Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Vidas investigadas: De Sócrates a Nietzsche

Vidas investigadas: De Sócrates a Nietzsche

Ler a amostra

Vidas investigadas: De Sócrates a Nietzsche

Duração:
588 páginas
8 horas
Lançados:
1 de ago. de 2012
ISBN:
9788581221410
Formato:
Livro

Descrição

Qual a relação entre a vida e a obra de um grande filósofo? Em Vidas investigadas – de Sócrates a Nietzsche, o norte-americano James Miller encara esta questão espinhosa à própria filosofia, contextualizando as ideias de 12 grandes pensadores num texto rico em detalhes e acessível a todos os públicos. Elogiado pelo The New York Times Review of Books, o livro mostra como viveram Sócrates, Platão, Diógenes, Aristóteles, Sêneca, Agostinho, Montaigne, Descartes, Rousseau, Kant, Emerson e Nietzsche e revela como o pensamento de cada um reflete suas escolhas de vida e, não raro, como as contradiz.
Desde o início, a escolha do tema do livro por si só já se mostra interessante e corajosa, por mostrar que o filósofo, além de uma pessoa de carne e osso, é também um personagem histórico, inserido em uma certa tradição, com suas preferências e seus preconceitos. E, com toda sensatez, o autor acompanha a biografia de cada pensador no intuito, não de reduzi-lo a um mero contexto histórico, mas justamente para mostrar a singularidade e a originalidade de seu pensamento, partindo de sua gênese. Assim, de acordo com a exposição do autor, o pensamento de cada filósofo vai ficando familiar ao leitor conforme o livro é lido, tornando o recurso da apresentação biográfica uma ferramenta impressionante de ensino e de familiarização com pensamentos tão complexos.
A partir do pressuposto de que a característica intrínseca dos filósofos é o espanto, Vidas investigadas se apresenta ao leitor como uma instigante ferramenta de autoquestionamento. Miller vê na vida dos filósofos, destes que se espantaram, se deixaram espantar e que tentaram, além de tudo, ensinar isso como modelo de vida, a chance de escapar do imediatismo e da superficialidade da qual padece.
Lançados:
1 de ago. de 2012
ISBN:
9788581221410
Formato:
Livro

Sobre o autor


Relacionado a Vidas investigadas

Livros relacionados

Artigos relacionados

Categorias relacionadas

Amostra do livro

Vidas investigadas - James Miller

James Miller

VIDAS

INVESTIGADAS

De Sócrates a Nietzsche

Tradução de

HUGO LANGONE

Para Ruth

SUMÁRIO

Para pular o Sumário, clique aqui.

Introdução

Sócrates

Platão

Diógenes

Aristóteles

Sêneca

Agostinho

Montaigne

Descartes

Rousseau

Kant

Emerson

Nietzsche

Epílogo

Notas

Agradecimentos

Créditos

O Autor

INTRODUÇÃO

De todos os que se iniciam na filosofia – não os que dela se ocupam quando jovens, no intuito de se instruir, e a abandonam em seguida, mas os que nela se demoram por mais tempo –, a maioria torna-se muito excêntrica, para não dizer completamente perversa; ao mesmo tempo, os que se mostram perfeitamente decorosos [...] tornam-se inúteis.

– PLATÃO, A República (487c-d)

Era uma vez um tempo em que os filósofos causavam espanto. Eles às vezes eram alvo de escárnio e piadas, mas em geral representavam uma fonte de inspiração comum, oferecendo, com suas palavras e ações, modelos de sabedoria, padrões de conduta e, para os que os levavam a sério, exemplos a serem seguidos. Por muito tempo, histórias sobre os grandes filósofos desempenharam um papel formativo na cultura do Ocidente. Escritores romanos como Cícero, Sêneca e Marco Aurélio mediam o próprio progresso espiritual comparando suas condutas com a de Sócrates, a quem todos consideravam o modelo da perfeita virtude. Mil e seiscentos anos depois, de maneira semelhante, o jovem John Stuart Mill (1806-1873) aprendeu grego clássico para poder ler o Memorabilia, de Xenofonte (século IV a.C.), e as Vidas e doutrinas dos filósofos ilustres, tal como narrada por Diógenes Laércio, seguidor grego de Epicuro que, acredita-se, viveu no século III a.C.

Com exceção da idade absurdamente precoce com que Mill fora forçado a devorá-lo, não havia nada de estranho em seu rol de leituras. Até bem pouco tempo, quem era capaz de ler os clássicos gregos e romanos nutria-se rotineiramente não apenas de Xenofonte e Platão, mas também dos ensaios morais de Sêneca e Plutarco, que se mostravam repletos de histórias edificantes sobre os benefícios e as consolações da filosofia. Uma pessoa instruída provavelmente sabia alguma coisa sobre Sócrates, mas também sobre o epicurismo, o estoicismo e o ceticismo, movimentos filosóficos ainda de interesse para David Hume (1711-1776), que escreveu sobre caum deles em seus Ensaios: morais, políticos e literários (1741-1742).

Para Hume, assim como para Diógenes Laércio, cada movimento filosófico se expressava não apenas por sua doutrina, mas também por seu modo de vida – um padrão de conduta exemplificado pelos detalhes biográficos relatados por Diógenes Laércio acerca de figuras como Epicuro, fundador do epicurismo; Zenão, tradicionalmente visto como o primeiro estoico; e Pirro, que inaugurou uma das vertentes do ceticismo antigo. Além de Hume e Mill, Karl Marx (1818-1883) e Friedrich Nietzsche (1844-1900) – para tomarmos dois exemplos igualmente modernos – também estudaram as Vidas e doutrinas dos filósofos ilustres. De fato, tanto Marx quanto Nietzsche, ainda com vinte e poucos anos, escreveram tratados baseados, em parte, em estudos minuciosos desse trabalho.

Hoje, ao contrário, a maioria das pessoas altamente instruídas, incluindo aí filósofos profissionais, não conhece nada sobre Diógenes Laércio ou sobre a grande maioria dos filósofos antigos cuja vida ele narrou. Em muitas escolas de diversos países, em especial nos Estados Unidos, o currículo clássico foi amplamente abandonado. Em geral, os livros didáticos modernos pouco falam da vida dos filósofos, reforçando a noção contemporânea de que a filosofia pode ser mais bem compreendida se encarada como uma disciplina puramente técnica, a qual gira em torno de questões restritas ao campo da semântica e da lógica.

O filósofo moderno padrão – o Kant da Crítica à razão pura (1781) ou o John Rawls de Uma teoria da justiça (1971), por exemplo – se identifica amplamente com esses livros. Em geral, pressupõe-se que a filosofia, para mencionar a definição oferecida pelo recente e extraordinário Dicionário Oxford de Filosofia, se refere ao estudo dos traços mais generalizados e abstratos do mundo e das categorias do pensamento: mente, matéria, razão, prova, verdade etc..[1] Além disso, na universidade moderna, onde tanto Kant quanto Rawls exerceram sua vocação, aspirantes a filósofos aprendem todos os dias que, entre outras coisas, a verdade de uma proposição deve ser examinada independentemente do que talvez saibamos sobre a pessoa que a formula. Como coloca a filósofa Seyla Benhabib, as teorias filosóficas trazem afirmações sobre a verdade que transcendem o contexto histórico e social. No interior da disciplina, detalhes da vida privada de determinado pensador parecem um tanto irrelevantes à compreensão ou avaliação de suas visões.[2]

Esse desprezo pela prova ad hominem tem origem num preconceito tipicamente moderno nutrido pelos filósofos profissionais. Para a maioria dos pensadores gregos e romanos, de Platão a Agostinho, teorizar não era senão uma forma de viver a vida filosoficamente. Para Sócrates e para os inúmeros filósofos clássicos que tentaram seguir seus passos, o principal problema não era ratificar determinada série de proposições (mesmo quando a capacidade de definir termos e de analisar argumentos era um componente constitutivo do ensinamento da escola), mas explorar o tipo de pessoa e a espécie de personalidade[3] que poderiam ser desenvolvidos ao se encarar a busca pela sabedoria com seriedade. Para os filósofos gregos e romanos, o discurso filosófico [...] tem origem numa escolha de vida e numa opção existencial, e não o contrário.[4]

Ou então, como afirma Sócrates nas páginas do Memorabilia, de Xenofonte: Se não revelar o que penso através de uma declaração formal, o farei através de minha conduta. Não julgais que ações são provas mais confiáveis do que palavras?[5]

Na Grécia e na Roma antigas, acreditava-se amplamente que a vida de um filósofo deveria traduzir determinado código de conduta e determinada forma de vida. Como consequência, detalhes biográficos eram muitas vezes mencionados no julgamento valorativo dos filósofos. O fato de Sócrates ter enfrentado a morte com dignidade, por exemplo, foi visto por muitos como um argumento em prol das visões sustentadas por ele acerca de como conduzir a vida.

Porém, será mesmo que Sócrates encarou a morte com dignidade? Como podemos ter certeza de que sabemos a verdade sobre seu real comportamento? Diante de perguntas como essas, a desconfiança dos filósofos modernos diante de argumentos ad hominem tende a ser reforçada por um ceticismo moderno semelhante, que desconfia dos tipos de histórias tradicionalmente relatadas sobre os filósofos.

Tomemos a antologia de Diógenes Laércio, que é a compilação de biografias filosóficas mais extensa que possuímos hoje. O trabalho tem início com Tales de Mileto (c. 624-546 a.C.): A ele pertence o provérbio ‘Conhece-te a ti mesmo’, escreve o autor com sua típica e indiferente imprecisão, "o qual Antístenes atribui, em sua Sucessão dos filósofos, a Femonoe, embora admita que fora apropriado por Quilon".[6] Ele descreve Tales como o primeiro dos professores distraídos:

Dizem que, certa feita, quando uma velha senhora o tirou de casa para que pudesse observar as estrelas, ele caiu num fosso, e seu grito por socorro fê-lo obter da senhora a resposta: Como podes almejar saber tudo sobre o céu, Tales, quando sequer consegues ver o que está diante dos teus pés?[7]

O trabalho de Diógenes Laércio há muito vem atormentando os estudiosos modernos. Sua compilação reúne de forma claramente indiscriminada um material que advém de uma vastidão de fontes. Apesar de sua característica irregular, sua coleção de máximas, de excertos poéticos e de trechos de tratados teóricos continua sendo uma fonte primordial do pouco que sabemos hoje sobre as doutrinas professadas por muitos filósofos da Grécia antiga, de Tales de Mileto e Heráclito (c. 540-480 a.C.) a Epicuro (341-270 a.C.). As anedotas de Diógenes, por outro lado, foram muitas vezes desprezadas, em parte porque ele não faz esforço algum para avaliar a qualidade de suas fontes, em parte porque suas biografias encontram-se repletas de contradições e em parte porque é impossível acreditar em algumas de suas histórias.

Os relatos preservados por Diógenes Laércio ocupam uma zona ambígua entre a verdade e a ficção. Logo no princípio – nos diálogos socráticos de Platão[8] –, a vida do filósofo foi transformada numa espécie de mito e tratada como um tipo de poesia, adentrando o imaginário coletivo como a condensação mnemônica, expressa por uma narrativa exemplar, do que determinada forma de vida poderia significar na prática. Aderir a uma escola filosófica na Antiguidade muitas vezes envolvia o esforço, realizado na companhia de outros, de seguir os passos de um predecessor consagrado, glorificado numa série de relatos famosos. Muito antes de os cristãos tomarem para si uma imitação de Cristo, os socráticos lutavam para imitar Sócrates; os cínicos buscavam viver com a mesma modéstia do primeiro cínico; e os epicuristas tentavam emular a vida de seu mestre epônimo, Epicuro.

Dessa forma, as narrativas sobre heróis espirituais desempenhavam um papel formativo nas escolas filosóficas da Antiguidade. A necessidade desses relatos levava à elaboração de histórias idealizadas, capazes de esclarecer e edificar. Em diálogos dramáticos[9] como a Apologia, Críton e Fédon, o retrato que Platão traça de Sócrates diante da morte tem como objetivo atiçar a imaginação e fortalecer a decisão do aluno de iniciar a incerta caminhada rumo à sabedoria. Como o classicista Arnaldo Momigliano afirmou, Platão e seus companheiros

fizeram experimentos biográficos, os quais se voltavam à apreensão das potencialidades, e não das realidades das vidas individuais. [...] [Sócrates] não era um morto cuja vida poderia muito bem ser contada. Ele servia como guia por territórios até então inexplorados.[10]

Seguindo os passos de Platão e experimentando com algumas das mais antigas formas de biografia e autobiografia conhecidas no Ocidente, um grande número de filósofos helênicos, incluindo Sêneca e Plutarco, presumiu que sua tarefa era transmitir preceitos através da descrição textual e encantadora de um mestre: daí o relato que Plutarco faz da vida dos nobres estadistas da Grécia e de Roma, assim como a narrativa sobre si mesmo que Sêneca realiza em suas Epístolas morais. Diferenciar o que é fato do que é ficção[11] nessas descrições seria (tomando emprestada uma comparação de Nietzsche) como adaptar a sinfonia Eroica, de Beethoven, para um grupo composto de duas flautas.

Porém, se o caminho para a compreensão de si mesmo tem início com anedotas heroicas, ele logo se desdobra na busca por essências abstratas. Para muitos filósofos gregos e romanos, de Platão a Agostinho, o verdadeiro eu é imaterial, imortal e imutável. Porém, a história não acaba aí, uma vez que a investigação de si acaba por encontrar, e é forçada a reconhecer, o labirinto aparentemente infinito da experiência interior. Primeiro em Agostinho (354-430 d.C.) e depois em Montaigne (1532-1592), surge um novo retrato do ser humano como criatura em fluxo, como uma potencialidade pura para o ser,[12] sem dúvida orientada ao que antes se acreditara ser o bem, a verdade e o belo.

A transição da forma antiga de viver a vida filosoficamente para sua forma moderna não se deu de maneira repentina ou abrupta. Uma geração após a de Montaigne, Descartes (1596-1650) ainda conseguia conceber uma espécie de autobiografia mítica, ao passo que, menos de duzentos anos depois, Rousseau (1712-1778) só é capaz de imaginar a redação de uma autobiografia humilhantemente honesta e, ao mesmo tempo, verificável em suas particularidades mais incriminadoras. Não deve nos surpreender, portanto, que tantos filósofos modernos, embora ainda inspirados pelo ideal antigo da filosofia como estilo de vida, tenham, como Kant, procurado refúgio em formas impessoais de teorização e ensino.

Esse tipo de filosofar acadêmico deixava Friedrich Nietzsche notoriamen-te impassível. Eu, por exemplo, prefiro ler Diógenes Laércio, escreveu ele em 1874.

A única crítica de uma filosofia que é possível e que prova algo, isto é, que procura descobrir se é possível viver de acordo com ela, nunca foi ensinada nas universidades; foi ensinada tão somente uma crítica de palavras por meio de outras palavras.[13]

Um século depois, Michel Foucault (1926-1984) expressou uma visão semelhante. No inverno de 1984, alguns meses antes de sua morte, Foucault dedicou sua última série de lições no Collège de France ao tema da parrésia, ou discurso franco, na Antiguidade clássica. Investigando, tal como fizera Nietzsche um século antes, possíveis antecedentes de sua própria abordagem à sinceridade, Foucault analisou a vida de Sócrates e – usando provas compiladas por Diógenes Laércio – a vida, muito mais estranha, de Diógenes de Sínope (m. c. 320 a.C.), o cínico arquetípico que, segundo as descrições antigas, vivia num barril, carregando uma lamparina à luz do dia e dizendo a todos os que perguntavam: Estou em busca de um homem.

Foucault, é claro, sabia que as lendas acerca de um filósofo como Diógenes não eram mais levadas a sério. Porém, tal como Nietzsche, ele menosprezava a negligência moderna diante do que chamou de problema da vida filosófica. Esse problema, especulava, desaparecera por duas razões: em primeiro lugar, porque as instituições religiosas, em especial o monasticismo cristão, haviam absorvido, ou (em suas próprias palavras) confiscado, o tema da prática da verdadeira vida. E, depois, porque a relação com a verdade agora só pode ser validada e expressa como conhecimento científico.[14]

A propósito, Foucault então indica a possível fecundidade de uma pesquisa sobre o assunto.

Tenho a impressão de que seria interessante escrever uma história motivada pelo problema da vida filosófica, um problema [...] encarado como uma escolha capaz de ser discernida através dos acontecimentos e decisões de uma biografia, através [da elaboração do] mesmo problema no interior de um sistema [de pensamento] e através do lugar que foi dado, neste mesmo sistema, ao problema da vida filosófica.[15]

Foucault não foi a única figura do século XX a reconhecer que a filosofia poderia ser um modo de vida, e não apenas um estudo dos traços mais gerais do mundo e das categorias do pensamento. Por exemplo, uma noção de autenticidade amoldou o Ser e tempo (1927), de Heidegger, da mesma forma como o horror à má-fé inspirou O ser e o nada (1944), de Sartre. Mais para o fim de seu trabalho,[16] Sartre foi ainda além, concebendo a criação de um relato biográfico e histórico abrangente e capaz de demonstrar como todas as particularidades aparentemente fortuitas da vida de um único ser humano se juntam para formar uma totalidade – um caráter unificado e singular.

Nos anos 1960, como ativista e pós-graduando em história das ideias, eu tencionava entender e descrever como os cursos mais amplos da existência social e política moldavam a experiência de vida, demonstrando, assim, de que maneira o que era político se tornava pessoal e vice-versa. Meu interesse nesses temas sem dúvida fora motivado por minha própria educação religiosa, vivenciada numa comunidade protestante que dizia estimar a manifestação sincera e individual de crenças profundas e de convicções íntimas. Talvez seja por isso que, para mim, autenticidade signifique o contínuo exame de meus compromissos básicos, os quais inevitavelmente conduziriam a atos específicos: Não posso fazer outra coisa. Esta é a minha posição. Mais tarde, quando escrevi sobre a Nova Esquerda que se formava nos Estados Unidos durante a década de 1960, eu me concentrei, em parte, na forma como outros jovens radicais procuravam alcançar sua integridade pessoal através do ativismo político. E, quando escrevi sobre Michel Foucault, elaborei uma descrição biográfica e histórica de sua busca nietzschiana por tornar-se o que se é.

Ainda assim, o próprio Foucault recorda que, apesar de sua durabilidade, o tema da vida filosófica tem sido desafiado, desde o Renascimento e a Reforma, pelas conquistas práticas da física, da química e da biologia modernas, assim como pelo crescente número de tradições religiosas e espirituais que, como o protestantismo, enfatizam o autoexame. Daí o problema da vida filosófica: dadas a evidente força pragmática da ciência aplicada e a força igualmente evidente das comunidades de fé em dar um sentido para a vida, por que deveríamos nos esforçar para elaborar nossas próprias ponderações[17] em resposta a questões monumentais, como O que posso saber?, O que devo fazer? e O que posso esperar?.[18]

Dedicados a filósofos que vão de Sócrates a Nietzsche, os 12 esboços biográficos que se seguem têm como objetivo explorar essas questões a partir da redação de uma história, como sugeriu Foucault, motivada pelo problema da vida filosófica. Em vez de descrever determinada vida em detalhes, eu descrevo várias delas resumidamente. Anedotas e incidentes humanos dão substância ao filósofo em questão. Teorias características são resumidas de maneira concisa, embora suas nuances e complexidades muitas vezes confundam os filósofos até hoje. Além disso, seguindo o exemplo de biógrafos antigos – tal como Plutarco em suas Vidas dos nobres gregos e romanos –, fui altamente seletivo, esforçando-me para condensar o ponto crucial das personalidades. Durante todo o percurso, meu objetivo é o de transmitir o arco de uma vida, e não a essência de uma doutrina ou máximas morais.

Os padrões modernos de comprovação foram aceitos – sou historiador por formação, e os fatos importam para mim. Porém, em especial acerca dos filósofos antigos, os mitos devem ser levados em consideração, pois tais lendas formaram uma parte constitutiva da tradição filosófica do Ocidente. Que a vida de muitos filósofos antigos estejam além de qualquer possibilidade de crença é um fato cultural por si só: isso ajuda a explicar a contínua fascinação – e às vezes o ressentimento – suscitada pelos atletas espirituais cujos feitos (como os dos primeiros santos cristãos) tantas vezes pareceram estar além de qualquer experiência possível.

Essa história propriamente dita começa com Sócrates e Platão, pois foi Platão, em seus diálogos socráticos, quem popularizou a palavra filosofia. No século seguinte ao da morte de Sócrates, um grupo distinto e identificável de filósofos floresceu pela primeira vez. Monumentos em homenagem a eles – bustos, estátuas – foram erguidos em Atenas e em outros lugares de língua grega. E então, ao olhar para trás, estudiosos antigos estenderam a palavra filósofo a sábios gregos mais velhos.

Hoje, muitos dizem[19] que o primeiro filósofo foi Pitágoras (c. 580-500 a.C.), alegando, a partir de argumentos socráticos, que ele não considerava sábio homem algum, mas apenas deus. Em sua Metafísica, Aristóteles foi ainda mais longe, aplicando o termo a uma ampla gama de teóricos pré-socráticos, de Tales a Anaxágoras (c. 500-429 a.C.), e afirmando, também a partir de Sócrates, que tais pensadores filosofavam para escapar da ignorância,[20] espantados como estavam diante dos primeiros princípios por trás de todas as coisas.

A forma como é escrita a história do problema da vida filosófica depende do que se toma como as ambições dessa tradição por vezes negligenciada. Para os propósitos deste livro, eu em geral escolhi figuras que buscavam seguir os passos de Sócrates e que se esforçavam para corresponder à sua declarada ambição de viver uma vida de filósofo e examinar a mim mesmo e aos outros.[21]

Para Sócrates, assim como para muitos (mas não todos) daqueles que tentaram se pautar por seu exemplo, essa ambição de alguma forma girava em torno da resposta ao adágio Conhece-te a ti mesmo. (Aristóteles, por exemplo, acreditava que ela fora o motor de toda a vida de Sócrates.)

Obviamente, o que a injunção délfica de fato significa – e o que ela impõe – está longe de ser evidente, como aprendemos com Platão: Ainda não sou capaz, confessa Sócrates no Fedro, de conhecer a mim mesmo; e realmente parece-me ridículo investigar algo mais antes de compreender isso.[22]

Ademais, mesmo na Antiguidade, o autoexame representa apenas uma parte da história da filosofia. Desde o início – em Platão e, mais uma vez, em Agostinho –, o problema da filosofia se desdobra na complicada relação entre o que hoje chamamos de ciência e religião: no caso de Platão, entre a lógica matemática e a relação mística; em Agostinho, entre a busca aberta pela sabedoria e a transmissão de um pequeno número de dogmas invariáveis.

A série de biografias que se segue não é abrangente. Ela omite[23] Epicuro e Zenão, Spinoza e Hume, assim como filósofos do século XX como Wittgenstein, Heidegger, Sartre e Foucault. Porém, julgo serem muito representativos os 12 filósofos antigos e modernos que selecionei. Ao mesmo tempo em que incluo algumas figuras que raramente são levadas a sério pela maioria dos pensadores contemporâneos – Diógenes, Montaigne e Emerson, por exemplo –, também incluí várias figuras canônicas, em especial Aristóteles, Descartes e Kant, cujos trabalhos ajudaram a filosofia a se afastar da ênfase clássica na conduta exemplar e a se aproximar da investigação rigorosa. Dessa forma, suas biografias levantam questões mais amplas sobre a relação entre a filosofia como modo de vida e a disciplina filosófica que predomina hoje nas instituições acadêmicas de todo o mundo.

No início de seu livro de ensaios sobre os Homens representativos, Emerson declara ser natural acreditar em grandes homens.[24] Ainda assim, cerca de duzentos anos depois, uma crença desse gênero quase não parece natural, e o que faz de alguém grande está longe de ser evidente. Quando, uma geração depois, Nietzsche cogitou aproximar-se da vida filosófica para ver se seria possível viver de acordo com ela,[25] ele aparentemente pensava num personagem exemplar – e mítico – como Sócrates. Porém, está no destino de um filósofo moderno como Nietzsche legar-nos cadernos e cartas que fornecem, com detalhes, indícios de uma série de inconsistências e idiossincrasias que tornam absurdo questionar seriamente se seria possível viver dessa maneira. Além disso, é consequência da crítica do próprio Nietzsche à moral cristã o fato de todos que a levam a sério acharem difícil, se não impossível, encontrar um código de conduta que seja bom para todos e, portanto, digno de ser copiado.

Os trabalhos de edificação moral, é claro, continuam populares, em especial nos Estados Unidos. Alguns manuais espirituais e religiosos prometem ao leitor contemporâneo lições inestimáveis sobre como viver bem, mas os ensaios que aqui se seguem não podem propor algo assim. Em seu conjunto, esses 12 esboços biográficos suscitam muito mais perguntas do que podem responder:

Se, tal qual Platão, definirmos a filosofia como uma busca infindável pela sabedoria, então para que essa busca de fato serve?

Qual a relação entre razão e fé, entre filosofia e religião? E de que maneira a busca pela sabedoria se relaciona tanto com as formas mais rigorosas de investigação quanto com a ciência?

Exerce-se melhor a filosofia em particular ou em público? Quais são suas implicações, caso existam, para a política, a diplomacia e a conduta dos cidadãos numa sociedade democrática?

Acima de tudo, o que é esse eu que tantos filósofos tentaram conhecer? E de que forma a concepção que temos dele mudou ao longo da história, em parte como consequência do tratamento dado por sucessivos filósofos às suas investigações? O autoconhecimento seria mesmo possível? E, caso seja, até que ponto? Mesmo após autoexaminar-se durante anos, Nietzsche declarou que somos necessariamente estranhos para nós mesmos e que "precisamos nos compreender mal".[26]

Quem procura acha?

Aqui, então, encontra-se a breve biografia de um punhado de filósofos antigos e modernos: Sócrates e Platão, Diógenes e Aristóteles, Sêneca e Agostinho, Montaigne e Descartes, Rousseau e Kant, Emerson e Nietzsche. Todos eles são homens, pois antes do século XX a filosofia era uma vocação predominantemente masculina – fato bombástico que limitou o tipo de vida (inflexivelmente independente, frequentemente desprendida, muitas vezes solitária e assexuada) que os filósofos têm tendido a levar. Dentro desses limites comuns, porém, houve variações consideráveis. Alguns filósofos foram figuras influentes ainda em vida, enquanto outros permaneciam marginalizados; alguns eram reverenciados, enquanto outros provocavam escândalos e indignações públicas.

Apesar dessas diferenças, cada um desses homens estimava a busca pela sabedoria. Cada um se esforçava para levar sua vida de acordo com um conjunto de preceitos e crenças deliberadamente escolhido, identificado em parte através da prática do autoexame e expresso através de palavras e de ações. Portanto, a vida de cada um deles pode nos ensinar algo sobre a busca pelo autoconhecimento e seus limites. E, como um todo, eles podem nos dizer como a natureza da filosofia – e a natureza da filosofia como um modo de vida – mudou com o tempo.


1 Blackburn, Simon. Oxford Dictionary of Philosophy. 2ª edição. Nova York: Oxford University Press, 2008. Essa é uma obra de referência indispensável.

2 Benhabib, Seyla. Taking Ideas Seriously. Boston Review, dezembro de 2002/janeiro de 2003, p. 40.

3 Nehamas, Alexander. The Art of Living. Berkeley: University of California Press, 1998, p. 2.

4 Hadot, Pierre. What Is Ancient Philosophy? Trad. Michael Chase. Cambridge: Harvard University Press, 2002, p. 3.

5 Xenofonte, Memorabilia, IV, iv, 10.

6 Diógenes Laércio, Vidas e doutrinas dos filósofos ilustres, I, 39.

7 Ibid., 34.

8 Num famoso trecho de sua Poética, Aristóteles classificou os Sokratikoi logoi de Platão como uma espécie de poesia.

9 Cf. Platão, Leis, 930b: "Precisamos encontrar vocábulos que seduzam [...]."

10 Momigliano, Arnaldo. The Development of Greek Biography. Cambridge: Harvard University Press, 1993, p. 46.

11 Nietzsche, Friedrich. Dos usos e desvantagens da história para a vida, 6, Considerações extemporâneas, KSA 1, p. 288.

12 Traduzindo Seinkönnen, termo cunhado por Martin Heiddeger em Ser e tempo.

13 Nietzsche, Friedrich. Schopenhauer como educador, 8, Considerações extemporâneas, KSA 1, p. 417.

14 Foucault, Michel. Palestra no Collège de France, 14 de março de 1984.

15 Idem.

16 Ver Sartre, Jean-Paul. O ser e o nada. Trad. Hazel Barnes. Nova York: Philosophical Library, 1956, p. 568, para a abordagem que Sartre chamou de psicanálise existencial.

17 Nozick, Robert. The Examined Life. Nova York: Simon & Schuster, 1989, p. 15.

18 Kant, Immanuel. Logik, AK 9:25.

19 Diógenes Laércio. Vidas, prefácio, p. 12.

20 Aristóteles. Metafísica, 982b20.

21 Platão. Apologia, 28e.

22 Platão. Fedro, 229e-230a.

23 Eu escrevi sobre a questão num longo ensaio biográfico: Heidegger’s Guilt. Salmagundi 109-110. Inverno/primavera de 1996.

24 Emerson, Ralph Wado. Os usos dos grandes homens. Homens representativos, I, EL, p. 615.

25 Nietzsche, Friedrich. Schopenhauer como educador, 8, Considerações extemporâneas, KSA 1, p. 417.

26 Nietzsche, Friedrich. Genealogia da moral, prefácio, I, KSA 5, p. 247.

SÓCRATES

Perfil de Sócrates. Desenho em grafite (c. 1820) feito por William Blake (1757-1827), poeta, litógrafo e mistagogo britânico. Eu era Sócrates, afirmou ele ao fim de sua vida. Devo ter conversado com ele. Assim como conversei com Jesus Cristo. Recordo-me vagamente de estar na presença dos dois.[27]

(Yale Center for British Art, Paul Mellon Collection, EUA/The Bridgeman Art Library International)


27 Robinson, Henry Crabb. Blake, Coleridge, Wordsworth, Lamb, Etc. Londres: Longman, 1922, p. 3.

Na metade do século V a.C., a cidade-estado de Atenas estava no auge de seu poder e influência. Após encabeçar uma aliança de cidades-estados gregas na vitória sobre o Império Persa, alcançada com as batalhas de Maratona (490 a.C.), Salamina (480) e Plateias (479), a cidade consolidou seu regime democrático. Pacificamente, ela estendeu seu poderio político a todos os cidadãos – habitantes nativos do sexo masculino – e criou um modelo esclarecido de estado de direito. Ao mesmo tempo, Atenas exerceu uma vasta hegemonia sobre diversas colônias marítimas e sobre cidades-estados vassalas. Prosperando com o comércio e com os tributos de seu império, a cidade formou a organização militar mais temida ao leste do Mediterrâneo, uma marinha abundantemente equipada que tinha, como respaldo, a cavalaria e a infantaria. Verdadeira cabeça do mundo grego, Atenas liderava os helênicos também na educação, atraindo professores de todo o território.

Seu povo, segundo escreveu o grande historiador suíço Jacob Burckhardt,

julgava-se uma nação de sacerdotes a que, num período de fome universal, Apolo confiara a missão de falar em nome de todos os gregos e bárbaros. Tradicionalmente, Ática era creditada pelas invenções da civilização, o que se dava num grau terminantemente ofensivo a todas as outras nações e ao restante dos gregos. De acordo com essa tradição, foram os atenienses quem primeiro ensinaram à raça humana como semear e como utilizar a água de nascentes; eles não foram apenas os primeiros a plantar azeitonas e figos, mas também tinham inventado o direito e a justiça.[28]

Da mesma forma, eles inventaram a filosofia.

Sócrates, primeiro homem a ser reconhecido como filósofo, nasceu na cidade de Atenas em cerca de 470 a.C. Embora vivesse numa época gloriosa e numa grande cidade, as fontes antigas são unânimes em afirmar que não havia nada de esplêndido em sua ascendência ou criação. Ela era filho de Sofronisco, um pedreiro, e da dona de casa Fenarete. Habitante nativo de Atenas, pertencia ao distrito de Alopece. As aparências de sua vida diziam pouco – sua família, afirmam, não era nem rica, nem pobre.

Porém, sua experiência interior era extraordinária. Sócrates escutava uma voz que ninguém mais conseguia ouvir. Em determinadas situações,[29] ela lhe mandava interromper o que estava fazendo e modificar sua maneira de agir. De acordo com Platão, principal fonte de quase tudo o que pensamos e sabemos sobre o primeiro filósofo, Sócrates dizia ser aquela voz simplesmente a sua, que a ele se dirigia como se a partir de uma espécie sobrenatural de espírito tutelar. Fonte de espanto e inquietação, a voz segregava Sócrates, que desde a infância se sentia isolado e diferente – um indivíduo único em meio a uma coletividade que estimava sua sensibilidade coletiva, vividamente expressa por uma teia de ritos costumeiros e por crenças religiosas tradicionais e coroada com um conjunto de instituições políticas que incorporava o recente ideal democrático, uma nova forma de autogoverno coletivo.

Cada cidadão ateniense deveria lutar por sua terra natal. As guerras eram uma preocupação quase constante naqueles anos, uma vez que Atenas brigava para manter sua supremacia regional contra sua única e verdadeira rival no mundo grego, a fortalecida força terrestre de Esparta. Embora jamais enriquecesse, Sócrates tinha dinheiro suficiente para equipar-se com uma armadura e servir como soldado de infantaria – ou hoplita – no exército de cidadãos atenienses. Em 432, ele participou do cerco de Potideia, durante o qual demonstrou uma energia quase sobre-humana – um dos poucos traços marcantes registrados em quase todos os relatos antigos sobre sua vida.

Naqueles anos, Atenas encontrava-se politicamente dividida. De um lado estavam os que propunham a extensão dos direitos e deveres políticos a todos os cidadãos, independentemente do quão pobres. Esse grupo de democratas declarados tinha como líder Péricles (c. 495-429), chefe eleito da cidade, líder inconteste de Atenas durante as décadas de 440 e 430 e orador que empregava seus formidáveis dons para tentar fundamentar logicamente o autogoverno da cidade por parte de seus cidadãos. Como resposta, alguns atenienses mais abastados lutavam, tal como os ricos frequentemente o fazem, para exercer um poder ilimitado; eles denegriam a inteligência do ateniense comum e, em alguns casos, elogiavam instituições autoritárias que caracterizavam outras cidades-estados gregas, como Esparta.

Não sabemos de que lado ficava Sócrates nesses notáveis debates sobre a democracia – o que é estranho, uma vez que Atenas esperava que seus cidadãos participassem ativamente da vida política da pólis. Quando jovem, dizem que ele frequentava os círculos de Péricles, que nada simpatizava com a tirania. Existem indícios grosseiros de que Xântipe, mulher com quem se casara mais ou menos no ano de 420, tenha sido uma aristocrata. Também há relatos,[30] todos duvidosos, sobre um meio-irmão mais novo que pode ter sido um dos arcontes – ou governantes – de Atenas no período que se seguiu à queda da Tirania dos Trinta, em 403 a.C.

Segundo Diógenes Laércio, "Sócrates levava uma vida tão ordenada que, quando a peste tomou Atenas [em 430, no início da Guerra do Peloponeso], foi ele, em muitas ocasiões, o único homem a fugir da infecção"[31] – o que obviamente é um exagero, embora um grande número de habitantes tenha perecido e embora tenha sido a peste a tirar a vida de Péricles. De qualquer forma, Sócrates se orgulhava de viver de maneira modesta, afirmando muitas vezes preferir o alimento menos necessitado de temperos e a bebida que menos o levasse a desejar outra bebida; e também que encontrava-se mais próximo dos deuses quando menos desejos possuía.[32]

Algum tempo depois de ter assumido os deveres de um cidadão adulto, Sócrates começou a se comportar estranhamente. Ignorando os costumes, ele se recusava a seguir a profissão de seu pai. Em vez de aprender como ganhar a vida cinzelando rochas, Sócrates passou a se preocupar com a melhor forma de viver a vida. Ele se espantava com o fato de escultores de estátuas marmóreas se esforçarem ao máximo para transformar blocos de mármore em imagens humanas perfeitas, ao mesmo tempo em que não se esforçavam para não virarem eles mesmos meros blocos, não homens.[33]

As autoridades da Antiguidade divergem sobre o motivo e a data em que Sócrates passou a se dedicar à sua nova e estranha vocação. A associação da palavra filosofia a Sócrates[34] e ao seu estilo de vida foi em grande medida fruto do trabalho de um único homem, Platão, o mais famoso de seus seguidores. Junção da palavra grega philo (amante) com sophos (sabedoria), philosophos, ou filósofo, como Platão definiu o termo, descrevia alguém que ansiava pela sabedoria, que buscava a verdade – um homem como Sócrates, a quem Platão nitidamente distinguia dos outros sábios, os sofistas. (Segundo Platão, nada imparcial, os sofistas não eram nem verdadeiros sábios, nem buscadores sinceros da verdade. Eles eram charlatães particularmente especializados em formas sorrateiras de discussão. Antes de Platão, porém, os sofistas foram amplamente admirados por especialistas e sábios – Sólon, o lendário legislador ático, era um sofista no sentido original e honorífico do termo, assim como Tales de Mileto, outro dos chamados Sete Sábios.)

Quando Sócrates chegava à idade adulta, Atenas pululava de professores advindos de todo o mundo grego. Péricles, o líder democrático mais influente da cidade, defendia a nova ciência e, segundo dizem, se juntara aos professores de sabedoria mais proeminentes de seu tempo, incluindo Anaxágoras. Teórico da natureza, Anaxágoras, que cobrava uma taxa para discursar, especializou-se na apresentação de teorias sobre os princípios organizativos do cosmos. Ele surpreendeu alguns atenienses ao declarar que o Sol era uma pedra enorme e cintilante. Outros professores, como o orador Górgias (c. 485-380 a.C.), ganhavam dinheiro para mostrar aos seus alunos como moldar a opinião popular através de discursos astuciosos, realizados quando da reunião mensal do populacho ao ar livre, marca distintiva da democracia ateniense.

Segundo Platão, foi o descontentamento de Sócrates[35] com professores como Anaxágoras e Górgias que o fizera seguir seu próprio caminho e questionar qual seria a melhor forma de se viver. Aristóteles, no entanto, afirma[36] que Sócrates se inspirara, em primeiro lugar, no mote Conhece-te a ti mesmo, inscrito no templo de Apolo, em Delfos.

A injunção Conhece-te a ti mesmo, talvez a mais famosa máxima associada ao templo de Delfos (Nada em excesso é outra), aparece pela primeira vez na literatura grega no século V, de forma especial na peça Prometeu acorrentado, de Ésquilo. Desafiando os desejos de Zeus, Prometeu rouba o fogo dos deuses e o entrega à humanidade. Embora seja punido por sua arrogância, ele não abandona a rebeldia teimosa e leva Oceanus, deus do mar, a aconselhá-lo a conhecer a si mesmo e apaziguar suas condutas juvenis[37] – ou seja, a obedecer a vontade de Zeus. Em outras palavras, ele precisa conhecer os próprios limites.

Independentemente do que tenha motivado Sócrates e da forma como foi interpretada a máxima délfica Conhece-te a ti mesmo, ele obviamente começou a elaborar na prática uma forma nova de investigação, notável por seu estilo público e implicitamente igualitário. Menosprezando os ambientes mais formais preferidos por outros professores de sabedoria, que geralmente eram bajulados em residências ricas o suficiente para receberem suas aulas, Sócrates caminhava pela cidade. Ele visitava o mercado quando estava cheio de fregueses e conversava com quem estivesse interessado, fossem eles jovens ou idosos, ricos ou pobres. Quando alguns observadores se reuniam, eram chamados a participar da discussão que Sócrates travava, consigo mesmo e com os outros, sobre o melhor modo de vida concebível.

Depois de Sócrates ter dado início à sua nova e excêntrica carreira, Querefonte, seu amigo de juventude e leal defensor da democracia, viajou até o templo de Apolo, ao qual, na época, indivíduos e cidades inteiras seguiam para receber orientações divinas sobre regras de pureza, observâncias religiosas e, às vezes, sobre o direito. Em Delfos, segundo Platão, Querefonte consultou (como normalmente se fazia) a pítia, sacerdotisa pela qual Apolo falava.

Era possível consultar um oráculo délfico de duas formas.[38] Uma resposta escrita exigia o sacrifício de um animal. Porém, um simples sim ou não não custava nada. O sim ou o não eram determinados pela sorte: a resposta dependia da cor branca ou preta do feijão que a pítia retirava, aleatoriamente, de uma urna. Como Querefonte provavelmente era pobre demais para oferecer um animal em sacrifício, é provável também que ele tenha formulado uma simples pergunta e que a pítia tenha retirado um feijão para respondê-la.

Existiria alguém mais sábio do que Sócrates?

Não.

Segundo Platão, em sua Apologia, Sócrates reagiu à notícia do oráculo como qualquer grego piedoso reagiria. Os deuses nunca mentiam. Ao mesmo tempo, porém, Sócrates não se considerava sábio. O que, então, o oráculo queria dizer?

Daí em diante, a vida de Sócrates tornou-se uma consagrada procura, uma investigação épica que tencionava decifrar a mensagem divina. Sua busca pela sabedoria transformou-se numa obsessão. De acordo com Platão, ele deixou de se envolver em qualquer assunto público[39] – uma decisão notável, dada a crença predominante de que o repúdio às questões públicas tornava um cidadão inútil.

Quanto mais Sócrates se esforçava para conhecer a si mesmo, mais confuso ficava. O que significava, por exemplo, sua voz interior? Haveria algo por trás das interdições que ele ouvia e julgava irresistíveis? Será que Sócrates de fato incorporava uma boa forma de levar a vida? E, fosse esse o caso, como ele poderia ter adquirido essa capacidade?

Fosse ou não fosse útil sua vida para a cidade – e aqui seus amigos e inimigos discordam –, sobre Sócrates foram registrados os estados de abstração que o arrebatavam. Ele por vezes hesita e permanece parado onde quer que esteja,[40] afirma um amigo seu no Banquete de Platão. Em seguida, no mesmo diálogo, Platão descreve outro amigo rememorando um episódio ainda mais impressionante, ocorrido quando ambos serviam juntos na campanha de Potideia:

Certa feita, ao amanhecer, ele começou a pensar em algo, permanecendo no mesmo local para ponderar; então, incapaz de encontrar soluções, não partiu, mas ficou lá, indagando-se. Chegamos então ao meio-dia, quando as pessoas começaram a notá-lo e a se espantarem, dizendo que Sócrates estivera ali desde o amanhecer, pensando em algo. Por fim, ao cair da noite, alguns dos jônios, após se alimentarem – estávamos no verão –, levaram para fora suas camas, a fim de dormir sob o ar frio e ver ser ele também ficaria por lá durante toda a noite. Ele permaneceu até o amanhecer e o nascer do sol; então, ofereceu uma oração ao Sol e partiu.[41]

Notoriamente reservado, Sócrates também podia ser, segundo a metáfora de Platão, um moscardo – uma fonte crônica de irritação. Sereno e cheio de si, talvez por ser abençoado com um divino sentimento missionário, ele ainda era pomposamente inseguro, professando sem parar sua ausência de sabedoria. Aos críticos, sua confessa humildade[42] soava ofensiva e até dissimulada: não seria Sócrates como aqueles aristocratas atenienses que, no intuito de mostrar sua superioridade sobre a marcha ordinária dos homens vulgares, ostentavam uma postura espartana de autocontrole?

Talvez fosse esse o aspecto mais inquietante do personagem de Sócrates.[43] Quanto mais esforço fazia para provar que o deus estava certo, expondo a ignorância dos supostos especialistas ao mesmo tempo em que declarava sua falta de conhecimento, mais admirável ele parecia aos olhos de seguidores como Querefonte, que o venerava como o mais sábio dos vivos.

Renunciando às armadilhas materiais de sua classe, Sócrates notabilizou-se por desdenhar dos bens mundanos. Muitas vezes, ao olhar para a grande quantidade de mercadorias expostas para venda, dizia ele a si mesmo: ‘Quantas coisas não me são necessárias para viver!’[44] Ele se esforçava para exercitar-se regularmente, mas sua aparência era prosaica. Sócrates não demonstrava interesse em ver o mundo como um todo, deixando a cidade apenas para satisfazer suas obrigações militares. Ele aprendia o que fosse possível através do questionamento das crenças sustentadas por outros habitantes de Atenas, escrutinando suas convicções em vez de refletir sobre os céus ou sobre escritos:

Dizem que Eurípedes lhe entregou o tratado de Heráclito e solicitou-lhe uma opinião, obtendo como resposta: A parte que compreendi é excelente, assim como, atrevo-me a dizer, a parte que não compreendi; no entanto, é preciso um mergulhador delíaco para alcançar sua profundidade.[45]

Ainda na expectativa de aprender como viver a melhor vida concebível, Sócrates, segundo relata Platão, começou a questionar quem quer que tivesse renome em qualquer campo do conhecimento. Artesãos sabiam uma coisa ou outra sobre seu ofício e eram até capazes de treinar seus filhos para seguirem seus passos. Porém, a maioria deles não dizia nada de coerente sobre a justiça, a piedade ou a coragem – os tipos de virtude que Sócrates, tal qual a maior parte dos atenienses, julgava cruciais para uma boa vida. À medida que continuava investigando, Sócrates consolidou uma certeza: os artesãos não eram mais sábios do que ele próprio, assim como os poetas, os políticos, os oradores e todos os outros professores famosos que interrogara.

Na verdade, todas essas pessoas pareciam ainda mais ignorantes do que ele. Ao contrário de Sócrates, a maioria era complacente, não inquieta; vangloriosa, não humilde; e, exceto quando irritadas pelo moscardo, arrogantemente alheia ao quão limitado seu conhecimento de fato era.

O primeiro obstáculo para a verdadeira sabedoria era a falsa convicção.

Você chegou ao final dessa amostra. para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de Vidas investigadas

0
0 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor