Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Vida na Idade Média

Vida na Idade Média

Ler a amostra

Vida na Idade Média

Duração:
397 páginas
11 horas
Lançados:
7 de nov. de 2019
ISBN:
9780463047675
Formato:
Livro

Descrição

Na história da Europa, a Idade Média (ou período medieval) durou do século V ao XV. Tudo começou com a queda do Império Romano do Ocidente e se fundiu ao Renascimento e à Era das Descobertas. A Idade Média é o período intermediário das três divisões tradicionais da história ocidental: antiguidade clássica, período medieval e período moderno. Nesse longo período de mil anos, houve todos os tipos de eventos e processos muito diferentes entre si, temporal e geograficamente diferenciados, respondendo tanto às influências mútuas com outras civilizações e espaços, quanto à dinâmica interna. Muitos deles tinham uma grande projeção para o futuro, entre outros aqueles que lançaram os alicerces do desenvolvimento da subsequente expansão européia e o desenvolvimento de agentes sociais que desenvolveram uma sociedade predominantemente rural, mas testemunharam o nascimento de uma vida urbana incipiente e uma burguesia que acabará por desenvolver o capitalismo.
Authors: Martin Bakers, Tobias Lanslor, Mikael Eskelner

Lançados:
7 de nov. de 2019
ISBN:
9780463047675
Formato:
Livro

Sobre o autor

Martin Bakers, is the pen name of a history and science author that aims to organize and collect technical, historical and scientific information.The student or the scientist, will be able to satisfy his needs of consultation and of study, by means of a work supported by abundant number of sources and bibliographical references.


Relacionado a Vida na Idade Média

Livros relacionados

Artigos relacionados

Amostra do livro

Vida na Idade Média - Martin Bakers

Introdução

Na história da Europa, a Idade Média (ou período medieval) durou do século V ao XV. Tudo começou com a queda do Império Romano do Ocidente e se fundiu ao Renascimento e à Era das Descobertas. A Idade Média é o período intermediário das três divisões tradicionais da história ocidental: antiguidade clássica, período medieval e período moderno. O período medieval é subdividido em Idade Média precoce, alta e tardia.

O declínio da população, contra-urbanização, colapso da autoridade centralizada, invasões e migrações em massa de tribos, que haviam começado na Antiguidade tardia, continuaram no início da Idade Média. Os movimentos em larga escala do período de migração, incluindo vários povos germânicos, formaram novos reinos no que restava do Império Romano do Ocidente. No século VII, o norte da África e o Oriente Médio - antes parte do Império Bizantino - ficaram sob o domínio do califado omíada, um império islâmico, após a conquista pelos sucessores de Maomé. Embora houvesse mudanças substanciais na sociedade e nas estruturas políticas, a ruptura com a antiguidade clássica não foi completa. O ainda considerável Império Bizantino, a continuação direta de Roma, sobreviveu no Mediterrâneo Oriental e permaneceu uma grande potência. O código de direito do império, o Corpus Juris Civilis ou Código de Justiniano, foi redescoberto no norte da Itália em 1070 e tornou-se amplamente admirado mais tarde na Idade Média. No Ocidente, a maioria dos reinos incorporava as poucas instituições romanas existentes. Os mosteiros foram fundados enquanto as campanhas para cristianizar a Europa pagã continuavam. Os francos, sob a dinastia carolíngia, estabeleceram brevemente o império carolíngio durante o final do século VIII e início do século IX. Cobriu grande parte da Europa Ocidental, mas depois sucumbiu às pressões das guerras civis internas combinadas com invasões externas: vikings do norte, magiares do leste e sarracenos do sul.

Durante a Alta Idade Média, que começou após as 1000, a população da Europa aumentou muito, à medida que as inovações tecnológicas e agrícolas permitiram o comércio florescer e a mudança climática do período quente medieval permitiu aumentar o rendimento das culturas. Manorialismo, a organização de camponeses em aldeias que deviam serviços de aluguel e trabalho aos nobres e feudalismo, a estrutura política pela qual cavaleiros e nobres de status inferior deviam serviço militar a seus senhores em troca do direito de alugar terras e mansões. duas das formas pelas quais a sociedade foi organizada na Alta Idade Média. As Cruzadas, pregadas pela primeira vez em 1095, foram tentativas militares dos cristãos da Europa Ocidental de recuperar o controle da Terra Santa dos muçulmanos. Os reis se tornaram os chefes dos estados-nação centralizados, reduzindo o crime e a violência, mas tornando o ideal de uma cristandade unificada mais distante. A vida intelectual foi marcada pelo escolasticismo, uma filosofia que enfatizava a união da fé à razão e pela fundação de universidades. A teologia de Tomás de Aquino, as pinturas de Giotto, a poesia de Dante e Chaucer, as viagens de Marco Polo e a arquitetura gótica de catedrais como Chartres estão entre as realizações marcantes no final deste período e no final da Idade Média..

O final da Idade Média foi marcado por dificuldades e calamidades, incluindo fome, peste e guerra, o que diminuiu significativamente a população da Europa; entre 1347 e 1350, a Peste Negra matou cerca de um terço dos europeus. A controvérsia, a heresia e o cisma ocidental dentro da Igreja Católica eram paralelos aos conflitos interestaduais, conflitos civis e revoltas camponesas que ocorreram nos reinos. Os desenvolvimentos culturais e tecnológicos transformaram a sociedade européia, concluindo o final da Idade Média e iniciando o início do período moderno.

Resumo Histórico da Idade Média

A Idade Média é um dos três períodos principais no esquema mais duradouro para analisar a história européia: civilização clássica, ou Antiguidade; a idade média; e o período moderno. A Idade Média aparece pela primeira vez em latim em 1469 como tempestas da mídia ou estação do meio. No uso inicial, havia muitas variantes, incluindo o aevum médio, ou meia idade, gravado pela primeira vez em 1604, e a saecula da mídia, ou séculos médios, gravado pela primeira vez em 1625. O adjetivo medieval (ou às vezes medieval) ou mediæval), significando pertencente à Idade Média, deriva do aevum médio.

Os escritores medievais dividiram a história em períodos como as Seis Idades ou os Quatro Impérios, e consideraram que seu tempo era o último antes do fim do mundo. Ao se referirem aos seus próprios tempos, eles falavam deles como modernos. Na década de 1330, o humanista e poeta Petrarca se referiu aos tempos pré-cristãos como antiqua (ou antigos) e ao período cristão como nova (ou novos). Leonardo Bruni foi o primeiro historiador a usar periodização tripartida em sua História do Povo Florentino (1442), com um período intermediário entre a queda do Império Romano e o renascimento da vida urbana em algum momento dos séculos XI e XII. A periodização tripartida tornou-se padrão depois que o historiador alemão do século XVII, Christoph Cellarius, dividiu a história em três períodos: antigo, medieval e moderno.

O ponto de partida mais comumente dado para a Idade Média é de cerca de 500, com a data de 476 usada pela primeira vez por Bruni. Às vezes, datas de início posteriores são usadas nas partes externas da Europa. Para a Europa como um todo, 1500 é frequentemente considerado o fim da Idade Média, mas não existe uma data universalmente acordada. Dependendo do contexto, eventos como a conquista de Constantinopla pelos turcos em 1453, a primeira viagem de Cristóvão Colombo às Américas em 1492 ou a Reforma Protestante em 1517 são às vezes usadas. Os historiadores ingleses costumam usar a Batalha de Bosworth Field em 1485 para marcar o fim do período. Para a Espanha, as datas mais usadas são a morte do rei Fernando II em 1516, a morte da rainha Isabel I de Castela em 1504 ou a conquista de Granada em 1492.

Historiadores de países de língua românica tendem a dividir a Idade Média em duas partes: um período anterior Alto e depois Baixo. Os historiadores de língua inglesa, seguindo seus colegas alemães, geralmente subdividem a Idade Média em três intervalos: Cedo, Alto e Tarde. No século 19, toda a Idade Média era frequentemente chamada de Idade das Trevas, mas com a adoção dessas subdivisões, o uso desse termo ficou restrito à Idade Média, pelo menos entre os historiadores.

Mais tarde Império Romano

O Império Romano alcançou sua maior extensão territorial durante o século II dC; os dois séculos seguintes testemunharam o lento declínio do controle romano sobre seus territórios periféricos. Questões econômicas, incluindo inflação e pressão externa nas fronteiras combinadas para criar a Crise do Terceiro Século, com imperadores subindo ao trono apenas para serem rapidamente substituídos por novos usurpadores. As despesas militares aumentaram constantemente durante o século III, principalmente em resposta à guerra contra o Império Sasaniano, que reviveu em meados do século III. O exército dobrou de tamanho e a cavalaria e as unidades menores substituíram a legião romana como a principal unidade tática. A necessidade de receita levou ao aumento de impostos e a um declínio no número da classe curial, ou proprietária de terras, e no número decrescente deles dispostos a arcar com os encargos de ocupar cargos em suas cidades nativas. Foram necessários mais burocratas na administração central para lidar com as necessidades do exército, o que levou a queixas de civis de que havia mais coletores de impostos no império do que contribuintes.

O imperador Diocleciano (r. 284–305) dividiu o império em metades oriental e ocidental administradas separadamente em 286; o império não era considerado dividido por seus habitantes ou governantes, pois promulgações legais e administrativas em uma divisão eram consideradas válidas na outra. Em 330, depois de um período de guerra civil, Constantino, o Grande (r. 306-337) fundou a cidade de Bizâncio como a capital oriental recém-renomeada, Constantinopla. As reformas de Diocleciano fortaleceram a burocracia governamental, reformaram os impostos e fortaleceram o exército, que comprou o tempo do império, mas não resolveu os problemas que estava enfrentando: tributação excessiva, taxa de natalidade em declínio, pressão sobre suas fronteiras, entre outros. A guerra civil entre imperadores rivais tornou-se comum em meados do século IV, desviando soldados das forças de fronteira do império e permitindo a invasão de invasores. Durante grande parte do século IV, a sociedade romana se estabilizou de uma nova forma que diferia do período clássico anterior, com um abismo crescente entre ricos e pobres e um declínio na vitalidade das cidades menores. Outra mudança foi a cristianização, ou conversão do império ao cristianismo, um processo gradual que durou do século 2 ao 5.

Em 376, os godos, fugindo dos hunos, receberam permissão do imperador Valens (r. 364–378) para se estabelecer na província romana de Thracia, nos Bálcãs. O acordo não foi tranquilo e, quando as autoridades romanas lidaram mal com a situação, os godos começaram a invadir e saquear. Valens, tentando abafar a desordem, foi morto lutando contra os godos na Batalha de Adrianópolis em 9 de agosto de 378. Além da ameaça de tais confederações tribais do norte, as divisões internas do império, especialmente dentro da Igreja Cristã, causaram problemas Em 400, os visigodos invadiram o Império Romano do Ocidente e, embora brevemente forçados a voltar da Itália, em 410 saquearam a cidade de Roma. Em 406, os alanos, vândalos e suevi cruzaram a Gália; nos três anos seguintes, eles se espalharam pela Gália e, em 409, cruzaram as montanhas dos Pirineus até a Espanha moderna. O Período de Migração começou, quando vários povos, inicialmente principalmente germânicos, se moveram pela Europa. Os francos, os alemanitas e os borgonheses acabaram no norte da Gália, enquanto os anglos, os saxões e os jutos se estabeleceram na Grã-Bretanha, e os vândalos atravessaram o estreito de Gibraltar, após o qual conquistaram a província da África. Nos anos 430, os hunos começaram a invadir o império; o rei Átila (r. 434–453) liderou invasões nos Bálcãs em 442 e 447, Gália em 451 e Itália em 452. A ameaça húnica permaneceu até a morte de Átila em 453, quando a confederação húnica que ele liderou se desfez. Essas invasões das tribos mudaram completamente a natureza política e demográfica do que fora o Império Romano do Ocidente.

No final do século V, a seção ocidental do império estava dividida em unidades políticas menores, governadas pelas tribos que haviam invadido no início do século. A deposição do último imperador do oeste, Romulus Augustulus, em 476, tradicionalmente marcou o fim do Império Romano do Ocidente. Em 493, a península italiana foi conquistada pelos ostrogodos. O Império Romano do Oriente, muitas vezes chamado de Império Bizantino após a queda de sua contraparte ocidental, tinha pouca capacidade de afirmar o controle sobre os territórios ocidentais perdidos. Os imperadores bizantinos mantinham uma reivindicação sobre o território, mas enquanto nenhum dos novos reis do oeste se atreveu a se elevar à posição de imperador do oeste, o controle bizantino da maior parte do Império Ocidental não pôde ser sustentado; a reconquista da periferia mediterrânea e da península italiana (guerra gótica) no reinado de Justiniano (r. 527-565) foi a única e temporária exceção.

Idade Média adiantada

Novas sociedades

A estrutura política da Europa Ocidental mudou com o fim do Império Romano unido. Embora os movimentos dos povos durante esse período sejam geralmente descritos como invasões, eles não eram apenas expedições militares, mas migrações de povos inteiros para o império. Tais movimentos foram ajudados pela recusa das elites romanas ocidentais em apoiar o exército ou pagar os impostos que teriam permitido que os militares suprimissem a migração. Os imperadores do século V eram frequentemente controlados por homens fortes militares, como Stilicho (m. 408), Aécio (m. 454), Aspar (m. 471), Ricimer (m. 472) ou Gundobad (m. 516), que eram parcial ou totalmente de origem não romana. Quando a fila de imperadores ocidentais cessou, muitos dos reis que os substituíram eram do mesmo contexto. O casamento entre os novos reis e as elites romanas era comum. Isso levou a uma fusão da cultura romana com os costumes das tribos invasoras, incluindo as assembléias populares que permitiam que membros tribais masculinos livres tivessem mais a dizer em questões políticas do que era comum no estado romano. Os artefatos materiais deixados pelos romanos e pelos invasores geralmente são semelhantes, e itens tribais eram frequentemente modelados em objetos romanos. Grande parte da cultura acadêmica e escrita dos novos reinos também se baseava nas tradições intelectuais romanas. Uma diferença importante foi a perda gradual da receita tributária pelas novas instituições. Muitas das novas entidades políticas não mais apoiavam seus exércitos por meio de impostos, mas sim concediam terras ou aluguéis. Isso significava que havia menos necessidade de grandes receitas tributárias e, portanto, os sistemas tributários se deterioraram. A guerra era comum entre e dentro dos reinos. A escravidão diminuiu à medida que a oferta enfraqueceu e a sociedade se tornou mais rural.

Entre os séculos V e VIII, novos povos e indivíduos preencheram o vazio político deixado pelo governo central romano. Os ostrogodos, uma tribo gótica, estabeleceram-se na Itália romana no final do século V sob Teodérico, o Grande (m. 526) e estabeleceram um reino marcado por sua cooperação entre os italianos e os ostrogodos, pelo menos até os últimos anos de Reinado de Teodorico. Os borgonhenses se estabeleceram na Gália, e depois que um reino anterior foi destruído pelos hunos em 436, formou um novo reino nos anos 440. Entre os atuais Genebra e Lyon, cresceu e se tornou o reino da Borgonha no final do século V e início do sexto século. Em outros lugares da Gália, os francos e os bretões celtas estabeleceram pequenas instituições. Francia estava centrada no norte da Gália, e o primeiro rei de quem muito se sabe é Childerico I (m. 481). Seu túmulo foi descoberto em 1653 e é notável por seus bens túmulos, que incluíam armas e uma grande quantidade de ouro.

Sob o filho de Childeric, Clovis I (r. 509-511), o fundador da dinastia merovíngia, o reino franco se expandiu e se converteu ao cristianismo. Os britânicos, parentes dos nativos da Britannia - a Grã-Bretanha moderna - se estabeleceram no que é hoje a Bretanha. Outras monarquias foram estabelecidas pelo Reino Visigótico na Península Ibérica, pelos Suebi no noroeste da Península Ibérica e pelo Reino dos Vândalos no norte da África. No século VI, os lombardos se estabeleceram no norte da Itália, substituindo o reino ostrogótico por um grupo de ducados que ocasionalmente selecionavam um rei para governar todos eles. No final do século VI, esse arranjo havia sido substituído por uma monarquia permanente, o Reino dos lombardos.

As invasões trouxeram novos grupos étnicos para a Europa, embora algumas regiões tenham recebido um influxo maior de novos povos que outras. Na Gália, por exemplo, os invasores se estabeleceram muito mais amplamente no nordeste do que no sudoeste. Os eslavos se estabeleceram na Europa Central e Oriental e na Península Balcânica. A colonização dos povos foi acompanhada por mudanças de idiomas. O latim, a língua literária do Império Romano do Ocidente, foi gradualmente substituído por línguas vernaculares que evoluíram do latim, mas eram distintas, conhecidas coletivamente como línguas românicas. Essas mudanças do latim para os novos idiomas levaram muitos séculos. O grego permaneceu a língua do Império Bizantino, mas as migrações dos eslavos adicionaram línguas eslavas à Europa Oriental.

Sobrevivência bizantina

Como a Europa Ocidental testemunhou a formação de novos reinos, o Império Romano do Oriente permaneceu intacto e experimentou um renascimento econômico que durou até o início do século VII. Houve menos invasões na seção oriental do império; mais ocorreu nos Balcãs. A paz com o Império Sasaniano, o inimigo tradicional de Roma, durou a maior parte do século V. O Império Oriental foi marcado por relações mais estreitas entre o estado político e a Igreja Cristã, com assuntos doutrinários assumindo uma importância na política oriental que eles não tinham na Europa Ocidental. Os desenvolvimentos legais incluíram a codificação do direito romano; o primeiro esforço - o Codex Theodosianus - foi concluído em 438. Sob o imperador Justiniano (r. 527-565), outra compilação ocorreu - o Corpus Juris Civilis. Justiniano também supervisionou a construção da Hagia Sophia em Constantinopla e a reconquista do norte da África dos vândalos e da Itália dos ostrogodos, sob Belisarius (m. 565). A conquista da Itália não foi completa, pois um surto mortal de peste em 542 levou o restante do reinado de Justiniano a se concentrar em medidas defensivas, em vez de novas conquistas.

Com a morte do imperador, os bizantinos tinham o controle da maior parte da Itália, norte da África e uma pequena base no sul da Espanha. As reconquistas de Justiniano foram criticadas pelos historiadores por estenderem demais o seu domínio e preparar o terreno para as primeiras conquistas muçulmanas, mas muitas das dificuldades enfrentadas pelos sucessores de Justiniano se deviam não apenas à tributação excessiva para pagar por suas guerras, mas à natureza essencialmente civil de o império, o que dificultava a criação de tropas.

No Império Oriental, a lenta infiltração dos Bálcãs pelos eslavos adicionou uma dificuldade adicional aos sucessores de Justiniano. Começou gradualmente, mas no final da década de 540, as tribos eslavas estavam na Trácia e no Ilírio, e derrotou um exército imperial perto de Adrianópolis em 551. Na década de 560, os ávaros começaram a se expandir de sua base na margem norte do Danúbio; no final do século VI, eles eram o poder dominante na Europa Central e rotineiramente capazes de forçar os imperadores do Leste a prestar homenagem. Eles permaneceram um poder forte até 796.

Um problema adicional para enfrentar o império veio como resultado do envolvimento do imperador Maurice (r. 582–602) na política persa quando ele interveio em uma disputa sucessória. Isso levou a um período de paz, mas quando Maurice foi derrubado, os persas invadiram e durante o reinado do imperador Heráclio (r. 610–641) controlaram grandes pedaços do império, incluindo Egito, Síria e Anatólia, até o bem-sucedido contra-ataque de Heráclio.. Em 628, o império garantiu um tratado de paz e recuperou todos os seus territórios perdidos.

sociedade ocidental

Na Europa Ocidental, algumas das famílias mais antigas da elite romana morreram, enquanto outras se envolveram mais com assuntos eclesiásticos do que seculares. Os valores associados às bolsas e à educação latinas desapareceram, e, embora a alfabetização permanecesse importante, tornou-se uma habilidade prática e não um sinal de status de elite. No século IV, Jerônimo (m. 420) sonhava que Deus o repreendia por passar mais tempo lendo Cícero do que a Bíblia. No século VI, Gregório de Tours (d. 594) teve um sonho semelhante, mas em vez de ser castigado por ler Cícero, ele foi castigado por aprender taquigrafia. No final do século VI, os principais meios de instrução religiosa na Igreja haviam se tornado música e arte, e não o livro. A maioria dos esforços intelectuais foi no sentido de imitar a erudição clássica, mas foram criadas algumas obras originais, além de composições orais agora perdidas. Os escritos de Sidonius Apollinaris (m. 489), Cassiodoro (m. 585) e Boécio (m. 525) eram típicos da época.

As mudanças também ocorreram entre os leigos, pois a cultura aristocrática se concentrava nas grandes festas realizadas nos corredores, e não nas atividades literárias. Roupas para as elites eram ricamente enfeitadas com jóias e ouro. Senhores e reis apoiavam comitivas de combatentes que formavam a espinha dorsal das forças militares. Os laços familiares dentro das elites eram importantes, assim como as virtudes da lealdade, coragem e honra. Esses laços levaram à prevalência da briga na sociedade aristocrática, entre os quais exemplos os relatados por Gregório de Tours, ocorridos na Gália Merovíngia. A maioria das brigas parece ter terminado rapidamente com o pagamento de algum tipo de compensação. As mulheres participaram da sociedade aristocrática principalmente em seus papéis como esposas e mães de homens, com o papel de mãe de um governante sendo especialmente proeminente na Gália Merovíngia. Na sociedade anglo-saxônica, a falta de muitas crianças governantes significava um papel menor para as mulheres como mães rainha, mas isso foi compensado pelo aumento do papel desempenhado pelas abadias dos mosteiros. Somente na Itália parece que as mulheres sempre foram consideradas sob a proteção e controle de um parente masculino.

A sociedade camponesa é muito menos documentada que a nobreza. A maioria das informações sobreviventes disponíveis para os historiadores vem da arqueologia; poucos registros escritos detalhados documentando a vida camponesa permanecem antes do século IX. A maioria das descrições das classes mais baixas vem de códigos de direito ou escritores das classes mais altas. Os padrões de posse de terra no Ocidente não eram uniformes; algumas áreas tinham padrões de posse de terra bastante fragmentados, mas em outras áreas grandes blocos contíguos de terra eram a norma. Essas diferenças permitiram uma grande variedade de sociedades camponesas, algumas dominadas por proprietários aristocráticos e outras com grande autonomia. O assentamento de terras também variou bastante. Alguns camponeses viviam em grandes assentamentos, que chegavam a 700 habitantes. Outros viviam em pequenos grupos de algumas famílias e outros ainda viviam em fazendas isoladas espalhadas pelo campo. Havia também áreas em que o padrão era uma mistura de dois ou mais desses sistemas. Ao contrário do período romano tardio, não havia uma ruptura acentuada entre o status legal do camponês livre e do aristocrata, e era possível que a família de um camponês livre subisse à aristocracia por várias gerações através do serviço militar a um senhor poderoso.

A vida e a cultura romanas da cidade mudaram bastante no início da Idade Média. Embora as cidades italianas continuassem habitadas, elas se contraíram significativamente em tamanho. Roma, por exemplo, encolheu de uma população de centenas de milhares para cerca de 30.000 no final do século VI. Os templos romanos foram convertidos em igrejas cristãs e as muralhas da cidade permaneceram em uso. No norte da Europa, as cidades também encolheram, enquanto monumentos cívicos e outros prédios públicos foram invadidos por materiais de construção. O estabelecimento de novos reinos muitas vezes significava algum crescimento para as cidades escolhidas como capitais. Embora houvesse comunidades judaicas em muitas cidades romanas, os judeus sofreram períodos de perseguição após a conversão do império ao cristianismo. Oficialmente, eram tolerados, se sujeitos a esforços de conversão, e às vezes eram até encorajados a se estabelecer em novas áreas.

Ascensão do Islã

Crenças religiosas no Império Oriental e no Irã estavam em fluxo durante o final do sexto e início do sétimo século. O judaísmo era uma fé proselitista ativa e pelo menos um líder político árabe se converteu a ela. O cristianismo tinha missões ativas competindo com o zoroastrismo dos persas na busca de conversos, especialmente entre os residentes da Península Arábica. Todas essas vertentes se uniram ao surgimento do Islã na Arábia durante a vida de Muhammad (m. 632). Após sua morte, as forças islâmicas conquistaram grande parte do Império Oriental e Pérsia, começando pela Síria em 634-635 e alcançando o Egito em 640-641, Pérsia entre 637 e 642, Norte da África no final do século VII e Península Ibérica em 711 Em 714, as forças islâmicas controlavam grande parte da península em uma região que eles chamavam de Al-Andalus.

As conquistas islâmicas atingiram seu pico em meados do século VIII. A derrota das forças muçulmanas na Batalha de Tours, em 732, levou à reconquista do sul da França pelos francos, mas a principal razão para a interrupção do crescimento islâmico na Europa foi a derrubada do califado omíada e sua substituição pelo califado abássida. Os abássidas mudaram sua capital para Bagdá e estavam mais preocupados com o Oriente Médio do que com a Europa, perdendo o controle de seções das terras muçulmanas. Os descendentes omíadas tomaram conta da Península Ibérica, os Aghlabids controlaram o norte da África e os Tulunids se tornaram governantes do Egito. Em meados do século 8, novos padrões de comércio estavam surgindo no Mediterrâneo; o comércio entre francos e árabes substituiu a antiga economia romana. Os francos trocavam madeira, peles, espadas e escravos em troca de sedas e outros tecidos, especiarias e metais preciosos dos árabes.

Comércio e economia

As migrações e invasões dos séculos IV e V interromperam as redes comerciais ao redor do Mediterrâneo. Os produtos africanos deixaram de ser importados para a Europa, desaparecendo primeiro do interior e, no século VII, encontrados apenas em algumas cidades como Roma ou Nápoles. No final do século VII, sob o impacto das conquistas muçulmanas, os produtos africanos não eram mais encontrados na Europa Ocidental. A substituição de mercadorias do comércio de longo alcance por produtos locais foi uma tendência nas antigas terras romanas que ocorreram no início da Idade Média. Isso foi especialmente marcado nas terras que não ficavam no Mediterrâneo, como o norte da Gália ou a Grã-Bretanha. Bens não locais que aparecem no registro arqueológico são geralmente bens de luxo. Nas regiões do norte da Europa, não eram apenas as redes comerciais locais, mas os bens transportados eram simples, com pouca cerâmica ou outros produtos complexos. No Mediterrâneo, a cerâmica permaneceu predominante e parece ter sido comercializada em redes de médio alcance, e não apenas produzida localmente.

Todos os vários estados germânicos no oeste tinham moedas que imitavam as formas romana e bizantina existentes. O ouro continuou a ser cunhado até o final do século VII, quando foi substituído por moedas de prata. A moeda de prata franca básica era o denário ou negador, enquanto a versão anglo-saxônica era chamada de centavo. Nessas áreas, o negador ou centavo se espalhou pela Europa durante os séculos, de 700 a 1000. Moedas de cobre ou bronze não foram atingidas, nem ouro, exceto no sul da Europa. Nenhuma moeda de prata denominada em várias unidades foi cunhada.

Igreja e monaquismo

O cristianismo era um importante fator unificador entre a Europa Oriental e Ocidental antes das conquistas árabes, mas a conquista do norte da África fragmentou as conexões marítimas entre essas áreas. Cada vez mais a Igreja Bizantina diferia em linguagem, práticas e liturgia da Igreja Ocidental. A Igreja Oriental usava o grego em vez do latim ocidental. Surgiram diferenças teológicas e políticas e, no início e no meio do século 8, questões como iconoclastia, casamento clerical e controle estatal da Igreja haviam aumentado na medida em que as diferenças culturais e religiosas eram maiores que as semelhanças. A ruptura formal, conhecida como cisma leste-oeste, ocorreu em 1054, quando o papado e o patriarcado de Constantinopla entraram em conflito com a supremacia papal e se excomungaram, o que levou à divisão do cristianismo em duas igrejas - o ramo ocidental se tornou o romano Igreja Católica e o ramo oriental da Igreja Ortodoxa Oriental.

A estrutura eclesiástica do Império Romano sobreviveu aos movimentos e invasões no oeste praticamente intactos, mas o papado foi pouco considerado, e poucos bispos ocidentais procuraram o bispo de Roma em busca de liderança religiosa ou política. Muitos dos papas anteriores a 750 estavam mais preocupados com assuntos bizantinos e controvérsias teológicas orientais. O registro, ou cópias arquivadas das cartas, do papa Gregório Magno (papa 590-604) sobreviveu e, dentre as mais de 850 cartas, a grande maioria estava preocupada com assuntos na Itália ou em Constantinopla. A única parte da Europa Ocidental em que o papado teve influência foi a Grã-Bretanha, onde Gregório enviou a missão gregoriana em 597 para converter os anglo-saxões ao cristianismo. Os missionários irlandeses foram mais ativos na Europa Ocidental entre os séculos V e VII, indo primeiro para a Inglaterra e Escócia e depois para o continente. Sob monges como Columba (m. 597) e Columbanus (m. 615), eles fundaram mosteiros, ensinados em latim e grego, e criaram obras seculares e religiosas.

O início da Idade Média testemunhou a ascensão do monaquismo no Ocidente. A forma do monasticismo europeu foi determinada pelas tradições e idéias originárias dos pais do deserto do Egito e da Síria. A maioria dos mosteiros europeus era do tipo que se concentra na experiência comunitária da vida espiritual, chamada cenobitismo, pioneira por Paquômio (m. 348) no século IV. Os ideais monásticos se espalharam do Egito para a Europa Ocidental nos séculos V e VI, através de literatura hagiográfica, como a Vida de Antônio. Bento de Nursia (m. 547) escreveu a Regra Beneditina para o monaquismo ocidental durante o século VI, detalhando as responsabilidades administrativas e espirituais de uma comunidade de monges liderada por um abade. Monges e mosteiros tiveram um efeito profundo na vida política e religiosa do início da Idade Média, em vários casos atuando como fundos de terras para famílias poderosas, centros de propaganda e apoio real em regiões recém-conquistadas, e bases para missões e proselitismo. Eles eram os principais e, às vezes, únicos postos

Você chegou ao final dessa amostra. Cadastre-se para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de Vida na Idade Média

0
0 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor