Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Gestão democrática e serviço social: Princípios e propostas para a intervenção crítica

Gestão democrática e serviço social: Princípios e propostas para a intervenção crítica

Ler a amostra

Gestão democrática e serviço social: Princípios e propostas para a intervenção crítica

Duração:
484 páginas
6 horas
Lançados:
12 de jun. de 2018
ISBN:
9788524926594
Formato:
Livro

Descrição

Nas últimas décadas, as forças sociais e políticas populares vieram ganhando espaço dentro do Estado e produzindo situações políticas novas ao introduzir vários técnicos e profissionais no processo de decisão política. Desta forma, a gestão de fenômenos sociais ganha uma autonomia crescente e exige um esforço teórico e conceitual para orientar as lutas sociais que invadem cada vez mais o processo de decisão e a ação. É importante ver o esforço dos autores por cobrir toda a temática que deve orientar a formação dos assistentes sociais e as políticas públicas sob a pressão crescente dos movimentos sociais de um lado e das forças da ordem e da continuidade de graves injustiças sociais que firmam o ambiente hegemônico de nossa realidade brasileira e latino-americana e de grande parte do chamado Sul do planeta. Este livro, de Rodrigo de Souza Filho e Claudio Gurgel, preenche assim uma lacuna que necessita urgentemente dos instrumentos teóricos e práticos que ajudem a universidade a cumprir um papel fundamental numa conjuntura histórica cheia de potencialidades que enfrentam, contudo, graves e duras resistências.
Lançados:
12 de jun. de 2018
ISBN:
9788524926594
Formato:
Livro

Sobre o autor


Relacionado a Gestão democrática e serviço social

Livros relacionados

Artigos relacionados

Amostra do livro

Gestão democrática e serviço social - Rodrigo de Souza Filho

inviável."

Parte I

PRESSUPOSTOS TEÓRICOS E POLÍTICOS

CAPÍTULO 1

Gestão democrática: significado e determinações essenciais

*

Este capítulo tem como objetivo explicitar os fundamentos teórico-metodológicos da concepção de gestão democrática e dos debates que serão apresentados ao longo do livro.

O capítulo inicia apresentando a gestão em seu sentido geral. Compreender os elementos desenvolvidos no início do capítulo permitirá que os leitores trilhem, de maneira consistente e segura, os caminhos, às vezes tortuosos, pantanosos e cheios de obstáculos que teremos que percorrer para discutir os conteúdos propostos de forma precisa, visando, assim, a correta apreensão sobre o significado da gestão. Em seguida, explicita a caracterização da gestão na sociedade capitalista, com destaque para a categoria burocracia, e termina com o debate sobre a gestão e o processo de democratização.

Iniciemos, então, nossa apresentação.

1.1 A gestão e sua caracterização em geral

A primeira questão que devemos esclarecer, antes de começarmos a caracterizar a gestão em seu sentido geral ou de maior nível de abstração (lembremo-nos dos apontamentos realizados sobre as categorias abstratas na introdução deste livro), refere-se à terminologia que estamos empregando. Seguindo o indicado por Motta (1991) e mais tarde Tenório (1997), não faremos distinções entre os termos gestão e administração. Assim, utilizaremos as palavras gestão e administração como sinônimas.

Isso posto, podemos partir da caracterização inicial proposta pelo educador Victor Henrique Paro. Segundo este autor (Paro, 2006, p. 18), a administração em seu sentido geral (de maior nível de abstração) é a utilização racional de recursos para a realização de fins determinados.

Para evitar qualquer tipo de equívoco, essa caracterização não implica uma concepção de neutralidade da administração. Pois, como abstração, essa formulação apenas explicita os elementos gerais constitutivos da administração. No entanto, ao se concretizar, a administração se impregna de elementos histórico-concretos materiais e ídeo-culturais. Dessa forma, a caracterização abstrata inicial da administração ganha densidade, explicitando as determinações efetivas da realidade que a configura enquanto um fenômeno sócio-histórico.

Esse procedimento teórico é o mesmo desenvolvido por Marx quando trata da direção necessária para qualquer trabalho realizado social ou coletivamente e a especifica quando essa função torna-se atribuição do capital (Marx, 1996a, p. 447-448). O autor esclarece-nos que todo o trabalho coletivo ou social requer em maior ou menor medida uma direção que estabelece a harmonia entre as atividades individuais e executa as funções gerais que decorrem do movimento do corpo produtivo total, em contraste com o movimento de seus órgãos autônomos. Em seguida, Marx afirma que quando o trabalho coletivo se subordina ao capital e esse passa a definir a sua (do trabalho coletivo) direção, a função de dirigir assume características específicas. A direção do trabalho social coletivo, nos termos apresentados por Marx, pode ser interpretada, sem dúvida alguma, como administração. Portanto, na primeira formulação, uma abordagem geral da administração, e, em seguida, uma abordagem sobre a administração capitalista.

Retomando a reflexão sobre caracterização em geral da gestão, conforme proposto por Paro (2006), convém sublinhar que seu desdobramento remete-nos a duas questões fundamentais. A primeira delas refere-se ao fato de que se a administração requer racionalidade ela é uma tarefa eminentemente humana e sempre estará presente nas ações que a humanidade se propuser visando atingir um objetivo proposto racionalmente, definindo e utilizando recursos também de forma racional. A segunda diz respeito à explicitação do que significa utilização racional de recursos. Porém, antes de abordarmos essa questão, vejamos de que forma o autor caracteriza o que são recursos.

Segundo Paro (2006), os recursos referem-se aos elementos conceituais e materiais que a humanidade utiliza — seja na sua relação com a natureza (relação homem x natureza), seja em sua inter-relação (relação homem-homem) — para produzir os bens materiais e ideológicos necessários para a sociedade se manter e se reproduzir. Dessa forma, os recursos que são utilizados, através da relação que o homem estabelece com a natureza e/ou com outros homens, atingem tanto a dimensão da produção social quanto a dinâmica da reprodução social.

Como a administração é a utilização racional de recursos, age-se administrativamente quando se utiliza racionalmente os elementos conceituais e materiais empregados na relação entre homem e natureza e na relação do homem com outros homens para atingir um fim definido.

Cabe destacar que o autor denomina de campo da racionalização do trabalho a dimensão que envolve a relação homem-natureza e de campo da coordenação do esforço humano coletivo ou coordenação a relação estabelecida entre os homens na busca dos objetivos definidos. Esses seriam os dois campos centrais de interesse teórico-prático da administração. A administração, assim, é o campo de conhecimento e prática que se dedica a descobrir e aplicar racionalmente os elementos conceituais e materiais necessários para potencializar a racionalização do trabalho e a coordenação do esforço humano coletivo ou coordenação, para atingir determinados fins.

Retomando a questão do significado de utilização racional de recursos, Paro (2006) destaca que essa expressão implica, por um lado, a adequação dos recursos ao fim visado e, por outro, indica que o emprego dos recursos deve ser realizado de forma econômica.

Em relação à adequação dos recursos ao fim visado, o primeiro aspecto a desenvolver está relacionado ao fato de a administração nessa formulação abstrata nos permitir apresentar a conexão existente entre os fins e os meios da administração e o papel da razão como elemento de mediação dessa conexão. Expliquemos.

Para atingir determinados fins, é necessária a utilização de determinados recursos. Os recursos disponibilizados devem ser organizados, aplicados, usados de forma a que os fins definidos sejam efetivamente alcançados. Portanto, temos aqui uma relação entre o fim, a finalidade a ser atingida, e o recurso utilizado para atingir a referida finalidade.

Por outro lado, convém ressaltar que a finalidade administrativa a ser alcançada é definida racionalmente (ou seja, através da razão), assim como racionalmente são definidos os recursos que devem ser utilizados administrativamente para atingir o fim definido. A razão, portanto, é empregada tanto para a definição da finalidade da ação administrativa quanto para o estabelecimento dos recursos que serão utilizados para alcançar tais fins.

Neste sentido, podemos dizer que a finalidade determina os recursos que serão utilizados e a racionalidade envolvida na administração. Por exemplo, para uma perspectiva/finalidade democrática e emancipatória, orientação presente neste livro, não podemos utilizar meios e racionalidade meramente instrumentais descolados da sua função precípua que é atingir o fim definido (no caso, expansão e aprofundamento democrático destinado à emancipação).

A finalidade determina um tipo de racionalidade que orienta a escolha e a utilização dos recursos a serem manipulados. Ou seja, a racionalidade não está relacionada apenas à adequação do recurso ao fim, está, também, vinculada à definição da finalidade. Essa concepção de Paro (2006) resgata a ideia de racionalidade composta por uma dimensão finalística, que para ele é uma dimensão emancipatória (uma dimensão que visa à construção da liberdade), mas também resgata a noção da racionalidade em sua dimensão instrumental. Para atingir determinado fim estabelecido racionalmente e que orienta a ação administrativa, devem ser pensados e definidos, racionalmente também, os instrumentos adequados para que a referida finalidade seja alcançada. Por isso, uma racionalidade de dupla dimensão: uma dimensão (por exemplo, emancipatória/democrática) voltada para a definição da finalidade e outra (instrumental) destinada à escolha e operacionalização dos recursos/instrumentos adequados à efetivação da finalidade definida.

A outra questão relativa à utilização racional de recursos refere-se ao fato de que o emprego dos recursos deve ser realizado de forma econômica. Empregar de forma econômica recursos significa utilizar o menor tempo possível e a menor quantidade de meios destinados à obtenção da finalidade definida.

Aqui encontramos uma questão fundamental: o menor tempo e a menor quantidade de meios devem estar relacionados à finalidade que se pretende atingir, não são grandezas que podem ser definidas abstratamente, ou seja, sem ter como parâmetro a relação com a finalidade indicada.

Por exemplo, quando se tem como finalidade economizar recursos públicos da área social para pagar a dívida pública, o tempo gasto de um médico do Serviço Único de Saúde — SUS em seu atendimento deve ser um determinado tempo mínimo, tendo em vista a não contratação de outros médicos, e a necessidade de atendimento da população. Por outro lado, se a finalidade for garantir um atendimento de qualidade à população, o tempo gasto deste mesmo médico deverá ser um tempo mínimo que garanta o atendimento à população com a qualidade pretendida. Se for necessário, deverão ser contratados mais médicos para que a proporção entre o número total da população atendida por dia/médico atinja o tempo mínimo. O tempo mínimo do último caso certamente será maior do que o tempo mínimo do primeiro, embora ambos estejam sendo definidos a partir de uma racionalidade que busca reduzir tempo e quantidade de meios, a partir da finalidade indicada. A diferença se encontra na finalidade que parametriza a racionalidade da utilização dos recursos. No primeiro exemplo, a finalidade é a redução de recursos da política de saúde para viabilizar o pagamento da dívida, e no segundo é o atendimento da população com qualidade.

Nos dois casos é importante economizar recursos, no entanto, o tipo de economia e o quantum que poderá ser economizado dependerão da finalidade que se pretende atingir. Essa questão é importante ressaltar, pois, muitas vezes, é atribuída à concepção democrática, voltada para a expansão de direitos, a inexistência da preocupação com o emprego econômico de recursos. A questão, colocada corretamente, não está na inexistência da racionalidade do emprego econômico, mas sim no parâmetro finalístico que implica o emprego econômico dos recursos. Como sublinhamos anteriormente, o emprego econômico não é definido abstratamente, ele está vinculado à finalidade que se pretende atingir. Ou seja, é a partir da finalidade que se torna possível definir que tipo e o quantum de recursos deverão ser economizados, em relação ao tempo e à quantidade de meios utilizados.

Perseguir a economia de recursos, portanto, diz respeito a qualquer ato administrativo, independente da finalidade que se pretende atingir. No entanto, o quantum e o tipo de economia que serão obtidos dependerão da finalidade que se almeja alcançar através da ação administrativa.

Como administrar implica, também, a ação racional voltada para a definição da finalidade a ser atingida, o gestor deve sempre estar preocupado com a análise racional das finalidades da organização em que atua, bem como com a adequação dos recursos ao fim visado e do emprego econômico dos mesmos. Se o gestor assume como dada a racionalidade finalística e não a coloca sob apreciação crítica, assume uma concepção instrumental da razão. Em outras palavras, ao se considerar que a racionalidade só deve ser entendida como movimento destinado à definição adequada dos recursos e em seu respectivo emprego econômico, ela se reduz a uma dinâmica meramente instrumental da razão, eliminando da ação de gerir a definição da finalidade, ou, pelo menos, o posicionamento crítico sobre a finalidade definida.

Graficamente, podemos apresentar o exposto da seguinte forma:

1 — Razão voltada para definir a finalidade;

2 — Razão implicada na escolha dos recursos adequados à finalidade;

3 — Razão aplicada para empregar de forma econômica os recursos escolhidos.

Os segmentos 2 e 3 expressam a dimensão instrumental da razão presente na administração e o segmento 1 expressa a dimensão finalística que deve integrar o processo de administração/gestão. O segmento 1 é o determinante central do processo. Os segmentos 2 e 3 estão subordinados ao segmento 1.

Administrar envolve, então, esses três movimentos que implicam duas dimensões da razão: a finalística (ou ético-política) e a instrumental.

Em relação à dimensão finalística ou ético-política da razão, este livro, consonante com o projeto ético-político predominante no serviço social (Netto, 1999; Braz; Teixeira, 2009), defende que a administração/gestão de organizações, serviços, programas e projetos sociais realizada por assistentes sociais (e/ou outros profissionais) deve estar orientada para a ampliação e o aprofundamento de direitos na perspectiva de construção de uma nova ordem societal fundada na liberdade e na igualdade, enquanto uma sociabilidade onde as relações sociais não sejam baseadas na exploração e/ou dominação de classe, etnia e gênero.

Nesse sentido, podemos dizer que existem, do ponto de vista da gestão, possibilidades diferentes de orientação finalística. Em termos gerais, podemos ter gestões orientadas para a manutenção da dinâmica de exploração e dominação, ou, pelo menos, mais próxima dessa concepção; ou, então, voltada para a liberdade (supressão dos mecanismos de exploração e dominação), ou, pelo menos, mais próxima dessa concepção. Portanto, a finalidade que orienta a gestão encontra-se num leque de possibilidades que varia entre orientações radicalmente destinadas à manutenção da ordem de exploração/dominação e aquelas radicalmente posicionadas em defesa de um mundo de liberdade para todos.

Importa aqui destacar que, na dinâmica social baseada na estrutura de classes, onde uma determinada classe domina e explora a outra, a administração, como utilização de recursos para atingir fins determinados, se expressará tendo como determinação central a dominação. Em outras palavras, a administração numa sociedade de classes é a forma de realizar/materializar a dominação enquanto finalidade da classe dominante, em contexto de luta de classes. O que imprime à administração um caráter contraditório.

Para complexificar a situação, concretamente, um gestor com uma perspectiva crítica de gestão, ou seja, orientado por uma finalidade pautada na liberdade, a partir da expansão e aprofundamento de direitos, pode ter que gerir uma organização, serviço, programa ou projeto que tenha como perspectiva institucional a manutenção da ordem de exploração e dominação (caso mais provável de ocorrer no quadro da sociabilidade capitalista, principalmente em sua fase atual, pois radical no sentido de manutenção e acirramento das condições de exploração e dominação). Esse é o cenário mais provável que os gestores comprometidos com a liberdade encontrarão para atuar. Nesse sentido, os conflitos e contradições serão os elementos predominantes do processo de gestão. Mas essa questão será desenvolvida no último item deste capítulo; voltemos, agora, para concluir esta seção.

Essa concepção busca, pois, articular a dimensão ético-política (finalidade) com a dimensão técnica (utilização racional dos recursos) da administração, evitando a cisão entre o político e o técnico. Dessa maneira, rejeita-se a forma tradicional de conceber a administração apenas pelo foco da utilização dos recursos, pois administrar é agir racionalmente para definir fins e utilizar recursos.

Assim, a abordagem da administração, em sua expressão geral, permite-nos explicitar dimensões que viabilizam uma análise crítica do fenômeno administrativo, sem perdermos de vista a importância dessa atividade para a sociedade. Conforme o próprio educador Victor Paro (2006) assinala, é necessário evitar tanto a posição daqueles que identificam a administração capitalista/empresarial como algo de valor universal, quanto (combater os radicais ingênuos) aquelas que identificam a administração como instrumento capitalista de dominação e, portanto, não enxergam as reais determinações da dominação vigente na sociedade, que contêm afirmações e negações. Ambas as abordagens não contribuem para a concepção de uma administração com perspectiva democrática, pois ou reiteram as relações de dominação presentes na sociedade — como ocorre com a abordagem que pretende dar um caráter de universalidade à administração empresarial, reproduzindo, dessa forma, o status quo —, ou negam a administração — posição assumida pela abordagem que não considera as determinações sociais e econômicas da administração empresarial/capitalista e imputa à própria administração (e não às relações sociais presentes na sociedade) o caráter de dominação.

Nessa ótica, o tema administração ganha substância para além de modismos e vinculações estreitas e exclusivistas da questão à ordem burguesa. Ou seja, nas palavras do autor:

Captada em sua [da administração] especificidade (ou seja, sua forma geral, aquela que é comum a todo o tipo de estrutura social), é possível identificar quais os elementos que, em sua existência concreta, se devem às determinações históricas próprias de um dado modo de produção. Numa perspectiva de transformação social, é possível, além disso, raciocinar em termos dos elementos dos quais esta forma, historicamente determinada numa sociedade de classes, precisa ser depurada para que, numa sociedade mais avançada, se possa pô-la a serviço de propósitos não autoritários (Paro, 2006, p. 18).

A concepção apresentada evita tanto a visão tecnicista da administração quanto a politicista, pois pressupõe uma perspectiva que concebe a administração como uma relação entre a dimensão ético-política e técnico-operativa. Nesse caso, contribui para evitarmos a noção que identifica gestão com a dimensão técnica (e que, portanto, não deve confundir-se com a política) e também aquela que considera que resolvida a questão ético-política a dimensão técnico-operativa resolve-se naturalmente.

Assim, o tratamento do tema referente à gestão deve resgatar a articulação dialética entre política/finalidades e utilização de recursos/meios/técnicas. A conjuntura neoliberal que privilegia as análises tecnicistas, partindo do entendimento que a finalidade da administração está dada (expansão da sociedade capitalista), não pode ser argumento para que não tratemos da questão da gestão/administração; muito pelo contrário, devemos enfrentar essa disputa revelando as conexões entre fins e meios de qualquer expressão concreta da administração.

Partindo desses elementos abstratos, constitutivos da administração, avancemos para decifrar os aspectos concretos da administração da e na sociedade capitalista.

1.2 Gestão na ordem do capital: a burocracia em questão

Esse item tem como perspectiva explicitar uma concepção materialista dialética da burocracia e, em seguida, apresentar a teoria burocrática weberiana, visando identificar as divergências das referidas abordagens.

A burocracia na perspectiva materialista dialética

Considerando, como vimos na seção anterior, que administrar é utilizar racionalmente recursos para a realização de fins determinados, para discutirmos a gestão no capitalismo devemos, em primeiro lugar, explicitar a finalidade do movimento do capital.

Conforme desenvolvido por Marx em O capital, o objetivo do processo de produção capitalista é a apropriação privada das riquezas produzidas, a partir da produção e apropriação privada da mais-valia,¹ fundada na exploração da força de trabalho, considerando a divisão fundamental da sociedade entre proprietários privados dos meios de produção (capitalistas) e portadores da força de trabalho. Ou seja, o objetivo que determina o processo de produção capitalista é a maior autovalorização possível do capital, isto é, a maior produção possível de mais-valia, portanto, a maior exploração possível da força de trabalho pelo capitalista (Marx, 1996a, p. 447).

Essa dinâmica da sociedade capitalista, conforme o autor nos esclarece, realiza um processo que implica, por um lado, acumulação crescente de capital e, por outro, crescimento (absoluto ou relativo) do pauperismo. Nas palavras de Marx, esse movimento caracteriza a lei geral da acumulação capitalista:

Quanto maiores a riqueza social, o capital em funcionamento, o volume e a energia de seu crescimento, portanto também a grandeza absoluta do proletariado e a força produtiva de seu trabalho, tanto maior o exército industrial de reserva. A força de trabalho disponível é desenvolvida pelas mesmas causas que a força expansiva do capital. A grandeza proporcional do exército industrial de reserva cresce, portanto, com as potências da riqueza. Mas quanto maior esse exército de reserva em relação ao exército ativo de trabalhadores, tanto mais maciça a superpopulação consolidada, cuja miséria está em razão inversa do suplício de seu trabalho. Quanto maior, finalmente, a camada lazarenta da classe trabalhadora e o exército industrial de reserva, tanto maior o pauperismo oficial. Essa é a lei absoluta geral, da acumulação capitalista (Marx, 1996b, p. 274; grifos no original).

Esse movimento tem como elemento fundante de sua origem a produção de mais-valia. Essa produção, a partir da exploração da força de trabalho, realiza-se devido à diferença existente entre a jornada de trabalho e o tempo médio de trabalho social que o trabalhador utiliza para produzir um quantum de mercadoria necessária para a reprodução de sua força de trabalho, o que Marx caracteriza como sendo o tempo de trabalho socialmente necessário. Ou seja, jornada de trabalho menos o tempo de trabalho socialmente necessário para a produção de mercadorias destinadas à reprodução da força de trabalho é igual à mais-valia produzida ou tempo de trabalho excedente. Assim, em termos gerais, para aumentar a mais-valia (tempo de trabalho excedente) aumenta-se a jornada de trabalho, mantendo o tempo de trabalho necessário (mais-valia absoluta), ou reduz-se o tempo de trabalho necessário, aumentando a produtividade do trabalho e, por consequência, barateando o valor das mercadorias destinadas à reprodução da força de trabalho, mantendo a jornada de trabalho (mais-valia relativa). A mais-valia produzida servirá tanto para viabilizar o consumo individual do capitalista quanto para retornar à produção através de investimentos em meios de produção (capital constante) e/ou em força de trabalho (capital variável).

Portanto, em termos gerais, a dinâmica central da produção e reprodução da sociedade capitalista estrutura-se a partir da produção e apropriação privada da mais-valia, gerando um processo de acumulação continuado e ampliado, onde o trabalhador dispende sua energia no processo de produção durante uma jornada de trabalho composta de tempo necessário e tempo excedente.

Durante o tempo necessário de trabalho, o trabalhador produz o quantum de valor necessário para sua reprodução, e durante o tempo excedente será produzida a quantidade de valor apropriada privadamente pelo capitalista, para o seu consumo individual e para a reprodução e/ou acumulação (investimentos em meios de produção e força de trabalho). É precisamente na apropriação privada do valor produzido durante o tempo excedente que reside a exploração operada nas/pelas relações sociais do mundo do capital. Considerando que a tendência do sistema é ampliar a produtividade do trabalho para ampliar a mais-valia (relativa) produzida, a tendência é ocorrer o aumento do capital constante (meios de produção, principalmente em novas tecnologias) e redução do capital variável (força de trabalho necessária para a produção). Por isso, a síntese contraditória do sistema expressa-se na acumulação de riqueza e pauperismo.

Sendo essa, em termos gerais, a base de funcionamento do modo de produção capitalista, a sociedade burguesa necessita de uma dinâmica de administração adequada a essa finalidade. Nesse sentido, por um lado, controlar o tempo de produção de mercadoria é fundamental para que o capitalista possa produzir e se apropriar de um maior quantum de riqueza produzida, tendo como base a exploração da força de trabalho. Por outro lado, a manutenção da exploração requer, do ponto de vista econômico, que se mantenham as condições de exploração para que parte da mais-valia produzida possa se converter em mais capital, num processo contínuo de acumulação. Esse movimento de reprodução ampliada, do ponto de vista da reprodução social do sistema, requer a garantia da manutenção de uma ordem social política, jurídica, ideológica e cultural que permita a continuidade da dinâmica de exploração, através, inclusive, da aceitação dos explorados à sua condição de exploração.

A propósito da aceitação da condição de exploração vale observar que faz parte das condições de reprodução do sistema de exploração a difusão de ideias que justificam a desigualdade, a propriedade e outros valores do capitalismo, como meio de obter o consentimento das classes exploradas, garantir o conformismo e a adesão ao modo produção e suas relações sociais de trabalho.²

Essa dimensão ideológica da estrutura de dominação é objeto da reflexão de Marx, ao comentar que os indivíduos que constituem a classe dominante […] dominam também como pensadores, como produtores de ideias, regulam a produção e distribuição de ideias de seu tempo (Marx, 1982, p. 39).

Dessa forma, a administração da sociedade capitalista deve possuir como finalidade, do ponto de vista da produção social, viabilizar a dinâmica de exploração da classe trabalhadora, por intermédio da produção da mais-valia, e possibilitar a apropriação privada da riqueza produzida socialmente. Do ponto de vista da reprodução social, a finalidade do sistema capitalista deve estar orientada para garantir uma ordem social, política, jurídica e cultural fundada na dominação de classe que possibilita a manutenção da dinâmica de exploração no campo da produção.

Na reflexão marxiana sobre a relação entre produção e reprodução, temos que:

[…] na produção social da própria vida, os homens contraem relações determinadas, necessárias e independentes de sua vontade, relações de produção estas que correspondem a uma etapa determinada de desenvolvimento de suas forças produtivas materiais. A totalidade dessas relações de produção forma a estrutura econômica da sociedade, a base real sobre a qual se levanta uma superestrutura jurídica e política, e à qual correspondem formas sociais determinadas de consciência (Marx, 1996d, p. 52; grifos nossos).

Portanto, a superestrutura jurídica e política só pode ser compreendida a partir das relações materiais, como aliás já dissera o próprio Marx em passagem anterior:

[…] relações jurídicas, tais como formas de Estado, não podem ser compreendidas nem a partir de si mesmas, nem a partir do assim chamado desenvolvimento geral do espírito humano, mas pelo contrário, elas se enraízam nas relações materiais de vida (Marx, 1996d, p. 51).

Exploração e dominação estão interconectadas. Uma determinada dinâmica de exploração econômica requer determinada forma de dominação tanto no campo da produção como no da reprodução social. A administração capitalista, nesse sentido, visa materializar uma determinada dinâmica de dominação que permita, no campo da produção, extrair e se apropriar da mais-valia produzida (ou seja, realizar a exploração) e, no campo da reprodução social, gerir uma ordem social, jurídica, política, ideológica e cultural que mantenha a exploração econômica da força de trabalho.

Enquanto superestrutura jurídica e política, o Estado não é a expressão da universalidade, mas sim a expressão das relações sociais de produção existentes na sociedade (estrutura econômica). No caso da sociedade capitalista, o Estado será estruturado tendo como base a relação de exploração estabelecida pelo capital. O Estado, assim, representa o principal instrumento de dominação de classe para garantir a manutenção e a reprodução das relações sociais estabelecidas pela ordem do capital.

O autor de O capital, ao tratar criticamente a concepção hegeliana do Estado como universalidade, desenvolve uma argumentação que não descarta a dimensão universal presente no Estado capitalista. O que Marx aponta é que essa dimensão é limitada pela estrutura da sociedade civil e não se configura como essência do Estado. No texto de 1843, Marx ressalta que não se deve censurar Hegel por sua descrição do Estado capitalista, ou seja, como o Estado capitalista apresenta-se para a sociedade, mas sim por identificar a descrição como o Estado é efetivamente. O crítico de Hegel, nesses termos, considera o caráter universal do Estado como aparência.³ Para Marx, então, a dimensão universal do Estado não é falsa, pois compõe a estrutura estatal, na medida em que se configura como aparência do fenômeno.⁴

Para sermos mais precisos, essa dimensão universal diz respeito às ações do Estado que atendem a interesses da classe trabalhadora. Ou seja, o Estado não expressa o interesse geral e nem está voltado para o bem comum, simplesmente ele também atua atendendo a determinados interesses da classe trabalhadora, na medida da necessidade de garantia da estrutura de dominação fundada na propriedade privada. Em outras palavras, não há como haver interesse geral em uma sociedade estruturada em classes sociais, pois os interesses estão vinculados às estruturas de classe.

No capitalismo, as classes fundamentais que representam o capital e o trabalho possuem interesses, do ponto de vista estrutural, antagônicos e inconciliáveis, pois a participação nas decisões fundamentais da produção em sua totalidade (o que produzir, quanto produzir e como distribuir) são assimétricas, já que o poder está nas mãos de quem detém os meios de produção e se apropria da riqueza produzida e não daqueles que participam do processo a partir de sua força de

Você chegou ao final dessa amostra. Cadastre-se para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de Gestão democrática e serviço social

0
0 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor