Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Dimensão ambiental na educação (A)

Dimensão ambiental na educação (A)

Ler a amostra

Dimensão ambiental na educação (A)

Duração:
143 páginas
1 hora
Lançados:
12 de jun. de 2020
ISBN:
9786556500164
Formato:
Livro

Descrição

Desde os anos 1960, a questão ambiental tornou-se assunto de debate no mundo contemporâneo. A crescente degradação dos ambientes naturais, associada a uma intensa relação de dominação e exploração socioambiental, jamais vista na história da humanidade, fizeram com que a Educação Ambiental deixasse de ser um assunto menor, para se tornar uma demanda central na formação de educandos, educadores e da população de modo geral.
Nesta edição que comemora os 20 anos de lançamento do livro, o leitor encontra relatos de pesquisadores de Norte a Sul do país, que refletem sobre a inserção da dimensão da ambiental na educação em suas realidades regionais ao longo das duas últimas décadas. Dessa forma, a fim de atender às necessidades de educadores e profissionais interessados em se aprofundar na área, esta obra apresenta ideias para serem refletidas e reelaboradas, já que a Educação Ambiental é um campo de conhecimento em construção que se desenvolve na prática cotidiana dos que realizam o processo educativo.
Lançados:
12 de jun. de 2020
ISBN:
9786556500164
Formato:
Livro

Sobre o autor


Relacionado a Dimensão ambiental na educação (A)

Livros relacionados

Amostra do livro

Dimensão ambiental na educação (A) - Mauro Guimarães

A DIMENSÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO

MAURO GUIMARÃES

>>

COLEÇÃO MAGISTÉRIO:

FORMAÇÃO E TRABALHO PEDAGÓGICO

Esta coleção que ora apresentamos visa reunir o melhor do pensamento teórico e crítico sobre a formação do educador e sobre seu trabalho, expondo, por meio da diversidade de experiências dos autores que dela participam, um leque de questões de grande relevância para o debate nacional sobre a educação.

Trabalhando com duas vertentes básicas – magistério/formação profissional e magistério/trabalho pedagógico –, os vários autores enfocam diferentes ângulos da problemática educacional, tais como: a orientação na pré-escola, a educação básica: currículo e ensino, a escola no meio rural, a prática pedagógica e o cotidiano escolar, o estágio supervisionado, a didática do ensino superior etc.

Esperamos assim contribuir para a reflexão dos profissionais da área de educação e do público leitor em geral, visto que nesse campo o questionamento é o primeiro passo na direção da melhoria da qualidade do ensino, o que afeta todos nós e o país.

Ilma Passos Alencastro Veiga

Coordenadora

Para Daniel, Miguel e Diego,

sementes de um novo amanhã.

SUMÁRIO

PREFÁCIO – A DIMENSÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO: 20 ANOS DEPOIS

DEPOIMENTOS DOS 20 ANOS DO LIVRO

APRESENTAÇÃO DA EDIÇÃO COMEMORATIVA

NOTA INTRODUTÓRIA

1. POR QUE EDUCAÇÃO AMBIENTAL?

2. O QUE É EDUCAÇÃO AMBIENTAL?

3. EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA QUÊ?

O educador e a Educação Ambiental

Educação Ambiental urbana x rural?

4. COMO FAZER EDUCAÇÃO AMBIENTAL?

O planejamento participativo

Relato de uma experiência

Atividades pedagógicas de uma perspectiva interdisciplinar

Uma proposta para sala de aula (ONU)

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

NOTA

SOBRE O AUTOR

OUTROS LIVROS DO AUTOR

REDES SOCIAIS

CRÉDITOS

PREFÁCIO

A DIMENSÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO: 20 ANOS DEPOIS

[1]

Em 2015 completamos 20 anos da obra escrita pelo amigo e companheiro de longo tempo, nas trilhas que construímos na Educação Ambiental (EA) brasileira, Mauro Guimarães. Mas antes de falar do livro, ou melhor, do significado de seu título, não poderia deixar de mencionar minha alegria e satisfação em fazer parte desta edição comemorativa com o autor e com outros colegas que ajudaram a fazer a história da EA ao lado de muitos professores, militantes, estudantes, pesquisadores, servidores públicos, lideranças comunitárias, enfim, trabalhadores – pessoas que em suas ações cotidianas e em espaços públicos promoveram esse campo em todo seu vigor, em toda sua complexidade e criatividade. Parabéns, Mauro! Parabéns a todos pela jornada compartilhada!

Vinte anos do livro e, pelo menos, mais uns dez anos de relação de amizade entre pessoas que fizeram essa bela jornada de muitas realizações, sonhos, alegrias, tristezas e aprendizados.

Vinte anos do livro, 16 anos da publicação da Política Nacional de Educação Ambiental (PNEA) – lei n. 9795/99. Tempos aqueles de expansão e de afirmação de uma área que poucos anos antes era bastante desconhecida entre os brasileiros, particularmente no campo da educação. Tempos de início de um diálogo entre educadores ambientais e demais educadores nas instituições educacionais. De um movimento ainda tímido das estruturas estatais de educação como MEC e algumas secretarias estaduais e municipais na busca da ambientalização das escolas. Vinte e um anos do primeiro Programa Nacional de Educação Ambiental (Pronea) – maioridade...

O livro é marcante não só por seu conteúdo, ainda atual (que não por acaso continua a ser lido e citado), mas também porque é um marco inaugural, ao lado de algumas outras poucas publicações, para a hoje vasta produção teórica em EA. Valeu, Mauro, por essa contribuição única!

Naqueles tempos, pouco material bibliográfico em português estava disponível, havia poucas pesquisas concluídas e escassez de referências. Cenário muito diferente do que se tem em 2015, em que a produção teórica e metodológica brasileira se destaca internacionalmente.

Cenário muito diferente... Atualmente podemos falar em institucionalização da EA no sistema educacional e nos instrumentos de gestão ambiental (licenciamento, gestão de unidades de conservação, de águas, de resíduos sólidos e de portos, entre outros). Podemos falar em inúmeras políticas públicas nas diferentes esferas de governo, em universalização da entrada da EA nas escolas, em práticas educativas ambientais constitutivas dos movimentos sociais, em consolidação de linhas de pesquisa nas universidades.

Mas as contradições sociais se revelam na história. Assim, também temos cenários não tão diferentes que evidenciam as chagas de uma sociedade desigual. Estamos falando da década de 1990, e é nela que se refuncionaliza o Estado para atender aos interesses das classes dominantes que se perpetuam no poder. Mecanismos jurídico-institucionais foram criados para garantir a reprodução do padrão de acumulação de capital e permitir condições estruturais para o novo desenvolvimentismo, vigente a partir da década de 2000. Esse movimento foi determinante para a intensificação das formas de exploração da natureza e de precarização do trabalho, fazendo com que os conflitos ambientais ganhassem proporções alarmantes em um contexto de criminalização dos movimentos sociais, de aumento de práticas de intolerância e preconceito, de fragilização das unidades de conservação e territórios indígenas diante dos interesses do agronegócio e das mineradoras, e do massacre de povos tradicionais em seu mais elementar direito de existir.

Temos, então, 20 anos de lutas vivas por novas relações com a/na natureza, de conquistas para a EA e retrocessos diante da coisificação da vida. Nunca se falou tanto e se fez tanto em EA, porém nunca se destruiu tanto também. Quais são os limites e as possibilidades do processo educativo?

Reflexões muitas eu gostaria de fazer diante da provocação que é pensar nos 20 anos do livro, n’A dimensão ambiental na educação e no que ela significa em tempos de precarização do trabalho docente e de privatização das escolas públicas. Não é possível pensar em tudo aqui, mas numa questão não poderia deixar de tocar para encerrar este breve depoimento.

Quando temos por foco a educação, o que podemos fazer quando nos encontramos em condições de contribuir para transformar as relações sociais mesmo diante de um contexto de destruição?

Trabalhar e agir coletivamente em rumos incertos, essa é a certeza!

Entendo que, no marco dos 20 anos da publicação do livro, alcançamos uma maturidade no campo da EA que permite abrir um debate na sociedade sobre as intencionalidades e os resultados de projetos e programas em curso no âmbito das políticas públicas. Também entendo que é hora de intensificarmos o diálogo com trabalhadores, movimentos sociais e povos tradicionais, na construção popular das políticas e práticas. Para tanto, referências teóricas que contribuam para esse processo são fundamentais. Afinal, não há prática transformadora sem teoria igualmente transformadora para que a práxis educativa se efetive! E, sem dúvida, livros como este são indispensáveis nesse movimento educativo ambiental. Obrigado, Mauro, pela pessoa que é e por sua contribuição como educador.

Carlos Frederico B. Loureiro

Professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

DEPOIMENTOS DOS 20 ANOS DO LIVRO

Centro-Oeste presente para reconhecer

o pretérito e celebrar o amanhã

Michèle Sato

Professora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Quando Mauro Guimarães me convidou para escrever algumas linhas sobre a edição celebrativa de 20 anos de seu livro, fiquei pensando o quanto ele deve ter mudado nesse dinâmico período de amadurecimento. Quis saber quais eram suas críticas e o que ele mudaria de um pretérito de duas décadas. Mas ao reler o livro para este texto, observo que as perguntas que Mauro faz ainda são tão atuais! Por que Educação Ambiental (EA)?, ele questiona. Num mundo tão sofrido das mazelas sociais, onde a maioria não enxerga a dimensão ambiental, o autor desta obra mostra que a sociedade humana está intrinsecamente conectada ao ambiente, e que pensar em uma dimensão é também pensar na outra. Humanidade e natureza estão conjugadas, pertencentes, ainda que o capital talvez quisesse ser excludente, na tessitura do poder humano controlando tudo, e até a nomenclatura revela isso: recursos naturais; capital natural; economia verde. Para refletir sobre isso, e além, o livro traz outras perguntas que desvelam a essência da EA: o que é EA, para que e como fazê-la são as chaves que conduzem a tessitura da obra, totalmente atualizada, hoje, pela consistência de seus exemplos, pela elaboração das ideias conectadas que vazam a temporalidade e a espacialidade, dando um caráter de permanência.

São perguntas que nos provocam a responder a uma outra questão, que não é

Você chegou ao final dessa amostra. Cadastre-se para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de Dimensão ambiental na educação (A)

0
0 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor