Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Fundamentos e práticas transformativas em mediação de conflitos

Fundamentos e práticas transformativas em mediação de conflitos

Ler a amostra

Fundamentos e práticas transformativas em mediação de conflitos

Duração:
483 páginas
5 horas
Editora:
Lançados:
7 de abr. de 2020
ISBN:
9786586201000
Formato:
Livro

Descrição

Esta obra é fruto da experiência acumulada pelas autoras nas atividades de mediadoras de campo e de professoras de cursos de formação e capacitação continuada de mediadores e facilitadores. Diante das habilidades técnicas exigidas do mediador, esta obra, além de promover a aquisição do conhecimento e instrumentalizar tais atores, desenvolve o raciocínio crítico do leitor por meio da formulação de perguntas ao final de cada capítulo. Portanto, merece destaque e elogios a contribuição das autoras à capacitação e treinamento de mediadores por meio deste livro, cuja leitura e utilização deve ser recomendada a todos aqueles que lutam pela qualidade, pelo respeito aos princípios éticos e pelo profissionalismo da Mediação de Conflitos no Brasil.
Editora:
Lançados:
7 de abr. de 2020
ISBN:
9786586201000
Formato:
Livro

Sobre o autor


Relacionado a Fundamentos e práticas transformativas em mediação de conflitos

Livros relacionados

Artigos relacionados

Amostra do livro

Fundamentos e práticas transformativas em mediação de conflitos - Joyce R. Markovitz

CONFLITOS

I. EPISTEMOLOGIA

LOURDES FARIAS ALVES

Podemos nos perguntar qual o sentido para iniciarmos nossas reflexões falando de Epistemologia? Entre outros, o argumento mais consistente para nós é justamente o de apresentar a Mediação de Conflitos sob o ponto de vista epistemológico, fundamentada em ciências que validem seu corpo conceitual e norteiem sua prática.

Quando falamos de Epistemologia nos referimos à Teoria ou Ciência da origem, natureza e limites do conhecimento. É o estudo crítico e reflexivo dos princípios, dos pressupostos e da estrutura das diversas ciências.

Os problemas centrais com os quais a epistemologia se preocupa são:

•Definição de Conhecimento;

•Fontes do Conhecimento;

•Limites do Conhecimento;

•Relação do Conhecimento com a Verdade;

•Relação entre o Conhecimento e quem o possui. (JAPIASSU, 1975; BOMBASSARO, 1993).

Da mesma forma, são esses norteadores que estruturam o estudo crítico e reflexivo dos princípios e pressupostos que conferem credibilidade à Mediação de Conflitos.

Epistemologia — Construção do Conhecimento e Verdade

A construção do conhecimento, segundo Putnam (1994) é marcada pela influência dos filósofos que, embora tenham divergido ao longo dos séculos sobre o que existe de fato no mundo que nos rodeia, concordaram em relação a uma questão central: O que é a verdade? Para eles o conceito de verdade estava ligado ao de realidade objetiva.

Para Glasersfeld (1994, p. 26), o problema epistemológico de como conhecemos a realidade e se esse conhecimento é também sólido e verdadeiro, ocupa a reflexão dos filósofos atuais, não menos do que ocupava a de Platão. Ao contrário da realidade metafísica, continua Glasersfeld, só podemos aceitar como verdade aquilo que corresponder a uma realidade objetiva e independente.

Ao longo da história, a busca pela verdade está presente em todos os processos de construção do conhecimento, que em constante transformação alterna períodos de tranquilidade e de crises paradigmáticas. Esse processo de questionamento epistemológico é quase sempre desencadeado por novas propostas, novas teorias e conceitos antagônicos e/ou complementares aos princípios já professados pelas diferentes comunidades científicas, capazes, portanto, de gerar novas visões de mundo, novos paradigmas.

Na primeira metade do século XX, o Modernismo como tradição filosófica ocidental compreendeu o período histórico no qual eram validados os conceitos cartesianos que afirmavam a objetividade da ciência, a visão do conhecimento como um processo individual, a noção de Sujeito independente do objeto do seu conhecimento e a Linguagem como forma de transmitir o pensamento e representar o mundo real (GRANDESSO, 2000).

Em meados do século XX o Modernismo é profundamente questionado em seus pilares mais centrais com o advento do pensamento sistêmico e os avanços da física quântica. Um novo paradigma amplia as possibilidades à construção do conhecimento incorporando aos conceitos de verdade, de objetividade e de certeza, os conceitos de acaso, de imprevisibilidade, de incerteza e de complexidade.

Os chamados Novos Paradigmas (SCHNITMAN, 1999) referem-se então às mudanças, pelas quais passaram a teoria e a prática científicas nas últimas décadas. Essas mudanças contribuíram em grande parte para a Virada Pós-Moderna⁹, especialmente a partir de 1970.

As bases epistemológicas do pós-modernismo propiciaram o surgimento de escolas e movimentos como o Construtivismo e o Construcionismo Social que oferecem fundamentação conceitual para a Mediação e tiveram grande repercussão no campo das Terapias Pós-Modernas.

O Construtivismo apoiou seus pressupostos sobre os estudos da Cibernética da Biologia, da Física, da Psicologia, da Filosofia da Ciência¹⁰, contribuindo para esclarecer, entre outras, questões relacionadas à existência de um Sujeito independente do objeto observado e à separação entre um mundo real e o mundo da experiência.

O Construcionismo Social está fundamentado na Filosofia da Linguagem contemporânea, nas práticas discursivas e no papel da Linguagem (PAKMAN, 2003). Define a importância da Linguagem como forma de entendimento entre as pessoas, instituindo o que é a verdade a partir da criação de sentido entre as Redes conceituais de indivíduos e grupos e suas formas de estar no mundo.

Numa concepção construcionista social nossas construções de mundo e de nós mesmos são constituídas e limitadas pela própria Linguagem que pode gerar transformações pessoais e sociais como resultados de convenções compartilhadas (GERGEN & KAYE, 1998).

Considerando o conhecimento como um processo ativo e construído socialmente, o pós-modernismo questiona verdades universais aplicadas de forma estática e uniforme. Desse ponto de vista, Narrativas como Justiça, Ética e Razão não são valores eternos, universais e inquestionáveis, mas sim valores localizados no tempo e na cultura que os pratica e os institui como resultado do intercâmbio social. (PAKMAN, 2003).

A partir dessas premissas nos permitimos pensar que o antagonismo trazido pelas partes na Mediação resulta das diferentes versões da realidade e das diferentes descrições sobre os fatos que geraram o conflito, a partir do que é a verdade ou do que é certo para cada um dos participantes desse conflito.

Na Mediação as questões são reavaliadas e as diferentes versões da realidade podem ser Redefinidas, ampliadas e, quem sabe, reformuladas.

Assim, epistemologia e verdade, direcionadas à prática da Mediação Transformativa de Conflitos, apontam para a importância da elaboração e ampliação da fundamentação teórica existente como fonte para novas percepções do mundo e de si mesmo, para a construção de Narrativas alternativas direcionadas à transformação das relações entre pessoas e grupos.

Epistemologia e Mediação de Conflitos

Podemos conceber a Mediação de Conflitos como um saber comprometido com a epistemologia contemporânea dos novos paradigmas do conhecimento. Fundamentada nas abordagens Construtivista (centrada nos processos construtivos) e Construcionista Social Sistêmica (centrada nos processos relacionais). A Mediação vem sendo aplicada aos diferentes campos da convivência entre pessoas, grupos, empresas, comunidades e nações.

Do ponto de vista epistemológico, não consideramos como tal, a Mediação baseada no senso comum, na observação ou outras formas populares de aconselhamento para resolver conflitos nas diferentes situações do dia a dia. Estamos, sim, nos referindo à Mediação de Conflitos como um saber, uma episteme resultante da transversalidade multidisciplinar que compõe sua base epistemológica. Sua metodologia permite uma prática que está fundamentada em procedimentos, técnicas e estratégias ordenadas por critérios e princípios coerentes com a perspectiva teórica adotada. (MUSKAT,

Você chegou ao final dessa amostra. Cadastre-se para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de Fundamentos e práticas transformativas em mediação de conflitos

0
0 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor