Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

A arte de permanecer casado: Guia seguro para quem deseja salvar seu casamento

A arte de permanecer casado: Guia seguro para quem deseja salvar seu casamento

Ler a amostra

A arte de permanecer casado: Guia seguro para quem deseja salvar seu casamento

notas:
5/5 (3 notas)
Duração:
184 páginas
3 horas
Lançados:
17 de set. de 2019
ISBN:
9788524305870
Formato:
Livro

Descrição


A arte de permanecer casado - Guia seguro para quem deseja salva seu casamento
A arte de permanecer casado traz uma mensagem de esperança, amor e otimismo em relação ao casamento, mesmo em meio as crises aparentemente "sem solução" aos nossos olhos.
O livro apresenta um verdadeiro guia de princípios práticos que podem ajudar a salvar um casamento em crise.
Lançados:
17 de set. de 2019
ISBN:
9788524305870
Formato:
Livro

Sobre o autor


Relacionado a A arte de permanecer casado

Livros relacionados

Amostra do livro

A arte de permanecer casado - Jaime Kemp

casado

Introdução

Afamília vive hoje a maior crise de todos os tempos. Na Europa e Estados Unidos, uma espécie de agnosticismo e de humanismo têm minado a cultura cristã existente, destruindo as famílias.

Uma pesquisa feita pelo jornal The New York Times revelou que mais de 60% da população americana aprova o divórcio e cerca de 30% são favoráveis ao aborto.

No Brasil, o anuário estatístico do IBGE tem divulgado dados estarrecedores sobre a família brasileira. Em apenas três anos, o número de separações judiciais aumentou 46%, não computando os inúmeros rompimentos que ocorrem diariamente de forma ilegal. De outro lado, os registros de casamentos cresceram em apenas 10% no mesmo período.

Estas provas percentuais só indicam que a única chance de a família manter-se unida e em harmonia está em querer desenvolver a ARTE DE PERMANECER CASADO e esforçar-se muito para aprender como fazer isso.

Por que há tantos casamentos tensos, superficiais, amargurados, aborrecidos, sem intimidade entre os casais, cada vez mais distanciados e sem nenhum romantismo?

Será que todos os conflitos, brigas, desentendimentos que caracterizam os casamentos atuais têm solução?

Como resolver o problema da falta de comunicação, da confusão que reina sobre o posicionamento do marido e da mulher?

E a infidelidade conjugal, como encará-la?

Será que todas essas indagações têm resposta, ou temos de aceitar a sugestão de alguns de que a família, como instituição, está falida, é antiquada e não tem mais tanto valor como base da sociedade?

Todos estes questionamentos têm se tornado ainda mais perturbadores graças à maneira perigosa e tumultuada como o casamento é considerado atualmente.

Quero abordar alguns aspectos que, do meu ponto de vista, têm auxiliado no rápido desmoronamento matrimonial e familiar.

As pessoas estão pessimistas no que se refere ao casamento. Muitos ainda acham que é uma instituição importante. Contudo, o casamento tem sofrido duros golpes, principalmente porque, a cada dia, aumentam, entre os casais, os problemas aparentemente insolúveis. Inúmeras uniões matrimoniais só espelham infelicidade.

Ao estudar a história de civilizações antigas e sua posterior queda, observei algo marcante e notável. Todas elas começaram a falir, a cair, quando a família deixou de ser prioridade, tendo início um processo de desintegração.

Não podemos desprezar aquilo que Deus estabeleceu como fundamental. O Brasil, como outros países, está se afastando de uma opção séria e prioritária pela família. Gradativamente, estamos assistindo ao abalo que isso causa nos alicerces de nossa sociedade.

Uma das minhas preocupações neste livro é restabelecer o reconhecimento da importância do relacionamento conjugal e tentar ajudar aqueles que lutam para salvar seus casamentos.

Atualmente, há um apelo atraente e enfático para que todo indivíduo tenha como alvo ser feliz e realizado no seu casamento. Não resta dúvida que o Criador planejou o relacionamento conjugal para que o homem e a mulher encontrassem felicidade e realização. Mas essa busca tornou-se uma obsessão, visto que as pessoas são descartáveis, mas os desejos e as aspirações pessoais não. Se um cônjuge não faz o outro feliz, não lhe supre todas as necessidades imediatas, o mais razoável é substituí-lo por outro, sem pensar muito nas consequências de tal atitude. Esse tipo de comportamento baseia-se na filosofia humanista que, nos últimos anos, acabou por convencer o homem de que ele, não Deus, é o centro do universo. E, se Deus existe, Ele não é mais importante de que seus alvos e desejos.

Nas últimas décadas, temos endeusado e superestimado os slogans: seja feliz; sinta-se bem; realize-se.

A obsessão por encontrar felicidade no relacionamento afetivo facilita a permissividade. Em nome de uma pseudo-satisfação pessoal, são aceitos comportamentos adúlteros, homossexuais, bem como o alarmante aumento do índice de divórcios.

Ouço o seguinte de pessoas que vêm ao meu consultório em busca de orientação:

– Será que tenho de ser condenado(a) a uma vida de rea-lização limitada? Por favor, não me venha com um discurso moralista. Quero ser eu mesmo(a).

O certo e o errado, agora, são medidos pelo tipo de emoção que o ato que praticamos produz. É uma nova versão da ética relativista que eu chamaria de moralidade de realização.

Há uma grande diferença entre a preocupação sadia e natural pela realização e satisfação pessoal e a busca desenfreada dessa meta, pois esta faz o indivíduo escorregar em uma ética em que se reza que tudo que contribui para a minha felicidade determina o caminho correto que devo seguir.

Outro propósito que eu tinha em mente ao escrever A ARTE DE PERMANECER CASADO era o de tentar mostrar que há um método melhor para atingirmos todos esses anseios de felicidade, realização, satisfação, sem que seja preciso nos aliarmos à filosofia agnóstica e humanista que impera na atua-lidade.

Fato comum, atualmente, é supor-se que os problemas, por mais complexos que sejam, podem ser facilmente resolvidos. Vivemos dias de soluções instantâneas:

– um simples comprimido resolve a insônia noturna,

– a novela mostra dilemas profundos na vida familiar que regularmente são solucionados antes do último capítulo.

Somos condicionados a aguardar soluções rápidas e simples, por exemplo: Aqui estão três fórmulas para você não ter mais dificuldades conjugais.

Um casal veio procurar-me em meio a graves problemas. De fato, carregavam sobre seus ombros dezenove anos de conflitos não resolvidos. Observei, entretanto, que a expectativa de ambos era a de que eu, em duas ou três sessões de aconselhamento, colocasse um fim permanente em todos os desentendimentos curtidos durante tantos anos e transformasse a vida matrimonial deles em um verdadeiro mar-de-rosas.

Felizmente, o aconselhamento surtiu ótimos resultados, porém isso começou a ser possível apenas depois de seis meses de encontros, com muito esforço, desprendimento, dedicação e força de vontade de parte a parte. Em certos casos, as mudanças começam a ser sentidas após alguns anos. No entanto, muitas pessoas, quando percebem que suas dificuldades conjugais não serão resolvidas com a utilização de três ou quatro regrinhas preestabelecidas, mas somente depois de um longo período que envolve empenho, renúncia, determinação, logo desistem, pois acham que, para elas, não há mais remédio.

Por fim, gostaria de, neste livro, mostrar modos práticos, mas não necessariamente simples e rápidos, de resolver as crises que se precipitam sobre os casamentos.

Não posso garantir que os problemas matrimoniais que você passa hoje desaparecerão depois de você ler e praticar os conceitos aqui apresentados. Uma razão para isso é que muitas vezes um dos cônjuges não quer cooperar. Há casos em que um quer salvar o casamento, mas o outro já está emocionalmente desmotivado, ou, então, separado fisicamente, impossibilitando uma reconciliação, uma restauração.

Enquanto escrevo estas palavras introdutórias, visualizo mentalmente diversos rostos de pessoas que experimentam um verdadeiro e amargo estresse conjugal.

Meu desejo profundo e sincero é o de que, por intermédio destas páginas, muitos casais sejam ajudados em sua caminhada no esforço para aprender a ARTE DE PERMANECER CASADO.

Capítulo 1 | Testemunho

pessoal

As primeiras rajadas de vento faziam antever um outono frio para aquele ano de 1957. Eu já completara dezessete anos. Naquela noite, caminhava pelas ruas de minha pequena cidade, ansioso por chegar em casa.

Ao entrar, dirigi-me ao cômodo que, para mim, era o mais atraente: a cozinha. Ali ficava o objeto da casa que eu mais utilizava: a geladeira.

Já era muito tarde, mas a fome espantava a preguiça e o cansaço. Enquanto preparava algo para comer, meus olhos se fixaram num bilhete sobre a mesa, endereçado a meu pai. Percebi que ele ainda não havia chegado e, sendo assim, não o lera, mas ao reconhecer a letra de minha mãe, num impulso ao qual não pude resistir, comecei a ler:

Jim, decidi não esperá-lo, pois já é muito tarde, porém tenho urgência em dizer-lhe algo. Sei que você já não me ama mais, e isso me entristece e tem me feito sofrer.

Eleanore!

Fiquei estarrecido! Todo o apetite desapareceu como que por encanto. Durante algum tempo permaneci parado, segurando aquele bilhete na mão, tentando dizer a mim mesmo que tudo não passava de um engano. Contudo, as brigas que eu já presenciara por anos e anos e a preocupação que a deteriorização do relacionamento dos dois me trazia me davam a certeza de que tudo era realidade.

Vinte anos depois, li outra carta de minha mãe. Nessa época, eu já morava no Brasil, casara e já tinha duas de minhas três filhas.

QUERIDO FILHO

Sinto não poder lhe escrever para dar notícias agradáveis. Como você deve saber, eu e seu pai não temos um casamento feliz e, agora, a situação chegou a um ponto insustentável. Não aguento mais! Vou me divorciar.

Dessa vez fiquei atônito!

Minha mãe, naquela época, estava com 68 anos, meu pai com 66. Tentei imaginar como duas pessoas nessa idade, com todos os seis filhos criados e tendo suas próprias vidas, conseguiriam habituar-se a viver sozinhos.

Nos meses seguintes eu teria de voltar aos Estados Unidos a trabalho; a ideia de encontrar uma família dividida, cheia de tensões e problemas, de mágoas e infelicidade, desanimava-me completamente.

Mesclada à decepção e à tristeza de saber que duas pessoas tão amadas não podiam mais suportar a presença uma da outra, confesso que senti vergonha de fazer parte de uma família que, com esse, somaria seu oitavo divórcio. Que tipo de exemplo os pais passavam para os seus filhos e, por conseguinte, esses filhos para os netos?

O Natal daquele ano foi marcante para mim. Ele transformou-se numa daquelas ocasiões que você gostaria de nunca ter vivido.

Eu estava nos Estados Unidos e passei alguns momentos com minha mãe em Boonville – uma pequenina cidade ao norte de São Francisco, e outros momentos com meu pai em Grass Valley, perto da divisa dos Estados da Califórnia e Nevada, para onde ele fora, na tentativa de reconstruir sozinho sua vida.

Por anos consecutivos eu não visitara meus pais, já que estava vivendo no Brasil. Quando tive a chance de fazê-lo, e numa época de tanta alegria e amor quanto o Natal, a desilusão de encontrá-los separados e sós abalou-me profundamente.

Todavia, por que esse casamento terminou assim?

Para compreender toda essa complexa situação, reporto-me ao ano de 1936, quando James Welch Kemp e Eleanore Clara Townsend se casaram. É costume dizer-se que os opostos se atraem, entretanto no caso de meu pai e minha mãe, os opostos eram por demais relevantes. Ao avaliar isso, admira-me o fato de terem mantido seu casamento por 41 anos.

Minha família materna possuía alguns recursos financeiros. Foi cuidadosa na educação dos filhos, oferecendo, por exemplo, a minha mãe, formação universitária. Todavia, meu pai vinha de um lar humilde com nove filhos, com pessoas acostumadas a viver no campo, onde caçavam e pescavam para sobreviver. Enquanto meu pai cursava a oitava série, meu avô morreu, e, por causa disso, ele foi obrigado a deixar os estudos e trabalhar em período integral.

A consequente falta de preparo cultural de meu pai tornou-se um fator de desnível demasiadamente importante nos desentendimentos que ele e minha mãe tiveram no decorrer de sua vida conjugal.

É fácil perceber que não são poucos os casamentos que enfrentam conflitos, em razão de o homem ser mais instruído e educado que a mulher, ou vice-versa.

Minha mãe, antes de casar-se com meu pai, já passara por dois divórcios, trazendo consigo três filhos. Com certeza, o trauma dos dois fracassos anteriores a transformaram em uma mulher desconfiada dos homens. Em contraposição, provavelmente meu pai também nutria desconfianças dessa mulher tão experiente.

Esses sentimentos velados, escondidos no interior do coração de um e de outro, explodiram na relação, provocando inúmeras tensões.

Quando eles se casaram, a situação financeira era precária. No Estado de Michigan, onde meus pais moravam, nasceram minhas irmãs Marian, Carol e eu. Papai trabalhava na fábrica de papel da cidade, onde ganhava dois dólares por dia. Se não tivéssemos uma horta, um diminuto pomar em casa, uma vaca, que nos fornecia leite, e galinhas, certamente teríamos passado fome.

A fome era um problema muito grave e, certa vez, provocou uma situação embaraçosa e hilariante.

Onde morávamos, era proibido caçar coelhos. Fazia muito frio, nevava bastante. E seis crianças achavam-se famintas: precisavam comer carne. Papai resolveu ignorar a lei. Saiu sorrateiramente para caçar, trazendo dois lindos, apetitosos e nutritivos coelhos. Sem demora, mamãe começou a prepará-los. Contudo, nosso vizinho, homem ranzinza e encrenqueiro,

Você chegou ao final dessa amostra. para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de A arte de permanecer casado

5.0
3 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor