Aproveite milhões de e-books, audiolivros, revistas e muito mais, com uma avaliação gratuita

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

As cadeias fisiológicas- tratamento do crânio: A relação "contentor-conteúdo"
As cadeias fisiológicas- tratamento do crânio: A relação "contentor-conteúdo"
As cadeias fisiológicas- tratamento do crânio: A relação "contentor-conteúdo"
E-book426 páginas2 horas

As cadeias fisiológicas- tratamento do crânio: A relação "contentor-conteúdo"

Nota: 0 de 5 estrelas

()

Sobre este e-book

Léopold Busquet propõe neste quinto volume a continuidade das cadeias fisiológicas ao nível do crânio. O autor é conhecido por suas obras e competência em osteopatia craniana. Porém neste livro Léopold Busquet sai completamente da teoria osteopática a fim de colocar um proposta totalmente inovadora. É a primeira vez que o crânio é integrado ao funcionamento das cadeias. Eis aqui um livro que marcará por sua inovação, ele confirma a coerência do me- todo das cadeias fisiológicas. Nesta nova edição é proposto, pela primeira vez, um tratamento para a apneia do recém-nascido.
IdiomaPortuguês
Data de lançamento5 de set. de 2019
ISBN9788593941047
As cadeias fisiológicas- tratamento do crânio: A relação "contentor-conteúdo"
Ler a amostra

Leia mais de Léopold Busquet

Relacionado a As cadeias fisiológicas- tratamento do crânio

Títulos nesta série (4)

Visualizar mais

Livros relacionados

Categorias relacionadas

Avaliações de As cadeias fisiológicas- tratamento do crânio

Nota: 0 de 5 estrelas
0 notas

0 avaliação0 avaliação

O que você achou?

Toque para dar uma nota

    Pré-visualização do livro

    As cadeias fisiológicas- tratamento do crânio - Léopold Busquet

    Copyright © 2007, Éditions Busquet.

    Título do original em francês:

    Les chaînes Physiologiques tome V. Traitement du crâne

    Tradutores:

    Dr. Marcos Ikeda

    Elvys Alexandre de Oliveira

    (Professor do Curso Internacional de Formação em

    Cadeias Fisiológicas de Léopold Busquet)

    Projeto gráfico: Marie Lauribe

    Ilustrações: Jean-Paul Lacourt

    Adaptação projeto gráfico e diagramação: Cláudia Gil | Estudio Ponto

    Ilustrações em 3D: Raúl Ayala Mayol

    Reportagem fotográfica: Fabiola Busquet-Takito

    Fotogravuras: Laurent Hangard

    Produção de ebook: S2 Books

    Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

    (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

    Busquet, Léopold

    As cadeias fisiológicas tratamento do crânio:

    volume 5 / Léopold Busquet ; [tradução Elvys Alexandre de Oliveira e Marcos Ikeda]. 1. edição. São Paulo, SP: Método Busquet, 2019.

    Título original: Les chaînes Physiologiques. Tome V, Traitement du crâne. A relação contentor-conteúdo

    ISBN 978-85-93941-04-7

    1. Anatomia humana 2. Crânio 3. Fisiologia

    4. Manipulação (Terapêutica) 5. Osteopatia craniana

    I. Título.

    09-06446

    CDD-615.533

    NLM-WB 940

    Índices para catálogo sistemático:

    1. Crânio : Osteopatia : Terapêutica 615.533

    Todos os direitos reservados.

    Nenhuma parte deste livro pode ser reproduzida, por qualquer processo, sem a permissão expressa dos editores. É proibida a reprodução por xerox.

    Coleção Método Busquet

    As cadeias fisiológicas tomo I - Fundamentos do método - tronco - coluna cervical - membro superior. Léopold Busquet; Michèle Busquet - Vanderheyden, 2014.

    As cadeias fisiológicas tomo II - A cintura pélvica, o membro inferior. Léopold Busquet, 2ª edição, revista e completada, 2014.

    As cadeias fisiológicas tomo V - Tratamento do crânio. Léopold Busquet, 4ª edição, revista e completada, 2019.

    As cadeias fisiológicas tomo VI - A cadeia Visceral, abdome, pelve. Michèle Busquet - Vanderheyden, 4ª edição, revista e completada, 2019.

    As cadeias fisiológicas tomo VII - A cadeia Visceral - tórax, garganta, boca. Michèle Busquet - Vanderheyden; Léopold Busquet; 2ª edição, revista e completada, 2019.

    As cadeias fisiológicas tomo VIII - O bebê ao coração de vossas mãos. Michèle Busquet - Vanderheyden; 3ª edição, revista e completada, 2019.

    Edições estrangeiras

    Livros em francês: www.editions-busquet.com

    Livros em inglês (EUA): www.editions-busquet.com

    Livros em espanhol: www.paidotribo.com

    Livros em italiano: www.demidiffusione.it

    Livros em russo: www.litvinova.ru

    Sumário

    Capa

    Ficha catalográfica

    Folha de rosto

    Introdução

    Primeiro capítulo: estudo comparativo do crânio

    I – A proteção traumática

    1a – A carroceria

    1b – A carroceria do crânio

    2a – O chassi

    2b – O chassi do crânio

    3a – A cabine

    3b – A cabine do crânio

    4a – A parte anterior deformável

    4b – A parte anterior deformável do crânio

    5a – O cinto de segurança

    5b – O cinto de segurança do crânio

    6a – O airbag do automóvel

    6b – O airbag craniano: o saco líquido

    II – A proteção térmica

    1 – Isolamento passivo

    2 – Isolamento ativo: a climatização (Figs. 20-21)

    Segundo capítulo: tratamento do crânio pelas cadeias fisiológicas

    I – Tratamento no crânio da cadeia estática e da cadeia neuromeníngea

    1 – Pompagem do sacro

    2 – Pompagem do occipital

    3 – Compressão transversal do corpo occipital

    4 – Relaxamento súpero-inferior da foice

    5 – Postura súpero-inferior da foice

    6 – Relaxamento ântero-posterior da foice

    7 – Postura ântero-posterior da foice

    8 – postura transversal da tenda do cerebelo

    9 – Postura global da tenda do cerebelo

    Metodologia para o trabalho das membranas

    II – Tratamento craniano das cadeias de extensão (C.E.)

    10 – Estiramento da placa occipital

    11 – Descompressão occipito-mastóide

    12 – Descompressão da base occipital

    Metodologia Para o Quadrante Occipital

    A apneia do recém-nascido, a morte súbita

    III – Tratamento, no crânio, da cadeia visceral e das cadeias de flexão (C.F.)

    13 – Descompressão global da face

    14 – Descompressão ântero-posterior intrabucal

    15 – Descompressão ântero-posterior extrabucal

    16 – Descompressão transversal dos maxilares

    17 – Descompressão do malar

    18 – Descompressão do palato

    19 – Descompressão e modelagem do pré-maxilar

    20 – Descompressão da fossa pterigoideapalatina

    21 – Descompressão de uma hemiface

    22 – Descompressão da órbita ocular óssea

    23 – Descompressão da órbita ocular membranosa

    24 – Pompagem do globo ocular

    25 – Trabalho especifico dos olhos.

    26 – Postura do canal lacrimal.

    27 – Pompagem dos seios

    28 – Descompressão do septo nasal

    Metodologia para o Quadrante Esfenoidal

    IV – Tratamento no nível do crânio das cadeias cruzadas C.C.F. – C.C.A.

    29 – Postura da base do temporal

    30 – postura da parte superior escamosa

    31 – Postura da parte póstero lateral petrosa

    32 – Postura da parte antero medial petrosa

    33 – Postura do forame jugular

    34 – Postura da cadeia ossicular

    35 – Técnica de pneumatização do tímpano e da tuba auditiva.

    36 – Testes de mobilidade da ATM

    37 – Luxação posterior do menisco direito

    38 – Luxação anterior do menisco direito

    39 – Relaxamento do assoalho bucal

    40 – Postura mandibular das cadeias de flexão

    41 – Postura mandibular das cadeias cruzadas anteriores do pescoço

    42 – Postura mandibular das cadeias cruzadas posteriores do pescoço.

    43 – Posturas especificas das cadeias no nível da ATM.

    44 – Postura dos temporais em rotação anterior

    45 – Postura dos temporais em rotação posterior

    46 – Postura dos temporais em torção: RA + RP

    47 – Postura dos temporais em abertura

    48 – Postura dos temporais em fechamento

    49 – postura dos temporais em abertura + fechamento : 1/2 A + 1/2 F

    50 – Postura dos temporais em rotações planas

    51 – Técnica de equilíbrio global do crânio

    Metodologia para os quadrantes temporais

    V – Síntese do tratamento

    52 – Técnica de dinamização da linha central

    53 – Técnica de dinamização da periferia

    54 – Técnica de dinamização global

    Terceiro capítulo: trabalhos de pesquisa em oftalmologia e ortodontia

    I – As cadeias fisiológicas e a visão

    I – 1 A hipermetropia

    I – 2 A miopia

    I – 3 A presbiopia

    I – 4 O astigmatismo

    I – 5 O estrabismo

    II – As cadeias fisiológicas e a oclusão

    II – 1 O prognatismo

    II – 2 O retrognatismo

    II – 3 A oclusão cruzada

    II – 4 Abertura-fechamento das arcadas dentais

    III – As cadeias fisiológicas e a ATM

    III – 1 Abertura-fechamento da boca

    III – 2 Os meniscos

    III – 3 O osso hióide

    III – 4 A mastigação, a sucção

    IV – Conclusão

    Bibliografia

    Créditos

    Quarta capa

    INTRODUÇÃO

    Tratar um crânio: uma utopia?

    Como tratar um crânio manualmente? A densidade e a consistência dessa parte do corpo tornam tal questão extremamente delicada e problemática. Todavia, este livro sobre as Cadeias Fisiológicas tem como objetivo respondê-la.

    Há várias dezenas de anos, essa esfera craniana é o objeto do meu trabalho.

    Meus estudos, minha experiência e minhas pesquisas me levaram ao ceticismo, ao entusiasmo, à crítica e ao questionamento.

    No início, segui o modelo explicativo proposto pela osteopatia craniana. Eu o estudei com respeito e o pratiquei com rigor e determinação. No entanto, após ter adquirido uma experiência aprofundada e honesta, eu senti a necessidade de questionar esse modelo.

    Durante vários anos, eu orientei centenas de colegas. O ensino da osteopatia craniana obrigou-me a aprofundar, a explicitar e a contestar certas proposições defendidas pelos doutores Sutherland e Magoun. Minhas obras, L’Ostéopathie Crânienne, Ophtalmologie et Ostéopathie, foram escritas dentro dessa lógica: tirar o ensinamento da osteopatia craniana de uma área esotérica e fechada e, fazendo isso, tentar fornecer a meus colegas o máximo de informações e, ao mesmo tempo, permitir que essa prática se afirme e se libere.

    As conseqüências desses trabalhos foram muito positivas. De fato, atualmente parece evidente que essa teoria deve ser questionada novamente.

    Sem isto, como explicar que a osteopatia craniana ensinada após o início do século não tenha obtido um grande reconhecimento nos Estados Unidos? Coloquemos a questão ainda mais francamente: por que ela não é reconhecida no lano científico? A resposta é simples: porque a teoria não está na altura da prática.

    De minha parte, eu fiz numerosas vezes a seguinte constatação: após tratamentos cranianos com resultados muito interessantes, clinicamente evidenciados, colegas médicos solicitavam que eu explicasse o meu modo de tratar. Assim que eu falava da mobilidade dos ossos do crânio, de respiração do mecanismo respiratório primário, sentia que a autoridade que eu gozava junto aos meus colegas em relação aos meus tratamentos se transformava em ceticismo quando se tratava de elaborar a teoria. Por outro lado, quanto menos eu explicava, mais os resultados pareciam mágicos, o que era igualmente inaceitável.

    Inversamente, nos cursos que ministrei e em que meus colegas fizeram o esforço de comparecer e se dispuseram a seguir, alguns dentre eles demonstravam muito entusiasmo e, mais crédulos que críticos, sem que fosse minha intenção, eles aderiam aos meus propósitos sem examiná-los mais profundamente. Contudo, é necessário desconfiar de um tal estado de espírito: ele favorece um condicionamento mental inconsciente que pode, se não nos cuidarmos, beirar o sectarismo.

    Nessas condições, infelizmente não é surpreendente que as seitas tentem utilizar essas formas de medicina no seio das quais a crença é algumas vezes valorizada em detrimento do espírito crítico.

    Além disso, qualquer método de tratamento deve ser baseado no respeito absoluto da anatomia e da fisiologia. Neste quadro, é necessário favorecer a liberdade de análise, a liberdade de pesquisa e o questionamento permanente. São os fatores indispensáveis para se progredir na busca da verdade. Um educador deve preparar seus alunos a irem mais longe que ele. O questionamento de seu próprio ensinamento faz parte do que eu chamarei de contrato de verdade exigido por qualquer pesquisa aprofundada. Ora, esse caminho não é fácil, pois os colegas não o perdoam por sair de seu caminho, de suas certezas.

    De acordo com essa exigência de crítica e de liberdade, eu evoluí de modo bem independente e, progressivamente, essa evolução obrigou-me a retornar às minhas raízes, as cadeias fisiológicas.

    Inicialmente, as cadeias fisiológicas não parecem ser uma via para a análise e o tratamento do crânio. Entretanto, todas as cadeias vão ou partem do crânio. Fazer um tratamento de cadeias dos pés até a base do crânio não equivale a um tratamento global. Trata-se de um tratamento decapitado.

    As cadeias fisiológicas são circuitos anatômicos, auto-estradas de forças onde circulam as forças organizadoras do corpo. A questão que se impõe é a seguinte: nós podemos vislumbrar a continuação de nossa análise, de nosso tratamento das cadeias no crânio? A resposta a esta questão é afirmativa, segundo essa mesma lógica, pois a influência das cadeias fisiológicas continua por circuitos anatômicos na caixa craniana. Nós veremos que a leitura anatômica confirmará o princípio.

    Mas o que ocorrerá com o método utilizado? Ele não é baseado na mobilidade, mas simplesmente nas posturas que permitem o relaxamento das suturas, o relaxamento das tensões intraósseas, o relaxamento das membranas. A apresentação posterior das diferentes manobras utilizadas fará com que a originalidade e a especificidade apareçam mais claramente.

    De qualquer modo, se até o momento você não estiver convencido da pertinência deste projeto, por que não aceitar simplesmente refletir sobre essa hipótese? Ela é realmente utópica?

    No trabalho a seguir, vou apresentar todas as minhas reflexões. Solicito toda a sua atenção: suas reflexões, correções e críticas permitirão que eu corrija meus erros eventuais e permitirão que nós avancemos mais em conjunto. De fato, se a minha sinceridade é total, meus raciocínios não são infalíveis... Estejam

    Está gostando da amostra?
    Página 1 de 1