Curta este título agora mesmo, além de milhões de outros, com um período de avaliação gratuita

Grátis por 30 dias, depois $9.99/mês. Cancele quando quiser.

Perda de peso: Dicas, alimentos e hábitos saudáveis a serem considerados diariamente

Perda de peso: Dicas, alimentos e hábitos saudáveis a serem considerados diariamente

Ler amostra

Perda de peso: Dicas, alimentos e hábitos saudáveis a serem considerados diariamente

Comprimento:
597 páginas
6 horas
Lançado em:
Mar 28, 2020
ISBN:
9788835395386
Formato:
Livro

Descrição

Este livro consiste em dois títulos, sobre os seguintes tópicos:

Título 1: Sobrepeso, todo mundo conhece a palavra e quase todo mundo odeia. Existem tantas coisas diferentes para perda de peso por aí que pode ser difícil encontrar uma que realmente funcione. Bem, não procure mais, este livro tem várias dicas e truques diferentes para ajudá-lo e aqueles que se encaixam no seu estilo de vida.
Este livro ensinará problemas, causas, fontes - como gordura trans - e 21 riscos à saúde para evitar. Aprenda quais são os dez erros mais comuns de perda de peso e quais são os piores mitos quando se trata de perda de peso.
Dieta, essa palavra é uma das duas que são usadas para descrever a solução para o excesso de peso, mas você sabia que se fizer a pergunta errada para você, poderá piorar o problema? Mesmo descobrir o que são alguns lanches de grande perda de peso.
Exercício, é a outra palavra usada para descrever a solução para o excesso de peso. Existem literalmente milhares de exercícios diferentes que você pode fazer, mas este livro pode ajudá-lo a reduzi-lo aos mais adequados à sua situação.
Este livro contém literalmente dezenas de dicas e métodos de especialistas, então o que você está esperando? Comece a ler e comece a derramar aqueles quilos indesejados!



Título 2: Ah água, esse presente precioso que muitos de nós consideramos um dado adquirido, esquecendo o quanto isso afeta nossa saúde se não recebermos o suficiente. Pode surpreendê-lo, mas obter água suficiente todos os dias desempenha um papel importante no nosso peso. Existem inúmeros estudos sobre como nosso corpo usa vários líquidos em comparação à água. Seja refrigerante, álcool ou leite com chocolate. Com este livro, você pode aprender sobre tudo isso e muito mais.
Aprenda quanto beber. Aprenda quando beber. Aprenda dezesseis maneiras diferentes de torná-lo melhor! Aprenda como a água interage com diferentes vitaminas e minerais. Leia cerca de nove maneiras diferentes pelas quais o sono melhora nossa saúde, além de treze técnicas para ajudá-lo a ter uma melhor noite de sono. Mesmo como a meditação ajuda na perda de peso!
Este livro também contém mais de 230 citações inspiradoras sobre assuntos que vão do humor, saúde e sucesso à dúvida, fome e preocupação. Leia as histórias motivacionais das pessoas e mais de 50 afirmações de perda de peso.
Leia sobre como você pode combater o estresse com uma boa nutrição. Aprenda como comer atentamente pode ajudar a perder esses quilos extras. Leia como resistir à tentação de alimentos e descubra quais são os 18 alimentos "não saudáveis" que são realmente bons para você. Hora de se aconchegar em uma cadeira aconchegante com uma nova marca que mudará sua vida.
Lançado em:
Mar 28, 2020
ISBN:
9788835395386
Formato:
Livro

Sobre o autor


Relacionado a Perda de peso

Livros relacionados

Artigos relacionados

Amostra do Livro

Perda de peso - Sander Stacksson

Obrigado!

Índice

Introdução

Capítulo 1: Problemas, causas e 21 riscos de saúde a evitar

Capítulo 2: Os 26 benefícios da perda de peso

Capítulo 3: Os 10 principais erros comuns na perda de peso

Capítulo 4: 14 Ervas e Substâncias Saudáveis

Capítulo 5: 7 dicas para fazê-lo mais rapidamente

Capítulo 6: Nove pensamentos sobre o estabelecimento de padrões e metas

Capítulo 7: É tudo sobre exercício

Capítulo 8: Queima de gordura

Capítulo 9: Queima de calorias

Capítulo 10: Esportes

Capítulo 11: 13 Dicas para malhar

Capítulo 12: 9 Ideias para Exercícios

Capítulo 13: 17 Danças para Perder Peso

Capítulo 14: Exercício Social

Capítulo 15: As 10 dicas secretas para uma perda de peso mais inteligente

Capítulo 16: 18 Dicas Gerais de Alimentação

Capítulo 17: Contando calorias

Capítulo 18: Dieta pobre em carboidratos ou não?

Capítulo 19: Alimentos ricos em fibras

Capítulo 20: Gorduras Trans e Outros Assassinos

Capítulo 21: Lanches para Perda de Peso

Capítulo 22: Como Perder Peso Rápido: 3 Passos Simples

Capítulo 23: Uma mentalidade mais saudável para perda de peso

Capítulo 24: Mais dicas de especialistas

Capítulo 25: Os Piores Mitos da Perda de Peso

Introdução

Perder peso pode ser um desafio, e é por isso que tantas pessoas estão acima do peso. Talvez você não esteja muito acima da média, mas não é o peso perfeito que gostaria de ter.

Como o corpo é uma coisa tão complicada, pode ser confuso descobrir o que funciona melhor. Além disso, é um processo consistente e nem sempre é fácil. Mas perder peso não precisa ser antinatural. Você não precisa de lipoaspiração ou alguma outra medida extrema para se livrar da gordura indesejada. Existem muitas maneiras naturais de perder peso e, neste livro, mostrarei algumas importantes.

Deixe-me perguntar-lhe o seguinte: se você queria alcançar algo, o que teria que fazer? É bem básico. Primeiro, você precisa descobrir COMO fazê-lo; então o primeiro aspecto é o conhecimento. Segundo, você faz o que acabou de descobrir; então a segunda parte está atuando no novo conhecimento encontrado. Essas duas etapas simples criarão os resultados desejados, se o conhecimento estiver correto e se você agir da maneira certa, é claro.

Vou apontar POR QUE pode ser importante para você perder peso, quais doenças e calamidades você pode evitar. Se você entender isso, poderá manter-se motivado e ver os benefícios. Depois disso, indicarei algumas maneiras naturais de perder peso e como acelerar o processo. Vamos dar uma olhada. Vá em frente e vá para o primeiro capítulo.

Capítulo 1: Problemas, causas e 21 riscos de saúde a evitar

As estatísticas não mentem

Provavelmente não preciso lhe dizer qual é o tamanho do problema e quantas pessoas estão acima do peso, especialmente em certas áreas do mundo. Faz sentido, porque na maioria das vezes é mais fácil ganhar peso do que perdê-lo. Vejamos algumas estatísticas. Os Estados Unidos, por exemplo, são um dos principais países problemáticos no que diz respeito à obesidade. Recentemente, um estudo mostrou que o México pode ter passado e passado para o topo da lista, mas ainda assim. Aqui está uma visão geral de como foi em 2012, apenas para ter uma idéia da magnitude. Essas estatísticas são da OCDE.

Escusado será dizer que é óbvio que o problema é mais prevalente entre as nações mais ricas, como as da América do Norte, Oceania, Europa Ocidental e algumas das nações asiáticas mais ricas. Mas mesmo em países como Índia, Indonésia e África do Sul, o problema é enorme. Faz sentido, uma vez que muitos dos países mais atingidos pela pobreza no mundo têm uma população que luta para sobreviver e tem mais problemas em não ter comida suficiente e ser muito magra, em vez de comer demais ou engordar demais. É bem simples.

A seriedade disso, que estou tentando apontar com esta tabela, fica evidente quando você olha para as porcentagens. Para os Estados Unidos, foram mais de 35%. Outros países tiveram porcentagens mais baixas, mas ainda havia outros 12 países nessa lista com uma porcentagem de 20% ou mais. Isso significa que em cada um desses países, como México, Nova Zelândia ou Hungria, entre um quinto e um terço do país sofria de obesidade. Isso é grande coisa, não é?

Aqui está outra coisa que encontrei no mesmo relatório: um gráfico que mostra que o problema se tornou maior e mais sério. Veja a linha subindo? Isso significa que há 20 ou 30 anos, a questão da obesidade não era tão pesada quanto é agora.

Quando você olha para este gráfico, verá que, nos Estados Unidos, por exemplo, a população tinha apenas uma taxa de obesidade de 15% e subiu muito desde então, chegando a 35%. Os outros países deste gráfico também mostram um aumento, alguns mais dramáticos que outros.

O mesmo relatório também indicou uma porcentagem maior e uma população crescente de crianças obesas, informando que o problema não está relacionado apenas aos adultos. O ambiente social e econômico, bem como o transporte, o processamento de alimentos, as influências de marketing e os sistemas de distribuição afetam os hábitos e preferências alimentares das crianças, que por sua vez influenciam seu peso.

Outros estudos apontaram que, a essa velocidade, mais de 50% da população americana lutará com a obesidade até 2030.

A economia e a força de trabalho

Ao investigar o impacto na economia e nas indústrias, deparei-me com muitos fatos e números surpreendentes nos Estados Unidos.

Em 2010, o Escritório de Orçamento do Congresso, apartidário, declarou que quase 20% do aumento nos gastos com saúde nos Estados Unidos era causado pela obesidade. Os gastos totalizaram cerca de US $ 200 bilhões! Se a tendência continuar, isso aumentará em mais US $ 43 a US $ 66 bilhões a cada ano. Você pode imaginar o fardo para a sociedade pela tendência de estar acima do peso?

A mesma pesquisa apontou que pessoas com obesidade gastam US $ 2.741 a mais em questões médicas, em oposição a indivíduos com um peso normal.

Trabalhadores em período integral nos Estados Unidos com excesso de peso ou com outras condições crônicas de saúde perdem aproximadamente 450 milhões de dias adicionais de trabalho a cada ano. Isso significa que cerca de US $ 153 bilhões são perdidos em custos de produtividade. Os Centros de Controle de Doenças relatam que as despesas médicas para funcionários obesos são 42% mais altas do que para indivíduos com uma média de peso saudável.

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos afirma que dietas saudáveis ​​podem impedir mais de US $ 71 bilhões a cada ano em custos médicos, produtividade perdida ou vidas perdidas.

Quando você olha para todos esses números, pode concluir o seguinte:

R Você poupará muitos problemas financeiros se começar a viver de maneira saudável.

B Você contribuirá melhor para a sociedade sendo um fardo financeiro e médico menor.

C Você pode aumentar a força de trabalho e a produtividade de sua nação permanecendo em forma.

D A obesidade e o excesso de peso são um grande problema.

E você não está sozinho. Outros têm o mesmo problema, mas, diferentemente dos outros, você pode ser um daqueles conquistadores que supera suas próprias fraquezas.

Excesso de peso e riscos à saúde

Tenho que admitir honestamente que subestimei bastante os riscos de estar acima do peso antes de começar a escrever esta série. Eu sempre faço muita pesquisa elaborada antes de escrever qualquer coisa, então os fatos que descobri me surpreenderam. Sim, eu sabia que pessoas com sobrepeso não conseguem correr tão rápido, que havia algumas doenças cardíacas ligadas a ela e que a pressão sanguínea era pior. Mas espero que você fique motivado pela longa lista abaixo, para permanecer magro ou magro para evitar todo o drama da morte, infertilidade, problemas nos pulmões... bem... agora estou apenas me adiantando. Vá em frente e descubra por si mesmo. Vale a pena ficar em forma e comer os alimentos certos.

Apesar de tantas pessoas terem o mesmo problema, se você estiver acima do peso, precisará enfrentar a realidade e admitir que está enfrentando sérios riscos à saúde, alguns dos quais causam morte prematura e substancial incapacidade.

Muitas pessoas não percebem que os riscos já começam quando alguém está um pouco acima do peso e que os riscos só aumentam quando se tornam mais pesados. Muitas condições são a causa de indivíduos e familiares que sofrem por longos períodos de tempo, e os custos de atendimento pelo sistema de saúde podem chegar a enormes quantidades. A seguir estão alguns dos problemas de saúde mais notórios causados ​​pela obesidade.

Risco 1: doença cardíaca coronária, derrames e ataques cardíacos

À medida que a massa corporal aumenta, aumenta também a chance de contrair doenças cardíacas nas coronárias. Ser obeso é terrível para o coração. É uma condição na qual uma substância cerosa chamada placa aumenta e se acumula dentro das artérias coronárias, que transportam sangue rico em oxigênio para o coração. A placa bloqueia ou obstrui as artérias e impede que o sangue flua para o músculo cardíaco, o que pode resultar em um derrame, ataque cardíaco ou insuficiência cardíaca.

Se uma área da placa cair, pode formar um coágulo sanguíneo. Se o coágulo estiver próximo ao seu cérebro, ele pode impedir que sangue e oxigênio cheguem ao cérebro e causem um derrame. Quanto mais pesado você estiver, maior o risco de sofrer um derrame.

Outro tipo de acidente vascular cerebral acontece quando um vaso sanguíneo no cérebro está estourando. É chamado de derrame hemorrágico e, embora a causa seja diferente, os resultados finais são semelhantes.

Outros sintomas e efeitos comuns de doenças cardíacas são angina (dor no peito), ritmo cardíaco anormal e morte cardíaca súbita. Em todos os Estados Unidos, as doenças cardíacas são as principais causas de morte. Quando as pessoas estão acima do peso, seu nível de colesterol é mais alto, o que resulta em aumento da pressão sobre o coração e também danifica outros órgãos. Estudos indicam que apenas uma perda de peso entre 5 e 10% já pode diminuir drasticamente o risco dessas terríveis doenças. Portanto, se você pesa 200 libras, considere perder pelo menos 10 libras, de preferência mais.

Um estudo mostrou que o excesso de peso aumenta o risco de doenças cardíacas em 32%, e a obesidade, considerada um nível de sobrepeso mais alto, aumenta em 81%.

Risco 2: pressão arterial mais alta

Outro fenômeno que pode ser causado pelo excesso de peso é a pressão arterial muito alta. A pressão alta é seis vezes mais comum em pessoas com sobrepeso do que em pessoas que são leves o suficiente para serem consideradas saudáveis. A American Heart Association registrou que 22 quilos de excesso de peso aumentam a pressão arterial sistólica, o que, segundo eles, muitas vezes resulta em um risco 24% maior de derrame, e as pessoas obesas severas têm uma chance 64% maior de derrame.

À medida que o coração bombeia o sangue, a pressão sanguínea força o sangue a empurrar contra as paredes das artérias. Se essa pressão se tornar muito alta, poderá danificar seu corpo de várias maneiras. Imagine aquelas artérias pobres tentando suportar a pressão do sangue que as está empurrando. Eventualmente, isso vai quebrar alguma coisa.

É considerado normal ter uma pressão sanguínea de 120/80 mm Hg (geralmente chamada de 120 acima de 80). Quando o número mais alto (que é a pressão arterial sistólica) é constantemente 140 ou mais, ou o número mais baixo (pressão arterial diastólica) é 90 ou mais alto, você tem uma pressão arterial muito alta.

Quando o corpo precisa bombear com mais força para fornecer todo o sangue às células, pode danificar os rins, que controlam a pressão sanguínea. Este também é um efeito causado pela obesidade.

A propósito, outra coisa que pode causar pressão alta é fumar.

Risco 3: Hipertensão

Como mencionei, a pressão arterial normal deve ser de cerca de 120/80 mm Hg. Quando a pressão arterial sobe para 150/90, torna-se um problema sério que é chamado de hipertensão. Se você tem apenas 139/89, está experimentando pré-hipertensão. Isso significa que você tem um alto risco de contrair hipertensão no futuro.

A hipertensão tem a ver com o sangue dentro das paredes internas das artérias. Existem dois tipos de hipertensão: Hipertensão essencial (primária) e hipertensão secundária. A maioria das pessoas tem o primeiro. A hipertensão pode ser causada pela obesidade, mas outros fatores que contribuem para ela são herança, problemas renais e atividade cerebral. No entanto, 26% de todos os casos apresentavam hipertensão devido a problemas de peso.

A hipertensão secundária não é tão comum e é a conseqüência de outros problemas médicos subjacentes, como contraceptivos orais, doença renal, hiperaldosteronismo primário, feocromocitoma, síndrome da apneia do sono ou coarctação da aorta.

Pessoas que sofrem de hipertensão precisam tomar medicamentos para pressão arterial ou anti-hipertensivos. Se o indivíduo envolvido perder peso suficiente, o medicamento pode ser interrompido. Por esse motivo, será melhor iniciar uma dieta e começar a se exercitar do que esperar até que você tenha o problema e obtenha a medicação. Melhor prevenir do que curar, certo?

A questão da hipertensão é de natureza tão séria que existem 58 a 65 milhões de adultos nos Estados Unidos, e esse é o motivo mais comum para adultos não grávidas irem ao médico e usarem medicamentos prescritos..

Risco 4: Diabetes Tipo 2

Quando li sobre isso, lembrei-me de um amigo que viu um Icee ou Slush Puppy (muita limonada ou outro xarope açucarado com gelo) e chamou de diabetes em um copo. Claramente, ela não comprou nada depois daquela piada.

Diabetes significa que o nível de glicose no sangue do corpo, ou nível de açúcar no sangue, está acima da média e precisa ser regulado. Quando tudo está indo bem, o corpo humano decompõe os alimentos em glicose e os transporta para as células do corpo. Essas células usam um hormônio, chamado insulina, para transformar a glicose em energia.

Mas uma pessoa com diabetes tipo 2 tem um corpo que não usa a insulina da maneira correta. A princípio, o corpo cria mais insulina, mas depois de um tempo, o corpo não consegue mais produzir insulina suficiente para regular o nível de açúcar no sangue. Suas chances de contrair diabetes são muito maiores se você estiver acima do peso. Diabetes pode resultar em morte prematura, derrame, doença renal e até cegueira.

Na diabetes tipo 2, as células do corpo não usam insulina adequadamente. A princípio, o corpo reage produzindo mais insulina. Com o tempo, no entanto, o corpo não consegue produzir insulina suficiente para controlar seu nível de açúcar no sangue. Diabetes tipo 2 é o tipo mais comum de diabetes.

A história e os genes da família podem desempenhar um papel na contração do diabetes tipo 2, mas há definitivamente um risco maior se você não se exercitar muito, não controlar sua dieta ou tiver mais excesso de gordura corporal. Aproximadamente 80% das pessoas com diabetes tipo 2 estão acima do peso. Por serem muito pesadas, elas alteram suas células, o que as torna resistentes à insulina.

A insulina é vital para a nossa saúde, mas pode ser muito ruim se recebermos as quantidades erradas. Quando recebemos muita insulina, seu corpo terá excesso de glicose, o que fará com que você anseie por comida mais do que deveria. É por isso que muita insulina resulta em apetites descontrolados e padrões alimentares. A insulina transforma a glicose em gordura e a armazena nos órgãos e na cintura. Mas com alguém com resistência à insulina, o que geralmente acontece com pessoas obesas ou com diabetes, a glicose se transforma automaticamente em gordura, mais do que o fígado e os músculos conseguem suportar. Em vez de fornecer o combustível e a energia necessários para o corpo, ele se transforma diretamente em gordura.

Quando a resistência à insulina causa inflamação nos órgãos, os açúcares no sangue destroem os vasos sanguíneos. Os rins estão tentando se livrar do excesso de glicose no sangue, mas como a glicose se tornou muito e muito forte, rompe a barreira de limpeza dos rins, causando danos e rins dolorosos. O diabetes ou a resistência à insulina podem ter os seguintes sintomas:

Fadiga.

Ganho de peso (obviamente).

Nebulosidade do cérebro.

Incapacidade de se concentrar.

Aumento da fome.

Sonolência, especialmente após uma refeição.

Risco 5: Gorduras Anormais no Sangue

Gorduras sanguíneas anormais também são causadas pela obesidade. Esses níveis de gorduras incluem altos níveis de triglicerídeos e colesterol LDL (ruim) e baixos níveis de colesterol HDL (bom). Níveis anormais dessas gorduras no sangue podem causar doenças cardiovasculares.

Risco 6: Síndrome Metabólica

Esse é o nome de vários fatores que aumentam o risco de doenças cardíacas e outros problemas. Se você tem três ou mais das seguintes características corporais, pode estar sofrendo dessa síndrome.

Uma cintura grande, ou obesidade abdominal, como nos quadris.

Um nível de triglicerídeos que está acima do normal.

Um nível de colesterol HDL muito baixo.

Pressão alta.

Açúcar no sangue em jejum superior ao normal.

A pergunta sobre o tamanho da cintura é freqüentemente feita pelas mulheres, uma vez que os quadris das mulheres são (para alegria dos homens, que costumam achar atraentes) mais amplos e mais propensos a aumentar de tamanho. No entanto, para muitas mulheres, essa preocupação é superestimada e há muitas preocupações com ela. Mas se a grandeza consiste principalmente de excesso de gordura, torna-se um problema sério, tanto para homens quanto para mulheres.

Mulheres com uma cintura maior que 35 polegadas e homens com um tamanho de cintura superior a 40 polegadas podem ter uma chance maior de desenvolver doenças devido à obesidade, como a síndrome metabólica.

É importante saber o tamanho da sua cintura em polegadas. Ter muita gordura na cintura pode aumentar os riscos para a saúde ainda mais do que ter gordura em outras partes do corpo.

Mulheres com uma cintura de mais de 35 polegadas (89 centímetros) e homens com uma cintura de mais de 40 polegadas (100 centímetros) podem ter maiores chances de desenvolver doenças relacionadas à obesidade.

Risco 7: Câncer

Os cientistas descobriram que cerca de 572.000 americanos morrem de câncer a cada ano, e que 33% dessas mortes estão relacionadas ao excesso de peso, má nutrição e falta de exercício. Estar acima do peso pode aumentar sua chance de contrair câncer em um terço!

O câncer ocorre quando certas células do corpo crescem fora de controle e se tornam anormalmente grandes. As células podem se espalhar para outras partes do corpo, como o fígado. É a segunda principal causa de morte nos Estados Unidos. Estar acima do peso aumenta o risco de:

Câncer de mama.

Câncer do endométrio.

Câncer da vesícula biliar.

Cancer de colo.

Cancêr de rins.

Câncer de pâncreas.

Câncer de próstata.

Câncer de estômago.

Câncer de útero.

Câncer de colo do útero.

Câncer de ovário.

Não é certo quanto peso corporal aumenta seu corpo para ter uma certa porcentagem maior de risco de contrair câncer nessas áreas. O corpo de todo mundo é diferente, e o câncer ainda é uma doença imprevisível que deixa muitos cientistas coçando a cabeça. No entanto, se você estiver acima do peso, é certo que isso aumenta o risco de contrair câncer em algum grau; então, por que correr o risco, certo? É melhor perder peso e morrer mais tarde, pular essa quimioterapia e ter um pouco mais de certeza e diminuir as contas médicas em sua vida.

Alguns cientistas acreditam que, após o cigarro, a obesidade é a principal causa de morte por câncer.

Risco 8: osteoartrite

Este é um problema comum dos joelhos, quadris e parte inferior das costas. Aparece quando o tecido que protege as articulações se desgasta devido ao aumento de peso. Quando você está acima do peso, suas pernas podem não ser capazes de carregá-lo e as articulações ficam danificadas, causando dor nos joelhos e quadris.

Osteoartrite causa rigidez e dor nas articulações. É frequentemente relacionado ao envelhecimento, fatores genéticos e lesões, mas também à obesidade. É mais comum nas mãos, joelhos, quadris e região lombar. Não é muito complicado. Se sua barriga e outras áreas superiores ficarem mais pesadas, os ossos e articulações das pernas e da cintura terão de suportar mais peso, o que geralmente não podem. É assim que o dano ocorre.

Um estudo do médico Messier concluiu que cada quilo de perda de peso resultou em uma redução de quatro quilos na carga e pressão do joelho. À medida que avançavam, eles calcularam que, por cada libra que você perde, você perde muito mais pressão sobre os joelhos por cada quilômetro que anda.

A cartilagem dos joelhos pode quebrar e o atrito dos ossos será menor. A cartilagem tem uma função nos joelhos: os ossos são cobertos com eles, o que lhes permite deslizar suavemente um pelo outro. Pode ser encontrada nos ossos da coxa, canela e rótula. Eles se movem junto com as articulações quando você anda.

O hormônio leptina, de acordo com alguns pesquisadores, também desempenha um papel importante na osteoartrite, hormônio que é estimulado por estar acima do peso.

A boa notícia é que aqueles com osteoartrite que perderam peso significativo nesses estudos por exercício e dieta reduziram pela metade a dor no joelho. Você sentirá menos dor e poderá se mover mais rápido de um lugar para outro, se conseguir manter seu peso dentro dos limites adequados. Você não terá que engolir todos esses analgésicos e aparecer no consultório do médico com tanta frequência se se livrar da gordura desnecessária em seu corpo. Nem toda dor ou artrite no joelho é causada por excesso de peso, mas seu médico pode dizer se seu peso está contribuindo para o problema.

Mesmo se você precisar fazer uma cirurgia nas articulações, o excesso de peso aumenta o risco de infecções, coágulos sanguíneos e deslocamento após a substituição do quadril. A recuperação também pode demorar mais.

Risco 9: Problemas na coluna

A obesidade também pode afetar a coluna vertebral. Faz sentido que, quando você tem um grande intestino, suas costas começam a se preocupar se puder suportar o peso na frente. Patologia do disco e dor nas costas são sintomas comuns de pessoas obesas. A coluna vertebral é freqüentemente comprimida por forças fortes, o que causa um problema de flexão. Imagine usar uma mochila de 50 libras na barriga por um dia ou dois, e você entenderá o que quero dizer.

Risco 10: Apneia do Sono

Outro efeito comum de excesso de peso é a apneia do sono. É um distúrbio em que você pausa mais quando está respirando ou respira superficialmente enquanto dorme. Alguém que tenha apneia do sono pode ter um pescoço mais gordo. Por causa disso, as vias aéreas dificultam a respiração. A gordura em volta do pescoço obstrui o espaço necessário para permitir a entrada de oxigênio, dificultando assim a entrada de ar necessário para alguém. Pode causar ronco e inflamação por todo o corpo.

Essa deficiência também faz com que alguém tenha dificuldade em se concentrar e os deixa mais sonolentos durante o dia. A obesidade é o principal fator de risco para contrair esta doença.

Se você ronca alto e para de respirar algumas vezes, apenas para acordar subitamente por um estrangulamento ou um bufo, você pode estar sofrendo de apneia do sono. Ter esta doença também aumenta o risco de derrame ou outras dores no coração.

Risco 11: Síndrome de Hipoventilação da Obesidade

Este é um distúrbio respiratório que afeta algumas pessoas que estão acima do peso. A respiração resulta em excesso de dióxido de carbono, o que causa hipoventilação, e não há oxigênio suficiente no sangue. Esta síndrome pode eventualmente resultar em morte se se tornar muito grave.

Risco 12: Infertilidade

A obesidade tem um efeito horrível na fertilidade de homens e mulheres.

Para as mulheres,

pode ser a causa de problemas menstruais e infertilidade, períodos anormais e aumento da dor. Além disso, a obesidade tem um impacto negativo sobre a gravidez e o nascimento. Mais sobre isso mais tarde.

Mulheres com sobrepeso podem experimentar desequilíbrios hormonais que podem afetar seus ciclos menstruais e impedir a ovulação. Isso dificulta a concepção. Eles podem ter uma condição chamada síndrome do ovário policístico, que impede os ovários de produzir hormônios suficientes que estimulam o óvulo a amadurecer e a serem liberados. Mulheres com essa síndrome podem criar muita insulina, o que pode causar o corpo a liberar muitos hormônios masculinos chamados andrógenos. Um alto nível de andrógenos pode atrasar a ovulação e dificultar a gravidez.

Para os homens, o excesso de peso aumenta o risco de ser infértil, já que a contagem de espermatozóides será menor e a qualidade do espermatozóide será menos viável. A razão pela qual isso pode acontecer é porque o tecido adiposo pode transferir hormônios masculinos como a testosterona para o hormônio feminino estrogênio. Mais tecido adiposo significa mais estrogênio e menos masculinidade.

Outro hormônio que pode danificar os espermatozóides é a leptina. Por causa das alterações hormonais, pode criar um desejo reduzido de atividade sexual.

Portanto, se você planeja ter um bebê e não consegue descobrir como, a perda de peso certamente pode contribuir para a sua fertilidade e as chances de conseguir um.

.

Risco 13: problemas de gravidez

Risco 14: Pênis e problemas sexuais

Já que estamos falando sobre fertilidade e órgãos sexuais, parece que a obesidade mata sua masculinidade de outra maneira: um tamanho de pênis reduzido. Eles não apenas pareciam desaparecer por causa da visibilidade limitada bloqueada pelo estômago redondo, mas também foram medidos em várias pesquisas e evidentemente encolheram. Para cada 50 libras que estavam acima do peso, explicou o médico, eles perderam um centímetro de pênis; para alguns, o pênis encolheu para um tamanho tão pequeno quanto 3 polegadas quando ereto. O contrário, no entanto, também é verdadeiro. Se um homem perde peso, seu pênis se torna o tamanho normal anterior com as mesmas proporções.

Em outros momentos, pesquisas apontaram que o pênis de homens acima do peso não estava realmente encolhendo, mas começou a recuar mais na área do estômago, fazendo com que parecesse menor. Seja uma teoria verdadeira ou outra, o pênis parece menor, geralmente afetando negativamente a confiança de um homem. Ser pesado ou estar acima do peso costuma ser ridicularizado na sociedade, o que cria uma baixa auto-imagem para aqueles que momentaneamente têm um corpo assim. Uma auto-imagem ruim mata a satisfação sexual.

Outra maneira de o pênis começar a ter problemas é o risco de ter disfunção erétil. Homens diabéticos e obesos têm duas vezes mais risco de ter baixos níveis de testosterona e três vezes mais chances de ter problemas sexuais, como orgasmos atrasados ​​ou inexistentes, problemas de ejaculação e falta de resistência.

A obesidade está ligada ao desequilíbrio hormonal e pode impedir os desejos sexuais. O aumento da gordura corporal cria mais globulinas de ligação ao hormônio sexual no sistema, que é um produto químico natural que se liga à testosterona. Isso significa que resta uma porção menor de hormônios sexuais para lidar com as demandas de uma vida sexual regular. Além disso, a obesidade pode levar à fadiga e ao desenvolvimento dos seios masculinos. No Japão, eles já entraram nesse mercado vendendo sutiãs masculinos.

E por último mas não menos importante: posições. Não vou repassar todas as posições sexuais e dificuldades que um corpo mais pesado poderia impossibilitar. Basta dizer que, em geral, a física faz sentido pelo fato de que corpos mais pesados ​​são mais difíceis de manusear, piorando ainda o desejo de um ou ambos os parceiros de interagir sexualmente entre si.

Risco 15: doença hepática gordurosa

Este também é conhecido como esteato-hepatite não alcoólica. Isso acontece quando a gordura se acumula no fígado e danifica os órgãos. Pode causar cirrose ou insuficiência hepática. É mais comum em pessoas de meia-idade, com excesso de peso e / ou diabéticas. Também é possível aparecer doença hepática gordurosa em crianças. Se você tiver algum problema com álcool, isso também pode aumentar a chance de contrair essa doença.

No entanto, a gordura aumenta drasticamente o risco de doença hepática gordurosa, por isso, siga os conselhos da The Fat Loss Series, para diminuir a chance de adoecer dessa maneira.

Risco 16: Doença Renal

Você tem dois rins, que são órgãos em forma de feijão, que supostamente filtram o sangue, eliminam o excesso de água e produtos desnecessários, que se transformam em urina. Além disso, seus rins controlam sua pressão arterial para que seu corpo fique em forma e limpo.

Quando você tem doença renal, seus rins não conseguem filtrar o sangue como costumavam, porque estão danificados. Devido ao mau funcionamento dos rins, os resíduos podem se acumular dentro de você, o que faz com que outros órgãos comecem a ter problemas. A causa mais prevalente de doença renal é diabetes ou pressão alta, geralmente criada por excesso de peso, conforme indicado anteriormente.

Risco 17: cálculos biliares

Os cálculos biliares são peças difíceis de material parecido com pedra que tomam forma na vesícula biliar. Eles geralmente são feitos de colesterol. Os cálculos biliares podem criar dores de estômago ou problemas nas costas. Pessoas com excesso de peso correm maior risco de ter cálculos biliares. Além disso, estar acima do peso ou obeso pode resultar em uma vesícula biliar inflamada com problemas graves que podem prejudicar sua saúde geral.

Risco 18: Depressão

Nem sempre é certo o que vem primeiro: depressão ou excesso de peso. Eu acho que depende da pessoa. Algumas pessoas podem simplesmente ficar acima do peso porque estão deprimidas e estão tentando escapar de alguns lanches ou alimentos saborosos. Eles estão tentando acabar com seus problemas, como ouvi as pessoas expressarem. Outros ficam deprimidos porque estão acima do peso e sua auto-imagem está diminuindo sua auto-estima. E a última categoria pode ser uma combinação de ambos.

Foi o que a pesquisa constatou: em um estudo realizado em 2010, os Arquivos da Psiquiatria Geral descobriram que as pessoas obesas têm uma chance 55% maior de ficar deprimidas, em comparação com as pessoas consideradas com peso normal. Os motivos para isso podem ser:

1 Em muitas culturas modernas, ser magro e elegante é visto como bonito, e excesso de peso sendo visto como menos atraente. Por esse motivo, as pessoas com excesso de peso não estão em conformidade com os padrões da mídia e com a maneira como as mentes da população em geral estão conectadas. (Estranho, porque algumas centenas de anos atrás, durante o renascimento, alguma gordura era um sinal de riqueza e, portanto, de beleza). Pensar que você é feio pode lhe dar uma baixa auto-estima, que pode resultar em depressão. Esse é um dos lados psicológicos dele.

2 Estar acima do peso e deprimido são deficiências de baixo funcionamento que alteram a química do cérebro, geralmente como resposta ao estresse e à ansiedade. Nos dois casos, há uma escassez de endorfinas saudáveis, o que cria emoções negativas mais fortes.

Esse é o lado físico da psicologia cerebral simples.

3 Alguns medicamentos contra a depressão causam ganho de peso, portanto, verifique sempre a prescrição do seu médico antes de tomar antidepressivos.

Risco 19: Doenças Pulmonares

Pneumonia, asma e enfisema têm em comum o fato de estarem fortemente ligados a problemas respiratórios. O enfisema é freqüentemente causado pelo fumo e a pneumonia por infecções virais ou bacterianas. Mas a asma pode ser causada por excesso de peso. Os sintomas da asma são chiado, tosse e falta de ar. Ao subir escadas ou andar um pouco, você pode descobrir que tem dificuldade em respirar se tiver asma.

A síndrome metabólica também está ligada a danos nos pulmões. A obesidade abdominal está fortemente associada ao comprometimento da função pulmonar. Na França, eles pesquisaram entre 120.000 pessoas. Eles descobriram que, com base em exames de sangue, as pessoas com síndrome metabólica tinham aproximadamente 1,4 vezes mais chances de ter comprometimento da função pulmonar. Eles também descobriram que pessoas com excesso de gordura da barriga tinham duas vezes mais chances de ter uma função pulmonar prejudicada. Mesmo quando o peso era considerado médio, o excesso de gordura da barriga fazia uma diferença significativa.

Uma barriga grande pode restringir o diafragma e dificultar o aumento ou a expansão dos pulmões. Outra coisa que a gordura extra da barriga pode fazer é criar inflamação no corpo, que danifica os pulmões.

Risco 20: Um sistema imunológico enfraquecido

Adicionado à lista de possíveis doenças e possíveis doenças, é apenas um sistema imunológico mais fraco em geral. O excesso de peso danifica as células imunológicas, especialmente as pessoas obesas com diabetes tipo 2.

O sistema imunológico consiste em várias células que protegem o corpo de germes, doenças, vírus e invasores. As células precisam coexistir em um equilíbrio específico para uma boa saúde. Muitos aspectos, como dieta e muita gordura corporal, podem escalar esse equilíbrio, através de células imunológicas que podem atacar em vez de proteger nossos corpos.

A gordura corporal, em particular a gordura abdominal, gera a produção de células imunes 'pró-inflamatórias', que se misturam no sangue e podem prejudicar nossos corpos. Além disso, outras células imunes inflamatórias chamadas macrófagos são liberadas no mesmo tecido adiposo. As pessoas estão ficando doentes porque são gordas. E alguns deles estão morrendo porque estão acima do peso. A questão se tornou crítica.

Se você ingere muitas calorias, é mais suscetível à infecção, pois pode levar a melhoramentos ou obstrução do açúcar no sangue e causar danos oxidativos, o que significa que uma superprodução de espécies reativas de oxigênio contraria a capacidade natural do corpo de desintoxicar suas células.. Portanto, aumenta o risco de ser infectado por qualquer doença. Além disso, se você não ingerir proteína suficiente, pode estar em risco de desnutrição energético-protéica, o que prejudica seu sistema imunológico.

Mesmo que uma pessoa obesa se exercite um pouco e coma saudavelmente, o risco permanece enquanto essa pessoa estiver acima do peso. Não são tanto os hábitos, mas também o excesso de gordura. O sistema imunológico não aguenta o peso, o que é claro em um estudo que apontou que a obesidade leva a:

Células mortas e disfunção.

Função de monócitos e linfócitos alterada.

Diminuição da função de macrófagos e células dendríticas.

Resposta reduzida à estimulação antígeno / mitogênio.

Diminuição da produção de citocinas.

Em poucas palavras, isso significa que pessoas (e animais) com excesso de peso

Você chegou ao final desta amostra. Inscreva-se para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas pensam sobre Perda de peso

0
0 avaliações / 0 Análises
O que você acha?
Classificação: 0 de 5 estrelas

Avaliações de leitores