Aproveite milhões de e-books, audiolivros, revistas e muito mais, com uma avaliação gratuita

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Humilhado: Como a era da internet mudou o julgamento público
Humilhado: Como a era da internet mudou o julgamento público
Humilhado: Como a era da internet mudou o julgamento público
E-book295 páginas4 horas

Humilhado: Como a era da internet mudou o julgamento público

Nota: 4 de 5 estrelas

4/5

()

Ler a amostra

Sobre este e-book

Em Humilhado, Jon Ronson explora uma das forças mais devastadoras, ainda que pouco reconhecida, da humanidade: a humilhação. A partir de depoimentos e experiências recolhidas mundialmente ao longo dos três últimos anos, Ronson narra, com seu senso de humor único, como as mídias sociais facilitam o julgamento alheio, ressuscitando e potencializando a prática de humilhação pública. Ao abordar múltiplas dimensões da esfera virtual, o autor demonstra como funcionam os mecanismos de constrangimento, tanto pelo viés dos que passam ou dos que causam a sensação de vergonha. Além disso, ele ainda expõe a hipocrisia da atitude vexatória de quem opera o bullying nos meios digitais, um gesto paradoxal, apesar de coerente com uma civilização que esconde as próprias falhas e busca acentuar o defeito do próximo. Portanto, Humilhado é uma leitura imperdível, que fará o leitor repensar a sua forma de se relacionar dentro da sociedade hiperconectada e de como se posicionar nos canais de comunicação de massa.
IdiomaPortuguês
Data de lançamento9 de nov. de 2018
ISBN9788546501250
Humilhado: Como a era da internet mudou o julgamento público
Ler a amostra

Relacionado a Humilhado

Ebooks relacionados

Avaliações de Humilhado

Nota: 4 de 5 estrelas
4/5

1 avaliação0 avaliação

O que você achou?

Toque para dar uma nota

A avaliação deve ter pelo menos 10 palavras

    Pré-visualização do livro

    Humilhado - Jon Ronson

    Tradução de

    Mariana Kohnert

    1ª edição

    Rio de Janeiro | 2015

    CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO NA PUBLICAÇÃO

    SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ

    Ronson, Jon, 1967-

    R682h

    Humilhado [recurso eletrônico] : como a era da internet mudou o julgamento público / Jon Ronson ; tradução Mariana Kohnert. - 1. ed. - Rio de Janeiro : Best Seller, 2018.

    (recurso digital)

    Formato: epub

    Requisitos do sistema: adobe digital editions

    Modo de acesso: world wide web

    Tradução de: So You’ve Been Publicly Shamed

    Inclui bibliografia

    ISBN 978-85-465-0125-0 (recurso eletrônico)

    1. Internet - Aspectos sociais. 2. Comunicação interpessoal. 3. Conflito interpessoal. 4. Livros eletrônicos. I. Kohnert, Mariana. II.Título.

    18-53491

    CDD: 302.3

    CDU: 316.472.4

    Leandra Felix da Cruz - Bibliotecária - CRB-7/6135

    Texto revisado segundo o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

    Título original

    SO YOU’VE BEEN PUBLICLY SHAMED

    Copyright © 2015 by Jon Ronson Ltd.

    Copyright da tradução © 2015 by Editora Best Seller Ltda.

    Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução, no todo ou em parte, sem autorização prévia por escrito da editora, sejam quais forem os meios empregados.

    Direitos exclusivos de publicação em língua portuguesa para o Brasil adquiridos pela

    Editora Best Seller Ltda.

    Rua Argentina, 171, parte, São Cristóvão - Rio de Janeiro, RJ – 20921-380, que se reserva a propriedade literária desta tradução

    Produzido no Brasil

    ISBN 978-85-465-0125-0

    Seja um leitor preferencial Record.

    Cadastre-se e receba informações sobre nossos lançamentos e nossas promoções.

    Atendimento e venda direta ao leitor

    mdireto@record.com.br ou (21) 2585-2002

    Para Elaine

    SUMÁRIO

    1. Coração Valente

    2. Ainda bem que não sou assim

    3. Na natureza

    4. Nossa, isso foi incrível

    5. O homem desce vários degraus na escada da civilização

    6. Fazendo algo bom

    7. Jornada ao paraíso livre de humilhação

    8. O workshop de erradicação da vergonha

    9. Uma cidade em polvorosa pela prostituição e por uma lista de clientes

    10. O quase afogamento de Mike Daisey

    11. O homem que pode mudar os resultados de busca do Google

    12. O terror

    13. Raquel em um mundo pós-humilhação

    14. Gatos, sorvete e música

    15. Sua velocidade

    Bibliografia e agradecimentos

    1

    Coração Valente

    Esta história começa no início de janeiro de 2012, quando reparei que outro Jon Ronson tinha começado a postar no Twitter. O avatar dele era uma foto do meu rosto. O nome de usuário era @jon_ronson. O tuíte mais recente, que surgiu enquanto eu encarava, surpreso, sua timeline, dizia: Indo pra casa. Preciso pegar a receita de um enorme prato de sementes de guaraná e mexilhões no pão com maionese :D #delícia.

    Quem é você?, tuitei para ele.

    Assistindo #Seinfeld. Queria um prato enorme de aipo, garoupa e kebab com sour cream e capim-limão #guloso, tuitou o cara.

    Eu não sabia o que fazer.

    Na manhã seguinte, verifiquei a timeline de @jon_ronson antes de verificar a minha. Durante a noite, ele havia tuitado: Estou sonhando com alguma coisa sobre #tempo e #pau.

    Ele tinha vinte seguidores. Alguns eram pessoas que eu conhecia na vida real, que deviam estar se perguntando por que eu tinha subitamente me apaixonado por gastronomia fusion e me tornado tão sincero com relação a sonhar com paus.

    Decidi investigar. Descobri que um jovem, ex-pesquisador da University of Warwick, chamado Luke Robert Mason tinha, algumas semanas antes, postado um comentário na página do Guardian. Foi em resposta a um vídeo curto que eu tinha feito sobre spambots. "Construímos um infomorph para Jon, escreveu ele. Podem segui-lo no Twitter aqui: @jon_ronson."

    Ah, então é algum tipo de spambot, pensei. Tudo bem. Não tem problema. Luke Robert Mason deve ter achado que eu veria graça nisso. Quando ele souber que não gostei, vai tirar do ar.

    Então tuitei para ele: "Oi! Pode tirar do ar seu spambot, por favor?"

    Dez minutos se passaram. Então ele respondeu: "Preferimos o termo infomorph."

    Franzi o cenho. Mas ele roubou minha identidade, escrevi.

    Nada disso, escreveu Mason de volta. "Ele está recondicionando dados de mídias sociais em uma estética de infomorph."

    Senti um aperto no peito.

    #uhul nossa, estou afim de um prato generoso de cebolas grelhadas com pão crocante. #guloso, tuitou @jon_ronson.

    Eu estava em guerra com uma versão robótica de mim mesmo.

    Passado um mês, @jon_ronson tuitava vinte vezes por dia sobre seu turbilhão de compromissos sociais, suas noitadas e seu amplo círculo de amigos. Agora tinha cinquenta seguidores, que estavam recebendo uma amostra bizarramente irreal de minhas opiniões sobre noitadas e amigos.

    O spambot me deixou com uma sensação de impotência e depressão. Minha identidade tinha sido redefinida de forma completamente errada por estranhos, e eu não podia fazer nada.

    Tuitei para Luke Robert Mason. Se ele estava determinado a não tirar o spambot, talvez pudéssemos ao menos nos encontrar. Eu poderia filmar o encontro e colocar no YouTube. Ele concordou, escrevendo que ficaria feliz em explicar a filosofia por trás do infomorph. Respondi que com certeza me interessaria por aprender a filosofia por trás do spambot.

    Aluguei um quarto no centro de Londres. Ele chegou com outros dois homens — a equipe por trás do spambot. Todos os três eram acadêmicos. Tinham se conhecido na University of Warwick. Luke era o mais novo, um jovem bonito, na casa dos vinte anos, um pesquisador de tecnologia e cibercultura e diretor da conferência Virtual Futures, de acordo com o currículo on-line dele. David Bausola parecia um professor moderninho, o tipo de pessoa que poderia dar palestras em uma convenção sobre a literatura de Aleister Crowley. Ele era um tecnologista criativo, e o CEO da agência digital Philter Phactory. Dan O’Hara tinha a cabeça raspada e olhos penetrantes e irritadiços. O maxilar dele estava contraído. Aparentava quase quarenta anos, e era professor de inglês e literatura americana na Universidade de Colônia. Antes disso, lecionara em Oxford. O’Hara tinha escrito um livro sobre J. G. Ballard chamado Extreme Metaphors [Metáforas extremas] e outro chamado Thomas Pynchon: Schizophrenia & Social Control [Thomas Pynchon: esquizofrenia e controle social]. Até onde eu entendia, fora David Bausola quem de fato construíra o spambot, e os outros dois tinham oferecido pesquisa e consultoria.

    Sugeri que se sentassem um ao lado do outro no sofá, para que eu pudesse filmar todos em um único enquadramento. Dan O’Hara olhou pra os colegas.

    — Vamos entrar na brincadeira — disse ele para os outros.

    Todos se acomodaram, com Dan no meio.

    — Como assim entrar na brincadeira? — perguntei.

    — É uma questão de controle psicológico — respondeu O’Hara.

    — Acha que colocar vocês um ao lado do outro no sofá é meu modo de exercer controle psicológico? — indaguei.

    — Sem dúvida — afirmou Dan.

    — Como?

    — Faço isso com alunos — falou Dan. — Eu me sento em uma cadeira afastada e ponho os alunos enfileirados no sofá.

    — Por que você iria querer exercer controle psicológico sobre seus alunos?

    Por um instante, Dan pareceu preocupado por ter sido pego dizendo algo bizarro.

    — Para controlar o ambiente de aprendizado — respondeu ele.

    — Sentar assim lhe incomoda? — perguntei.

    — Não, na verdade não — disse Dan. — Você está incomodado?

    — Sim — respondi.

    — Por quê? — perguntou Dan.

    Fui direto.

    — Acadêmicos — comecei — não entram na vida de uma pessoa sem serem convidados e a usam como um experimento universitário; e quando pedi para o tirarem do ar, vocês ficaram dizendo: Ah, não é um spambot, é um infomorph.

    Dan assentiu. E se inclinou para a frente.

    — Deve haver muitos Jon Ronson por aí, não é? — começou ele. — Pessoas com seu nome? Sim?

    Olhei para Dan com desconfiança.

    — Tenho certeza de que há pessoas com um nome igual ao meu — respondi, com cautela.

    — Tenho o mesmo problema. — Dan sorriu. — Tem outro acadêmico por aí com meu nome.

    — Você não tem exatamente o mesmo problema que eu, porque meu problema exato é que três estranhos roubaram minha identidade e criaram uma versão robótica de mim, e estão se recusando a tirar a versão do ar, embora venham de universidades de renome e sejam palestrantes do TEDx.

    Dan soltou um suspiro impaciente e disse:

    — Você está afirmando: Só há um Jon Ronson. Está alegando ser o verdadeiro, e quer manter essa integridade e autenticidade. Certo?

    Eu o encarei.

    — Acho que nós estamos irritados com você — continuou Dan —, porque não acreditamos muito nessa sua ideia. Achamos que está tentando nos enrolar, e é sua personalidade on-line, a marca Jon Ronson, que quer proteger. Certo?

    — NÃO, SÓ EU QUE TUÍTO! — gritei.

    — A internet não é o mundo real — falou Dan.

    — Eu escrevo meus tuítes — respondi. — E aperto Enviar. Então, sou eu no Twitter.

    Nós nos encaramos com raiva.

    — Isso não é acadêmico — falei. — Isso não é pós-moderno. É um fato.

    — Isso é bizarro. — Dan meneou a cabeça. — Acho muito estranho o modo como aborda a questão. Você deve ser uma das pouquíssimas pessoas que escolheram entrar no Twitter e usar o próprio nome como nome de usuário. Quem faz isso? E é por esse motivo que estou um pouco desconfiado de suas razões, Jon. É por isso que digo que acho que está usando isso como gerenciamento de marca.

    Não respondi, mas até hoje me mata de raiva o fato de não ter passado por minha cabeça observar que o nome de usuário de Luke Robert Mason no Twitter é @LukeRobertMason.

    Nossa conversa continuou daquela forma durante uma hora. Eu disse a Dan que nunca usei o termo gerenciamento de marca na vida. É estranho falar desse jeito, disse eu.

    — E é o mesmo com seu spambot. A linguagem dele é diferente da minha.

    — Sim — concordaram os três homens em uníssono.

    — E é isso que está me irritando tanto — expliquei. — É uma representação falsa de mim.

    — Gostaria que ele fosse mais como você? — indagou Dan.

    — Eu gostaria que ele não existisse.

    — Isso é bizarro. — Dan soltou um assobio de incredulidade. — Psicologicamente, sua reação é interessante.

    — Por quê?

    — É bastante agressiva — disse Dan. — Gostaria de matar esses algoritmos? Você deve se sentir ameaçado de alguma forma. — Ele me lançou um olhar preocupado. — Não saímos por aí tentando matar coisas que achamos irritantes.

    — Você é um TROLL! — gritei.

    Ao fim da entrevista, saí cambaleando para a tarde de Londres. Odiei colocar o vídeo no YouTube, porque tinha parecido muito resmungão. Eu me preparei para comentários debochando de minhas reclamações e postei. Esperei dez minutos. Então, com apreensão, olhei.

    Isso é roubo de identidade, dizia o primeiro comentário que vi. Deveriam respeitar a liberdade pessoal de Jon.

    Uau, pensei, com desconfiança.

    Alguém deveria criar contas alternativas no Twitter para todos esses palhaços babacas e postar o tempo todo sobre o quanto gostam de pornografia infantil, dizia o comentário seguinte.

    Sorri.

    Esses caras são imbecis manipuladores, dizia o terceiro. Fodam-se eles. Processe, acabe com eles, destrua-os. Se eu estivesse cara a cara com eles diria que são uns escrotos, porra.

    Comecei a rir de alegria. Eu era Coração Valente, caminhando por um campo, a princípio sozinho, até que se torna claro que centenas vêm marchando atrás de mim.

    Idiotas cruéis e perturbados brincando com a vida de outra pessoa, e depois rindo da dor e da raiva da vítima, dizia o comentário seguinte.

    Assenti com seriedade.

    Uns babacas totalmente irritantes, dizia o seguinte. Esses acadêmicos desgraçados merecem morrer de forma dolorosa. O escroto do meio é uma porra de um psicopata.

    Franzi o cenho de leve.

    Espero que ninguém os machuque de verdade, pensei.

    Queimem os escrotos. Principalmente o escroto do meio. E principalmente o escroto careca da esquerda. E principalmente o escroto calado. Depois, mije nos cadáveres deles, dizia o comentário seguinte.

    Venci. Em dias, os acadêmicos tiraram @jon_ronson do ar. Tinham sido humilhados até cederem. A humilhação pública fora como um botão que restaura as configurações de fábrica. Alguma coisa estava fora dos eixos. A comunidade se revoltara. O equilíbrio fora restaurado.

    Os acadêmicos fizeram alarde ao erradicar o spambot. Escreveram uma coluna no Guardian explicando que a meta maior era destacar a tirania dos algoritmos de Wall Street. Não é apenas Ronson que tem robôs manipulando sua vida. Somos todos nós, escreveram eles. Eu ainda não entendia por que fazer de conta que eu comia bolinhos de wasabi poderia chamar a atenção do público para a escória dos algoritmos de Wall Street.

    Solicitaram que eu aposentasse você — entende o que isso quer dizer?, tuitou David Bausola para o spambot. E: Restam-lhe poucas horas. Espero que aproveite!

    Desligue logo isso, escrevi para ele por e-mail. Meu Deus.

    Fiquei feliz por sair vitorioso. Eu me senti muito bem. O sentimento maravilhoso tomou conta de mim como um sedativo. Estranhos pelo mundo inteiro tinham se unido para me dizer que eu estava certo. Era o final perfeito.

    Então, relembrei as demais humilhações recentes em mídias sociais das quais gostei e me senti orgulhoso. A primeira humilhação grandiosa aconteceu em outubro de 2009. O cantor da banda Boyzone, Stephen Gately, tinha sido encontrado morto durante as férias com o parceiro civil dele, Andrew Cowles. O médico-legista atestou o motivo como causas naturais, e o colunista Jan Moir escreveu no Daily Mail: Qualquer que seja a causa da morte dele, não é, de maneira alguma, natural... é mais um golpe contra o mito do ‘felizes para sempre’ das uniões civis.

    Não poderíamos tolerar o retorno desse tipo de preconceito e, como resultado de nossa fúria coletiva, a Marks & Spencer e a Nestlé exigiram que seus anúncios fossem retirados da página do Daily Mail. Bons tempos. Ferimos o Mail com uma arma que eles não entendiam — a humilhação em mídias sociais.

    Depois disso, quando os poderosos falavam besteira, íamos para cima deles. Quando o Daily Mail debochou da caridade de um banco de alimentos por doar uma caixa de comida para o repórter infiltrado do jornal sem verificar sua identidade, o Twitter respondeu com uma doação de 39 mil libras para a instituição ao fim do mesmo dia.

    Esse é o lado bom das mídias sociais, dizia um tuíte sobre aquela campanha. "O Mail, que vive, acima de tudo, de mentir para pessoas sobre os vizinhos delas, não consegue lidar com gente se comunicando, formando opiniões próprias."

    Quando a academia LA Fitness se recusou a cancelar a matrícula de um casal que tinha perdido o emprego e não podia arcar com as mensalidades, nós nos manifestamos. A LA Fitness logo voltou atrás. Esses gigantes estavam sendo derrubados por pessoas que costumavam ser impotentes — blogueiros, qualquer um com uma conta em uma rede social. E a arma que os estava abatendo era nova: humilhação on-line.

    E então, um dia, eu me toquei. Algo realmente importante estava acontecendo. Aquele era o início de um grande renascimento da humilhação pública. Depois de uma calmaria de 180 anos (punições públicas tiveram fim em 1837 no Reino Unido e em 1839 nos Estados Unidos), ela estava de volta em grande estilo. Ao empregar a humilhação, usávamos uma ferramenta muito poderosa — coerciva, sem fronteiras e com velocidade e influência cada vez maiores. Hierarquias eram horizontalizadas. Os silenciados ganhavam voz. Era como a democratização da justiça. Então tomei uma decisão. Da próxima vez que uma grande humilhação moderna começasse contra algum malfeitor importante — da próxima vez que a justiça praticada pelos cidadãos prevalecesse de um modo dramático e correto — eu iria participar. Investigaria de perto e faria uma crônica sobre o quanto essa prática era eficiente em corrigir injustiças.

    Não precisei esperar muito. O usuário @jon_ronson foi abatido em 2 de abril de 2012. Apenas 12 semanas depois, no meio da noite do feriado americano de 4 de julho, um homem deitado no sofá de casa em Fort Greene, Brooklyn, procurava ideias para o blog dele quando fez uma descoberta muito inesperada.

    2

    Ainda bem que não sou assim

    Noite do feriado de 4 de julho de 2012. Michael Moynihan estava deitado no sofá, e sua esposa, Joanna, dormia no andar de cima com a filhinha deles. O casal, como sempre, estava duro. Parecia que todos no meio do jornalismo ganhavam mais do que Michael.

    — Eu nunca consigo transformar ideias em dinheiro — me diria ele depois. — Não sei como.

    Era uma época de ansiedade. Michael tinha 37 anos e se virava como blogueiro e freelancer em um prédio sem elevador numa parte não muito boa de Fort Greene, no Brooklyn.

    Mas ele acabara de receber uma oferta de emprego. O Washington Post convidara Michael para escrever em um blog durante dez dias. Não que o momento fosse dos melhores:

    — Era 4 de julho. Todos estavam de férias. Não havia leitores nem muitas notícias.

    Mas, mesmo assim, era uma oportunidade. E aquilo estava estressando Michael. O estresse tinha estragado as férias na Irlanda para visitar a família da esposa, e, agora, o deixava nervoso no sofá.

    Michael começou a procurar ideias para matérias. Por impulso, baixou o mais recente best-seller de não ficção do New York Times, do jovem, bonito e internacionalmente renomado autor de psicologia pop Jonah Lehrer. Era um livro sobre a neurologia da criatividade, com o título Imagine: How Creativity Works [Imagine: como funciona a criatividade].

    O primeiro capítulo, O cérebro de Bob Dylan, atiçou o interesse de Michael, pois ele era vidrado em Dylan. Jonah Lehrer estava reconstruindo um momento crítico na carreira do cantor — o processo criativo que o levara a escrever Like a Rolling Stone.

    Era maio de 1965 e Dylan estava entediado, cansado de uma turnê arrasadora, magricela devido à insônia e aos comprimidos, enjoado da própria música, pensando que não lhe restava mais nada a dizer. Como Jonah Lehrer escreveu:

    A única coisa da qual ele tinha certeza era de aquela vida não devia durar. Sempre que Dylan lia sobre si mesmo nos jornais, fazia a mesma observação: Deus, ainda bem que eu não sou eu, dizia ele. Ainda bem que não sou assim.

    Então, Dylan contou ao empresário que estava desistindo da música. Ele se mudou para um chalé minúsculo em Woodstock, Nova York. O plano era, talvez, escrever um romance.

    Mas então, logo quando estava mais determinado a parar de compor, ele foi tomado por uma sensação estranha.

    — É algo difícil de descrever — lembraria Dylan mais tarde. — É apenas uma sensação de que você tem algo a dizer.

    Não foi surpresa Imagine ter se tornado um best-seller. Quem não iria querer ler, se estivesse passando por um momento de bloqueio criativo e desespero, que estava exatamente como Bob Dylan pouco antes de ele compor Like a Rolling Stone?

    Michael Moynihan, é preciso esclarecer, não tinha baixado o livro de Jonah Lehrer por estar com bloqueio e precisar de conselhos motivacionais sobre como escrever em um blog para o Washington Post. Jonah Lehrer recentemente se envolvera em um pequeno escândalo, e Michael estava pensando em escrever sobre isso. Algumas colunas que o autor redigira para a New Yorker tinham sido, no fim das contas, recicladas de textos que Jonah publicara meses antes no Wall Street Journal. Michael queria escrever sobre como o autoplágio era considerado menos criminoso no Reino Unido do que nos Estados Unidos, e o que isso dizia a respeito das duas culturas.

    Mas então, Michael de repente interrompeu a leitura. Ele voltou uma frase.

    — É algo difícil de descrever — lembraria Dylan mais tarde. — É apenas uma sensação de que você tem algo a dizer.

    Michael semicerrou os olhos. Quando diabos Bob Dylan disse isso?, pensou.

    — O que o deixou desconfiado? — perguntei a Michael.

    Nós dois almoçávamos no Cookshop Restaurant, em Chelsea, na cidade de Nova York. Michael tinha uma boa aparência e estava inquieto. Os olhos dele eram claros e nervosos como os de um husky siberiano.

    — Simplesmente não soava como Dylan — comentou ele. — Naquela época, em toda entrevista que ele dava, era um completo babaca com os entrevistadores. Aquilo parecia saído de um livro de autoajuda.

    Então, no sofá, Michael voltou alguns parágrafos.

    Sempre que Dylan lia sobre si mesmo no jornal, fazia a mesma observação: Deus, ainda bem que eu não sou eu, dizia ele. Ainda bem que não sou assim.

    No documentário de D. A. Pennebaker, Dont Look Back [Não olhe para trás] (a falta do apóstrofo foi ideia do diretor), Dylan lê um artigo a seu respeito: ‘Tragando forte o cigarro, ele fuma oitenta por dia...’ O cantor ri. Deus, ainda bem que eu não sou eu.

    Como Jonah Lehrer

    Está gostando da amostra?
    Página 1 de 1