Aproveite milhões de e-books, audiolivros, revistas e muito mais, com uma avaliação gratuita

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Manual de Ultrassonografia Dermatológica
Manual de Ultrassonografia Dermatológica
Manual de Ultrassonografia Dermatológica
E-book172 páginas1 hora

Manual de Ultrassonografia Dermatológica

Nota: 0 de 5 estrelas

()

Sobre este e-book

O primeiro manual prático de ultrassonografia da pele!

Destinado a: dermatologistas, ultrassonografistas, radiologistas, cirurgiões plásticos, médicos estéticos ou médicos interessados em ultrassonografia dermatológica.

Nível: Profissionais com e sem experiência em ultrassonografia da pele ou geral.

IdiomaPortuguês
Data de lançamento22 de dez. de 2020
ISBN9781071580301
Manual de Ultrassonografia Dermatológica
Ler a amostra

Relacionado a Manual de Ultrassonografia Dermatológica

Livros relacionados

Artigos relacionados

Categorias relacionadas

Avaliações de Manual de Ultrassonografia Dermatológica

Nota: 0 de 5 estrelas
0 notas

0 avaliação0 avaliação

O que você achou?

Toque para dar uma nota

    Pré-visualização do livro

    Manual de Ultrassonografia Dermatológica - Fernando Alfageme

    MANUAL DE ULTRASSONOGRAFIA DERMATOLÓGICA

    F. ALFAGEME

    Com a colaboração de: E. CEREZO e R. AGUILÓ

    Dedicatória

    à minha mulher Almudena

    aos nossos filhos Aitor e Leyre

    Aos meus pais José e Valentina

    AVISO: A MEDICINA É UMA CIÊNCIA EM MUDANÇA E DESENVOLVIMENTO CONTÍNUOS.

    OS AUTORES NÃO SÃO RESPONSÁVEIS PELAS DECISÕES QUE PODEM SER TOMADAS COM BASE NESTE LIVRO.

    É RESPONSABILIDADE DO MÉDICO COMPARAR AS INFORMAÇÕES FORNECIDAS NESTE LIVRO.

    APRESENTAÇÃO

    Este manual é o auge de uma ideia: que os médicos envolvidos com a medicina da pele (dermatologistas, médicos esteticistas, cirurgiões plásticos e médicos da família) e com a ultrassonografia (radiologistas, ultrassonografistas) conheçam e apliquem os princípios da ultrassonografia no estudo da pele, com a mesma naturalidade com que hoje se pode utilizar outros métodos diagnósticos complementares não invasivos (dermatoscopia, microscopia confocal, luz de Wood etc.).

    O manual foi elaborado tanto para médicos que estão iniciando na ultrassonografia sem conhecimento prévio, quanto para médicos com conhecimento em ultrassonografia que queiram expandir seus conhecimentos em ultrassonografia do tecido cutâneo.

    Na primeira parte, estão apresentados os conhecimentos básicos de ultrassonografia aplicada ao estudo da pele. Esta parte é obrigatória para médicos sem experiência em ultrassonografia e recomendada para médicos com experiência em ultrassonografia como uma revisão de conceitos.

    Na segunda parte, estão expostos os princípios práticos da ultrassonografia cutânea e das estruturas associadas à ultrassonografia dermatológica.

    A terceira parte aborda as patologias cutâneas, tanto inflamatórias quanto tumorais, do ponto de vista ultrassonográfico, juntamente com aplicações em estética e intervenção na pele.

    Esperamos que este manual de introdução à ultrassonografia dermatológica, nas próximas edições, seja o ponto de encontro para a experiência de muitos outros colegas que se apaixonem pela ultrassonografia da pele.

    F. Alfageme

    ÍNDICE

    AGRADECIMENTOS   6

    PARTE I - PRINCÍPIOS DE ULTRASSONOGRAFIA

    Princípios básicos do ultrassom   8

    Como utilizar um aparelho de ultrassonografia? Teclado do equipamento    12

    Semiologia ultrassonográfica e artefatos em ultrassonografia dermatológica    17

    Princípios de Doppler em ultrassonografia dermatológica   21

    PARTE II - PRINCÍPIOS DE ULTRASSONOGRAFIA DERMATOLÓGICA GERAL

    Ultrassonografia da pele e estruturas anexas   32

    Ultrassonografia básica do sistema locomotor em ultrassonografia dermatológica    42

    PARTE III - ULTRASSONOGRAFIA DERMATOLÓGICA APLICADA

    Ultrassonografia aplicada às doenças inflamatórias da pele   50

    Chaves ultrassonográficas dos tumores cutâneos benignos mais frequentes    58

    Chaves ultrassonográficas dos tumores cutâneos malignos mais frequentes    66

    Chaves ultrassonográficas das lesões vasculares cutâneas mais frequentes    77

    Avaliação ultrassonográfica do envelhecimento cutâneo   86

    Avaliação ultrassonográfica dos implantes cutâneos   89

    Ultrassonografia do tecido celular subcutâneo e suas alterações   94

    Ultrassonografia aplicada às intervenções cutâneas   111

    SOBRE OS AUTORES   117

    AGRADECIMENTOS

    Não gostaria de esquecer das diversas pessoas que tornaram este livro possível.

    Á Dra. Villegas do Hospital Sanitas Moraleja, que apoiou a ultrassonografia dermatológica desde o princípio de forma constante e próxima.

    Ao Dr. Aguiló e à Dra. Burón, pela ajuda com a iconografia e pelo companheirismo sincero e amável.

    Aos doutores Suárez e Roustán, do Hospital Universitário Puerta de Hierro, pelo constante incentivo e estímulo.

    Agradeço a Andrés SEVECO por ter possibilitado o início da ultrassonografia com equipamentos de alto desempenho e por seu amável apoio pessoal.

    À Dra. Ximena Wortsman, criadora desta especialidade, por suas ideias e pontos de vista.

    À Dra. Naredo, pioneira na ultrassonografia reumatológica, por compartilhar sua experiência e seus conselhos.

    PARTE I

    PRINCÍPIOS DE ULTRASSONOGRAFIA

    1 – Princípios Básicos do Ultrassom

    F. Alfageme

    INTRODUÇÃO

    Poderíamos começar a manipular o nosso equipamento e obter imagens da pele sem ter algumas noções de física do ultrassom, mas não entenderíamos os fenômenos que aparecem fantasmagoricamente em nossa tela.

    Partiremos de fenômenos intuitivos para chegar aos conceitos básicos que serão úteis na hora de entender as imagens e otimizar os parâmetros do nosso equipamento para visualizar o que realmente queremos ver por meio da ultrassonografia.

    1.1 Ultrassons

    Todos nós temos alguma experiência com o eco como uma onda sonora que emitimos e, ao dar de encontro com uma superfície que o reflete (montanha, caverna, anfiteatro), o som volta para nós (é refletido) com uma ligeira diferença de intensidade, tom e tempo.

    Quando essas ondas sonoras estão em frequências acima de 15.000-20.000 Hertz, portanto inaudíveis, estamos falando de ultrassom.

    No nosso caso, a onda sonora é produzida pelas cordas vocais ao vibrar. No caso dos ultrassons, eles são produzidos por materiais que, ao receberem uma corrente elétrica, se deformam (vibram) com uma determinada frequência: os cristais piezoelétricos.

    Esses mesmos cristais têm a capacidade de realizar o processo inverso, ou seja, converter o som recebido em um sinal elétrico. Os cristais piezoelétricos estão localizados no transdutor.

    1.2 Conceito de interface acústica

    E se o som atingir uma superfície que não seja maciça? Parte do som passará pelo meio do qual passou (ar) para o novo meio e parte será refletido, produzindo um eco que podemos receber em um tempo, intensidade e frequência.

    Em outras palavras, o som é refletido (Fig. 1.1) quando há uma mudança na densidade do meio, e é refletido na superfície de mudança, ou seja, na interface acústica.

    Os ecos interpretados pelo equipamento de ultrassom são um reflexo das interfaces acústicas pelas quais o ultrassom passa. Se a diferença da interface for pequena, todo o som passa por ela e não temos ecos (hipoecoico). Se houver muita diferença, os ecos serão mais fortes (hiperecoico).

    FIG. 1.1. Interface acústica.

    1.3 Modos de ultrassonografia

    Para representar os ecos recebidos em intensidade, tempo e distância, o processador do aparelho de ultrassom (localizado no console) os transforma em sinais de luz em uma tela.

    Se a representação for em uma linha com picos de acordo com a intensidade, teremos o modo A, que é utilizado principalmente na ultrassonografia ocular.

    Se for representado em um plano (seção de ultrassom) com escala de

    Está gostando da amostra?
    Página 1 de 1