Aproveite milhões de e-books, audiolivros, revistas e muito mais, com uma avaliação gratuita

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Usucapião Especial Urbana Coletiva: Aspectos Relevantes de Direitos Material e Processual
Usucapião Especial Urbana Coletiva: Aspectos Relevantes de Direitos Material e Processual
Usucapião Especial Urbana Coletiva: Aspectos Relevantes de Direitos Material e Processual
E-book401 páginas4 horas

Usucapião Especial Urbana Coletiva: Aspectos Relevantes de Direitos Material e Processual

Nota: 0 de 5 estrelas

()

Sobre este e-book

A presente obra aborda o instituto da Usucapião Especial Urbana Coletiva e analisa os seus aspectos mais relevantes, tanto relacionados ao direito material quanto ao direito processual coletivo. Justifica-se o retorno a esse importante instituto, já existente no ordenamento jurídico brasileiro desde o ano de 2001, por ocasião da promulgação da Lei n.º 10.257 - Estatuto da Cidade - visto que houve importantes alterações legislativas trazidas pela recente Lei n.º 13.465, de 11 de julho de 2017.
IdiomaPortuguês
Data de lançamento10 de ago. de 2020
ISBN9786558200727
Usucapião Especial Urbana Coletiva: Aspectos Relevantes de Direitos Material e Processual
Ler a amostra

Relacionado a Usucapião Especial Urbana Coletiva

Livros relacionados

Artigos relacionados

Avaliações de Usucapião Especial Urbana Coletiva

Nota: 0 de 5 estrelas
0 notas

0 avaliação0 avaliação

O que você achou?

Toque para dar uma nota

    Pré-visualização do livro

    Usucapião Especial Urbana Coletiva - Tereza Cristina Sorice Baracho Thibau

    Editora Appris Ltda.

    1ª Edição - Copyright© 2019 dos autores

    Direitos de Edição Reservados à Editora Appris Ltda.

    Nenhuma parte desta obra poderá ser utilizada indevidamente, sem estar de acordo com a Lei nº 9.610/98.

    Se incorreções forem encontradas, serão de exclusiva responsabilidade de seus organizadores.

    Foi feito o Depósito Legal na Fundação Biblioteca Nacional, de acordo com as Leis nºs 10.994, de 14/12/2004 e 12.192, de 14/01/2010.

    COMITÊ CIENTÍFICO DA COLEÇÃO SOCIOLOGIA DO DIREITO

    Dedico esta obra aos Meus Eternos Amores Incondicionais: Minha Mãe, Myriam, Guerreira da Luz; e meus Filhos, Mário e Letícia, Estrelas em Ascensão.

    Tereza Cristina Sorice Baracho Thibau

    Dedico esta obra aos meus queridos familiares, especialmente ao Flávio Henrique, à minha mãe, Patrícia, e à minha amada filha, Isabela, fonte de toda a minha inspiração.

    Silvia de Abreu Andrade Portilho

    Em matéria de propriedade, o direito do primeiro ocupante é incerto e pouco seguro. O direito de conquista, pelo contrário, assenta em fundamentos sólidos. Ele é respeitável porque é o único que se faz respeitar. – Anatole France.

    Visto que o fundamento da propriedade é a utilidade, onde não houver utilidade possível não pode existir propriedade. – Jean Jacques Rousseau.

    A propriedade privada tornou-nos tão estúpidos e limitados que um objeto só é nosso quando o possuímos. – Karl Marx.

    Sumário

    1

    INTRODUÇÃO

    2

    POSSE E PROPRIEDADE NO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO

    2.1. A origem e a evolução do direito de propriedade

    2.2. Conceito e estrutura do direito de propriedade no ordenamento jurídico brasileiro

    2.3. Propriedade, Posse e Direito à Moradia

    2.3.1. A função social da propriedade e seus fundamentos legais

    2.3.2. A Função Social da Posse e seus fundamentos legais

    2.3.3. O Direito à Moradia e sua proteção legal

    2.4. A Propriedade e a Posse no Código de Processo Civil de 2015

    3

    ANTECEDENTES HISTÓRICOS DA USUCAPIÃO E SUA EVOLUÇÃO NO DIREITO BRASILEIRO

    4

    A USUCAPIÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO: ASPECTOS DO DIREITO MATERIAL

    4.1. Conceito

    4.2. Prescrição Aquisitiva e Usucapião

    4.3. Requisitos gerais para usucapir

    4.4. As Usucapiões Comuns

    4.4.1. A Usucapião Extraordinária do Código Civil Brasileiro de 2002

    4.4.2. A Usucapião Ordinária do Código Civil Brasileiro de 2002

    4.5. As Usucapiões Especiais

    4.5.1. A Usucapião Especial Indígena na Lei nº 6.001/73 e na Constituição da República de 1988

    4.5.2. A Usucapião Quilombola do artigo 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias

    4.5.3. A Usucapião Especial Rural Individual ou Simples na Lei nº 6.969/81, Constituição da República de 1988 e Código Civil de 2002

    4.5.4. A Usucapião Especial Urbana Individual ou Simples (Constituição da República de 1988, Lei nº 10.257/01 e Código Civil Brasileiro de 2002)

    4.5.5. A Usucapião Especial Urbana Coletiva na Lei nº 10.257/01 (com alterações dadas pela Lei n.º 13.465/17)

    4.5.6. A Usucapião Especial Urbana Familiar ou por Abandono de Lar na Lei nº 12.424/11 e no artigo 1.240-A do Código Civil Brasileiro de 2002

    4.5.7. Usucapião Urbana Administrativa na Lei n.º 13.465/17

    4.6. A Usucapião Extrajudicial na Lei 6.015/73 (Lei de Registros Públicos)

    5

    A USUCAPIÃO ESPECIAL URBANA COLETIVA SOB O ENFOQUE DO DIREITO PROCESSUAL COLETIVO BRASILEIRO

    5.1. A Origem Constitucional e as Finalidades da Usucapião Especial Urbana Coletiva

    5.2. Os Requisitos Constitucionais e Legais da Usucapião Especial Urbana Coletiva: Extensão da Usucapião Urbana Individual ou Inovação Legislativa?

    5.3. Enquadramento da Usucapião Especial Urbana Coletiva Como Espécie de Direito Coletivamente Tutelável

    5.4. Noções Gerais Sobre as Espécies de Direitos Coletivos Lato Sensu e Aspectos Processuais da Usucapião Especial Urbana Coletiva

    5.4.1. A Espécie de Direito Coletivo Tutelável Pela Usucapião Especial Urbana Coletiva

    5.4.2. Pressupostos Processuais Para a Existência e Desenvolvimento Válido das Ações Individuais e Coletivas

    5.4.2.1. Da natureza jurídica da legitimação ativa para a propositura da ação de usucapião especial urbana coletiva

    5.4.2.2. A legitimação passiva para a ação da usucapião especial urbana coletiva

    5.4.2.3. Interesse de agir ou interesse processual para a ação da usucapião especial urbana coletiva

    5.4.3. Pressupostos Processuais Gerais para a Ação de Usucapião Especial Urbana Coletiva

    5.4.3.1. Pressupostos processuais de existência da relação jurídica processual

    5.4.3.2. Pressupostos processuais específicos para a ação de usucapião especial urbana coletiva

    5.4.3.2.1. Petição inicial

    5.4.3.2.2. Outras exigências processuais específicas 

    5.4.4. Do Procedimento da Ação de Usucapião Especial Urbana Coletiva

    5.4.5. Sobrestamento de Ações Petitórias ou Possessórias Sob o Mesmo Imóvel no Curso da Ação da Usucapião Especial Urbana Coletiva

    5.4.6. A Atuação do Ministério Público na Tutela da Coletividade Pela Via da Usucapião Especial Urbana Coletiva

    5.4.7. A Atuação da Defensoria Pública na Tutela da Coletividade Pela Via da Usucapião Especial Urbana Coletiva

    5.4.8. A Usucapião Especial Urbana Coletiva Alegada como Matéria de Defesa

    5.4.9. A Sentença e Suas Peculiaridades na Usucapião Especial Urbana Coletiva

    5.4.10. A Coisa Julgada e Suas Peculiaridades na Ação da Usucapião Especial Urbana Coletiva

    5.4.11. A Determinação da Competência na Usucapião Especial Urbana Coletiva

    5.4.12. Recursos Cabíveis na Ação de Usucapião Especial Urbana Coletiva

    5.4.13. A Execução da Sentença na Ação de Usucapião Especial Urbana Coletiva

    6

    CONCLUSÃO

    REFERÊNCIAS

    1

    INTRODUÇÃO

    O conceito tradicional de propriedade, durante séculos, estudado sob uma perspectiva absoluta e liberal, passou a ser reformulado em consonância com a sua finalidade social após o advento da Constituição da República de 1988. Essa mudança na tratativa do direito de propriedade foi ocasionada por uma série de fatores, tais como: o crescimento da população, o incremento da industrialização, o fenômeno de migração das pessoas egressas da zona rural para os grandes centros urbanos, tudo isso fez com que o Poder Público passasse a se preocupar com a implementação de políticas públicas voltadas à proteção dos direitos sociais da coletividade, especialmente das classes mais desfavorecidas economicamente.

    Esse elevado crescimento demográfico sem planejamento estratégico da gestão administrativa, bem como a busca de emprego pela população aglomerada nos centros urbanos, visando à melhor capacitação para o trabalho e melhores condições de vida, fizeram com que o valor dos imóveis nas áreas urbanas sofresse, como consequência, um notável aumento de preços. Com isso, a população mais desfavorecida, especialmente a originária da zona rural, passou a viver nas periferias das cidades, em áreas esquecidas pelos proprietários ou pelo próprio Poder Público, de modo informal e sem qualquer infraestrutura. Comumente, essa população passou a exercer moradia em áreas de risco, terrenos particulares não ocupados, inclusive terrenos de propriedade pública, morros e até áreas de preservação ambiental, originando o que se conhece pelo nome de aglomerados, comunidades, ou, nos termos da lei 13.465/17, núcleos urbanos informais.

    A função social da propriedade se fez presente, nas Constituições da República Federativa do Brasil, desde o ano de 1934. Entretanto, somente com a Constituição da República de 1988, a qual consagrou o Estado Democrático de Direito, essa função social da propriedade foi elevada à categoria de princípio da ordem econômica, passando a fazer parte, verdadeiramente, da estrutura do direito de propriedade. Tal fato impulsionou o surgimento de políticas públicas condizentes com essa nova ordem social, em prol da coletividade e da concretização do princípio fundamental da dignidade da pessoa humana, pelo qual o bem-estar social é escopo primário.

    Atenta às novas questões fundiárias e em consonância com o princípio da função social da propriedade, a CR/88 formatou, em seu Título VII, Capítulo II, mais precisamente no artigo 182, uma política urbana visando a garantir o pleno desenvolvimento das cidades, bem como o bem-estar de suas populações. Passados treze anos de sua promulgação e com a finalidade de regulamentar os artigos 182 e 183 da CR/88, entrou em vigor a Lei Federal nº 10.257/01 – Estatuto da Cidade –, legislação que trouxe a previsão de diversos instrumentos de política pública que objetivam minorar os grandes problemas relativos ao uso e ocupação da propriedade nas áreas urbanas, sempre em prol do bem-estar coletivo. Nesse diploma legislativo, dentre diversas normas públicas de interesse social, foi instituída nova modalidade de usucapião, a denominada usucapião especial urbana coletiva.

    A usucapião¹, modo originário de aquisição do direito de propriedade por meio da posse prolongada e inconteste, é instituto do direito privado de origem romana que se encontra previsto, no ordenamento jurídico brasileiro desde a Consolidação das Leis Civis, elaborada por Teixeira de Freitas em 1858. O Código Civil Brasileiro de 1916 (CC/16) previa a existência de apenas duas modalidades de usucapião, a extraordinária e a ordinária. Atualmente, o Código Civil Brasileiro de 2002 (CC/02) ampliou as modalidades do instituto e reduziu os prazos para aquisição do domínio por meio da usucapião. Além disso, em consonância com os fundamentos e objetivos traçados pela CR/88, algumas outras modalidades de usucapião especial foram surgindo, da dinâmica da sociedade, no ordenamento jurídico brasileiro, dentre essas a usucapião especial urbana coletiva. O objetivo dessa modalidade de usucapião é beneficiar, com a aquisição do domínio, os possuidores ocupantes dos núcleos urbanos informais, enquanto coletividade que exerça posse qualificada, isto é, com finalidade específica de moradia, desde que não sejam proprietários de nenhum outro imóvel. Ademais, a posse deve ser exercida com animus domini, sem oposição, de modo contínuo ou ininterrupto, com prazo mínimo de cinco anos.

    Esta obra se propõe a abordar a importância do instituto da usucapião especial urbana coletiva, regulamentada pelo Estatuto da Cidade como um dos instrumentos de política pública que tem por finalidade efetivar o direito constitucional dos cidadãos a uma moradia digna. Trata-se, nesse caso, de efetiva proteção a direitos coletivos em sentido lato, mais especificamente, das populações urbanas que, devido ao imenso déficit habitacional oriundo da crescente urbanização ocorrida no Brasil, passaram a ocupar, de modo precário, irregular e sub-humano, áreas abandonadas e esquecidas, na maioria das vezes sem qualquer planejamento ou execução de qualquer espécie de infraestrutura ou saneamento básico adequado².

    Assim, será abordado o estudo da posse e do direito de propriedade no Estado Democrático de Direito em uma perspectiva funcional. Serão apontadas ainda algumas importantes inovações, trazidas pelo Código de Processo Civil de 2015, no que diz respeito à proteção possessória. O segundo capítulo buscará demonstrar as transformações sofridas pelo direito de propriedade, as quais culminaram na proteção desse direito, condicionada ao cumprimento de sua função social. Aqui, destaca-se ainda que, ao lado do princípio constitucional expresso da função social da propriedade, há também um princípio constitucional implícito da função social da posse, ambos a sustentarem os valores e fundamentos consagrados em um Estado que se diz democrático de direito. Tais valores, como a busca pela justiça social e pela dignidade da pessoa humana, refletem, pela relevância que carregam, a necessidade da análise sociológica e jurídica, material e processual do tema.

    No terceiro capítulo, serão abordados brevemente os antecedentes históricos da usucapião e a sua evolução no ordenamento jurídico brasileiro, com vistas a acompanhar as necessidades impostas pela dinâmica social.

    No quarto capítulo, que traçará o estudo dos aspectos materiais da usucapião no ordenamento jurídico brasileiro, serão analisadas as principais modalidades de usucapião existentes no ordenamento jurídico atual, cujas previsões legais estão disciplinadas na Constituição da República de 1988, no Código Civil Brasileiro de 2002 e na legislação específica, ou seja, na Lei nº 10.257/01 (Estatuto da Cidade), dentre outras. No que tange à usucapião especial urbana coletiva, cerne desta obra, será dado especial enfoque ao estudo de seus requisitos, especialmente após as alterações efetuadas pelo CPC/15 e pela Lei n.º 13.465, de 11 de Julho de 2017.

    Ainda no quarto capítulo será feita uma análise da possibilidade de utilização do procedimento cartorário para as espécies de usucapião, inclusive na modalidade urbana coletiva, em conformidade com a alteração trazida pelo Código de Processo Civil Brasileiro de 2015, que inseriu o artigo 216-A na Lei de Registros Públicos (Lei n.º 6.015/73).

    O quinto capítulo desta obra abordará os aspectos processuais da usucapião especial urbana coletiva instituída pelo Estatuto da Cidade, no ano de 2001, aqui identificada como espécie de ação coletiva que tutela, a princípio, direito individual homogêneo dos possuidores, devendo, portanto, ser aplicáveis a essa ação as normas do Sistema Integrado de Tutela aos Direitos Coletivos vigente no ordenamento jurídico brasileiro.

    Entende-se que o direito da coletividade dos possuidores, nesse caso, melhor se enquadra na fase inicial do processo, na categoria dos direitos individuais homogêneos, por se tratar de direito divisível de titularidade determinável, estando os possuidores vinculados pela mesma circunstância fática de origem comum. Entretanto essa classificação é passível de discussão, uma vez que a lei prevê formação de condomínio indivisível ao final da ação de usucapião especial urbana coletiva.

    Ainda no quinto capítulo serão estudados os demais aspectos de direito processual do instituto da usucapião especial urbana coletiva, bem como suas peculiaridades trazidas pelas normas do Estatuto da Cidade. Também será analisada a efetiva possibilidade da Defensoria Pública e do Ministério Público para a defesa dos direitos individuais homogêneos dos possuidores enquanto coletividade, promovendo esse órgão a ação de usucapião especial urbana coletiva. Será objeto de estudo, ainda, a legitimidade destes entes para propositura da citada ação, como substitutos processuais ou representantes adequados da coletividade.

    Dessa forma, o tema em questão será tratado, primeiramente, sob o prisma do direito material e, em um segundo momento, do direito processual coletivo. Justifica-se a necessidade dessa dupla abordagem, considerando a importância do desenvolvimento dos estudos relativos aos direitos da coletividade, já que o processo civil individual, por si só, representa apenas fonte subsidiária aplicável ao Sistema Integrado de Tutela aos Direitos Coletivos, não sendo capaz de oferecer soluções adequadas aos novos fenômenos jurídicos que surgem na sociedade, cada vez mais complexos e que atingem simultaneamente interesses e direitos, para além dos individuais, de grande número de pessoas consideradas coletivamente.

    A CR/88 ampliou a tutela jurisdicional do Estado, com a garantia do amplo acesso à justiça e a proteção aos direitos e interesses coletivos. Os processos coletivos, cuja importância é cada vez mais crescente, refletem-se como meios de preservação da harmonia e de realização dos objetivos constitucionais da sociedade.

    Considerando o duplo enfoque que se pretende dar ao tema, tanto no âmbito do direito material quanto no âmbito do direito processual coletivo, esta obra buscará proporcionar a compreensão da amplitude do objeto de pesquisa, optando pela utilização do método sistemático e teleológico de interpretação das normas que constituem tal modalidade de usucapião, sempre em conformidade com os valores e princípios consagrados pela CR/88, com a finalidade de prevenir, regularizar e solucionar os conflitos relativos à moradia e utilização racional da propriedade nos núcleos urbanos informais.

    2

    POSSE E PROPRIEDADE NO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO

    2.1. A origem e a evolução do direito de propriedade

    Adentrar no estudo da usucapião especial urbana coletiva, como modo de aquisição do direito de propriedade por uma coletividade enquanto consequência da posse prolongada desse grupo sobre determinada área territorial urbana, requer anteriormente uma breve análise da tratativa do fenômeno jurídico da posse, bem como do direito de propriedade previsto como direito fundamental no artigo 5º, caput e seus incisos XXII e XXIII, da Constituição da República de 1988³.

    A propriedade é considerada um direito individual⁴ ou fundamental do cidadão, dimensão inerente à própria dignidade da pessoa humana. Ao mesmo tempo em que se configura direito fundamental segundo a Constituição da República vigente, é também garantia, tendo em vista o duplo caráter atribuído aos direitos fundamentais – tanto individual, quanto institucional.

    Sobre esse aspecto dúplice dos direitos fundamentais, Canotilho ressalta:

    Rigorosamente, as clássicas garantias são também direitos, embora muitas vezes se salientasse nelas o caráter instrumental da protecção dos direitos. As garantias traduziam-se quer no direito dos cidadãos a exigir dos poderes públicos a protecção dos seus direitos, quer no reconhecimento de meios processuais adequados a essa finalidade.

    No sentido jurídico, a propriedade é um direito, um feixe que engloba os direitos de uso, usufruto e abuso, e que confere o exercício da exclusão sobre a coisa, que permite afastar terceiros que dela pretendam se apropriar, usar ou gozar.

    A propriedade pode ser vista como sendo um conjunto de direitos, como uma estrutura que incentiva as relações humanas, ou como um feixe de direitos por intermédio dos quais se torna possível promover as trocas.

    Sérgio Werlang entende ser o interesse privado e egoístico aquele que motiva a propriedade privada:

    [...] a propriedade privada é suficiente para garantir a existência da propriedade privada no mundo. Com efeito, se não houvesse a instituição da propriedade privada, indivíduos movidos por sua vontade própria brigariam continuamente pela posse de todos os bens. Isto porque, livre de amarras que definem que determinado bem pertence a este ou àquele indivíduo, cada um quer mais para si.

    Com a introdução da propriedade privada, fica claro o que pertence a quem, e aquele que se apropria ilegalmente de coisa pertencente a outrem estaria cometendo uma transgressão. Assim, a disputa pela posse se tornaria muito custosa e então as disputas acabariam. É certo, portanto, que o bem-estar da população é maior com a instituição da propriedade privada do que sem ela.

    Os direitos de propriedade surgem no instante em que os recursos apropriáveis pelo homem se tornam escassos:

    Desde os primórdios, o indivíduo sempre procurou satisfazer as suas necessidades vitais por intermédio da apropriação de bens. Inicialmente, era a busca por bens de consumo imediato; com o tempo, o domínio de coisas móveis, até perfazer-se a noção de propriedade, progressivamente complexa e plural. O verbo ter marca indelevelmente o direito subjetivo de propriedade, sendo inerente a qualquer ser humano o anseio pela segurança propiciada pela aquisição de bens.

    Não se sabe ao certo o exato surgimento do conceito de propriedade privada do ponto de vista histórico. Há indícios de que, com o advento da escrita, cerca de 3.100 a.C., já havia registros de venda de terras privadas.

    Curioso é o fato de que o Antigo Testamento celebrou o que, no presente, é denominado de defesa do conceito de propriedade privada. Encontra-se no Código da Aliança, popularizado como Os Dez Mandamentos, uma série de regras muito mais precisas e extensas que o comando sintético não roubarás, tão conhecido.

    Conforme menciona Izabel Vaz⁹, a teoria de John Locke para justificar a propriedade individual baseou-se na origem divina do legado concedido a Adão e à sua posteridade. Como entende ser a propriedade comum aos homens, procura explicar as causas da apropriação dos bens e da terra pela utilização da razão, também dada por Deus.

    No direito romano clássico, ocorre o grande avanço na consagração do direito de propriedade privada, abrindo-se um caminho definitivo para a ideia de propriedade e de direitos individuais. Para os romanos, o direito de propriedade está intrinsecamente ligado ao direito patrimonial, conjunto de bens corpóreos pertencentes ao pater-família.¹⁰

    Na Roma antiga, a noção do direito de propriedade significava poder absoluto, exclusivo e perpétuo que alguém tinha sobre uma coisa, noção que, como se sabe, foi relativizada em prol da sociabilidade do direito de propriedade.

    Nas palavras de Carlos Roberto Gonçalves, a evolução do direito de propriedade ocorreu da seguinte forma:

    No direito romano, a propriedade tinha caráter individualista. Na idade Média, passou por uma fase peculiar, com dualidade de sujeitos (o dono e o que explorava economicamente o imóvel, pagando ao primeiro pelo seu uso). Havia todo um sistema hereditário para garantir que o domínio permanecesse numa dada família de tal forma que esta não perdesse seu poder no contexto do sistema político.

    Após a Revolução Francesa, a propriedade assumiu feição marcadamente individualista. No século passado, no entanto, foi acentuado o seu caráter social, contribuindo para essa situação as encíclicas Rerum Novarum, do Papa Leão XIII, e Quadragésimo Ano, de Pio XI. O sopro da socialização acabou, com efeito, impregnando o século XX, influenciando a concepção da propriedade e o direito das coisas.¹¹

    Fato é que, de início, sobre a origem da propriedade privada ou dos direitos de propriedade, é evidente a necessidade de que seja criada exclusividade para determinados bens na medida em que estes se tornem escassos. O objetivo de se determinar um proprietário com direito exclusivo sobre a coisa é justamente evitar que a competição sobre o bem acabe por dissipar recursos ou mesmo resulte na subutilização da propriedade.

    Márcia Carla Pereira Ribeiro e Irineu Galeski Júnior explicam o que seria o problema conhecido como tragédia dos comuns, tratado em primeiro lugar por Scott Gordon (1954) e, em seguida, por Garret Hardin (1968):

    Quando não há a possibilidade de algum dos autores afastar o uso do outro, geralmente ocorre um efeito negativo recíproco, em virtude do fato de que as ações de cada agente criam custos aos demais e a dilapidação do próprio recurso. Ademais, não se coaduna com esse modelo uma obrigação de reparação entre agentes, uma vez que a propriedade é coletiva.¹²

    Ao se eleger um proprietário, concedendo-lhe o direito exclusivo de propriedade sobre determinado bem, haverá uma utilização mais eficiente do recurso, com o aumento da produção, e consequente incentivo para o uso eficiente do recurso. E mais: somente a proteção ao uso exclusivo da propriedade não é suficiente. Há necessidade de que haja, também, um sistema de transferência, a fim de que os recursos possam ser repassados para quem lhes dá maior valor ou uso mais produtivo.

    Nelson Rosenvald e Cristiano Farias¹³ destacam que a relação entre propriedade e liberdade coincide com o surgimento do Estado, que protege a propriedade como um direito da mesma forma que tutela o indivíduo contra o arbítrio do Estado.

    O Iluminismo e o jusnaturalismo, nos séculos XVIII e XIX, trouxeram um marco no formato clássico do direito de propriedade. É nesse período que a ideologia liberal e individualista triunfa, representando a prevalência da racionalidade humana, o que faz com que os institutos do contrato e da propriedade sejam elevados à categoria de grandes pilares do direito privado, por consubstanciarem o ápice da autonomia da vontade do indivíduo.

    Esse momento coincide com a chamada primeira geração dos direitos fundamentais, que exige uma postura de verdadeira abstenção por parte do Estado, para que as liberdades individuais possam ser preservadas.

    O Código Civil Brasileiro de 1916 adotava a concepção liberal do direito de propriedade, por influência do Código Civil Francês de Napoleão (1804).

    Anota Milagres¹⁴ que o artigo 544¹⁵ do Código Civil francês de 1804 estabelece que a propriedade é o direito de gozar e dispor das coisas da maneira mais absoluta, contanto que não se faça delas um uso proibido, seja pelas leis ou pelos regulamentos.

    O modelo liberal, que trazia a concepção do direito de propriedade como um direito ilimitado, entretanto, não vingou.

    Com o fracasso dos ideais liberais e da política do laisser-faire houve a necessidade de se criar uma forma de reduzir os problemas advindos da absoluta ausência do Estado. O Estado passa, então, a intervir na economia com a finalidade de auxiliar o menos favorecido, que, isoladamente, jamais conseguiria atingir as condições mínimas para o exercício de suas liberdades. Essa nova visão irá se refletir, certamente, no conteúdo do direito de propriedade.

    Com a influência da Constituição Alemã de Weimar (1919), a proteção à ordem social e econômica alcançou um novo patamar, operando-se, ainda, a inserção do direito privado no âmbito constitucional.

    Segundo Fábio Caldas de Araújo,

    [...] esta inovação rompe com a concepção puramente individualista do direito de propriedade, pois insere a função social como princípio normativo e orientador da legislação infraconstitucional. A noção de que o proprietário deveria usufruir ao máximo para satisfação plena de seu interesse cede a uma nova perspectiva, ou seja, a busca do bem-estar social, como forma, inclusive, de garantir o bem-estar individual.¹⁶

    Em face dessa constatação, o direito de propriedade passa a ser protegido, levando-se em consideração a sua perspectiva funcional. E mais: a evolução do instituto da propriedade faz com que a sua função social passe a fazer parte da própria estrutura desse direito.

    O direito de propriedade é o instituto do direito privado que mais sofreu e continua a sofrer as maiores transformações em seu conceito e estrutura. O Código Civil Brasileiro de 1916, revogado pelo vigente Código Civil de 2002, não tratava do direito de propriedade em uma perspectiva de realização da justiça social. Ao contrário, impregnado dos ideais liberais advindos da Revolução Francesa, o direito de propriedade não era enfocado com vistas a permitir a distribuição e apropriação por parte dos cidadãos, assim, o gozo e a fruição de um bem não poderiam ser alijados de seu proprietário por interferência de um terceiro.¹⁷.

    Já o vigente Código Civil, de 2002, encontra-se em maior consonância com a Constituição da República de 1988 no que diz respeito à tutela do direito de propriedade, que também passa a ser tratado com a mesma perspectiva socializante.

    Verifica-se, portanto, uma nítida mudança no eixo de proteção do direito de propriedade, que passa a ser focado na pessoa humana em seu contexto social. Com isso, torna-se evidente a preocupação com o interesse da coletividade, o que reflete, sem dúvida, na maior proteção ao fenômeno social da posse e ao direito constitucional à moradia.

    Dada tamanha complexidade, é certo que o direito de propriedade não pode ser analisado como sendo um regime jurídico meramente subordinado ao Direito Civil. Para corroborar tal entendimento, valiosas são as palavras

    Está gostando da amostra?
    Página 1 de 1