Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

PCC, a facção

PCC, a facção

Ler a amostra

PCC, a facção

notas:
5/5 (3 notas)
Duração:
487 páginas
9 horas
Lançados:
3 de jul. de 2020
ISBN:
9786555870565
Formato:
Livro

Descrição

Por meio de episódios impressionantes, PCC, A FACÇÃO envolve o leitor em uma trama que, muitas vezes, parece saída de um filme de ação. Mas, infelizmente, faz parte da realidade brasileira e do sistema carcerário.
Lançados:
3 de jul. de 2020
ISBN:
9786555870565
Formato:
Livro

Sobre o autor


Relacionado a PCC, a facção

Livros relacionados

Amostra do livro

PCC, a facção - Fátima Souza

reportagem.

ANTES DISSO

No final de 1995, em Hortolândia, interior de São Paulo, aconteceu um motim na cadeia. Era uma época em que a imprensa ainda se importava com esse tipo de movimento e o número de repórteres era muito grande no local. Acostumada a fazer coberturas como essa, notei que havia algo diferente na rebelião: era muito mais organizada, havia um comando que controlava os rebelados e os detentos pareciam não ter nenhuma intenção de ceder e acabar com a confusão.

Foram horas de difíceis negociações. Os presos fizeram uma lista de reivindicações, entre elas a transferência de alguns detentos para outras penitenciárias. O governo aceitou e a rebelião chegou ao fim. Começava para mim, no entanto, um longo trabalho de investigação jornalística, que me faria descobrir o maior comando paralelo das cadeias de São Paulo: o PCC, A FACÇÃO.

Negro, alto, muito magro. Ele vestia calça bege e camiseta branca, uniforme oficial do Estado. Movimentava-se com rapidez, gritava e dava ordens. Durante a negociação com os diretores da cadeia, era o comandante. Fora líder da rebelião e eu o observei.

— É o Macalé — me disse um detento, quando perguntei quem ele era.

Duas semanas depois do tumulto em Hortolândia, quando já não se falava mais no assunto, pedi autorização à Secretaria da Administração Penitenciária, responsável pelas cadeias, para falar com o tal Macalé. Fui autorizada a fazer a entrevista.

O COMANDO

Nossa conversa aconteceu em uma sala determinada pela direção do presídio. Apenas uma grande mesa e quatro cadeiras compunham o ambiente, que era escuro e úmido. Gentil, o diretor da cadeia apresentou o preso e saiu, deixando-me com ele e com o cinegrafista que me acompanhava.

— Macalé — disse eu —, vim aqui porque quero saber sobre a rebelião que você comandou. Vi que foi diferente das outras... muito organizada... como se você estivesse repassando ordens que vinham de alguém... Topa falar sobre o assunto?

— Topo.

Câmera ligada, Macalé falou durante 25 minutos.

— Os irmãos agora estão unidos e vamos mostrar nossa força. Se a gente quiser, Fatima, podemos fazer rebeliões em várias cadeias ao mesmo tempo. Estamos organizados e fortes... A rebelião em Hortolândia foi uma amostra do que podemos e vamos fazer daqui pra frente. Agora nós temos uma comunidade com líderes em todas as cadeias de São Paulo. Unidos para o que der e o que não der.

— Com que objetivo, Macalé?

— Vamos lutar contra as injustiças, contra o sistema carcerário, que é podre, contra o judiciário, que é mais lento que tartaruga, e pelos nossos direitos. Somos presos mas somos gente. Agora somos uma fraternidade, um comando que se espalhou pelas cadeias. A semente cresceu.

O que o criminoso me contava era uma novidade. Os presos sempre se uniram em grupos dentro dos presídios paulistas e guerreavam entre si pelo poder na cadeia. Mas isso acontecia isoladamente, em cada unidade. O que ele relatava era que um grupo único e forte tinha sido criado e já estava dominando diversas cadeias, uns em sintonia com os outros, obedecendo às ordens de alguém. Uma liderança única que tinha se infiltrado e comandava a massa carcerária.

— Você é o chefão desse comando, Macalé?

— Não, sou líder do segundo escalão. Como eu, há muitos.

— Quem é o chefe dos chefes?

— Isso você vai saber com o tempo.

— Esse comando tem um nome?

— Tem, mas não estou autorizado a falar agora.

— Porra, Macalé — brinquei —, sou curiosa duas vezes, como repórter e como mulher... vai me deixar sem resposta?

— Vou! — disse, dando uma gargalhada que ressaltou os dentes muito brancos.

Macalé me explicou que não tinha sido autorizado a dizer o nome do comando. Na ocasião, o sigilo era importante para que, nas cadeias, suas correspondências não fossem interceptadas e, principalmente, para que funcionários e diretores dos presídios não identificassem as pessoas que faziam parte do grupo. Queriam se organizar mais. Na saída, ele me disse:

— Você ainda vai ouvir falar muito de nós. Acredite.

Quando a reportagem com a entrevista foi ao ar, em dezembro de 1995, as autoridades ficaram extremamente irritadas. Apressaram-se em desmentir o preso e transferi-lo para uma cadeia mais segura, onde dois anos depois morreu, vítima da Aids.

Para as autoridades a história se encerrava ali e assim. Para mim, era apenas um começo.

INVESTIGAR É PRECISO

Foi o que pensei ao sair da entrevista com Macalé.

Na correria do dia-a-dia, entre outras reportagens sobre violência, que não faltam numa cidade como São Paulo, passei a perguntar se alguém sabia de algo sobre o tal comando. Quando havia uma rebelião ou eu ia a alguma cadeia, perguntava a funcionários e detentos, mas nada... Ninguém falava... Diziam desconhecer qualquer comando...

Não desisti. Continuei investindo parte do meu tempo para descobrir até onde o que Macalé tinha dito era verdade. Eu tinha certeza de que por trás das muralhas havia uma grande história a ser contada.

Passei então a perguntar mais... Conversei com muitos funcionários de cadeias. Em setembro de 1996, recebi a ligação de uma pessoa que trabalhava na Penitenciária do Estado. Fui até lá e ela me entregou um bilhete, que tinha sido interceptado dentro da cadeia. VOCÊ VAI MORRER. PCC

Num pedaço de papel amarelado, a ameaça de morte. O bilhete era de um preso, ligado à facção, para um rival marcado para morrer. Minha curiosidade e vontade de descobrir tudo sobre o PCC aumentaram ainda mais. Precisava de dados e provas. Guardei o bilhete.

Em 3 de outubro de 1996, recebi um envelope, postado na agência dos Correios do Carandiru, bairro onde ficava o maior complexo penitenciário do país, reunindo a casa de detenção, a penitenciária, o presídio feminino e o presídio especial da polícia civil. Nesse quadrilátero conviviam 16 mil presos.

O envelope, que tinha como remetente o PCC, trazia dentro uma espécie de documento, escrito à mão, que abriu caminho para a primeira matéria que mostraria a existência da organização. O que havia no envelope era o ESTATUTO DO PCC.

A facção já era muito organizada e tinha regras a serem seguidas. Dezesseis itens compunham o Estatuto. Um manual que era distribuído dentro das cadeias e que determinava aos integrantes as regras do jogo.

ESTATUTO

01 — Lealdade, respeito e solidariedade acima de tudo ao Partido.

02 — A luta pela liberdade, justiça e paz.

03 — A união na luta contra as injustiças e a opressão dentro da prisão.

04 — Contribuição daqueles que estão em liberdade com os irmãos dentro da prisão, através de advogados, dinheiro, ajuda aos familiares e ação de resgate.

05 — O respeito e a solidariedade a todos os membros do Partido, para que não haja conflitos internos, porque aquele que causar conflito interno dentro do Partido, tentando dividir a irmandade, será excluído e repudiado do Partido.

06 — Jamais usar o Partido para resolver problemas pessoais contra pessoas de fora porque o ideal do Partido está acima de conflitos pessoais. Mas o Partido estará sempre leal e solidário a todos os seus integrantes para que não venham a sofrer nenhuma desigualdade ou injustiça em conflitos externos.

07 — Aquele que estiver em liberdade, bem estruturado, mas esquecer de contribuir com os irmãos que estão na cadeia, será condenado à morte, sem perdão.

08 — Os integrantes do Partido têm que dar bom exemplo a ser seguido e por isso o Partido não admite que haja: assalto, estupro e extorsão dentro do sistema.

09 — O Partido não admite mentiras, traição, inveja, cobiça, calúnia, egoísmo, interesse pessoal, mas sim, a verdade, a fidelidade, a hombridade, solidariedade ao interesse comum ao bem de todos, porque somos um por todos e todos por um.

10 — Todo integrante terá que respeitar a ordem e a disciplina do Partido. Cada um vai receber de acordo com aquilo que fez por merecer. A opinião de todos será ouvida e respeitada, mas a decisão final será dos fundadores do Partido.

11 — O Primeiro Comando da Capital — P.C.C., fundado no ano de 1993, numa luta descomunal e incansável contra a opressão e as injustiças do Campo de Concentração ANEXO da Casa de Custódia de Taubaté, tem como lema absoluto A Liberdade, a Justiça e a Paz.

12 — O Partido não admite rivalidades internas, disputa do poder na liderança do Comando, pois cada integrante do Comando sabe a função que lhe compete de acordo com sua capacidade para exercê-la.

13 — Temos que permanecer unidos e organizados para evitarmos que ocorra novamente um massacre semelhante ou pior ao ocorrido na Casa de Detenção em 2 de outubro de 1992, quando 111 presos foram covardemente assassinados, massacre este que jamais será esquecido na consciência da sociedade brasileira. Porque nós do Comando vamos sacudir o sistema e fazer essas autoridades mudarem a prática carcerária desumana, cheia de injustiça, opressão, torturas, massacres nas prisões.

14 — A prioridade do Comando no momento é pressionar o Governo do Estado a desativar aquele Campo de Concentração ANEXO à Casa de Custódia e Tratamento de Taubaté de onde surgiram a semente e as raízes do Comando, no meio de tantas lutas inglórias e tantos sofrimentos atrozes.

15 — Partindo do Comando Central da Capital, o QG do Estado, as diretrizes de ações organizadas e simultâneas em todos os Estabelecimentos Penais do Estado numa guerra sem tréguas, sem fronteiras, até a vitória final.

16 — O importante de tudo é que ninguém nos deterá nessa luta porque a semente do Comando se espalhou em todo o Sistema Penitenciário do Estado e conseguimos nos estruturar também do lado de fora, com muitos sacrifícios e perdas, mas nos consolidamos a nível estadual e a longo prazo nos consolidaremos também a nível nacional. Conhecemos nossa força e a força de nossos inimigos poderosos, mas estamos preparados, unidos, e um povo unido jamais será vencido.

LIBERDADE! JUSTIÇA! PAZ!

PCC

UNIDOS VENCEREMOS

Ao ler o estatuto que me chegava às mãos, lembrei-me do que Macalé tinha dito, quando nos despedimos, após a entrevista:

— Você ainda vai ouvir falar muito de nós. Acredite!

FURO

Criado em março de 1993, dentro da Casa de Custódia e Tratamento de Taubaté — chamada pelos detentos de Piranhão —, presídio de segurança máxima, o PCC ficou quase três anos na clandestinidade, trabalhando em silêncio atrás de grades e muralhas.

Em outubro de 1996, ao me enviarem o Estatuto, seus dirigentes davam sinal de que não queriam mais manter o silêncio. Intensifiquei minhas investigações em busca de mais detalhes sobre a organização criminosa e, principalmente, sobre quem eram os líderes. Consegui mais bilhetes interceptados nas cadeias, recebi mais cartas, conversei com muita gente. Descobri que o Primeiro Comando da Capital tinha sido fundado por um grupo de oito detentos, em 1993, e que dois de seus fundadores eram os chefões da facção: César Augusto Roriz da Silva, o Cesinha, e José Márcio Felício, o Geléia, Geleião ou simplesmente Gê. Eles mandavam e desmandavam. Distribuíam as cartas do crime.

José Occhiuso, meu chefe na TV Bandeirantes de São Paulo, profissional sério e competente, de quem fiquei amiga com o passar dos anos, ouviu o que eu tinha a contar e examinou os documentos que eu havia guardado. Também percebeu que tínhamos ali uma grande história e deu o aval para que eu preparasse uma matéria especial.

Em março de 1997, a matéria estava pronta e foi ao ar no Jornal da Band. Um furo de reportagem... Mostramos que o PCC existia, demos os nomes de seus líderes, contamos o que pretendiam, mostramos o Estatuto do Comando. Pela primeira vez um repórter contou que detentos paulistas tinham formado uma organização e que ela era forte e já se espalhara dentro das cadeias. Pela primeira vez a sociedade brasileira ouviu a sigla PCC e soube que havia muito mais por trás das muralhas...

AS REAÇÕES

O governo desmentiu tudo. Assim como tinha feito em dezembro de 1995, quando coloquei no ar a entrevista do Macalé revelando que existia um comando atrás das grades. As autoridades não gostaram da continuidade da história que queriam dar como encerrada... Trataram o assunto em tom de brincadeira, negando a existência do PCC.

A maioria dos jornalistas que também cobriam a área policial comprou a posição do governo e muitos chegaram a espalhar — e até a me dizer cara a cara — que eu tinha inventado tudo para dar ibope. Fui ironizada, ouvi piadinhas... Foram poucos os que acreditaram na história e correram atrás dela. Nas cadeias, os detentos comentaram a reportagem durante vários dias.

Além de anunciarmos e comprovarmos a existência do PCC, também mostramos na matéria como a organização funcionava. Identificamos seus chefes e sua hierarquia, revelamos que tinha sido criada com o objetivo de defender os direitos dos encarcerados e que já dominava muitas cadeias, onde o número de filiados era bastante grande. Desde a fundação, em 1993, até março de 1997, quando a reportagem foi ao ar, o PCC tinha crescido muito.

Em 1997, quase quatro anos depois da fundação da facção, eram 8 mil homens sob o comando do PCC. Em 2006, 120 mil, só nas cadeias. O massacre na Casa de Detenção, que vitimou 111 presos, em 1992, foi um dos fatores que levaram os oito detentos da Casa de Custódia e Tratamento de Taubaté a fundar a organização. Mas esse não foi o motivo principal. A idéia — pode-se dizer até que romântica — era criar uma espécie de sindicato, um partido que defendesse os direitos dos presos. Pensaram que juntos, unidos e com representação em todas as cadeias, teriam mais facilidade para negociar, fosse a má qualidade da comida servida, a agilização de processos de presos ou a forma indigna como são tratados dentro dos presídios. Queriam o que nunca tiveram: uma voz que gritasse por eles. Na reportagem, revelamos também que o PCC já tinha mostrado, dentro das cadeias, seu lado violento, matando os considerados traidores e obrigando seus filiados a pagar mensalidades para fortalecer o caixa da facção, que faturava com o tráfico de drogas dentro das cadeias. E mais: o PCC também já estava do lado de fora das muralhas. Bandidos que saíram das cadeias continuaram fiéis ao comando, como determina o Estatuto da facção.

Essas revelações, diferentemente do que eu imaginava, não causaram a ira dos comandantes da facção. Ao contrário, passei a receber mais informações, mais detalhes, mais documentos... Esposas de detentos ligados ao comando entravam em contato comigo trazendo recados dos companheiros.

BALELA

Depois de minha denúncia ao vivo, numa grande emissora de rádio de São Paulo, o então secretário de Estado da Administração Penitenciária, João Benedito de Azevedo Marques, disse que minha reportagem sobre o PCC era uma balela. Uma ficção, completou o elegante e educado empregado do Estado. Para Azevedo Marques, o PCC era uma organização imaginária:

— Uma ficção, uma bobagem. Balela. Estou absolutamente convencido disso. Sou secretário há quase dois anos e nunca vi qualquer manifestação desse grupo — disse.

Isso abalou minha alma, confesso, mas não minha determinação. Continuei investigando. E se o governo negou, o Ministério Público botou fé e se interessou pela denúncia.

Gabriel Inellas, promotor experiente, decidiu abrir um inquérito sobre o assunto. Pediu cópia de todo o material que eu tinha, entrou em cadeias, conversou com detentos e carcereiros e conseguiu mais provas.

Inellas fez um extenso dossiê e o entregou à Justiça, denunciando, mais uma vez, a existência do perigoso comando que tomava conta das cadeias paulistas. Estávamos em maio de 1997. Mas o juiz que recebeu a denúncia sofria do mesmo mal que afetava o secretário da Administração Penitenciária. O magistrado também achou que o PCC era uma ficção. O dossiê ganhou carimbo de arquive-se. E foi o que fez a funcionária, sob as ordens do juiz. Para o governo e para a Justiça, o PCC ficaria nas empoeiradas prateleiras do fórum. Era assunto encerrado. Para mim? Mais um combustível. Desafios me animam. Continuei investindo no assunto e fiz muitas outras reportagens sobre o Comando das Grades.

Uma delas foi em junho de 1997, na rebelião em Sorocaba, quando um radinho me foi jogado por cima da muralha e conheci Geléia, um dos fundadores do PCC.

É NÓS NA FITA

Cerca de quinze dias depois da conversa com Gê, recebi um estranho telefonema. A voz, masculina, dizia que tinha nas mãos uma fita mostrando as armas que o Comando possuía e mandava uma mensagem para os que não acreditavam na sua existência e na sua força. A fita provaria não só que o PCC existia, mas que tinha poder de fogo.

— É nós na fita, mana, e nós quer dar essa fita pra você.

Fui tomada por um misto de curiosidade e medo, mas não tive dúvida: perguntei quando e onde.

— Hoje, às cinco da tarde...

Disseram que às cinco em ponto eu ficasse esperta e a postos, que alguém me telefonaria e daria um jeito de me entregar a fita gravada.

Liguei para o Occhiuso, meu chefe, e contei sobre o telefonema. Ele ficou preocupado com a minha segurança, disse que era uma situação perigosa, já que a gente não tinha idéia de quem estava do outro lado da linha... E se fosse uma cilada?

— E se os caras do PCC ficaram p... da vida com a denúncia que você fez, escancarando a facção, e querem te ferrar te armando uma emboscada?

Ele tinha razões para se preocupar. Parei para fazer um lanche — forma fundamental de sobrevivência de um jornalista — e pensei: Se for uma armação, vou dançar. Se for verdade, vou arrebentar! Então, quero arriscar.

Avisei ao chefe a minha decisão. Ele aceitou e escalou um motorista para me acompanhar na empreitada. Era Jair Rodrigues Pinto, gente boa e de bom coração. Cheguei nele e dei a real: era uma missão duvidosa, eu não tinha como garantir nada, e se ele quisesse poderia recusar o trabalho. Ao ouvir a história e seus detalhes, e sabendo que poderia mesmo ser o PCC, Jair decidiu: vamos nessa!

EM BUSCA DA FITA

Às cinco da tarde, pontualmente, meu telefone tocou. Mandaram que eu fosse a um determinado local, a uns quinze quilômetros de onde eu estava. Quando cheguei lá, o telefone tocou novamente.

— A gente queria ter certeza de que você não tinha trazido a polícia — disse o homem ao telefone.

Olhei em volta mas não vi ninguém. Mas certamente alguém me observava. Me mandaram para uma padaria, a cerca de oito quilômetros dali. Já era noite quando cheguei no lugar. Alguns homens tomavam cerveja no balcão, donas de casa compravam pão. Pedimos um guaraná e sanduíche de mortadela. Passados uns dez minutos, uma jovem, com não mais do que 22 anos, sentou-se ao meu lado. Sem olhar para mim, pediu um café e bebeu devagar. Depois, abriu a bolsa e retirou um pacote que, discretamente, colocou no meu colo.

— Mandaram pra você — disse. Levantou-se e foi embora.

Embrulhada num saquinho de pão, lá estava a fita. Voltei imediatamente para a redação para assisti-la. Ao fundo, numa parede escura, estava escrito, em branco, em letras manuais: PCC CONTRA A OPRESSÃO.

Homens encapuzados cantavam uma espécie de mantra, repetindo, continuadamente, a sigla PCC. Um deles, então, fez um discurso sobre os direitos não respeitados dos presos e, em seguida, passou a apresentar as armas do grupo, colocadas no chão, sob seus pés: fuzis, metralhadoras calibre 12... Num determinado momento, pegou uma espécie de lata, parecida com um spray de matar baratas:

— Isto é C-4 — disse o homem. — Um explosivo poderoso. Com isto podemos derrubar um prédio — completou.

O cinegrafista da facção fechava bem na imagem, dando close em cada arma que era apresentada e descrita. O interlocutor do grupo disse que estavam unidos e dispostos a tudo. Contava que os irmãos nas cadeias eram espancados e humilhados. Prometiam fazer resgates e patrocinar fugas.

— O governo não acreditou em nós mas nós tá aqui, na firmeza. E vamos mostrar aí, pras autoridades, que nós existe sim!

A FITA NO AR

Apresentei a fita aos meus chefes. O diretor de jornalismo, Fernando Mitre, decidiu mostrá-la ao dono da emissora, João Carlos Saad, o Johnny Saad. Era mesmo um assunto delicado. Colocar no ar aqueles homens encapuzados, armados, era uma decisão a ser tomada em conjunto. A emissora sempre evitou mostrar bandidos contando vantagens. Não considerava correto dar espaço às glórias do crime e a seus criminosos. Mas aquela era uma situação diferente, ponderaram todos. Havia quatro meses que tínhamos colocado no ar a minha reportagem denunciando a existência do PCC e o governo tinha negado, nos chamando de cascateiros e dizendo que tudo aquilo era balela... Nesse meio-tempo, exibimos outras matérias provando a existência da facção, e o governo, a cada uma delas, negava.

A fita que recebemos era mais do que nunca uma prova da existência da organização e do seu poder de fogo. Confirmava o que sempre tínhamos dito: o PCC existia, tinha armas e explosivos, e estava presente dentro e fora das cadeias. Afinal, a fita tinha sido gravada por bandidos ligados à facção que estavam aqui fora, seguindo as ordens dos chefes.

Johnny Saad, que também tem jornalismo no sangue, permitiu que a fita fosse usada para fazer uma reportagem. Foi ao ar uma longa e forte matéria, com exclusividade, no Jornal da Band, abrindo o noticiário do último dia de junho de 1997. O governo não deu importância. Continuou negando a existência da facção.

PAPEL ACEITA TUDO...

No final de agosto de 1997, recebi cópia de um documento muito importante. O envelope era da Secretaria da Administração Penitenciária, o que me faz pensar que havia sido enviado por algum funcionário de lá. O documento era em papel timbrado da Coesp (Coordenadoria dos Estabelecimentos Penais de São Paulo), órgão então responsável pelos presídios. Datado de 21 de agosto, era um relato de três páginas datilografadas, assinado por Lourival Gomes, na época diretor da instituição.

Em tom alarmado, Lourival informava ao secretário de Estado Azevedo Marques que de fato existia uma facção, chamada pelos detentos de PCC, que crescia dentro das cadeias e exercia uma liderança forte e perigosa. Confirmava que a denúncia feita por mim procedia. Relatava casos de presos mortos por terem sido considerados traidores pelo comando. Lourival alertava sobre as conseqüências que isso poderia ter dentro do sistema e pedia que algo fosse feito com urgência. O documento tinha carimbo de recebido pela Secretaria.

Bingo!, pensei entusiasmada. O coordenador da Coesp sabia e confirmava que era real o que eu tinha reportado. Peguei o documento e, em 30 de agosto, fui até o secretário, que me recebeu na sombria sala de mesa de carvalho de 80 anos. Ele pegou o documento. Olhou... olhou... Admitiu que era oficial e que a assinatura era mesmo de seu subalterno, Lourival Gomes. Era um documento verdadeiro, confirmou. Mas disparou:

— Papel aceita qualquer coisa, minha filha! Papel aceita tudo...

Azevedo Marques não quis dizer se já havia recebido ou lido o documento antes, mas o guardou na gaveta rapidamente. E, apesar de estar com ele em mãos, negou, mais uma vez, a existência do PCC.

ESCOLA DE SAMBA

Cerca de um mês depois, em setembro de 1997, aconteceu mais uma rebelião, no interior do estado. Lá estávamos eu e muitos outros repórteres. Como os presos não cediam e a situação não se resolvia, Azevedo Marques foi até lá para tentar um acordo.

Ao chegar, cercado por repórteres, câmeras e microfones, ele explicou que estava tudo sob controle. Durante a tumultuada entrevista coletiva, dois detentos, do alto do presídio, começaram a desenrolar um lençol branco. No meio dele, escrito a tinta negra, aparecia a sigla PCC. Era a primeira vez que a sigla do comando era mostrada durante um motim. Surpresos, todos se calaram. Foi quando perguntei ao secretário:

— Então, o PCC existe ou é uma invenção minha?

— Bandeira tem até em escola de samba, minha filha! — respondeu a autoridade máxima dos presídios, que apressou o passo e, cercado por seguranças, entrou na cadeia, me deixando para trás, com o microfone na mão, mas com uma imensa satisfação no peito.

À noite, assisti aos jornais da concorrência. Todos falavam da existência de uma facção criminosa chamada PCC e mostraram a bandeira-lençol hasteada sobre o presídio rebelado. A ficha caiu e a partir daí meus colegas de profissão deixaram de fazer piadinhas. Na minha reportagem, que também foi ao ar naquela noite, mais do que mostrar a bandeira, apontei o nome de outros líderes além de Cesinha e Geléia. Nomes como o de Mizael Aparecido da Silva, o Miza ou Baianão, e Julio César Guedes de Moraes, o Julinho Carambola. A Rede Globo fez até uma matéria especial para o Fantástico, que entrou no ar mostrando tudo o que eu já havia revelado na Band. O material usado na reportagem foi, inclusive, o que eu tinha fornecido ao promotor Gabriel Inellas, aquele que preparou o dossiê que a Justiça mandou arquivar. Ele cedeu cópia do material dele e do meu à Globo. Agora, ao menos a imprensa acreditava na existência do PCC.

CONTATOS IMEDIATOS DO PRIMEIRO ESCALÃO

Denunciei a existência do PCC em março de 1997. Em junho, conheci Geléia. No mesmo ano, em setembro, depois que fiz a matéria em que os presos desfraldaram a bandeira do PCC no presídio rebelado, na cara do secretário Azevedo Marques, meu telefone tocou.

— É a Fatima Souza? — perguntou a voz tranqüila, meio rouca, do outro lado da linha.

— É ela. Quem fala?

— Aqui é o Geléia, o Gê do PCC...

Pensei que fosse um trote ou brincadeira de algum amigo. Não era. Era Gê mesmo, que, dentro da cadeia, tinha um telefone à disposição. Falamos um tempão, acho que quase duas horas. Ele comentou a matéria sobre a existência do PCC. Disse que foi vista em todas as cadeias. Perguntei se tinha sido ele que me mandara o Estatuto do PCC e ele confirmou. Falou dos ideais do PCC, dos maus-tratos nas cadeias e ainda me consolou: Não esquenta com a história do homem dizer que é ‘balela’... Ele vai ver, cada vez mais, que o PCC existe!

— Gostou da fita? — perguntou Gê.

— Que fita?

— A que eu mandei os caras gravarem e entregarem pra você... A que você fez reportagem...

— Ah! Sei... Você que mandou, é?

— Foi...

Dias depois, ligou de novo, dessa vez, colocando também Cesinha na linha. Foi assim que aconteceram meus primeiros contatos, ao vivo, via celular, com os dois então chefes da facção.

O QUE QUER O PCC?

Fiz essa pergunta, para Cesinha e Geléia, em 1997, depois que passei a manter contatos telefônicos com os dois chefões. Parte da explicação me chegou, uns três dias depois, pelo correio, enviada via sedex. Na carta, escrita à mão, o PCC se auto explicava:

Não somos uma

Você chegou ao final dessa amostra. Cadastre-se para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de PCC, a facção

5.0
3 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor