentes e gestores(as) das redes municipal e estadual da Educação Básica de São Paulo para, com eles(as), decidir o escopo da Área de Concentração dessa nova modalidade de pesquisa na instituição.

    O propósito de tais reuniões consistiu em mapear, a partir das experiências desses profissionais, em diálogo com os pesquisadores acadêmicos, os principais problemas presentes no cotidiano da vida escolar. Levando-se em conta a miríade de questões emergentes naqueles debates, considerou-se que grande parte das temáticas apresentadas estavam concentradas no âmbito da administração escolar. Por essa razão, decidiu-se que a gestão da escola seria um elemento central para esse projeto.

    Assim, já na sistematização da proposta do novo programa intitulado Mestrado em Gestão e Práticas Educacionais (Progepe), propôs-se, dentre os três eixos estruturantes do curso, a constituição da Linha de Pesquisa e de Intervenção Gestão Educacional (Lipiges).

    De 2012, ano em que o Progepe iniciou suas atividades regulares, para cá, dezenas de trabalhos, dentre os quais, livros, dissertações, artigos, guias de intervenção pedagógica foram produzidos por discentes e docentes dessa linha. Essas pesquisas, bem como as propostas de ações pedagógicas que dela decorrem, têm confirmado, reiteradamente, a primazia da administração nos impactos sobre a qualidade da educação escolar.

    De fato, a tese de que a gestão é decisiva no processo educativo pode ser constatada empiricamente no próprio cotidiano educacional das redes públicas. Ali percebermos, dentre outros aspectos, que escolas com estruturas e recursos pedagógicas, financeiros e materiais semelhantes acabam, por vezes, tendo desempenhos muito distintos na qualidade educacional que desenvolvem. Em outras palavras, mesmo considerando, no contexto das redes públicas, os diferentes fatores intervenientes que operam contra o sucesso educacional, uma boa equipe gestora é determinante para a eficiência e eficácia do trabalho pedagógico escolar.

    Os estudos ora publicados no presente livro, Financiamento das escolas de Educação Básica na Gestão Democrática e Participativa, resultam dos trabalhos desenvolvidos no âmbito da disciplina Fundamentos da Gestão Educacional. De uma forma geral, ainda que se trate de pesquisa qualitativa no âmbito de estudos de casos, eles estruturam, por distintos temas e perspectivas, um certo panorama comum da realidade gestora da Educação, particularmente na cidade de São Paulo e sua região metropolitana.

    Do ponto de vista teórico-metodológico, as análises aqui empreendidas pelos(as) pesquisadores(as) estão permeadas pelo conceito de Gestão democrática e participativa. Não se trata, pois, de uma perspectiva arbitrária, mas de uma convicção epistemológica que toma como base, ao mesmo tempo, as discussões teóricas sobre o tema da administração escolar e a realidade concreta das experiências práticas da gestão. Para esse grupo de jovens e promissores pesquisadores(as) do Progepe, não se pode falar em comunidade escolar fora de uma construção compartilhada de gestão, perspectiva naturalmente antagônica à prática administrativa centralizadora.

    Enquanto a primeira materializa o sentido próprio da Educação, isto é, criar condições para que todos(as) possam dizer a sua palavra; a segunda opõe-se frontalmente ao propósito educacional, sendo, por isso mesmo, deseducadora, considerando o caráter necessariamente opressor de sua governança.

    Orientados(as) cuidadosamente pela professora Rosemary Roggero, coordenadora da referida disciplina, as autoras e autores procuraram, nos textos produzidos para este livro, ler diferentes realidades da administração escolar à luz das concepções discutidas na sala de aula para, naquilo que é possível, encontrar explicações e conclusões mais gerais sobre essa dimensão do trabalho pedagógico. Se não é possível dar conta desta complexa realidade, pelo menos, algumas questões podem ser observadas a partir desses casos, afinal, quando fazemos uma leitura correta da realidade, como diz o historiador de arte Aby Warburg, verificamos que Deus está no particular.

    O tema da gestão escolar democrática será sempre atual e inconcluso, já que, em se tratando de Educação, lidamos com o que há de mais complexo na criação humana, o mundo da cultura que, como o próprio ser humano, está sempre em movimento, reinventando-se permanentemente na fronteira entre o que já é e o que deverá ser.

    Assim, a leitura deste livro, além de trazer novas reflexões sobre a realidade da gestão escolar, abre variadas possibilidades de outras pesquisas na perspectiva de, entendendo melhor os problemas político-pedagógicos do ambiente educativo, apresentar caminhos para uma administração mais dialógica e, por isso mesmo, mais humanizadora e de boa qualidade sociocultural.

    Jason Ferreira Mafra

    APRESENTAÇÃO

    Este é o segundo livro de casos de gestão, organizado a partir de dados colhidos em escolas e analisados pelos estudantes do Mestrado Profissional em Gestão e Práticas Educacionais. O primeiro, publicado em 2015, enfocou a gestão democrática e participativa em diversas escolas de educação básica, desde a educação infantil, passando pelo ensino fundamental I, ensino fundamental II, ensino médio (regular e técnico), bem como a educação de jovens e adultos, em diversos arranjos, sendo públicas e particulares.

    Neste segundo volume, o foco está na gestão democrática e participativa, mas buscando entender como se dá a compreensão e o uso dos recursos públicos para a área, sobretudo aqueles que são recebidos pelas escolas e utilizados por elas, com base nos planos de gestão ou nos projetos político-pedagógicos que constroem e executam em acordo com a equipe escolar e com as comunidades, por meio dos conselhos de escola e das associações de pais e mestres, como órgãos desse modelo de gestão.

    O estudo é ensejado no âmbito da disciplina Fundamentos da Gestão Educacional, que visa compreender a instituição escolar na sua constituição histórica, nas relações que mantém com a sociedade, e a institucionalização dessas relações nas práticas de gestão escolar.

    Para a compreensão de como se constitui a instituição escolar na sua especificidade organizativa, esta disciplina propõe o estudo da relação histórica entre a esfera educacional e as relações sociais, considerando as lutas em torno de diversos projetos formativos que se expressam nas políticas educacionais, por meio das quais o Estado pretende normatizar e instituir a escola e as práticas específicas de gestão que se dão no seu interior, mas essa normatização é atravessada por práticas sociais de adesão e de resistência, que conferem específicas dinâmicas a essa instituição.

    O referencial teórico adotado para essa abordagem permite pensar e analisar o conceito de gestão escolar, com base em diferentes autores que tratam da temática na perspectiva da história, da sociologia da educação e da administração.

    As discussões dos textos selecionados foram organizadas em duas

    Está gostando da amostra?
    Página 1 de 1