Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

NICOLAU COPÉRNICO: Biografia de um gênio

NICOLAU COPÉRNICO: Biografia de um gênio

Ler a amostra

NICOLAU COPÉRNICO: Biografia de um gênio

Duração:
165 páginas
3 horas
Lançados:
10 de out. de 2019
ISBN:
9788583863991
Formato:
Livro

Descrição

Nicolau Copérnico foi um astrônomo e matemático polonês. Copérnico viveu de 1473 a 1543 e criou uma teoria revolucionária para sua época: a teoria do Heliocentrismo, que colocou o Sol como o centro do Sistema Solar, contrariando a então vigente Teoria Geocêntrica que considerava a Terra como o centro do Universo. Sua teoria lhe rendeu uma acirrada oposição, particularmente da Igreja católica, mas hoje é considerada uma das mais importantes hipóteses científicas de todos os tempos e o ponto de partida da astronomia. Nicolau Copérnico foi um dos grandes cientistas de todos os tempos e neste ebook o leitor poderá conhecer a vida e a obra deste gênio da humanidade.
Lançados:
10 de out. de 2019
ISBN:
9788583863991
Formato:
Livro

Sobre o autor


Relacionado a NICOLAU COPÉRNICO

Livros relacionados

Categorias relacionadas

Amostra do livro

NICOLAU COPÉRNICO - Nicolau Copérnico

cover.jpg

Edições LeBooks

NICOLAU COPÉRNICO

Biografia de um gênio

OS CIENTISTAS

1a edição

img1.jpg

Isbn: 9788583863991

LeBooks.com.br

Prefácio

Prezado leitor

Nicolau Copérnico foi um astrônomo e matemático polonês que desenvolveu a teoria heliocêntrica do Sistema Solar. Assim como outros grandes nomes de sua época, Copérnico realizava atividades e pesquisas em várias áreas, tendo sido também cônego, governador e administrador, jurista, astrônomo e médico.

Copérnico viveu de 1473 a 1543, o suficiente para criar uma teoria revolucionária: a teoria do Heliocentrismo, que colocou o Sol como o centro do Sistema Solar, contrariando a então vigente Teoria Geocêntrica que considerava a Terra como o centro do Universo. Sua teoria é considerada uma das mais importantes hipóteses científicas de todos os tempos e o ponto de partida da astronomia.

Depois de Copérnico. muitos astrônomos aceitaram partes de sua teoria, e seu modelo influenciou cientistas renomados que viriam a fazer parte da história, como Galileu e Kepler, que assimilaram a teoria do Heliocentrismo e a aprimoraram. Galileu Galilei, com suas observações das fases de Vênus, produziu a primeira evidência observacional da teoria de Copérnico.

Nicolau Copérnico foi um dos principais cientistas de todos os tempos e neste ebook o leitor poderá conhecer a vida e a obra deste gênio.

Uma excelente e proveitosa leitura.

LeBooks

img2.png

Nicolau Copérnico 1473 -1543

Assim, uma vez que nada impede que a terra se mova, sugiro que devemos considerar também se adequar várias moções, de modo que ela possa ser considerada como um dos planetas, uma vez que não é o centro de todas as evoluções.

Coisas que eu estou dizendo agora podem parecer obscuras, mas elas vão ficar mais claras no devido tempo.

Nicolau Copérnico

NICOLAU COPÉRNICO

Sumário

A INFÂNCIA

O MISTERIOSO CÉU

UM ESTUDANTE NA CRACÓVIA

COMO COPÉRNICO NÃO FOI CÔNEGO

A DOCE VIDA EM BOLONHA

O CÔNEGO DE FRAUENBURG

O FIM DA ALEGRIA

AS PRIMEIRAS INTUIÇÕES

POLÍTICO, ECONOMISTA E ESPADACHIM

OS ÚLTIMOS ANOS

A OBRA DE COPÉRNICO

CRONOLOGIA

A INFÂNCIA

Nikolas Kopperlingk era originário da Silésia. Um homem alto, forte, robusto, de olhos vivos num rosto quadrado e simpático; e também um homem muito inteligente e bom comerciante. À procura do futuro, havia abandonado ainda jovem sua região natal, recebendo do pai muitos conselhos, sua santa bênção e um pouco de dinheiro; e despreocupadamente, então, havia visitado quase todas as maiores cidades da Pomerânia e da Posnânia, tentando uma situação definitiva e conveniente. Ora por uma razão e ora por outra, porém, nem Breslau ou Liegnitz, e tampouco Kalish ou Posen, o haviam induzido a parar. E assim, um belo dia, havia aportado em Thorn¹, uma bela cidadezinha da Cuiávia, situada sobre as margens do rio Vístula.

Thorn era uma cidade comercial e florescente, embora tivesse que suportar a dura e quase desleal concorrência de Dantzig, melhor localizada no mar Báltico. Assim mesmo, sua alta posição estratégica sobre o Vístula, a meio caminho entre Varsóvia e o mar, assegurava-lhe um comércio próspero e rico. Isso decidiu o arrojado silesiano a se estabelecer definitivamente, montando uma bela loja na alameda Santana, a mais movimentada e comercialmente dinâmica da cidade. E seus negócios, assim, prosperaram em pouco tempo. E prosperaram tanto que, um belo dia, Nikolas teve a ousadia de cortejar a linda Bárbara Waczenrode, pertencente a uma das mais tradicionais famílias da cidade e de toda a região.

— Você está louco, homem! — disse-lhe um amigo. — Você sabe quem são os Waczenrode?

Ele sabia. Sabia que os Waczenrode, há tempo, vinham ocupando cargos altos e importantíssimos, tanto no seio da Igreja quanto no do Estado, espremendo os dois com devoção e muita lealdade e extraindo deles, assim, poder e riqueza. E daí? pensou. Algum dia, eles também foram como eu; e tiveram que começar sua ascensão social do nada. Por que eu não posso fazer o mesmo?

E fez. Cortejou a bela Bárbara com muito empenho. E tanto cortejou que, um belo dia, sem saber como nem porque, a moça descobriu-se profundamente apaixonada por aquele jovem silesiano de olhos brilhantes, de conversa fácil e futuro promissor.

Os parentes de Bárbara, porém, ficaram um pouco perplexos.

— O que você tem a oferecer? — perguntou a Nikolas o irmão da jovem, o cônego Lucas, um homem inteligentíssimo, cuja bondade e generosidade eram limitadas apenas por uma ambição desenfreada. — O que você tem a oferecer à minha irmã?

— Uma inteligência fértil — respondeu-lhe Nikolas firmemente. — Uma inteligência incomum, um futuro promissor de comerciante, uma saúde de ferro e muito amor. Não é o suficiente?

O cônego Lucas não achou. Mas Bárbara viu, nessa audaciosa e pretensiosa confissão de Nikolas, tudo quanto uma moça virgem, saudável, religiosa e apaixonada podia desejar. E como, de vez em quando, o amor é mais forte do que as conveniências familiares e sociais, ela enfrentou o irmão e toda a família com coragem e determinação. O que não consegue uma mulher apaixonada?! Casaram-se em uma bela cerimônia na catedral de Thorn; e toda a cidade, que festejou alegremente as núpcias, passou a considerar, desde aquele dia, Nikolas Kopperlingk como um homem sábio e influente.

Os negócios, assim, se expandiram rapidamente. E o silesiano tornou-se mais rico e abastado. Então, comprou uma nova casa na mesma alameda, uma espécie de palácio imponente e cômodo, apertado entre dois edifícios quase iguais. No térreo organizou o armazém, e nos outros andares montou uma residência confortável, nem sombria nem alegre, mas que transpirava abundância através de móveis ricos, de belos tapetes, de cortinas de veludo italiano e de talheres de prata reluzente.

E depois vieram os filhos.

Primeiramente foi Bárbara, uma menininha não muito saudável, mas delicada e meiga que era um amor; depois Catarina, outra menina que era o oposto da irmã, barulhenta e alegre, vivaz, uma Kopperlingk toda fogosa.

Assim mesmo, Nikolas ficou insatisfeito.

— Quero um menino — disse à esposa. — As filhas são bonitas e graciosas, mas são os filhos que formam e perpetuam uma família... Será que isso é impossível?

Foi possível. Com a graça de Deus, no fim de 1471 nasceu um menininho barulhento e choroso, ligeiramente aloirado e todo a cara da mãe. Foi chamado de Andreia.

— Agora estou mais tranquilo — suspirou Nikolas, aliviado. — Assim mesmo, é bom ter mais de um. Dois filhos garantem de maneira mais completa a descendência, entende?

Dessa maneira, Bárbara foi obrigada a engravidar novamente. Uma gravidez à qual nem ligou, que não a proibiu de participar das festas da cidade nem de cuidar dos outros três filhos com amor e carinho.

— Não exagere, mulher! — aconselhava-a o marido. — Cuide bem dele, pois esse eu vou chamar de Nikolas, assim como eu! E espero também que seja um pouco parecido comigo...

E foi. Quando nasceu, no dia 19 de fevereiro de 1473, deixou o pai todo orgulhoso e feliz: olhos escuros, vivos e brilhantes; rosto que já se prenunciava quadrado e ossudo; o mesmo corte gordo e sinuoso dos lábios; uma covinha graciosa e bem marcada no queixo.

— Não disse? — exclamou o silesiano, apreciando alegremente o novo rebento — Ele tem minha cara, cara de pessoa honesta e inteligente. Muito obrigado, mulher!

Dois dias depois o levou até a Igreja de São João Batista, para batizá-lo. Uma igreja grande e bonita, de campanário quadrado e truncado, maciça e sólida, construída em 1250 sobre a margem esquerda do Vístula, do qual estava separada por um arco pontudo e largo de pedra que solenizava uma escadaria que descia até a água. A pia batismal estava logo atrás da porta principal do templo, à esquerda; e recebia uma luz tênue e purificada através de um grande vitral arqueado e rico.

— Como vai se chamar? — perguntou o padre.

— Nikolas — ele disse. — Nikolas Kopperlingk, reverendo! Esse filho vai ter meu nome, um nome que dá sorte...

Cresceu. Cresceu assim como o pai esperava, forte e robusto, sem nenhuma doença que lhe ameaçasse a infância ou preocupasse o tio Lucas. Pois o cônego, de repente, havia descoberto em si a imperiosa necessidade de extravasar sobre os sobrinhos todo o amor e o carinho que sua condição de eclesiástico não permitia dedicar a seus próprios e inexistentes filhos. Dessa maneira, dia após dia, Lucas Waczenrode havia passado a gostar sempre mais dos quatro meninos, encarando-os como os únicos e legítimos representantes da descendência dos Waczenrode e tornando-os objeto de um amor morno, mas generoso e espontâneo, que se manifestava com visitas frequentes, belos presentes, bons conselhos e uma santa paciência ao encarar suas travessuras. Quanto ao cunhado, aos poucos havia começado a apreciá-lo. Após a primeira reação hostil ao casamento da irmã com o jovem e aventureiro silesiano, o cônego havia passado a encarar o fato com muita sabedoria e resignação, reconhecendo no novo membro da família uma inteligência versátil, que logo se apossava de qualquer novo conhecimento, amalgamando-o às experiências de uma vida não muito sofrida, mas rica de aventuras.

— Nikolas, quer participar, amanhã, de uma bela reunião? — dizia-lhe — Discutiremos literatura e poesia; e também estará presente um jovem tocador de alaúde, proveniente da Flandres!

Nikolas não sabia exatamente onde estava situada a Flandres, embora, de vez em quando, tivesse mantido contatos com alguns comerciantes daquela terra remota. Assim mesmo, demonstrava grande interesse em aprender, sem todavia deixar transparecer sua ignorância.

— O que vai tocar? — perguntava cautelosamente.

— Canções de Dufay, Ockeghem e Obrecht — respondia o cônego.

— Ah! — então ele exclamava — Verdade, Lucas? Gosto muito dos três, especialmente de Dufay! Sim, irei com certeza. E também Bárbara gostará muito...

E ia. E frequentemente, como se usava naqueles tempos, levava também os meninos. O pobre concertista de alaúde, assim, era obrigado a enfrentar a ignorância do auditório, os suspiros das mulheres, a tosse dos homens e o barulho das crianças. Assim mesmo, cumpria seu dever da melhor maneira possível, tocando o instrumento e cantando as canções numa língua que poucos conheciam, mas que todos apreciavam exatamente por não conhecer, por carregar consigo algo de exótico e de estranho.

— Está ouvindo, Nikolas? — exclamava o cônego, erudito e profundo conhecedor, além de direito canônico, também de arte e política. — Está ouvindo? Essa é uma composição juvenil de Josquin des Prés, o maior entre os novos músicos flamengos. Está ouvindo? Está percebendo sua complexidade e amplitude humana?

— Maravilhoso! — suspirava Nikolas, refreando um bocejo. — Verdadeiramente estupendo!

Durante essas noitadas, os quatro meninos eram obrigados a ficar na casa do tio, mortos de sono e tédio, ouvindo o lamurio do alaúde acompanhar uma longa sequência de canções, todas feitas com palavras que não entendiam.

— Como é que ele canta, Bárbara? — perguntava o pequeno Nikolas à irmã mais velha. — Eu não estou entendendo uma palavra!

— Ele canta numa língua diferente, seu bobo! — explicava a irmã. — Pensa que todo o mundo fala como nós?

— Eu não gostaria de falar como esse homem estrangeiro! — exclamava Catarina, a mais levada de todos — Deve ser difícil aprender a falar numa língua tão estranha!

Andreia, então, entediado tanto pela música quanto pela conversa dos irmãos, corria para perto do concertista, procurando atrapalhá-lo tanto quanto possível.

— Andreia! — gritava então a mãe. — Volte imediatamente para seu lugar. Que educação é essa?

O menino voltava meio sem jeito para o lugar onde estavam sentados os irmãos, bocejava de maneira indiscreta e inequívoca, e depois cutucava Catarina.

— Vamos brincar de pedradas? — dizia.

— Não façam isso! — repreendia-os imediatamente Bárbara. — Pensam que estamos em nossa casa?

Perto de casa, de fato, brincavam de quebrar copos velhos. De vez em quando arranjavam alguns copos de vidro já lascados, e depois os enfileiravam sobre um murinho de pedra, perto da margem do Vístula. E as pedras sibilavam pelo ar, passavam raspando os copos

Você chegou ao final dessa amostra. Cadastre-se para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de NICOLAU COPÉRNICO

0
0 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor